Todos os posts de anunciador

Devoção a Imaculada Conceição

A comunidade Imaculada Conceição, de Ipatinga, inicia nete dia 01/12 mais uma novena em devoção a Imaculada Conceição. A festa contará com a presença de padres da Diocese de Itabira. A comunidade fica situada no bairro Caçula, proxima ao trevo do bairro Jardim Panorama com Caçula.

Saiba mais sobre Imaculada Conceição:

Mais do que memória ou festa de um dos santos de Deus, neste dia estamos solenemente comemorando a Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Rainha de todos os santos.

Esta verdade, reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos padres e doutores da Igreja oriental, ao exaltarem a grandeza de Maria, Mãe de Deus, usavam expressões como: cheia de graça, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

A Igreja ocidental, que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Em 1304, o Papa Bento XI reuniu na Universidade de Paris uma assembleia dos doutores mais eminentes em Teologia, para terminar as questões de escola sobre a Imaculada Conceição da Virgem. Foi o franciscano João Duns Escoto quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois a Santíssima Virgem era destinada a ser mãe do seu Filho. Isso é possível para a Onipotência de Deus, portanto, o Senhor, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, no seio de sua mãe Sant’Ana, foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina Labouré pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”.

No dia 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus do Papa Pio IX, a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma: “Maria isenta do pecado original”.

A própria Virgem Maria, na sua aparição em Lourdes, em 1858, confirmou a definição dogmática e a fé do povo dizendo para Santa Bernadette e para todos nós: “Eu Sou a Imaculada Conceição”.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós!

Veja o video:

Professor Felipe Aquino explica sobre o dogma da Imaculada Conceição

Felipe Aquino

Fonte Canção Nova
por Marquione Ban

Cristãos são os mais perseguidos por causa de sua fé

Um relatório da Fundação “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) revela que o número de violações à liberdade religiosa tende a aumentar, e que a intolerância em relação aos cristãos está crescendo, até mesmo nos países ocidentais.
 
No relatório de 2010 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, que analisa a situação em 194 países, a AIS considera particularmente preocupantes “as discriminações com base na religião, em especial na área de predomínio islâmico, e a hostilidade face à religião com motivações políticas”.
 
O documento elenca cerca de 20 países onde ocorrem “graves restrições ou muitos episódios de intolerância social ou legal ligados à religião”: Arábia Saudita, China, Coreia do Norte, Cuba, Egito, Índia, Irã, Iraque, Maldivas, Mianmar, Paquistão, Somália e Sudão, entre outros.
 
O relatório indica que Igreja foi praticamente extinta na Coreia do Norte, enquanto nas ilhas Maldivas, a prática do Cristianismo é proibida. A intolerância religiosa continua a aumentar e os cristãos têm sido as principais vítimas, segundo dados oficiais.
 
Dados da agência missionária de notícias FIDES, da Congregação para a Evangelização dos Povos, revelam que 75% das perseguições registradas têm como alvo os cristãos.
 
As perseguições acontecem por várias razões: ódio religioso, como no Iraque ou no Paquistão; ou motivos políticos, como na China e na Coreia do Norte, por exemplo, onde a comunidade cristã já foi praticamente extinta.
 
“Na Coreia do Norte, podemos falar de um dos casos mais extremos de extermínio da comunidade cristã. Neste momento, a Igreja não tem clero, a prática do culto é impossível e a comunidade católica não excede 200 fiéis, segundo a agência AsiaNews, especializada nessa área do mundo.”
 
Mais surpreendente é o caso das Maldivas: essa meta turística, muito procurada em virtude de suas praias paradisíacas, proíbe os cristãos de expressarem sua fé.

Fonte: Rádio Vaticana e do site do CONIC

Papa justifica o uso da camisinha em alguns casos

Esclarecimento do Vaticano às palavras que aparecerão em seu livro-entrevista

CIDADE DO VATICANO – As palavras de Bento XVI no livro-entrevista a ser lançado reconhecem o uso do preservativo em “casos singulares justificados”. De qualquer forma, não supõem “uma mudança revolucionária” no ensinamento da Igreja; são uma confirmação de seu Magistério, esclareceu a Santa Sé.

É o que explica o padre Federico Lombardi S.J., diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, em um comunicado emitido para comentar a grande quantidade de informação veiculada no mundo após o L’Osservatore Romano antecipar algumas palavras que o Papa dedica ao tema da sexualidade, no livro-entrevista “Luz do mundo”.

Ao final do capítulo décimo do volume, realizado pelo escritor e jornalista alemão Peter Seewald, que chega às livrarias no dia 23 de novembro em vários idiomas, o pontífice responde a duas perguntas sobre a luta contra a SIDA/AIDS e o uso do preservativo, que se remontam à discussão que seguiu às palavras pronunciadas pelo Papa no avião que o levava a Camarões e Angola, a 17 de março de 2009.

Com as declarações que o livro publica – esclarece o porta-voz vaticano –, “o Papa não reforma ou muda o ensinamento da Igreja, mas o reafirma, colocando-se na perspectiva do valor e da dignidade da sexualidade humana, como expressão de amor e responsabilidade”.

“Ao mesmo tempo – acrescenta –, o Papa considera uma situação excepcional em que o exercício da sexualidade representa um verdadeiro risco para a vida do outro. Nesse caso, o Papa não justifica moralmente o exercício desordenado da sexualidade, mas considera que a utilização do preservativo para diminuir o perigo de contágio é ‘um primeiro ato de responsabilidade’, ‘um primeiro passo para o caminho para uma sexualidade mais humana’, em lugar de não utilizá-lo, colocando em risco a vida de outra pessoa”.

