Vaticano: nem o Sínodo nem o Papa Francisco tomaram decisões doutrinais

(ACI).- Após uma série de notícias difundidas ontem sobre uma suposta mudança doutrinal da Igreja a respeito dos casais homossexuais, o site oficial de notícias da Santa Sé, News.va, assinalou nesta terça-feira que as discussões que têm lugar no Sínodo da Familia não são “doutrina nem normas definitivas”, e sim propostas para um documento de trabalho que será enviado às dioceses para preparar o Sínodo de 2015.

“Em resposta às reacções e discussões que se seguiram à publicação da Relatio post disceptationem, e ao facto de que, muitas vezes, lhe tem sido atribuído um valor que não corresponde à sua natureza, a Secretaria Geral do Sínodo reitera que este texto é um documento de trabalho, que resume as intervenções e o debate da primeira semana e, agora, é proposto à discussão dos membros do Sínodo reunidos nos Círculos menores, como previsto pelo Regulamento do mesmo Sínodo”, esclareceu o News.va.

Bispos em reunião matinal do sínodo da família, no Vaticano, nesta segunda-feira (13) (Foto: Gregorio Borgia/AP)
Bispos em reunião matinal do sínodo da família, no Vaticano, nesta segunda-feira (13) (Foto: Gregorio Borgia/AP)

“Acima de tudo, é importante recordar uma vez mais que o que se fala no Sínodo não é nem doutrina nem normas definitivas: não haverá ‘resultados’ do Sínodo, pois o Sínodo só está preparando um documento de trabalho que será discutido em todas as dioceses do mundo para preparar o sínodo de outubro de 2015”.

“Será este segundo Sínodo o qual apresentará uma série de recomendações ao Papa e ele aprovará o que considere melhor para o povo de Deus. Mas no momento, não há nada definitivo em nenhum sentido, por isso as notícias que atribuem tal ou qual decisão ao Papa ou ao Sínodo não são certas”, assinalou também o portal em sua edição em espanhol.

Nesse sentido, diante a confusão gerada nos fiéis, News.va convidou a procurar “informação de primeira mão sobre o sínodo” nos meios da Santa Sé.

Por sua parte, a Secretaria Geral do Sínodo –através do Pe. Federico Lombardi-, também advertiu que a “Relatio post disceptationem” recebeu da parte dos meios um valor que “não corresponde a sua natureza”. “Este texto –recordou-, é um documento de trabalho, que resume as intervenções e o debate da primeira semana e que agora será colocado em discussão por parte dos membros do Sínodo reunidos nos Círculos menores, segundo o previsto pelo próprio regulamento do Sínodo”.

O porta-voz vaticano indicou que o trabalho dos Círculos menores será apresentado à Assembleia na Congregação geral matutina da próxima quinta-feira, 16 de outubro.

O Papa inaugura o Sínodo da Família: “Deixemo-nos guiar pelo Espírito Santo”

(ACI/EWTN Noticias).- Com um chamado a deixar-se guiar pelo Espírito Santo, o Papa Francisco inaugurou neste domingo, 5, o Sínodo extraordinário dos Bispos sobre a Família com uma Missa solene celebrada no Vaticano.openingsynodpetrikbohumil

Durante a homilia, o Papa Francisco comentou as leituras do domingo referidas à Vinha do Senhor, e destacou que “com sua parábola, Jesus se dirige aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo, quer dizer, aos «sábios», à classe dirigente. A eles encomendou Deus de maneira especial seu «sonho», quer dizer, seu povo, para que o cultivassem, cuidassem dele, protegessem-no dos animais selvagens”

“Estamos chamados no Sínodo dos Bispos a trabalhar pela vinha do Senhor. As Assembleias sinodais não servem para discutir ideias brilhantes e originais, ou para ver quem é mais inteligente”, disse o Pontífice; “servem para cultivar e guardar melhor a vinha do Senhor, para cooperar em seu sonho, seu projeto de amor por seu povo”.

“Neste caso, o Senhor nos pede que cuidemos da família, que desde as origens é parte integral de seu intuito de amor pela humanidade”, acrescentou.

