Em exumação, coração de padre é encontrado intacto 7 anos após morte

Padre Ângelo Angioni (Foto: Reprodução / TV TEM)
Padre Ângelo Angioni (Foto: Reprodução / TV TEM)

G1 | A igreja São João Batista de José Bonifácio(SP) recebeu neste domingo (7) fiéis de toda a região noroeste paulista para o início oficial dos trabalhos diocesanos para o processo de beatificação e canonização do Monsenhor Ângelo Angioni.

Ele morreu há sete anos e, segundo a igreja católica, ao exumar o corpo nesta semana, postuladores de Roma – responsáveis por recolher informações para beatificações – perceberam que o coração estava intacto e não se deteriorou com o tempo. Peritos começam agora uma investigação para a possível beatificação dele.

Coração se deteriora em dois meses; padre morreu há 7 anos (Foto: Reprodução / TV TEM)
Coração se deteriora em dois meses; padre morreu há 7 anos (Foto: Reprodução / TV TEM)

Ângelo Angioni, tido como Santo pelos fiéis, nasceu na Itália em 1915. Foi ordenado padre aos 23 anos. Chegou ao Brasil em 1951 e foi direto para José Bonifácio onde atuou por quase 60 anos. Morreu em 2008 e foi enterrado na Igreja Matriz. O túmulo do Monsenhor – título de honra conferido pelo Papa a padres católicos por serviços prestados à igreja – recebe centenas de fiéis todos os anos.

A missa foi celebrada pelo bispo Dom Tomé Ferreira da Silva. Os integrantes do Tribunal Eclesiástico que vai analisar os milagres atribuídos ao Monsenhor foram apresentados à comunidade. No fim da celebração, os restos mortais do religioso, inclusive o coração, foram apresentados aos fiéis.

Dois postuladores de Roma estão na cidade desde o dia 29 e o que mais chamou a atenção foi o coração intacto do religioso. O processo de decomposição do corpo humano começa de dentro para fora e em até dois meses, o coração se desfaz. Em dois anos, a maioria dos corpos enterrados está totalmente decomposta, restando apenas ossos, cabelos, dentes e unhas.

Para o postulador Paulo Vilotta, a preservação de qualquer parte do corpo pode ocorrer por vários motivos. “Isso é um fator natural, pode acontecer com qualquer um de nós. Mas é um estímulo para rezar, pedir graças e elevar o padre, uma figura venerada na região”, comentou Vilotta.

Para que Ângelo Angioni seja declarado beato é preciso que a igreja reconheça um milagre pela intercessão do Monsenhor e depois, para ser considerado Santo, mais um milagre precisa ser comprovado pelos peritos do Vaticano. Um processo longo que pode durar décadas, mas depende dos fiéis que vão pode ajudar contando histórias e apresentando cartas e documentos que falem sobre os possíveis milagres.

Brasil ganha um novo Beato: Padre Victor de Três Pontas-MG

Rádio Vaticano | O Santo Padre autorizou a Congregação das Causas dos Santos, em no dia 5 de junho p.p., a promulgar o Decreto concernente ao milagre atribuído à intercessão de Francisco de Paula Victor.

Biografia

Padre Francisco de Paula Victopadrevictorr nasceu em Campanha, no sul de Minas, em 12 de abril de 1827, durante o período da escravidão negra. Ao entrar para o Seminário, sofreu muito pelos preconceitos dos seus colegas, que o humilhavam e o maltratavam com serviços braçais. Aos poucos, Victor foi conquistando a todos pela sua conduta íntegra e grande humildade. Durante o seu ministério catequizou e instruiu o povo, edificando a Escola Sagrada Família para crianças e jovens.

Ministério sacerdotal

Ordenado em 14 de junho de 1851, Pe. Victor foi vigário paroquial, em Campanha, por 14 meses. Enviado como pároco para Três Pontas, ali permaneceu por 53 anos, até a sua morte, aos 23 de setembro de 1905.

Falecimento

A notícia abalou a cidade e toda a região, que já o venerava. Seu corpo, que ficou exposto durante três dias, exalava agradável perfume. Devido ao grande número de pessoas que compareceram ao sepultamento, foi feita uma procissão pelas ruas da cidade, voltando novamente à Matriz – por ele construída -, onde foi enterrado.

Virtudes

A sua caridade para com o próximo o tornou popular. Sua fama de sacerdote virtuoso espalhou-se para além do território da paróquia. Em um país que muito tem lutado para superar os preconceitos raciais, a Causa de Beatificação do Padre Victor enche de coragem a todos os que procuram ter uma vida justa e reta. Um santo negro, como o nosso Pe. Victor, orienta-nos para Deus, que não faz acepção de pessoas, mas a todos acolhe com ternura e compaixão.

Causa de Beatificação

O processo de Beatificação teve início em 13 de julho de 1993 e complementado em agosto de 1998. A Congregação das Causas dos Santos o aceitou em 2002. Bento XVI reconheceu a prática das suas virtudes heroicas, aos 12 de maio de 2011. Hoje, o Papa Francisco autoriza a promulgar o Decreto concernente ao milagre atribuído a este Servo de Deus, um milagre reconhecido pela cura inexplicável de um morador da cidade. A cura foi reconhecida por uma junta médica do Vaticano e por uma comissão de teólogos. “

São João Paulo II: Dom Óscar Romero deve ser recordado sem ideologização como um ‘Pastor zeloso e venerável’

(ACI/EWTN Noticias).- Dom Óscar Arnulfo Romero, Arcebispo de São Salvador (El Salvador) será beatificado no próximo dia 23 de maio, 35 anos após o seu assassinato por ódio à fé. Poucos anos depois do seu martírio, São João Paulo II pediu que a memória do “protetor e venerado” Prelado salvadorenho seja respeitada e não manipulada por interesses ideológicos.

Dois santos da era moderna da Igreja juntos: São João Paulo II e Dom Óscar Romero, que será beatificado neste domingo.
Dois santos da era moderna da Igreja juntos: São João Paulo II e Dom Óscar Romero, que será beatificado neste domingo.

São João Paulo II, durante a homilia numa visita a São Salvador em 1983, em meio de um país destruído pela violenta guerra civil na que participaram grupos políticos da esquerda e da direita, recordou: “Com o sangue de Cristo podemos vencer o mal com o bem. O mal que penetra nos corações e nas estruturas sociais”.

“O mal que divide os homens e semeou o mundo de sepulcros com as guerras, com essa terrível espiral de ódio que arruína, aniquila, de maneira tétrica e insensata”.

