Arquivo da tag: naquele tempo

Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé – Evangelho do Dia

Evangelho – Lc 7,1-10

Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 7,1-10

Naquele tempo:
1Quando acabou de falar ao povo que o escutava,
Jesus entrou em Cafarnaum.
2Havia lá um oficial romano
que tinha um empregado a quem estimava muito,
e que estava doente, à beira da morte.
3O oficial ouviu falar de Jesus
e enviou alguns anciãos dos judeus,
para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado.
4Chegando onde Jesus estava,
pediram-lhe com insistência:
“O oficial merece que lhe faças este favor,
5porque ele estima o nosso povo.
Ele até nos construiu uma sinagoga.”
6Então Jesus pôs-se a caminho com eles.
Porém, quando já estava perto da casa,
o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus:
“Senhor, não te incomodes,
pois não sou digno de que entres em minha casa.
7Nem mesmo me achei digno
de ir pessoalmente ao teu encontro.
Mas ordena com a tua palavra,
e o meu empregado ficará curado.
8Eu também estou debaixo de autoridade,
mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens.
Se ordeno a um : “Vai!”, ele vai;
e a outro: “Vem!”, ele vem;
e ao meu empregado “Faze isto!”, e ele o faz”.”
9Ouvindo isso, Jesus ficou admirado.
Virou-se para a multidão que o seguia, e disse:
“Eu vos declaro que nem mesmo em Israel
encontrei tamanha fé.”
10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial
e encontraram o empregado em perfeita saúde.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 7, 1-10

Uma coisa é a fé em si, e outra coisa é como ela se expressa. Para muitos, a fé em si nem sequer é percebida, de modo que existe uma necessidade muito grande de ritualismo e de formas exteriores de expressão da fé. Quem tem verdadeiramente fé em Jesus, acredita na autoridade do seu nome e na força da sua Palavra, e não necessita de manifestações exteriores para acreditar na eficácia da sua ação. Deste modo, todos nós somos convidados a reconhecer que a grandiosidade da fé do Centurião que acreditou plenamente no poder da Palavra de Jesus e não exigiu dele nenhum rito ou gesto exterior e, porque acreditou, foi atendido naquilo que desejava.

Evangelho do Dia: A parábola do Filho Pródigo, ou melhor dizendo, do Pai Misericordioso

filho-prodigoEvangelho – Lc 15,1-32

Haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 15,1-32

Naquele tempo:

1Os publicanos e pecadores

aproximavam-se de Jesus para o escutar.

2Os fariseus, porém,

e os mestres da Lei criticavam Jesus.

‘Este homem acolhe os pecadores

e faz refeição com eles.’

3Então Jesus contou-lhes esta parábola:

4’Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma,

não deixa as noventa e nove no deserto,

e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la?

5Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria,

6e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos,

e diz: ‘Alegrai-vos comigo!

Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’

7Eu vos digo:

Assim haverá no céu mais alegria

por um só pecador que se converte,

do que por noventa e nove justos

que não precisam de conversão.

8E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma,

não acende uma lâmpada, varre a casa

e a procura cuidadosamente, até encontrá-la?

9Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, e diz:

‘Alegrai-vos comigo!

Encontrei a moeda que tinha perdido!’

10Por isso, eu vos digo,

haverá alegria entre os anjos de Deus

por um só pecador que se converte.’

11E Jesus continuou:

‘Um homem tinha dois filhos.

12O filho mais novo disse ao pai:

‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’.

E o pai dividiu os bens entre eles.

13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era

seu e partiu para um lugar distante.

E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.

14Quando tinha gasto tudo o que possuía,

houve uma grande fome naquela região,

e ele começou a passar necessidade.

15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar,

que o mandou para seu campo cuidar dos porcos.

16O rapaz queria matar a fome

com a comida que os porcos comiam,

mas nem isto lhe davam.

17Então caiu em si e disse:

‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura,

e eu aqui, morrendo de fome.

18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe:

`Pai, pequei contra Deus e contra ti;

19já não mereço ser chamado teu filho.

Trata-me como a um dos teus empregados’.

20Então ele partiu e voltou para seu pai.

Quando ainda estava longe, seu pai o avistou

e sentiu compaixão.

Correu-lhe ao encontro, abraçou-o,

e cobriu-o de beijos.

21O filho, então, lhe disse:

‘Pai, pequei contra Deus e contra ti.

Já não mereço ser chamado teu filho’.