Neste sentido – sublinha –, o raciocínio do Papa “não pode ser definido como uma mudança revolucionária”

De fato, recorda o porta-voz, “vários teólogos moralistas e autorizadas personalidades eclesiásticas afirmaram e afirmam posições análogas”.

O padre Lombardi não cita nomes, mas entre eles destaca-se o cardeal Georges Cottier, que foi teólogo da Casa Pontifícia de João Paulo II e do próprio Bento XVI, que em uma entrevista concedida em 2005 afirmou que “em situações particulares, e penso em meios onde circula a droga, ou há uma grande promiscuidade humana e muita miséria, como ocorre em algumas zonas da África e Ásia, nesses casos, o uso do preservativo pode ser considerado como legítimo”.

Sobre este tema, o cardeal Javier Lozano Barragán, presidente emérito do Conselho Pontifício para a Pastoral no Campo da Saúde, anunciou em coletiva de imprensa de 21 de novembro de 2006 a entrega de um estudo à Congregação para a Doutrina da Fé, em resposta ao interesse do Papa.

Fonte: http://www.dioceseitabira.org.br

Aparecida: o filme

O filme “Aparecida – o milagre”, com estreia prevista para 17 de dezembro, já é esperado por muitos devotos, ansiosos por ver, na tela do cinema, a história da Padroeira do Brasil narrada de forma contemporânea.

Estrelado por Murilo Rosa e grande elenco, o longa-metragem aborda uma trajetória de transformação, superação e reencontro de um homem com a família, o filho e, sobretudo, consigo por meio da fé em Nossa Senhora Aparecida.

Dirigido por Tizuka Yamasaki e produzido por Gláucia Camargos, toda a trama se passa no Vale do Paraíba, região do Estado de São Paulo onde está localizada a Basílica Nacional de Aparecida, o maior santuário mariano do mundo.

A produtora da obra cinematográfica afirma ser grande a emoção e a responsabilidade em produzir um filme com um olhar atual sobre a história e a devoção à Padroeira do Brasil. “É impossível fazer um filme sem se aproximar dela, e isso me emociona muito: falar da minha aproximação com ela”, comenta Gláucia referindo-se à Mãe Aparecida.

Sobre a expectativa em relação ao longa, o protagonista diz acreditar que as pessoas vão se identificar com essa busca pela fé. “Acredito que, pela verdade dos personagens e pela emoção da história, o filme tem todos os elementos para comover o espectador”, opina.

Outros nomes conhecidos pelo público, como Maria Fernanda Cândido, Leona Cavalli e a veterana Bete Mendes também compõem o elenco e falam sobre o papel que interpretam.

Maria Fernanda, que interpreta Beatriz, define sua personagem como uma mulher contemporânea. Alta executiva, ela acompanha Marcos, personagem de Murilo Rosa, em vários momentos importantes de sua vida profissional e pessoal. “Certamente, o público irá encontrar diversos pontos de identificação com as personagens e situações desse filme maravilhoso!”, enfatiza a atriz.

Leona Cavalli e Bete Mendes disseram ter gostado da possibilidade de atuar num filme dirigido por Tizuka Yamasaki e do roteiro sobre a fé em Nossa Senhora. Os atores Rodrigo Veronese e Jonatas Faro, estreantes na cinematografia, também são integrantes do filme.

Trilha sonora

Com estilo próximo ao dos filmes clássicos italianos e tema que visa aproximar o espectador da trama, a trilha sonora foi produzida por Paulo Francisco Paes. Bastante extensa – cerca de 50 minutos – ela é composta por três temas principais: um da infância do Marcos, um religioso ligado à Virgem Maria e ao milagre, e um para o protagonista na fase adulta, desenvolvido em diferentes situações da vida. A trilha também inclui um coral para 40 vozes.

O gênero musical, sempre apresentado em temas religiosos, está presente no início e no final do filme, e também no momento do milagre, quando o pescador João Alves recupera a imagem da santa.

“A música está muito presente em boa parte do filme, e foi uma grande experiência, sobretudo, para um estreante. Trabalhei muito, mas acredito que o objetivo inicial foi atingido: acentuar a religiosidade da história”, conta Paes.

Assista ao trailer oficial do filme:

Fonte: www.cançãonova.com

ENMJ – Encontro Nacional de Movimentos Juvenis

O Primeiro Encontro Nacional de Movimentos Juvenis (ENMJ) acontecerá nos dias 3, 4 e 5 de dezembro no Centro Mariápolis Ginetta, em Vargem Grande (SP). Cerca de 450 jovens e 50 adultos, lideranças nacionais de movimentos e congregações que trabalham com jovens todo o Brasil, estarão juntos para celebrar a unidade da Igreja na diversidade de carismas.

O ENMJ é organizado pelo Setor Juventude da CNBB, que tem procurado, a cada dia, aproximar-se das mais diversas expressões juvenis presentes na Igreja do Brasil. O Setor Juventude busca somar esforços para que todos juntos possam anunciar, com discernimento e responsabilidade, o Evangelho de Jesus.

 Mais de vinte movimentos de expressão nacional já confirmaram presença. Entre eles, o Segue-me, o Caminho Neocatecumenal, o Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica, a Legião de Maria, as Equipes Jovens de Nossa Senhora, e outros. Também estarão presentes as congregações que estão caminhando mais próximas do Setor Juventude Nacional, como a Articulação da Juventude Salesiana, a Pastoral Juvenil Marista, a Juventude Franciscana e os Vicentinos Jovens, além da Comissão Nacional de Leigos do Brasil, um dos organismos da CNBB.

