Papa completa hoje 44 anos de sacerdócio

Papa_Francisco_13_noviembre_ACI_Prensa(ACI/EWTN Noticias).- Em 13 de dezembro de 1969, quatro dias antes de cumprir 33 anos de idade, o jesuíta Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco, foi ordenado sacerdote pelo Arcebispo Emérito do Córdoba (Argentina), Dom Ramón José Castellano.

Aquele 13 de dezembro foi um sábado, véspera do terceiro domingo de Advento. Na liturgia da Igreja, este dia é conhecido como o domingo Gaudete ou Domingo da Alegria, para muitos a característica mais marcante do Pontificado do Papa Francisco.

Em seus primeiros anos como sacerdote, Jorge Mario Bergoglio continuou sua formação como jesuíta entre 1970 e 1971 na Espanha. Em 22 de abril de 1973 emitiu seus compromissos perpétuos na Companhia de Jesus.

RETORNO A ARGENTINA

Quando retornou à Argentina foi professor na faculdade de teologia San José na localidade de San Miguel (nos subúrbios de Buenos Aires), reitor do Colégio Jesuíta e, à idade de 36 anos, foi designado Provincial dos jesuítas da Argentina.

O Papa, que desde cedo no seu ministério esteve envolvido no apostolado juvenil compartilhou algumas reflexões sobre o tema na Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 na missa com sacerdotes, religiosos e seminaristas na Catedral do Rio de Janeiro no Sábado, 27 de julho:

“Muitos de vocês, queridos bispos e sacerdotes, senão todos, vieram acompanhar seus jovens à Jornada Mundial. Eles também ouviram as palavras do mandato de Jesus: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações». É nosso compromisso de Pastores ajudá-los a fazer arder, no seu coração, o desejo de serem discípulos missionários de Jesus.

“Ajudemos os jovens. Estejam os nossos ouvidos atentos para escutar as suas ilusões – tem necessidade de ser escutadas –, para ouvir os seus sucessos, para ouvir as suas dificuldades. É preciso sentar-se, talvez escutando o mesmo relatório mas com uma música diversa, com identidades diferentes. A paciência de escutar: isto lhes peço com todo o coração. No confessionário, na direção espiritual, no acompanhamento. Saibamos perder tempo com eles. Semear custa e cansa; cansa muitíssimo! É muito mais gratificante alegrar-se com a colheita! Vejam a nossa esperteza! Todos nos alegramos mais com a colheita, e todavia Jesus nos pede para semear, e semear com seriedade”.

“Não poupemos forças na formação da juventude!”, concluía o Papa Bergoglio.

Bergoglio sempre em favor do próximo

Os testemunhos são unânimes. Padre Jorge Mario Bergoglio, então provincial da Companhia de Jesus na Argentina, salvou a vida de dezenas de perseguidos políticos durante a ditadura militar. Ele abrigou desconhecidos em casa, ajudou pessoas ameaçadas a fugir do país, saiu em busca de informações sobre desaparecidos e percorreu as ruas de Buenos Aires ao volante de seu carro, ziguezagueando com seus protegidos entre barreiras policiais. Providenciou passaportes para quem tinha de atravessar a fronteira e montou uma rede com seus confrades jesuítas no Brasil, para enviar refugiados em segurança para a Europa.

“Nós não fomos denunciados por Bergoglio”, declarou o padre Francisco Jalics em 15 de março, dois dias após a eleição de Francisco, quando o New York Times e o jornal argentino Página 12 levantaram suspeitas de que o novo papa havia colaborado com a ditadura após o golpe militar de 1976. Segundo seus acusadores, Bergoglio teria entregue Jalics e o padre Orlando Yorio (falecido em 2000), ambos ex-jesuítas, aos órgãos de repressão. Um documento reservado da época do general Jorge Rafael Videla havia insinuado que o provincial da Companhia de Jesus era um colaborador do regime.

O jornalista italiano Nello Scavo, de 41 anos, repórter judiciário do jornal católico Avvenire, resolveu pesquisar a história. Saiu em campo atrás de quem teria sido socorrido por Bergoglio e pesquisou documentos, checando informações e comparando versões contraditórias, até chegar à conclusão de que não há elementos para acusar o papa Francisco. O resultado de seu trabalho é A Lista de Bergoglio, livro de 212 páginas que as Edições Loyola vão lançar na segunda quinzena deste mês no Brasil.