“O sonho de Deus –advertiu- sempre se enfrenta com a hipocrisia de alguns servos. Podemos «frustrar» o sonho de Deus se não nos deixamos guiar pelo Espírito Santo. O Espírito nos dá essa sabedoria que vai além da ciência, para trabalhar generosamente com verdadeira liberdade e humilde criatividade”.

Em encontro com idosos e Bento XVI, Francisco pede orações pela família

Pessoas na Praça São Pedro
Milhares de pessoas ouviram o papa na Praça São Pedro

(ACI).- Em suas palavras prévias ao ângelus de ontem, dia em que celebrou um especial Encontro com os idosos e avós na Praça de São Pedro, o Papa Francisco pediu a todos suas orações pelo Sínodo Extraordinário da Família que se celebra entre os dias 5 e 19 de outubro no Vaticano.

“Antes de concluir esta celebração, quero saudar todos os peregrinos, especialmente a vocês anciões, vindos de tantos países. Obrigado!”, disse o Pontífice ao início da Oração Mariana dominical.

“No próximo domingo começará a Assembléia Sinodal sobre o tema da família. Está aqui presente o responsável principal, o Cardeal Baldisseri: rezem por ele, para que o consiga. Convido a todos, individual e comunitariamente, a orar por este evento tão importante e eu confio esta intenção à intercessão de Maria, Salus Populi Romani”.

“Agora rezamos juntos o Ângelus. Com esta oração, invocamos a proteção de Maria para as pessoas idosas de todo o mundo, especialmente para aqueles que vivem em situações de maior dificuldade”.

Encontro com idosos

Ontem foi um dia especial, na ensolarada manhã do Vaticano e com uma Praça de São Pedro lotada de aproximadamente 40 mil idosos e acompanhantes, o Papa Francisco presidiu o Encontro com os idosos e avós. Ele lembrou em sua mensagem aos idosos e acompanhantes a necessidade de transmitir a fé, e a lutar contra a cultura do descarte do mundo atual.

Papa Francisco e Bento XVI participaram do encontro de idosos
Papa Francisco e Bento XVI participaram do encontro de idosos

Um encontro especial que contou com a participação do Supremo Pontífice Emérito, Bento XVI. Durante o evento os papas ouviram o testemunho de vários idosos incluindo um que fugiu da perseguição cruel do Estado Islâmico no Iraque.

O Papa Francisco ressaltou que “a velhice, de forma particular, é um tempo de graça, no qual o Senhor nos renova seu chamado: chama-nos a custodiar e transmitir a fé, chama-nos a orar, especialmente a interceder; chama-nos a estar perto dos necessitados”.

“Aos avós, que receberam a bênção de ver os filhos de seus filhos, foi-lhes confiada uma grande tarefa: transmitir a experiência de vida, a história de uma família, de uma comunidade, de um povo; compartilhar com simplicidade uma sabedoria, e a própria fé: o legado mais precioso! Felizes essas famílias que têm os avós por perto!”

“O avô é pai duas vezes e a avó é mãe duas vezes. E naqueles países onde a perseguição religiosa foi cruel, penso por exemplo na Albânia, onde estive no domingo passado; naqueles países eram os avós que levavam as crianças para serem batizadas às escondidas, e foram os que lhes deram a fé Como atuaram bem! Foram valentes na perseguição e salvaram a fé nesses países!”

Papa Francisco pede que famílias rezem pelo Sínodo

Famlia e papaO presidente do Pontifício Conselho para a Família, arcebispo Vincenzo Paglia, disse hoje, 25, que nunca, como nos últimos meses, a família esteve tão presente na mente e no coração da Igreja. A afirmação ocorreu durante a apresentação da carta do papa Francisco às Famílias. Dom Paglia citou como exemplos a peregrinação das famílias no Ano da Fé; o encontro do papa com os noivos, no último dia 14; o Consistório extraordinário, realizado semana passada no Vaticano; o próximo Sínodo dos Bispos, que acontecerá em outubro; e o Encontro mundial das Famílias, em setembro de 2015, na Filadélfia, Estados Unidos.

