Estava faltoso com vocês

IMG-20170810-WA0002 (1)
Minha mãe. Linda! Ela era zeladora da capelinha da Sagrada Família na rua onde moramos e coordenadora do Grupo de Reflexão. 

Meus irmãos e irmãs, paz e bem!

Estava faltoso com vocês aqui no blog. Até tentei postar algumas coisas aqui nos últimos meses mas estava complicado. No meu blog portfólio eu estava sem fazer postagem há mais de um ano. No entanto, tudo tem motivo. Os meus uma série de acontecimentos.

Seria mais assíduo a partir de agora. Mas gostaria de compartilhar com vocês alguns motivos dessa baixa frequência. Vou postar parte do texto aqui e convidar vocês a lerem o restante no outro blog.

O ano de 2017 foi uma ano que não quero lembrar muito. No entanto, de acordo com o muitos especialistas tenho de fazer memória. Um ano sem fazer uma postagem aqui. Sem ter cadência no blog O Anunciador. E nem conto o Pensamentos Póstumos. Foi um tempo que não desejo revisitar, mas necessito digerir.

Vamos ser redundantes e começar do começo.

Imerso na pressão da empresa viajei muito para Contagem onde havia uma unidade da faculdade. Perdi cabelos. Preocupação exacerbada com a campanha de vestibular. Números não batiam e quando batiam era para derrubar. Em oito anos de faculdade nunca havia vivenciado um período tão ruim para a educação superior quanto foi o início de 2017.

Com toda essa péssima prospecção nos restou atrasar o início das aulas e embrenhar março a dentro captando alunos. Resultado zero.

E março não trouxe coisa boa. Ainda em janeiro, ou dezembro, não lembro ao certo, minha fez uma cirurgia. Retirada simples da vesícula. Aparentemente. Em março seu médico nos liga e pede que comparecêssemos ao seu consultório. Neste dia, ouvimos abalados que mãe estava com um câncer. A vesícula se quer foi retirada. Estava atrofiada. O câncer era raro. Raríssimo. Se alojou no peritônio. Uma camada que temos e que envolve os nossos órgãos. Era o mesmo tipo que matou a Hebe Camargo.

Minha mãe faleceu em agosto. Isso me abalou muito.

Em suma, a páscoa de minha mãe me desanimou e muito. Mas por ela não posso parar. Tenho de caminhar. No blog Marquione Ban tem o restante do texto. Convido a ler.

Continue a ler aqui. 

por Marquione Ban

 

Papa Francisco é o mais falado no Facebook em 2013

Papa Francisco
Papa é o assunto mais falado no facebook

O Papa é pop. Nunca a expressão fez tanto sentido como tem feito com o Papa Francisco, papa da era digital. Ele é um dos assuntos mais falados na web este ano.  Prova disso são os dados lançados pelo facebook essa semana. Francisco foi o assunto mais comentado na rede social.

Em segundo lugar aparece a palavra Eleição. No terceiro lugar o bebê real inglês. Depois seguem respectivamente o tufão Haiyan, Margaret Thatcher, Harlem Shake e Miley Cyrus.

A Maratona de Boston (onde faleceram três pessoas devido aos atentados) e o Tour da França estão em oitavo e nono lugar, respectivamente. Nelson Mandela, depois do seu recente falecimento, aparece em décimo lugar.

Mais falados no Brasil

No Brasil o termo mais falado foi “manifestação” em referências aos diversos movimentos populares do mês de junho em diante. O Papa Francisco é o 5º assunto mais abordado no Brasil. Ele está atrás de Manifestação, Carnaval, Rock in Rio e Neymar.

Papa no facebook

Assuntos mais publicados em perfis

O acontecimento mais publicado nas perfis dos usuários foi status de relacionamento. Em “relacionamento sério com” apareceu muito este ano. Seguido pelos termos:

  • Viagens
  • Mudança de casa
  • Término de namoro ou casamento
  • Novas amizades

Outros acontecimentos também marcaram a time line do usuário do facebook, como:

  1. Ter agregado um membro da família;
  2. Esperar um bebe ou ter um;
  3. Adotar um animal de estimação;
  4. O falecimento de um ser querido;
  5. Colocar um piercing;
  6. Abandonar um hábito.

