Arquivo da tag: dia a dia

As lições espirituais da Copa das Confederações

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo Diocesano de Campos

A Copa das Confederações foi ganha pelo Bras¬¬il, esta edição da Copa teve características atípicas e inéditas que nos fazem pensar e refletir. Uma primeira consideração a fazer que foi a primeira vez que o foco da atenção do pais não esteve no campo do jogo mas nas ruas.

A paixão pelo futebol do povo brasileiro deixou espaço para o protesto, o comentário não foram as jogadas do time da seleção mas o time do povo, os jovens que tomaram as cidades do pais sendo jogadores de outra copa, sem duvida mais importante porque define a vida de todos.  Por primeira vez os governantes descobriram atônitos que não basta investir pesadas somas e quantias de dinheiro no padrão FIFA da Copa  para agradar ao povo, mas estar mais perto e cientes das demandas do dia a dia, na saúde, educação e segurança.

O povo acordou e sentiu-se arbitro, ator principal, expressando claramente aquilo que não quer, transporte público de péssima qualidade, impunidade, corrupção, venalidade e descaso na administração pública. O brado e o grito das ruas é certamente impreciso, desfocado, sem prioridades, mas sincero e autêntico, também com a presença infeliz de provocadores que incitam a atos de violência.

No entanto, ignorá-lo seria alienar-se de um verdadeiro sentimento popular de repulsa e de uma indignação visceral com a banalização da mediocridade, do mal e da prática maquiavélica do exercício do poder. Estamos contentes com a conquista da Copa, pois nossa seleção apresentou um time que prioriza o trabalho de equipe, o coletivo, o grupo como família, só assim nos tornamos merecedores de aspirar a objetivos e vitórias transcendentes.

Quem sabe o Brasil todo vira o jogo e se torna uma equipe campeã, no certame da vida pública, no desenvolvimento integral para todos/as, na luta contra a corrupção e a miséria, ganhando a Copa da educação, da cidadania, construindo um poder-serviço e uma democracia participativa realmente eficaz.

Deus seja louvado!

2ª DOR DE NOSSA SENHORA: A Fuga para o Egito

Introdução

Irmãos, quando Jesus, Maria e José fugiram para o Egito, foi grande dor saber que desejavam matar o seu filho, aquele que trazia a salvação! Maria não se aflige pelas dificuldades em terras longínquas; mas por ver seu filho inocente perseguido, por ser o Redentor. Maria suportou o exílio por amor e por alegria por Deus fazer dela cooperadora do mistério da salvação. No exílio Maria sofreu provocações, mas as portas do Céu futuramente abriam para Maria. Esta dor nos ensina a aceitar as provocações do dia-a-dia com alegria de quem sofre para agradar a Deus. Esse agir e esse procedimento chamam-se santidade. No meio da dor sofrem os infelizes, entregam-se ao desespero, porque não têm a amizade divina, que traz paz e confiança em Deus. Porisso, somos convidados a aceitar os sofrimentos por amor a Deus. Exultemos de alegria, porque grande é o nosso merecimento, assemelhando-nos a Jesus Crucificado, que tanto sofreu por amor a vossas almas.

Evangelho de Mt 2, 13 – 15

 13.Depois de sua partida, um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse: Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar.14.José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito.15.Ali permaneceu até a morte de Herodes para que se cumprisse o que o Senhor dissera pelo profeta: Eu chamei do Egito meu filho (Os 11,1).

Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/47/2.php#ixzz1qDyhgw3y

Oração 

Virgem dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares, graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Dai-nos a saúde do corpo para que possamos cumprir nossos deveres com ânimo e alegria, e com a mesma disposição sirvamos a vosso Filho Jesus.   Por N. S. J. C.  –  AMÉM.