Também participarão do encontro os secretários nacionais das Pastorais de Juventude e representantes das Comunidades Novas com maior representação nacional, como a Comunidade Católica Shalom e Canção Nova.

Dom Eduardo Pinheiro, Bispo Referencial do Setor Juventude e Dom Altieri, Bispo de Caraguatatuba-SP estarão presentes como assessores. O Cardeal Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidirá a Missa de Abertura.

Durante o encontro, também ocorrerá o lançamento do site Jovens Conectados, que será a página oficial do Setor Juventude na internet e vai congregar notícias e informações sobre as várias expressões eclesiais dedicadas ao trabalho com os jovens.

A finalidade

O Setor Juventude tem como função potencializar as mais diversas expressões que trabalham com juventude no Brasil e não desarticular as que existem, criando um organismo único. “O Setor não é um espaço de estrutura, é um espaço de propostas, de comunhão, onde todos são bem vindos no esforço de evangelizar a juventude deste imenso país”, esclarece Padre Sávio Ribeiro, Assessor Nacional do Setor Juventude. 

Serviço

Para obter mais informações sobre o encontro, acesse http://www.encontromovimentos.wordpress.com ou entre em contato pelo e-mail: juventude@cnbb.org.br .

Advento: a esperança nunca acabará

Como fez para outros tempos do ano litúrgico, o Vaticano II enriqueceu notavelmente de leituras bíblicas o período do Advento. Os três ciclos para os quatro domingos, as leituras cotidianas da missa durante essas quatro semanas, apresentam um tesouro considerável, digno de uma atenta catequese. O novo calendário romano, no n. 39, cuidou de exprimir o significado do Advento: “O tempo do Advento tem uma dupla característica: é tempo de preparação para a solenidade do Natal, em que se recorda a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens e simultaneamente é o tempo no qual, através desta recordação, o espírito é conduzido à espera da segunda vinda de Cristo no final dos tempos”. Esse significado envolve o lecionário inteiro: a escolha de cada perícope evangélica não só confere a cada celebração seu colorido litúrgico particular, mas determina, pelo menos para os grandes tempos do ano, a escolha das outras leituras ductilmente harmonizadas com ela.
DOMINGOS DO ADVENTO
 
Os domingos exprimem uma continua progressão partindo do segundo advento, ligado ao último domingo do ano, embora sempre sublinhem o nascimento de Jesus, para chegar à encarnação do Verbo. O número das perícopes escriturísticas é impressionante e confere à celebração do Advento uma riqueza teológica incomparável. Observe-se a discreta harmonização entre as três leituras do mesmo domingo. Somos pois convidados a ler e a estudar os textos na sua recíproca ligação no âmbito da celebração de um mesmo domingo, mas também na sua ligação com os textos dos domingos seguintes. Basta olhar simplesmente a tabela das leituras na tradição romana, para o leitor tomar consciência de que as leituras do Lecionário do Vaticano II se inspiraram amplamente na escolha dos lecionários precedentes. Mas o lecionário atual propõe também duas leituras próprias para cada dia das quatro semanas do Advento: é mais uma riqueza, que infelizmente nos é impossível comentar aqui. Vamos limitar-nos a oferecer uma brevíssima síntese apenas das leituras dominicais.
A tonalidade de fundo que percorre o 1º domingo é a da espera vigilante do Senhor. Ele anuncia o seu retorno. Devemos estar alertas. As nações se reunirão. O dia está próximo (ciclo A). De fato, esperamos que o Senhor Jesus se revele. Quando vier, tudo será restaurado, o universo e cada um de nós (ciclo B). E preciso vigiar e estar pronto para comparecer de pé diante do Filho do homem. Um germe de justiça se instaurará no fim dos tempos, pelo que devemos estar firmes e irrepreensíveis (ciclo C)
Se o reino dos céus está próximo, é mister preparar os caminhos. É o tema específico do 2º domingo do Advento. O Espírito está sobre o Senhor e nele as promessas são confirmadas (ciclo A). Preparar os caminhos significa preparar um mundo novo, uma terra nova (ciclo B). Devemos saber ver a salvação de Deus, cobrir-nos como manto da justiça e revestir-nos do esplendor da glória do Senhor (ciclo C).
O 3º domingo apresenta os tempos messiânicos. Deus vem salvar-nos, a sua vinda está próxima, as curas são o sinal da sua presença (ciclo A). No meio de nós está alguém que não conhecemos. Exultamos pela presença de quem está marcado pelo Espírito (ciclo B). Um mais poderoso que João Batista deve chegar. Já está aqui. E esse o tempo da fraternidade e da justiça (ciclo C).
O 4º domingo do Advento anuncia a vinda iminente do Messias. José foi pré-advertido. Uma Virgem conceberá o Filho de Deus, Jesus Cristo, da estirpe de Davi (ciclo A). A noticia é comunicada a Maria. O trono de Davi será firme para sempre. O mistério calado por Deus durante séculos é agora revelado (ciclo B). Também Isabel agora sabe. De Judá sairá aquele que vai reger Israel. Ele vem para cumprir a vontade de Deus (ciclo C).
SÍMBOLOS DO ADVENTO
 