Na carta, o papa Francisco convida as famílias a rezarem pelo próximo Sínodo dos Bispos, cujo tema será Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização.

“Com esta carta, o papa Francisco quer envolver as famílias no caminho sinodal”, explicou dom Paglia. Segundo o arcebispo, a oração é a primeira forma de participar desse caminho comum. “As famílias – e esta é a intenção do papa Francisco – não são simplesmente objeto de atenção. São também o sujeito desta peregrinação, já que na Igreja são maioria e estão marcadas pelo Sacramento do Matrimônio”, afirma.

A carta é datada de 2 de fevereiro, festividade da Apresentação de Jesus no Templo. Segue, na íntegra, o texto.

 

Carta do papa Francisco às Famílias

Queridas famílias,

Apresento-me à porta da vossa casa para vos falar de um acontecimento que vai realizar-se, como é sabido, no próximo mês de Outubro, no Vaticano: trata-se da Assembleia geral extraordinária do Sínodo dos Bispos, convocada para discutir o tema «Os desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização». Efetivamente, hoje, a Igreja é chamada a anunciar o Evangelho, enfrentando também as novas urgências pastorais que dizem respeito à família.

Este importante encontro envolve todo o Povo de Deus: Bispos, sacerdotes, pessoas consagradas e fiéis leigos das Igrejas particulares do mundo inteiro, que participam ativamente, na sua preparação, com sugestões concretas e com a ajuda indispensável da oração. O apoio da oração é muito necessário e significativo, especialmente da vossa parte, queridas famílias; na verdade, esta Assembleia sinodal é dedicada de modo especial a vós, à vossa vocação e missão na Igreja e na sociedade, aos problemas do matrimónio, da vida familiar, da educação dos filhos, e ao papel das famílias na missão da Igreja. Por isso, peço-vos para invocardes intensamente o Espírito Santo, a fim de que ilumine os Padres sinodais e os guie na sua exigente tarefa. Como sabeis, a esta Assembleia sinodal extraordinária, seguir-se-á – um ano depois – a Assembleia ordinária, que desenvolverá o mesmo tema da família. E, neste mesmo contexto, realizar-se-á o Encontro Mundial das Famílias, na cidade de Filadélfia, em setembro de 2015. Por isso, unamo-nos todos em oração para que a Igreja realize, por meio destes acontecimentos, um verdadeiro caminho de discernimento e adote os meios pastorais adequados para ajudarem as famílias a enfrentar os desafios atuais com a luz e a força que provêm do Evangelho.

Estou a escrever-vos esta carta no dia em que se celebra a festa da Apresentação de Jesus no templo. O evangelista Lucas conta que Nossa Senhora e São José, de acordo com a Lei de Moisés, levaram o Menino ao templo para oferecê-Lo ao Senhor e, nessa ocasião, duas pessoas idosas – Simeão e Ana –, movidas pelo Espírito Santo, foram ter com eles e reconheceram em Jesus o Messias (cf. Lc 2, 22-38). Simeão tomou-O nos braços e agradeceu a Deus, porque tinha finalmente «visto» a salvação; Ana, apesar da sua idade avançada, encheu-se de novo vigor e pôs-se a falar a todos do Menino. É uma imagem bela: um casal de pais jovens e duas pessoas idosas, reunidos devido a Jesus. Verdadeiramente Jesus faz com que as gerações se encontrem e unam! Ele é a fonte inesgotável daquele amor que vence todo o isolamento, toda a solidão, toda a tristeza. No vosso caminho familiar, partilhais tantos momentos belos: as refeições, o descanso, o trabalho em casa, a diversão, a oração, as viagens e as peregrinações, as ações de solidariedade… Todavia, se falta o amor, falta a alegria; e Jesus é quem nos dá o amor autêntico: oferece-nos a sua Palavra, que ilumina a nossa estrada; dá-nos o Pão de vida, que sustenta a labuta diária do nosso caminho.
Queridas famílias, a vossa oração pelo Sínodo dos Bispos será um tesouro precioso que enriquecerá a Igreja. Eu vo-la agradeço e peço que rezeis também por mim, para que possa servir o Povo de Deus na verdade e na caridade. A proteção da Bem-Aventurada Virgem Maria e de São José acompanhe sempre a todos vós e vos ajude a caminhar unidos no amor e no serviço recíproco. De coração invoco sobre cada família a bênção do Senhor.
Vaticano, 2 de Fevereiro – festa da Apresentação do Senhor – de 2014.

Padre Federico Lombardi desmente que o Papa Francisco tenha enviado consultas aos fiéis sobre uniões homossexuais

Papa Francisco. Foto: Grupo ACI

(ACI/EWTN Noticias).- O diretor do Escritório de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, desmentiu que o Papa Francisco tenha proposto um questionário aos católicos de todo o mundo para lhes consultar sobre as uniões homossexuais ou as pessoas divorciadas, tal e como publicou o jornal italiano “Il Fatto Quotidiano”.

Em declarações ao Grupo ACI em 2 de novembro, o Pe. Lombardi esclareceu que “não é certo” e que “se trata apenas de um documento enviado às Conferências Episcopais de todo o mundo pelo Secretário Geral do Sínodo dosBispos, Dom Lorenzo Baldisseri, como preparação para o Sínodo dos Bispos”, que se celebrará de 5 a 19 de outubro de 2014 e estará dedicado aos “desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização”.

O jornal “Il Fatto Quotidiano” se referia às perguntas dirigidas à assistência pastoral a pessoas homossexuais unidas legalmente pelo estado, os pais e mães adotivos do mesmo sexo, e as pessoas divorciadas.

Fazendo referência a estes fatos, o Pe. Lombardi destacou que “uma pergunta não é uma posição doutrinal da Igreja”, e explicou que o documento só tem caráter consultivo, faz parte da “praxe” habitual do Sínodo dos Bispos e está dirigido aos Bispos de cada diocese para abordar perguntas pastorais e assistir espiritualmente, entre outros temas, às pessoas em situação familiar irregular.

Por outro lado, o porta-voz do Vaticano assinalou que no próximo dia 5 de novembro será apresentada de maneira oficial a preparação do Sínodo dos Bispos em uma conferência de imprensa. Nela participarão: Dom Baldisseri; o Arcebispo de Chieti-Vasto (Itália), Dom Bruno Forte e Secretário Especial do Sínodo; e o Arcebispo de Budapeste, o Cardeal Peter Erdo e Relator do Sínodo, principais responsáveis pelo Sínodo dos Bispos.

Papa convoca Sínodo sobre a família, em 2014

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco convocou nesta terça-feira, 08, a III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, com o título: “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.

O Sínodo será no Vaticano, de 5 a 19 de outubro de 2014 e seu novo secretário é Dom Lorenzo Baldisseri, nomeado por Francisco em 21 de setembro passado. Dom Lorenzo foi Núncio Apostólico no Brasil de 2002 a 2012, quando se tornou Secretário da Congregação para os Bispos, chamado por Bento XVI. O arcebispo foi também secretário do Conclave que elegeu Papa Francisco.

Em recente entrevista, o Diretor da Sala de Imprensa, Pe. Federico Lombardi, adiantou que a Secretaria do Sínodo divulgará em breve informações detalhadas sobre o modo em que será realizado e as modificações em seu regulamento.

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/10/08/papa_convoca_s%C3%ADnodo_sobre_a_fam%C3%ADlia,_em_2014/bra-735367
do site da Rádio Vaticano

Cardeal Sodano, Decano do Colégio Cardinalício, convocou os Cardeais para a primeira congregação de dia 4 de Março

Ouça aqui… RealAudioMP3 

O Cardeal Ângelo Sodano, Decano do Colégio Cardinalício acaba de convocar os cardeais para a 1ª Congregação Geral em conformidade com a Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis. Esta 1ª Congregação terá lugar no dia 4 de Março pelas 9.30h na Aula Paolo VI na Sala do Sinodo dos Bispos, estando também prevista uma 2ª Congregação para o mesmo dia marcada para as 17h. Durante a próxima semana será marcada a data de início do Conclave.

A partir do dia de hoje, 1 de Março, os Cardeais que já estão no Vaticano podem começar a falar uns com os outros, a fazer reflexões privadas, pessoais, para se prepararem para o Conclave. Irão para a Casa Santa Marta nas vésperas do Conclave, talvez no dia anterior. Contudo, estão ainda a decorrer algumas obras de adaptação. A atribuição dos quartos na Casa Santa Marta deverá ser sorteada entre os cardeais.

Bento XVI na missa de conclusão do Sínodo: Nova Evangelização diz respeito a toda a vida da Igreja

 

(ACI/EWTN Noticias).- Em sua homilia pela Missa de conclusão da XIII Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, o Papa  Bento XVI afirmou que “a Nova Evangelização concerne toda a vida da Igreja”.

O Santo Padre sublinhou que a Nova Evangelização “refere-se, em primeiro lugar, à pastoral ordinária que deve ser mais animada pelo fogo do Espírito a fim de incendiar os corações dos fiéis que frequentam regularmente a comunidade reunindo-se no dia do Senhor para se alimentarem da sua Palavra e do Pão de vida eterna”.

Bento XVI remarcou “três linhas pastorais”, surgidas do sínodo, referentes aossacramentos da iniciação cristã, a evangelização dos que não conhecem Jesus Cristo e as pessoas que foram batizadas mas que “não vivem as exigências do batismo”.

“Foi reafirmada a necessidade de acompanhar, com uma catequese adequada, a preparação para o Batismo, a Confirmação e a Eucaristia; e reiterou-se também a importância da Penitência, sacramento da misericórdia de Deus. É através deste itinerário sacramental que passa o chamamento do Senhor à santidade, que é dirigido a todos os cristãos. Na realidade, várias vezes se repetiu que os verdadeiros protagonistas da nova evangelização são os santos: eles falam, com o exemplo da vida e as obras da caridade, uma linguagem compreensível a todos”, afirmou também.

O Papa sublinhou que o chamado do Senhor à Santidade “é dirigido a todos os cristãos. Na realidade, várias vezes se repetiu que os verdadeiros protagonistas da nova evangelização são os santos: eles falam, com o exemplo da vida e as obras da caridade, uma linguagem compreensível a todos”.

O Santo Padre também destacou que “a Nova Evangelização está essencialmente conectada com a missão ad gentes”.

“A Igreja tem o dever de evangelizar, de anunciar a mensagem da salvação aos homens que ainda não conhecem Jesus Cristo. No decurso das próprias reflexões sinodais, foi sublinhado que há muitos ambientes em África, na Ásia e na Oceânia, onde os habitantes aguardam com viva expectativa – às vezes sem estar plenamente conscientes disso – o primeiro anúncio do Evangelho. Por isso, é preciso pedir ao Espírito Santo que suscite na Igreja um renovado dinamismo missionário, cujos protagonistas sejam, de modo especial, os agentes pastorais e os fiéis leigos. A globalização provocou um notável deslocamento de populações, pelo que se impõe a necessidade do primeiro anúncio também nos países de antiga evangelização”.

“Todos os homens têm o direito de conhecer Jesus Cristo e o seu Evangelho; e a isso corresponde o dever dos cristãos – de todos os cristãos: sacerdotes, religiosos e leigos – de anunciarem a Boa Nova, disse ainda o Papa.

Ao referir-se a quão batizados não levam uma vida cristã, Bento XVI recordou que “a Igreja dedica-lhes uma atenção especial, para que encontrem de novo Jesus Cristo, redescubram a alegria da fé e voltem à prática religiosa na comunidade dos fiéis. Para além dos métodos tradicionais de pastoral, sempre válidos, a Igreja procura lançar mão de novos métodos, valendo-se também de novas linguagens, apropriadas às diversas culturas do mundo, para implementar um diálogo de simpatia e amizade que se fundamenta em Deus que é Amor. Em várias partes do mundo, a Igreja já encetou este caminho de criatividade pastoral para se aproximar das pessoas afastadas ou à procura do sentido da vida, da felicidade e, em última instância, de Deus.”.

Bento XVI elogiou as iniciativas de criatividade pastoral que tentam aproximar-se das pessoas afastadas da Igreja que procuram deus, entre eles o “Átrio dos gentis” e a Missão Continental, entre outras.

“Queridos irmãos e irmãs, Bartimeu, uma vez obtida novamente a vista graças a Jesus, juntou-se à multidão dos discípulos, entre os quais havia seguramente outros que, como ele, foram curados pelo Mestre. Assim são os novos evangelizadores: pessoas que fizeram a experiência de ser curadas por Deus, através de Jesus Cristo. Eles têm como característica a alegria do coração, que diz com o Salmista: «O Senhor fez por nós grandes coisas; por isso, exultamos de alegria» (Sal 126/125, 3). Com jubilosa gratidão, hoje também nós nos dirigimos ao Senhor Jesus, Redemptor hominis e Lumen gentium, fazendo nossa uma oração de São Clemente de Alexandria: «Até agora errei na esperança de encontrar Deus, mas porque Vós me iluminais, ó Senhor, encontro Deus por meio de Vós, e de Vós recebo o Pai, torno-me herdeiro convosco, porque não Vos envergonhastes de me ter por irmão. Cancelemos, portanto, cancelemos o esquecimento da verdade, a ignorância; e, removendo as trevas que nos impedem de ver como a névoa nos olhos, contemplemos o verdadeiro Deus”, concluiu.

Os principais compromissos de Bento XVI no mês de outubro: Sínodo, Ano da Fé e canonizações

papabentoxvicnbbO Sínodo sobre a Nova Evangelização, a abertura do Ano da Fé e a canonização de sete Beatos: são esses os principais compromissos de Bento XVI para o mês de outubro.

O mestre das Celebrações Litúrgicas Pontifícias, Mons. Guido Marini, publicou nesta sexta-feira, detalhadamente, as próximas datas da agenda papal até o início de novembro.

A celebração do Sínodo e, antes dele, a oração de consagração a fim de que o Sínodo seja um momento de graça e de luz para a Igreja.

O mês de outubro começará para o Papa com duas etapas próximas uma da outra.

Três dias antes de presidir à missa de abertura do encontro sobre a Nova Evangelização, programada para as 9h30 de domingo, dia 7, a ser celebrada na Basílica de São Pedro, Bento XVI irá a Loreto – região italiana das Marcas – ajoelhar-se aos pés da Virgem da Santa Casa e confiar a ela – como fez, cinqüenta anos atrás, o Papa João XXIII na vigília do Concílio – o bom êxito da reunião sinodal.

A missa inaugural de 7 de outubro será também ocasião para o Pontífice proclamar Santa Ildegarda de Bingen e São João d’Avila “Doutores da Igreja”.

O dia 11 de setembro será outra data-evento do mês: durante a liturgia eucarística, que terá início às 10h locais na Basílica vaticana, Bento XVI abrirá o Ano da Fé.

Também o domingo, 21 de outubro, será um dia especial. Em pleno Sínodo sobre a Nova Evangelização, o Papa doará à veneração universal da Igreja sete testemunhas da fé de épocas diferentes.

A missa, presidida a partir das 9h30 locais, terá a canonização dos Beatos Giacomo Berthieu, Pedro Calungsod, Giovanni Battista Piamarta, Maria do Monte Carmelo Sallés y Barangueras, Marianna Cope, Anna Schäffer e Caterina Tekakwitha, a primeira Santa de origem pele-vermelha (designação comum aos povos aborígines dos EUA, ndr).

No domingo sucessivo, 28 de outubro, o Santo Padre presidirá à missa de conclusão do Sínodo. No início de novembro terá, como em todos os anos, dois momentos de intenso recolhimento espiritual: no dia 2, às 18h locais, descerá à Cripta vaticana para rezar diante do túmulo dos Pontífices defuntos, e no dia seguinte, às 11h30, celebrará, na Basílica de São Pedro, a missa em sufrágio pelos bispos, arcebispos e cardeais falecidos nos últimos doze meses.