Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho – Evangelho do Dia

Evangelho – Mc 16,9-15

Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 16,9-15

9Depois de ressuscitar,
na madrugada do primeiro dia após o sábado,
Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena,
da qual havia expulsado sete demônios.
10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus,
que estavam de luto e chorando.
11Quando ouviram que ele estava vivo
e fora visto por ela, não quiseram acreditar.
12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles,
com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo.
13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros.
Também a estes não deram crédito.
14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos
enquanto estavam comendo,
repreendeu-os por causa da falta de fé
e pela dureza de coração,
porque não tinham acreditado
naqueles que o tinham visto ressuscitado.
15E disse-lhes:
“Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura!
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 16, 9-15

Para que possamos conhecer verdadeiramente Jesus, duas coisas são necessárias. A primeira é a atuação da graça divina que nos revela quem é Jesus na sua divindade e na sua atuação messiânica e a segunda é a nossa abertura a essa graça para que possamos acolher a atuação divina em nós. A partir desses dois elementos, podemos compreender melhor qual é o papel do evangelizador e qual a essência da nossa missão. Movidos pelo grande protagonista da missão que é o Espírito Santo, somos chamados a ser canais de graça na vida das pessoas e ao mesmo tempo a preparar os corações das pessoas para que sejam terreno fértil para o evangelho e acolham a Cristo em suas vidas.

“Espírito impuro, sai desse homem!” – Evangelho do Dia Mc 5,1-20

Evangelho – Mc 5,1-20

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 5,1-20

Naquele tempo:
1Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar,
na região dos gerasenos.
2Logo que saiu da barca,
um homem possuído por um espírito impuro,
saindo de um cemitério, foi ao seu encontro.
3Esse homem morava no meio dos túmulos
e ninguém conseguia amarrá-lo,
nem mesmo com correntes.
4Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes,
mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas.
E ninguém era capaz de dominá-lo.
5Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes,
gritando e ferindo-se com pedras.
6Vendo Jesus de longe,
o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele
7e gritou bem alto:
“Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo?
Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!”
8Com efeito, Jesus lhe dizia:
“Espírito impuro, sai desse homem!”
9Então Jesus perguntou:
“Qual é o teu nome?”
O homem respondeu:
“Meu nome é “Legião”, porque somos muitos.”
10E pedia com insistência
para que Jesus não o expulsasse da região.
11Havia aí perto uma grande manada de porcos,
pastando na montanha.
12O espírito impuro suplicou, então:
“Manda-nos para os porcos, para que entremos neles.”
13Jesus permitiu.
Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos.
E toda a manada – mais ou menos uns dois mil porcos –
atirou-se monte abaixo para dentro do mar,
onde se afogou.
14Os homens que guardavam os porcos saíram correndo
e espalharam a notícia na cidade e nos campos.
E as pessoas foram ver o que havia acontecido.
15Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado,
vestido e no seu perfeito juízo,
aquele mesmo que antes estava possuído pela Legião.
E ficaram com medo.
16Os que tinham presenciado o fato
explicaram-lhes o que havia acontecido
com o endemoninhado e com os porcos.
17Então começaram a pedir
que Jesus fosse embora da região deles.
18Enquanto Jesus entrava de novo na barca,
o homem que tinha sido endemoninhado
pediu-lhe que o deixasse ficar com ele.
19Jesus, porém, não permitiu.
Entretanto, lhe disse:
“Vai para casa, para junto dos teus
e anuncia-lhes tudo o que o Senhor,
em sua misericórdia, fez por ti.”
20Então o homem foi embora e começou a pregar na Decápole
tudo o que Jesus tinha feito por ele.
E todos ficavam admirados.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 5, 1-20

O que nós queremos fazer a partir do momento em que fazemos uma experiência mais profunda do amor de Deus em nossas vidas? Em muitos casos, o que acontece é que a pessoa adota uma postura intimista e individualista de vivência religiosa. O Evangelho de hoje nos mostra essa tendência, mas nos mostra também a vontade de Deus. Jesus não permitiu que o homem que tinha sido endemoninhado ficasse com ele, mas o enviou para ser evangelizador através do testemunho da misericórdia de Deus, mostrando-nos, assim, que a verdadeira resposta ao amor de Deus é o compromisso evangelizador.

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!” – Evangelho do Dia Mc 3, 7-12

Evangelho – Mc 3,7-12

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!”
Mas ele ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,7-12

Naquele tempo:
7Jesus se retirou para a beira do mar,
junto com seus discípulos.
Muita gente da Galiléia o seguia.
8E também muita gente da Judéia,
de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão,
dos territórios de Tiro e Sidônia,
foi até Jesus, porque tinham ouvido falar
de tudo o que ele fazia.
9Então Jesus pediu aos discípulos
que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão,
para que não o comprimisse.
10Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas,
e todos os que sofriam de algum mal
jogavam-se sobre ele para tocá-lo.
11Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés,
gritando: “Tu és o Filho de Deus!”
12Mas Jesus ordenava severamente
para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.

 

Reflexão – Mc 3, 7-12

O evangelho de hoje é uma continuação dos evangelhos anteriores e nos mostra que, se por um lado, as autoridades religiosas da época de Jesus não concordavam com o seu modo de agir e com os seus ensinamentos, por outro lado, a multidão cada vez mais aderia aos seus ensinamentos e procurava em Jesus a solução para os seus problemas, naturais ou espirituais. A visão institucionalizada da fé é importante porque nos ajuda a viver comunitariamente o nosso relacionamento com Deus, mas pode ser perigosa enquanto pode submeter o próprio Deus aos critérios da razão humana ou legitimar, em nome de Deus, relacionamentos e costumes meramente humanos que podem até ser opressores e excludentes.

Evangelho do Dia – Mc 12,18-27

Ele não é Deus de mortos, mas de vivos!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 12,18-27

Naquele tempo:
18Vieram ter com Jesus alguns saduceus,
os quais afirmam que não existe ressurreição
e lhe propuseram este caso:
19″Mestre, Moisés deu-nos esta prescrição:
“Se morrer o irmóo de alguém, e deixar a esposa sem filhos,
o irmão desse homem deve casar-se com a viúva,
a fim de garantir a descendência de seu irmão.”
20Ora, havia sete irmãos:
o mais velho casou-se, e morreu sem deixar descendência.
21O segundo casou-se com a viúva,
e morreu sem deixar descendência.
E a mesma coisa aconteceu com o terceiro.
22E nenhum dos sete deixou descendência.
Por último, morreu também a mulher.
23Na ressurreição, quando eles ressuscitarem,
de quem será ela mulher?
Por que os sete se casaram com ela!”
24Jesus respondeu:
“Acaso, vós não estais enganados,
por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus?
25Com efeito, quando os mortos ressuscitarem,
os homens e as mulheres não se casarão,
pois serão como os anjos do céu.
26Quanto ao fato da ressurreição dos mortos,
não lestes, no livro de Moisés,
na passagem da sarça ardente, como Deus lhe falou:
“Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó”?
27Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos!
Vós estais muito enganados.”
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 12, 18-27

Tem gente que sente o maior prazer em discutir religião. Essas discussões, na verdade, não significam a busca de uma melhor compreensão da fé com a finalidade de possibilitar uma resposta de qualidade aos apelativos dos valores evangélicos, mas na maioria das vezes se constituem numa discussão sobre posições unilaterais e não negociáveis, muitas vezes posições pessoais, que só servem para aprofundar diferenças e criar divisões e em nada contribuem para que todos possam chegar à verdade, muito menos para viver segundo ela.

Evangelho do Dia – Mc 12,1-12

Agarraram o filho querido, o mataram,
e o jogaram fora da vinha.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 12,1-12

Naquele tempo:
1Jesus começou a falar aos sumos sacerdotes,
mestres da Lei e anciãos, usando parábolas:
“Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fez um lagar
e construiu uma torre de guarda.
Depois arrendou a vinha a alguns agricultores,
e viajou para longe.
2Na época da colheita,
ele mandou um empregado aos agricultores
para receber a sua parte dos frutos da vinha.
3Mas os agricultores pegaram no empregado, bateram nele,
e o mandaram de volta sem nada.
4Então o dono da vinha mandou de novo mais um empregado.
Os agricultores bateram na cabeça dele e o insultaram.
5Então o dono mandou ainda mais outro, e eles o mataram.
Trataram da mesma maneira muitos outros,
batendo em uns e matando outros.
6Restava-lhe ainda alguém: seu filho querido.
Por último, ele mandou o filho até aos agricultores,
pensando: “Eles respeitaróo meu filho”.
7Mas aqueles agricultores disseram uns aos outros:
“Esse é o herdeiro.
Vamos matá-lo, e a herança será nossa”.
8Então agarraram o filho, o mataram,
e o jogaram fora da vinha.
9Que fará o dono da vinha?
Ele virá, destruirá os agricultores,
e entregará a vinha a outros.
10Por acaso, não lestes na Escritura:
“A pedra que os construtores deixaram de lado,
tornou-se a pedra mais importante;
11isso foi feito pelo Senhor
e é admirável aos nossos olhos”?”
12Então os chefes dos judeus procuraram prender Jesus,
pois compreenderam que havia contado a parábola para eles.
Porém, ficaram com medo da multidão
e, por isso, deixaram Jesus e foram-se embora.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 12, 1 12

O que aconteceu com os vinhateiros apresentadas na parábola do evangelho de hoje pode acontecer a todos nós principalmente quando nos deixamos levar pelo desejo de ter poder e de ter riquezas, que nos leva à tentação de nos apossarmos de tudo, inclusive das coisas de Deus e até mesmo do próprio Deus e a queremos usar de tudo isso em nosso próprio benefício. Quando fazemos isso, estamos na verdade rejeitando a presença do próprio Cristo em nossas vidas, que se dá também por meio dos pobres e necessitados que procuram a misericórdia do nosso coração e não o nosso autoritarismo e a nossa prepotência em relação a eles.

Evangelho do Dia – Mc 16,9-15

Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 16,9-15

9Depois de ressuscitar,
na madrugada do primeiro dia após o sábado,
Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena,
da qual havia expulsado sete demônios.
10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus,
que estavam de luto e chorando.
11Quando ouviram que ele estava vivo
e fora visto por ela, não quiseram acreditar.
12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles,
com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo.
13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros.
Também a estes não deram crédito.
14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos
enquanto estavam comendo,
repreendeu-os por causa da falta de fé
e pela dureza de coração,
porque não tinham acreditado
naqueles que o tinham visto ressuscitado.
15E disse-lhes:
“Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura!
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 16, 9-15

Para que possamos conhecer verdadeiramente Jesus, duas coisas são necessárias. A primeira é a atuação da graça divina que nos revela quem é Jesus na sua divindade e na sua atuação messiânica e a segunda é a nossa abertura a essa graça para que possamos acolher a atuação divina em nós. A partir desses dois elementos, podemos compreender melhor qual é o papel do evangelizador e qual a essência da nossa missão. Movidos pelo grande protagonista da missão que é o Espírito Santo, somos chamados a ser canais de graça na vida das pessoas e ao mesmo tempo a preparar os corações das pessoas para que sejam terreno fértil para o evangelho e acolham a Cristo em suas vidas.