Nenhum sinal será dado a esta geração a não ser o sinal de Jonas – Evangelho do Dia

Evangelho – Lc 11,29-32

Nenhum sinal será dado a esta geração
a não ser o sinal de Jonas.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 11,29-32

Naquele tempo:
29Quando as multidões se reuniram em grande quantidade,
Jesus começou a dizer:
“Esta geração é uma geração má.
Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado,
a não ser o sinal de Jonas.
30Com efeito, assim como Jonas
foi um sinal para os ninivitas,
assim também será o Filho do Homem para esta geração.
31No dia do julgamento,
a rainha do Sul se levantará
juntamente com os homens desta geração,
e os condenará.
Porque ela veio de uma terra distante
para ouvir a sabedoria de Salomão.
E aqui está quem é maior do que Salomão.
32No dia do julgamento, os ninivitas
se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão.
Porque eles se converteram
quando ouviram a pregação de Jonas.
E aqui está quem é maior do que Jonas.”
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 11, 29-32

Para muitas pessoas, Deus deve manifestar-se constantemente para todos, pois somente assim o mundo poderá crer. Na verdade, essas pessoas querem uma demonstração evidente da existência de Deus e da sua presença no nosso dia a dia, porém o Evangelho de hoje nos mostra que assim como Jonas foi um sinal para os ninivitas, Jesus é um sinal para nós, e Jonas foi um sinal para os ninivitas apenas por suas palavras, que os ninivitas ouviram e creram. Deste modo, Jesus é um sinal para nós por sua palavra e é nela que devemos crer e não ficar exigindo que ele fique realizando “milagres” para que fundamentemos a nossa fé.

“Imediatamente deixaram as redes e o seguiram” (Evangelho do Dia – Mt 4,18-22)

Evangelho – Mt 4,18-22

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 4,18-22

18 Quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19 Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens.” 20 Eles, imediatamente deixaram as redes e o seguiram. 21 Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu consertando as redes. Jesus os chamou. 22 Eles, imediatamente deixaram a barca e o pai,e o seguiram. Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 4, 18-22

No nosso dia a dia devemos estar sempre atentos à presença de Jesus que se aproxima de nós e nos chama para o serviço do Reino. Esta aproximação acontece principalmente a partir dos apelos que chegam até nós nos sofrimentos, nas dores, nas necessidades não satisfeitas, na fome, na miséria, na culpa, na falta de fé, no desconhecimento de Deus, na falta de sentido de vida, na violência, enfim, em tudo o que exige de nós uma resposta de amor, que é o fundamento de todo apostolado, de todo seguimento de Jesus. Deixando tudo o que estamos fazendo, devemos ser a resposta viva de Deus para todos esses apelos.

Todos vos odiarão por causa do meu nome. Mas vós não perdereis.um só fio de cabelo da vossa cabeça (Evangelho do Dia – Lc 21,12-19)

 

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 21,12-19

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
12Antes que estas coisas aconteçam,
sereis presos e perseguidos;
sereis entregues às sinagogas e postos na prisão;
sereis levados diante de reis e governadores
por causa do meu nome.
13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé.
14Fazei o firme propósito
de não planejar com antecedência a própria defesa;
15porque eu vos darei palavras tão acertadas,
que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater.
16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais,
irmãos, parentes e amigos.
E eles matarão alguns de vós.
17Todos vos odiarão por causa do meu nome.
18Mas vós não perdereis
um só fio de cabelo da vossa cabeça.
19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 21, 12-19

Ganhar a vida eterna significa ser capaz de lutar no dia a dia pelos valores que a caracterizam. Mas os valores que caracterizam a vida eterna são completamente diferentes dos valores que caracterizam a nossa sociedade de hoje, sendo que a conseqüência dessa diferença é o conflito, que é seguido da perseguição, do ódio e, muitas vezes, da morte. Mas quem de fato acredita na vida eterna e a deseja ardentemente para si assume o projeto de Deus e os valores do Reino dos céus e luta constantemente por eles, não temendo a perseguição e desafiando até mesmo a morte, porque sabe que nada o separará da vida e vida em abundância.

 

“A semente cresce, torna-se uma grande árvore” (Evangelho do Dia – Lc 13,18-21)

A semente cresce, torna-se uma grande árvore.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 13,18-21

Naquele tempo:
18Jesus dizia:
“A que é semelhante o Reino de Deus,
e com que poderei compará-lo?
19Ele é como a semente de mostarda,
que um homem pega e atira no seu jardim.
A semente cresce, torna-se uma grande árvore,
e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos.”
20Jesus disse ainda:
“Com que poderei ainda comparar o Reino de Deus?
21Ele é como o fermento que uma mulher pega
e mistura com três porções de farinha,
até que tudo fique fermentado.”
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 13, 18-21