Retrospectiva

A retrospectiva do ano de 2013 pode ser acessada  AQUI. Breve O Anunciador fará a sua retrospectiva do ano, com os fatos mais marcantes a cada mês. Aguarde.

“O Papa é pop”: Vaticano cria conta no Instagram

685502_159989O Vaticano abriu uma aderiu a nova rede social do momento, o Instagram. A adesão a rede tem o objetivo de publicar fotografias instantâneas do Papa Francisco e da Praça de São Pedro. A conta já possui cerca de 15 mil seguidores e pelo visto vai aumentar de modo significativo nos próximos meses.

Segundo José Miguel Chevarría, gestor do perfil no Instagram, as fotos publicadas foram tiradas tanto por câmeras fotográficas profissionais como por dispositivos móveis. Além disso, as fotos do perfil são registradas tanto por fotógrafos profissionais quanto por funcionários do Vaticano e até mesmo por Cardeais. “Procuramos algo improvisado, mas espontâneo, fotos particulares que comuniquem por si mesmas. O objetivo é difundir a mensagem salvadora de Cristo através da imagem do Papa, e qual é a melhor maneira que seu exemplo pessoal?”, concluiu Chevarría.

O Instagram conta com mais de cem milhões de usuários e o número total de fotografias publicadas superam os milhares de milhões e atualmente podem ser compartilhadas em outras redes sociais, tais como o Facebook, Twitter e Flickr. O endereço da conta do Vaticano no Instagram é: http://instagram.com/newsva#. Acesse, siga e curta o Papa Francisco.

Com informações de Dom Total 

Redes Sociais são o tema da mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações 2013

Foi divulgada nesta quinta-feira a mensagem do Papa Bento XVI para o 47º Dia Mundial das Comunicações, que será celebrado no dia 12 de maio. Todos os anos, a mensagem é divulgada no dia 24 de janeiro, Dia de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas. O tema central deste ano são as redes sociais. Confira a seguir a íntegra do documento.

Redes sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização

Amados irmãos e irmãs,

Encontrando-se próximo o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2013, desejo oferecer-vos algumas reflexões sobre uma realidade cada vez mais importante que diz respeito à maneira como as pessoas comunicam actualmente entre si; concretamente quero deter-me a considerar o desenvolvimento das redes sociais digitais que estão a contribuir para a aparição duma nova ágora, duma praça pública e aberta onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ainda ganhar vida novas relações e formas de comunidade.

Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover eficazmente a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contactos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão. Se as redes sociais são chamadas a concretizar este grande potencial, as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por serem autênticas, porque nestes espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica-se a si mesma.

O desenvolvimento das redes sociais requer dedicação: as pessoas envolvem-se nelas para construir relações e encontrar amizade, buscar respostas para as suas questões, divertir-se, mas também para ser estimuladas intelectualmente e partilhar competências e conhecimentos. Assim as redes sociais tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade enquanto unem as pessoas na base destas necessidades fundamentais. Por isso, as redes sociais são alimentadas por aspirações radicadas no coração do homem.

A cultura das redes sociais e as mudanças nas formas e estilos da comunicação colocam sérios desafios àqueles que querem falar de verdades e valores. Muitas vezes, como acontece também com outros meios de comunicação social, o significado e a eficácia das diferentes formas de expressão parecem determinados mais pela sua popularidade do que pela sua importância intrínseca e validade. E frequentemente a popularidade está mais ligada com a celebridade ou com estratégias de persuasão do que com a lógica da argumentação. Às vezes, a voz discreta da razão pode ser abafada pelo rumor de excessivas informações, e não consegue atrair a atenção que, ao contrário, é dada a quantos se expressam de forma mais persuasiva. Por conseguinte os meios de comunicação social precisam do compromisso de todos aqueles que estão cientes do valor do diálogo, do debate fundamentado, da argumentação lógica; precisam de pessoas que procurem cultivar formas de discurso e expressão que façam apelo às aspirações mais nobres de quem está envolvido no processo de comunicação. Tal diálogo e debate podem florescer e crescer mesmo quando se conversa e toma a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas. «Constatada a diversidade cultural, é preciso fazer com que as pessoas não só aceitem a existência da cultura do outro, mas aspirem também a receber um enriquecimento da mesma e a dar-lhe aquilo que se possui de bem, de verdade e de beleza» (Discurso no Encontro com o mundo da cultura, Belém, Lisboa, 12 de Maio de 2010).

O desafio, que as redes sociais têm de enfrentar, é o de serem verdadeiramente abrangentes: então beneficiarão da plena participação dos fiéis que desejam partilhar a Mensagem de Jesus e os valores da dignidade humana que a sua doutrina promove. Na realidade, os fiéis dão-se conta cada vez mais de que, se a Boa Nova não for dada a conhecer também no ambiente digital, poderá ficar fora do alcance da experiência de muitos que consideram importante este espaço existencial. O ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade quotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. As redes sociais são o fruto da interacção humana, mas, por sua vez, dão formas novas às dinâmicas da comunicação que cria relações: por isso uma solícita compreensão por este ambiente é o pré-requisito para uma presença significativa dentro do mesmo.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afectiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus. Aliás sabemos que a tradição cristã sempre foi rica de sinais e símbolos: penso, por exemplo, na cruz, nos ícones, nas imagens da Virgem Maria, no presépio, nos vitrais e nos quadros das igrejas. Uma parte consistente do património artístico da humanidade foi realizado por artistas e músicos que procuraram exprimir as verdades da fé.

A autenticidade dos fiéis, nas redes sociais, é posta em evidência pela partilha da fonte profunda da sua esperança e da sua alegria: a fé em Deus, rico de misericórdia e amor, revelado em Jesus Cristo. Tal partilha consiste não apenas na expressão de fé explícita, mas também no testemunho, isto é, no modo como se comunicam «escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele» (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011). Um modo particularmente significativo de dar testemunho é a vontade de se doar a si mesmo aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana. A aparição nas redes sociais do diálogo acerca da fé e do acreditar confirma a importância e a relevância da religião no debate público e social.

Para aqueles que acolheram de coração aberto o dom da fé, a resposta mais radical às questões do homem sobre o amor, a verdade e o sentido da vida – questões estas que não estão de modo algum ausentes das redes sociais – encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. É natural que a pessoa que possui a fé deseje, com respeito e tacto, partilhá-la com aqueles que encontra no ambiente digital. Entretanto, se a nossa partilha do Evangelho é capaz de dar bons frutos, fá-lo em última análise pela força que a própria Palavra de Deus tem de tocar os corações, e não tanto por qualquer esforço nosso. A confiança no poder da acção de Deus deve ser sempre superior a toda e qualquer segurança que possamos colocar na utilização dos recursos humanos. Mesmo no ambiente digital, onde é fácil que se ergam vozes de tons demasiado acesos e conflituosos e onde, por vezes, há o risco de que o sensacionalismo prevaleça, somos chamados a um cuidadoso discernimento. A propósito, recordemo-nos de que Elias reconheceu a voz de Deus não no vento impetuoso e forte, nem no tremor de terra ou no fogo, mas no «murmúrio de uma brisa suave» (1 Rs 19, 11-12). Devemos confiar no facto de que os anseios fundamentais que a pessoa humana tem de amar e ser amada, de encontrar um significado e verdade que o próprio Deus colocou no coração do ser humano, permanecem também nos homens e mulheres do nosso tempo abertos, sempre e em todo o caso, para aquilo que o Beato Cardeal Newman chamava a «luz gentil» da fé.

As redes sociais, para além de instrumento de evangelização, podem ser um factor de desenvolvimento humano. Por exemplo, em alguns contextos geográficos e culturais onde os cristãos se sentem isolados, as redes sociais podem reforçar o sentido da sua unidade efectiva com a comunidade universal dos fiéis. As redes facilitam a partilha dos recursos espirituais e litúrgicos, tornando as pessoas capazes de rezar com um revigorado sentido de proximidade àqueles que professam a sua fé. O envolvimento autêntico e interactivo com as questões e as dúvidas daqueles que estão longe da fé, deve-nos fazer sentir a necessidade de alimentar, através da oração e da reflexão, a nossa fé na presença de Deus e também a nossa caridade operante: «Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine» (1 Cor 13, 1).

No ambiente digital, existem redes sociais que oferecem ao homem actual oportunidades de oração, meditação ou partilha da Palavra de Deus. Mas estas redes podem também abrir as portas a outras dimensões da fé. Na realidade, muitas pessoas estão a descobrir – graças precisamente a um contacto inicial feito on line – a importância do encontro directo, de experiências de comunidade ou mesmo de peregrinação, que são elementos sempre importantes no caminho da fé. Procurando tornar o Evangelho presente no ambiente digital, podemos convidar as pessoas a viverem encontros de oração ou celebrações litúrgicas em lugares concretos como igrejas ou capelas. Não deveria haver falta de coerência ou unidade entre a expressão da nossa fé e o nosso testemunho do Evangelho na realidade onde somos chamados a viver, seja ela física ou digital. Sempre e de qualquer modo que nos encontremos com os outros, somos chamados a dar a conhecer o amor de Deus até aos confins da terra.

Enquanto de coração vos abençoo a todos, peço ao Espírito de Deus que sempre vos acompanhe e ilumine para poderdes ser verdadeiramente arautos e testemunhas do Evangelho. «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15).

Vaticano, 24 de Janeiro – Festa de São Francisco de Sales – do ano 2013.

Informação e liberdade: o futuro das redes sociais

o-poder-das-redes-sociais-16A China é hoje o maior mercado de internet do mundo. Existem mais de 221 milhões de blogs, 181 milhões de blogueiros e 235 milhões de usuários de redes sociais, segundo informações da Red Ant (organização inglesa especializada em análise de internet e redes sociais). O cenário da mídia social é complexo, vasto e sempre em mudança. Também, progressivamente, as redes sociais estão se tornando parte crucial da vida do povo chinês, sendo um dos poucos meios que saltam as barreiras impostas pela censura do governo à informação.

Atualmente, existem milhões de cadastrados nas diversas redes sociais chinesas. O Sina Weibo é o maior microblogging do país. Seus usuários são executivos entre 20 e 30 anos de idade e 48% dos usuários acessam o microblog em seus telefones celulares, segundo dados da Fundação Centro Unitário para a Cooperação Missionária na China (Fondazione Cum). O Weibo.com – que é uma cópia do Twitter – tem mais de 200 milhões de inscritos, mais do que toda a população brasileira. O governo chinês nomeou 700 censores para administrar o microblog. Como o alfabeto chinês é baseado em ideogramas, e cada ideograma tem um ou vários significados, a quantidade de informações em 140 caracteres é muito superior ao do alfabeto latino, na qual um conjunto de letras define um significado apenas, fazendo assim com que os chineses consigam transpor a barreira da censura no país com um elevado fluxo de informações.

Segundo o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Clovis Andrade de Melo, o impacto das redes sociais na humanidade está mudando as relações interpessoais. “As redes sociais são um caminho sem volta. É um espaço dinâmico de convívio social. A censura só aumenta o desejo por conhecimento pois, quem tem a informação, tem o poder em suas mãos. Por isso a China tem em sua política o bloqueio parcial da informação, que na minha opinião é uma política equivocada”, explicou.

Não somente o Twitter é clonado, como no caso do site Weibo, as outras redes sociais também o são, como o Facebook, Blogger, Google+, LinkedIn, Instagram, Flickr, Youtube, além dos famosos motores de buscas, como o Google, Bing, Yahoo.

A lei chinesa quanto a utilização das redes sociais para fins políticos e críticas sociais é bastante rigorosa. Um dos casos mais representativos é o de Chen Wei, 42 anos, que em dezembro passado foi condenado a nove anos de prisão por quatro artigos publicados em seu blog. A acusação é de “incitação à subversão contra o poder do Estado”. Na verdade, Chen foi detido em fevereiro de 2011 por querer “promover a Primavera Árabe” na China, inspirada nas revoltas no Oriente Médio.

Para o jesuíta e integrante do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, padre Antônio Spadaro, profundo estudioso das mídias sociais, as redes sociais não são um meio de comunicação, mas o lugar da comunicação. “Não podemos pensar a rede como um instrumento, mas sim um lugar que nos permite existirmos no mundo digital”, disse o padre Spadaro em sua palestra, em Brasília (DF) no último dia 19 de maio, no Seminário para Jovens Comunicadores promovido pela CNBB.

Ainda de acordo com o padre Spadaro, hoje nenhuma mensagem passa se ela não for transmitida através de uma relação. “Comunicar não significa transmitir, mas relacionar-se. É justamente por isso que muitos canais de televisão estão morrendo pois, os únicos canais que sobreviverão serão aqueles que criarem a capacidade de interagirem com o público. A lógica das redes sociais nos faz compreender que o conteúdo oferecido está sempre ligado a pessoa que o oferece, não existindo assim comunicação neutra, ela sempre será parcial”, explicou.

No Brasil

twitter_dom_odilo1As redes sociais fazem o maior sucesso em terras tupiniquins. Pesquisas apontam que um em cada três brasileiros está conectado a internet, o que equivale a 70 milhões de pessoas. O brasileiro gasta, em média, 23 horas e 12 minutos aos mês com internet. Entre os conectados, 79% utilizam as redes sociais, ou seja, 55 milhões de pessoas. Só para ter ideia do crescimento das redes sociais no país, somente em 2008, o Twitter cresceu 1382%.

O episcopado brasileiro também faz parte das estatísticas e se utiliza das novas ferramentas para a evangelização. Seja na pessoa do cardeal, arcebispo e bispo, quanto de uma arquidiocese, diocese ou prelazia, as redes sociais são parte integrante da comunicação social moderna. As redes mais usadas são o Facebook e o Twitter.

Um dos bispos mais atuante é o cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer. “Saúdo a todos vocês, que ajudam a anunciar, também aqui no mundo digital, que ‘Deus habita esta cidade’! Se Jesus pregasse o Evangelho hoje, usaria também a imprensa escrita, o rádio, a TV, a internet, o Twitter. Dê uma chance a Ele!”, postou o arcebispo em sua estreia na mídia social.

Visão do Papa

papanotwitter“Verdade, proclamação e autenticidade da vida na era digital”, esse foi o título da mensagem do papa Bento XVI para o 45º Dia Mundial das Comunicações, no ano de 2011. O papa enalteceu pontos positivos da utilização das redes sociais como a promoção do diálogo, mas alertou para algumas condições: “Entrar no ciberespaço pode ser sinal de uma busca autêntica de encontros pessoais com os outros, desde que as pessoas estejam atentas e evitem perigos como o de se inserir em uma espécie de existência paralela ou de o exposição excessiva ao mundo virtual”.

No dia 28 de junho de 2011, o papa estreou no Twitter. Segundo o próprio Pontífice, o objetivo foi divulgar o lançamento de um portal de notícias do Vaticano, o News.va. “Queridos amigos, acabei de lançar o News.va. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo. Com minhas orações e bênçãos. Bento XVI”, foi o primeiro post do Sumo Sacerdote, na rede social.

Vigília #afavordavida toma conta das redes sociais

noaoaborto2012Está acontecendo nas Redes Sociais, principalmente no micro blog Twitter, uma manifestação online a favor da vida, por causa da votação hoje, 11, no Supremo Tribunal Federal (STF), do julgamento da ação para o aborto de fetos anencéfalos. O “twitaço”, que tem como hashtag#afavordavida, começou na noite desta terça-feira, dia 10 de abril, com a proposta de mostrar o desejo de defender a vida de crianças com anencefalia.

A manifestação faz parte das inúmeras iniciativas que estão sendo realizadas pela sociedade civil para manifestar a opinião de grande parte da população brasileira que é contrária ao aborto, em vista do julgamento que será feito em sessão extraordinária, nesta quarta-feira, a partir das 9h. A hashtag chegou a ficar em primeiro lugar nos Trending Topics do Brasil e entre os dez assuntos mais comentados do mundo.

No mesmo caminho, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) convocou a população a manifestar-se contra o aborto, especialmente através de vigílias de oração em capelas e paróquias.

Vigília em Brasília

“Estou aqui pela necessidade de defender a vida humana desde a concepção até a sua morte natural; porque defendendo os verdadeiros direitos humanos, será possível assegurar às futuras gerações uma sociedade justa e igualitária”. Assim o jovem Ari Andrade Filho explicou sua participação na Vigília pela Vida, realizada na noite desta terça-feira, 10 de abril, diante do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Além dele, aproximadamente mais 150 pessoas estavam diante da corte manifestando sua posição e rezando para que hoje os onze ministros não decidam legalizar o aborto de crianças com anencefalia no Brasil.

“A decisão que pode ser tomada nesta quarta-feira pelo Supremo, de permitir o aborto de anencéfalos, simboliza uma sociedade egoísta, uma sociedade que se torna incapaz de lidar com o sofrimento humano. Isso poderá abrir o precedente para que possamos, no futuro, nos tornar, cada vez mais, uma sociedade eugênica”, completou Ari Filho.

A cantora Elba Ramalho é uma firme defensora da vida, também participou da vigília diante do Supremo. Ela animou os jovens que se manifestaram, tanto na Praça dos Três Poderes, quanto na internet, a se manterem firmes.

O bispo emérito de Guarulhos (SP), dom Luiz Bergonzini, também participou da vigília e incentivou a participação dos jovens, lembrando que o aborto é uma usurpação do poder de Deus. “Digo aos jovens que continuem confiantes na ajuda de Deus. Continuem nessa luta, que é a luta para o bem, é a luta a favor da vida. Quem está a favor da vida, está a favor de Jesus. Jovens, coragem, vamos em frente, vamos lutar a favor da vida!”, destacou dom Luiz.

A Vigília pela Vida, diante do STF, prossegue até as 14h desta quarta-feira.

JMJ quer chegar a 1 milhão de seguidores nas redes sociais

A organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2011 lançou uma campanha para chegar a um milhão de seguidores nas redes sociais em todo mundo.

Esta iniciativa, que busca fazer que todos conheçam este grande evento, foi gerada na área de redes sociais da JMJ desde onde foi lançado o desafio para que cada um dos participantes se converta em embaixador deste encontro entre seus amigos.

“De nós depende que ninguém perca esta festa!”, diz o slogan da campanha da JMJ, traduzido do espanhol.

A JMJ está presente desde 2009 no FacebookYouTube,TwitterFlickerTuenti, para fazer que os jovens de todo o mundo conheçam do evento “sem importar o lugar onde se encontrem”.

Durante este tempo os fãs foram crescendo. Começou-se com 6 idiomas, agora são 21 no Facebook. Hoje já são mais de 300 000 fãs de 82 países que seguem a JMJ nas redes sociais; e mais de 1 milhão de reproduções no canal da JMJ no YouTube.

A JMJ, recordam os organizadores, é sobre tudo uma festa de jovens que convidam outros jovens. Uma festa da fé à qual todos estão convidados, e que conta com o apoio de todos eles para sair adiante.

A jornada deste ano acontecerá entre os dias 16 e 21 de agosto, em Madri, na Espanha.