Além do prefácio de Alfonso Pérez Esquivel, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1980 por sua defesa dos direitos humanos na Argentina, um dos primeiros a testemunhar a favor do papa, o livro contém uma preciosidade – a transcrição, em 30 páginas, do interrogatório na Justiça Federal, em 2010, do então cardeal Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, no Processo Esma (Escola Superior de Mecânica da Marinha, onde dissidentes foram torturados e mortos). O cardeal foi convidado a depor como cidadão conhecedor dos fatos ocorridos e aparece nos autos como “senhor Bergoglio”.

'A Lista de Bergoglio', livro de 212 páginas que as Edições Loyola vão lançar em dezembro no Brasil
‘A Lista de Bergoglio’, livro de 212 páginas que as Edições Loyola vão lançar em dezembro no Brasil

Foi a primeira e única vez que o papa Francisco falou de sua atuação nos anos da ditadura, citando nomes, datas e situações. “Bergoglio sempre manteve a máxima reserva sobre esse assunto e não creio que pretenda reconsiderar essa sua legítima opção”, disse Scavo em entrevista ao Aliás, na quarta-feira, acrescentando que, por essa razão, muitos daqueles que ele ajudou também se recusam a lembrar o que sofreram. No interrogatório, o então cardeal de Buenos Aires referiu-se aos padres Jalics e Yorio, que foram presos e torturados durante seis meses. Depois de libertados, Bergoglio conseguiu tirá-los da Argentina com a ajuda da Nunciatura Apostólica.

Bergoglio falou também sobre a Teologia da Libertação. “Havia alguns que ensinavam teologia com uma hermenêutica marxista, uma coisa que a Santa Sé nunca aceitou, e outros que não, mas que buscavam uma presença pastoral entre os pobres, a partir da hermenêutica do Evangelho”, afirmou o cardeal, acrescentando que “os dirigentes da ditadura demonizavam toda a teologia da libertação, tanto os padres que seguiam a interpretação marxista – que eram poucos na Argentina, em comparação com outros países – como os padres que simplesmente viviam sua vocação sacerdotal entre os pobres.”

Dissidentes, guerrilheiros e militantes políticos perseguidos pela ditadura eram acolhidos no Colégio Máximo, no bairro de São Miguel. Ali Bergoglio escondeu Alicia Oliveira, advogada e primeira mulher nomeada juíza na Argentina, da qual os militares queriam se livrar. “Jorge tinha uma opinião terrível da ditadura, a mesma opinião que eu tinha”, disse Alicia, para quem os ataques feitos a Bergoglio, antes e depois de ele ter sido eleito papa, “foram uma verdadeira infâmia”.

Outro militante de esquerda salvo por Bergoglio foi o uruguaio Gonzalo Mosca. “Eu tinha as horas contadas, estava desesperado”, lembrou Mosca, atualmente líder sindical, que decidiu falar após ter ouvido as acusações contra o papa. “Padre Jorge não apenas me acompanhou ao aeroporto, mas me levou até a porta do avião e só foi embora depois que o aparelho levantou voo”, acrescentou o uruguaio. Ele fugiu para a Europa passando por Foz do Iguaçu e São Paulo, com ajuda dos jesuítas. O cardeal d. Paulo Evaristo Arns também participou do esquema.

Scavo observa que, na época da ditadura, a Igreja se dividia em três facções na Argentina: uma minoria que lutava contra o regime, grande parte da hierarquia que apoiava os militares e uma ala que não concordava com o governo, mas não o combatia abertamente. Bergoglio pertencia a esse grupo, que, agindo discretamente, salvou milhares de pessoas. Quantas foram salvas pelo provincial dos jesuítas, nem ele sabe, afirma Scavo. Quase todos os entrevistados pelo jornalista informaram que havia sempre uns 20 dissidentes no Colégio Máximo, quando passaram por lá. Nello Scavo estima em mais de cem aqueles que poderiam entrar na incompleta Lista de Bergoglio.

A Era de Francisco: o Papa do Fim do Mundo

CINE O ANUNCIADORAté 13 de março deste ano, Jorge Mario Bergoglio era apenas o arcebispo de Buenos Aires e cardeal-presbítero argentino. Neste dia, o mundo foi surpreendido com sua escolha como o 266 º Sumo Pontífice da Igreja Católica, colocando a Argentina e a América Latina no centro das atenções. Agora, enquanto o Vaticano acerta os últimos detalhes da primeira viagem do papa Francisco ao Brasil, em sua primeira viagem internacional, o History Channel apresenta o especial inédito “O Papa do Fim do Mundo”, no dia 21 de julho, domingo, às 21h, sobre a vida e as ações do novo representante supremo da Igreja Católica.