Denominamos de Advento o tempo correspondente aos 4 domingos, às 4 semanas antes do Natal. Este tempo pode ser de 22 a 28 dias, dependendo do ano e, conseqüentemente do dia da semana em que caem o 25 de dezembro. Muitas tradições e conteúdos estão relacionados com esse tempo.
Início do Ano Litúrgico: para a Igreja Cristã no Advento inicia-se o novo ano. O primeiro Domingo de Advento é o início do calendário litúrgico da Igreja que organiza e determina as comemorações, as celebrações e os principais conteúdos da vida comunitária dos cristãos; por exemplo: Advento, Natal, Epifânia, Paixão, Páscoa, Ascensão, Pentecostes, Trindade, Ação de Graças, Reforma, Eternidade.
Espera e Vigília: Advento significa “vinda”, “chegada”. Está relacionado à chegada de Deus ao mundo. Tempo determinado para a preparação da festa do nascimento de Jesus. Ao mesmo tempo, esta “espera” recebe os traços litúrgicos e de comportamento próprios de uma “vigília”, a partir do impacto da expectativa das comunidades cristãs (venha o teu reino) relacionada à nova vinda de Cristo, à chegada do “novo Céu e a nova terra”. Temos nesta época conteúdos de fé e tradições cristãs que promovem a alegria, causada pelas dádivas de Deus relacionadas ao nascimento de Jesus e pela expectativa de uma ação salvadora plena que ainda vai chegar, neste caso uma antecipação da grande alegria vindoura.
Esperança: advento é um tempo apropriado para fomentar a construção da esperança, uma esperança que transcende os limites das necessidades materiais e imediatas, uma esperança que inclui uma visão de mundo, de tempo e espaço onde é possível a dignidade, a justiça, a paz e o amor, o equilíbrio da vida e da Criação de Deus. Para a construção desta esperança necessário se faz re-elaborar e resistir aos apelos do consumo, próprios desta época em que o comercio e outras ações típicas da sociedade de consumo propõe, subvertendo os conteúdos e as tradições criadas em torno do Natal de Deus no mundo.

COROA DO ADVENTO

A coroa de advento é feita com ramos verdes, geralmente envolvida por uma fita vermelha e nela 4 velas são afixadas. Ela simboliza e comunica que naquela Igreja, casa, escritório ou qualquer espaço em que ela esteja vivem pessoas que se preparam com alegria para celebrar a vinda de Deus ao mundo, o Natal.

O círculo da coroa: simboliza a nova aliança de Deus com a humanidade. Esta nova aliança é celebrada no sacramento da Santa Ceia. Ao círculo da coroa pode ser relacionado também a coroa de espinhos colocada na cabeça de Jesus naquela semana em que foi crucificado – a nova aliança foi feita pelo Jesus negado e rejeitado, com humildade e doação. Os ramos verdes, os ramos mesmo cortados permanecem verdes por semanas: comunicam a esperança, uma esperança que leva a perseverança, uma entrega total da vida a Deus.
A fita vermelha: a cor vermelha na tradição litúrgica está ligada à cor do fogo e do sangue. Simboliza a cor da vida, do amor e ao mesmo tempo do derramamento do sangue, sacrifício. A nova aliança de Deus com a humanidade foi feita com amor, doação, sacrifício e trouxe a vida plena e eterna.
As 4 velas: uma vela para cada domingo que antecede ao dia 25 de dezembro. Alguns registros históricos contam que a coroa de advento surgiu em uma instituição que abrigava crianças pobres. Inicialmente ela continha entre 22 a 28 velas, uma para cada dia do tempo de advento. Devido aos custos diminuiu-se o número de velas. As velas da coroa são acesas (a cada domingo mais uma), para iluminar a Vigília do Advento, a preparação para vinda da luz ao mundo. Simboliza que Jesus Cristo é a luz do mundo. Comunica a alegria da vida que procede de Deus, aquela que vai além dos limites que a vida no mundo impõe.
Advento é tempo de voltar-nos para o Deus que nos ama e que está bem perto de nós. É tempo da fé nas coisas novas, no novo céu e nova terra onde habita a justiça e a paz. É tempo de limpeza e arrependimento, de opção por uma vida saudável em que sobra espaço para a solidariedade, a verdade, a paz e a comunhão. É tempo da construção da esperança e da vida comunitária que rompem os nossos limites e entendimento. É tempo de alegria, de festejar o amor de Deus por nós.
imagens da internet