Muitas vezes falamos que o Reino de Deus é sobrenatural, mas queremos que ele se manifeste em coisas naturais grandiosas. Isto demonstra que na verdade vemos a sua grandiosidade, mas não percebemos a sua natureza, o que faz com que a grandiosidade seja vista a partir da materialidade, o que é um erro, e não a partir da grandiosidade que Deus faz a partir do pequeno, do grão de mostarda ou da levedura do fermento, ou seja, das pequenas coisas que surpreendem os que olham com o olhar da fé a realidade. Deus escolhe as coisas pequenas do mundo para revelar o Reino, e nos mostra a força do seu braço a partir das transformações que os pequenos realizam no dia a dia.

Evangelho do Dia – Lc 5,33-39

Mas dias virão em que o noivo será tirado do meio deles.
Então, naqueles dias, eles jejuarão.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 5,33-39

Naquele tempo:
33Os fariseus e os mestres da Lei disseram a Jesus:
“Os discípulos de João,
e também os discípulos dos fariseus,
jejuam com freqüência e fazem orações.
Mas os teus discípulos comem e bebem.”
34Jesus, porém, lhes disse:
“Os convidados de um casamento podem fazer jejum
enquanto o noivo está com eles?
35Mas dias virão em que o noivo será tirado do meio deles.
Então, naqueles dias, eles jejuarão.”
36Jesus contou-lhes ainda uma parábola:
“Ninguém tira retalho de roupa nova
para fazer remendo em roupa velha;
senão vai rasgar a roupa nova,
e o retalho novo não combinará com a roupa velha.
37Ninguém coloca vinho novo em odres velhos;
porque, senão, o vinho novo
arrebenta os odres velhos e se derrama;
e os odres se perdem.
38Vinho novo deve ser colocado em odres novos.
39E ninguém, depois de beber vinho velho,
deseja vinho novo;
porque diz: o velho é melhor.”
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 5, 33-39

A maioria das novidades que nós encontramos no dia a dia não passa, na verdade, de mudanças superficiais em coisas que já existiam antes ou de uma continuidade de um processo evolutivo, de modo que muito pouco vemos de realmente novo. Por isso, temos muita dificuldade em ver a novidade do Evangelho, não percebemos que na verdade ele nos apresenta valores que não existiam antes e uma forma totalmente nova de nos relacionarmos com Deus e com as outras pessoas. Se não estivermos bem atentos e totalmente abertos para a novidade do Evangelho, corremos o risco de querer fazer com que ele seja remendo novo em pano velho, ou vinho novo em odres velhos, uma continuidade dos valores do homem velho, algo que não se insere na realidade nem a transforma.

Secretário da ONU envia mensagem para o Dia Mundial das Famílias

O mundo inteiro celebra nesta terça-feira, 15, o Dia da Família. Para a ocasião, o secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, escreveu uma mensagem destacando a dedicação em relação aos núcleos familiares com o mundo do trabalho, num momento de crise econômica e financeira. A mensagem vai de encontro ao tema do próximo Encontro Mundial das Famílias “A família: o trabalho e a festa”, que será realizado entre os dias 30 de maio a 3 de junho próximos, em Milão, Itália.

Em 1993, a Assembleia Geral da ONU proclamou essa data como Dia Internacional da Família. Desde então, o órgão tem celebrado o dia chamando a atenção para determinadas questões que influenciam o dia-a-dia da Família, como forma de reconhecer o papel nuclear da família na sociedade e de impulsionar a adoção de medidas no plano nacional e internacional para melhorar sua condição.

O ano 1994 foi proclamado, pelas Nações Unidas, como o Ano Internacional da Família e teve como tema “Família, Capacidades e Responsabilidades num Mundo em transformação”, declarando a família como “a pequena democracia no coração da sociedade”.

“É na família que o homem se realiza como filho, esposo e pai”. É o que disse o Papa Bento XVI ao receber, no Vaticano, os participantes de um encontro promovido pelo Instituto João Paulo II de estudos sobre o matrimônio e a família (13/05/2011).

O Dia Internacional da Família é comemorado em diversos lugares no mundo. Neste ano, em Portugal, várias entidades celebraram a data, com atividades lúdicas, espetáculos e iniciativas de caráter social, de norte a sul do país, destacando a importância das famílias na sociedade.

