Jolie, o Papa e um filme: Unbroken

A atriz não segue nenhuma religião, mas diz ter afeto pelo Papa Francisco
A atriz não segue nenhuma religião, mas diz ter afeto pelo Papa Francisco

Por meio do Twitter, o Vaticano informou ontem, 8, que o Papa Francisco recebeu a atriz norte-americana Angelina Jolie. O encontro ocorreu por causa do filme Unbroken (Invencível) que a atriz produziu e dirigiu.

“É uma honra ter sido convidada ao Vaticano por causa do meu filme, além disso, também é um tributo à história que conto, ‘Unbroken’ (Invencível), que fala de um herói, Louis, um grande exemplo da força do perdão”, explicou em uma nota oficial Angelina Jolie, conforme informou a agência Ansa.

O filme foi projetado na Casinha Pio IV do Vaticano onde participaram da seção Luke Zamperini, filho de Louis Zamperini, cuja a história é retratada na película, Dom Guilhereme Kacher, cerimonialista do Vaticano e por Dom Marcelo Sánchez Sorondo.

Unbroken

O filme narra a história do atleta Zamperini, campeão olímpico dos Estados Unidos e herói da Segunda Guerra Mundial, que durante uma missão militar, teve um acidente no Oceano Pacífico, do qual sobreviveu junto com dois companheiros.

Os náufragos passaram 47 dias à deriva em uma balsa, porém, foram capturados por soldados japoneses que os torturaram e os mantiveram como prisioneiros durante dois anos. Louis morreu com 97 anos.

Jolie e Deus

A atriz assegura ter encontrado Deus durante a gravação de ‘Unbroken.’ Segundo ela, graças à inspiração de seu protagonista e, embora não se declare seguidora de alguma religião, afirmou que admira o Papa Francisco.

Trailer

O trailer do filme Unbroken pode ser visto em:

Com informações de ACI DIGITAL

Anúncios

Papa João Paulo II – o filme

Neste dia dedicado a memoria de São João Paulo II, O ANUNCIADOR indica o filme “João Paulo II”. O Papa pop, da juventude, do ecumenismo, esportista em visão que poucos puderam ter e ver. O filme conta a sua história desde o seu nascimento até sua morte em 2005. Ele enfrentou a segunda guerra e o comunismo e modificou a linguagem da Igreja para atrair os jovens.

Vale a pena ver. Este filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator.

 

Por Marquione Ban

O filme sobre Noé e o Dilúvio não condiz com a visão da Igreja, afirma Prof. Felipe Aquino

Fui ver o filme no cinema e em breve vou escrever uma crítica. Adianto que quem quiser ver o filme e estiver pensando em ver um filme religioso e/ou bíblico vai se decepcionar. Noé é um drama de ação.

////////////////////////////////////

(ACI/EWTN Noticias).- O conhecido autor e apresentador católico, Prof. Felipe Aquino, em um dos seus mais recentes artigos fala sobre o filme “Noé”, estrelado pelo ator Russel Crowe. No texto o pensador brasileiro conhecido pelos seus 73 livros e pregações, assinala que a obra hollywoodiana apresenta uma visão que não se coaduna com a interpretação que a Igreja dá do episódio do dilúvio e da aliança de Deus com Noé.


“Os quatro capítulos do Gênesis (6-9) narram o dilúvio bíblico e significa uma expressão do pecado que, a começar com Adão e Eva vão se alastrando cada vez mais. Esta narração contém, como pode-se notar quando se lê atentamente, repetições e contradições. Os exegetas (estudiosos da Bíblia) concluem que a narração é a fusão de dois documentos (fontes Sacerdotal P e Javista J) conservando cada qual os seus detalhes próprios, sem que o autor sagrado tivesse a preocupação de harmonizá-los entre si. Isto mostra que o autor sagrado não estava preocupado com detalhes menores, e visava sim um sentido mais profundo, uma mensagem religiosa”, explica Prof. Aquino.

Filme não condiz com a bíblia.
Filme não condiz com a bíblia.


Recordando ainda o fato de que nas tradições dos povos antigos há cerca de 288 histórias de dilúvio, e todas com uma base comum: há uma grande catástrofe por conta de uma grande ofensa dos homens contra a divindade. O elemento do castigo que mata os homens e os animais pode ser a água, o fogo, o terremoto, etc.

