Arquivo da tag: Dialogo Inter-religioso

Papa: Não impomos nada nem usamos nenhuma estratégia desleal para atrair os fiéis

Papa Francisco. Foto: Grupo ACI

(ACI/EWTN Noticias).- Refletindo nesta manhã sobre a importância do diálogo inter-religioso, o Papa Francisco precisou que “não impomos nada” e nem “usamos nenhuma estratégia desleal” para atrair os fiéis à Igreja, mas “testemunhamos com alegria aquilo em que acreditamos e o que somos”.

O Papa Francisco acolheu com estas palavras aos participantes na assembleia plenária do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso -que preside o Cardeal Jean-Louis Tauran- e que esteve dedicada ao tema “Membros de diferentes tradições religiosas na sociedade”.

O Santo Padre disse que “o diálogo inter-religioso e a evangelização não se excluem, mas eles se alimentam reciprocamente. Não impomos nada, nós não usamos qualquer estratégia desleal para atrair os fiéis, mas testemunhamos com alegria,? com simplicidade aquilo em que acreditamos e o que somos. Com efeito, um encontro no qual cada um colocasse de? lado aquilo em que acredita, fingindo renunciar o que tem de mais? precioso, certamente não seria uma relação autêntica. Neste caso,? se? poderia falar de uma fraternidade fingida”.

“O diálogo -explicou Francisco- não significa desistir de sua própria identidade quando se vai ao encontro do outro, e nem mesmo ceder a compromissos? com a fé e a moral cristã. Pelo contrário, ‘a verdadeira abertura implica manter-se firme em suas próprias convicções mais profundas, com uma identidade clara e alegre’ e, por isso, aberta a compreender as razões dos outros, capaz de relações humanas respeitosas, convictas que o encontro com quem é? diferente de nós, pode ser uma oportunidade de crescimento na fraternidade, enriquecimento e testemunho”.

O Papa também destacou que “a Igreja católica é consciente do valor que reveste a promoção da amizade e do respeito entre homens e mulheres de diversas tradições religiosas. Compreendemos sempre mais sua importância, seja porque o mundo tornou-se, de qualquer modo, “menor”, seja porque o fenômeno das migrações aumenta os contatos entre pessoas e comunidades de tradição, cultura e religião diferentes. Esta realidade interpela a nossa consciência de cristãos, é um desafio para a compreensão da fé e para a vidaconcreta das Igrejas locais, das paróquias, de muitíssimos crentes”.

O Pontífice citou deste modo sua recente exortação apostólica “Evangelii gaudium” para reafirmar que “uma atitude de abertura na verdade e amor deve caracterizar o diálogo com os não crentes de religiões não cristãs, apesar dos vários obstáculos e dificuldades, especialmente o fundamentalismo de ambos os lados”.

Efetivamente “não faltam? no mundo contextos nos quais a? convivência é difícil: frequentemente por? razões políticas ou econômicas que se sobrepõem às diferenças culturais e religiosas, contando também as incompreensões e erros do passado. Tudo é risco de gerar desconfiança e medo. Existe? apenas uma estrada para vencer esse medo, e é a do diálogo, o encontro marcado pela amizade e respeito”.

O diálogo construtivo entre pessoas de tradições religiosas diversas “serve? também para superar um outro medo que encontramos,? infelizmente, em? aumento na sociedade? fortemente secularizada: o medo diante das? diferentes tradições religiosas e da dimensão religiosa em si. É difundido o pensamento que a convivência só seria possível escondendo a própria pertença religiosa, encontrando-se em? uma espécie de espaço neutro, desprovido de referências à transcendência”.

“Mas também aqui, como seria possível criar relacionamentos verdadeiros,? construir uma sociedade que seja autêntica casa comum,? impondo por de lado o que cada um considera como uma parte íntima do próprio ser? Certo, é necessário que tudo aconteça no respeito das convicções dos outros,? também daqueles que não acreditam, mas devemos ter a coragem e a paciência de irmos ao encontro do outro por aquilo que somos”.

“O futuro -concluiu o Papa- está na coexistência respeitosa da diversidade,? não na aprovação de um pensamento único, teoricamente neutro. Temos visto ao longo da história, a tragédia dos pensamentos únicos. Torna-se, por isso, imprescindível? o reconhecimento do direito fundamental à liberdade religiosa, em todas as suas dimensões. Sobre isso, o Magistério da Igreja se expressou nas últimas décadas? com grande empenho. Estamos convencidos de que, por essa via? passa a edificação da paz no mundo”.

