Por que se confessar com o sacerdote?

Jesus ao instituir o sacramento da Reconciliação, na noite de Páscoa, apareceu aos Apóstolos reunidos; soprou-lhe na face e disse:

“Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, serão perdoados; àqueles aos quais os retiverdes, serão retidos” (Jo 20,22-23).

Ora, se Jesus assim decidiu, é porque assim é o melhor para todos nós. Ou será que alguém vai querer contestar Jesus?

Seria muito fácil, cômodo e fácil para a Igreja se Jesus tivesse mandado a gente se confessar diretamente com Deus, mas Ele não quis assim; quis que salvação fosse administrada pelos Apóstolos e a quem eles concedessem esse poder pelo sacramento da Ordem.
Assim, o sacerdote para dar o perdão ao penitente precisa saber de sua disposição para deixar o pecado. É ordem de Jesus.

A praxe de confessar faltas ao sacerdote já estava em vigor no Antigo Testamento.  O livro do Levítico mostra vários casos em que o perdão do pecado era realizado através de confissão. Um caso de confissão pública:

“Aquele que se tornar culpado de uma destas três coisas (recusa de testemunho, contatos impuros, juramentos levianos), confessará o pecado cometido, e o sacerdote fará por ele o rito de expiação” (Lv 5,5s).

Em outros casos a confissão era feita diretamente ao sacerdote, como em Lv 5,23-25:

“Se alguém pecar recusando devolver ao próximo algo extorquido ou roubado… deverá restituir o valor ao proprietário respectivo. Depois levará ao Senhor, como sacrifício de reparação, um carneiro, sem defeito, do seu rebanho; será avaliado segundo o valor estabelecido pelo sacerdote para um sacrifício de reparação”.

Isto prevê que o sacerdote pondere a gravidade do pecado e aplique o tipo de reparação (penitência) necessária, o que supõe, logicamente, a confissão feita ao sacerdote. O mesmo pode se ver em Nm 5,5-7.

Vemos então que a Confissão com o sacerdote não é algo inventado pela Igreja.

Deus quis e quer, distribuir a graça aos homens mediante ministros e sinais sensíveis, pois somos por natureza sociais e dependentes das coisas visíveis; a via normal para a nossa santificação é a via dos sacramentos.

Santo Agostinho usava uma comparação para explicar isso: Cristo ressuscitou a Lázaro, mas quis que os discípulos o desatassem de suas faixas e o restituíssem a liberdade (cf. Jo 11, 14); assim, é o Senhor quem perdoa os pecados; para fazê-lo, porém, não dispensa o trabalho de seus ministros (In os. 101 enarr. 2,3; serm. 195, 2).

Cristo perdoa os pecados e os seus discípulos tiram as faixas que impedem a movimentação do pecador.

Executando a ordem do Senhor, a Igreja desde a geração apostólica exerceu “o poder das chaves”.

Os Bispos e os presbíteros têm, em virtude do sacramento da Ordem, o poder de perdoar todos os pecados” em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

Sabemos já que o perdão dos pecados reconcilia com Deus, mas também com a Igreja.

Quando o sacerdote celebra o sacramento da Penitência, realiza o ministério do Bom Pastor, que busca a ovelha perdida; do bom samaritano, que cura as feridas; do Pai, que espera o filho pródigo e o acolhe ao voltar; do justo juiz, cujo julgamento é justo e misericordioso ao mesmo tempo. Ele é o sinal e o instrumento do amor misericordioso de Deus para com cada pecador, individualmente.

A Igreja ensina que o confessor deve unir-se à intenção e à caridade de Cristo; ter respeito e delicadeza diante daquele que caiu; deve amar a verdade, ser fiel ao Magistério da Igreja e conduzir, com paciência, o penitente à cura e à plena maturidade. Deve orar e fazer penitência por ele, confiando-o à misericórdia do Senhor. (§ CIC 1466)

O sacerdote também não pode fazer uso do conhecimento da vida dos penitentes adquirido pela Confissão. Este segredo, que não admite exceções, chama-se “sigilo sacramental”. (Texto do Prof. Felipe Aquino)

Como se preparar para a confissão

1. Orações para infundir na alma o arrependimento necessário para a confissão

– Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo, Amém.

a. Vinde, Espírito Santo 

– Vinde, Esp írito Santo, e enchei os corações dos vossos fiéis, e acendei neles o fogo do vosso amor.

Enviai, Senhor o vosso Espírito, e tudo será Criado, e renovareis a face da terra.

Ó Deus, que instruistes os vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, e gozemos sempre da sua consolação, por Cristo, Senhor nosso, Amém.

b. Pai Nosso, Ave Maria e Glória 

– Pai nosso, que estais no c éu, santificado seja o Vosso Nome; venha a nós o Vosso Reino, seja feita a Vossa Vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos têm ofendido, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal, Amém.

– Ave, Maria, Cheia de Graça! O Senhor é contigo, bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre, Jesus! Santa Maria, mãe de Deus, roga por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte, Amém.

– Glória ao Pai, ao Filho, e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre, Amém.

– Ó, meu Jesus, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu, principalmente as que mais precisarem!

c. Salmo 50 – chamado “Miserere”

(que quer dizer “tem piedade”, que é a primeira palavra do Salmo).

1.Ao mestre de canto. Salmo de Davi.

2.Quando o profeta Natã foi encontrá-lo, após o pecado com Betsabé

3.Tende piedade de mim, ó Deus, segundo a vossa bondade, e conforme a imensidade de vossa misericórdia, apagai a minha iniqüidade.

4.Lavai-me totalmente de minha falta, e purificai-me do meu pecado.

5.Eu reconheço a minha iniqüidade, diante de vós está sempre o meu pecado.

6.Só contra vós pequei, o que é mau fiz diante de vós. Vossa sentença assim se manifesta justa, e reto o vosso julgamento.

7.Eis que nasci na culpa, minha mãe concebeu-me no pecado.

8.Não obstante, amas a sinceridade de coração; infunde-me, pois, a sabedoria no mais íntimo de mim.

9.Aspergi-me com um ramo e ficarei puro; lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve.

10.Fazei-me ouvir uma palavra de gozo e de alegria, para que exultem os ossos que triturastes.

11.Dos meus pecados desviai os olhos, e minhas culpas todas apagai.

12.Ó meu Deus, criai em mim um coração puro, e renovai-me o espírito de firmeza.

13.De vossa face não me rejeiteis, e nem me priveis de vosso Santo Espírito.

14.Restituí-me a alegria da salvação, e sustentai-me com uma vontade generosa.

15.Então, aos maus ensinarei vossos caminhos, e voltarão a vós os pecadores.

16.Deus, ó Deus, livrai-me da pena deste sangue derramado; E a vossa misericórdia a minha língua exaltará.

17.Senhor, abri meus lábios, a fim de que minha boca anuncie os vossos louvores.

18.Vós não vos aplacais com sacrifícios rituais; e se eu vos oferecesse um sacrifício vós não aceitaríeis;

19.Meu sacrifício, ó Senhor, é um espírito contrito; um coração arrependido e humilhado, ó Deus, não haveis de desprezar.

20.Senhor, pela vossa bondade, tratai Sião com benevolência, reconstruí os muros de Jerusalém!

21.Então aceitareis os sacrifícios prescritos, as oferendas e os holocaustos; então, sobre o vosso altar vítima vos serão oferecidas.

Continuar lendo “Por que se confessar com o sacerdote?”

Anúncios

#NotíciasdoPapa: Atividades de Setembro a Novembro; Predecessores; Viver o perdão; @Pontifex_pt; 6 meses de papado

Atividades do Papa de setembro a novembro

(ACI/EWTN Noticias).- A Santa Sé informou nesta quinta-feira o calendário de atividades que realizará o Papa Francisco durante os meses de setembro a novembro, que inclui a Santa Missa pela Jornada Mariana de 13 de outubro em que o Pontífice consagrará o mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Assim, o próximo 22 de setembro, o Papa visitará o Santuário de Nossa Senhora da Bonária em Cagliari (Itália).

Uma semana depois, em 29 de setembro, o Papa presidirá às 10h na Praça de São Pedro a Santa Missa pelo Dia dos Catequistas. No dia seguinte às 10h na Sala do Consistório, presidirá o consistório para diversas causas de canonização como a do Beato João Paulo II e a do Papa João XXIII. Continue a ler…..

Papa Francisco está em comunhão com seus predecessores

(ACI/EWTN Noticias).- O novo Secretário de Estado do Vaticano, Dom Pietro Parolin, que assumirá o cargo o próximo 15 de outubro, assinalou que as reformas na Igreja empreendidas pelo Papa Francisco não se tratam “apenas de voltar ao passado” em formas externas, mas de “voltar para os princípios institucionais da Igreja”, e também destacou que o Santo Padre está em continuidade com seus predecessores.

Em entrevista ao jornal venezuelano El Universal, o até agora Núncio Apostólico nesse país, destacou a importância de levar em consideração que na Igreja Católica “temos dois mil anos de história. Agora, esta história não passou em balde (em vão)”.

Contemplar a humanidade sofredora de Jesus para viver o perdão, exorta o Papa

(ACI/EWTN Noticias).- “A humanidade sofredora” de Jesus e a “doçura” de Maria são os dois polos a que todo cristão deve olhar para conseguir viver o que nos pede o Evangelho, assim o afirmou nesta manhã o Papa Francisco em sua homilia da Missa matutina celebrada na capela da Casa Santa Marta.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o Papa disse que o Evangelho é exigente, pede “coisas fortes” a um cristão: capacidade de perdoar, magnanimidade, amor pelos inimigos… Há só uma maneira para conseguir coloca-las em prática: “contemplar a Paixão, a humanidade de Jesus” e imitar o comportamento da Mãe.

@Pontifex_pt

Seis meses de Pontificado de Papa Francisco

A seis meses atrás a igreja conhecia seu papa. A foto abaixo foi a primeira publicada do Cardeal Jorge Bergolio como papa.

1234992_461146893993363_2030292219_n

 

A força do perdão

Neste vídeo um ex-bandido, flagelado pelo câncer, e depois de conversar e provavelmente confessar com o Sacerdote quis a reconciliação com que por muito tempo foi injuriado por suas atitudes fora da lei. Lindo e comovente os atos do doente, do policial e do Padre que exerceu sua função de pastor.

Veja: