E agora Dom Orani? JMJ confirma apresentação de cantores e artistas seculares

(ACI).- O Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude Rio2013 divulgou nesta manhã, 27 de junho, em coletiva, a relação de artistas que irão se apresentar nos atos centrais da Jornada. Grandes nomes como: Padre Fabio de Melo, Luan Santana, Padre Marcelo Rossi, Rosa de Saron e também cantores internacionais, Matt Maher, Gen Rossi, entre outros.

Os atos centrais em Copacabana começam no dia 23 de junho com a missapresidida pelo arcebispo do Rio de Janeiro Dom Orani Tempesta e uma cerimonia de boas vindas aos peregrinos de todas as partes do mundo. No palco, serão acolhidos a Cruz e o ícone de Nossa Senhora, símbolos da JMJ, que já percorreram todo o país. Segundo o diretor Maurício Tavares será um momento de muita emoção aos participantes, com shows da Comunidade Shalom e de artistas internacionais.

No dia 25 de junho, quinta-feira, o Papa Francisco será recebido com um show do Padre Fabio de Melo e pela cantora Fafá de Belém. Jovens com as bandeiras de todos os países saudarão o Santo Padre e um mini espetáculo apresentará as belezas e a religiosidade brasileira. Este dia também terá apresentações das bandas Anjos de Resgate e Banda Dominus.

A Via Sacra, que acontecerá no dia 26 de julho, terá a participação de 280 voluntários, 14 estações espalhadas pela Avenida Atlântica e grandes atores brasileiros interpretando as passagens bíblicas, Ana Maria Braga, Murilo Rosa, Eriberto Leão, Livian Aragão já foram confirmados e também a atriz Cassia Kiss, que fará o papel de Maria. Ulysses Cruz, diretor da Via Sacra da JMJ Rio2013, revelou que o conceito é o jovem solidário que foi Jesus, fazendo relação entre o sofrimento de Cristo e o jovem de hoje. “A inspiração é da arte contemporânea porque o diálogo é com o jovem”, contou.

No sábado, em Guaratiba, dia da vigília com o Papa Francisco, o palco terá a presença da banda Dominus, orquestra JMJ, Padre Marcelo Rossi, a banda internacional Gen Rosso (que fará apresentação com dependentes químicos), Matt Maher e o cantor Luan Santana, que participará de um ato artístico, cantando musicas católicas.

No último dia da Jornada, a programação começa com um show de preparação para a missa de envio com os padres cantores e depois a gravação de um flash mob (espera-se que seja o maior flash mob já feito no mundo, com dois milhões de pessoas). O evento será encerrado com shows da banda Rosa de Saron e banda Dominus.

////////////

Alguns memes surgiram na internet para protestar contra a participação dos seculares na JMJ.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Padre Marcelo Rossi à Folha de São Paulo: “Estamos voltando à Idade Média, o período mais terrível e negro da igreja”.

padremarceloFolha de São Paulo – Sacerdote católico mais famoso do país, o padre Marcelo Rossi, 45, vai de encontro à indicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) de que o incentivo às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) pode ajudar a igreja a recuperar o espaço perdido para os evangélicos.

Para padre Marcelo, as CEBs –que tiveram seu auge nos anos 1980 combinando princípios cristãos a uma visão social de esquerda– apresentam o risco de estimular a “tentação à política”.

“O PT surgiu da CEB. Então, que não se politize”, diz o padre, que defende que a igreja construa grandes espaços como seu Santuário Mãe de Deus, aberto, ainda incompleto, em novembro passado.

Ele pretende concluir a obra, com capacidade para 100 mil fiéis, com as vendas de “Kairós” (ed. Globo), seu segundo livro, que será lançado amanhã em São Paulo.

Folha – Qual sua expectativa em relação ao papa Francisco?

É uma expectativa muito grande, a começar pelo rompimento dos protocolos. Espero muito da renovação da igreja, da opção pelos pobres. Espero em julho estar com ele na Jornada Mundial da Juventude e entregar o [livro] “Kairós”. Meu amigo padre Fábio de Melo, padre Reginaldo Manzotti e eu estaremos lá, cantando para ele.

Em 2007, o senhor foi impedido de cantar para o papa Bento 16 no Brasil e acusou a Arquidiocese de São Paulo de boicotá-lo. Temeu que o arcebispo dom Odilo Scherer virasse papa?

