Bispo é ordenado no Rio sem autorização de Francisco

Ato não foi autorizado pelo papa Francisco e deve resultar na excomunhão dos dois religiosos.

Eis o desobediente.

Eis o desobediente.

O bispo dom Richard Nelson Williamson ordenou o padre Jean-Michel Foure como novo bispo em cerimônia realizada nesta quinta-feira (19) no mosteiro de Santa Cruz, em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro.

Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, o ato não foi autorizado pelo papa Francisco e deve resultar na excomunhão dos dois religiosos. Crítico ao atual líder dos católicos, Williamson já foi excomungado da religião em 1988 pelo mesmo motivo. Porém, em 2009, o então papa Bento XVI perdoou o inglês, mas impediu que ele realizasse ordenamentos de padres ou bispos.

Em entrevista ao periódico, Williamson disse não ver problemas na excomunhão porque para ele – ou para Foure – isso não surte em nenhum efeito. O religioso ainda afirma que a Igreja já errou ao excomungar santos e nada irá surpreendê-lo.

A ordenação também desagradou o arcebispo do Rio de Janeiro, cardeal dom Orani Tempesta e o bispo de Nova Friburgo, dom Edney Gouveia Mattoso.

Papa Francisco: “pena de morte é inadmissível”

(ACI).- O Papa Francisco recebeu esta manhã em audiência privada uma delegação da Comissão Internacional contra a pena de morte. No encontro o Santo Padre entregou uma carta a Federico Mayor, Presidente da instituição, na qual ressaltou que “hoje em dia a pena de morte é inadmissível”.

pena-de-morte

No texto o Santo Padre afirma que “hoje em dia a pena de morte é inadmissível, por mais grave que tenha sido o delito do condenado. É uma ofensa à inviolabilidade da vida e à dignidade da pessoa humana que contradiz o intuito de Deus sobre o homem e a sociedade e sua justiça misericordiosa, e impede de cumprir com qualquer finalidade justa das penas. Não faz justiça às vítimas, e sim fomenta a vingança”.

”Para um Estado de direito, a pena de morte representa um fracasso, porque o obriga a matar em nome da justiça. Nunca se alcançará a justiça dando morte a um ser humano”, acrescenta.

O Papa afirma deste modo que “com a aplicação da pena capital, nega-se ao condenado a possibilidade da reparação ou emenda do dano causado; a possibilidade da confissão, pela qual o homem expressa sua conversão interior; e da contrição, pórtico do arrependimento e da expiação, para chegar ao encontro com o amor misericordioso e sanador de Deus”.

Continuar lendo

Dois anos de Francisco

Há dois anos, dia 13 de março, Francisco era eleito Papa

Há dois anos, dia 13 de março, Francisco era eleito Papa

Hoje a Igreja celebra o segundo ano do Papado de Francisco. Um Papa Histórico, com os outros, mas que surgiu do momento inesperado da renuncia de Bento XVI.

Neste período, Francisco, o primeiro papa latino, causou polêmica em diversas vezes e pronunciamentos. Se fez papa nos corações dos fiéis aqui no Brasil na Jornada Mundial da Juventude. Aqui conhecemos como seria Francisco.

Em dois anos, ele caiu na graça popular, mas também enfrenta crise na Igreja. Abaixo um texto publicado no Fraters In Unum, que segue a linha mais tradicional da Igreja. Leia…

Dois anos com Bergoglio. Dois anos de terror

Por Padre Cristóvão e Padre Williams – Fratres in Unum.com

Sexta-feira treze. Dois anos da eleição de Bergoglio. Concidência triste, mas superlativamente apropriada.

A Igreja, outrora resplandecente de beleza, ornada com a coroa da sabedoria, o esplendor da doutrina, agora jaz saqueada, banalizada, desfigurada e fútil, sob a batuta de um… papa.

Difícil era prever que chegaríamos a este ponto! Mesmo com os resvalos, pessoais e eclesiais, de Paulo VI, nunca havíamos testemunhado tamanho esvaziamento da sacralidade católica, da mínima fidelidade à fé, e, não cansamo-nos de nos pasmar, até mesmo da lucidez quanto às verdades da lei natural!