“Quantos lares destruídos! Quantos refugiados, exilados e deslocados! Quantas crianças órfãs! Quantas vidas nobres, inocentes, destruídas cruel e brutalmente! Também de sacerdotes, religiosos, religiosas, de fiéis servidores da Igreja”, lamentou o santo polonês.

O Papa Peregrino recordou então o testemunho do ‘Pastor zeloso e venerável’, arcebispo deste ‘rebanho’, Dom Óscar Arnulfo Romero, quem lutou pelo fim da violência e por estabelecer a paz, da mesma maneira que lutaram seus irmãos no Episcopado”.

O Papa João Paulo II encorajou: “Ao recordá-lo, peço que sua memória seja sempre respeitada e que nenhum interesse ideológico pretenda instrumentalizar seu sacrifício de Pastor entregado ao seu rebanho”.

Dom Romero foi assassinado em 24 de março de 1980, enquanto celebravaMissa na capela do hospital “La Divina Providencia’, em São Salvador. Em 2010, o então presidente de El Salvador Mauricio Funes reconheceu, em nome do Estado: “Dom Romero foi vítima da violência ilegal executada por um esquadrão da morte”.

Na manhã do dia 3 de fevereiro deste ano, o Papa Francisco, em audiência privada com o Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, aprovou a divulgação do decreto que reconhecia o martírio do Arcebispo salvadorenho.

Apesar de que, depois do seu falecimento diversos teólogos marxistas da libertação declarassem que Dom Romero compartilhava suas posturas teológicas, o seu secretário pessoal, Monsenhor Jesús Delgado, descartou tal afiliação.

Em declarações ao Grupo ACI em fevereiro de 2015, Monsenhor Delgado recordou: “Quando escrevi sobre a sua vida fui revisar sua biblioteca. Evidentemente, os teólogos da libertação o visitavam e sempre lhe deixavam um livro marxista, mas estes livros nunca foram tocados, nunca os abriu, jamais os usava, nunca os consultou”.

“E, pelo contrário, todos os seus livros dos Padres da Igreja estavam muito manuseados e eram a fonte da sua inspiração”, assegurou seu secretário.

Aliás Dom Romero teve um grande carinho e proximidade pelo fundador do Opus Dei, São Josemaría Escrivá de Balaguer, desde que se conheceram em 1974, em Roma.

Falecido o fundador do Opus Dei no ano seguinte, Dom Óscar Romero, então Arcebispo de São Salvador, escreveu uma carta ao Papa Paulo VI pedindo sua beatificação, assegurando: “Sou profundamente agradecido a estes sacerdotes membros da Obra, aos quais confiei com muita satisfação a direção espiritual de minha própria vida e a de outros sacerdotes”, concluiu.

Vaticano concede “nada obsta” à beatificação de Frei Bruno

freibruno01
Frei Bruno Linden

São Paulo (SP) – As preces de milhares de devotos, amigos, confrades e admiradores de Frei Bruno Linden foram atendidas. O bispo da Diocese de Joaçaba (SC), Dom Mário Marquez, OFMCap, informou ao governo provincial da Província Franciscana da Imaculada Conceição que recebeu o edital concedendo o “Nihil obstat” (nada obsta) para dar continuidade à causa de Frei Bruno Linden. O documento, datado do dia 7 de maio de 2013 e assinado pelo Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, decreta não existir impedimento para a continuação do processo de beatificação do frade franciscano.

Com esse “sinal verde” da Santa Sé, a partir de agora Dom Mario Marquez assume o processo diocesano da causa. “Nesta fase, Dom Mario vai nomear o Tribunal Eclesiástico que recolherá os depoimentos juramentados sobre as virtudes do candidato. Simultaneamente será nomeada a Comissão Histórica que vai reunir todos os documentos relativos à vida de Frei Bruno e também será constituída uma comissão para coletar e analisar os possíveis milagres de Frei Bruno”, explicou Frei Estevão Ottenbreit, Vigário Provincial e Vice-postulador da Causa.

Segundo Frei Estevão, ainda não foi definida uma agenda dos próximos passos a serem dados. “Deverei me encontrar com Dom Mário durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, para definir a data de abertura deste Processo Canônico sobre a vida, virtudes e fama de santidade de Frei Bruno Linden”, explicou Frei Estevão.

Para a Província da Imaculada Conceição, que celebrou em 15 de julho 338 anos de fundação, a notícia não poderia ser melhor, como explica o Ministro Provincial Frei Fidêncio Vanboemmel: “A primeira coisa que me veio à mente foi: ‘que belo presente de aniversário a nossa Província recebeu hoje na festa franciscana de São Boaventura de Bagnoregio e na festa dos 338 anos de sua fundação’. E a história construída por vidas exemplares, como Santo Antônio de San’Ana Galvão e Frei Bruno.

“Este ‘sinal verde’ nos enche de alegria porque, como Província, podemos finalmente dar uma resposta ao grande clamor do povo que, insistentemente, nos pede a beatificação do ‘santo’ Frei Bruno. Este clamor popular vem de longa data. A prova mais evidente desta manifestação popular é a Romaria Penitencial em honra a Frei Bruno que acontece na cidade de Joaçaba, local da sua sepultura, desde 1987. Faça sol ou faça chuva, a cada ano que passa o clamor popular é mais vibrante e a devoção cresce sensivelmente!”, recorda o Ministro Provincial.

“Querer que Frei Bruno seja beatificado (e canonizado) é reconhecer nele a importância do peregrinar apostólico em espírito de pobreza e humildade, de sermos austeros e disciplinados na vida de oração, de jamais medirmos esforços para atender as pessoas, principalmente aquelas que mais necessitam da nossa misericórdia”, completa o Ministro Provincial.

Frei Bruno era sacerdote da Ordem dos Frades Menores – Província da Imaculada Conceição do Brasil. Nascido em 1876 em Dusseldorf, na Alemanha, ingressou aos 18 anos na família franciscana, recebendo o hábito em 1894. No mesmo ano, foi transferido para o Brasil.

Sua ordenação sacerdotal ocorreu em 1901, em Petrópolis (RJ). Em 1904, foi transferido para o sul do país, atuando em diversas localidades dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Exerceu a missão de superior e de pároco diversas vezes, e também foi coadjutor.

