Franciscos da Igreja: Beata Francisca Aldea e Araújo

Sem título-1Hoje vamos conhecer a história da Beata Francisca Aldea e Araújo, mártir da igreja. Acompanhe.

Francisca Aldea e Araujo, filha de Paulo e Narcisa, nasceu em Somolinos, Diocese de Sigüenza-Guadalajara (Espanha), no dia 17 de Dezembro de 1881. Órfã de pai e mãe, desde criança foi acolhida como interna no Colégio Santa Susana, das Irmãs da Caridade do Sagrado Coração de Jesus, em Madrid. Aos dezoito anos ingressou no Noviciado desse Instituto e emitiu os votos temporais em 1903. Depois de receber o diploma de Professora trabalhou no campo do ensino até 1916, quando foi eleita Conselheira e mais tarde Secretária-Geral. Quando estalou a perseguição religiosa, ela exercia o cargo de Administradora-Geral, com residência no Colégio Santa Susana.

Beata Francisca Aldea y Araujo
Beata Francisca Aldea y Araujo

O martírio

No dia 20 de Julho de 1936, os revolucionários assaltaram o Colégio e, a pedido da Superiora da Casa, consentiram que a Madre Rita Dolores, bastante idosa, cega e doente, e a Irmã Francisca, também ela bastante doente, se refugiassem noutro lugar. Mas duas horas depois, outro grupo revolucionário irrompeu no apartamento onde elas se encontravam, arrastando-as violentamente pelas escadas e conduzindo-as para fora de Madrid, e no lugar de nome Canillejas elas foram fuziladas. Os médicos, que fizeram a autópsia no dia seguinte, ficaram maravilhados porque as Servas de Deus conservavam os membros flexíveis, como se tivessem acabado de morrer, e emanavam um perfume muito intenso e agradável. Em 1940 foram exumados os cadáveres que apareceram incorruptos, contribuindo para que se difundisse a fama do martírio e se pensasse na introdução da causa de Beatificação. Os restos mortais dessas duas Religiosas repousam agora na Capela do Colégio das Irmãs dessa Congregação em Villaverde, perto de Madrid.

A beatificação

A quando da cerimónia de beatificação, o Santo Padro afirmou que estas religiosas — Madre Rita Dolores Pujalte e a Madre Francisca Aldea — que “pertenciam à comunidade do Colégio de Santa Susana, de Madrid, das Irmãs da Caridade do Sagrado Coração, haviam decidido permanecer no seu lugar apesar da perseguição religiosa desencadeada naquela época, para não abandonarem as órfãs que eram por elas ali assistidas”.

“Este heróico acto de amor e entrega abnegada” — continuou o Sumo Pontífice — “custou a morte à Madre Rita e à Madre Francisca que, embora estivessem enfermas e fossem idosas, foram capturadas e mortas a tiro. O supremo mandamento do Senhor tinha-se arraigado profundamente nelas durante os anos da sua consagração religiosa, vividos em fidelidade ao carisma da Congregação”.

O Santo Padre termina a sua homenagem nestes termos: “Elas alcançaram o martírio crescendo no amor pelos necessitados, que não cede diante dos perigos e, se for necessário, não evita o derramamento do próprio sangue. O seu exemplo constitui uma exortação a fim de que todos os cristãos amem como Cristo ama, não obstante as grandes dificuldades”.

Corajosas, elas “seguiram Jesus fielmente, amando como Ele até ao fim e padecendo a morte pela fé”.

Beatificada a 10 de maio de 1998, pelo Papa João Paulo II, ao mesmo tempo que Rita Dolores Pujalte Sánchez, da mesma Congregação.

Hoje é dia da Beata Madre Teresa de Calcutá

“Qualquer ato de amor, por menor que seja, é um trabalho pela paz.” Mais do que falar e escrever, Madre Teresa vivenciou este seu pensamento. Nascida a 27 de agosto de 1910 em Skoplje (Albânia), foi batizada um dia depois de nascer. A sua família pertencia à minoria albanesa que vivia no sul da antiga Iugoslávia. Seu verdadeiro nome era Agnes Gonxha Bojaxhiu.

Pouco se sabe da sua infância, adolescência e juventude, porque Madre Teresa não gostava de falar de si própria. Aos dezoito anos, surge-lhe o pensamento da consagração total a Deus na vida religiosa. Obtido o consentimento dos pais, e por indicação do sacerdote que a orientava, entrou, no dia 29 de setembro de 1928, para a Casa Mãe das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto, situada na Irlanda.