Responsável por liderar mais de 1,2 bilhão de fiéis em todo o mundo, o novo papa surpreendeu também por seu estilo simples, despojado e pela preocupação social, tendo já demonstrado qual será o tom de seu papado. Além disso, com uma Igreja em crise, o papa Francisco demonstrou disposição para colocar a casa em ordem, sem receio de tocar em questões polêmicas, envolvendo o Vaticano e o clero. O papa estará no Brasil entre 23 e 28 de julho para a Jornada Mundial da Juventude, na cidade do Rio de Janeiro, ocasião em que visitará Aparecida do Norte, em São Paulo.

Por meio de um relato dinâmico, o programa revela a trajetória de Francisco, o primeiro jesuíta da história da Igreja Católica a se consagrar papa, e apresenta o perfil do homem que vem cativando a todos por seus atos e declarações. O especial satisfaz inúmeras curiosidades a seu respeito: quem é esse religioso humilde, mas austero, que vai ao encontro dos menos favorecidos em um Estado que enfrenta crescente perda de fiéis? O que pensa esse governante da Igreja Católica que dispensa as regalias do alto cargo, como automóveis oficiais e chofer, para correr o mundo sobre seus sapatos velhos?

“O Papa do Fim do Mundo” busca respostas a questões que inquietam a comunidade católica, analisa os desafios que enfrentará como Sumo Pontífice e tenta entender o que os fiéis esperam dele, quem são seus inimigos e por que motivo dispensa privilégios e luxos. Investiga, ainda, profecias que o anunciam como o último papa e revela a verdadeira participação do Cardeal Bergoglio durante a ditadura militar argentina. Reúne, também, preciosos depoimentos de pessoas de diversos países, que ajudarão a traçar o seu perfil. Entre eles, o de Federico Lombardi (sacerdote jesuíta italiano, porta-voz do papa e diretor da Rádio e Televisão do Vaticano), o de Antonio Sparado (sacerdote jesuíta e filósofo, editor-chefe da revista romana La Civitá Catolica) e o de Marco Politti (analista de prestígio, jornalista e autor do livro Crise de um Papado).

Leia mais em: vcfaz.TV – History exibe especial sobre o Papa Francisco http://www.vcfaz.tv/viewtopic.php?t=2…

Arcebispo argentino assegura que o Papa Francisco tem uma “firmíssima” postura contra o aborto

Dom Carlos María Franzini

(ACI/EWTN Noticias).- O Arcebispo da Mendoza (Argentina), Dom Carlos María Franzini, recordou que o Cardeal Jorge Mario Bergoglio, atual Papa Francisco, liderou junto à Conferência Episcopal da Argentina (CEA), uma “firmíssima” postura contra o aborto e a favor da vida.

Em uma entrevista concedida ao Grupo ACI, Dom Franzini, que trabalhou durante bom tempo com o Papa Francisco, sublinhou que o Cardeal Bergoglio durante os anos da direção do Episcopado Argentino, “teve uma firmíssima postura a favor da vida, e não poderia ser de outra maneira”.

O Prelado denunciou que nos últimos anos na Argentina se desenvolve com especial virulência uma sutil estratégia a favor da cultura do aborto que apresenta como “não sendo mal, o que é intrinsecamente mal”, a que o Papa Francisco respondeu por muitos anos “com uma ampla batalha a favor da vida em seu mais amplo espectro, desde o início de sua concepção, até a morte natural”.

Dom Franzini explicou que há mais de 10 anos a CEA publica sua firme posição contra o aborto e precisou que “em todas estas declarações, estiveram muito presente o pensamento e a mão do Cardeal Bergoglio”.

“É uma comprometida batalha a favor da vida, não é contra ninguém, mas a favor da vida, que de tantas formas é ameaçada. A vida é ameaçada pelo aborto, e pelos que com eufemismos querem fazer com que não seja um crime”, asseverou.

Do mesmo modo, o Prelado também deplorou aqueles que colocam em perigo a vida das pessoas promovendo o consumo de drogas ou de álcool e também aqueles que de alguma forma colaboram com tudo aquilo que gera fome ou violência em qualquer de suas formas.