Depois do Concílio Vaticano II, foi pública a trepidação na Igreja acerca da profissão do dogma, a deserção, o silenciamento, a desinformação, a apostasia, silente ou não, grotesca em muitos casos, mas em todo orbe sentida. Contudo, também é inegável a firmeza com que os papas posteriores, quase que agarrados aos últimos destroços da nau, em meio ao mar encapelado que a tragava, quase que soçobrando à torrente, anunciaram com desassombro os “princípios inegociáveis” da vida e da família, agora desdenhados por Francisco. [Continue lendo aqui…]

Outro texto que mostra as dificuldades do Papa Francisco, é esse aqui:

“Muitos esperam olhando para o relógio o fim do pontificado”, advertiu à AFP o veterano vaticanista Marco Politi, autor do livro “Francisco entre os lobos”. [Leia mais aqui…]

Opinião

Para mim, Francisco trouxe uma nova luz para esses tempos. Trouxe algo que há muito a igreja não vivia intensamente, popularidade. Contudo, a popularidade não é desejo de todos, mas conversão sim. E é preciso passar pela popularidade para que haja conversão. Bem-vinda ou não , ela é necessária para que possamos agir levando o evangelho a muitos.

por Marquione Ban

Paróquias de Ipatinga-MG aderem ao “24 Horas Para o Senhor”

Segunda edição do evento atinge todo o mundo.

Segunda edição do evento atinge todo o mundo.

As paróquias de Ipatinga-MG aderiram ao projeto “24 Horas para o Senhor”. O momento de louvor, adoração e reconciliação será nos dias 13 e 14 de março, das 18h de um dia até as 18h do outro. As 24 Horas vão ser na Igreja Matriz de Cristo Rei, Centro da cidade.

A programação conta com adoração, missa, oração do terço e principalmente confissões. Os padres de todas as paróquias irão se revezar para atender aos fiéis.

Informações nas Secretarias Paroquiais de sua paróquia ou com lideranças de sua comunidade.

Inciativa Papal

As 24 Horas para o Senhor é uma iniciativa do Papa Francisco, que realizou a primeira edição no ano passado. Na ocasião, Francisco presidiu a Liturgia Penitencial e missa de abertura, além de ter confessado alguns fiéis.

Este ano não será diferente. Papa Francisco presidirá novamente a Liturgia Penitencial e também confessará os fiéis.

Na sua cidade

Vamos divulgar essa iniciativa para todos. Na sua cidade ou diocese deve acontecer esse evento também. Poste nos comentários o local e horários para que mais pessoas possam se reencontrar com Deus. Lembrem-se, todo cristão deve se confessar ao menos uma vez com o Sacerdote.

Papa Francisco diz que mundo que marginaliza mulheres ‘é estéril’

Do G1 | O papa Francisco destacou neste domingo (8), dia internacional da mulher, a importância da presença das mulheres nas sociedades atuais e afirmou que um mundo no qual elas são marginalizadas “é um mundo estéril”.

O papa Francisco fala aos fiéis da Praça São Pedro, no Vaticano, durante o Ângelus neste domingo (8) (Foto: Andreas Solaro/AFP)

O papa Francisco fala aos fiéis da Praça São Pedro, no Vaticano, durante o Ângelus neste domingo (8) (Foto: Andreas Solaro/AFP)

Durante seu pronunciamento depois da oração do Ângelus, o pontífice disse que este 8 de março representa a “ocasião para ressaltar a importância das mulheres e a necessidade de sua presença na vida”.

“Um mundo no qual as mulheres são marginalizadas é um mundo estéril, porque as mulheres não só dão a vida (…), mas têm a capacidade de entender o mundo com outros olhos e de sentir as coisas com coração mais criativo, mais paciente e mais dócil”, ressaltou Francisco em discurso na sacada do Palácio Apostólico do Vaticano.

O papa dedicou uma especial “saudação a todas as mulheres que a cada dia buscam construir uma sociedade mais humana e acolhedora” e expressou seu agradecimento “àquelas que, de diferentes modos, testemunham o Evangelho e trabalham na Igreja”.

Papa na mira do Estado Islâmico

Depois da decapitação dos 21 cristãos coptas egípcios, mês passado, que tinham sido sequestrados na Líbia, os terroristas do temido Estado Islâmico divulgaram um vídeo em que, além de veicular as cenas brutais do covarde assassinato massivo, ainda destacavam a sua aproximação da fronteira italiana, em clara ameaça contra o Vaticano.

Imagem de Franco Origlia - Getty Images; editado FidesPress

Imagem de Franco Origlia – Getty Images; editado FidesPress

O grupo italiano de comunicações Mediaset publicou neste domingo em seu site algumas declarações do comandante das forças vaticanas de segurança, Domenico Giani, 52, sobre esta ameaça contra a sede do catolicismo. Giani confirma que o perigo é real, mas afirma que, até o momento, não há indícios concretos de que esteja em andamento algum plano terrorista para atacar o papa Francisco e o Vaticano.

