A oração é o antídoto para as guerras que “começam em casa”, diz o Papa

FranciscoBalcon_LOsservatoreRomano_060415
O Papa Francisco do balcão do Palácio Apostólico / Foto: L’Osservatore Romano

(ACI).- O Papa Francisco visitou, na tarde de domingo, 19 de fevereiro, a Paróquia de Santa Maria Josefa em Castelverde, próxima a Roma. Atendeu a confissão de alguns fiéis e celebrou uma Missa na qual falou a respeito da importância de rezar pelos inimigos, porque a oração é o antídoto para as guerras que “começam em casa”.

“Se todos os homens e mulheres do mundo aprendessem isso não existiriam guerras. A guerra começa na amargura, no rancor, no desejo de vingança. E isso destrói famílias, amizades, bairros, destrói muito”.

“As leituras de hoje contêm uma mensagem única: Sejam santos, porque o nosso Deus é Santo, sejam perfeitos como o Pai do céu é perfeito”. A linguagem “você vai me pagar, não é a linguagem de um cristão”, acrescentou.

Em seguida, Francisco disse que devemos “rezar por aquele que me fez mal, para que mude de vida, para que o Senhor o perdoe”.

“Esta é a magnanimidade de Deus, do Deus magnânimo que perdoa tudo, que é misericordioso”, disse.

“Você também é misericordioso com quem lhe fez o mal?”, perguntou.

O Santo Padre sublinhou que rezar pelos inimigos “é algo simples. Talvez o rancor permaneça em nós, mas nós estamos fazendo um esforço para caminhar na estrada do Deus misericordioso”.

Durante esta visita, o Pontífice se reuniu com as crianças da catequese, em seguida, saudou alguns doentes, idosos, casais e membros da Cáritas paroquial.

ORIENTE MÉDIO: 12 horas de oração pela Paz

JovenRezando_DanielIbanez_ACIPrensa(ACI/EWTN Noticias).- Numerosos grupos de jovens na Itália e em vários outros países se unirão aos jovens de Jerusalém que nesta quinta-feira, 17 de julho, dedicarão doze horas de oração contínua pela paz na Terra Santa.

A agência vaticana Fides assinala que em Roma se reunirão na Basílica de Santa Anastásia al Palatino, para realizar 12 horas de oração contínua pedindo ao Senhor o dom da paz na Terra Santa.

A vigília de oração começará às 18h com uma celebração eucarística presidida pelo reitor da Basílica, Padre Alberto Pacini, e continuará até 6h da sexta-feira, 18 de julho, com a Adoração Eucarística.

Esta vigília de oração será feita como resposta ao forte chamado do Papa Francisco que no dia 13 de julho pediu para continuar “rezando com insistência pela paz na Terra Santa, à luz dos trágicos acontecimentos dos últimos dias”.

Para promover esta iniciativa, indica Fides, os jovens convidaram as comunidades, grupos, movimentos e outras realidades a juntar-se a este momento de silêncio, de adoração e intercessão.

Dia de jejum e oração pela Síria: “Não tenham medo de dar a seus filhos um almoço austero”

(ACI/EWTN Noticias).- O Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Dom Vincenzo Paglia, convidou as famílias, pais, filhos, e avós, a reunir-se no próximo dia 7 de setembro para o dia de jejum e oração que o Papa Francisco convocou para pedir a paz na Síria, Oriente Médio e no mundo.

“Queridos pais, não tenham medo de propor aos seus filhos um almoço austero e mínimo, será a ocasião para lhes explicar o que está acontecendo no mundo e como estes fatos terríveis não podem deixar-nos indiferentes. Convido-os a acolherem a proposta do Papa e a viverem também em casa o gesto do jejum e da oração”, animou Dom Paglia em 3 de setembro conforme informou o jornal da Santa Sé, L’Osservatore Romano.

As contínuas notícias que chegam da Síria sobre um possível ataque da comunidade internacional a este país em guerra “interpelam o coração, a nossa inteligência, e a nossa fé”, e é necessário que este dia de jejum e oração, “seja acolhido com grande seriedade e compromisso de todos”, acrescentou.