Não, pelo contrário. Dom Odilo pôde me conhecer de perto. Percebeu que eu não era um artista. Hoje tenho uma admiração e um carinho enorme por ele. Não vou dizer que [o responsável pelo boicote] foi dom Odilo. Foi o comitê organizador. É muito fácil culpar. Às vezes, a pessoa nem está sabendo.

Ainda em 2007 ele disse que seu trabalho era “insuficiente” e que “o padre não é um showman”. O que mudou?

Ele entendeu que eu não faço show. Celebro missa. Toda missa que faço, mesmo na TV, quem está à frente é o meu bispo [dom Fernando Figueiredo, bispo de Santo Amaro]. Estou lá animando. Minha função é animar as pessoas.

O último Censo apontou um aumento do número de evangélicos e a diminuição do número de católicos. Como recuperar o terreno?

O número de católicos é enorme e o de padres, em relação aos fiéis, mínimo. Para formar um sacerdote são no mínimo sete anos. Um pastor se faz em três meses. A formação é mínima. E precisa ter acolhida. A pessoa vai à igreja, ela está fechada. Os [templos] evangélicos estão sempre abertos. E o uso da mídia. Você liga a TV, sempre tem coisa evangélica, pessoas que invadem horários e horários. É até exagerado.

Na assembleia da CNBB, neste mês, a igreja indicou que quer incentivar as Comunidades Eclesiais de Base para recuperar espaço em áreas pobres. Deve ser esse o caminho?

Aí eu questiono. Acho as CEBs importantes, mas hoje nosso povo precisa de grandes espaços. Vejo nas missas do Santuário. Uma vela ilumina? E dez? E 20 mil? O Palmeiras estava sem 13 titulares, mas a torcida foi e eles se classificaram na Libertadores. Faz diferença. Os evangélicos erguem grandes locais, porque reúnem as pessoas. Se ficar fechado na CEB, esquecer a oração, ficar só na política… Se olhar os que estão no governo, a maioria surgiu da CEB.

A CEB está na origem do PT.

O PT surgiu da CEB. Então, que não politize. O perigo é este: cair na política.

livro+kairos+padre+marcelo+rossi+lacrado+santa+luzia+pa+brasil__9A83CB_1O senhor é criticado por atrair o público, mas adotar um discurso conservador e distante dos problemas sociais.

Temos trabalhos com recuperação de drogados, arrecadação de alimentos. Nas CEBs, acaba se tornando mais política do que social. É mais perigoso a pessoa ter a tentação à política na CEB.

Acha que a igreja serviu de trampolim para integrantes do governo ou do PT?

Não poderia julgar. A Igreja Católica é apartidária, pelo menos deve ser. Os evangélicos, às vezes, determinam em quem votar. Estamos voltando à Idade Média, o período mais terrível e negro da igreja.

Mas na campanha do ano passado houve episódios polêmicos envolvendo a Igreja Católica, como a declaração de dom Odilo contra a campanha de Celso Russomanno.

E dom Fernando depois se manifestou [disse que Russomanno era católico]. Russomanno saiu de encontro de casais. Fiz o casamento dele, batizei os filhos. Ele é católico. É fácil hoje você destruir uma pessoa. Veja o [deputado Gabriel] Chalita [acusado de receber favores de empresas quando era secretário estadual da Educação].

Como avalia as denúncias contra ele, que é seu amigo?

Fico perplexo. Estou esperando ele se manifestar. Nossa função é ficar quietinho, porque é um amigo que me ajudou muito. Quero ver o que vai ser provado. Se algo está errado, você vai falar [denunciar] depois de dez anos? É para destruir a pessoa.

Conversou com Chalita?

Até agora não, acredita? Estou esperando um posicionamento mais claro. Ainda dizia, quando ele falou que iria entrar na política: “Não faça isso”. Eu o aconselhei várias vezes. Conselho é bom, né, mas você só pode dar.

Espera um posicionamento público ou que ele fale pessoalmente com o senhor?

Pessoalmente eu não prefiro. Tenho certeza de que ele vai falar que está tudo OK. Mas quero ver um posicionamento provando isso.

Acredita na inocência dele?

Parto do princípio da confiança. Mas não sou cego. Se eu vejo alguma coisa que está errada… Por isso estou esperando que ele se coloque.

Qual sua opinião a respeito do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara?

