Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo

Evangelho – Jo 18,1-19,42

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo João 18,1-19,42 Prenderam Jesus e o amarraram. Naquele tempo:

1 Jesus saiu com os discípulos

para o outro lado da torrente do Cedron.

Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos.

2 Também Judas, o traidor, conhecia o lugar,

porque Jesus costumava reunir-se aí

com os seus discípulos.

3 Judas levou consigo um destacamento de soldados

e alguns guardas dos sumos sacerdotes e fariseus,

e chegou ali com lanternas, tochas e armas.

4 Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer,

saiu ao encontro deles e disse: ‘A quem procurais?’

5 Responderam: ‘A Jesus, o nazareno’.

Ele disse: ‘Sou eu’.

Judas, o traidor, estava junto com eles.

6 Quando Jesus disse: ‘Sou eu’,

eles recuaram e caíram por terra.

7 De novo lhes perguntou:

‘A quem procurais?’

Eles responderam: ‘A Jesus, o nazareno’.

8 Jesus respondeu: ‘Já vos disse que sou eu.

Se é a mim que procurais,

então deixai que estes se retirem’.

9 Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito:

‘Não perdi nenhum daqueles que me confiaste’.

10 Simão Pedro, que trazia uma espada consigo,

puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote,

cortando-lhe a orelha direita.

O nome do servo era Malco.

11 Então Jesus disse a Pedro:

‘Guarda a tua espada na bainha.

Não vou beber o cálice que o Pai me deu?’

Conduziram Jesus primeiro a Anás.

12 Então, os soldados, o comandante e os guardas dos

judeus prenderam Jesus e o amarraram.

13 Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de

Caifás, o sumo sacerdote naquele ano.

14 Foi Caifás que deu aos judeus o conselho:

‘É preferível que um só morra pelo povo’.

15 Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus.

Esse discípulo era conhecido do sumo sacerdote

e entrou com Jesus no pátio do sumo sacerdote.

16 Pedro ficou fora, perto da porta.

Então o outro discípulo,

que era conhecido do sumo sacerdote, saiu,

conversou com a encarregada da porta

e levou Pedro para dentro.

17 A criada que guardava a porta disse a Pedro:

‘Não pertences também tu aos discípulos desse homem?’

Ele respondeu: ‘Não’.

18 Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira

e estavam-se aquecendo, pois fazia frio.

Pedro ficou com eles, aquecendo-se.

19 Entretanto, o sumo sacerdote interrogou Jesus

a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento.

20 Jesus lhe respondeu:

‘Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na 

sinagoga e no Templo, onde todos os judeus se reúnem.

Nada falei às escondidas.

21 Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que 

falei; eles sabem o que eu disse.’

22 Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava

deu-lhe uma bofetada, dizendo: 

‘É assim que respondes ao sumo sacerdote?’

23 Respondeu-lhe Jesus: ‘Se respondi mal, mostra em quê;

mas, se falei bem, por que me bates?’

24 Então, Anás enviou Jesus amarrado para Caifás,

o sumo sacerdote.

Não és tu também um dos discípulos dele? Pedro negou: ‘Não!

25 Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se.

Disseram-lhe:

‘Não és tu, também, um dos discípulos dele?’

Pedro negou: ‘Não!’

26 Então um dos empregados do sumo sacerdote,

parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha,

disse: ‘Será que não te vi no jardim com ele?’

27 Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou.

O meu reino não é deste mundo.

28 De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador.

Era de manhã cedo.

Eles mesmos não entraram no palácio,

para não ficarem impuros e poderem comer a páscoa.

29 Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse:

‘Que acusação apresentais contra este homem?’

30 Eles responderam: ‘Se não fosse malfeitor,

não o teríamos entregue a ti!’

31 Pilatos disse: ‘Tomai-o vós mesmos

e julgai-o de acordo com a vossa lei.’

Os judeus lhe responderam:

‘Nós não podemos condenar ninguém à morte’.

32 Assim se realizava o que Jesus tinha dito,

significando de que morte havia de morrer.

33 Então Pilatos entrou de novo no palácio,

chamou Jesus e perguntou-lhe:

‘Tu és o rei dos judeus?’

34 Jesus respondeu:’Estás dizendo isto por ti mesmo,

ou outros te disseram isto de mim?’

35 Pilatos falou: ‘Por acaso, sou judeu?

O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim.

Que fizeste?’.

36 Jesus respondeu: ‘O meu reino não é deste mundo.

Se o meu reino fosse deste mundo,

os meus guardas lutariam para que eu não

fosse entregue aos judeus.

Mas o meu reino não é daqui.’

37 Pilatos disse a Jesus: ‘Então tu és rei?’

Jesus respondeu: ‘Tu o dizes: eu sou rei.

Eu nasci e vim ao mundo para isto:

para dar testemunho da verdade.

Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz.’

38 Pilatos disse a Jesus: ‘O que é a verdade?’

Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus,

e disse-lhes: ‘Eu não encontro nenhuma culpa nele.

39 Mas existe entre vós um costume,

que pela Páscoa eu vos solte um preso.

Quereis que vos solte o rei dos Judeus?’

40 Então, começaram a gritar de novo:

‘Este não, mas Barrabás!’ Barrabás era um bandido.

Viva o rei dos judeus!

19,1 Então Pilatos mandou flagelar Jesus.

2 Os soldados teceram uma coroa de espinhos

e colocaram-na na cabeça de Jesus.

Vestiram-no com um manto vermelho,

3 aproximavam-se dele e diziam:’Viva o rei dos judeus!’

E davam-lhe bofetadas.

4 Pilatos saíu de novo e disse aos judeus:

‘Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós,

para que saibais que não encontro nele crime algum.’

5 Então Jesus veio para fora,

trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho.

Pilatos disse-lhes: ‘Eis o homem!’

6 Quando viram Jesus,

os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar:

‘Crucifica-o! Crucifica-o!’

Pilatos respondeu: ‘Levai-o vós mesmos para o

crucificar, pois eu não encontro nele crime algum.’

7 Os judeus responderam: ‘Nós temos uma Lei,

e, segundo esta Lei, ele deve morrer,

porque se fez Filho de Deus’.

8 Ao ouvir estas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda.

9 Entrou outra vez no palácio

e perguntou a Jesus: ‘De onde és tu?’

Jesus ficou calado.

10 Então Pilatos disse: ‘Não me respondes?

Não sabes que tenho autoridade para te soltar

e autoridade para te crucificar?’

11 Jesus respondeu:

‘Tu não terias autoridade alguma sobre mim,

se ela não te fosse dada do alto.

Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior.’

Fora! Fora! Crucifica-o!

12 Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus.

Mas os judeus gritavam:

‘Se soltas este homem, não és amigo de César.

Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César’.

13 Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe

Jesus para fora e sentou-se no tribunal,

no lugar chamado ‘Pavimento’, em hebraico ‘Gábata’.

14 Era o dia da preparação da Páscoa,

por volta do meio-dia.

Pilatos disse aos judeus: ‘Eis o vosso rei!’

15 Eles, porém, gritavam: ‘Fora! Fora! Crucifica-o!’

Pilatos disse: ‘Hei de crucificar o vosso rei?’

Os sumos sacerdotes responderam:

‘Não temos outro rei senão César’.

16 Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado,

e eles o levaram.

Ali o crucificaram, com outros dois.

17 Jesus tomou a cruz sobre si

e saiu para o lugar chamado ‘Calvário’,

em hebraico ‘Gólgota’.

18 Ali o crucificaram, com outros dois:

um de cada lado, e Jesus no meio.

19 Pilatos mandou ainda escrever um letreiro

e colocá-lo na cruz; nele estava escrito:

‘Jesus o Nazareno, o Rei dos Judeus’.

20 Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em

que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade.

O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego.

21 Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a

Pilatos: ‘Não escrevas ‘O Rei dos Judeus’,

mas sim o que ele disse: ‘Eu sou o Rei dos judeus’.’

22 Pilatos respondeu: ‘O que escrevi, está escrito’.

Repartiram entre si as minhas vestes.

23 Depois que crucificaram Jesus,

os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes,

uma parte para cada soldado.

Quanto à túnica, esta era tecida sem costura,

em peça única de alto a baixo.

24 Disseram então entre si: ‘Não vamos dividir a túnica.

Tiremos a sorte para ver de quem será’.

Assim se cumpria a Escritura que diz:

‘Repartiram entre si as minhas vestes

e lançaram sorte sobre a minha túnica’.

Assim procederam os soldados.

Este é o teu filho. Esta é a tua mãe.