“A batalha a favor da vida tem muitas frentes, e quisemos como Episcopado Argentino ter mais de uma palavra para estimular o compromisso dos crentes nesta luta”, concluiu.

Por sua parte o Papa Francisco se pronunciou em diversas ocasiões contra o aborto, e em uma carta enviada aos líderes do G8 e assinada no último dia 15 de junho, recordou que é necessário defender a vida dos mais fracos “inclusive daqueles que se encontram dentro do ventre de sua mãe”.

De igual modo, no dia 12 de maio deste ano, dentro do marco da canonização da primeira Santa colombiana, a Madre Laura, pediu que se “garanta a proteção jurídica do embrião”, e “se proteja o ser humano desde o primeiro instante de sua existência”.

“O aborto nunca é uma solução”, disse o Cardeal Bergoglio em setembro de 2012, depois da publicação de um protocolo para abortos não puníveis na capital argentina.

Giro de Notícias: Papa, JMJ, Assembléia Geral do Bispos, Bento XVI, Venezuela

Papa Francisco: “O triunfalismo não é cristão”

Durante a Missa celebrada no domingo no Domus Santa Marta, o Papa Francisco recordou que o cristão deve manter-se sempre humilde e afastar-se da tentação do triunfalismo.

“Que o Senhor nos salve das fantasias triunfalistas, porque o triunfalismo não é cristão, não é do Senhor. O caminho do Senhor é o caminho de cada dia, na presença de Deus”, afirmou.

Papa Francisco: 30 dias de papado

Neste sábado, 13 de abril cumpriu-se um mês desde que, em um Conclave de apenas dois dias, oColégio Cardinalício escolhesse como sucessor do hoje Bispo emérito de Roma Bento XVI, o Papa Francisco, anteriormente Arcebispo de Buenos Aires (Argentina), o Cardeal Jorge Mario Bergoglio.

O Papa na favela

O Arcebispo do Rio do Janeiro (Brasil) e presidente do Comitê Organizador da Jornada Mundial da Juventude 2013 (JMJ), Dom Orani Tempesta, apresentou ao Pontifício Conselho para os Leigos uma série de novas atividades para que o Papa Francisco realize neste evento juvenil, que inclui a visita a uma favela da cidade.

100 Dias para a JMJ

A noite de sexta-feira, 12 de abril, foi de transformação para muitos jovens no Centro do Rio. Na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, milhares de jovens compareceram à missa de abertura das comemorações para os “100 dias rumo à JMJ”, presidida pelo padre Reginaldo Manzotti.

100DIAS_ESPORTES_noticia_12042013133404
Após a missa, eles saíram em procissão junto com um trio elétrico, conduzido pelo padre Reginaldo e pela Banda Bom Pastor, passando por diversas ruas da Lapa, berço da boemia carioca, em direção à Igreja de Sant’Ana, onde foi realizada a Adoração ao Santíssimo Sacramento. À medida que a procissão andava o número de pessoas aumentava, chegando à marca de 5.000 jovens e ocupando um espaço de quase três quarteirões.

51ª Assembleia Geral do Bispos 

Na manhã do sábado, 13 de abril, os participantes da 51ª Assembleia Geral da CNBB, em Aparecida (SP), iniciaram a apresentação das contribuições das reflexões sobre os temas prioritários do evento: o diretório de Comunicação e a Questão Agrária.

Durante o final de semana eles fizeram um retiro. As atividades voltaram hoje, segunda-feira, 15/04

Bento XVI faz aniversário amanhã

Amanhã, nosso papa emérito Bento XVI completa mais um ano de vida. Bento XVI, cardeal Joseph Aloisius Ratzinger, nasceu em Marktl am Inn, Alemanha, no dia 16 de abril de 1927. Se tornou Papa Emérito da Igreja Católica. Seu outro título é Romano Pontífice Emérito. Foi papa da Igreja Católica e bispo de Roma de 19 de abril de 2005  a 28 de fevereiro de 2013, quando oficializou sua abdicação. Desde sua renúncia é Bispo emérito da Diocese de Roma, foi eleito, no conclave de 2005, o 265º Papa, com a idade de 78 anos e três dias, sendo o sucessor de João Paulo II e sendo sucedido por Francisco.

67fb297482de418d951ce80470f705b1-f350aa2bd9d64f16ba4305c551bd318a-0-h

Eleição na Venezuela

O sucessor de Hugo Chaves no poder foi eleito com margem mínima de maioria dos votos. Maduro teve 50,66% dos votos. Durante esse processo de eleição os bispos do país emitiram nota.

