Cardeal Dom Odilo se manifesta sobre a Parada Gay

Parada gay: respeitar e ser respeitado

Card. Odilo P. Scherer

Arcebispo de São Paulo – SP

Eu não queria escrever sobre este assunto; mas diante das provocações e ofensas ostensivas à comunidade católica e cristã, durante a parada gay deste último domingo, não posso deixar de me manifestar em defesa das pessoas que tiveram seus sentimentos e convicções religiosas e símbolos de sua devoção ultrajados.

Ficamos entristecidos, quando vemos usados com deboche imagens de santos, deliberadamente associados a práticas que a moral cristã desaprova e que os próprios santos desaprovariam também. Histórias romanceadas ou fantasias criadas para fazer filmes sobre santos e personalidades que honraram a fé cristã não podem servir de base para associá-los a práticas alheias ao seu testemunho de vida. São Sebastião foi um mártir dos inícios do Cristianismo; a tela produzida por um artista cerca de 15 séculos após a vida do santo, não pode ser usada para passar uma suposta identidade homossexual do corajoso mártir. Por que não falar, antes, que ele preferiu heroicamente sofrer as torturas e a morte a ultrajar o bom nome e a dignidade de cristão e filho de Deus!?

“Nem santo salva do vírus da AIDS”. Pois é verdade. O que pode salvar mesmo é uma vida sexual regrada e digna. É o que a Igreja defende e recomenda a todos. O uso desrespeitoso da imagem dos santos populares é uma ofensa aos próprios santos, que viveram dignamente; e ofende também aos sentimentos religiosos do povo. Ninguém gosta de ver vilipendiados os símbolos e imagens de sua fé. Da mesma forma, também é lamentável o uso desrespeitoso da Sagrada Escritura e das palavras de Jesus – “amai-vos uns aos outros” – como se ele justificasse, aprovasse e incentivasse qualquer forma de “amor”; o “mandamento novo” foi instrumentalizado para justificar práticas contrárias ao ensinamento do próprio Jesus.

A Igreja católica também refuta a acusação de “homofóbica”. Investiguem-se os fatos de violência contra homossexuais, para ver se estão relacionados com grupos religiosos católicos. A Igreja católica desaprova a violência contra quem quer que seja; não apóia, não incentiva e não justifica a violência contra homossexuais. E na história da luta contra o vírus HIV, ela foi pioneira no acolhimento e tratamento de soro-positivos, sem questionar suas opções sexuais; muitos deles são homossexuais e todos são acolhidos com profundo respeito. Grande parte das estruturas de tratamento de aidéticos está ligada à Igreja. No entanto, ela ensina e defende que a melhor prevenção contra as doenças sexualmente transmissíveis é uma vida sexual regrada e digna.

Quem apela para a Constituição Nacional para afirmar e defender seus próprios  direitos, não deve esquecer que a mesma Constituição prevê o respeito aos direitos dos outros, aos seus símbolos e organizações religiosas. Quem luta por reconhecimento e respeito, deve aprender a respeitar. Como cristãos, respeitamos a livre manifestação de quem pensa diversamente de nós. Mas o respeito às nossas convicções de fé e moral, às organizações religiosas, símbolos e textos sagrados é a contrapartida que se requer.

A Igreja católica tem suas convicções e fala delas abertamente, usando do direito à liberdade de pensamento e de expressão. Embora respeitando as pessoas homossexuais e procurando acolhê-las e tratá-las com compreensão e caridade, ela afirma que as práticas homossexuais vão contra a natureza; esta não errou ao moldar o ser humano como homem e mulher. Afirma ainda que a sexualidade não depende de “opção”, mas é um fato de natureza e dom de Deus, com um significado próprio, que precisa ser reconhecido, acolhido e vivido coerentemente pelo homem e pela mulher.

Causa preocupação a crescente ambiguidade e confusão em relação à identidade sexual, que vai tomando conta da cultura. Antes de ser um problema moral, é um problema antropológico, que merece uma séria reflexão, em vez de um tratamento superficial e debochado, sob a pressão de organizações interessadas em impor a todos um determinado pensamento sobre a identidade do ser humano. Mais do que nunca, hoje todos concordam que o desrespeito às leis da natureza biológica introduz nos seres a desordem e o descontrole nos ecossistemas; produz doenças e desastres ambientais e compromete o futuro e a sustentabilidade da vida. Ora, não seria o caso de fazer semelhante raciocínio, quando se trata das leis inerentes à natureza e à identidade do ser humano? Ignorar e desrespeitar o significado profundo da condição humana não terá consequências? Será sustentável para o futuro da civilização e da humanidade?