De 1926 a 1945, atuou na cidade de Rodeio (SC). Neste período, foi o orientador espiritual da Companhia das Irmãs Catequistas Franciscanas. Quando completou 80 anos, seus superiores o enviaram para a cidade de Joaçaba (SC). Em seus últimos anos de vida, Frei Bruno exerceu o apostolado de visita às famílias. Atendeu confissões até o último dia de sua vida. Faleceu no dia 25 de fevereiro de 1960.

(CM-franciscanos.org)

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/07/16/vaticano_concede_nada_obsta_%C3%A0_beatifica%C3%A7%C3%A3o_de_frei_bruno/bra-710758 do site da Rádio Vaticano

Beatificação de Irmã Dulce completa 2 anos nesta quarta-feira

Irmã Duce: dois da sua beatificada
Irmã Duce: dois da sua beatificada

Redação Portal A12 Há exatamente dois anos, Irmã Dulce era beatificada no Parque de Exposições em Salvador (BA).

A cerimônia de Beatificação, que reuniu mais de 70 mil pessoas, foi presidida pelo Cardeal arcebispo emérito de Salvador, Dom Geraldo Majella Agnelo.

Neste domingo (26), celebrações em homenagem aos 99 anos de nascimento de Irmã Dulce serão realizadas em Salvador.

A agenda festiva, que contará com a participação de paróquias da capital e do interior, terá procissão – com concentração na Colina Sagrada às 15h30 e saída às 16h – e missa solene, às 17h, no Santuário da freira baiana, localizado no Largo de Roma.

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, nascida em 26 de maio de 1914, filha de Augusto Lopes Pontes e Dulce Maria de Souza, desde muito nova já mostrava dedicação a pessoas carentes, mendigos e doentes.

Aos 13 anos transformou a casa da família em um centro de atendimento a estas pessoas. Sua casa ficou conhecida como ‘A Portaria de São Francisco’, por conta do número de carentes que se aglomeravam a porta.

Nesta época, Maria Rita manifestou pela primeira vez o desejo de se dedicar à vida religiosa. Após seis anos, Maria Rita se transformou em Irmã Dulce, o ‘Anjo bom da Bahia’.

Em maio Nhã Chica será beatificada

img-nha-chicaFrancisca de Paula de Jesus, carinhosamente chamada de Nhá Chica, será a próxima beata brasileira. A cerimônia de beatificação será no dia 4 de maio na cidade de Baependi (MG).

Desde 2007, a causa de canonização de Nhá Chica está aguardando o anúncio de sua beatificação. A cura aceita pela Comissão de Médicos do Vaticano refere-se a uma professora aposentada de Caxambu (MG), que, em 1995, pediu a intercessão da leiga e teve resolvido – sem necessitar de cirurgia – um problema congênito muito grave no coração. Após análise de vários peritos, a graça foi aceita pelo Vaticano.

Veja, abaixo, a programação da beatificação:

Programação Espiritual para a Beatificação de Nhá Chica em Baependi – MG

26 de abril (Sexta-feira) – 203 anos do Batismo de Nhá Chica

7h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

19h – Celebração do Sacramento do Batismo, no Santuário da Imaculada Conceição

27 de abril (Sábado) – Nhá Chica, mulher pobre e rica de Fé

10h – Missa aos Benfeitores, no Santuário da Imaculada Conceição

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

19h – Celebração Eucarística na Igreja Matriz

 

28 de abril (Domingo) – Sede Santos, como Vosso Pai é Santo

7h – Celebração Eucarística, na Igreja Matriz

9h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

10h – Celebração Eucarística, na Igreja Matriz

11h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

19h – Celebração Eucarística na Igreja Matriz

Início da Jornada da Beatificação

29 de abril (Segunda-feira) – O Senhor fez em mim maravilhas, Santo é o Seu nome

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

18h30 – Procissão da Matriz ao Santuário da Imaculada Conceição em seguida Celebração Eucarística

Após a missa show com a Banda Trilhos do Céu, na quadra da ABNC

30 de abril (Terça-feira) – Felizes os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus

5h – Procissão da Penitência e Celebração Eucarística na Igreja Matriz

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

19h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

01 de maio (Quarta-feira) – Felizes os mansos, porque possuirão a Terra

5h – Procissão da Penitência e Celebração Eucarística na Igreja Matriz

5h – Saída oficial da Peregrinação de Nhá Chica da Igreja Matriz de São Lourenço em direção ao Santuário da Imaculada Conceição, em Baependi

9h – Missa do Romeiro, no Santuário da Imaculada Conceição

11h – Missa do Romeiro, no Santuário da Imaculada Conceição

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

19h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

02 de maio (Quinta-feira) – Felizes os que têm fome de justiça porque serão saciados

5h – Procissão da Penitência e Celebração Eucarística na Igreja Matriz

8h – Início da adoração do Santíssimo que se estenderá o dia todo, no Santuário da Imaculada Conceição

15h – Terço pela Beatificação de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição

18h30 – Bênção do Santíssimo

19h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição

03 de maio (Sexta-feira) – Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados Filhos de Deus

5h – Procissão da Penitência e Celebração Eucarística na Igreja Matriz

15h – Via Sacra pelas ruas da cidade (última estação na casa de Nhá Chica com oferta de flores)

19h – Celebração Eucarística, no Santuário da Imaculada Conceição em seguida procissão em direção à Igreja Matriz (levar vela para a procissão)

Neste dia haverá Vigília na Igreja Matriz durante toda a madrugada e a igreja da Imaculada Conceição ficará aberta para visitação a partir das 21 horas.

04 de maio (Sábado) – Dia da Beatificação de Nhá Chica – A vida dos justos está nas mãos de Deus

8h30 – Bênção do Santíssimo, em seguida Celebração Eucarística, na Igreja Matriz

15h – Solene Celebração Eucarística da Beatificação de Nhá Chica, na GA Pedras, próximo ao Portal da cidade.

05 de maio (Domingo) – Isto acontece porque rezo com Fé

7h – Celebração Eucarística, na Igreja Matriz

10h – Missa em Ação de Graças pela Beatificação de Nhá Chica, no mesmo local da missa da Beatificação, na GA Pedras

18h – Procissão da Igreja Matriz para o Santuário da Imaculada Conceição, em seguida Celebração Eucarística na quadra da ABNC

A partir do dia 30/04 – Atendimento de Confissões no Santuário da Imaculada Conceição das 9h às 11h e das 14h às 17h – e visitas aos enfermos nas comunidades

12h – Repiques dos Sinos todos os dias

Brasil vai ter nova beata: Milagre atribuído a Nhá Chica entre os decretos do Vaticano

Cidade do Vaticano, 28 jun 2012 (Ecclesia) – Bento XVI aprovou hoje a publicação do decreto que abre caminho à beatificação da leiga brasileira Francisca de Paula de Jesus (1810-1895), conhecida como “Nhá Chica”.

O documento reconhece um milagre atribuído à intercessão da futura beata nascida no Estado de Minas Gerais e neta de escravas, que não sabia ler nem escrever.

Este reconhecimento encerra o processo que leva à beatificação de um fiel católico, penúltima etapa para a declaração da santidade.

A sala de imprensa da Santa Sé publicou ainda outros 16 decretos relativos a beatificações, com destaque para q declaração oficial do martírio de 155 fiéis durante a guerra civil espanhola (1936-1939).

Os documentos foram aprovados durante a audiência concedida pelo Papa ao cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação das Causas dos Santos.

A canonização, ato reservado ao Papa desde o século XIII, é a confirmação, por parte da Igreja Católica, que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser apresentado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.

Nos primeiros séculos da Igreja, o reconhecimento da santidade acontecia em âmbito local, a partir da fama popular do santo e com a aprovação dos bispos.

A canonização, ato reservado ao Papa desde o século XIII, é a confirmação, por parte da Igreja, que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser apresentado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.

Você sabe como uma pessoa se torna santo? Veja as etapas do processo de santificação

Antigamente somente o Papa podia promover uma causa de canonização, mas hoje em dia, os bispos têm autoridade para isso. Portanto em qualquer diocese do mundo pode-se iniciar uma causa de canonização.

Para cada causa é escolhido pelo bispo um postulador, espécie de advogado, que tem a tarefa de investigar detalhadamente a vida do candidato para conhecer sua fama de santidade.

Quando a causa é iniciada, o candidato recebe o título de Servo de Deus. O primeiro processo é o das virtudes ou martírio. Este é o passo mais demorado porque o postulador deve investigar minuciosamente a vida do Servo de Deus. Em se tratando de um mártir, devem ser estudadas as circunstâncias que envolveram sua morte para comprovar se houve realmente o martírio. Ao terminar este processo, a pessoa é considerada Venerável.

O segundo processo é o milagre da beatificação. Para se tornar beato é necessário comprovar um milagre ocorrido por sua intercessão. No caso dos mártires, não é necessária a comprovação de milagre. Irmã Lindalva passou a ser Venerável em 16 de dezembro de 2006, quando o decreto do seu martírio como serva de Deus foi promulgado. Agora é aguardada a cerimônia da beatificação, já que ela é dispensada de milagre.

O terceiro e último processo é o milagre para a canonização. Este tem que ter ocorrido após a beatificação. Comprovado este milagre o beato é canonizado e o novo Santo passa a ser cultuado universalmente.

Fonte Canção Nova

Aberto processo de beatificação de Dom Couto no interior de SP

Uma Missa celebrada na manhã desta sexta-feira, 15, marcou a abertura do processo de beatificação de Dom José Antônio do Couto na Diocese de Taubaté, interior de São Paulo.

A cerimônia foi realizada na Catedral de São Francisco das Chagas e contou com a presença dos responsáveis pelo processo e pessoas que conviveram com Dom Couto, como era conhecido. Ele foi o quarto bispo diocesano da cidade, entre 1974 e 1981.

Segundo o bispo atual da diocese, Dom Carmo Rhoden, com a abertura do processo, comecará o estudo de toda a vida de Dom Couto, inclusive seus escritos, para verificar se estão de acordo com a doutrina católica. Ele entende que o processo é demorado, mas torce para que não demore tanto assim.

Dom Carmo destacou a simplicidade de Dom Couto, e recordou todo seu empenho e amor à paróquia, a qual ele continuou se dedicando embora estivesse doente. Exemplo disso, foi que mesmo na cadeira de rodas ele prosseguiu atendendo as pessoas, relembrou o bispo.

Antes do término da Missa, os restos mortais de Dom Couto foram depositados embaixo de um altar com a Cruz de Nossa Senhora das Dores e São João Evangelista, no lado esquerdo da Catedral.  Até então, os restos mortais estavam no Convento dos Padres do Sagrado Coração de Jesus.

Dom Couto já é considerado pela Igreja Católica como “Servo de Deus”, desde abril deste ano, quando a Congregação para a Causa dos Santos, no Vaticano, reconheceu a legitimidade do processo e autorizou sua abertura. Com esse título, os fiéis podem pedir sua intercessão.

A primeira fase da beatificação é chamada de etapa diocesana, e deve durar aproximadamente dois anos. Em seguida, o processo será encaminhado ao Vaticano para dar início ao próximo passo, onde será necessário haver a comprovação de um milagre atribuído a Dom Couto para que ele seja beatificado. A partir disso, o próximo passo será a canonização, quando o bispo poderá ser reconhecido como santo da Igreja.

Biografia

Dom Couto nasceu em 1º de novembro de 1927, na cidade de Formiga (MG), filho de Joaquim Antônio do Couto e de Rita da Conceição.

No dia 28 de janeiro de 1944, ingressou no Seminário Menor de Lavras (MG), pertencente à Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, onde ficou até 1946. Completou seus estudos no Seminário Sagrado Coração de Jesus de Corupá e de Brusque, ambos em Santa Catarina. Em 1953, foi enviado a Roma para cursar teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Foi ordenado sacerdote em 1º de julho de 1956. Celebrou sua primeira Missa em 2 de julho de 1956, na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. Licenciou-se em teologia (1957) e teologia moral (1959) pela Academia Afonsiana de Roma, concluindo o doutorado em teologia moral, pela Universidade Urbaniana de Roma (1960).

Voltando para o Brasil no mesmo ano, fixou residência em Taubaté. Como sacerdote exerceu os seguintes cargos: professor de teologia moral e de Direito Canônico, no Instituto Teológico dos Padres do Sagrado Coração de Jesus (Dehonianos); reitor do Convento (1965-1968); Conselheiro na Província (1966-1974); membro da Comissão de Revisão das constituições da mesma Congregação; delegado da Província Brasileira Meridional, no XVI Capítulo Geral (1973); Vigário Paroquial da recém-criada Paróquia Sagrado Coração de Jesus, diretor do curso de teologia para leigos e do curso de diaconato permanente.

Em 5 de junho de 1974, foi nomeado pelo Papa Paulo VI, Bispo Titular de Carini e Coadjutor da Diocese de Taubaté, com a função de ajudar o Bispo Diocesano em todo o governo da diocese e com direito à sucessão.

Dom Couto foi Sagrado Bispo em 18 de agosto de 1974 na Catedral de Taubaté. Em 4 de maio de 1976, aos 78 anos de idade, Dom Francisco Borja apresentou à Santa Sé seu pedido de renúncia, que foi aceito logo em seguida. Em 5 de maio de 1976, Dom José Antônio do Couto, como Bispo Coadjutor, assumiu a Diocese de Taubaté como o quarto Bispo Diocesano.

Episcopado

Como Bispo teve grande preocupação com a realidade pastoral da Diocese e nesse sentido, deu prosseguimento à estruturação e organização pastoral da Igreja de Taubaté apresentando as Diretrizes e Normas Diocesanas de Pastoral e as Diretrizes e Normas para Pastoral Catequética (1978). Durante seu pastoreio realizou as Assembléias Diocesanas da Pastoral da Juventude e elaborou o I e II Plano Anual de Pastoral da Juventude (1977-1978 e 1978-1979) e as Semanas das Famílias (1976 A 1978).

Mesmo após ter sofrido um derrame cerebral, Dom Couto batalhou ativamente para a ereção da Diocese de São José dos Campos através da nomeação da Comissão Preparatória da nova Diocese (1979) cujos trabalhos redundaram na criação da nova Diocese em 30 de janeiro de 1981, pelo Papa João Paulo II através da Carta Apostólica “Qui in Beati Petri”.

Em 28 de dezembro de 1979, foi acometido de um AVC hemorrágico do qual teve graves sequelas, que o levaram a encaminhar à Santa Sé seu pedido de renúncia à função de Bispo Diocesano. Em 7 de agosto de 1981, Dom Carmine Rocco, Núncio Apostólico, comunicou oficialmente a Dom Couto que seu pedido de renúncia havia sido aceito pelo Papa João Paulo II. Para sucedê-lo foi nomeado Dom Antônio Afonso de Miranda, até aquele momento Bispo de Campanha.

A partir de 3 de novembro de 1981, Dom Couto passou a residir no Conventinho dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, na Vila São Geraldo. Depois de 18 anos de enfermidade faleceu no dia 30 de julho de 1997 e foi sepultado no cemitério do Convento do Sagrado Coração de Jesus.

Seu episcopado foi marcado por grande solicitude pastoral, pela santidade no desempenho das funções episcopais, pela humildade e simplicidade.

Fonte: Diocese de Taubaté

Processo de beatificação de irmã Benigna terá importante etapa nesta semana

ir_benignaUma nova e importante etapa do processo de beatificação da irmã Benigna, religiosa da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, ocorre na próxima quinta-feira, 8 de março. O arcebispo de Belo Horizonte (BH), dom Walmor Oliveira de Azevedo, preside Celebração Eucarística seguida do traslado dos restos mortais da religiosa, que serão levados para o Noviciado Nossa Senhora da Piedade.

Atualmente, muitos fiéis visitam o túmulo da irmã Benigna, no Cemitério do Bonfim. A partir do próximo dia 8, as homenagens e agradecimentos à religiosa poderão ser feitos no Noviciado, que fica na Avenida Antônio Francisco Lisboa, 102, bairro Bandeirantes, Belo Horizonte (MG).

A missa será às 18h, na Paróquia Santa Teresinha – Rua Julita Nogueira Soares, 705 – bairro Santa Teresinha e terá a presença do Postulador da Causa dos Santos, enviado pelo Vaticano, Paolo Vilotta, da Madre Geral da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, irmã Neuza Cota da Silva, e da presidente da Associação dos Amigos de Irmã Benigna (AMAIBEM), Maria do Carmo Mariano.

Irmã Benigna Victima de Jesus nasceu em 1907, na cidade de Diamantina (MG). Tornou-se religiosa da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade e sua vida foi marcada pela caridade e generosa acolhida aos mais pobres. Morreu no dia 16 de outubro de 1981. A abertura de seu processo de beatificação ocorreu no dia 15 de outubro do ano passado, durante missa que reuniu milhares de fiéis.

Começam os trabalhos de abertura para beatificação da mineira Madre Tereza Margarida do Coração de Maria

Começa neste domingo, 4, o processo de beatificação da Serva de Deus, madre Tereza Margarida do Coração de Maria, carinhosamente chamada por todo de Nossa Mãe. O processo será aberto com uma missa, marcada para as 16h, que será celebrada pelo bispo de Campanha, Dom Diamantino de Carvalho.

As irmãs Carmelitas preparam, desde que chegou de Roma, a licença para a abertura do processo de beatificação de “Nossa Mãe”, em 7 de julho de 2011. A partir daí, a vida das enclausuradas girou em torno disso. Há um mês, a comunidade religiosa está fazendo uma preparação espiritual, uma vivência da prática das virtudes e ainda mais de oração e silêncio.

“A gente está se preparando para viver na intensidade este momento tão especial e único. Esta é a primeira vez que isto acontece e nos deixa muito felizes, mas aumenta a nossa responsabilidade, pois ela seguiu esta mesma vida e viveu na perfeição, ao ponto de ser reconhecida pela igreja”, afirmou a priora do Carmelo São José, irmã Vânia Maria do Espírito Santo

O processo

O processo de beatificação será aberto em sessão solene marcada para as 16h deste domingo, 4, na Matriz Nossa Senhora D’Ajuda. A partir de 14h, os restos mortais da Nossa Mãe, que foram retirados do túmulo do cemitério no dia 26 de fevereiro, já estarão em urna para visitação na igreja. Em seguida, terá início a celebração, que seguirá um ritual diferente das habituais: no final, os fiéis sairão em procissão até o Carmelo, onde os restos mortais serão colocados no túmulo e a capela será inaugurada.

O processo de retirada dos restos mortas da madre foi acompanhado por orações de Dom Diamantino Prata de Carvalho durante a abertura do caixão. O postulador da causa, Dr. Paolo Villota, também participou do ato.

Dom Diamantino nomeou duas comissões para cuidar do processo de beatificação: um Tribunal Eclesiástico e a Comissão Histórica, com cargos e posições definidas dentro da diocese. A priora do Carmelo São José pediu ajuda da comunidade para levantamento de informações sobre a vida e atuação de irmã Maria Tereza, já que foram poucos os dados da freira levadas ao Carmelo para ser incluso no processo.

“Quero deixar bem claro que nada disso será divulgado, nem vai aparecer o nome de quem recebeu uma correspondência com conselhos dela, pois podemos encontrar coisas sobre a intimidade das pessoas. Precisamos e ter em mãos a sua forma de atuação”, explicou irmã Vânia.

História

Madre Tereza nasceu em Borda da Mata, no Sul de Minas, e viveu por muito tempo em Cruzeiro, interior de São Paulo. Ela foi fundadora do Carmelo São José, onde viveu por 43 anos. Ingressou na Ordem das Carmelitas, aos 21 anos de idade, no mosteiro de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. Nossa Mãe, como é chamada, morreu em novembro de 2005, 40 dias antes de completar 90 anos.

Vaticano aceita pedido de beatificação de religiosa mineira

madretereza_trespontas_mgVai ser dado início ao processo de beatificação de mais uma religiosa mineira. Trata-se de Madre Tereza Margarida do Coração de Maria. O pedido de beatificação foi feito pelo município de Três Pontas, no sul de Minas Gerais à Congregação para a Causa do Santos. A religiosa foi responsável pela fundação do Carmelo São José, onde viveu enclausurada por 43 anos.

Com a aceitação do Vaticano, a religiosa se torna a segunda do município mineiro e a quinta da região do Sul de Minas a poder se tornar beata. Antes de Madre Tereza, a Congregação para as Causas do Santos consentiu a abertura do processo para o padre Vítor, de Três Pontas; Monsenhor Alderije, de Santa Rita de Caldas; Nhá Chica, de Baependi; e da irmã Carmelita, Madre Maria Imaculada, de Pouso Alegre.

Maria Luisa Resende Marques (nome de batismo), Madre Tereza Margarida abraçou a vida religiosa aos 21 anos quando entrou na Congregação das Carmelitas. Em 1962, fundou o Carmelo de São José, no município mineiro de Três Pontas.

Madre Tereza faleceu em 2005 e seu corpo está sepultado no Cemitério Municipal de Três Pontas. No momento, uma capela está sendo construída para abrigar os restos mortais da religiosa.

Rezemos a Deus Pai pedindo a intercessão de Irmã Dulce

Agora os católicos do Brasil podem rezar ao Senhor por intercessão da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres. Com a cerimônia de beatificação realizada na tarde deste domingo, 22, o culto a religiosa baiana é inscrito no calendário do país, com a memória celebrada no dia 13 de agosto (dia em que a freira recebeu os votos religiosos).

A seguir, confira a oração para pedir graças por intercessão da nova beata:

Senhor nosso Deus
Recordando a vossa Serva Dulce Lopes Pontes,
Ardente de amor por vós e pelos irmãos,
Nós vos agradecemos pelo seu serviço a favor
Dos pobres e excluídos.
Renovai-nos na fé e na caridade,
E concedei-nos a seu exemplo vivermos em comunhão
Com simplicidade e humildade,
Guiados pela douçura do Espírito de Cristo
Bendito nos séculos dos séculos. Amém!
Já está disponível para download também a novena de Irmã Dulce. O material é composto de nove encontros de oração que apresentam a vida da religiosa como exemplo para quem busca um encontro íntimo com Deus. Segundo a Arquidiocese de Salvador (BA), a novena deve ter seu início sempre no dia 13, terminando no 21 de cada mês.

.: Clique para baixar

Beatificação de João Paulo II terá portal especial para os jovens

Página principal do site Pope2YouOs jovens do mundo todo poderão acessar uma plataforma especial para se sentir mais envolvidos nas cerimônias da Beatificação de João Paulo II.

O projeto “Sentinelas digitais” foi anunciado pelo Encarregado do Departamento de Comunicações Sociais do Vicariato de Roma, padre Walter Insero, durante a coletiva de imprensa que detalhou os preparativos e o programa da Beatificação, na manhã desta terça-feira, 5.

O já conhecido portal Pope2You, do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais – que por sua natureza é dirigido aos jovens -, será uma base importante do trabalho. Esse projeto é realizado pelo Pontifício Conselho em colaboração com a Rádio Vaticano, o Centro Televisivo Vaticano (CTV) e o Departamento de Comunicações Sociais do Vicariato de Roma.

Na página inicial do Pope2You, os jovens encontrarão um botão escrito “beatificação”. Ali clicando, aparecerá uma página com um link para o canal Twitter e um link que envia para a página do Facebook, com vídeos do CTV contendo imagens e discursos do Papa. Há também a possibilidade de enviar cartões digitais de Pope2You, com frases extraídas dos discursos endereçados aos jovens em diversas línguas.

Na tela, aparece também a janela de player para seguir em streaming todas as celebrações previstas para a Beatificação (Vigília, Missa de Beatificação, Missa de Ação de Graças) – visível também no endereço mais conhecido http://www.vatican.va/video.

“Desse modo, muitas pessoas poderão se unir espiritualmente aos fiéis que estiverem na Praça de São Pedro. Esse projeto pensado para os jovens é conduzido por um grupo de jovens voluntários de Roma e por alguns seminaristas dos colégios presentes em Roma, que asseguram a tradução nas diversas línguas, bem como por amigos de outros continentes que já estão em rede e colaboram conosco”, explicita padre Walter.

“Sentinelas digitais”

Padre Walter recorda que, na parte final da Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2011, o Papa Bento XVI escreve: “Convido sobretudo os jovens a fazerem bom uso da sua presença no areópago digital”; e complementa “não pode haver anúncio de uma mensagem sem um testemunho coerente por parte de quem anuncia”.

Durante a vigília de 19 de agosto de 2000, o Papa João Paulo II disse aos jovens reunidos na Universidade romana Tor Vergata: “Queridos amigos, vejo em vós as ‘sentinelas da manhã’ (cf. Is 21, 11-12) nesta alvorada do terceiro milênio”.

“Sentinelas que habitam a web e frequentam essa populosa praça digital, não para perder tempo ou isolar-se, apesar de terem tantos contados, mas jovens que desejem ser ali testemunhos evangelizadores na web. Pensamos em acolher esse desafio entusiasmante e lançar esse novo projeto ‘sentinelas digitais’ exatamente na ocasião da Beatificação do Servo de Deus João Paulo II”, destaca o Encarregado do Departamento de Comunicações Sociais do Vicariato de Roma.