22Mas o pai disse aos empregados:

`Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho.

E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés.

23Trazei um novilho gordo e matai-o.

Vamos fazer um banquete.

24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver;

estava perdido e foi encontrado’.

E começaram a festa.

25O filho mais velho estava no campo.

Ao voltar, já perto de casa,

ouviu música e barulho de dança.

26Então chamou um dos criados

e perguntou o que estava acontecendo.

27O criado respondeu:

`É teu irmão que voltou.

Teu pai matou o novilho gordo,

porque o recuperou com saúde’.

28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar.

O pai, saindo, insistia com ele.

29Ele, porém, respondeu ao pai:

‘Eu trabalho para ti há tantos anos,

jamais desobedeci a qualquer ordem tua.

E tu nunca me deste um cabrito

para eu festejar com meus amigos.

30Quando chegou esse teu filho,

que esbanjou teus bens com prostitutas,

matas para ele o novilho cevado’.

31Então o pai lhe disse:

`Filho, tu estás sempre comigo,

e tudo o que é meu é teu.

32Mas era preciso festejar e alegrar-nos,

porque este teu irmão estava morto e tornou a viver;

estava perdido, e foi encontrado’.’

Palavra da Salvação.

Pode um cego guiar outro cego? – Evangelho do Dia

Evangelho – Lc 6,39-42

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 6,39-42

Naquele tempo:
39Jesus contou uma parábola aos discípulos:
“Pode um cego guiar outro cego?
Não cairão os dois num buraco?
40Um discípulo não é maior do que o mestre;
todo discípulo bem formado será como o mestre.
41Por que vês tu o cisco no olho do teu irmão,
e não percebes a trave que há no teu próprio olho?
42Como podes dizer a teu irmão:
Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho,
quando tu não vês a trave no teu próprio olho?
Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho,
e então poderás enxergar bem
para tirar o cisco do olho do teu irmão.
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 6, 39-42

A nossa vida espiritual deve ser marcada por um constante aprendizado, de modo que sejamos, ao mesmo tempo, evangelizadores e evangelizados, e o crescimento na fé realize-se principalmente na experiência da vida comunitária, na troca de experiência e na valorização de tudo o que os outros podem nos oferecer, sem ficar vendo apenas as dificuldades, os problemas e os erros das pessoas que estão ao nosso lado. Mas tudo isso deve ser iluminado por uma mística: devemos ser dóceis ao Espírito Santo, nos deixar ser conduzidos por ele, já que não somos os donos da verdade e ele é o Espírito da Verdade, que nos conduzirá à plena verdade. Somente agindo assim é que não seremos os cegos que guiam outros cegos, mas sim todos guiados pelo próprio Deus.

Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces? – Evangelho do Dia

Evangelho – Jo 14,6-14

Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 14,6-14

Naquele tempo, Jesus disse a Tomé:
6″Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.
Ninguém vai ao Pai senão por mim.
7Se vós me conhecêsseis,
conheceríeis também o meu Pai.
E desde agora o conheceis e o vistes”.
8Disse Filipe:
“Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!”
9Jesus respondeu:
“Há tanto tempo estou convosco,
e não me conheces, Filipe?
Quem me viu, viu o Pai.
Como é que tu dizes:
`Mostra-nos o Pai”?
10Não acreditas que eu estou no Pai
e o Pai está em mim?
As palavras que eu vos digo,
não as digo por mim mesmo,
mas é o Pai que, permanecendo em mim,
realiza as suas obras.
11Acreditai-me: eu estou no Pai
e o Pai está em mim.
Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras.
12Em verdade, em verdade vos digo,
quem acredita em mim
fará as obras que eu faço,
e fará ainda maiores do que estas.
Pois eu vou para o Pai,
13e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei,
a fim de que o Pai seja glorificado no Filho.
14Se pedirdes algo em meu nome,
eu o realizarei”.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Jo 14, 6-14

Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém pode chegar ao Pai sem Jesus, pois ele é verdadeiramente o único caminho que nos leva ao Pai. Ninguém pode de fato conhecer o Pai se não for através de Jesus, pois ele é a Verdade que nos revela o Pai, ele é o próprio Ícone do Pai, ele vive em perfeita comunhão com o Pai. Quem conhece Jesus, conhece o Pai e quem conhece o Pai, conhece Jesus. Nós também participamos dessa comunhão na medida em que nos tornamos ícones de Cristo e a participação nessa comunhão é que nos garante a vida em plenitude, a vida eterna.