Dia Nacional do Leigo

Em 1991, a Igreja no Brasil criou o Dia Nacional dos Cristãos Leigos e Leigas. A data escolhida foi a festa de Cristo Rei, celebrada no final de novembro. Neste ano, a festa ocorre no próximo domingo, 22, e coincide com o encerramento do Ano Nacional Catequético, lançado pela CNBB no mês de abril.
Segundo o presidente da Comissão Episcopal para o Laicato da CNBB, dom José Luiz Bertanha, há duas razões para a escolha desta data. “Nessa ocasião (festa de Cristo Rei), os leigos e leigas da Ação Católica faziam sua adesão de pertença a esse movimento e, nessa festa, a cada ano, renova-se o compromisso com o reinado de Jesus de Nazaré, de maneira especial, contribuindo com a construção da sociedade justa, fraterna e solidária para que haja vida para todos”, recorda o bispo.
Leigo é o termo usado, na Igreja, para designar os que foram batizados, mas que não receberam nenhum ministério ordenado como, por exemplo, os bispos, padres e diáconos. “Pelo nome de leigos são compreendidos todos os cristãos, exceto os membros de ordem sacra e do estado religioso aprovado na Igreja”, diz o documento Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II.
“O Concílio Vaticano II resgatou o papel fundamental dos leigos como membros povo de Deus e protagonistas da Evangelização e da promoção humana”, explica dom Bertanha. “São homens e mulheres da Igreja no mundo e homens e mulheres do mundo na Igreja”, completa.
É comum haver organização específica de leigos como, por exemplo, Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), criado em 1975, com o apoio da CNBB. “O CNLB busca suscitar nos leigos a consciência crítica e criativa de sua identidade, vocação e missão, a fim de que seja presença atuante nos espaços sociais, políticos, econômicos e culturais do país”, diz o editorial do jornal Terceira Hora, na edição de novembro, publicado por ocasião das comemorações do Dia dos Leigos.
“Precisamos valorizar e incentivar os Conselhos de Leigos, seja no âmbito Nacional, Regional, assim como nas Igrejas Particulares, pois são instrumento válido, ativo e necessário para contribuir com a melhor compreensão da vocação laical bem como sua missão no meio do mundo e na comunidade eclesial”, recorda dom Bertanha.
Veja a mensagem de Dom José Luis Bertanha:
 

 

Texto extraído do Site da CNBB http://www.cnbb.org.br/

Curso ecumênico de verão

O Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular – Cesep, com o apoio da revista Missões, realizará o XXIV Curso de Verão, entre os dias 9 e 16 de janeiro de 2011, em São Paulo (SP). O tema central a ser trabalhado será A vida: Desafio à Ciência, Bíblia e Bioética do genoma às células tronco.
 
O evento oferecerá aos participantes um certificado do curso de extensão emitido pela PUC-Cesep. Para participar, é necessário pagar uma taxa no valor de 160 reais. Para mais informações, ligue para o número +55 (11) 3105-1680. As inscrições poderão ser feitas através do site http://www.cesep.org.br/   
  
 
O CURSO DE VERÃO é um programa de formação popular no campo sócio-cultural, a partir da realidade e dos seus desafios, à luz da Bíblia, Teologia, Pastoral e do compromisso cristão na sociedade. É um espaço ecumênico e inter-religioso de convivência, partilha, troca de experiências, celebração e compromisso.
 
Acolhe participantes empenhados na busca da unidade entre cristãos e entre homens e mulheres de toda a família humana, no esforço para se transformar as pessoas e a sociedade na linha da justiça e da solidariedade.
 
É um curso realizado em MUTIRÃO: pessoas, famílias, comunidades, movimentos populares e instituições educativas e religiosas colocam-se gratuitamente a serviço de sua preparação ao longo do ano e de sua realização.
 
O curso é organizado para um grande número de participantes vindos de todas as regiões do Brasil e mesmo de países da América Latina, do Caribe e de outros continentes. Oferece, ao mesmo tempo, uma atenção muito pessoal a cada participante que é acolhido em grupos menores, dentro da metodologia da Educação Popular, que combina reflexão e criatividade, arte e celebração.
 
Em 2011, o XXIV Curso de Verão volta-se para a atual revolução no campo da biologia e da genética humana, mapeando os avanços da ciência, no sequestramento do genoma humano, nas promessas de terapias genéticas, nas técnicas de clonagem de plantas e animais, no combate biológico a pragas e doenças. Volta-se também para os relatos bíblicos da criação, no diálogo com os novos dados da ciência e as antigas e renovadas perguntas sobre o sentido da vida cósmica e humana, da existência pessoal e coletiva, em sintonia com a Campanha da Fraternidade: CF-2011, sobre a vida no planeta.
 
O curso é dirigido a pessoas comprometidas – especialmente jovens – com trabalhos pastorais, comunitários e com os movimentos populares e suas causas.
 
Conteúdo / Assessoras/es
– A revolução científica na biologia e genética. O projeto genoma e as células tronco embrionárias – uma nova fronteira na pesquisa genética: seus dilemas científicos, éticos e jurídicos.
 
Lygia da Veiga Pereira – Livre docente e pesquisadora na área de genética humana-USP, São Paulo (SP)
 
– Deus da vida e da história
 
Carlos Mesters – Biblista e um dos fundadores do Centro de Estudos Bíblicos – CEBI
 
– Bioética – Fundamentos e questões específicas sobre pesquisas envolvendo seres humanos
 
Márcio Fabri dos Anjos – Professor de teologia do ITESP e docente do mestrado em bioética no Centro Universitário S. Camilo; membro da Câmara Técnica de Bioética do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP)
 
– CF 2011: Fraternidade e a vida no planeta: A criação geme em dores de parto.
José Adalberto Vanzella
 

Serviço:

Custos, Descontos e Bolsas*
 
Inscrição: R$   160,00
 
Desconto: Para quem pagar até 10/12/2010, há um desconto de 12,5% (R$  20,00) = R$   140,00
 
Alimentação: Cerca de 15% do salário mínimo vigente em janeiro de 2011, referentes ao almoço no restaurante da PUC, nos oito dias de curso.
 
Hospedagem: Os participantes são acolhidos gratuitamente, para jantar, dormir e tomar o café da manhã, por famílias e comunidades envolvidas no mutirão.
 
*Bolsas: A comunidade ou movimento que confirmar presença de um grupo de 05 participantes pagará apenas 04 inscrições.
 
