Sacerdote culpado de abusos no Chile foi expulso do estado clerical

(ACI/EWTN Noticias).- A Arquidiocese de Santiago do Chile informou que depois do devido processo penal feito ao Padre Héctor Valdés Valdés, acusado de abusos sexuais contra dois menores de idade, o presbítero foi culpado e foi condenado à pena perpétua de demissão do estado clerical e foi, além disso, expulso do instituto religioso ao que pertencia.

Em um comunicado de imprensa divulgado pelo Departamento de Comunicações da Arquidiocese de Santiago, informa-se que em maio de 2012 a Congregação para a Doutrina da Fé encarregou ao Arcebispo de Santiago, Dom Ricardo Ezzati, instruir um processo administrativo penitenciário contra o Padre Valdés.

Logo depois de concluído o processo penal e conforme o Direito Canônico e as normas da Santa Sé sobre os delitos mais graves, o “sacerdote Valdés foi declarado culpado do delito de abusos sexuais de menores de idade contra duas vítimas, e de abuso de ministério”.

O texto precisa ademais que “com a autorização da Congregação para a Doutrina da Fé, condenou-se o Padre Valdés à pena perpétua de demissão do estado clerical e de demissão do Instituto religioso ao que pertence. Em consequência, fica retirado por toda a vida do exercício do ministério sacerdotal e da vida religiosa”.

Finalmente o texto assinala que o decreto com esta condenação tem data de 19 de abril de 2013 e se indica que o sacerdote poderá apelar da sentença no lapso de 60 dias hábeis contados a partir de 24 de abril, quando se notificou a Valdés.

A decisão da Arquidiocese de Santiago, como em outros casos similares, é consequente com a política de “tolerância zero” alentada pelo Bispo Emérito de Roma, Bento XVI, quem estabeleceu uma série de normas e procedimentos para sancionar os sacerdotes culpados de abusos sexuais.

Esta política foi reafirmada e alentada pelo Papa Francisco. No último dia 5 de abril, a Congregação para a Doutrina da Fé no Vaticano divulgou um comunicado no que se informou que “o Santo Padre recomendou em particular modo que a Congregação, continuando na linha querida por Bento XVI, atue com decisão no que diz respeito aos casos de abusos sexuais”.

Além de alentar as conferências episcopais a seguir o devido processo com os culpados de abusos, o Papa assegurou “que em sua atenção e em sua oraçãopelos que sofrem, as vítimas de abusos estão presentes de modo particular”.

A saga do ex-padre Beto II: ‘Igreja está fechada para o mundo e ao diálogo’, diz padre excomungado em SP

O ex-padre Beto ataca novamente. Agora como não é padre e muito menos deve obediência à igreja, coisa que não o fazia antes pelo visto, ele afirmou em entrevista ao jornal O globo que a igreja é homofóbica. Estranho, né? Como a igreja pode ser homofóbica? A igreja ama os homossexuais ela só não aceita o ato homossexual. Amar não é aceitar e a sociedade de hoje quer nos impor isso a qualquer custo.

Fico triste com a declarações de quem na essência nunca deixará de ser padre, mas se corrompeu com as coisa do mundo.

Leia a entrevista e depois veja as imagens com os comentários dos leitores no próprio site do jornal. Sabem mais que nosso ex-padre.

///////////////////////////

 

O padre Beto
O padre Beto

O Globo | SÃO PAULO – O padre Roberto Francisco Daniel, conhecido como padre Beto, excomungado pela Diocese de Bauru na segunda-feira após a publicação de vídeo em que defende que pode existir amor em relações bissexuais e que há fidelidade em relacionamentos extraconjugais contanto que aceitos pelo cônjuge, vê a atitude da Igreja com indiferença. Ele acrescentou que já havia dito, no sábado, que não mais exerceria as funções sacerdotais a partir desta segunda-feira, pois não se retrataria das declarações consideradas polêmicas.

Em entrevista ao GLOBO, o padre Beto defendeu uma discussão teológica com os fiéis e disse que a Igreja “ainda é homofóbica” e “fechada para o mundo de hoje”.

Como o senhor vê a excomunhão?

Vejo com uma grande indiferença. Antes da tomada de posicionamento da Igreja, já declarei publicamente que me afastaria do meu exercício dos ministérios sacerdotais. Dou graças a Deus que a fogueira não existe mais. Sou um teólogo e minha intenção é desenvolver uma discussão teológica para que a análise dos textos da Bíblia não seja mais utilizada para discriminação e infelicidade das pessoas. Hoje, a diversidade sexual existe e há muitos textos na Bíblia que não mais podemos considerar palavras de Deus.

O senhor seria hoje vítima da Inquisição, caso ela ainda existisse, é isso?

Sem dúvida. Os queimados na fogueira eram os condenados à excomunhão, os hereges eram os pecadores. Iria, portanto, para a execução.