Vaticano exorta cristãos e budistas a unir-se em defesa da vida

(ACI).- O Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso enviou uma mensagem aos seguidores do budismo com ocasião da festa do Vesakh –sua principal festividade-, para convidá-los a unir-se aos cristãos na defesa da vida “sobre a base do patrimônio autêntico das nossas tradições religiosas”.

“Unamos nossas forças para desmascarar as ameaças à vida humana e despertar a consciência ética dos nossos respectivos seguidores para despertar um renascimento moral e espiritual dos indivíduos e da sociedade a fim de sermos verdadeiros construtores da paz, amando, defendendo e promovendo a vida humana em todas as suas dimensões”, alenta a mensagem assinada pelo Cardeal Jean-Louis Tauran e pelo Pe. Miguel Angel Ayuso Guixot, presidente e secretário deste dicastério respectivamente.

O texto recorda que no início do seu Pontificado, o Papa Francisco “reafirmou a necessidade de diálogo e de amizade entre os seguidores das diferentes religiões, assinalando que ‘a Igreja é (…) consciente da responsabilidade que todos temos com o nosso mundo, com a criação inteira que devemos amar e custodiar”, assim como com os pobres e débeis, “para promover a justiça, para promover a reconciliação, para construir a paz”.

Este caminho, recordou o dicastério, “passa acima de tudo pelo respeito da vida humana, considerada em seus múltiplos aspectos, desde sua concepção, em seu desenvolvimento e até seu fim natural”.

“Autênticos trabalhadores pela paz são, então, os que amam, defendem e promovem a vida humana em todas as suas dimensões: pessoal, comunitária e transcendente. A vida em plenitude é o cume da paz. Quem quer a paz não pode tolerar atentados e delitos contra a vida”, indicou, recordando a mensagem para a Jornada Mundial da Paz 2013.

Nesse sentido, expressou “o sincero respeito” da Igreja pela tradição religiosa budista. “Frequentemente observamos uma consonância com os valores expressos também nos vossos livros religiosos: respeito pela vida, contemplação, silêncio, simplicidade. O nosso autêntico diálogo fraterno requer que nós, budistas e cristãos, desenvolvamos o que temos em comum, sobretudo o profundo respeito pela vida que compartilhamos”, assinalou.

O texto finaliza alentando seguir “trabalhando com renovada compaixão e fraternidade para aliviar o sofrimento da família humana, protegendo o caráter sagrado da vida humana. Com este espírito renovo meus melhores desejos para uma festa do Vesakh pacífica e alegre”.

Santa Sé participa de novo Centro para o diálogo inter-religioso

A Santa Sé foi convidada a participar de uma iniciativa para promover o diálogo entre religiões e culturas. O Centro Internacional para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural Rei Abdullah Bin Abdulaziz será oficialmente inaugurado no próximo dia 26, em Viena, na Áustria, e tem como Fundador Observador a Santa Sé.

O Centro Internacional será uma instituição independente, reconhecida pelas Nações Unidas, com a finalidade, como diz o próprio nome, de promover o diálogo inter-religioso.

A Igreja Católica será representada no Painel dos Diretores, que inclui representantes do judaísmo, cristianismo, islamismo, hinduísmo e budismo. O representante da Igreja Católica no Painel será Padre Miguel Angel Ayuso Guixot, Secretário do Pontíficio Conselho para o Diálogo Inter-religioso, que vai acumular a função de Observador no novo Centro.

Padre Guixot disse que com a participação nesta nova iniciativa, a “Santa Sé pretende demonstrar mais uma vez a sua disponibilidade e o seu interesse para o diálogo com todos aqueles comprometidos com as boas relações entre as religiões e culturas, em favor da mútua compreensão e colaboração para a superação dos conflitos e a convivência pacífica entre os povos e a dignidade da pessoa humana”.

A fundação do Centro Internacional é uma iniciativa do Rei da Arábia e tem três Estados fundadores: o Reino da Arábia Saudita, a República Austríaca e o Reino da Espanha, que constituem o Conselho de Partidos do novo Centro. O Conselho esteve reunido no último dia 31 de outubro em Viena, com a presença dos ministros das Relações Internacionais dos três Estados fundadores.

Ainda em 2006, o Rei Abdullah havia informado pessoalmente o Papa Bento XVI de sua iniciativa durante visita ao Vaticano, em 6 de novembro de 2007.