“Na Babilônia há quatro versões semelhantes de dilúvio, semelhantes ao da Bíblia. Note que Abraão foi oriundo da Mesopotâmia. Aos olhos da ciência é certo que não houve um único dilúvio universal”, afirmou o professor que também é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP.

 “Quando o texto bíblico fala de “terra inteira” e “todos os homens” não fala em sentido geográfico, mas religioso, hiperbólico isto é, o gênero humano para o autor sagrado se reduzia  àqueles que transmitiam os valores religiosos da humanidade”.

“A mensagem do relato do dilúvio (Gen 6-9) – prossegue o Prof. Aquino- quer mostrar o seguinte: Deus é santo e puro; Deus é justo; não pode deixar o mal imperar; Deus é clemente; convida à conversão antes de corrigir”, ressaltou Prof. Felipe.

“O dilúvio marca o fim de um período da história religiosa da humanidade e marca o início de uma nova era; é como se fosse o início de um novo mundo, onde Deus faz aliança com Noé, o “pai” da nova humanidade”.

Falando propriamente de Noé, Prof. Aquino ressalta que este “é uma imagem de Cristo”.
“Noé salvou a humanidade pelo lenho da arca, Cristo vai salvá-la pelo lenho da cruz, do dilúvio do pecado. A arca de Noé é uma figura da Igreja; assim como ninguém sobreviveu fora da arca, ninguém se salva fora da Igreja. Todos os que se salvam, mesmo que não pertençam à Igreja, se salvam por meio de Cristo e da Igreja, ainda que não saibam disso”, destaca.

“As águas do dilúvio são figura do Batismo, que pela água dá vida aos fiéis e apaga os pecados; o dilúvio, como nova criação, prefigura “os novos céus e a nova terra” (2Pe 3,5-7.10) que haverão no fim da história”.

“Como se pode ver, esta visão da Igreja nada tem a ver com a do filme de Noé”, asseverou Felipe Aquino.
 

Paul Walker: seu último filme, Hours, traz mensagem sobre o valor da vida

Cartaz do Filme Hours
Cartaz do filme Horas com Paul Walker

(ACI/EWTN Noticias).- Na semana passada o astro de Velozes e Furiosos, Paul Walker, faleceu em um acidente trágico de carro nos EUA. Ele tinha 40 anos. O carro em que estava colidiu contra um poste e uma árvore e então pegou fogo. Paul estava gravando o 7º filme da série Velozes e Furiosos. Agora milhões de fãs esperam Hours, uma produção diferente dos tradicionais filmes de ação mas que promete deixar sem fôlego os espectadores, e que mostra um intenso amor pela vida humana

Muito conhecido por essa franquia, Paul fez diversos outros filmes. Seu último filme foi Hours (Horas). Esse filme traz uma profunda mensagem de vida. Nele não automóveis velozes, garotas super bonitas. O filme narra a história de um pai que faz o possível e impossível para salvar sua filha recém-nascida em meio a destruição do furacão Katrina, que devastou o sul do EUA a anos atrás. A estréia do filme nos EUA será no dia 13/12.

Hours – Horas

O filme foi rodado em março deste ano na cidade de Nova Orleans, que foi devastada pelo Furacão Katrina. Walker compartilha a tela com a atriz Génesis Rodríguez, e teve estreia adiantada devido ao falecimento de Walker, protagonista do filme.

“Paul estava orgulhoso deste projeto. Há duas semanas fizemos uma coletiva imprensa e me lembro que ele estava emocionado”, disse Peter Safran, produtor executivo de Hours ao site de notícias The Hollywood Reporter.

O Filme

Hours está ambientado em 2005, no meio do furacão Katrina, um dos maiores desastres naturais da história dos EUA. Walker interpreta Nolan, um homem que deve enfrentar em um mesmo dia a morte de sua esposa e o nascimento de sua filha.

Nolan (Walker) deve lutar para manter com vida a sua filha recém-nascida que se encontra em uma unidade neonatal com respiração artificial, em um hospital evacuado pelo furacão e onde não há energia elétrica. Os médicos disseram que o bebê necessita do respirador por 48 horas para sobreviver ao nascimento prematuro.