A Conferência Episcopal da Venezuela sobre as eleições presidenciais no país, realizadas domingo, 14, exortou as comunidades a participarem no escrutínio “de forma consciente, livre e responsável”. O episcopado destacou que “votar é um dever e um ato de amor à pátria, à sua gente e ao seu destino.”

 

8 anos sem João Paulo II

Capa JPII-1Nesta terça-feira, 2, recordam-se os oitos anos de falecimento do Papa João Paulo II, que foi beatificado seis anos depois, em 1º de maio de 2011, pelo então Papa Bento XVI.

Foi Papa João Paulo II que nomeou bispo, em 1992, o Cardeal Jorge Mario Bergoglio, atual Papa, e o criou cardeal em 2001.

Quando João Paulo II foi beatificado, o então arcebispo de Buenos Aires celebrou a Santa Missa na Catedral da cidade para recordá-lo e dele destacou a frase “não tenham medo”.

João Paulo II não teve medo, “porque viveu a sua vida ao Senhor Ressuscitado”, foi o que disse Cardeal Bergoglio na ocasião. “A coragem, a firmeza que nos dá a Ressurreição de Cristo, a serenidade de sermos perdoados através da misericórdia remove em nós o medo.”

Em outra Missa celebrada em memória do Beato dois dias após sua morte, o então Cardeal Bergoglio destacou a testemunha coerente do Senhor que foi João Paulo II.  Na época, Cardeal Bergoglio concluiu dizendo que, em um período em que se necessita mais de testemunhas do que de mestres, João Paulo II viveu até o fim sendo justamente “uma testemunha fiel”.

Vaticano divulga foto do Papa pagando a conta no check-out

G1 – Uma imagem divulgada nesta sexta-feira (15) pelo ‘L’Osservatore Romano’, o jornal doVaticano, mostra o momento em que o Papa Francisco foi acertar a conta e fazer o check-out da residência onde estava hospedado como cardeal para participar do conclave, em Roma.

Apesar de o local ser de posse da Santa Sé, agora comandada pelo próprio Papa Jorge Mario Bergoglio, ele insistiu em pagar pela hospedagem, segundo o Vaticano, para “dar um bom exemplo”.

Foto do 'Osservatore Romano' mostra o Papa Francisco fazendo o check-out da residência onde se hospedou, em Roma (Foto: Reuters/Osservatore Romano)

 

Cardeais brasileiros concedem entrevista coletiva em Roma

cardeais_brasileiros14032013Conforme publicado pelo portal de notícias G1, os cardeais brasileiros concederam na manhã desta quinta-feira, 14 de março, em Roma, uma entrevista coletiva em que avaliaram a escolha do cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, como sucessor de Bento XVI. Dos cinco cardeais brasileiros que participaram da eleição do pontífice, três participaram da entrevista: o presidente da CNBB e arcebispo de Aparecida (SP), dom Raymundo Damasceno Assis; o arcebispo emérito de Salvador (BA), dom Geraldo Majella; e o arcebispo de São Paulo (SP), dom Odilo Pedro Scherer.

A coletiva foi realizada no Colégio Pio Brasileiro. “As cotações prévias foram todas para o espaço”, afirmou dom Odilo, dizendo que, segundo a crença, há outros elementos envolvidos na escolha de um novo Papa. “Há de se aprender que a Igreja não é só feita de cálculos humanos. De fato, o Espírito Santo orienta a Igreja.”

Questionado sobre a possível pressão sentida por ter sido considerado um dos favoritos para ser o novo Papa, dom Odilo disse ter enfrentado tudo com muita tranquilidade. “Tenho os pés muito no chão, sabendo que havia muitas outras pessoas com muitas possibilidades.”

Ele afirmou não ter pensado que poderia vencer. “Depois de ter rezado, se colocado diante da possibilidade de ser eleito, ficaria difícil dizer não. Mas nunca pensei que viesse a acontecer”, disse. “Ser Papa não é uma honra simplesmente, não é um poder. É um serviço muito grande. Quem é eleito Papa sente esse peso.”

Após a eleição e dos ritos formais feitos, todos os cardeais saudaram pessoalmente o Papa. “O saudei, lhe dei os parabéns, pedi que Deus o abençoasse. Lembrei da Jornada Mundial da Juventude, que ele irá ao Brasil em julho. Depende dele confirmar, com certeza o fará”, disse dom Odilo.

