Arquivo da tag: Paris

Eu não sou “Charlie Hebdo” e não apoio o terrorismo

Estamos chocados com a maldade humana. E não é de agora. Desde os primórdios da humanidade. Foi assim com Caim e Abel. Foi assim com Hitler. Foi assim com as  Torres Gêmeas. Com EUA no Vietnã. Foi assim com o massacre não falado, mas real, massacre da Nigéria e que a mídia nem comentou, afinal não era na Europa. E é assim com Charlie Hebdo.

Eu não sou Charlie Hebdo. Eu não sou a favor dos terroristas.
Eu não sou Charlie Hebdo. Eu não sou a favor dos terroristas.

Contudo, colocar uma virgula depois de “Eu sou Charlie Hebdo” ou dizer “Eu não sou Charlie Hebdo” não significa que você, eu e qualquer outra pessoa é a favor do terrorismo. Não mesmo. Significa que pensamos e enxergamos a história com olhos mais abertos e com menos manipulação midiática.

Não vou me estender nesse assunto. Apenas rezo pelas vítimas do atendado, que é injustificável, afinal, para quem já estudou um pouco sobre o islamismo, sabe que a religião prega a paz. Também sabemos que há radicais em tudo e não só nas religiões. Portanto, elas não são culpadas pelas mortes, mas sim homens que almejam muito mais que conviver e sim dominar o outro.

Apenas elenco para vocês ótimos textos, que poderão lhe ajudar a entender meu ponto de vista e de tantos outros mundo afora contra o terrorismo e a libertinagem de expressão. Assunto para outro post aqui no blog.

Leia:

  1. Estadão | Eu não sou Charlie Hebdo
  2. Aleteia | Eu condeno o atendado, mas não sou Charlie Hebdo
  3. Leonardo Boff | Eu não sou Charlie, je ne suis pas Charlie
  4. Brasil 247 | Porque eu não sou Charlie
  5. Dies Irae | Finalmente, sobre Charlie Hebdo e os atentados em Paris

Um parentese

Líderes mundiais marcharam na França em favor da liberdade de expressão, mas não marcham contra a fome, contra a perseguição cristã pelo Estado Islâmico. Contra o Boko Haram. Contras intervenções militares americanas. Contra as imposições americanas a diversos países do mundo. Contra a pobreza. Contra o destruição do meio ambiente. Contra… Ironias. Boa parte dos líderes ali presentes, em seus países são verdadeiros censuradores. Ironias.

Para mim, falta mais humanidade na humanidade. Falta Deus.

Ativista do Femen simula aborto e urina em frente ao altar de igreja em Paris

As palavras “344 cadelas” se referem às mulheres que assinaram pedido para descriminalizar o aborto
As palavras “344 cadelas” se referem às mulheres que assinaram pedido para descriminalizar o aborto

Uma ativista feminista do Femen simulou na última sexta-feira (20) um aborto em frente ao altar da Igreja La Madeleine, em Paris. Depois da simulação ela urinou no altar. Algumas pessoas relatam que no dia 21 também houve uma ação similar na Praça São Pedro.

A ativista, com os seios expostos, foi até o altar na manhã da última sexta-feira (20) no momento que cerca de dez integrantes de um coral ensaiavam para as missas em preparação ao natal. De acordo com o padre, a jovem depositou um pedaço de fígado de boi representando um feto antes de urinar nas escadas do altar.

A ativista, diga-se consagrada ao demônio deixou a igreja sem pronunciar uma única palavra.

344 cadelas

Segundo o fotógrafo da AFP, as palavras “344 cadelas” estavam escritas em sua barriga, em referência ao manifesto das 343 mulheres que assinaram na França um pedido pela descriminalização do aborto e pela legalização da interrupção voluntária da gravidez em abril de 1971. Em suas costas estava escrito “Christmas is aborted” (O Natal está abortado).

Caso de polícia

Uma investigação policial foi iniciada depois que o padre apresentou uma queixa contra a ativista.

Praça São Pedro

Na quinta-feira, uma ucraniana do Femen tirou sua camisa na Praça São Pedro, no Vaticano, para protestar contra a condenação do aborto pela Igreja Católica.

“Christmas is canceled, Jesus is aborted” (“O Natal está cancelado, Jesus foi abortado”, teria gritado ele várias vezes, com os seios à mostra exibindo a mesma frase pintada com letras coloridas.

com informações de Bíblia Católica

Um mar de gente em Paris para dizer não ao “casamento gay”

Blog Fratres in Unum.com – Um domingo histórico para o ocidente, cujas raízes cristãs são cada vez mais renegadas pelos filhos da Igreja e cruelmente atacadas pelo laicismo maçônico.

Reeditando as manifestações da metade de novembro passado, então minimizadas pelo governo socialista de François Hollande, cidadãos de bem se reuniram na capital francesa para dizer um rotundo não ao projeto intitulado “Mariage pour tous” [“Casamento para todos”], que pretende instituir o “casamento” entre duplas homossexuais, sancionando a elas a faculdade de adotar crianças.

Paris, 13 de janeiro de 2013: um mar de gente diz não ao casamento gay.

“Manif pour tous” [“Manifestação para todos”, um trocadilho com o nome do projeto de lei], a maior das mobilizações, partiu de três pontos da cidade sob a liderança da humorista Frigide Barjot. Declarando-se apolítica e independente, congregou pessoas das mais variadas correntes e afiliações, com o apoio da hierarquia da Igreja francesa — o Cardeal Arcebispo de Paris, Dom André Vingt Trois, manifestou seu apoio às lideranças, enquanto o Cardeal Primaz, Philippe Barbarin, caminhou com o povo.