A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida

Evangelho – Jo 6,52-59

A minha carne é verdadeira comida
e o meu sangue, verdadeira bebida.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,52-59

Naquele tempo:
52Os judeus discutiam entre si, dizendo:
“Como é que ele pode dar a sua carne a comer?”
53Então Jesus disse:
“Em verdade, em verdade vos digo,
se não comerdes a carne do Filho do Homem
e não beberdes o seu sangue,
não tereis a vida em vós.
54Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
tem a vida eterna,
e eu o ressuscitarei no último dia.
55Porque a minha carne é verdadeira comida
e o meu sangue, verdadeira bebida.
56Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
permanece em mim e eu nele.
57Como o Pai, que vive, me enviou,
e eu vivo por causa do Pai,
assim o que me come
viverá por causa de mim.
58Este é o pão que desceu do céu.
Não é como aquele que os vossos pais comeram.
Eles morreram.
Aquele que come este pão viverá para sempre.”
59Assim falou Jesus,
ensinando na sinagoga em Cafarnaum.
Palavra da Salvação.

 

O Espírito do Senhor está sobre mim – Evangelho do Dia

Evangelho – Lc 4,16-21

O Espírito do Senhor está sobre mim.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 4,16-21

Naquele tempo:
16Jesus veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado.
Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado,
e levantou-se para fazer a leitura.
17Deram-lhe o livro do profeta Isaías.
Abrindo o livro,
Jesus achou a passagem em que está escrito:
18″O Espírito do Senhor está sobre mim,
porque ele me consagrou com a unção
para anunciar a Boa Nova aos pobres;
enviou-me para proclamar a libertação aos cativos
e aos cegos a recuperação da vista;
para libertar os oprimidos
19e para proclamar um ano da graça do Senhor.”
20Depois fechou o livro,
entregou-o ao ajudante, e sentou-se.
Todos os que estavam na sinagoga
tinham os olhos fixos nele.
21Então começou a dizer-lhes:
“Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura
que acabastes de ouvir.”
Palavra da Salvação.

Dias virão em que o esposo lhes será tirado, e então jejuarão – Evangelho do Dia Mt 9, 14-15

Evangelho – Mt 9,14-15

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 9,14-15

Naquele tempo:
14Os discípulos de João aproximaram-se de Jesus
e perguntaram:
“Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns,
mas os teus discípulos não?”
15Disse-lhes Jesus:
“Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto
enquanto o noivo está com eles?
Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles.
Então, sim, eles jejuarão.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 9, 14-15

As práticas religiosas não podem ser simples ritualismos que cumprimos por costume ou tradição. Os fariseus e os discípulos de João faziam jejum, cumprindo os valores tradicionais da religiosidade de sua época, mas o cumprimento desses valores não lhes foi suficiente para que se tornassem capazes de reconhecer o tempo em que estavam vivendo e por quem foram visitados, de modo que não puderam viver a alegria de quem tem o próprio Deus presente em suas vidas e nem puderam usufruir de forma mais plena essa presença de graça. Somente quem viver uma verdadeira religiosidade que seja capaz de estabelecer um relacionamento profundo e maduro com Deus e perceber os seus apelos nos dos sinais dos tempos pode colher os frutos dessa religiosidade.

“Menina, levanta-te!” – Evangelho do Dia Mc 5, 21-43

Evangelho – Mc 5,21-43

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 5,21-43

Naquele tempo:
21Jesus atravessou de novo, numa barca,
para a outra margem.
Uma numerosa multidão se reuniu junto dele,
e Jesus ficou na praia.
22Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga,
chamado Jairo.
Quando viu Jesus, caiu a seus pés,
23e pediu com insistência:
“Minha filhinha está nas últimas.
Vem e pðe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!”
24Jesus então o acompanhou.
Uma numerosa multidão o seguia e o comprimia.
25Ora, achava-se ali uma mulher
que, há doze anos, estava com uma hemorragia;
26tinha sofrido nas mãos de muitos médicos,
gastou tudo o que possuía,
e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais.
27Tendo ouvido falar de Jesus,
aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão,
e tocou na sua roupa.
28Ela pensava:
“Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”.
29A hemorragia parou imediatamente,
e a mulher sentiu dentro de si
que estava curada da doença.
30Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele.
E, voltando-se no meio da multidão, perguntou:
“Quem tocou na minha roupa?”
31Os discípulos disseram:
“Estás vendo a multidão que te comprime
e ainda perguntas: “Quem me tocou”?”
32Ele, porém, olhava ao redor
para ver quem havia feito aquilo.
33A mulher, cheia de medo e tremendo,
percebendo o que lhe havia acontecido,
veio e caíu aos pés de Jesus,
e contou-lhe toda a verdade.
34Ele lhe disse:
“Filha, a tua fé te curou.
Vai em paz e fica curada dessa doença”.
35Ele estava ainda falando,
quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga,
e disseram a Jairo:
“Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?”
36Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga:
“Não tenhas medo. Basta ter fé!”
37E não deixou que ninguém o acompanhasse,
a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João.
38Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga,
Jesus viu a confusão
e como estavam chorando e gritando.
39Então, ele entrou e disse:
“Por que essa confusão e esse choro?
A criança não morreu, mas está dormindo”.
40Começaram então a caçoar dele.
Mas, ele mandou que todos saíssem,
menos o pai e a mãe da menina,
e os três discípulos que o acompanhavam.
Depois entraram no quarto onde estava a criança.
41Jesus pegou na mão da menina e disse:
“Talitá cum” – que quer dizer:
“Menina, levanta-te!”
42Ela levantou-se imediatamente e começou a andar,
pois tinha doze anos.
E todos ficaram admirados.
43Ele recomendou com insistência
que ninguém ficasse sabendo daquilo.
E mandou dar de comer à menina.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 5, 21-43

A pessoa de fé é aquela que acolhe a revelação divina e responde de forma positiva aos seus apelos. Quando a pessoa acolhe Jesus como sendo o Filho de Deus e procura responder de forma positiva a esta presença de Deus em sua vida, ela é constantemente movida ao encontro de Deus e passa a se beneficiar de suas graças e bênçãos. Mas quem não acolhe a revelação, não reconhece Jesus como o verdadeiro Deus presente no meio de nós, não vai ao seu encontro, não participa da sua vida e do seu projeto de amor e, consequentemente, não se beneficia de tudo aquilo que ele nos concede.

“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos” – Evangelho do Dia Lc 10, 1 – 9

Evangelho – Lc 10,1-9

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 10,1-9

Naquele tempo:

1O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos

e os enviou dois a dois, na sua frente,

a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir.

2E dizia-lhes:

“A messe é grande,

mas os trabalhadores são poucos.

Por isso, pedi ao dono da messe

que mande trabalhadores para a colheita.

3Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos.

4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias,

e não cumprimenteis ninguém pelo caminho!

5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro:

`A paz esteja nesta casa!”

6Se ali morar um amigo da paz,

a vossa paz repousará sobre ele;

se não, ela voltará para vós.

7Permanecei naquela mesma casa,

comei e bebei do que tiverem,

porque o trabalhador merece o seu salário.

Não passeis de casa em casa.

8Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos,

comei do que vos servirem,

9curai os doentes que nela houver

e dizei ao povo:

`O Reino de Deus está próximo de vós””.

Palavra da Salvação.

“Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho” – Evangelho do Dia (Mc 16,15-18)

 

Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 16,15-18

Naquele tempo,

Jesus se manifestou aos onze discípulos,

15e disse-lhes:

“Ide pelo mundo inteiro

e anunciai o Evangelho a toda criatura!

16Quem crer e for batizado será salvo.

Quem não crer será condenado.

17Os sinais que acompanharão

aqueles que crerem serão estes:

expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas;

18se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal

não lhes fará mal algum;

quando impuserem as mãos sobre os doentes,

eles ficarão curados”.

Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 16, 15-18

É comum ouvirmos pessoas rezarem pela conversão dos pecadores, mas é muito difícil vermos alguém rezar pela própria conversão. Isso acontece porque a maioria das pessoas acha que não precisa de conversão porque não comete aqueles pecados que possuem matéria mais grave e vive com certa constância uma religiosidade. Porém o Evangelho de hoje nos mostra que ser verdadeiramente cristão significa participar ativamente na obra evangelizadora da Igreja a partir do envio que foi feito pelo próprio Jesus. Portanto, só é verdadeiramente convertido quem participa da missão evangelizadora da Igreja.

