Os donos da Igreja

Isso daria um Globo Repórter. “Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?” E etc. Parece engraçado, mas de fato eles existem e as repostas para essa pergunta são bem claras. Simples até.

Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?”
Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?”

Quem são?

Toda comunidade possui suas pastorais, que possuem seus membros, coordenadores, líderes e donos. Os donos são fáceis de identificar. São aquelas pessoas que sempre regem a comunidade, mesmo sem terem cargos para isso ou ordem do sacerdote. Enfiam e tudo quanto é discussão e só aceitam a opinião deles própriosdoroteia. Se contestados e combatidos, saem da comunidade e/ou passam a sabotá-la.

É triste esse perfil. Contudo, é o mais sincero retrato de um “dono da comunidade”. Ele não contribui para o crescimento da igreja.

Onde vivem?

Geralmente não perdem uma eleição, pulando de pastoral em pastoral para não ficar sem cargo, ou simplesmente se perpetuam na coordenação de sua pastoral. Pasmem, certa vez um desses “donos da comunidade”, onde participo, chegou a emplacar um laranja para lhe substituir burlando a regra do pároco sobre eleições. Obvio que não deu certo e hoje ele nem a missa vai.

Eles vivem do nosso lado. Ajudam quando estão à frente, mas do modo deles.

Como se reproduzem?

Eles se multiplicam não muito rápido, afinal comem uns aos outros na busca do poder, mas sempre que possível deixam um “legado” negativo. Como disse antes, escolhem companheiros que tenham o mesmo perfil e que podem contribuir para manter seu poder e ele mesmo no ciclo.

Lembro, ao escrever isso, uma frase de uma amiga: “nada como ficar no banco”.

Como combatê-los?”

Eis a parte mais complicada. Não é fácil. É preciso apoio do sacerdote e dos fiéis. Nem sempre os dois estão a favor das mudanças, devido a ilusão de que tudo caminha bem. Mas o primeiro passo é simples: ORAÇÃO.

Orar nos ajuda a conectar com Deus e a ouvi-lo nítido como a luz do Sol. A oração tem outro benefício além desse, ela une a comunidade em torno da fé, esperança do reino novo e partilha da Palavra sob a luz da Eucaristia. Orar afasta os espíritos maus, que criam esse perfil nas comunidades, como a ganância por poder.

O segundo passo é SER PROFETA. Nunca deixar de ser profeta. Antes de tudo, vale lembrar que ser profeta é levar a Palavra de Deus e denunciar os erros vividos. Lembre-se de Oséias, João Batista, Daniel, Ezequiel, Rute e tantos outros exemplos que Deus nos deixou. Profetizar incomoda. Leva a mudança e desperta os justos para o caminho do Senhor.

O terceiro passo é vivenciar a sua fé na comunidade. Não adianta orar e ser profeta se sua fé não é vivenciada na comunidade. DAR TESTEMUNHO é de suma importância. Diante da insistência desse seres é preciso ter perseverança no testemunho e sempre participar das atividades da comunidade. Fortalecer os laços.

E você, como combate os “donos da igreja”? Comente.

O grande perigo em tudo isso é virar um. Por isso coloquei a oração em primeiro lugar. Lembro que uma amiga, em assembléia comunitária, me disse: “nós discutimos, mas nos amamos”. Esse é o espírito. Amar sem medida.

Por Marquione Ban

Anúncios

2ª DOR DE NOSSA SENHORA: A Fuga para o Egito

Introdução

Irmãos, quando Jesus, Maria e José fugiram para o Egito, foi grande dor saber que desejavam matar o seu filho, aquele que trazia a salvação! Maria não se aflige pelas dificuldades em terras longínquas; mas por ver seu filho inocente perseguido, por ser o Redentor. Maria suportou o exílio por amor e por alegria por Deus fazer dela cooperadora do mistério da salvação. No exílio Maria sofreu provocações, mas as portas do Céu futuramente abriam para Maria. Esta dor nos ensina a aceitar as provocações do dia-a-dia com alegria de quem sofre para agradar a Deus. Esse agir e esse procedimento chamam-se santidade. No meio da dor sofrem os infelizes, entregam-se ao desespero, porque não têm a amizade divina, que traz paz e confiança em Deus. Porisso, somos convidados a aceitar os sofrimentos por amor a Deus. Exultemos de alegria, porque grande é o nosso merecimento, assemelhando-nos a Jesus Crucificado, que tanto sofreu por amor a vossas almas.

Evangelho de Mt 2, 13 – 15

 13.Depois de sua partida, um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse: Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar.14.José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito.15.Ali permaneceu até a morte de Herodes para que se cumprisse o que o Senhor dissera pelo profeta: Eu chamei do Egito meu filho (Os 11,1).

Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/47/2.php#ixzz1qDyhgw3y

Oração 

Virgem dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares, graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Dai-nos a saúde do corpo para que possamos cumprir nossos deveres com ânimo e alegria, e com a mesma disposição sirvamos a vosso Filho Jesus.   Por N. S. J. C.  –  AMÉM.

Livro sobre vida de dom Helder Camara é lançado na CNBB

Livro_HelderResgatar a memória sobre dom Helder Câmara. Este foi o principal objetivo da pesquisa do missionário redentorista padre Edvaldo M. Araújo, professor da Faculdade de Teologia e Ciências Religiosas da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Ele é autor da pesquisa Dom Helder Câmara: Profeta-peregrino da justiça e da paz, tese de doutorado que foi agora publica pela editora Ideias e Letras. A obra foi lançada oficialmente nesta quinta-feira, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em Brasília (DF).
O autor conta que a sua proposta na obra foi realizar um estudo do pensamento de uma pessoa interessante como dom Helder Câmara. “Ele não era teólogo, nem especialista em nada, mas tinha uma visão de teologia pastoral muito grande”, explica Edvaldo. Sua principal fonte de pesquisa foi as mais de 500 conferencias proferidas pelo bispo entre 1964 e 1993, e que revelam o objetivo principal de sua missão: a realização plena do ser humano.

edvaldo

“Dom Helder enfrentou este grande desafio na vida: evangelizar na realidade de injustiça. Um grande profeta de nossa Igreja, que  passou por muitas situações na vida, mas sempre procurando discernir a vontade de Deus, procurando ser fiel também ao povo”.  Edvaldo explica que seu estudo sobre dom Hélder revelou as suas propostas na área social e humana. “Percebi como ele teve como fonte em sua atuação o pensamento, o ensino, a doutrina da Igreja. É interessante como ele tentou colocar isso em prática” revela o autor
.