Trailer

Crítica

A crítica cotou o suspense como bom.  Entretanto, o mais poderoso do filme é sua forte mensagem a favor do matrimônio, da família e da vida humana nos “diálogos” que o protagonista mantém com sua filhinha.

Hours é um dos três filmes que Paul Walker protagoniza e que serão exibidos de maneira póstuma.

Hoje é de dia do Beato João Paulo II. Veja o filme com sua história

Neste domingo destinado a Sagrada Família, O ANUNCIADOR indica para o lazer, reunião e confraternização familiar o filme “João Paulo II”. O Papa pop, da juventude, do ecumenismo, esportista em visão que poucos puderam ter e ver. O filme conta a sua história desde o seu nascimento até sua morte em 2005. Ele enfrentou a segunda guerra e o comunismo e modificou a linguagem da Igreja para atrair os jovens.

Vale a pena ver. Este filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator.

Por Marquione Ban

Cine o Anunciador apresenta: “Aparecida – O Milagre”

O filme “Aparecida – o milagre”, emocionou a muitos, que viram na tela do cinema, a história da Padroeira do Brasil narrada de forma contemporânea.

Estrelado por Murilo Rosa e grande elenco, o longa-metragem aborda uma trajetória de transformação, superação e reencontro de um homem com a família, o filho e, sobretudo, consigo por meio da fé em Nossa Senhora Aparecida.

Dirigido por Tizuka Yamasaki e produzido por Gláucia Camargos, toda a trama se passa no Vale do Paraíba, região do Estado de São Paulo onde está localizada a Basílica Nacional de Aparecida, o maior santuário mariano do mundo.

A produtora da obra cinematográfica afirma ser grande a emoção e a responsabilidade em produzir um filme com um olhar atual sobre a história e a devoção à Padroeira do Brasil. “É impossível fazer um filme sem se aproximar dela, e isso me emocion

a muito: falar da minha aproximação com ela”, comenta Gláucia referindo-se à Mãe Aparecida.

Sobre a expectativa em relação ao longa, o protagonista diz acreditar que as pessoas vão se identificar com essa busca pela fé. “Acredito que, pela verdade dos personagens e pela emoção da história, o filme tem todos os elementos para comover o espectador”, opina.

Outros nomes conhecidos pelo público, como Maria Fernanda Cândido, Leona Cavalli e a veterana Bete Mendes também compõem o elenco e falam sobre o papel que interpretam.

Maria Fernanda, que interpreta Beatriz, define sua personagem como uma mulher contemporânea. Alta executiva, ela acompanha Marcos, personagem de Murilo Rosa, em vários momentos importantes de sua vida profissional e pessoal. “Certamente, o público irá encontrar diversos pontos de identificação com as personagens e situações desse filme maravilhoso!”, enfatiza a atriz.

Leona Cavalli e Bete Mendes disseram ter gostado da possibilidade de atuar num filme dirigido por Tizuka Yamasaki e do roteiro sobre a fé em Nossa Senhora. Os atores Rodrigo Veronese e Jonatas Faro, estreantes na cinematografia, também são integrantes do filme.

Trilha sonora

Com estilo próximo ao dos filmes clássicos italianos e tema que visa aproximar o espectador da trama, a trilha sonora foi produzida por Paulo Francisco Paes. Bastante extensa – cerca de 50 minutos – ela é composta por três temas principais: um da infância do Marcos, um religioso ligado à Virgem Maria e ao milagre, e um para o protagonista na fase adulta, desenvolvido em diferentes situações da vida. A trilha também inclui um coral para 40 vozes.

O gênero musical, sempre apresentado em temas religiosos, está presente no início e no final do filme, e também no momento do milagre, quando o pescador João Alves recupera a imagem da santa.

“A música está muito presente em boa parte do filme, e foi uma grande experiência, sobretudo, para um estreante. Trabalhei muito, mas acredito que o objetivo inicial foi atingido: acentuar a religiosidade da história”, conta Paes.

Assista ao filme:

 

Fonte: www.cançãonova.com

Cine O Anunciador: Papa João Paulo II – o filme

Amanhã, dia 22/10, a igreja estará em festa, pois será comemorado o dia do Beato João Paulo II. O ANUNCIADOR para comemorar essa data importante indica e publica o filme “João Paulo II”. O Papa pop, da juventude, do ecumenismo, esportista em uma visão que poucos puderam ter e ver. O filme conta a sua história desde o seu nascimento até sua morte em 2005. Ele enfrentou a segunda guerra e o comunismo e modificou a linguagem da Igreja para atrair os jovens. É dele a ideia da Jornada Mundial da Juventude, que por ventura acontece aqui no Brasil ano que vem.