As ofensas dirigidas não só à Igreja católica, mas a tantos outros grupos cristãos e tradições religiosas não são construtivas e não fazem bem aos próprios homossexuais, criando condições para aumentar o fosso da incompreensão e do preconceito contra eles. E não é isso que a Igreja católica deseja para eles, pois também os ama e tem uma boa nova para eles; são filhos muito amados pelo Pai do céu, que os chama a viver com dignidade e em paz consigo mesmos e com os outros.

Publicado em O SÃO PAULO, ed. de 28.06.2011

Papa tira Dom Odilo Scherer de comissão do Banco do Vaticano

Dom Odilo
Bento XVI havia mantido o mandato de Dom Odilo

ESTADÃO |Jamil Chade | GENEBRA – Em um ato para dar início a uma verdadeira reforma no Banco do Vaticano, o papa Francisco tirou da cúpula da instituição financeira o cardeal de São Paulo, d. Odilo Scherer. Outros três cardeais também foram substituídos, no que está sendo considerado na Santa Sé como a principal demonstração de Francisco de que a reforma será profunda. A pessoas próximas a ele, o argentino já avisou: se não conseguir reformar o banco, vai fechar a instituição.

D. Odilo fazia parte do grupo de cardeais que atuava para monitorar as atividades da Instituição para Obras Religiosas, o nome oficial do Banco do Vaticano. Considerado um dos fortes candidatos no conclave de 2013, d. Odilo tinha o apoio dos setores mais conservadores do Vaticano.

Renovação de mandato

Dias antes de deixar o poder, o então papa Bento XVI renovou o mandato do brasileiro e dos demais cardeais do órgão de supervisão por mais cinco anos. Entre as funções do grupo está justamente a nomeação do presidente do banco.

Mas, próximo de cumprir um ano no Vaticano e adotando a austeridade como sua bandeira, Francisco optou por rever a grupo e colocou em seu lugar outros cardeais vistos como aliados em sua busca por reformar a Santa Sé.

Quatro dos cinco cardeais no organismo foram substituídos. Saíram os cardeais Tarcisio Bertone, Telesphore Toppo of Ranchi e Domenico Calcagno, além de d Odilo. O único que permaneceu foi o francês Jean Louis Tauran.

Os substitutos

No lugar desse grupo, o papa nomeou o cardeal de Toronto, Thomas C. Collins, Pietro Parolin, Christoph Schonborn de Viena e considerado como um reformador, e o cardeal Santos Abril Castello, amigo do papa.

O grupo liderado por Bertone foi alvo de duras críticas nos últimos anos por não conseguir conter uma série de escândalos financeiros no Banco do Vaticano, inclusive com suspeitas de lavagem de dinheiro do crime organizado.

Em junho, o papa criou uma comissão para estudar uma reforma na instituição. Pela primeira vez em mais de cem anos, a entidade publicou um balanço anual de suas contas.

Na avaliação do papa, o Vaticano deve voltar a se concentrar em sua missão religiosa e, para isso, uma limpeza em sua estrutura precisaria ocorrer. Uma dessas revisões seria repensar a função do Banco do Vaticano.

‘É o despertar de nova consciência’, diz Dom Odilo sobre manifestações

Juliana Cardilli | Do G1, em São Paulo | O cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, disse nesta terça-feira (18) ver de maneira muito positiva as manifestações que têm ocorrido nos últimos dias em diversas cidades do país, classificadas por ele como “o despertar de uma nova consciência política, sobretudo dos jovens”. Nesta terça, o sexto ato contra o aumento das passagens de ônibus em São Paulo foi iniciado na Praça da Sé, onde fica a Catedral da Sé, que foi fechada devido ao grande número de manifestantes na região.

“A Praça da Sé é palco tradicional de manifestações em São Paulo. Ali tiveram lugar grandes manifestações pela redemocratização do país, clamores também pela justiça, pelos direitos humanos, de repúdio à violência”, disse Dom Odilo ao G1. “Então de fato é natural que haja também na Praça da Sé manifestações desse tipo, porque de alguma forma é um espaço símbolo para as grandes reivindicações, manifestações da coletividade.”

O cardeal arcebispo de São Paulo também disse que as manifestações têm gerado uma consciência de que o bem estar e os frutos do crescimento econômico do país precisam alcançar toda a população. E lembrou que elas se tornaram palco de exposição das necessidades da população.

“Se estas manifestações tiveram início no protesto contra o aumento dos bilhetes de transporte urbano, em seguida elas tomaram orientações várias, e trouxeram à pauta a questão da saúde, da educação, da segurança, a questão das despesas com a Copa do Mundo, as Olimpí-adas, das despesas também com o custo da corrupção no Brasil. Elas estão se tornando o momento de dar voz a muitas preocupações latentes no meio da população, muitos anseios e muitas necessidades que não estão sendo devidamente atendidos”, explicou.