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!” – Evangelho do Dia Mc 3, 7-12

Evangelho – Mc 3,7-12

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!”
Mas ele ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,7-12

Naquele tempo:
7Jesus se retirou para a beira do mar,
junto com seus discípulos.
Muita gente da Galiléia o seguia.
8E também muita gente da Judéia,
de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão,
dos territórios de Tiro e Sidônia,
foi até Jesus, porque tinham ouvido falar
de tudo o que ele fazia.
9Então Jesus pediu aos discípulos
que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão,
para que não o comprimisse.
10Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas,
e todos os que sofriam de algum mal
jogavam-se sobre ele para tocá-lo.
11Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés,
gritando: “Tu és o Filho de Deus!”
12Mas Jesus ordenava severamente
para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.

 

Reflexão – Mc 3, 7-12

O evangelho de hoje é uma continuação dos evangelhos anteriores e nos mostra que, se por um lado, as autoridades religiosas da época de Jesus não concordavam com o seu modo de agir e com os seus ensinamentos, por outro lado, a multidão cada vez mais aderia aos seus ensinamentos e procurava em Jesus a solução para os seus problemas, naturais ou espirituais. A visão institucionalizada da fé é importante porque nos ajuda a viver comunitariamente o nosso relacionamento com Deus, mas pode ser perigosa enquanto pode submeter o próprio Deus aos critérios da razão humana ou legitimar, em nome de Deus, relacionamentos e costumes meramente humanos que podem até ser opressores e excludentes.

“Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos” (Evangelho do Dia – Lc 20,27-40)

 

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 20,27-40

Naquele tempo:
27Aproximaram-se de Jesus alguns saduceus,
que negam a ressurreição,
28e lhe perguntaram:
“Mestre, Moisés deixou-nos escrito:
se alguém tiver um irmão casado
e este morrer sem filhos,
deve casar-se com a viúva
a fim de garantir a descendência para o seu irmão.
29Ora, havia sete irmãos.
O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos.
30Também o segundo
31e o terceiro se casaram com a viúva.
E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos.
32Por fim, morreu também a mulher.
33Na ressurreição, ela será esposa de quem?
Todos os sete estiveram casados com ela.”
34Jesus respondeu aos saduceus:
“Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se,
35mas os que forem julgados dignos
da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura,
nem eles se casam nem elas se dão em casamento;
36e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos,
serão filhos de Deus, porque ressuscitaram.
37Que os mortos ressuscitam,
Moisés também o indicou na passagem da sarça,
quando chama o Senhor “o Deus de Abraão,
o Deus de Isaac e o Deus de Jacó”.
38Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos,
pois todos vivem para ele.”
39Alguns doutores da Lei disseram a Jesus:
“Mestre, tu falaste muito bem.”
40E ninguém mais tinha coragem
de perguntar coisa alguma a Jesus.
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 20, 27-40

Como todos nós vivemos num mundo marcado pelo materialismo, cada vez mais somos tentados a fazer da matéria a causa da nossa felicidade e nos fecharmos nessa realidade para analisar todas as coisas e, com isso, não somos capazes de ver outros caminhos para a felicidade ou até mesmo outras condições de vida que Deus pode nos conceder para o nosso bem, como é o caso da vida eterna. O erro que os saduceus cometeram e que aparece no evangelho de hoje é esse: se tornaram tão materialistas que ficaram incapazes de abrir o próprio coração para a proposta da vida plena que nos é feita pelo próprio Deus.

“Os cabelos de vossa cabeça estão todos contados” (Evangelho do Dia – Lc 12,1-7)

Os cabelos de vossa cabeça estão todos contados.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 12,1-7

Naquele tempo:
1Milhares de pessoas se reuniram,
a ponto de uns pisarem os outros.
Jesus começou a falar, primeiro a seus discípulos:
“Tomai cuidado com o fermento dos fariseus,
que é a hipocrisia.
2Não há nada de escondido, que não venha a ser revelado,
e não há nada de oculto que não venha a ser conhecido.
3Portanto, tudo o que tiverdes dito na escuridão,
será ouvido à luz do dia;
e o que tiverdes pronunciado ao pé do ouvido, no quarto,
será proclamado sobre os telhados.
4Pois bem, meus amigos, eu vos digo:
não tenhais medo daqueles que matam o corpo,
não podendo fazer mais do que isto.
5Vou mostrar-vos a quem deveis temer:
temei aquele que, depois de tirar a vida,
tem o poder de lançar-vos no inferno.
Sim, eu vos digo, a este temei.
6Não se vendem cinco pardais por uma pequena quantia?
No entanto, nenhum deles é esquecido por Deus.
7Até mesmo os cabelos de vossa cabeça estão todos contados.
Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais.
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 12, 1-7