25 Perto da cruz de Jesus, estavam de pé

a sua mãe, a irmó da sua mãe, Maria de Cléofas,

e Maria Madalena.

26 Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que

ele amava, disse à mãe: ‘Mulher, este é o teu filho’.

27 Depois disse ao discípulo: ‘Esta é a tua mãe’.

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

Tudo está consumado.

28 Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado,

e para que a Escritura se cumprisse até o fim,

disse: ‘Tenho sede’.

29 Havia ali uma jarra cheia de vinagre.

Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre

e levaram-na à boca de Jesus.

30 Ele tomou o vinagre e disse: ‘Tudo está consumado’.

E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

E logo saiu sangue e água.

31 Era o dia da preparação para a Páscoa.

Os judeus queriam evitar

que os corpos ficassem na cruz durante o sábado,

porque aquele sábado era dia de festa solene.

Então pediram a Pilatos

que mandasse quebrar as pernas aos crucificados

e os tirasse da cruz.

32 Os soldados foram

e quebraram as pernas de um e depois do outro

que foram crucificados com Jesus.

33 Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava

morto, não lhe quebraram as pernas;

34 mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança,

e logo saiu sangue e água.

35 Aquele que viu, dá testemunho e seu testemunho é

verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade,

para que vós também acrediteis.

36 Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura,

que diz: ‘Não quebrarão nenhum dos seus ossos’.

37 E outra Escritura ainda diz:

‘Olharão para aquele que transpassaram’.

Envolveram o corpo de Jesus com os aromas, em faixas de linho.

38 Depois disso, José de Arimatéia,

que era discípulo de Jesus

– mas às escondidas, por medo dos judeus –

pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus.

Pilatos consentiu.

Então José veio tirar o corpo de Jesus.

39 Chegou também Nicodemos,

o mesmo que antes tinha ido a Jesus de noite.

Trouxe uns trinta quilos de perfume

feito de mirra e aloés.

40 Então tomaram o corpo de Jesus

e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho,

como os judeus costumam sepultar.

41 No lugar onde Jesus foi crucificado, havia um jardim

e, no jardim, um túmulo novo,

onde ainda ninguém tinha sido sepultado.

42 Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo

estava perto, foi ali que colocaram Jesus.

Palavra da Salvação.

-Gloria a vós Senhor❣

❤❤ ORAÇÃO❤❤

Senhor Jesus, pensando em vossa morte, não me deixo levar pela tristeza. Nos vossos últimos momentos, vós nos falais de vida, de comunidade fraterna,de família dos filhos de Deus. E nos dizeis que entre nós irmãos e irmãs temos Maria. Que é nossa irmã e também nossa mãe, porque foi através dela que viestes  viver nossa vida para nos fazer viver da vossa, dá vida divina.

Amém❣

Hoje é um dia de meditar a Paixão de Nosso Senhor por nós. Esse amor é tão grande que ele se fez carne, habitou entre nós e padeceu. Sofreu. Foi açoitado, esbofeteado, torturado. Tudo para que tenhamos a vida. Vida em abundância. Vida eterna. Convido a todos a rezerem, a partir de hoje, na sua casa, no seu trabalho, ou junto a comunidade a Novena em honra a Divina Misericórdia

  

As últimas palavras do Senhor

O profeta Isaías mostra-nos que Jesus foi para a cruz “como um cordeiro que se conduz ao matadouro (Ele não abriu a boca)” (Is 53,7). Mas o Senhor quis deixar-nos as suas últimas palavras, já pregado na Cruz. Sabemos que as últimas palavras de alguém, antes da morte, são aquelas que expressam as suas maiores preocupações e recomendações. A Igreja sempre guardou essas “Sete Palavras” com profundo amor, respeito e devoção, procurando tirar delas todo o seu riquíssimo significado.

5474341036_1602d55094_z

1- “Pai, perdoai-lhes porque eles não sabem o que fazem” (Lc 23,34).

Com essas palavras Jesus selava todo o seu ensinamento sobre a necessidade de “perdoar até os inimigos”( Mt 5,44) . Na Cruz o Senhor confirmava para todos nós que é possível, sim, viver “a maior exigência da fé cristã”: o perdão incondicional a todos. Na Cruz Ele selava o que tinha ensinado: “Não resistais ao mau. Se alguém te feriu a face direita, oferece-lhe também a outra… Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem. Deste modo sereis filhos do vosso Pai do céu, pois ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons” (Mt 5,44-48). “Se não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará”( Mt 6,14). Certa vez Pedro perguntou-Lhe:“Senhor, quantas vezes devo perdoar meu irmão, quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?” “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete” (Mt 18, 21-22).

2- “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso” (Lc 23,43).

Com essas palavras de perdão e amor ao “bom” ladrão, Jesus nos mostra de maneira inequívoca o oceano ilimitado de sua misericórdia. Bastou Dimas confiar no Coração Misericordioso do Senhor, para ter-lhe abertas, de imediato, as portas do Céu.

Não é à toa que a Igreja ensina que o pior pecado é o da desesperança, o de não confiar no perdão de Deus, por achar que o próprio pecado possa ser maior do que a infinita misericórdia do Senhor. Uma grande tentação sempre será, para todos nós, não confiar na misericórdia de Deus. Santa Teresinha do Menino Jesus dizia: “como a misericórdia e a bondade do coração de Jesus são pouco conhecidas!” “Jesus, eu confio em Vós”.

3- “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?” (Mt 27,46).

Estas palavras, que também estão no Salmo 21, mostram todo o aniquilamento do Senhor. É aquilo que São Paulo exprimiu muito bem aos filipenses: “aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo” (Fil 2,8).

Jesus sofreu todo o aniquilamento possível de se imaginar: moral, psicológico, afetivo, físico, espiritual, enfim, como disse o profeta: “foi castigado por nossos crimes e esmagado por nossas iniquidades…” (Is 53,5).

Depois de tudo isto “ninguém tem mais o direito de duvidar do amor de Deus”. Será uma grande blasfêmia alguém dizer que Deus não lhe ama, depois que Jesus sofreu tanto para assumir em si o pecado de todos os homens e de cada homem. Paulo disse aos Gálatas: “Ele morreu por mim”(Gal 5,22).

4- “Mulher, eis aí o teu filho”… “Filho, eis aí tua Mãe” (Jo19,26).

Tendo entregado-se todo pela nossa salvação, já prestes a morrer, Jesus ainda nos quiz deixar o que Ele tinha de mais precioso nesta vida, a sua querida Mãe. E como Jesus confiava nela! A tal ponto de querê-la para nossa Mãe também. Todos aqueles que se esquecem de Maria, ou, pior ainda, a rejeitam, esquecem e rejeitam também a Jesus, pois negam receber de Suas mãos, na hora suprema da Morte, o seu maior Presente para nós.

5. “ Tenho sede! ” (Jo 19,28).

Dizem os Padres da Igreja que esta “sede” do Senhor mais do que sede de água, é sede de almas a serem salvas, com o seu próprio Sacrifício que se consumava naquela hora. E esta “sede” de Jesus continua hoje, mais forte do que nunca.

Muitos ainda, pelos quais ele derramou o seu sangue preciosíssimo, continuam vivendo uma vida de pecado, afastados do amor de Deus e da Igreja. Quantos e quantos batizados, talvez a maioria, nem sequer vai à Missa aos domingos, não sabe o que é uma Confissão há anos, não comunga, não reza, enfim, vive como se Deus não existisse…

6- “Tudo está consumado” (Jo 19,30).

Nos diz São João: “sabendo Jesus que tudo estava consumado…”, isto é, Jesus tinha plena consciência que tinha cumprido “toda” a sua missão salvífica, conforme o desígnio santo de Deus. Enquanto tudo não estava cumprido, Ele não “entregou” o seu espírito ao Pai. Assim, fica bem claro que a nossa salvação depende agora de nós, porque a parte de Deus já foi perfeitamente cumprida até às últimas consequências.

7- “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23,46).

Confiando plenamente no Pai, que Ele fizera também nosso Pai ao assumir a nossa humanidade, Jesus volta para Aquele que tanto amava. É o seu destino, o coração do Pai; e é o nosso destino também. Ao voltar para o Pai, Jesus indica o nosso fim; o seio do Pai, o Céu. “Vós sois cidadãos do Céu” (Fil 3,20), grita o Apóstolo; por isso, como diz a Liturgia, é preciso “caminhar entre as coisas que passam, abraçando somente as que não passam”.

Prof. Felipe Aquino