Em meio aos elogios aos atos, Dom Odilo criticou apenas os atos de violência, que se tornaram isolados nos últimos dias em São Paulo. “Eu vejo um fato positivo nesse despertar de uma consciência coletiva a respeito dos rumos que o país está tomando. Por outro lado, a gente fica apreensivo quando estas manifestações vêm misturadas com fatos de violência. A violência não é boa, não importa de onde ela venha.”

Até agora só a falácia, e nada mais

A um mês atras a Igreja se solidarizou com a renuncia de Bento XVI e se comoveu com a escolha de Francisco como o novo papa. Nós fies ficamos e ainda estamos empolgados com as novidades papais e seus exemplos samaritanos. Até pensei que esse mesmo espírito iria abarcar os nossos bispos na 51ª Assembleia Geral da CNBB. Mas, até o momento nada ainda aconteceu.

Vejo as manchetes da 51ª e só leio sobre reforma agrária, povos indígenas e uma nova forma de paróquia (reinvenção da roda). A tão esperada evangelização veio apenas no discurso de Dom Odilo, cardeal de São Paulo, onde ele afirma “a prioridade das prioridades é evangelizar”. Ninguém mais fala. Ao menos é o que saí no no site da CNBB e imprensa por aí.

Queria, sinceramente, que na 51ª os debates fossem atuais as necessidades da Igreja. Sei que é importante a reforma agrária, os povos indígenas e outros assuntos, mas é preciso debater assuntos como o diálogo interpastoral (inexistente em vários níveis e intolerantes nas bases), os pequenos papados instituídos por alguns bispos e até mesmos padres com relação a liturgia e outros assuntos, a grande evasão de fieis, o defesa da família com relação ao aborto, matrimônio gay. Nada disso foi debatido, ao menos divulgado que foi.

Espero ações dos bispos do Brasil. Opiniões e defesa da fé e da família. Aqui cabe uma leitura simplista do ditado popular “quem cala consente.” Não é preciso explicar.

por Marquione Ban

Dom Odilo destaca contribuição da Igreja na Rio+20

Veja a entrevista de Dom Odilo ao portal Canção Nova: 

Enviado especial para a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, acredita que a Igreja vai poder contribuir dando sequência ao trabalho que já realiza: ajudar o ser humano a ter uma consciência mais clara sobre sua relação com a natureza. A Conferência está sendo realizada no Rio de Janeiro (RJ) de 13 a 22 de junho deste ano.

Dom Odilo participa dos debates nos próximos dias 20 e 22. Nesse período, será realizado o Segmento de Alto Nível da Conferência, com a presença de representantes de vários países do mundo. Ele disse que a palavra da Igreja é apreciada, mesmo diante do fato de que nem sempre todos a levem em conta. O cardeal enfatizou que a Santa Sé tem sim um peso nas discussões e que vai fazer a sua parte, dando a contribuição da Igreja.

Veja abaixo a íntegra da entrevista que Dom Odilo concedeu ao repórter Otávio Baldim.

noticias.cancaonova.com –  Como o senhor vê a possibilidade de representar o Papa Bento XVI na Rio+20?

Dom Odilo Pedro Scherer – Pra mim foi, naturalmente, motivo de grande alegria, e ao mesmo tempo uma responsabilidade grande de estar representando a Santa Sé como enviado especial e ao mesmo tempo chefiando a delegação da Santa Sé para a Conferência Rio+20. Eu, naturalmente, não estarei sozinho, mas com toda uma delegação de diplomatas e estudiosos que vão estar nesta comitiva, digamos assim, dessa delegação da Santa Sé. Eles já estão acompanhando todas essas questões, a organização da Cúpula Rio+20 e, ao mesmo tempo, os assuntos tratados há mais tempo e com todo conhecimento das várias implicações, dos discursos, das posições que ali vão aparecer. Evidentemente, vão ajudar para que agente possa estar ali apresentando e representando a posição da Santa Sé, da Igreja e, em última análise, em relação às várias questões tratadas.

noticias.cancaonova.com – Como a Igreja espera contribuir para a Rio+20?

Dom Odilo – Nós esperamos continuar a fazer aquilo que já estamos fazendo, que a Igreja está fazendo ajudando a sociedade e a humanidade, primeiramente, a ter uma consciência mais clara sobre a relação com a natureza, como ela deve ser. Nós partimos do princípio da nossa fé em Deus criador. Deus viu que era bom, então se é bom nós devemos tratar bem. Se é obra de Deus nós devemos, portanto, valorizá-la, acolhê-la com gratidão, não estragá-la e não desrespeitá-la. Por outro lado, a Igreja, nas questões ambientais, destaca sempre que o homem está no centro. O ser humano deve ser aquele que, de fato e em última análise, é o objeto final das reflexões ambientais. Então não podemos, por exemplo, promover um discurso ambientalista que queira tirar o homem do meio ambiente. Isso seria, do nosso ponto de vista, equivocado. Porém, o ser humano também precisa estar no lugar certo e fazer o que é certo, por isso uma ética correta nas relações com meio ambiente a Igreja também propõe. E a ética é a ética da solidariedade porque nós temos sempre que pensar que não somos os últimos, os únicos a habitar o Planeta Terra. Portanto, esta casa colocada à nossa disposição com todos os seus recursos, a casa que nos hospeda, nos abriga, nos alimenta, esta mesma casa está à nossa disposição agora, mas depois de nós virão outros que também querem usá-la, habitá-la, alegra-se e poder ainda viver bem nesta mesma casa. Então o que nós temos que fazer é pensar nos outros, nunca sozinhos. Um pensamento solidário, este é fundamental quando tratamos das questões ambientais.