À frente da Gendarmaria Vaticana há nove anos, Giani foi entrevistado pela revista “Polizia Moderna”, editada pela corporação. Ele observa que “o nível de atenção é constantemente alto”, já que, além das atuais ameaças do Estado Islâmico, existe o risco permanente de atentados isolados que podem ser cometidos por fanáticos ou pessoas mentalmente desequilibradas.

Giani informa que cerca de vinte gendarmes, os policiais do corpo de segurança do Vaticano, são especialmente treinados em ações antiterrorismo e que alguns deles acompanham o papa em suas viagens ao exterior. O comandante destaca ainda as boas relações entre a Santa Sé e vários países muçulmanos, que compartilham informações relevantes no tocante à segurança e ao monitoramento de riscos. O relacionamento da Gendarmaria Vaticana com a polícia italiana também é elogiado por Domenico Giani.

Sobre as eventuais preocupações do papa com a própria segurança, o chefe da “polícia papal” observa que Francisco não pretende mudar o estilo do seu pontificado, baseado na proximidade com os fiéis. “Mesmo como pontífice, ele continua sendo o padre que não quer perder o contato com o seu rebanho”, considera Giani, acrescentando que “somos nós, encarregados da sua segurança, que devemos nos adequar a ele, e não o contrário”.

De fato, desde que foi eleito para o pontificado, Francisco mora na Casa Santa Marta, onde tinha ficado hospedado durante o conclave. A residência está situada dentro das fronteiras vaticanas e Francisco a escolheu porque ali se sente mais próximo das pessoas no dia a dia. Normalmente, os papas residem no Palácio Apostólico, onde a segurança seria maior. Foi mesmo o Vaticano, portanto, quem teve de se adequar a este papa que promove a reaproximação entre a Igreja e as “periferias existenciais”.Francisco já preocupou muitos especialistas em segurança ao se expor a riscos considerados altos, como é o caso do seu costume de usar o papamóvel aberto em vez do blindado, ou de simplesmente descer do papamóvel para conversar com os fiéis no meio da multidão.

Neste domingo, Francisco voltou a denunciar o sofrimento das minorias étnicas e religiosas perseguidas no Iraque e na Síria. O papa convidou os fiéis a rezarem em silêncio na Praça de São Pedro “pelos irmãos que sofrem por causa fé” naqueles países, aterrorizados pelo sangrento fundamentalismo do Estado Islâmico.

Texto publicado em Aleteia

Papa Francisco fala aos cardeais sobre a caridade

Cidade do Vaticano (RV) – “Servir aos outros é nosso único título de honra!”. O Papa Francisco celebrou com os novos cardeais na Basílica de São Pedro na manhã deste domingo (15/02), exortando-os a seguir a lógica de Jesus e o caminho da Igreja: acolher e integrar os que batem à porta, mas também ir buscar, sem medo e preconceito, os distantes.

O Santo Padre dedicou sua longa e articulada homilia à compaixão de Jesus diante da marginalização e a sua vontade de integração. Inspirado na Liturgia do dia, o Papa explicou que Jesus se deixa “envolver na dor e nas necessidades das pessoas”, Jesus tem um coração que “não se envergonha de ter compaixão”, uma compaixão, voltada a reintegrar o marginalizado.

Bento XVI participou do Consistório

Bento XVI participou do Consistório

Para ilustrar esta marginalização, Francisco toma como exemplo o leproso, que pela antiga lei, era “afastado e marginalizado pela comunidade”, considerado impuro. E o objetivo era “salvar os sãos e proteger os justos”, marginalizando assim o “perigo” e tratando sem piedade o contagiado:

“Imaginai quanto sofrimento e quanta vergonha devia sentir, física, social, psicológica e espiritualmente, um leproso! Não é apenas vítima da doença, mas sente que é também o culpado, punido pelos seus pecados. É um morto-vivo, como «se o pai lhe tivesse cuspido na cara». Além disso, o leproso suscita medo, desprezo, nojo e, por isso, é abandonado pelos seus familiares, evitado pelas outras pessoas, marginalizado pela sociedade; mais, a própria sociedade o expulsa e constringe a viver em lugares afastados dos sãos, exclui-o. E o modo como o faz é tal que, se um indivíduo são se aproximasse de um leproso seria severamente punido e com frequência tratado, por sua vez, como leproso”.

Continuar lendo