Fonte Canção Nova

Imagem Internet

Jovem assassino francês pode ser beatificado

Na história da Igreja Católica, só houve um outro caso precedente de alguém condenado à pena capital que tenha se convertido e, posteriormente, chegado à honra dos altares: o bom ladrão, crucificado junto a Jesus Cristo, há mais de dois mil anos, São Dimas. 

Em pleno século XXI, essa história tem grandes chances de se repetir. Trata-se do processo de beatificação do jovem francês Jacques Fesch, que foi guilhotinado em 1957 por matar um policial e ferir outra pessoa durante um roubo. Sua conversão radical aconteceu na prisão, nos meses que antecederam sua morte, aos 27 anos.

O precedente único explica a cautela com que o caso do jovem foi apresentado à investigação diocesana, em 1987. O então Arcebispo de Paris, Cardeal Jean Marie Lustiger, orientou uma elaborada reflexão sobre a vida de Fesch e obteve a autorização da Congregação para as Causas dos Santos para abrir formalmente a causa de beatificação em 1993. O processo acaba de concluir sua fase diocesana e segue agora para Roma.

“Declarar santo a alguém não significa para a Igreja admirar os méritos dessa pessoa, mas propor um exemplo da conversão de alguém que, independentemente de sua caminhada humana, foi capaz de ouvir a voz de Deus e se arrepender. Não há pecado tão grave que impeça o homem de chegar a Deus, que lhe propõe a salvação”, disse o Cardeal Jean quando abriu a investigação. “Espero que, um dia, eu o venere como uma figura da santidade”, agregou.

A história

O jovem nasceu em 6 de abril de 1930, em Saint-Germain-en-Laye. Era filho de um rico banqueiro de origem belga, artista e ateu, distante do filho e infiel à esposa, da qual pediu divórcio.

Jacques foi educado na religião católica, mas abandonou a fé aos 17 anos. Aos 21, casou-se no civil com a noiva já grávida. Seu sogro conseguiu um trabalho no banco, período em que teve a vida de um playboy. No entanto, abandonou a esposa e a filha e teve um filho com outra mulher.

O crime cometido por Jacques aconteceu em 24 de fevereiro de 1954, quando tentou roubar o cambista Alexandre Sylberstein, com o objetivo de financiar a compra de um barco que o levaria ao longo do Oceano Pacífico. Sylberstein ficou ferido, mas conseguiu apertar o alarme contra roubos. O jovem Fesch chegou a fugir, mas perdeu seus óculos ao longo do percurso.

Durante a fuga, Fesch disparou contra um oficial de polícia que o perseguia, Jean Vergne, causando sua morte. Minutos mais tarde foi detido. Assassinar um oficial de polícia era um crime atroz e a opinião pública, inflamada pelos relatos da imprensa, manifestou-se decididamente favorável à sua execução. A Corte de Paris condenou-o à morte em 6 de abril de 1957.

A conversão

Logo após sua prisão, Jacques era indiferente à sua situação e ridicularizava a fé católica de seu advogado. No entanto, após um ano, o jovem assassino experimentou uma profunda conversão e arrependeu-se profundamente de seu crime. Ele aceitou sua pena e reconciliou-se com a esposa uma noite antes da execução.

A última coisa que escreveu em seu diário foi: “Em cinco horas, verei a Jesus”. Foi guilhotinado em 1º de outubro de 1957.

Após a morte, sua esposa e filha honraram sua memória como exemplo de redenção. No princípio, tal reconhecimento foi depreciado pelo público, mas o trabalho de uma freira carmelita, irmã Véronique, e do padre Augustin-Michel Lemonnier fez com que a família publicasse o diário espiritual que Jacques havia escrito na prisão, páginas que serviram e servem de inspiração para muitas pessoas.

Causa controvertida

O caso de Jacques foi alvo de controvérsia entre os que pensavam que seus crimes o tornavam indigno como modelo a ser seguido e entre os que ressaltavam a esperança de sua conversão final.

“Beatificar a Jacques Fesch não significa reabilitá-lo moralmente, nem dar-lhe um certificado de boa conduta ou um prêmio como a Legião de Honra. Sua conversão foi de ordem espiritual. Beatificar a Jacques Fesch será reconhecer que a comunidade cristã pode rezar a alguém que está ao lado de Jesus”, escreveu o teólogo André Manaranche em resposta ao debate.

Em 2 de dezembro de 2009, o Vigário-geral de Sua Santidade para a Cidade do Vaticano, Cardeal Angelo Comastri, acompanhou a irmã de Fesch, Monique, durante uma visita a Bento XVI, no Vaticano. Monique confidenciou ao Papa: “Meu irmão e eu nos entendíamos largamente. Quando ele fez oito anos de idade, fui sua madrinha de batismo, e, quando esteve no cárcere, acompanhei de perto sua extraordinária conversão”.

Junto ao biógrafo Ruggiero Francavilla, Monique mostrou ao Papa algumas das cartas escritas por Jacques enquanto estava na prisão.

Na oportunidade, o Cardeal Comastri disse ao jornal L´Osservatore Romano que, quando exercia o cargo de capelão do presídio Regina Coeli, um preso apresentou-lhe a fascinante história de Fesch.

“É um testemunho único: jovem descentrado, de rica família, torna-se assassino e é condenado à morte. Tinha 27 anos. No cárcere, vive uma conversão radical, fulgurante, alcançando altos cumes de espiritualidade”, disse.

Fonte Canção Nova
Imagem Internet

Bento XVI poderá visitar Índia para canonização de Madre Teresa

Os bispos da Índia esperam a visita do Papa Bento XVI ao país e a expectativa é que ela aconteça por ocasião da canonização da Beata Madre Teresa de Calcutá, cujo processo se encontra em fase avançada.

A viagem foi cogitada após as várias visitas do Arcebispo emérito de Westminster, Cardeal Cormac Murphy O’Connor, enviado especial do Papa ao país, nas comemorações do 25º aniversário da viagem apostólica do Papa João Paulo II à Índia.

O prelado, nos últimos dez dias de viagem, refez a peregrinação histórica de 1986, despertando grande interesse pela vinda de Bento XVI, não só para a minoria cristã, mas também para outras denominações que se reuniram em seminários e conferências organizadas para a ocasião.