O arcebispo de São Paulo revelou que visitou o túmulo de São Francisco de Assis, no domingo anterior ao conclave. Chegando lá, ele encontrou o cardeal arcebispo de Viena, Christoph Schönborn. “Mas um dominicano num lugar tão franciscano!”, comentou o brasileiro na ocasião. O colega disse que seria bom que a Igreja tivesse um Papa com espírito franciscano. “É um sinal para o que a Igreja quer e precisa fazer”, afirmou Odilo na entrevista coletiva. “Não se fazem saltos mortais na Igreja, mas existe uma continuidade.”

Também dom Geraldo revelou que foi a Assis no período pré-conclave. “Rezei naquela hora para que o Papa pudesse realmente ser o que fizesse as vezes de São Francisco”, afirmou. “Ele [Bergoglio] foi chamado e não teve nenhuma dificuldade de ser aclamado. Ele tem 76 anos, mas pode em pouco tempo fazer muito. O testemunho dele vai ser muito importante para o mundo, vai chamar a atenção do mundo. Vamos rezar para que ele seja feliz e, sendo feliz, faça a Igreja feliz”, disse.

Para dom Geraldo, a escolha não foi surpreendente. “Não foi uma grande surpresa no sentido de que ele não pudesse ser o possível candidato”, disse. “É um grande dom de Deus para a Igreja, para o mundo, um homem que tem um testemunho de vida. Ele vive o nome Francisco, é diferente dos outros”, afirmou. “Agradeço a Deus por um grande final.”

Já Dom Raymundo, que abriu a coletiva, disse que houve surpresa. “Não preciso dizer para vocês que foi uma surpresa para todos nós”, afirmou. Os cardeais também contaram que, ainda na noite de quarta (13), após anúncio do pontífice, o Papa Francisco falou que precisaria ir nesta quinta-feira à Casa Internacional do Clero em Roma, onde estava hospedado antes do conclave, para pagar a conta e pegar suas coisas. Dom Raymundo foi informado de que o Papa foi mesmo à Casa nesta quinta, e insistiu para pagar sua hospedagem.

Depois da apresentação pública do novo Papa aos fiéis, os cardeais e o pontífice fizeram uma confraternização na Casa Santa Marta. “Foi muito fraterna, com um cardápio semelhante ao dos dias do conclave. Mas não poderia deixar de ter uma champanhe para comemorar”, disse dom Raymundo.

“Depois da solenidade de apresentação, para voltar para a Casa Santa Marta, como protocolo ofereceram o carro oficial do Papa. Mas ele recusou e quis voltar como foi: no ônibus junto com os outros cardeais”, disse dom Odilo.

Os cardeais foram questionados sobre a rivalidade entre Brasil e Argentina, muito presente em diversos temas. “A disputa é mais no campo do futebol, entre o Maradona e o Pelé. No campo religioso não há isso, se trata da mesma Igreja”, disse dom Raymundo. “Como os argentinos são chamados no Brasil? De hermanos. Somos povos irmãos, nos sentimos assim”, completou dom Odilo.

Os cardeais também foram questionados sobre o papel da nova evangelização no novo pontificado e como o Papa Francisco deve direcioná-la. “Ela já foi uma das ênfases no pontificado de João Paulo II e Bento XVI. E na América Latina é fundamental. Esse objetivo de ir ao encontro dos mais afastados, distantes, esquecidos. A Igreja é chamada a ir ao encontro das pessoas, ficando em estado permanente de missão”, disse dom Raymundo.

Dom Odilo afirmou que dentro do conclave, em nenhum momento foi possível ver possíveis divisões dos cardeais ou identificar partidos. “Não existe direita e esquerda, não percebi. Foi um clima muito bonito, de grande responsabilidade e serenidade.”

“Era um ambiente muito especial, com um grupo bastante reduzido em relação ao número de católicos do mundo, mas 115 cardeais de todo o mundo. Transcorreu num clima de muita abertura, liberdade, fraternidade. É uma instância na qual a gente não sente pressão. Se sente totalmente livre, e isso é muito importante. E o ambiente é um dos mais belos em termos de arte no mundo, a Capela Sistina”, disse dom Raymundo. E completou: “O nome do novo Papa é uma mensagem de abertura ao mundo, de diálogo com o mundo, simplicidade, pobreza, solidariedade com os mais simples.”