O seu sonho, no entanto, era a Índia, o trabalho missionário junto aos pobres. Cientes disso, suas superioras a enviaram para fazer o Noviciado já no campo do apostolado. Agnes então partiu para a Índia e, no dia 24 de maio de 1931, faz a profissão religiosa tomando o nome de Teresa. Houve na escolha deste nome uma intenção, como ela própria diz: a de se parecer com Teresa de Jesus, a humilde carmelita de Lisieux.

Foi transferida para Calcutá, onde seguiu a carreira docente e, embora cercada de meninas filhas das melhores famílias de Calcutá, impressionava-se com o que via quando saía às ruas: os bairros pobres da cidade cheios de crianças, mulheres e idosos cercados pela miséria, pela fome e por inúmeras doenças.

No dia 10 de setembro de 1946, dia em que ficou marcado na história das Missionárias da Caridade (congregação fundada por Madre Teresa) como o “Dia da Inspiração”, Irmã Teresa, durante uma viagem de trem ao noviciado do Himalaia, depara-se com um irmão pobre de rua que lhe diz: “Tenho sede!”. A partir disso, ela tem a clareza de sua missão: dedicar toda sua vida aos mais pobres dos pobres.

Após um tempo de discernimento com o auxílio do Arcebispo de Calcutá e de sua Madre Superiora, Irmã Teresa sai de sua antiga congregação para dar início ao trabalho missionário pelas ruas de Calcutá. Começa por reunir um grupo de cinco crianças, num bairro pobre, a quem começou a dar escola. Pouco a pouco, o grupo foi crescendo. Dez dias depois, eram cerca de cinquenta crianças.

Os inícios foram muito duros, mas Deus ia abençoando a obra da Irmã Teresa e as vocações começaram a surgir, precisamente entre as suas antigas alunas. Em 1949, Madre Teresa começa a escrever as constituições das Missionárias da Caridade e a 7 de outubro de 1950 a congregação fundada por Madre Teresa é aprovada pela Santa Sé expandindo-se por toda a Índia e pelo mundo inteiro.

No ano de 1979 recebe o Prêmio Nobel da Paz. Neste mesmo ano, o Papa João Paulo II a recebe em audiência privada e torna Madre Teresa sua melhor “embaixadora” em todas as Nações, Fóruns e Assembléias de todo o mundo.

Com saúde debilitada e após uma vida inteira de amor e doação (vida esta reconhecida por líderes de outras religiões, presidentes, universidades e até mesmo por países submetidos ao marxismo), Madre Teresa foi encontrar-se com o Dono e Senhor de sua vida a 5 de setembro de 1997. Seu velório arrastou milhares de pessoas durante vários dias.

Foi beatificada pelo Papa João Paulo II no dia 19 de outubro de 2003, Dia Missionário Mundial.

Beata Teresa de Calcutá, rogai por nós!

Madre Teresa de Calcutá: Uma semana em oração e reflexão com a Beata dos pobres

Esta semana, para ser preciso, dia 05/09, a Igreja celebra a Beata Madre Teresa de Calcutá. Para celebrarmos esse dia, O Anunciador, vai postar orações e vídeos que apresentem Madre Teresa e que nos levem a seguir seu exemplo como verdadeira serva de Deus.

Esta oração foi composta por Madre Teresa:

Ó Jesus, Tu que sofres,

Faz com que hoje e todos os dias

Eu saiba ver-te na pessoa dos teus doentes.

Oferecendo-lhe os meus cuidados

Que eu te possa servir.

Faz com que,

Mesmo oculto

Sob o disfarce pouco atraente

Da ira, do crime ou da loucura,

Eu saiba ver-te e dizer:

Ó Jesus como é doce servir-te

A ti que sofres!

Dá-me, Senhor, esta visão de fé

E o meu trabalho

Nunca será monótono.

Encontrarei alegria satisfazendo

As pequenas veleidades e desejos

De todos os pobres que sofrem.

Amado doente,

És mais amado ainda para mim

Porque representas Cristo.

Que grande privilégio o meu

Por poder cuidar de ti!

Ó Deus,

Tu que és Jesus que sofre

Digna-te ser também para mim

Um Jesus paciente,

Indulgente com as minhas faltas,

Não vendo senão as minhas intenções,

Que são de Te amar e servir

Na pessoa dos teus filhos

Que sofrem.

Senhor,

Aumenta a minha fé.

Abençoa os meus esforços e trabalhos,

Agora e sempre.

Amen.

 

Livro consultado: 
 ”Madre Teresa de Calcutá  – Vida, Pensamento , Acção ”

P. Januário dos Santos