As autoridades religiosas do tempo de Jesus eram autoridades poderosas e opressoras, que se valiam da ocupação romana e dos privilégios obtidos por ela para oprimir o povo, de modo que o povo era duplamente oprimido: pelos romanos e pelo poder religioso instituído. A religião realizava exatamente o contrário daquilo que o próprio Deus queria. Quando Jesus fala que devemos ter cuidado com o fermento dos fariseus, ele nos diz também que devemos nos preocupar para não sermos contaminados pela hipocrisia, pela sede de poder e pela busca de privilégios pessoais, para que também nós não façamos da nossa religião um meio de opressão, mas sim subamos em cima dos telhados e denunciemos todos os falsos valores da vivência religiosa.

Evangelho do Dia – Jo 1,47-51

Vereis o céu aberto e os anjos de Deus
subindo e descendo sobre o Filho do Homem.

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1,47-51

Naquele tempo,
47Jesus viu Natanael que vinha para ele e comentOu:
“Aí vem um israelita de verdade,
um homem sem falsidade”.
48Natanael perguntOu:
“De onde me conheces?”
Jesus respondeu:
“Antes que Filipe te chamasse,
enquanto estavas debaixo da figueira,
eu te vi”.
49Natanael respondeu:
“Rabi, tu és o Filho de Deus,
tu és o Rei de Israel”.
50Jesus disse:
“Tu crês porque te disse:
Eu te vi debaixo da figueira?
Coisas maiores que esta verás!”
51E Jesus continuou:
“Em verdade, em verdade, eu vos digo:
Vereis o céu aberto
e os anjos de Deus subindo e descendo
sobre o Filho do Homem”.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Jo 1, 47-51

Muitas vezes, nós nos sentimos espantados com o que conhecemos sobre o poder de Deus, mas devemos ter consciência de que de fato devemos nos maravilhar muito mais, uma vez que não conhecemos quase nada sobre este poder. Uma das grandes manifestações do poder de Deus, e que de fato nos faz fascina, é a existência dos anjos, essas criaturas maravilhosas que assistem diante de Deus e sempre estão presentes também nas nossas vidas, como o caso dos arcanjos que festejamos hoje e que têm a sua existência e a sua ação descritas nas Sagradas Escrituras.

Evangelho do Dia – Mc 9,30-37

O Filho do Homem vai ser entregue…
Se alguém quiser ser o primeiro, que
seja aquele que serve a todos!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 9,30-37
Naquele tempo:
30Jesus e seus discípulos atravessavam a Galiléia.
Ele não queria que ninguém soubesse disso,
31pois estava ensinando a seus discípulos.
E dizia-lhes:
“O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens,
e eles o matarão.
Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”.
32Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras
e tinham medo de perguntar.
33Eles chegaram a Cafarnaum.
Estando em casa, Jesus perguntou-lhes:
“O que discutíeis pelo caminho?”
34Eles, porém, ficaram calados,
pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior.
35Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse:
“Se alguém quiser ser o primeiro,
que seja o último de todos
e aquele que serve a todos!”
36Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles,
e abraçando-a disse:
37″Quem acolher em meu nome uma destas crianças,
é a mim que estará acolhendo.
E quem me acolher, está acolhendo, não a mim,
mas àquele que me enviou”.
Palavra da Salvação.

Evangelho do Dia – Lc 8,4-15

E o que caiu em terra boa são aqueles que,
conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,4-15

Naquele tempo:
4Reuniu-se uma grande multidão,
e de todas as cidades iam ter com Jesus.
Então ele contou esta parábola:
5″O semeador saiu para semear a sua semente.
Enquanto semeava, uma parte caiu à beira do caminho;
foi pisada e os pássaros do céu a comeram.
6Outra parte caiu sobre pedras;
brotou e secou, porque não havia umidade.
7Outra parte caiu no meio de espinhos;
os espinhos cresceram juntos, e a sufocaram.
8Outra parte caiu em terra boa;
brotou e deu fruto, cem por um.”
Dizendo isso, Jesus exclamou:
“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”
9Os discípulos lhe perguntaram
o significado dessa parábola.
10Jesus respondeu:
“A vós foi dado conhecer os mistérios do Reino de Deus.
Mas aos outros, só por meio de parábolas,
para que olhando não vejam,
e ouvindo não compreendam.
11A parábola quer dizer o seguinte:
A semente é a Palavra de Deus.
12Os que estão à beira do caminho
são aqueles que ouviram,
mas, depois, vem o diabo
e tira a Palavra do coração deles,
para que não acreditem e não se salvem.
13Os que estão sobre a pedra
são aqueles que, ouvindo, acolhem a Palavra com alegria.
Mas eles não têm raiz: por um momento acreditam;
mas na hora da tentação voltam atrás.
14Aquilo que caiu entre os espinhos
são os que ouvem, mas, com o passar do tempo,
são sufocados pelas preocupações,
pela riqueza e pelos prazeres da vida,
e não chegam a amadurecer.
15E o que caiu em terra boa
são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso,
conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 8, 4-15

Muitas vezes, quando estamos exercendo o trabalho evangelizador, ficamos angustiados porque não vemos os resultados que estávamos esperando, e isso acaba por se tornar para nós causa de desânimo. O Evangelho de hoje nos mostra que o mais importante é evangelizar, e que sempre devemos lançar as sementes da Palavra. O semeador do Evangelho de hoje não estava preocupado se as sementes estavam caindo em terreno bom. Nós também não devemos lançar as sementes apenas para os que podem responder de forma positiva. A evangelização é para todos e os resultados não dependem de nós, mas da Graça divina.

Evangelho do Dia- Lc 2,33-35

Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma.

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 2,33-35

Naquele tempo:
33O pai e a mãe de Jesus estavam admirados
com o que diziam a respeito dele.
34Simeão os abençoou
e disse a Maria, a mãe de Jesus:
“Este menino vai ser causa
tanto de queda como de reerguimento
para muitos em Israel.
Ele será um sinal de contradição.
35Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações.
Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”.

Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 2, 33-35

A presença de Maria junto ao seu Filho no momento do seu suplício mostra para nós a realização da profecia de Simeão: “E quanto a ti, uma espada de dor transpassará a tua alma”. Esta presença também nos mostra a necessidade da nossa presença e da nossa solidariedade junto a todos os que sofrem e que esta presença deve ser muito mais do que estar ao lado fazendo alguma coisa. Ela deve ser também a presença solidária de quem sofre junto, porque temos os mesmos valores, comungamos as mesmas idéias e lutamos pela realização plena dos mesmos projetos.

Evangelho do Dia – Mc 7,31-37

Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar.

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 7,31-37

Naquele tempo:
31Jesus saiu de novo da região de Tiro,
passou por Sidônia
e continuou até o mar da Galiléia,
atravessando a região da Decápole.
32Trouxeram então um homem surdo,
que falava com dificuldade,
e pediram que Jesus lhe impusesse a mão.
33Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão;
em seguida colocou os dedos nos seus ouvidos,
cuspiu e com a saliva tocou a língua dele.
34Olhando para o céu, suspirou e disse:
“Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!”
35Imediatamente seus ouvidos se abriram,
sua língua se soltou
e ele começou a falar sem dificuldade.
36Jesus recomendou com insistência
que não contassem a ninguém.
Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam.
37Muito impressionados, diziam:
“Ele tem feito bem todas as coisas:
Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.
Palavra da Salvação.

Evangelho do Dia – Mc 7,1-8.14-15.21-23

Vós abandonais o mandamento de Deus
para seguir a tradição dos homens.

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 7,1-8.14-15.21-23

Naquele tempo:
1Os fariseus e alguns mestres da Lei
vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus.
2Eles viam que alguns dos seus discípulos
comiam o pão com as mãos impuras,
isto é, sem as terem lavado.
3Com efeito, os fariseus e todos os judeus
só comem depois de lavar bem as mãos,
seguindo a tradição recebida dos antigos.
4Ao voltar da praça,
eles não comem sem tomar banho.
E seguem muitos outros costumes
que receberam por tradição: a maneira certa de lavar
copos, jarras e vasilhas de cobre.
5Os fariseus e os mestres da Lei
perguntaram então a Jesus:
“Por que os teus discípulos
não seguem a tradição dos antigos,
mas comem o pão sem lavar as mãos?”
6Jesus respondeu:
“Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas,
como está escrito:
“Este povo me honra com os lábios,
mas seu coração está longe de mim.
7De nada adianta o culto que me prestam,
pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos”.
8Vós abandonais o mandamento de Deus
para seguir a tradição dos homens”.
14Em seguida, Jesus chamou a multidão para perto de si
e disse: “Escutai todos e compreendei:
15o que torna impuro o homem
não é o que entra nele vindo de fora,
mas o que sai do seu interior.
21Pois é de dentro do coração humano que saem as
más intenções, imoralidades, roubos, assassínios,
22adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes,
devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo.
23Todas estas coisas más saem de dentro,
e são elas que tornam impuro o homem”.
Palavra da Salvação.

Reflexão

A leitura de hoje nos chama a modificarmos nosso caráter. Ele sim, como diz Jesus nos leva a macula, ao pecado. Os judeus da época de Cristo não são diferentes dos cristãos de hoje, e olha que, nós cristãos somos chamados assim por sermos seguidores dos mandamentos de Jesus. Será que realmente seguimos? Assim como os judeus questionavam se por que os apóstolos comiam sem lavar as mãos, desrespeitando as tradições, hoje vários irmãos questionam as lideranças leigas, padres e bispos por seguirem caminhos não tradicionais ao homem, mas certeiros no evangelho. Digo isso, me referindo a atitudes de sacerdotes e de leigos que não aceitam algumas novidades na caminhada pastoral ou que renovam de mais as tradições.

Sabemos que exageros nos levam a leviandade daquilo que Cristo nos ensinou, mas é sabido também que a tradição precisa de renovar. Fico no fim de todo esse pensamento com as palavras de Cristo: “Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem.” Que dos nossos corações brotem amor e apenas amor.

Evangelho do Dia – Mt 25,14-30

Como foste fiel na administração de tão
pouco, vem participar de minha alegria.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 25,14-30

Naquele tempo,
Jesus contou esta parábola a seus discípulos:
14Um homem ia viajar para o estrangeiro.
Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens.
15A um deu cinco talentos,
a outro deu dois e ao terceiro, um;
a cada qual de acordo com a sua capacidade.
Em seguida viajou.
16O empregado que havia recebido cinco talentos
saiu logo,
trabalhou com eles, e lucrou outros cinco.
17Do mesmo modo, o que havia recebido dois
lucrou outros dois.
18Mas aquele que havia recebido um só,
saiu, cavou um buraco na terra,
e escondeu o dinheiro do seu patrão.
19Depois de muito tempo, o patrão voltou
e foi acertar contas com os empregados.
20O empregado que havia recebido cinco talentos
entregou-lhe mais cinco, dizendo:
`Senhor, tu me entregaste cinco talentos.
Aqui estão mais cinco que lucrei”.
21O patrão lhe disse: `Muito bem, servo bom e fiel!
como foste fiel na administração de tão pouco,
eu te confiarei muito mais.
Vem participar da minha alegria!”
22Chegou também o que havia recebido dois talentos,
e disse:
`Senhor, tu me entregaste dois talentos.
Aqui estão mais dois que lucrei”.
23O patrão lhe disse: `Muito bem, servo bom e fiel!
Como foste fiel na administração de tão pouco,
eu te confiarei muito mais.
Vem participar da minha alegria!”
24Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento,
e disse: `Senhor, sei que és um homem severo,
pois colhes onde não plantaste
e ceifas onde não semeaste.
25Por isso fiquei com medo
e escondi o teu talento no chão.
Aqui tens o que te pertence”.
26O patrão lhe respondeu: `Servo mau e preguiçoso!
Tu sabias que eu colho onde não plantei
e que ceifo onde não semeei?
27Então devias ter depositado meu dinheiro no banco,
para que, ao voltar,
eu recebesse com juros o que me pertence.”
28Em seguida, o patrão ordenou:
`Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez!
29Porque a todo aquele que tem
será dado mais, e terá em abundância,
mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado.
30Quanto a este servo inútil,
jogai-o lá fora, na escuridão.
Ali haverá choro e ranger de dentes!”
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 25, 14-30

Um dos maiores perigos que ameaçam a verdadeira vivência da fé é o medo. Este medo faz com que não sejamos capazes de produzir os frutos exigidos pelo Reino de Deus. Mas esse medo sempre aparece com máscaras que nos enganam e uma das mas sutis que encontramos é aquela que é confundida com a virtude da prudência. Perguntamos se é prudente fazer isso ou aquilo e em nome da prudência justificamos o nosso medo. Nesta hora, devemos nos recordar de Maria, a Virgem prudentíssima, que não julgou prudente conversar com José antes de responder ao Anjo ou ficou esperando a vida inteira pelo milagre de Caná.