Os manifestantes exigiam do governo Hollande a realização de um referendo sobre o tema, antes de sua discussão no congresso. O apoio ao casamento gay na França caiu cerca de 10 pontos percentuais desde que opositores começaram a se mobilizar, chegando aos 55%. E, de acordo com pesquisas, menos da metade dos entrevistados aprovavam a adoção de crianças por homossexuais.

A declaração final do “Manif pour tous” solicitou ao presidente francês que recebesse os líderes do movimento nesta segunda-feira, lançando um questionamento ao mandatário do país da igualdade: “O « mariage pour tous » é a inserção em nosso direito de uma discriminação fundamental entre os seres humanos: aqueles que nascerão de um pai e de uma mãe, aqueles que serão legalmente “nascidos” de dois pais e aqueles que serão legalmente “nascidos” de duas mães. Será o senhor, Presidente da República, quem abolirá a igualdade de nascimento entre as crianças?”

Exclusivamente católico.

Instituto Civitas: mulher reza o terço antes do início da manifestação. No chão, o cartaz: "A família é sagrada!".

Instituto Civitas: mulher reza o terço antes da manifestação. No chão, o cartaz: “A família é sagrada!”.

Um quarto cortejo foi formado pelo Instituto Civitas, que preferiu organizar uma mobilização especificamente católica partindo de outro ponto da cidade, distanciando-se, assim, do que o superior distrital da Fraternidade São Pio X, Pe. Regis de Cacqueray, qualificou de “ateísmo de fato em nome do consenso e da busca pelo número“ da manifestação liderada por Barjot.

“Esta neutralidade que coloca Nosso Senhor Jesus Cristo de lado sempre foi condenada pelos Papas”, afirmou o superior, acrescentando ser necessário dizer abertamente: “a pederastia é um pecado grave, uma transgressão à lei natural, condenada nos termos mais severos pelo livro do Levítico, assim como por São Paulo. Consequentemente, a celebração da união de duas pessoas do mesmo sexo pelo casamento constitui um verdadeiro contra-senso e uma abjeção”, que tornaria a sociedade um “verdadeiro inferno”.

Governo não voltará atrás, apesar de manifestação ‘consistente’.

Todos os grupos se encontraram, no meio da tarde, na esplanada do  Champ-de-Mars, uma das maiores áreas verdes de Paris localizada nos arredores da Torre Eiffel.

A Ministra da Justiça francesa, Christiane Taubira, idealizadora do projeto, veta o referendo.

A Ministra da Justiça francesa, Christiane Taubira, idealizadora do projeto, veta o referendo.

De acordo com Le Monde, “independente da amplitude da manifestação, o presidente François Hollande teria deixado claro que o projeto irá ‘a seu termo’. O texto que introduz esta reforma foi apresentado em 7 de novembro ao conselho dos ministros. Ele deve ser submetido à Assembléia Nacional no fim de janeiro. ‘A manifestação, se acreditarmos nas imagens e nas cifras que devem ser confirmadas, é consistente e exprime uma sensibilidade que deve ser respeitada, mas não modifica a vontade do governo de lançar um debate no Parlamento para permitir a votação da lei’, declarou [em nota] o Palácio de Elysée antes da divulgação do número de participantes”. 

Debate a ser lançado apenas na Assembléia, onde a vitória é mais provável. Para a ministra da justiça, Christiane Taubira, toda idéia de consulta à população está descartada e seria “inconstitucional”. A meta do governo é aprovar o projeto até junho deste ano.

Um mar — tranquilo — de gente.

Um ambiente ordeiro e familiar, de jovens a idosos, residentes na capital francesa ou provenientes do interior — foram cinco trens de alta velocidade, 900 ônibus e inúmeros comboios de carros. Segundo as autoridades policiais, 340 mil pessoas, das quais 8 mil no cortejo organizado pelo Instituto Civitas, estiveram presentes na manifestação.

A organização, todavia, que inicialmente declarou haver 500 mil pessoas, refez as contas no início da noite e confirmou a presença de 1 milhão de pessoas. De sua parte, o Instituto Civitas contabilizou em suas fileiras cerca de 50 mil pessoas. O Padre Phillippe Laguerie, do Instituto do Bom Pastor, fala em 1 milhão e meio de pessoas ao todo. Alguns policiais afirmaram ao sacerdote: “Mesmo no Ano Novo, nos Champs Elysée, nunca vimos isso”. Ao padre, a conclusão é evidente: “Taubira, fora. Ela e seu projeto do diabo”.

Inquestionavelmente, a maior manifestação ocorrida na França nos últimos 30 anos, como definiu o Le Figaro. Em dezembro, os partidários do casamento gay também marcharam pelas ruas de Paris: 60 mil pessoas, segundo a polícia, e 150 mil, segundo os organizadores.

Lição aos católicos.

O evento de hoje é uma clara lição à hierarquia católica de como suas palavras podem mobilizar as pessoas. Se o empenho de nossos pastores em participar de comissões, organizar planos pastorais e outras burocracias eclesiásticas, fosse canalizado à defesa dos valores morais e da Fé, as coisas seriam muito, muito diferentes.