O novo Papa tem 76 anos, o que surpreendeu algumas pessoas – muitos imaginavam que o escolhido seria mais jovem, para ter um pontificado mais longo que o de Bento XVI. Segundo Dom Geraldo, a idade não influenciou a escolha. “Havia vários [cardeais] com 60 anos, mas isso não pesou. Não foi uma surpresa a idade. O Espírito Santo sopra onde quer. Esse é um sinal para o mundo, sobretudo aos que mais sofrem.”

Ele também afirmou que os recentes escândalos de abusos sexuais no clero e de fraudes no Banco do Vaticano não tiveram peso dentro do conclave. “Em absoluto, não pesaram, ninguém teve preocupação com isso. Estamos preocupados com a Justiça, o Papa tem que defender a Justiça, os mais sofridos.”

Os cardeais foram questionados algumas vezes durante a coletiva sobre uma possível influência do conclave passado. À época, foi dito que o então cardeal Bergoglio renunciou aos votos recebidos no conclave em favor de Ratzinger, que foi eleito o Papa Bento XVI. Foi questionado se essa atitude o teria beneficiado agora. Os cardeais disseram não saber da veracidade dessa informação.

“Ninguém sabe se isso é verdade. Só dom Geraldo, que estava lá, mas ele não pode falar”, disse dom Odilo, sendo recebido por risadas dos presentes. Dom Geraldo era o único dos cardeais que deu entrevista que participou do conclave de 2005.

Papa Francisco visita Basílica de Santa Maria Maggiore em Roma

O Papa Francisco, eleito nesta quarta-feira (13) o novo pontífice da Igreja Católica, visitou na manhã desta quinta-feira (14), em sua primeira saída oficial do Vaticano, a Igreja de Santa Maria Maggiore, no Centro de Roma.

O argentino Jorge Mario Bergoglio havia avisado, durante seu primeiro discurso aos fiéis na Praça de São Pedro, que iria à igreja nesta quinta-feira.

O Papa Francisco reza para Santa Maria na Igreja de Santa Maria Maggiore, nesta quinta-feira (14), em Roma (Foto: Reuters/Osservatore Romano)O Papa Francisco reza para Santa Maria na Igreja de Santa Maria Maggiore, nesta quinta-feira (14), em Roma (Foto: Reuters/Osservatore Romano)
Papa Francisco na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. (Foto: Alessandro Bianchi / Reuters)Papa Francisco na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. (Foto: Alessandro Bianchi / Reuters)

Confira a biografia de Francisco I, o novo papa

Francisco113032013O cardeal argentino e arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, de 76 nos, foi eleito o novo pontífice da Igreja Católica Apostólica Roma. A fumaça branca saiu da chaminé da Capela Sistina, às 15h05, no Brasil (horário de Brasília), 19h05, em Roma. O novo Pontífice se apresentou ao mundo, às 16h22 e convidou todo o povo para rezar em intenção ao Papa Emérito, Bento XVI. O anúncio “Habemus Papam” foi pronunciado pelo cardeal diácono mais velho, 70 anos, Jean-Louis Tauran.

Confira a biografia do Papa Francisco:

Data de nascimento. Nasceu em Buenos Aires em 17 de dezembro de 1936.

Educação. Estudou e se diplomou como técnico químico, mas ao decidir-se pelo sacerdócio ingressou no seminário de Villa Devoto. Em 11 de março de 1958 passou ao noviciado da Companhia de Jesus, estudou humanas no Chile, e em 1960, de retorno a Buenos Aires, obteve a licenciatura em Filosofia no Colégio Máximo São José, na localidade de San Miguel. Entre 1964 e 1965 foi professor de Literatura e Psicologia no Colégio da Imaculada da Santa Fé, e em 1966 ditou iguais matérias no Colégio do Salvador de Buenos Aires. Desde 1967 a 1970 cursou Teologia no Colégio Máximo de San Miguel, cuja licenciatura obteve.