Ele tentou até me provocar [disse, em uma entrevista, que “padre Marcelo pede dinheiro e nunca se falou nada”]. Eu nunca pedi dinheiro. Pelo contrário. O jogo deles é criar guerrilha. A melhor coisa é ficar quieto. A Justiça do mundo pode tardar, mas chega. E credibilidade não se compra. Em 2010, a Folha fez uma pesquisa sobre em quem o brasileiro mais confiava, com 27 personalidades. Estava o Edir Macedo, que ficou lá em 20º [foi o 26º]. Fiquei em terceiro lugar. Eram Lula, William Bonner e eu.

Ele deveria renunciar?

Ele nem deveria estar lá, na minha opinião. A partir do momento em que se diz um pastor, não dá para ser ao mesmo tempo um líder político. Acho importante ter uma bancada católica, como existe a evangélica. Mas não acho correto padre, bispo, pastor se candidatarem, porque aí estou transformando um púlpito num palanque.

Qual sua opinião sobre o casamento gay?

A palavra de Deus é clara: Deus criou o homem e a mulher. A igreja acolhe o pecador, mas não o pecado. Não vai poder legitimar o casamento entre homossexuais. Mas acolhe com carinho.

E sobre a adoção por casais homossexuais?

[Ele é contra] Por causa da formação. O que vai ficar na cabeça [da criança]? Você quebra o sentido do que é família, que é o homem e a mulher, o pai e a mãe. São princípios bíblicos. Não sou eu que vou contrariar a palavra de Deus. Seja evangélico ou católico, a partir do momento em que você é cristão, não dá.

Inauguração: Santuário do Padre Marcelo Rossi será a maior igreja católica de SP

(http://epocanegocios.globo.com) Oito anos e várias promessas de inauguração depois, será aberto em 2 de novembro, com a missa de Finados, o megatemplo do famoso padre Marcelo Rossi, na região de Santo Amaro, zona sul. “Será um novo cartão-postal de São Paulo”, entusiasma-se o sacerdote. “Uma construção para durar 700 anos.” Será a maior igreja católica de São Paulo.

SANTUÁRIO THEOTOKOS – MÃE DE DEUS, A MAIOR IGREJA CATÓLICA DE SÃO PAULO (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Para a missa de inauguração, às 11h do dia 2, estão confirmadas as presenças dos cantores Alexandre Pires e Agnaldo Rayol. Batizado de Santuário Theotokos – Mãe de Deus, a igreja foi construída em um terreno de 30 mil m² na Avenida Interlagos. Antes, o local abrigava uma indústria de cervejas.

Trata-se do quarto endereço das badaladas missas do sacerdote mais pop do Brasil. Nos outros locais, sempre galpões alugados na região de Santo Amaro, ele enfrentou uma série de problemas com vizinhos, incomodados com o barulho dos eventos religiosos e o grande número de peregrinos católicos.

O terreno definitivo foi comprado em julho de 2004. “Custou R$ 6 milhões”, conta padre Marcelo, ressaltando que pagou mais da metade e o restante foi doado pelo empresárioAntônio Ermírio de Moraes. Depois disso, toda a renda obtida com a venda de seus produtos é revertida à construção da igreja.

Ainda em 2004 surgiu um parceiro de renome. “O arquiteto Ruy Ohtake doou o projeto”, conta o padre. “Como católico, quero o bem da humanidade”, comenta o arquiteto. “Quando elaborei o projeto, desenhei o espaço procurando reflexão e meditação.”

O que seria um presente acabou se revelando um problema. “Com o projeto cheio de curvas, tudo passou a custar dez vezes mais”, diz o padre. Ele não revela, de jeito nenhum, o valor gasto nas obras. De acordo com suas contas, o templo terá capacidade para 100 mil pessoas. “Será o maior do mundo”, exagera – na Basílica de São Pedro, no Vaticano, cabem 60 mil fiéis apenas na área interna. Ohtake é mais comedido: diz que a igreja comportará em torno de 20 mil pessoas, mais 60 mil no pátio descoberto.

A maquete foi apresentada em dezembro de 2004. No projeto, uma cruz de 44 metros de altura que pode ser vista a 1 km de distância. Tudo em estilo moderno contemporâneo, bem longe da estética tradicional dos templos do catolicismo. Graças às curvas, o pé-direito varia de 6 a 25 metros. A marca principal é o altar, de 5 metros. Outro ponto nobre: uma cripta, sob o altar, onde serão guardados restos mortais de padres e bispos da Diocese de Santo Amaro.

Foram muitas as promessas de inauguração: novembro de 2005, maio de 2006, Natal de 2006, julho de 2007 e… “Será em algum agosto. O de Deus”, passou a esquivar-se, de quatro anos para cá.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o padre contou que dinheiro foi o principal problema. “Em 2009, em um almoço, D. Fernando (Figueiredo, bispo de Santo Amaro) disse que nem com décadas de venda de CDs conseguiríamos pagar o Santuário”, relata. “Fiquei muito chateado.” Mas o padre foi salvo por um best-seller. Lançado em 2010, o livroÁgape vendeu 8,2 milhões de cópias. E trouxe na esteira outros sucessos: o CD Ágape (1,9 milhões de cópias vendidas), o livro infantil Agapinho (600 mil), o DVD Ágape Amor Divino (302 mil) e o CD de mesmo nome (283 mil). “Isso tudo viabilizou nossa obra”, conta.

Considerado um polo gerador de tráfego por reunir mais de 500 pessoas, o santuário teve de cumprir uma lista de exigências da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para reduzir impactos no trânsito. Mas o pacote de obras viárias não tem alcance para evitar longos congestionamentos em dias de maior movimento. O órgão solicitou apenas instalação de semáforos, placas de sinalização, câmera de monitoramento e guias rebaixadas, entre outras medidas paliativas.

Erguida em uma das vias mais congestionadas da cidade, a igreja tem acesso pelo corredor norte-sul ou pela Marginal do Pinheiros. Segundo os responsáveis pela obra, a maior parte dos fiéis usa fretados ou transporte público. Nesse caso, a preocupação recai sobre o tamanho do estacionamento para ônibus.

(Com informações do jornal O Estado de S. Paulo)

O carismático cabo eleitoral da eleição paulistana.

Padre Marcelo Rossi diz que ‘confia’ em Celso Russomano

Por Mônica Bergamo

O padre Marcelo Rossi procurou Celso Russomanno (PRB-SP) há alguns dias para convidá-lo para a missa que celebra em seu santuário, em SP. Na cerimônia, abraçou o candidato, disse que padre não pode fazer campanha eleitoral — mas rasgou elogios. Lembrou que celebrou o casamento de Russomanno e também o batizado de seu filho, Celsinho, e disse que “confia” nele.

VER PARA CRER

No fim, padre Marcelo deu a Russomanno a fita em que a cerimônia foi gravada. “Ele nos liberou para usar as imagens na campanha”, diz Campos Machado (PTB-SP), coordenador da equipe eleitoral de Russomanno.

PADRINHO DE SOBRA

As imagens de padre Marcelo podem servir de “vacina” às informações, já exploradas por adversários, de que o padrinho político de Russomanno é o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da TV Record, onde o candidato tinha um programa.

CHORA, SERRA

O religioso tomou a iniciativa de telefonar para Russomanno depois da divulgação das imagens em que José Serra (PSDB-SP) aparece chorando em missa com ele.

Cardeal Dom Geraldo Majella critica padres cantores: “Eu não gosto desse tipo de trabalho”

Uma das personalidades mais importantes da Igreja Católica do Brasil, fundador da Pastoral da Criança junto a Dra. Zilda Arns, o Cardeal D. Geraldo Majella criticou o trabalho dos padres cantores, durante uma entrevista à Folha de Londrina. O bispo, que está em Londrina-PR para comemorar os 25 anos de ordenação sacerdotal do pároco da Catedral Metropolitana, Monsenhor Bernard Gafá, considerou esse tipo de apostolado como ineficaz.

Veja algumas das respostas:

Sobre a realidade da Igreja Católica no Brasil, fenômenos de vendas de livros e CDs, como o padre Marcelo Rossi, fazem com que as pessoas se aproximem da Igreja?

Eu não gosto desse tipo de trabalho, por causa do fulano que canta bem ou bonito ser tratado como Deus. Isso não ajuda a formar cristãos convictos, conscientes. Na semana de Páscoa, lemos a epístola de São Pedro que diz: “O cristão deve saber dar as razões de sua fé”. A pessoa deve saber por que crê em Deus, por que faz o que Ele ensinou.

Mas não é um trabalho que ajuda as pessoas a se aproximarem ou voltarem para a Igreja Católica, que tem perdido fiéis?

Se ajudar, bem. Às vezes uma música ou uma palavra toca nas pessoas, mas nem todas têm a mesma consciência de sua fé, por isso não colocam em prática.

Em resumo, o senhor está dizendo que a forma de trabalhar de padres que atraem multidões não agrada?

Não me agrada e não vejo que traga uma conversão autêntica, dentro de um contexto geral de receber aquilo que Cristo já ensinou.

Matéria do blog http://portadafe.wordpress.com/