noticias.cancaonova.com – O senhor estava falando que o homem não pode esquecer a natureza, até porque ele não conseguiria viver sem os recursos naturais que hoje estão disponíveis, mas não com tanta grandeza como tinha antigamente, não é?

Dom Odilo – Não é que os recursos naturais estão acabando. Eles existem e devem ser zelados. Então o homem, ainda voltando mais uma vez à visão cristã sobre o mundo, o homem e a natureza, o homem foi colocado como um zelador no jardim, no paraíso. Então o homem deve assumir a sua responsabilidade de cuidar bem e não de estragar o jardim, o paraíso terrestre, ou seja, o mundo em que nós vivemos. Por isso o homem está no centro, quer como beneficiado, mas também como responsável para bem cuidar do mundo, justamente na visão solidária de modo que não haja um pensamento e nem uma atitude egoísta em que os bens acabam sendo acumulados apenas em poucas mãos ou para poucos povos e outros fiquem com falta desses bens. Da mesma forma, no futuro poderá haver bens da criação do mundo renováveis, aliás, a maioria dos bens é renovável e nós podemos muito bem viver com eles por muito tempo no Planeta Terra, contanto que nós zelemos pelas condições da vida no planeta, de modo que a nossa terra continue a produzir plantas, frutas, alimentos, sustento para todas as criaturas que aqui vivem e para nós também e que nós não depredemos os recursos naturais tornando inviável a vida para o futuro.

noticias.cancaonova.com – O senhor vai estar participando da Rio+20 entre os dias 20 e 22, que é um dia do segmento do alto nível da Conferência em que estarão participando representantes de vários países do mundo inteiro. O senhor acha que a opinião da Igreja vai ter o mesmo peso da opinião desses representantes?

Dom Odilo – A Santa Sé, representando a Igreja, nós temos que falar que aqui não está presente a Igreja enquanto Igreja, mas está presente o Vaticano representando a Santa Sé, tem uma autoridade moral muito grande. Essa palavra da Igreja é apreciada mesmo que nem sempre todos a levem em conta. Mas a palavra da Igreja representada pela Santa Sé tem um peso e por isso mesmo a Santa Sé não pode deixar de dizer a sua palavra, de apresentar a sua posição. Evidentemente, depois nas decisões as questões são tomadas de acordo com o critério que cada delegação oficial vai ter, as orientações recebidas oficialmente, e aí o voto de todos é igual. Evidentemente que a Santa Sé não deixará de fazer a sua parte.

por Jéssica Marçal, com colaboração de Otávio Baldim

Dom Odilo é enviado do Papa para Rio+20

O Aarcebispo metropolitano de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, será o enviado especial do Papa Bento XVI e chefe da Delegação da Santa Sé na Conferencia das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustenstável (Rio+20), que será realizada entre os dias 13 e 22 de junho (o arcebispo foi nomeado para os dias 20 a 22, quando acontece o Segmento de Alto Nível da Conferência, com a presença de diversos chefes de Estado), na cidade do Rio de Janeiro. Dom Odilo foi comunicado da nomeação pelo núncio apostólico no Brasil, dom Giovanni D’Aniello, por carta datada de 29 de maio. A carta do Núncio informa, ainda, que “também farão parte da Delegação da Santa Sé o Ex.mo Mons. Francis Chullikatt, Observador Permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, o Rev.do Philip J.Bené, o Ver.do Justin Wylie e o Advogado Lucas Swanepoel”.

A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas.A proposta brasileira de sediar a Rio+20 foi aprovada pela Assembléia-Geral das Nações Unidas, em sua 64ª Sessão, em 2009.

O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

A Conferência terá dois temas principais: “A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza”; e “A estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável”.

A Rio+20 será composta por três momentos. Nos primeiros dias, de 13 a 15 de junho, está prevista a III Reunião do Comitê Preparatório, no qual se reunirão representantes governamentais para negociações dos documentos a serem adotados na Conferência. Em seguida, entre 16  e 19 de junho, serão programados os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável. De 20 a 22 de junho, ocorrerá o Segmento de Alto Nível da Conferência, para o qual é esperada a presença de diversos Chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas.