São Francisco de Assis, rogai por nós!

​Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna

Notícias do Papa

Quem segue Cristo recebe a verdadeira paz, diz o Papa Francisco em Assis

Ao celebrar a Missa durante a sua visita a Assis, a terra de São Francisco, em uma praça lotada de fiéis e peregrinos, o Papa Francisco assinalou que o testemunho deste santo mostra que “quem segue Jesus, recebe a verdadeira paz, aquela que só Ele, e não o mundo, pode nos dar”.

O Santo Padre criticou que “São Francisco é associado por muitos à paz, e é justo, mas poucos seguem em profundidade. Qual é a paz que Francisco acolheu e viveu e nos transmite? Aquela de Cristo, passada através do amor maior, aquela da Cruz. É a paz que Jesus Ressuscitado deu aos discípulos quando apareceu em meio a eles”.

“A paz franciscana –continuou– não é um sentimento “piegas”. Por favor: este São Francisco não existe! E nem é uma espécie de harmonia panteísta com as energias do cosmo… Também isto não é franciscano! Também isto não é franciscano, mas é uma ideia que alguns construíram!”. Continue ledo aqui…..

Papa diante do túmulo de São Francisco de Assis
Papa diante do túmulo de São Francisco de Assis

Desde Assis o Papa pede escutar o grito daqueles que sofrem a violência na Síria e no mundo

Durante a Missa celebrada em Assis, a terra de São Francisco, o Papa Francisco pediu escutar “o grito daqueles que choram, sofrem e morrem por causa da violência, do terrorismo ou da guerra, na Terra Santa, tão amada por São Francisco, na Síria, no Oriente Médio, em todo o mundo”.

O Santo Padre pediu que “respeitemos cada ser humano: cessem os conflitos armados que ensanguentam a terra, silenciem-se as armas e então o ódio dê lugar ao amor, a ofensa ao perdão e a discórdia à união”.

O Papa pediu a São Francisco que dê o dom de Deus da harmonia e da paz para o mundo.

Todos nós somos Igreja e devemos nos despojar do mundanismo

Ao visitar os pobres que recebem a assistência da Cáritas em Assis, na Salla della Spoliazione, a mesma em que São Francisco se despojou de suas vestimentas e proclamou a Deus como seu verdadeiro Pai, o Papa Francisco assinalou esta que é uma boa oportunidade para convidar a Igreja a despojar-se” do mundanismo, e destacou que “todos somos Igreja”.

O Santo Padre assinalou “que esta é uma boa oportunidade para convidar a Igreja a despojar-se. Mas a Igreja somos todos nós, todos! Desde o primeiro batizado, todos nós somos Igreja e todos nós temos que seguir o caminho de Jesus, que se despojou a si mesmo e se tornou servo, servidor; quis humilhar-se até a cruz. E se queremos ser cristãos, não há outro caminho”.

“Mas será que não podemos fazer um cristianismo um pouco mais humano – dizem – sem a cruz, sem Jesus, sem despojamento? Desta forma, nos tornamos cristãos de pastelaria, como as belas tortas , como os belos doces! Belíssimo, mas não realmente cristãos! Alguém vai dizer : ‘Mas de que deve se despojar a Igreja?‘. Deve se despojar hoje de um perigo gravíssimo que ameaça a todos na Igreja, todos: o perigo do mundanismo”. Continue a ler aqui….