Quais as intenções do senhor ao publicar os vídeos?

Aprofundar a reflexão. Infelizmente, a Igreja Católica ainda é homofóbica, apesar de ter muitos homossexuais dentro dela. Ela se torna fechada para o mundo de hoje e não aberta ao diálogo. Não tolera a reflexão.

Como na época da Teologia da Libertação?

Isso. Na Teologia da Libertação, você tem as discussões sociais. Hoje, é importante a questão da moral sexual da Igreja.

O que o senhor pretende fazer, agora excomungado?

Continuar a minha vida na integridade, transparência. Não quis anular como pessoa. Vou continuar dando aulas, exercendo o meu magistério, praticando a reflexão como teólogo.

comentários
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/igreja-esta-fechada-para-mundo-ao-dialogo-diz-padre-excomungado-em-sp-8246358#ixzz2RxfD7oIi
© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Padre Beto, a saga: Diocese de Bauru o excomunga

A Diocese de Bauru diante as falácias de padre Beto decidiu por excomungar o Padre Beto. Leia a nota da Dicese:

 

É de conhecimento público os pronunciamentos e atitudes do Reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel que, em nome da “liberdade de expressão” traiu o compromisso de fidelidade à Igreja a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal. Estes atos provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial. Sua atitude é incompatível com as obrigações do estado sacerdotal que ele deveria amar, pois foi ele quem solicitou da Igreja a Graça da Ordenação. O Bispo Diocesano com a paciência e caridade de pastor, vem tentando há muito tempo diálogo para superar e resolver de modo fraterno e cristão esta situação. Esgotadas todas as iniciativas e tendo em vista o bem do Povo de Deus, o Bispo Diocesano convocou um padre canonista perito em Direito Penal Canônico, nomeando-o como juiz instrutor para tratar essa questão e aplicar a “Lei da Igreja”, visto que o Pe. Roberto Francisco Daniel recusa qualquer diálogo e colaboração. Mesmo assim, o juiz tentou uma última vez um diálogo com o referido padre que reagiu agressivamente, na Cúria Diocesana, na qual ele recusou qualquer diálogo. Esta tentativa ocorreu na presença de 05 (cinco) membros do Conselho dos Presbíteros.

O referido padre feriu a Igreja com suas declarações consideradas graves contra os dogmas da Fé Católica, contra a moral e pela deliberada recusa de obediência ao seu pastor (obediência esta que prometera no dia de sua ordenação sacerdotal), incorrendo, portanto, no gravíssimo delito de heresia e cisma cuja pena prescrita no cânone 1364, parágrafo primeiro do Código de Direito Canônico é a excomunhão anexa a estes delitos. Nesta grave pena o referido sacerdote incorreu de livre vontade como consequência de seus atos.

A Igreja de Bauru se demonstrou Mãe Paciente quando, por diversas vezes, o chamou fraternalmente ao diálogo para a superação dessa situação por ele criada. Nenhum católico e muito menos um sacerdote pode-se valer do “direito de liberdade de expressão” para atacar a Fé, na qual foi batizado.

Uma das obrigações do Bispo Diocesano é defender a Fé, a Doutrina e a Disciplina da Igreja e, por isso, comunicamos que o padre Roberto Francisco Daniel não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais, nem mais receber a Santíssima Eucaristia), pois está excomungado. A partir dessa decisão, o Juiz Instrutor iniciará os procedimentos para a “demissão do estado clerical, que será enviado no final para Roma, de onde deverá vir o Decreto .

Com esta declaração, a Diocese de Bauru entende colocar “um ponto final” nessa dolorosa história.

Rezemos para que o nosso Padroeiro Divino Espírito Santo, “que nos conduz”, ilumine o Pe. Roberto Francisco Daniel para que tenha a coragem da humildade em reconhecer que não é o dono da verdade e se reconcilie com a Igreja, que é “Mãe e Mestra”.

Bauru, 29 de abril de 2013.

Por especial mandado do Bispo Diocesano, assinam os representantes do Conselho Presbiteral Diocesano.

13118274

No domingo o “Padre Beto” celebrou sua última missa com a igreja lotada segundo a Folha de São Paulo.  Isso mostra como nossos sacerdotes tem influência sobre o povo e por isso devem medir suas palavras e sempre divulgar sem medida as palavras de Cristo. Na relação sacerdotal que deve aparecer é Jesus, não padre Beto, José, Augusto ou nome que for, mas sim o nome de Cristo.

Expulso do estado clerical sacerdote que apoia ordenação de mulheres nos EUA

Roy Bourgeois na “Missa” de 2008 de “ordenação” de uma mulher

(ACI/EWTN Noticias).- O Vaticano decidiu expulsar Roy Bourgeois da ordem dos Padres Maryknoll assim como do estado clerical, devido à sua persistente desobediência e constante apoio à ordenação sacerdotal de mulheres nos Estados Unidos.