Data
09 a 16 de janeiro de 2011
Mais informações através do site http://www.cesep.org.br/
por site do CONIC – www.conic.org.br

Comunidade Imaculada Conceição celebra tríduo em honra a Nossa Senhora

          A comunidade católica do bairro Caçula, tem como padroeira Nª Sra. da Imaculada Conceição e irá celebrar o tríduo em sua devoção. A festa será nos dias 5, 6, 7 de dezembro. Todos os dias terão missa. O encerramento no dia 8 ficará com o padre Aloisio Vieira, paroco da Paroquia Sagrada Família – de Ipatinga/MG.

          Todos os dias após as missas haverá barracas com comidads tipicas. A comunidade Imaculada Conceição fica no bairro Caçula, av. Guido Marliery, saida para o bairo Iguaçu.

Campanha da Fraternidade 2010 discutirá a economia e será ecumênica.

A Campanha da Fraternidade do ano de 2010 será sobre Economia. O tema é “Economia e vida”  e o lema“Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro” Mt 6,24.  A C.F. 2010 possui uma particularidade. Ela é organizada pelo CONIC – Conselho Nacional da Igrejas Cristãs.

A cada 5 anos o CONIC realiza a campanha que passa a ser ecumênica. Para entedermos melhor a importância desse fato e o que é ecumenismo, segue abaixo o vídeo com a entrevista da Irmã Marcia Maria – presidente do CONIC/MG – ao O ANUNCIADOR feita no mês passado, quando ela veio a Diocese de Itabira ministrar o curso de formação da campanha. Veja:

 

Irmã, junção das igrejas é ecumenismo?

 

 

Qual a importância da C.F. 2010?

 

 

Quais os objetivos desta campanha?

 

(IN) Tolerância religiosa

Cristo, a igreja e a tolerância

 

Na linguagem oral o verbo tolerar significa suportar algo ou alguém. Neste caso, a palavra tolerar expressa a dificuldade das religiões aceitarem umas as outras ou até mesmo o direito de discordar.

 

No principal livro cristão, a Bíblia, os evangelhos contam que Jesus Cristo teve esta dificuldade com seus discípulos. Jesus a caminho de Jerusalém quis passar pela Galiléia. Os habitantes daquela região não o quiseram receber pelo fato de ser judeu. Ao saber disso, dois discípulos quiseram que Jesus os castigasse fazendo descer sobre eles o fogo Divino. Jesus os repreendeu dizendo: “Vocês não sabem de que espírito sois” (Lc 9, 55). Jesus também disse a um discípulo que queria proibir alguém de expulsar demônios, porque não pertencia ao grupo deles: “Não o proíbam. Quem não está contra nós, está do nosso lado” (Lc 9, 49- 50). Ele quis ensinar seus discípulos a descobrir Deus no diferente, como é o caso do oficial romano Paulo – que é um dos apóstolos – na mulher estrangeira e nos samaritanos.
 

Certamente, vale para toda pessoa, em qualquer tradição ou corrente religiosa, a palavra que, há alguns anos, os bispos católicos da Ásia escreveram: “Deus é amor e se dá de mil maneiras à humanidade. Não nos pede permissão para se revelar às diversas comunidades e grupos humanos. Reconhecer estas múltiplas formas de como seu amor se revela é um modo importante de honrá-lo e corresponder ao seu amor”.
 

Jesus deixou dois mandamentos. O primeiro é: “amar o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito;” (MT 23,37), e o segundo é: “amarás o teu próximo, como a ti mesmo” (MT 23,39). Para a irmã Márcia Maria presidente do CONIC-MG (Conselho Nacional das Igrejas Cristãs) “ser ecumênico não significa que todos devem ser católicos ou pertencerem a Assembléia de Deus, mas sim aceitar as diferenças e colocar em pratica as igualdades ensinados por Cristo”, afirma.  Ela disse ainda que a “igreja nasceu católica, universal” e que só depois se constituiu Católica Apostólica Romana. “No inicio a igreja era de todos, judeus, gregos e outros”, completa a Irmã.

Legislação sobre tolerância religiosa

A Constituição brasileira preve no artigo 5º que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias ,e a aceitação dos diferentes tipos de religião existente no mundo e na sociedade.” Também é considerado crime atraves do codigo penal, em seu artigo 208 “escarnecer1 de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar2 publicamente ato ou objeto de culto religioso.”

O Dia Nacional de combate à intolerância religiosa foi criado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República no dia 27 de dezembro de 2007, por meio da lei n. 11.635. O decreto é muito conciso: “Fica instituído o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a ser comemorado anualmente em todo o território nacional no dia 21 de janeiro.” O artigo 2 diz que “a data fica incluída no Calendário Cívico da União para efeitos de comemoração oficial.” Traz as assinaturas do presidente da República e do ministro da Cultura.


 

A fé, a religião e a tolerancia organizada em entidades e eventos.

 

Hoje no Conselho Mundial da Igrejas – CMI – existem 349 igrejas cadastradas. Esse numero é muito maior no mundo. Em defesa da tolerancia as igrejas procuram se encontar no CMI, não para debater as diferenças, mas para desenvolverem o lado comunm existente entre elas.

 

No Brasil existe um conselho similar a CMI, o  CONIC – Conselho Nacional da Igrejas Cristãs do Brasil. Ele é composto pela Igreja Católica Apostolica Romana, Igreja Cristã Reformada, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil,  Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia e Igreja Presbiteriana Unida. Juntas elas desenvolvem a  cada 5 anos a Campanha da Fraternidade Ecumenica. O Conselho já realizou três campanhas ecumenicas, em 2000 foi a primeira e era Fraternidade e os Excluidos; em 2005 a segunda e o tema foi Fraternidade e Paz e a em 2010 a terceira campanha ecumenica com o tema: Economia e vida. Diferente do CMI o CONIC não aceita ainda igrejas e religiões de confissões diversas a Cristã.