Leia abaixo a mensagem do secretario geral da ONU, Ban Ki-moon:

Mensagem do Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo Dia Mundial das Famílias 2012

O Dia Internacional da família deste ano destaca a necessidade do equilíbrio trabalho-família. O objetivo é ajudar os trabalhadores de todos os lugares a sustentaram financeiramente e emocionalmente as suas famílias, mas também a contribuirem para o desenvolvimento sócio-econômico de suas sociedades.

As tendências atuais enfatizam a crescente importância das políticas sobre a relação trabalho e família. Estas tendências incluem uma maior participação das mulheres no mercado de trabalho, e a crescente urbanização e mobilidade em busca de emprego.

Como as famílias tornam-se menores e as gerações vivem separadas, a família ampliada está menos disponível para oferecer cuidados, e os pais trabalhadores enfrentam crescentes desafios.

Milhões de pessoas ao redor do mundo não têm condições dignas de trabalho e do apoio social para se ocupar de suas famílias. Cuidados infantis de qualidade a preços acessíveis é raramente disponível nos países em desenvolvimento, onde muitos pais são forçados a deixar seus filhos, em idade pré-escolhar, sozinhos em casa. Muitas crianças também são deixadas aos cuidados de irmãos mais velhos que, por sua vez, são retirados da escola.

Um certo número de países oferece generosas disposições de licença para mães e pais. Muitos mais, entretanto, fornecem poucos benefícios em conformidade com os padrões internacionais. Disposições de licença de paternidade ainda são raras na maioria dos países em desenvolvimento.

Modalidades flexíveis de trabalho, incluindo horas de trabalho escalonados, horários de trabalho compactados ou de teletrabalho, estão se tornando mais amplamente disponíveis – mas há muito o que para melhorar em toda parte. Estou comprometido com isso em nossa própria organização, onde atualmente estamos olhando para as nossas próprias estruturas, e vendo o que podemos fazer melhor.

Temos de responder às complexidades em constante mudança de trabalho e vida familiar. Congratulo-me com o estabelecimento de locais de trabalho favoráveis à família, através de disposições de licença parental, regimes de trabalho flexíveis e melhor cuidado com os filhos.

Tais políticas e programas são fundamentais para melhorar o equilíbrio entre trabalho e família. Essas ações também podem levar a melhores condições de trabalho, a saúde e a produtividade do trabalhador,  e um foco mais planejado sobre  a igualdade de gênero.
Políticas de equilíbrio entre o trabalho a família demonstrar tanto o compromisso de um governo para com o bem-estar das famílias e o compromisso do setor privado com a responsabilidade social.

Neste Dia Internacional das Famílias, renovemos o nosso compromisso de promover o equilíbrio entre o trabalho e a família para o benefício das famílias e da sociedade em geral.

Ban Ki-moon

(Texto traduzido pelo padre Rafael Fornasier, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da CNBB)

Evangelho do Dia – Jo 3,31-36

O Pai ama o Filho e entregou tudo em sua mão.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 3,31-36

31- “Aquele que vem do alto
está acima de todos.
O que é da terra,
pertence à terra e fala das coisas da terra.
Aquele que vem do céu
está acima de todos.
32Dá testemunho daquilo que viu e ouviu,
mas ninguém aceita o seu testemunho.
33Quem aceita o seu testemunho
atesta que Deus é verdadeiro.
34De fato, aquele que Deus enviou
fala as palavras de Deus,
porque Deus lhe dá o espírito sem medida.
35O Pai ama o Filho
e entregou tudo em sua mão.
36Aquele que acredita no Filho
possui a vida eterna.
Aquele, porém, que rejeita o Filho não verá a vida,
pois a ira de Deus permanece sobre ele”.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Jo 3, 31-36

Devemos procurar Jesus para que, a partir do encontro pessoal com ele, possamos conhecer o próprio Pai. Quando isso acontece, deixamos de pertencer às coisas da terra, porque assumimos novos valores e encontramos em Deus uma nova motivação para viver: a motivação das coisas do alto. A fonte dessa motivação é o dom do Espírito Santo que é derramado sem medida sobre nós e faz com que reconheçamos nas palavras de Jesus as palavras do próprio Deus, que são fonte de verdadeira alegria e de felicidade eterna para todos os que crêem nelas e as colocam em prática no dia a dia.