Vale a pena ver. Este filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator. Confira:

Por Marquione Ban

Cine O Anunciador apresenta: Santo Agostinho

Como hoje celebramos Santo Agostinho, nada melhor que ver um bom filme e que evangelize.

Santo Agostinho é uma cinebiografia de Agostinho de Hipona (354 – 430), um dos grandes nomes do Cristianismo e um dos maiores filósofos da Humanidade. Rossellini focaliza a principal fase da vida e da obra de Agostinho: o momento em que se torna bispo de Hipona. Com rigor histórico e realismo, o filme mostra seu combate aos heréticos donatistas, a sua famosa oratória, suas idéias e a realização de seus principais livros, como ‘Confissões’ e ‘Cidade de Deus’. Este é um dos melhores trabalhos de Rossellini e uma oportunidade imperdível de se conhecer um pouco mais sobre a vida e a obra de Santo Agostinho.

“Esse homem vai morrer – Um faroeste caboclo”: filme foi lançado no dia 13 de maio

O Regional Norte 2 da CNBB esteve presente na estréia do Filme “Esse homem vai morrer – Um faroeste caboclo”, do Movimento Humanos Direitos (MHUD). O lançamento do documentário ocorreu  no dia 13, com um debate sobre a situação da violência no Pará e as causas das ameaças de morte aos defensores dos Direitos Humanos.

O Regional Norte 2 foi representado pela secretária executiva, Orlanda Alves, e pela coordenadora da Comissão Justiça e Paz (CJP),  e do bispo da Prelazia do Marajó (PA), dom José Azscona, ambos ameaçados de morte.

O lançamento do filme também contou com a presença dos atores: Dira Paes (MHuD e participante do filme), padre Ricardo Rezende (protagonista e participante do MHuD, também ameaçado), Emilio Gallo (MHuD e diretor do filme), de Marcio da Silva Cruz (Defensor Público e Coordenador do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos do Pará).

Segundo o Movimento Humanos Direitos o documentário investigativo narra a história de uma lista pública, localizada na cidade de Rio Maria (Sul do Pará) com uma sentença de 14 pessoas marcadas para morrer.

De acordo com Orlanda Alves, “foi interessante sentir a sensibilidade de muitas pessoas que não continham suas lágrimas vendo a dura realidade de tantos desrespeitos à vida humana”.

Veja o teaser de apresentação do filme:

Sinopse:

A história de pessoas “marcadas para morrer” na cidade de Rio Maria, devido às denúncias feitas de irregularidade e corrupção no sul do Pará. Onze pessoas já foram executadas, entre elas a irmã Dorothy Stang. O padre Ricardo Rezende, cansado de rezar missas de sétimo dia e amparar viúvas e órfãos, resolve elaborar uma estratégia para acabar com esta situação.

“Esse homem vai morrer – Um faroeste caboclo”: filme foi lançado no dia 13 de maio

O Regional Norte 2 da CNBB esteve presente na estréia do Filme “Esse homem vai morrer – Um faroeste caboclo”, do Movimento Humanos Direitos (MHUD). O lançamento do documentário ocorreu  no dia 13, com um debate sobre a situação da violência no Pará e as causas das ameaças de morte aos defensores dos Direitos Humanos.

O Regional Norte 2 foi representado pela secretária executiva, Orlanda Alves, e pela coordenadora da Comissão Justiça e Paz (CJP),  e do bispo da Prelazia do Marajó (PA), dom José Azscona, ambos ameaçados de morte.

O lançamento do filme também contou com a presença dos atores: Dira Paes (MHuD e participante do filme), padre Ricardo Rezende (protagonista e participante do MHuD, também ameaçado), Emilio Gallo (MHuD e diretor do filme), de Marcio da Silva Cruz (Defensor Público e Coordenador do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos do Pará).

Segundo o Movimento Humanos Direitos o documentário investigativo narra a história de uma lista pública, localizada na cidade de Rio Maria (Sul do Pará) com uma sentença de 14 pessoas marcadas para morrer.