 

No Brasil existe também as Comunidades Eclesiais de Base, que  promovem seu evento, a nivel de Brasil, a cada 5 anos. O encontro de CEB’s é marcado pelo pluralismo religioso. O evento conta com a pesença em massa de catolicos embora haja grande participação de indigenas e sua tradições, menbros do Candomble e outras tradiçoes africanas. Semelhante a CEB’s o Movimento Nacional de Fé e Política também é ecumênico.

Saiba mais:

Agencia Baptist Press

O que ecumenismo?

Conselho Mundial das Igrejas

As redes sociais e as igrejas.

Orkut, Facebook, Twitter, MSN e outros sites de relacionamentos são uma febre entre os brasileiros.  Cerca de 55% dos usuários do Orkut no mundo são do Brasil. Agora essa febre também chegou no universo das igrejas. O grupo Canção Nova lançou neste ano o Gente de Fé, site de relacionamento católico.

Ao digitar no Google a expressão “sites de relacionamentos católicos” imediatamente aparecem 2.220.000 resultados para a pesquisa. Na primeira página surgem 4 grandes sites de relacionamento, sendo que a maioria é voltada ao namoro. Também como resultado de pesquisa no Google há aproximadamente 505.000 sites católicos no ar hoje – considerando paginas em português.

Impulsionado pelo advento tecnológico da internet e comemorando o dia mundial das comunicações, em maio deste ano, o Papa Bento XVI incentivou o evangelismo pela rede dizendo a “todos os que utilizam as novas tecnologias das comunicações, especialmente os jovens, a fazê-lo de uma forma positiva” e a “dar-se conta do grande potencial desses meios para construir laços de amizade e solidariedade que possam contribuir para um mundo melhor”.

Talvez inspirados pelas palavras do Papa o maior grupo de comunicação católico do Brasil, a Canção Nova, criou o Gente de Fé.  Diferente do Orkut seu usuário possui um blog. Em entrevista ao blog Diário Pernambucano João Mariano Silva Neto, gerente de planejamento do Departamento de Tecnologia da Canção Nova, diz que “na maioria dos sites de relacionamento não há uma preocupação ostensiva do compromisso com a verdade das informações postadas. É possível assumir outra personalidade, integrar comunidades sem se identificar verdadeiramente, acessar materiais inadequados e abusar da navegação.” Ele diz ainda que “nós procuramos oferecer um ambiente favorável ao surgimento de amizades verdadeiras, trocas de experiências comprometidas com o crescimento do outro, além de oferecer um número ainda maior de ferramentas que estimulam a interação”, afirma o diretor.

Para Alice Batista, usuária do Gente de Fé, as redes sociais católicas são “um instrumento muito rico, onde podemos trocar testemunhos, mensagens que  podem animar aqueles que se encontram abatidos, conhecer cristãos de verdade e fazer amizades com pessoas que buscam o mesmo Deus.”

Conheça alguns sites de relacionamento católicos:

Gente de Fé

Nação Católica

Encontros Católicos

Bar Brasil – bate-papo católico

Namoro Católico

7º Encontro de Fé e Política será neste fim de semana

Ipatinga sedia o sétimo Encontro Nacional de Fé e Política nos dias 28 e 29 de novembro. O evento será nas dependências do Centro Esportivo 7 de Outubro, bairro Veneza I.

 

O movimento surgiu no final da década de 80 com o intuito de reunir grupos informais de reflexão, cristãos engajados na política à luz da fé cristã. É ecumênico e está aberta a todas as pessoas que consideram política a dimensão fundamental da vivência de sua fé.

 

Segundo César Custódio, coordenador do 7º Encontro afirma que o objetivo geral do encontro “é trazer a tona temas que estão em evidencia, por isso que o tema está sendo esse: Espiritualidade, ecologia e economia; geralmente são questões ligadas a varias igrejas diferentes. Ele não é um movimento da igreja católica ele é independente”, afirma.

 

A discussão vai girar em torno principalmente da preservação do meio ambiente, dos cuidados com a natureza, da qualidade de vida das pessoas, da crise econômica atual e do futuro da humanidade. O objetivo e conscientizar as pessoas sobre as atitudes que deverão ser tomadas, como diminuir o tempo que a torneira ou o chuveiro ficam abertos; separar o lixo orgânico do não orgânico; reutilizar o copo de plástico ou nem usar plástico.

Welliton Leite, inscrito no 7º Encontro,  fala que ira participar para aprimorar seus conhecimentos e comenta o que esse encontro pode mudar na sua vida. “Eu acredito no crescimento através do aprendizado, sempre que a gente aprende mais, conhece outras culturas, conhece novas opiniões sobre novos assuntos, isso é sempre um crescimento na vida de qualquer cidadão, de qualquer pessoa que queira participar ativamente na sociedade que está inserido”, diz.

Durante o encontro também serão realizadas 16 plenárias em igrejas e escolas situadas no Vale do Aço. Também serão realizadas oficinas com grupos indígenas. O encontro conta com a presença de várias personalidades religiosas e da política nacional
A hospedagem da pessoas será feita da mesma forma do Encontro das Comunidades Eclesiais de Base (CEB´s) onde as famílias acolheram os inscritos vindos de outras cidades e estados.

 

Projeto de lei 9.840 poderia ter mudado situação política de Ipatinga

Entrega do Projeto de Lei 9.840 ao DeputadosNesta terça-feira foi entregue à Câmara dos Deputados o projeto de lei de iniciativa popular lei 9.840. O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) tem como objetivo ao entregar o projeto, alterar a lei 9.840 propondo o aumento do tempo de punição para oito anos de inelegibilidade, agilizar o os processos judiciais eleitorais e enumera maior conjunto de situações que impedem a candidatura de políticos “ficha suja”. 

Caso a lei 9.840 estivesse aprovada e em prática nas eleições municipais passadas, o cenário político de Ipatinga e tantas outras cidades seriam diferentes.  Possivelmente Chico Ferramenta não seria candidato. A proposta popular prevê que políticos com julgamento em segunda instância não devem ter registro de candidatura liberado, que é o caso do ex-Prefeito. Chico teve sua prestação de contas do mandato de 90 e 92 rejeitadas pela Câmara de Vereadores e Tribunal de Contas da União (TCU). 

Não só o petista não poderia se candidatar, como também o ex-Prefeito Quintão. Isso na eleição extemporânea de Ipatinga, que iria acontecer neste mês. Assim como Ferramenta, Quintão possui processos judiciais em segunda e terceira instância ainda não julgados e outros sentenciados. 

Com essa proposta de lei o cidadão brasileiro não verá nos palanques figuras como Maluf, Renan, Deputado do Castelo, Quintões e Ferramentas. Se a lei for aprovada até abril de 2010 ela valerá para as eleições presidenciais. 

Quem está por de traz do MCCE?  

No ano de 1996, a Campanha da Fraternidade – C.F. – foi sobre política. Diante esse debate que durou todo o ano de 96 a Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP), que é da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – inspirada na C.F. lançou o projeto “combatendo a corrupção eleitoral” em 1997. Através deste projeto criou-se o projeto de lei 9.840 que foi aprovado em 1999, depois do CBJP entregar mais de um milhão de assinaturas aos deputados.

 Com o intuito de garantir a aplicação da lei 9.840, criou-se em 2002 o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral – MCCE. A organização é formada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Comissão Pastoral da Terra (CPL), Associação Brasileira dos Magistrados, Procuradores e Promotores Eleitorais (ABRAMPPE), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e outras.

 Saiba mais:

 Sobre o MCCE e seus projetos.

Situação Política de Ipatinga.

Repercussão da entrega do projeto de lei 9.840.

Opinião da CNBB.

Enquete:

Você pode dar sua opinião sobre a lei 9.840 e a situação política de Ipatinga.

Clique aqui

7° Encontro Nacional Fé ePolítica

Cartaz do evento
Cartaz do evento

Foram prorrogadas as inscrições para o 7° Encontro Nacional Fé e Política. As inscrições iriam até dia 11 de setembro com o custo de R$ 20,00 e depois desta passaria para R$ 30,00.

A organização do evento prorrogou até o dia 05 de outubro as inscrições com no valor de R$ 20,00. Depois será R$ 30,00. O cadastramento é feito pelo site.

Este ano o Movimento será em Ipatinga, no ginásio 7 de Outubro, nos dias 28 e 29 de novembro. Tem como tema “Cuidar da vida: espiritualidade, ecologia e economia. São estimados 4 mil pessoas vindas de todos os Estados brasileiros.

Nos dois dias serão oferecidas 20 plenárias com temas diversos e duas palestras. O movimento sempre conta com presença de Leonardo Boff e este ano já estão confirmados Patrus Ananias, Chico Alencar e Dom Tomás Balduíno.

                                                                                                                 Marquione Ban

Intolerância Religiosa

Segundo o site Portas Abertas os cinco países que possuem maior intolerância religiosa são Coréia do Norte, Arábia Saudita, Irã, Afeganistão e Somália. Ao todo o portal enumera 50 nações que não cumprem o artigo dezoito da Declaração dos Direitos Humanos. “Todo homem tem direito a liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião e/ou crença (…)” afirma a Declaração.

O cerceamento religioso ainda existe e leva a sociedade a um debate ainda maior. Até que ponto o ocidente interfere no oriente (?). Dos cinqüenta países listados pelo portal somente Cuba não freqüenta a geografia oriental.

De acordo com o jornal O Lutador apesar de Cuba ter abandonado sua política ateísta na década de 90, em 2005 criou uma lei que supostamente legalizava as igrejas domesticas. Através desta lei foi possível controlar algumas religiões. Para Michael Cromatie, representante da agencia Baptist Press, “os quase 50 anos de Fidel Castro no poder foram marcados por um tempestuoso e, às vezes, brutal relacionamento com comunidades religiosas”, diz em entrevista ao O Lutador.

Para Luiz António, professor de cultura religiosa do UNILESTE-MG, a intolerância religiosa e algo contraditório aos ensinamentos de cada religião, pois na sua maioria ensinam a paz.  “A questão não é a religião em si, mas o uso político da religião. Cuba foi ateísta devido a Igreja ter sido contra a revolução” afirma o professor.

Em um evento realizado no ano de 2008 para discutir a intolerância religiosa, o professor Raufal-Jaber, da Universidade de Petra, em Amã, disse “injusto o colonialismo, injusta a divisão da humanidade em classes, injusta também a discriminação entre etnias, religiões e sexos”. E continua, “devemos voltar nosso esforço para remover a injustiça do coração do homem”. Raufal-Jaber é islâmico.

 

                                                                                                                    Marquione Ban.