Arquivo da tag: beira mar

Imagem de Nossa Senhora fica intacta depois da devastadora passagem do furacão Sandy nos EUA

Imagem da Virgem Maria em meio aos escombros no bairro Breezy Point of Queens, NY, terça-feira. Fogo destruiu pelo menos 80 casas lá como Sandy atingiu a comunidade à beira-mar.

 

Como não sei falar e muito menos ler o idioma inglês, recorri ao Google. Dá para compreender o quanto o povo americano está sofrendo e as informações da tragédia na tradução.

Hoje o Papa, em Roma, rezou pelas vítimas desse furacão, Sandy, que passou pelo Caribe e vai em direção ao Canadá. Nós também somos chamados a rezar por eles também.

Leia a matéria do jornal The Wall Street Journal

_____________________________

Marcha Megastorm Sandy de destruição ceifou pelo menos 43 vidas em os EUA e deixou mais de oito milhões de pessoas sem energia elétrica na terça-feira tarde, em uma das maiores tempestades já para golpear a costa leste.

Diminuída, mas ainda perigoso, a tempestade agitou todo Pensilvânia na terça-feira em um arco em direção Canadá e os EUA nordeste começou seu lento processo de recuperação. Em Nova York, os mercados financeiros se esperava para retomar a negociação quarta-feira, apesar de grandes pedaços da cidade estão sem eletricidade e sua vasta rede de metrôs permanece ociosas por inundações histórico.

Ao amanhecer terça-feira no rastro da tempestade de destroços, que começou a expor histórias de heroísmo e tragédia, decisões ruins e golpes de sorte.

New Jersey tomou um golpe particularmente grave. Partes do calçadão famoso Atlantic City foram reduzidas a estilhaços, a cidade cassino em si, mas tudo submerso. A Seaside montanha russa Parque estava torcido no Oceano Atlântico. Inúmeras casas foram danificadas ou destruídas.

“O nível de devastação no Jersey Shore é impensável”, o governador Chris Christie disse em uma coletiva de imprensa.

Em Broad Channel, em Nova York, uma mãe de 29 anos de idade, foi forçado a mergulhar e nadar para fora da janela da frente de sua casa com sua filha de 8 anos de idade. Peças de West Virginia foram forçados a cavar a partir de três metros de neve. Em Long Island, um homem acendeu um fogo de artifício que ele confundiu com uma vela, e soprou a mão dele, segundo a polícia. E, em Freeport, NY, Nicole Smith evacuado e depois voltou para casa para encontrar um barco em seu gramado.Ela pediu transeuntes por US $ 5 para tirar uma foto.

O entulho disse a um conto de como a segurança poderia ser evasivo no caminho da tempestade. Uma menina de 13 anos foi encontrado morto, de pijama, um bloco de sua desbotada Staten Island casa, um menino de 11 anos e um amigo dele de 13 anos de idade, foram esmagados debaixo de uma árvore que atingiu um casa no subúrbio de Nova York, Westchester County.

No bairro de Nova York de Queens, uma vez que os ventos tinham acalmado manhã terça-feira, Joe Jordan entrei fora descalço para avaliar o quão mal a tempestade tinha danificado seu bairro de longa data, Breezy Point. Durante a noite, um incêndio tinha nivelado mais de 100 casas, dezenas de outras foram arrancadas de seus alicerces pela tempestade.

Lei mais AQUI

Prepare a Solenidade de São Pedro e São Paulo

Sagrada Escritura:
Leituras do Dia

Primeira: At 12,1-11
Salmo 33
Segunda: 2Tm 4,6-8.17-18
Evangelho: Mt 16, 13-19

Nexo entre as leituras

A liturgia comemora São Pedro e São Paulo, os dois grandes Apóstolos da primeira comunidade cristã, como mestres e confesores da fé. «Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo», proclama Pedro em nome dos demais discípulos, diante da pergunta de Jesus: «E vós, quem dizeis que eu sou?». Esta mesma confissão de fé leva Herodes Agripa a perseguir e encarcerar Pedro para dar satisfação aos escribas e fariseus (primeira leitura). Por sua parte, já no fim da vida, Paulo abre a alma para Timóteo nesta bela e significativa frase: «Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé»; e, alguns versículos mais adiante, «O Senhor esteve do meu lado e me deu forças, Ele fez que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações».

A festa de hoje é por antonomásia a festa da fé: fé pessoal de Pedro e de Paulo em Jesus; fé proclamada e ensinada por ambos, ao longo de trinta anos, até a morte; fé confessada e testemunhada, dia após dia, entre perseguições e consolos, até o derramamento do seu sangue no martírio.

Mensagem Doutrinal

1. Fé pessoal. Em Pedro ela é, talvez, um processo contínuo, desde o primeiro encontro com Cristo, à beira-mar da Galiléia, até o grito entusiasta de «Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo», e o humilde reconhecimento: «Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo». No caso de Paulo, mais do que um processo, é uma irrupção, fulgurante, no caminho de Damasco. Essa fé em Jesus Cristo, que o encadeia com ataduras de liberdade, irá se aprofundando com os anos, e em suas cartas ele irá nos deixando pegadas dela: «Para mim, viver é Cristo, e morrer é lucro», «vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim». Nessa fé pessoal, incomovível, mais forte do que a morte, ambos fundam o seu ensinamento, seu testemunho e sua missão.