De acordo com Orlanda Alves, “foi interessante sentir a sensibilidade de muitas pessoas que não continham suas lágrimas vendo a dura realidade de tantos desrespeitos à vida humana”.

Veja o teaser de apresentação do filme:

Sinopse:

A história de pessoas “marcadas para morrer” na cidade de Rio Maria, devido às denúncias feitas de irregularidade e corrupção no sul do Pará. Onze pessoas já foram executadas, entre elas a irmã Dorothy Stang. O padre Ricardo Rezende, cansado de rezar missas de sétimo dia e amparar viúvas e órfãos, resolve elaborar uma estratégia para acabar com esta situação.

Filme francês sobre monges mortos na Argélia chega ao Brasil e pode suscitar vocações

Na preparação para a Semana Santa, a distribuidora Imovision, com o apoio da CNBB, leva aos cinemas brasileiros o filme francês “Homens e Deuses” (Des Hommes et des Dieux, 2010), de Xavier Beauvois. O longa retrata a história real da comunidade de monges cisterciences (trapistas) franceses, que foram assassinados em Thibirine, na Argélia, no ano de 1996, e deram seu testemunho pela missão monástica a eles confiada, como a aproximação de diálogo cristão e muçulmano.

A estreia será realizada no Rio de Janeiro e em São Paulo no dia 15 de abril, se estendendo depois para outros estados. Na noite de 14 de abril, haverá uma pré-estreia no Cine Odeon para convidados da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Cada paróquia da cidade vai enviar um representante e os seminaristas também receberão o convite.

A produção já alcançou uma bilheteria de mais de três milhões de pessoas na França e foi vencedora do Grand Prix no Festival de Cannes, mostrando o testemunho dos monges que, de acordo com o Arcebispo do Rio,  Dom Orani João Tempesta, que é cisterciense. pode ser um despertar vocacional para muitos jovens.

“Temos certeza que, aqui no Brasil, este filme fará sucesso, porque oferece condições de diálogo, de propostas para viver os valores humanos e cristãos, tendo presente a vida simples dos monges, no seu cotidiano, e o testemunho de dar a vida pelo povo do vilarejo”, disse Dom Orani.

Assista ao trailler do filme




Novo filme sobre a Sagrada Família terá participação de Al Pacino

Deve começar no próximo dia 14 de março a produção do filme Maria Mãe de Cristo, que apresentará a vida da Virgem Maria, ressaltando seu amor a José, sua inesperada maternidade e “o triunfo sobre o terror semeado pelo rei Herodes, o Grande”.

O roteiro está sendo preparado por Benedict Fitzgerald, co-autor do roteiro do filme A Paixão de Cristo, junto com Mel Gibson, e Bárbara Nicolosi, ambos católicos praticantes. Por esta razão alguns analistas esperam este seja um filme fiel à tradição da Igreja.

O filme, cujo orçamento está estimado em 36 milhões de dólares,terá como protagonista a jovem Camilla Belle no papel de Maria. A atriz é conhecida por sua participação como a heroína do filme10.000 a.C. No papel de José, estará o ator português Diogo Morgado, que já fez trabalhos no Brasil. Além deles, estarão na produção o ator Al Pacino (de O Poderoso Chefão e O Advogado do Diabo), no papel de Herodes, e Peter O’Toole, conhecido por sua interpretação de Thomas Lawrence no filme Lawrence da Arábia, no papel de Simeão.

O filme será inteiramente rodado no Marrocos e deverá ser lançado no Natal deste ano.

Para saber mais e acompanhar as novidades sobre o filme, acesse o site IMDB (em inglês).

Fonte Jovem Conectados

Imagem Internet

Papa João Paulo II – o filme

Neste domingo destinado a Sagrada Família, O ANUNCIADOR indica para o lazer, reunião e confraternização familiar o filme “João Paulo II”. O Papa pop, da juventude, do ecumenismo, esportista em visão que poucos puderam ter e ver. O filme conta a sua história desde o seu nascimento até sua morte em 2005. Ele enfrentou a segunda guerra e o comunismo e modificou a linguagem da Igreja para atrair os jovens.

Vale a pena ver. Este filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator.

 

Por Marquione Ban