Sacerdócio. Em 13 de dezembro de 1969 foi ordenado sacerdote. Em 1971 fez a terceira
aprovação em Alcalá de Henares (Espanha), e em 22 de abril de 1973, sua profissão perpétua. Foi professor de noviços na residência Villa Barilari, de San Miguel (anos 1972/73), professor na Faculdade de Teologia e Consultor da Província e reitor do Colégio Máximo. Em 31 de julho de 1973 foi eleito provincial da Argentina, cargo que exerceu durante seis anos. Esteve na Alemanha, e ao voltar, o superior o destinou ao Colégio de Salvador, de onde passou à igreja da Companhia, da cidade de Córdoba, como diretor espiritual e confessor. Entre 1980 e 1986 foi reitor do Colégio Máximo de San Miguel e das Faculdades de Filosofia e Teologia da mesma Casa.

Episcopado. Em 20 de maio de 1992, João Paulo II o designou bispo titular da Auca e auxiliar de Buenos Aires. Em 27 de junho do mesmo ano recebeu na Catedral primaz a ordenação episcopal, e foi promovido a arcebispo auxiliar de Buenos Aires em 3 de junho de 1998. De tal sé arcebispal é titular desde em 28 de fevereiro de 1998, quando se converteu no primeiro jesuíta que chegou a ser primaz da Argentina.
É Ordinário para os fiéis de rito oriental residentes na Argentina e que não contam com Ordinário de seu próprio rito. Na Conferência Episcopal Argentina é vice-presidente; e como membro da Comissão Executiva é membro da Comissão Permanente representando à Província Eclesiástica de Buenos Aires. Integra, além disso, as comissões episcopais de Educação Católica e da Universidade Católica Argentina, da que é Grande Chanceler. Na Santa Sé, forma parte da Congregação para o Culto Divino e a disciplina dos Sacramentos, e da Congregação para o Clero.

Cardinalato: Criado cardeal presbítero em 21 de fevereiro do 2001; recebeu a barrete vermelha e o título de São Roberto Belarmino.

Papa Francisco

francisco

Jorge Mario Bergoglio SJ (Buenos Aires, 17 de dezembro de 1936) é um religioso da Companhia de Jesus, papa, bispo católico, cardeal, é o arcebispo da Arquidiocese de Buenos Aires desde 28 de fevereiro de 1998.

Recebeu a ordenação presbiteral no dia 13 de dezembro de 1969, pelas mãos de Dom Ramón José Castellano. Foi ordenado bispo no dia 27 de junho de 1992, pelas mãos de Antonio Quarracino, Dom Mario José Serra e Dom Eduardo Vicente Mirás.

Foi criado cardeal no consistório de 21 de fevereiro de 2001, presidido por João Paulo II, recebendo o título de cardeal-presbítero de São Roberto Bellarmino.

Foi escolhido Papa no dia 13 de março de 2013.

Cardeal Bergoglio: Sacerdotes devem batizar os filhos de mães solteiras

Cardeal Jorge Mario Bergoglio

(ACI/EWTN Noticias).- O Arcebispo de Buenos Aires (Argentina), Cardeal Jorge Mario Bergoglio, chamou os sacerdotes a batizar os filhos das mães solteiras e não ser “os hipócritas de hoje” que terminam afastando o povo de Deus da salvação.

Durante o encerramento do Encontro da Pastoral Urbana da Região Buenos Aires, o Cardeal disse que é necessário mostrar “uma ternura especial com os pecadores” e com os mais afastados porque “Deus vive em meio deles”. Por isso, lamentou que alguns tenham “clericalizado à Igreja do Senhor”.

“Enchem a Igreja com preceitos, e falo isso com dor, se parecer uma denúncia ou ofensa, me perdoem, mas na nossa região eclesiástica há presbíteros que não batizam as crianças das mães solteiras porque não foram concebidos na santidade do matrimônio”.

“Estes são os hipócritas de hoje. Os que clericalizaram à Igreja. Os que afastam o povo de Deus da salvação. E essa pobre mãe que poderia ter tirado esta criança, mas que teve a valentia de dar à luz vai peregrinando de paróquia em paróquia para que a batizem”, expressou o Cardeal no dia 2 de setembro durante a Missa celebrada na Universidade Católica Argentina.

Ele insistiu no chamado a ser mais próximos com o próximo. “Deus põe seu povo em situação de encontro. E com essa proximidade, com esse caminhar, cria essa cultura do encontro que nos faz irmãos, filhos e não sócios de uma ONG ou partidários de uma multinacional. Proximidade. Essa é a proposta”, afirmou.

“Não à hipocrisia, não ao clericalismo hipócrita e não a tornar mundana nossa vida espiritual, porque isto é demonstrar que alguém é mais empresário que homem ou mulher de Evangelho”, expressou.