2. Mestre da fé. A primeira parte dos Atos dos Apóstolos mostra Pedro, sumamente ativo, pregando o kerigma cristão a judeus de Jerusalém e arredores e a pagãos, como é o caso da família de Cornélio. Proclama com vigor e sinceridade o que crê, e ensina o que viu, escutou e recebeu de seu Mestre e Senhor. Não tem nada próprio a dizer, só o mistério de Cristo que lhe é imposto com a força da evidência e da fé. Paulo tampouco tem nada próprio que dizer, mas só o que recebeu, como dirá aos coríntios. E quando, em algum caso, adiciona algo que não recebeu, ressalta que o faz segundo o Espírito de Cristo, que o possui e impulsiona a falar com autoridade.

3. Testemunhas da fé. As palavras, inclusive as mais sublimes, não serão acolhidas se forem somente palavras e não vida. A exemplo de Jesus, que deu a vida por todos em coerência com a sua pregação e doutrina, Pedro e Paulo culminarão o testemunho de vida cristã morrendo pela fé em que creram, que pregaram e que confessaram por toda a região mediterrânea. O martírio chega a ser, deste modo, o selo da autenticidade da sua fé, a prova segura, para nós, da verdade que eles nos comunicaram e da qual são igualmente colunas inquebrantáveis e perenes.

Sugestões Pastorais

1. Creio… cremos. Como pastores, temos que transmitir a fé da Igreja tal como formulada no Catecismo da Igreja Católica. Para transmiti-la com integridade e convicção, temos de fazer nossa toda a fé da Igreja. Fazê-la nossa com a inteligência, lendo, estudando, meditando as belas e doutrinalmente ricas páginas do catecismo. Fazê-la nossa com o coração, amando de verdade o corpo doutrinal, orgânico, completo, coerente, rejuvenecido e rejuvenecedor da Igreja Católica. Fazê-la nossa com a vida, para não sermos nem aparecermos como pregadores vazios, e sim como testemunhas da verdade eterna, que vem de Deus e que leva a Deus. Equipados com essa fé eclesial, tornada pessoal pela meditação, pelo amor e pelo testemunho, convidaremos nossos fiéis a crer individual e comunitariamente no que a Igreja nos ensina, a amar aquilo em que crêem e a testemunhar em seu mundo familiar e profissional aquilo que amam. E não teremos medo de proclamar, com humildade e com firmeza, as verdades «difíceis», porque o próprio Espírito que nos anima a proclamá-las trabalha eficazmente nos fiéis para que as aco-lham e as vivam.

2. Fiéis ao Magisterio. A Igreja é um corpo vivo, que se constrói com pedras vivas. Todos colaboramos na construção, mas sob a guia e supervisão dos que são sucessores de Pedro (o Papa) e dos demais Apóstolos (os bispos). Como partícipes do sacerdócio de Cristo e colaboradores dos bispos, os presbíteros e diáconos são moralmente obrigados a escutar a voz do Santo Padre, da Conferência Episcopal, do bispo diocesano; a conhecer, estudar, difundir e, se necessário, defender os seus ensinamentos, que são as orientações que eles nos oferecem a serviço da nossa fé e do nosso comportamento moral. Falemos sempre bem, para os nossos fiéis, do Santo Padre, dos bispos; criemos em torno deles um ambiente de respeito, de acolhimento, de disponibilidade, de sincero afeto filial. São homens como nós, mas são, sobretudo, os mestres da nossa fé, os confessores e testemunhas da verdade revelada por Deus em Jesus Cristo, mediante o Espírito Santo.

Música da Semana

Um certo Galileu

Um certo dia, a beira mar
Apareceu um jovem Galileu
Ninguém podia imaginar
Que alguém pudesse amar do jeito que ele amava
Seu jeito simples de conversar
Tocava o coração de quem o escutava

E seu nome era Jesus de Nazaré
Sua fama se espalhou e todos vinham ver
O fenômeno do jovem pregador
Que tinha tanto amor

Naquelas praias, naquele mar
Naquele rio, em casa de Zaqueu
Naquela estrada, naquele sol
E o povo a escutar histórias tão bonitas
Seu jeito amigo de se expressar
Enchia o coração de paz tão infinita

Em plena rua, naquele chão
Naquele poço e em casa de Simão
Naquela relva, no entardecer
O mundo viu nascer a paz de uma esperança
Seu jeito puro de perdoar
Fazia o coração voltar a ser criança

Um certo dia, ao tribunal
Alguém levou o jovem Galileu
Ninguém sabia qual foi o mal
E o crime que ele fez; quais foram seus pecados
Seu jeito honesto de denunciar
Mexeu na posição de alguns privilegiados

E mataram a Jesus de Nazaré
E no meio de ladrões puseram sua cruz
Mas o mundo ainda tem medo de Jesus
Que tinha tanto amor

Pe. Zezinho