Católicos de todo o mundo celebram Jesus Misericordioso

Católicos de diversas partes do mundo celebram neste domingo, 15, a Festa da Divina Misericórdia. A comemoração foi instituída pelo beato João Paulo II em 30 de abril de 2000, data a partir da qual a festa passou a ser celebrada no segundo Domingo da Páscoa.

A Festa da Divina Misericórdia foi instituída a partir das revelações de Jesus à Santa Faustina, uma freira polonesa que na década de 30 recebeu de Jesus uma mensagem de misericórdia para toda a humanidade. Segundo relatos, Jesus pediu à Santa Faustina para pintar o quadro da Divina Misericórdia e descreveu as inscrições que deveriam estar no quadro: “Jesus, eu confio em vós”.

O objetivo dessa festa é celebrar a misericórdia de Deus, o Amor Dele pela humanidade, anunciar a salvação como gratuito amor de Jesus e da sua misericórdia.

Santa Faustina

Santa Faustina nasceu na Polônia em 1905 e morreu aos 33 anos. Buscou a santidade na vida comum do dia a dia. Tinha pouca instrução, mas no seu diário, onde transcreve os ensinamentos de Jesus, não há nenhum erro teológico. Beatificada e canonizada em 2000 pelo beato João Paulo II, sua grande missão no mundo foi ser arauto da misericórdia de Jesus.

2ª DOR DE NOSSA SENHORA: A Fuga para o Egito

Introdução

Irmãos, quando Jesus, Maria e José fugiram para o Egito, foi grande dor saber que desejavam matar o seu filho, aquele que trazia a salvação! Maria não se aflige pelas dificuldades em terras longínquas; mas por ver seu filho inocente perseguido, por ser o Redentor. Maria suportou o exílio por amor e por alegria por Deus fazer dela cooperadora do mistério da salvação. No exílio Maria sofreu provocações, mas as portas do Céu futuramente abriam para Maria. Esta dor nos ensina a aceitar as provocações do dia-a-dia com alegria de quem sofre para agradar a Deus. Esse agir e esse procedimento chamam-se santidade. No meio da dor sofrem os infelizes, entregam-se ao desespero, porque não têm a amizade divina, que traz paz e confiança em Deus. Porisso, somos convidados a aceitar os sofrimentos por amor a Deus. Exultemos de alegria, porque grande é o nosso merecimento, assemelhando-nos a Jesus Crucificado, que tanto sofreu por amor a vossas almas.

Evangelho de Mt 2, 13 – 15

 13.Depois de sua partida, um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse: Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar.14.José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito.15.Ali permaneceu até a morte de Herodes para que se cumprisse o que o Senhor dissera pelo profeta: Eu chamei do Egito meu filho (Os 11,1).

Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/47/2.php#ixzz1qDyhgw3y

Oração 

Virgem dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares, graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Dai-nos a saúde do corpo para que possamos cumprir nossos deveres com ânimo e alegria, e com a mesma disposição sirvamos a vosso Filho Jesus.   Por N. S. J. C.  –  AMÉM.

Evangelho do dia: Lc 9,22-25

Evangelho – Lc 9,22-25
Quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 9,22-25

Naquele tempo disse Jesus aos seus discipulos:
22″O Filho do Homem deve sofrer muito,
ser rejeitado pelos anciãos,
pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei,
deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia.”
23Depois Jesus disse a todos:
“Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo,
tome sua cruz cada dia, e siga-me.
24Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la;
e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará.
25Com efeito, de que adianta
a um homem ganhar o mundo inteiro,
se se perde e se destrói a si mesmo?
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 9, 22-25
O verdadeiro discípulo de Jesus é aquele que vive como o próprio Jesus e faz dele o modelo de sua vida. Jesus nunca viveu para si, mas sempre viveu para o Pai e para os seus irmãos e irmãs, fazendo do seu dia a dia um serviço a Deus e ao próximo. A exemplo de Jesus, nós devemos passar por esse mundo não para buscar a satisfação dos nossos interesses e necessidades, mas para deixar de lado tudo o que nos impede de ir ao encontro de nossos irmãos e irmãs que precisam de nós, da nossa presença e do nosso serviço, e que também nos impede de ir ao encontro do próprio Deus para vivermos com ele a sua vida.