Fonte Canção Nova/Rádio Vaticano

CNBB assina Carta das Religiões sobre cuidado da Terra

cupulaA Conferência Nacional dos Bispos do Brasil é signatária de uma Carta das Religiões sobre o cuidado da Terra. O documento  foi elaborado e aprovado por iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso no espaço da Coalizão Ecumênica Inter-religiosa “Religiões por Direitos” durante a Cúpula dos Povos na Rio + 20.

Leia a Carta na íntegra:

CARTA DAS RELIGIÕES E O CUIDADO DA TERRA

No Espaço da Coalizão Ecumênica e Inter-religiosa “Religiões por Direitos”, no quadro da Cúpula dos Povos na Rio+20 para a Justiça Social e Ambiental, contra a mercantilização da vida e em defesa dos bens comuns, os líderes religiosos do Brasil signatários, por iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Interreligioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e de Religiões pela Pazreuniram-se para debater a relação entre as religiões e as questões ambientais.   Como resultado do diálogo, concordou-se que a agenda das religiões na atualidade não deve desconsiderar a agenda do cotidiano da vida das pessoas na sociedade e das exigências da justiça ambiental.

A agenda das religiões deve incluir os elementos que traçam os projetos do ser humano na busca de realização da sua existência e afirmar compromissos efetivos com a defesa da vida no planeta.  Religiões, sociedade e meio ambiente não são realidades distanciadas, mas estreitamente correlatas.  As tradições religiosas contribuem para a ampliação da consciência dos seus seguidores sobre os valores fundamentais da vida, pessoal, social e ambiental, orientando para a convivência pacífica e respeitosa entre os povos, culturas e credos, e destes com toda a criação.

Assim, é fundamental na agenda das tradições religiosas hoje:

a)      Apresentar ao mundo o sentido da existência humana.  A humanidade vive momentos de pessimismo, com sensação de fracasso e desânimo, sobretudo nas situações e ambientes de crises econômicas, de injustiças, de violência e de guerras.

Comprometemo-nos em fazer com que as nossas tradições religiosas afirmem de modo concreto o valor da vida de cada pessoa, independente da sua condição social, religiosa, cultural, étnica e de gênero, ajudando-as na superação dos problemas que lhes afligem no cotidiano, sejam eles de caráter sócio-econômico-cultural e político, sejam eles de caráter pisíquico-espiritual.

b)      Afirmar juntos o valor sagrado da vida, sobretudo do ser humano, considerando as diferenças nas formas de compreensão e de explicitação desse valor.

Comprometemo-nos em promover um efetivo respeito pela dignidade da pessoa e dos seus direitos acima de interesses econômicos, culturais, políticos e religiosos.  Afirmamos que crer em um Ser Criador implica em desenvolver uma espiritualidade que tenha compromisso com a promoção e defesa da vida human, pois o ser humano é a razão do serviço religioso que nossas tradições de fé oferecem ao mundo.

c)      Promover a educação e a prática do respeito mútuo, do diálogo, da convivência pacífica e da cooperação entre as diferenças, fundamental no mundo plural em que vivemos.

Assumimos o compromisso de trabalhar para a convergência dos diferentes paradigmas culturais e religiosos dos povos, como uma possibilidade para melhor entendermos o mundo dentro de suas inter-relações e a convivência entre todos os seres humanos.

d)      Explicitar mais e melhor o que já possuímos em comum.  Nossas tradições já condividem valores religiosos, como a fé em um Ser Criador, o cultivo da relação com Ele, a compreensão da origem e do fim de cada pessoa.

Comprometemo-nos a partilhar as riquezas que possuímos para fortalecer as relações inter-religiosas que possibilitam a cooperação entre os credos na solução dos problemas que afligem o nosso país e o mundo em que vivemos.

e)      Discernir juntos os valores que constroem a paz no mundo.  Sabemos que a paz não é simples ausência da guerra, mas é fruto da justiça e da prática da caridade.

Comprometemo-nos na promoção da convivência pacífica entre os povos e o desenvolvimento do sentido da fraternidade e da solidariedade universal, superando todo fundamentalismo e exclusivismo, bem como o consumismo irresponsável que causam conflitos entre as pessoas e os povos.

f)       Viver a compaixão para com os mais necessitados, empobrecidos e excluídos da sociedade.

Assumimos realizar juntos projetos sociais que fortalecem a solidariedade nas comunidades religiosas e na família humana.

g)      Promover o valor e o cuidado da criação. Tomamos conhecimento das ameaças à vida do planeta, conseqüências dos interesses econômicos que constroem uma cultura utilitarista e consumista na sociedade em que vivemos.