A decisão de 4 de outubro da Congregação para a Doutrina da Fé o libera de suas promessas sacerdotais e de seus votos como religioso na congregação à qual pertencia.

No dia 8 de agosto de 2008, o ex-sacerdote Bourgeois pronunciou uma homilia em uma “ordenação sacerdotal” feminina. Sua participação neste evento rendeu-lhe a excomunhão imediata.

“Com paciência, a Santa Sé e a Sociedade Maryknoll alentaram a sua reconciliação com a Igreja Católica”, assinala um comunicado dos Maryknoll com data de 19 de novembro.

“Em vez disso o Sr. Bourgeois optou por continuar sua campanha contra os ensinamentos da Igreja Católica em ambientes seculares e não católicos. Ele o fez fez sem permissão dos bispos dos Estados Unidos e ignorando a sensibilidade dos fiéis em todo o país”.

O texto assinala ademais que “a desobediência e a predicação contra a doutrina da Igreja Católica sobre a ordenação de mulheres levou à sua excomunhão, afastamento e expulsão do estado clerical”.

Em julho de 2011 o exsacerdote foi advertido que seria expulso dos Maryknoll a não ser que depusera sua “atitude desafiante” contra a Igreja Católica em relação à ordenação de mulheres.

Em 8 de agosto, Bourgeois respondeu em uma carta assinalando que o ensinamento católico sobre a ordenação só de homens “desafia a fé e a razão” e “está enraizada no sexismo”. “Não me retratarei”, assinalava.

Logo depois desse intercâmbio de cartas, seu caso passou à Congregação para a Doutrina da Fé, que agora decidiu expulsar Bourgeois do estado clerical.

“O Sr. Bourgeois livremente optou por suas perspectivas e ações e todos os membros da Sociedade Maryknoll estamos entristecidos por não ter chegado à reconciliação”, indica o comunicado da congregação religiosa dos Padres Maryknoll.

Por que não se ordena mulheres na igreja? Veja a resposta aqui.

Defesa da Vida: Bispos uruguaios declaram excomunhão a políticos a favor do aborto

Bispos do Uruguai cumprem promessa e declaram excomunhão automática de políticos abortistas. “A vida não é algo que se possa decidir por maiorias e minorias. Se um católico vota (uma lei) com tal intenção manifesta, ele se afasta da comunhão da Igreja”.

Por Religión Digital | Tradução: Fratres in Unum.com – Os políticos uruguaios que votaram a favor da despenalização do aborto estão excomungados de forma “automática”, anunciou ontem o secretário da Conferência Episcopal do Uruguai (CEU), Monsenhor Heriberto Bodeant, que indicou que isso ocorria porque eles promoveram práticas “contrárias à vida”.

Para a Igreja, com a aprovação da lei, o Uruguai retrocedeu em matéria de valores humanos. Além disso, Bodeant disse que “a vida não é algo passível de plebiscito, que se possa decidir por maiorias e minorias”.

Portanto, a Igreja não participará da convocação para uma consulta popular, como promovem alguns legisladores do Partido Nacional. No entanto, se o mecanismo for ativado, tomarão uma posição, que poderá ser recomendar ou não a votar.

A Igreja manifestou também em comunicado sua “profunda dor e rechaço” à lei que despenaliza o aborto.

“Orgulhamo-nos de ser um dos primeiros países que aboliu a pena de morte; hoje nos entristecemos por ser o segundo país de América Latina a legalizar o aborto”, disse.

“A excomunhão automática é para quem colabora na execução de um aborto de maneira direta, e fazer este ato concreto é uma maneira direta (…) Se um católico vota (uma lei) com tal intenção manifesta, ele se afasta da comunhão da Igreja”, explicou Bodeant.

Quanto ao comportamento que a Igreja terá logo que o presidente José Mujica promulgar a lei, ele indicou que será o de anunciar a “valorização da vida”. “É um trabalho que aponta para o fortalecimento da lei escrita no coração de cada pessoa”, manifestou.

Legisladores da oposição e organizações sócias lançaram, na quinta-feira, uma comissão para analisar a melhor forma de revogar a norma que despenaliza o aborto até 12ª semana de gestação.

“Uma parte da sociedade não vai aceitar a lei e vamos trabalhar pelos mecanismos que contribuam para revogá-la”, disse o líder do opositor Partido Nacional, Carlos Iafigliola, um dos porta-vozes da Comissão Nacional Pró-Revogação da Lei do Aborto.

As possibilidades a serem analisadas pela comissão incluem a interposição de recursos de inconstitucionalidade da nova lei, apelar à Corte Interamericana de Justiça, alegando que a lei violenta o Pacto de San José de Costa Rica, e a coleta de assinaturas para convocar um referendum sobre a norma.