Imprensa mundial: “Papa Francisco considera acabar com o celibato” #SQN

O que são frases recortadas e colocadas na boca das pessoas. Não estou aqui discutindo o fim ou a permanência do celibato, mas manipulação das palavras e imposição de ideologias por parte de alguns veículo midiáticos.

Dom Pietro Parolin (Foto: Osservatore (CC BY-SA 3.0)
Dom Pietro Parolin (Foto: Osservatore (CC BY-SA 3.0)

Nesta semana importantes meios de comunicação secular – jornais, TV, rádio e outros veículos de impressa comuns – disseram que o Papa Francisco estudava a possibilidade de por fim ao celibato na igreja. Isto baseados numa declaração não do pontífice, mas do atual Núncio Apostólico na Venezuela e Secretário de Estado nomeado, Dom Pietro Parolin, concedeu ao jornal venezuelano “El Universal”. Em contraponto a essas informações autoridades eclesiais afirmaram que o papa em nenhum momento pensou nisso.

Durante a entrevista, o Arcebispo que assumirá a Secretaria de Estado em outubro, falou sobre vários temas e amistosamente evitou que o ponto de vista do jornalista fosse imposto. Tais como a convocação de um Concílio Vaticano III ou comunhão com teologias reformistas com a de Hans Küng, teólogo dissidente suíço.

A ACI Digital publicou em seu site um trecho da entrevista e a frase usada como base para os boatos da semana. Leia.

Jornalista: O celibato não é….

Dom Parolin: Não é um dogma da Igreja e se pode discutir porque é uma tradição eclesial.

Esta foi a frase sobre a qual os meios construíram não apenas a hipótese de que o futuro Secretário de Estado “abria a porta” à discussão sobre o celibato; mas que mesmo Papa Francisco o estava fazendo.

Em efeito, um comentarista consultado pela influente rede televisiva norte-americana NBC, Thomas Groome, professor de teologia de Boston College, assinalou que “dificilmente Parolin teria feito este comentário se não tivesse a impressão de que o Papa estaria aberto a ter esta conversação”.

Entretanto, Groome e outros peritos consultados pelos meios seculares ignoraram a primeira parte da entrevista de El Universal, onde Dom Parolin assinala claramente que ainda está por familiarizar-se com os objetivos do Pontífice.

“A verdade”, diz Parolin na entrevista, “é que não falei muito com ele e penso que quando tiver a graça e a oportunidade, perguntarei a ele o porquê desta eleição. Assim não saberia dizer qual foi a razão pela qual o Papa pensou em mim. Posso dizer, entretanto, que me sinto muito afim a sua maneira de entender a Igreja e, sobretudo, a seu estilo de simplicidade e de proximidade às pessoas, a seu ânimo de escutá-las e de tentar, seriamente, que a Igreja possa voltar a ter uma presença significativa no mundo de hoje”.

Consultado sobre a entrevista concedida pelo futuro Secretário de Estado, o porta-voz da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, assinalou que “o que o Arcebispo Parolin falou é totalmente consistente com o ensinamento da Igreja”.

Em efeito, para a Igreja, o celibato sacerdotal é uma disciplina, não um dogma. Portanto, a diferença do dogma, pode teoricamente mudar.

Entretanto, os meios seculares internacionais ignoraram importantes passagens da mesma entrevista, em que Dom Parolin explicou o valor do celibato.

Segue abaixo uma parte de como continuou a pequena passagem da entrevista citada no mundo inteiro:

Jornalista: “A que época se remonta o celibato?”

Dom Parolin: “Aos primeiros séculos. Depois, a implementação se aplicou durante todo o primeiro milênio, mas a partir do Concílio de Trento se insistiu muito nisso. É uma tradição e esse conceito permanece na Igreja porque ao longo de todos estes anos ocorreram acontecimentos que contribuíram para desenvolver a revelação de Deus. Esta finalizou com a morte do último apóstolo (São João). O que aconteceu depois foi um crescimento na compreensão e atuação da revelação.

Jornalista: A propósito do celibato…

Dom Parolin: O esforço que a Igreja fez para estatuir o celibato eclesiástico deve ser considerado. Não se pode dizer, simplesmente, que pertence ao passado. É um grande desafio para o Papa porque ele possui o ministério da unidade e todas essas decisões devem assumir-se como uma forma de unir à Igreja, não de dividi-la. Então se pode falar, refletir e aprofundar sobre estes temas que não são de fé definida e pensar em algumas modificações, mas sempre ao serviço da unidade e tudo segundo a vontade de Deus. Não se trata do que eu gosto, mas sim de sermos fiéis ao que Deus quer para a sua Igreja.

Em outra passagem da mesma entrevista, quando o jornalista tenta apresentar o Papa Francisco como um “revolucionário” que trará mudanças radicais, o Arcebispo Parolin esclarece:

“Assim é. Mas essas mudanças não podem colocar em perigo a essência da Igreja, que tem uma continuidade na história proveniente de sua fundação por Jesus Cristo. Então se deve ser fiel. A Igreja nunca poderá mudar ao ponto de adaptar-se completamente ao mundo. Se o fizesse e se perdesse nele, já não cumpriria sua missão de ser sal e luz para todos”.

Mais adiante Dom Parolin continua: “E quero destacar o tema da continuidade porque às vezes parece (e não sei se exagero) que o Papa Francisco vai revolucionar tudo, mudar tudo”.

Jornalista: “Não é isso o que se espera dele?”

Dom Parolin: “Espera-se que ele ajude à Igreja a ser Igreja de Jesus e a cumprir a sua função. Isso é o que devem fazer todos os papas. Mas a Igreja tem uma Constituição, uma estrutura, uns conteúdos que são os da fé e que ninguém pode mudar”.

Em meio da tormenta de titulares mediáticos sobre o suposto “fim do celibato”; a jornalista da revista “Time”, Elizabeth Dias, escreveu um breve, mas incisivo comentário com o título: “por que a política sobre o celibato para os sacerdotes católicos não vai mudar proximamente”.

Dias explica que Dom Parolin não fez mais que explicar a antiga e tradicional diferença na Igreja entre dogma e disciplina. O celibato é, em efeito, uma disciplina. Entretanto, a jornalista de “Time” recorda que nenhuma disciplina importante mudou na história recente da Igreja; e conclui assinalando que, por essa razão, “Dom Parolin destaca que ‘as mudanças não podem colocar em perigo a essência da Igreja, que tem uma continuidade na história proveniente de sua fundação por Jesus Cristo’”.

Com informações da ACI DIgital

Anúncios

#NotíciasdoPapa: Atividades de Setembro a Novembro; Predecessores; Viver o perdão; @Pontifex_pt; 6 meses de papado

Atividades do Papa de setembro a novembro

(ACI/EWTN Noticias).- A Santa Sé informou nesta quinta-feira o calendário de atividades que realizará o Papa Francisco durante os meses de setembro a novembro, que inclui a Santa Missa pela Jornada Mariana de 13 de outubro em que o Pontífice consagrará o mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Assim, o próximo 22 de setembro, o Papa visitará o Santuário de Nossa Senhora da Bonária em Cagliari (Itália).

Uma semana depois, em 29 de setembro, o Papa presidirá às 10h na Praça de São Pedro a Santa Missa pelo Dia dos Catequistas. No dia seguinte às 10h na Sala do Consistório, presidirá o consistório para diversas causas de canonização como a do Beato João Paulo II e a do Papa João XXIII. Continue a ler…..

Papa Francisco está em comunhão com seus predecessores

(ACI/EWTN Noticias).- O novo Secretário de Estado do Vaticano, Dom Pietro Parolin, que assumirá o cargo o próximo 15 de outubro, assinalou que as reformas na Igreja empreendidas pelo Papa Francisco não se tratam “apenas de voltar ao passado” em formas externas, mas de “voltar para os princípios institucionais da Igreja”, e também destacou que o Santo Padre está em continuidade com seus predecessores.

Em entrevista ao jornal venezuelano El Universal, o até agora Núncio Apostólico nesse país, destacou a importância de levar em consideração que na Igreja Católica “temos dois mil anos de história. Agora, esta história não passou em balde (em vão)”.

Contemplar a humanidade sofredora de Jesus para viver o perdão, exorta o Papa

(ACI/EWTN Noticias).- “A humanidade sofredora” de Jesus e a “doçura” de Maria são os dois polos a que todo cristão deve olhar para conseguir viver o que nos pede o Evangelho, assim o afirmou nesta manhã o Papa Francisco em sua homilia da Missa matutina celebrada na capela da Casa Santa Marta.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o Papa disse que o Evangelho é exigente, pede “coisas fortes” a um cristão: capacidade de perdoar, magnanimidade, amor pelos inimigos… Há só uma maneira para conseguir coloca-las em prática: “contemplar a Paixão, a humanidade de Jesus” e imitar o comportamento da Mãe.

@Pontifex_pt

Seis meses de Pontificado de Papa Francisco

A seis meses atrás a igreja conhecia seu papa. A foto abaixo foi a primeira publicada do Cardeal Jorge Bergolio como papa.

1234992_461146893993363_2030292219_n

 

Entre corvos e víboras

Novas provas da interferência indevida da Igreja no governo italiano e das irregularidades do IOR, cujo diretor temia ser assassinado

As denúncias voltam a comprometer o recém-demitido Bertone com manobras escusas
As denúncias voltam a comprometer o recém-demitido Bertone com manobras escusas

CARTA CAPITAL | A demissão viria mais cedo ou mais tarde, mas nem por isso foi menos incômoda, do secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone. Bertone insistiu em que o saldo de seus sete anos no cargo foi positivo e atribuiu as acusações dirigidas contra ele a “uma rede de corvos e víboras”. Será substituído pelo arcebispo italiano Pietro Parolin, núncio na Venezuela desde 2009, que assumirá o cargo em 15 de outubro. Nem por isso cessou o vazamento de escândalos que marcou sua gestão.

O jornal italiano La Repubblica publicou na quinta-feira 5 um novo vazamento de cartas, e-mails e relatórios referentes a negociações secretas entre o Vaticano e o partido Povo da Liberdade (PdL) de Silvio Berlusconi e uma intromissão muito maior do que se suspeitava da Cúria e da Conferência Episcopal Italiana (CEI) no seu governo e no de seu sucessor Mario Monti.

Evidenciaram-se pressões para manter isentos de impostos os serviços e imóveis da Igreja, alterar a lei do testamento biológico (sobre orientações do paciente em relação a procedimentos médicos no caso de lesões cerebrais irreversíveis), socorrer instituições ligadas aos interesses do Vaticano, bem como para influir em nomeações na RAI e na própria formação do governo Monti.

No mesmo dia 5, o Corriere della Sera revelou a correspondência mantida pelo então diretor do IOR, o Banco do Vaticano, Ettore Gotti Tedeschi, com monsenhor Georg Gänswein, secretário de Bento XVI. Denunciava irregularidades sem conta e lá pelas tantas escreve: “Receio que me matem”.