Comprometemo-nos com o desenvolvimento de uma nova ética na relação com o meio ambiente, capaz de orientar novas atitudes defensoras de todas as formas de vida, sustentadas em políticas públicas de justiça ambiental e numa mística/espiritualidade que explicite a gratuidade e o dom da vida na criação.

h)      Contribuir efetivamente para com as iniciativas ligadas à construção e promoção da cidadania.

Comprometemo-nos na qualificação de uma vivência religiosa dos membros de nossas tradições que favoreça o convívio social dos credos, a afirmação da tolerância e da liberdade religiosa.

i)        Solicitar à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20 reconhecer que os imperativos morais de todas as religiões, convicções e crenças exigem o cuidado da Terra, e que a cooperação inter-religiosa é uma dimensão imprescindível para alcançarmos o desenvolvimento sustentável de toda a humanidade.

Enfim, propomos-nos a desenvolver novos comportamentos, com prevalência da ética da tolerância, da liberdade, do respeito, da dignidade, da convivência da diversidade cultural e religiosa, dos direitos humanos.  São elementos de uma ética mínima que  devemos afirmar tanto a partir de uma consciência ética secular, como da consciência das convicções religiosas que possuímos.

Rio de Janeiro, 19 de junho de 2012

Exmo. e Revmo. Dom Francisco Biasin

Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso daConferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Rev. Pe. Peter Hughes

Secretário Executivo do Departamento de Justiça e Solidariedade do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM)

Revmo. Dom Francisco de Assis da Silva

Primeiro Vice-presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC)

Rev. Dr. Walter Altmann

Moderador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI)

Rev. Nilton Giese

Secretário Geral do Conselho Latino-americano de Igrejas ( CLAI)

Rabino Sergio Margulies

Representante da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (FIERJ)

Sami Armed Isbelle

Diretor do Departamento Educacional e de Divulgação da Sociedade Beneficente Mulçumana do Riode Janeiro (SBMRJ)

Ialorixá Laura Teixeira

Coordenadora Estadual do Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileiras – Rio de Janeiro (INTECAB)

Irmã Jayam Kirpalani

Direitora Européia da Universidade Espiritual Mundial Brahma Kumaris

Elias Szczytnicki

Secretário Geral e Diretor Regional de Religiões pela Paz América Latina e o Caribe

Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso avalia quatro anos de trabalho

reuniaogredireReunidos na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília, nos dias 29 e 30, os representantes da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso avaliam os trabalhos da Comissão nos últimos quatro anos e projetam os próximos eventos a serem realizados ainda em 2011.

dommouraSegundo o presidente da Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso, dom José Alberto Moura, arcebispo de Montes Claros (MG), a Comissão tem feito um trabalho de conscientização em busca do ecumenismo entre as igrejas cristãs e um diálogo com outras denominações.

“A Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso tem trabalhado bastante na conscientização do valor fundamental de sermos ecumênicos, para melhor colocarmos em prática o amor de Jesus. Nestes quatro anos nós fizemos uma programação para apresentarmos ao episcopado brasileiro o enfoque do ecumenismo para toda a Igreja, levando-nos ao diálogo maior com as igrejas protestante, luterana e pentecostal”, disse dom Moura.

Ainda de acordo com o arcebispo de Montes Claros, a Comissão fortaleceu o diálogo com as igrejas-membro do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) e iniciou os diálogos com outras religiões. “Já realizamos vários encontros nacionais e internacionais sobre o ecumenismo. Retomamos o compromisso com o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic); com a Coordenadoria Ecumênica de Serviços (Cesi) e outros organismos ecumênicos. Pudemos desenvolver mais as Comissões Bilaterais com os luteranos, anglicanos, presbiterianos unidos, bem como com os islâmicos, judeus e iniciamos o diálogo com as religiões Afro”, finalizou.

reuniaogredirepeeliasDe acordo com o assessor da Comissão, padre Elias Wolff, o Grupo de Reflexão sobre o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso (GREDIRE), está encarregado de elaborar, para os próximos anos, dois diretórios para a Comissão. “O primeiro será para o Ecumenismo e o segundo para o Diálogo Inter-religioso no Brasil”.

O padre Elias destacou também a apresentação que a Comissão está montando para a celebração dos 50 anos do Concílio Vaticano II, que a CNBB está organizando. “Queremos mostrar o valor do ecumenismo para a Igreja do Brasil nos 50 anos do Concílio Vaticano II”, ressaltou.

Fonte: CNBB

Imagem CNBB