Cardeal Cormac visitou cinco cidades – Nova Délhi, Ranchi, Calcutá, Mumbai e Kochi, no Estado de Kerala – e cada etapa foi caracterizada por um tema específico, relacionado ao trabalho pastoral de João Paulo II. Em particular, o Arcebispo de Ranchi, Cardeal Toppo Telesforo, expressou seu desejo de ver o Papa na Índia em breve: “Se Madre Teresa será canonizada na Índia, provavelmente o Papa poderá vir aqui para a cerimônia”, disse durante uma coletiva de imprensa.

Precisamente em Calcutá, o Cardeal O’Connor visitou a casa geral das Missionárias da Caridade, em Ranchi, no Estado central de Jharkhand, onde Madre Teresa está sepultada. O enviado do Papa também se encontrou com comunidades tribais que, frequentemente, sofrem as consequências da exploração dos recursos naturais por parte das grandes empresas. Finalmente, em Nova Délhi e Mumbai, foram inauguradas algumas estátuas de bronze do Papa João Paulo II, na Nunciatura Apostólica e em catedrais.

 

Fonte Canção Nova

 

Nhá Chica a um passo da beatificação

O papa Bento XVXI reconheceu, nesta sexta-feira, 14, as virtudes heróicas da Serva de Deus Francisca de Paula de Jesus, conhecida como “Nhá Chica”. O reconhecimento faz parte da lista de decretos assinados por Bento XVI, que recebeu em audiência o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato, após a plenária dos bispos e cardeais da Congregação, ocorrida dia 11.

“Este é o penúltimo passo rumo à beatificação”, explica dom Diamantino Prata de Carvalho, bispo da diocese de Campanha, responsável pela introdução do processo de canonização de Nhá Chica. O próximo passo rumo à beatificação é o Vaticano reconhecer um milagre ocorrido pela intercessão de “Nhá Chica”. O milagre em estudo teria acontecido em 1995, quando a professora Analúcia Meirelles Leite, moradora de Caxambu (MG), foi curada de um problema congênito muito grave no coração, sem passar por cirurgia, somente através das orações à Serva de Deus Nhá Chica.

“Virtudes heroicas, ou simplesmente virtude heroica, é a designação canônica dada ao conjunto de requisitos de exemplaridade de vida que devem ser demonstrados para que se inicie o processo formal de canonização dentro da nossa Igreja Católica”, esclarece dom Diamantino. “A demonstração da existência de virtude heróica é feita pela análise, post mortem, do comportamento e percurso de vida do candidato à santidade, tendo de ficar claro, e para além de qualquer dúvida que, em vida, a conduta do candidato se pautou pela prática para além do comum das virtudes teologais e das virtudes cardeais”, acrescenta.

Como começou

O movimento pela canonização de Nhá Chica começou em 1952. Em 1991, Nhá Chica recebeu da Congregação das Causas dos Santos do Vaticano o título de Serva de Deus. A Comissão em prol de sua beatificação foi instalada em 14 de janeiro de 1992. Já o Processo Informativo Diocesano começou em julho de 1993, tendo sido encerrado em 1995, quando foi para Roma.

História

Nhá Chica nasceu em São João Del Rei (MG) em 1810. Era descendente de escrava, analfabeta. Passou quase a totalidade de sua vida no município de Baependi (MG) onde se dedicou às obras da Igreja e a ajudar aos mais necessitados.

Construiu uma pequena igreja dedicada à Mãe de Deus ao lado da casa onde morava. Esta igreja tornou-se o Santuário Nossa Senhora da Conceição. A Serva de Deus morreu em Baependi no dia 14 de junho de 1895.

por Marquione Ban

imagem internet

fonte CNBB

 

Papa João Paulo II será beatificado dia 1º de maio

Dia do trabalhador será o dia da beatificação de João Paulo II

O Papa João Paulo II será beatificado em 1º de maio de 2011. A data foi oficializada na manhã de hoje, dia 14, com a assinatura do decreto de beatificação pelo Papa Bento XVI.

O milagre reconhecido para a Beatificação foi a cura da religiosa francesa Marie Simon Pierre do mal de Parkinson. Karol Wojtyla – nome de batismo de João Paulo II – faleceu em 2 de abril de 2005, após mais de 25 anos de papado.

Processo de beatificação
– 28/04/2005 – Bento XVI concedeu dispensa do tempo de cinco anos de espera para o início da Causa de Beatificação e Canonização de João Paulo II. A causa foi aberta oficialmente em 28 de junho pelo vigário-geral para a Diocese de Roma, Cardeal Camillo Ruini;

– 2/04/2007 – dois anos após a morte, na Basílica de São João de latrão, em Roma, o Cardeal Camillo Ruini declarou concluída a primeira fase diocesana do processo de beatificação de João Paulo II, confiando os resultados à Congregação para as Causas dos Santos. Isso acontece através de uma cerimônia jurídico-processual durante o qual são lidos, em latim, as palavras para a passagem dos documentos, compostos por 130 testemunhos a favor e contra a beatificação, além da conclusão de teólogos e historiadores a respeito;

– 1º/04/2009 – os relatos de possíveis milagres pela intercessão do Papa polonês sob avaliação da Congregação para as Causas dos Santos somam mais de 250;

– 19/12/2009 – com um decreto assinado pelo Papa Bento XVI, são reconhecidas as virtudes heroicas e Wojtyla é proclamado venerável.

O milagre

A religiosa Marie Simon-Pierre foi diagnosticada com Mal de Parkinson em 2001. Segundo o testemunho da freira, a cura pela intercessão do Pontífice aconteceu em 2 de junho de 2005, quando ela tinha 44 anos.

Por Marquione Ban

imagem da internet

Fonte: Canção Nova Notícias


Data para beatificção de Irmã Dulce foi marcada

 

Irmã Duce será beatificada em março

A cerimônia de beatificação de Irmã Dulce está definida. Será no em maio, no dia 22 em uma missa, que será celebrada no Parque de Exposição (Av. Paralela), em Salvador (BA). A informação foi divulgada na véspera do natal, dia 24, pela assessoria de comunicação da arquidiocese de Salvador.

Segundo a assessoria, o arcebispo de Salvador, cardeal dom Geraldo Majella Agnelo, designou o padre Manoel Filho para coordenar o evento. Ainda não há horário para celebrar a missa. A comissão organizadora do evento é composta por padres, leigos e representantes das Obras Sociais Irmã Dulce.

Beatificação signifiaca que o reconhecimento de que Irmã Dulce viveu aqui na Terra o evengelho de Cristo a risca. Sendo assim agora os demais católicos podem pedir sua intercessão junto a Deus Pai.

Por Marquione Ban

Fonte: CNBB

Imagem da Internet