4 anos de O Anunciador

Este mês o blog completa 4 anos #ParabénsAnunciadores
Este mês o blog completa 4 anos #ParabénsAnunciadores

Este mês, mas especificamente no dia 18 de setembro, surgia o nosso blog O Anunciador. Até então um trabalho acadêmico da disciplina de WebJornalisno, do 6º período do curso de Comunicação Social do Unileste/MG. Orientados pela docente Patricia Oliveira, os alunos Marquione Ban, eu, e Eliana Leite, que não contribui com o blog mais, começaram a escrever o blog.

O Objetivo do trabalho era noticiar acontecimentos da Paróquia Sagrada Família – Ipatinga/MG e da Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano. O projeto durou cerca de quatro meses e permaneceu somente com minha colaboração, Marquione Ban, até hoje.

Um fato interessante neste tempo, quatro anos, foi que deixei de publicar no blog por um certo tempo e só voltei a fazê-lo quando recebi uma notificação por e-mail da quantidade de pessoas que leram um post sobre a festa da Imaculada Conceição na comunidade católica do bairro Caçula, em Ipatinga. O número considerável de visitas a um post que tinha um ano de publicação e sendo justo no dia de Imaculada Conceição, me motivou e abriu os olhos à necessidade de continuar a evangelizar na rede de computadores.

De lá para cá, pensei em desistir, mas Deus sempre arruma um tempo e dá um empurrão para que eu possa alimentar essa obra.

Como Deus tem sido bom com o blog. Temos em média, somados visualizações e visitas, cerca de 500 pessoas nos visitando/visualizando diariamente. No mês chegamos a uma média de 15.000 visitas/visualizações. Ao longo deses quatro anos, já temos somados 348.746 visualizações/visitas. Isso é mais que a população da minha cidade, Ipatinga.

Por todos esses anos, apenas uma palavra me basta: Obrigado. Obrigado a Deus pela vitória e discernimento  na luta pela evangelização. Obrigado por todos que acessam esse blog. Obrigado pela vida e pela iniciativa do trabalho acadêmico a quatro anos atrás.

Tem festa? Tem sim senhor

Sem título-1

Para comemorar a festa dos quatro anos, que coincide com os seis meses de papado de Francisco, vamos lançar um série chamada Franciscos da Igreja. Essa serie abordará os santos que possuem o nome de Francisco e deixaram o exemplo para nós de como seguir a Cristo é recompensador e maravilhoso. Aguardem. A partir de segunda, aqui no O Anunciador.

Obrigado anunciadores.

Anúncios

Divorciados que voltaram a casar-se podem participar da Eucaristia de maneira espiritual, assinala cardeal da Cúria Romana

Cardeal Antonio Cañizares Llovera

(ACI).- O Prefeito para a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Antonio Cañizares Llovera, considerou que a Eucaristia é o pilar fundamental da Nova Evangelização, e recordou que os divorciados em nova união, podem participar Dela de maneira espiritual.

O Cardeal Cañizares explicou ao grupo ACI que a Eucaristia é imprescindível porque “quando se vive em sua realidade de mistério, suscita o envio, o comunicar que se participou da Eucaristia no mundo”.

“A Eucaristia sempre suscita homens novos, mulheres novas, e uma realidade nova onde se viva o amor e haja testemunhas do Deus vivo, como o único e necessário. Por isso, a Eucaristia é imprescindível para a Nova Evangelização. Não haverá Nova Evangelização se não centrarmos muito mais a Eucaristia em nossa vida, dos sacerdotes e de todos os fiéis cristãos”.

O Cardeal indicou que a Igreja vem preparando-se para a Nova Evangelização com 10 anos inteiramente eucarísticos, e sublinhou que “não haverá futuro de evangelização sem a Eucaristia no centro”.

Quanto à administração deste Sacramento aos divorciados que voltaram a casar, o purpurado afirmou que as pessoas em situação irregular “podem participar da celebração da Eucaristia, mas não podem aproximar-se plenamente, porque não vivem a comunhão plena com a Igreja”.

A autoridade vaticana recordou que a comunhão na Eucaristia “significa e realiza precisamente essa comunhão plena na Igreja”, e nestes casos em que as situações são sempre dolorosas, a Igreja se aproxima destas pessoas e propõe “a comunhão espiritual, que é o desejo de comunhão”.

O Sacramento da Eucaristia passa em primeiro lugar pela Comunhão espiritual, que é a forma em que a pessoa se une pessoalmente a Cristo no momento da redenção do Santo Sacrifício, para depois receber a Comunhão Eucarística, na boca. Segundo a Exortação Apostólica Familiaris Consortio do beato João Paulo II, sem a primeira, não pode existir a segunda.

A Igreja Católica explicou através da Congregação da Doutrina para a Fé em sua carta a todos os bispos do mundo de 1994, que os divorciados que voltaram a casar não podem participar da Comunhão, porque o matrimônio “é a imagem da relação entre Cristo e sua Igreja”.

Dentro deste marco, para aproximar-se dos Sacramentos da Penitência e da Eucaristia, devem buscar sanar a irregularidade matrimonial pelo Tribunal dos Processos Matrimoniais.

João Paulo II também havia assinalado que a Igreja espera destes casais que participem da vida eclesial até onde seja possível: a participação da Missa, na adoração Eucarística, nas devoções piedosas e na Eucaristia de maneira espiritual.