“Não se esqueçam de convidar os avós e os idosos para este almoço feito com pouca comida e muitas palavras, se algum deles experimentou tempos de guerra, poderá explicar o que significou viver sob as bombas e na incerteza do amanhã e qual era o sentido de suas orações naqueles dias”.

“E vós jovens, não se lamentem se no sábado não há grandes pratos sobre a mesa, mas deem graças aos seus pais pelo que lhes propõem, é mais, exijam deles uma explicação e os motivos pelos que vale a pena continuar e habitar esta terra marcada muito frequentemente, por lutos e violência”, convidou.

Junto à dureza das notícias, Dom Paglia animou a não se esquecerem de comunicar a esperança da paz oferecida por Jesus ressuscitado, que reconciliou o mundo com gestos doando-se a si mesmo, em lugar de usar gestos violentos e vingativos.

“Rezem unidos na mesa, orem! Pelas famílias da Síria, pelas crianças que morrem todos os dias, pelo ódio e pela fome, pelos governantes chamados a encontrar as soluções de paz e não a violência”, exortou.

Por último o Arcebispo Paglia convidou a recitar junto à família um salmo, ler uma página do Evangelho, rezar uma dezena do Terço, fazer uma oração livre em voz alta, ou fazer um canto simples, ou qualquer ato que mais lhes seja propício para interceder, “e meter-se no meio do mistério do mal que marca a nossa história e no mistério do Deus da paz que a cura e a salva”, concluiu.

No dia 1º de setembro o Papa Francisco convidou todos os cristãos, os membros de outras religiões e homens de boa vontade a juntar-se a esta convocatória, e anunciou que nesse mesmo dia, de 19h a 23h (hora local), será celebrada na Basílica de São Pedro, uma vigília de oração para pedir a paz definitiva no país árabe.

Líderes religiosos da Terra Santa: Queima de Igrejas no Egito é escândalo sem precedentes

JERUSALÉM, 24 Ago. 13 / 01:00 am (ACI/EWTN Noticias).- Os Patriarcas e os chefes das Igrejas e comunidades religiosas de Jerusalém (Terra Santa), chamaram a comunidade internacional a opor-se à violência e ao terrorismo e a ajudar o povo do Egito a superar a violência para chegar à paz.

“Nós, patriarcas e chefes das Igrejas de Jerusalém –se lê na declaração– acompanhamos com grande preocupação a terrível situação do Egito, que sofre por causa das divisões internas, atos terroristas e deliberada violência contra pessoas inocentes, tanto cristãs como muçulmanas”.

“Foram atacadas instituições governamentais, e um grande número de soldados egípcios e policiais foram assassinados; propriedades públicas foram destruídas e Igrejas cristãs foram profanadas”, denunciaram.

“As profanações e o incêndio das Igrejas -prossegue o documento- foram um escândalo sem precedentes e vai contra os valores da tolerância, que durante séculos animaram o Egito. Apreciamos o fato de que muitos muçulmanos se uniram aos compatriotas cristãos na defesa de Igrejas e instituições”.

Condenando com força “estes atos de vandalismo perpetrados por alguns extremistas”, os líderes religiosos fizeram um chamado “a todas as partes para deter a violência e as matanças e trabalhar a favor da unidade nacional, sem a qual o Egito corre o risco de chegar a uma guerra civil”.

“Estamos junto ao povo egípcio em sua luta contra o terrorismo e as facções contrapostas, tanto localmente como a nível internacional. Expressamos nossa solidariedade e proximidade a todas as vítimas e oramos pela cura dos feridos e de quem sofre”, comunicaram.

“Oramos ao único Deus –concluem– para que ilumine os líderes egípcios, a fim de que se salvaguardem os valores da democracia, a dignidade de todos e a liberdade religiosa”.

O documento está assinado pelos representantes católicos, ortodoxos, protestantes e da Custódia da Terra Santa.