Arquivo da tag: tolerância religiosa

Da intolerância à acolhida

Dom Redovino Rizzardo, cs

Bispo de Dourados – MS

No dia 10 de outubro, a imprensa informou que Juan Pablo Pino, jogador do Al Nasr, na Arábia Saudita, foi preso por exibir uma tatuagem de cunho religioso. O incidente ocorreu quando o atleta passeava com a esposa num shopping de Riad, capital do país. Com uma camiseta sem mangas e a imagem de Jesus à mostra, acabou revoltando as pessoas que estavam no local. A confusão chamou a atenção da polícia, e o rapaz foi preso.

No dia 11, em Roma, o cardeal Leonardo Sandri demonstrou seu pesar pelo massacre de um grupo de 26 cristãos ortodoxos ocorrido no domingo anterior, no Egito: «Estes irmãos ortodoxos, depois de sofrerem o incêndio de sua igreja, quiseram expressar, como quaisquer outros cidadãos, seu desejo de liberdade religiosa e de respeito a seus direitos. Infelizmente, nesta manifestação, encontraram o cálice amargo do sacrifício e da morte. Para todos, é um fato desolador, triste e angustiante. Solidarizamo-nos com a Igreja ortodoxa e com os familiares das vítimas de uma violência sem sentido».

No dia 14, os bispos da Igreja Católica do Canadá se posicionaram sobre a condenação à morte do pastor evangélico Youssef Nadarkhani, preso no Irã por ter deixado o Islã e abraçado o Cristianismo. Em carta às autoridades políticas e judiciárias daquele país, Dom Brendan O’Brien convidou-as a respeitar a liberdade religiosa: «Pedimos que o pastor Nadarkhani, assim como todas as demais pessoas que vivem uma situação similar em seu país, sejam tratadas de acordo com o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos”».

Por fim, no dia 28, em Perth, na Austrália, durante uma reunião dos 16 países que integram a Comunidade Britânica, foram revistas algumas das leis que regem a sucessão real no Reino Unido há 300 anos. Quem explicou a razão das mudanças foi o primeiro-ministro David Cameron: «A ideia de que o filho mais novo deva ser rei no lugar da irmã mais velha pelo simples fato de ser homem, ou de que um futuro monarca possa casar com uma pessoa de qualquer religião, menos a católica, é uma forma de pensar que está em desacordo com os países modernos que nos tornamos». Na verdade, os católicos continuam proibidos de assumir o trono inglês, pela interferência entre o governo civil e a Igreja Anglicana existente no país.

No Brasil, à primeira vista, parece que tudo seja diferente e tranquilo. De acordo com uma pesquisa realizada em 23 países pela Empresa Ipsos, ele é o terceiro país do mundo em que mais se acredita em Deus. Sobre 18.829 entrevistados, 51% creem numa entidade divina. Os que não acreditam são 18%, e os que não têm certeza, 17%.

Crer em Deus, porém, não significa que os brasileiros acolham pacificamente a doutrina pregada pelas denominações religiosas. Assim, por exemplo, somente 32% deles acreditam numa vida após a morte, enquanto 12% optam pela reencarnação.

Entre os pesquisados, um total de 18% afirmam que não acreditam em nenhum ser supremo. No topo da lista dos descrentes está a França; a Suécia vem em segundo lugar e a Bélgica em terceiro. No Brasil, de acordo com estudo publicado a 23 de agosto de 2011 pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas, de 2003 a 2009, o grupo dos “sem religião” (ateus e agnósticos) passou de 5,1% para 6,7.

Em 2012, a Igreja Católica celebrará o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II. Se as religiões quiserem voltar a ocupar o lugar que lhes cabe na sociedade, não podem esquecer as palavras pronunciadas pelo Papa João XXIII no dia 11 de outubro de 1962, na abertura dos trabalhos conciliares: «A Igreja sempre se opôs aos erros, condenando-os, às vezes, com a máxima severidade. Em nossos dias, porém, ela prefere recorrer mais ao remédio da misericórdia do que ao da severidade. Ela julga satisfazer melhor às necessidades atuais mostrando a validade da fé do que condenando os erros. Ela quer ser benigna, paciente e cheia de misericórdia para com todos».

Semana da Consciência Negra terá debate sobre promoção da tolerância religiosa

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) realizará, no dia 23 de novembro, no marco das comemorações da Semana da Consciência Negra, audiência pública para debater avaliações e propostas destinadas à promoção da liberdade religiosa e dos direitos das comunidades tradicionais de terreiro.

Os requerimentos de realização do debate citam as situações vivenciadas pelos centros de Umbanda e terreiros de Candomblé, bem como pelos seus devotos, cujos direitos constitucionais de liberdade de culto tem sido desrespeitados. Têm sido registrados casos de depredação de templos de religiões afro-brasileiras, agressão a seus sacerdotes e sacerdotisas e de preconceito contra crianças de famílias ligadas a essas confissões em escolas. Além disso, os territórios de moradia negra são aqueles que mais sofrem com as políticas de remoção e despejo, estando também mais vulneráveis aos impactos negativos da Copa do Mundo de Futebol e das Olimpíadas. Sem reconhecimento, os terreiros de umbanda e de candomblé têm sido atacados, destruídos, removidos.

Embora a intolerância não atinja apenas as religiões citadas, o fato é que nenhuma outra foi historicamente tão perseguida quanto tem sido as de matriz africana. No tempo do Império, o Código Criminal de 1830 considerava crime o culto de religião que não fosse a oficial e um decreto da época obrigava os escravos a se converterem à religião oficial, reservando penas cruéis aos que se recusassem. Até 1976, havia uma lei no Estado da Bahia que obrigava os templos de religiões afro-brasileiras a se cadastrarem na delegacia de polícia mais próxima.

O Mapa da Intolerância Religiosa – Violação ao Direito de Culto no Brasil , lançado em 28/05/2011 pelo pesquisador Marcio Alexandre Gualberto, sistematizou episódios dos últimos dez anos de desacato à liberdade de culto cometidos contra religiosos da matriz africana, muçulmanos, judeus, católicos, entre outros grupos. O autor constata que o praticante das religiões de matriz africana continua sendo a vítima preferencial. Ele frisa, no entanto, avanços no combate à intolerância religiosa e o esforço de organizações e de movimentos sociais e religiosos que se mobilizam, se articulam e pressionam o poder público no sentido de garantir a plena liberdade de culto consagrada na Constituição Federal.

Fundo histórico e social

O fenômeno da intolerância religiosa está associado às desigualdades raciais, que por sua vez reproduzem e reforçam desigualdades sociais. Exemplo de desigualdade está evidenciado no Mapa da Violência (Ministério da Justiça), que indica, com dados coletados entre 2002 e 2008, que os homicídios de brancos caíram 22,3%, enquanto os praticados contra negros cresceram 20,2%. Outro exemplo contundente: no Rio de Janeiro morreram 96,9% mais negros do que brancos no mesmo período.

A audiência pública atende aos requerimentos aprovados pelo plenário da CDHM números 46, da Deputada Érika Kokay (PT-DF); 47 e 128, do Deputado Jean Willys (PSol-RJ); 97, da Deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP); e 116, dos Deputados Luiz Couto (PT-PB) e Luiz Alberto (PT-BA).

Os expositores serão definidos entre representantes de grupos religiosos de matriz africana, estudiosos do tema e autoridades do poder público.

Cristãos se unem em dia de oração por Asia Bibi

''Sinto-me amada pela Igreja Católica e por todas as comunidades cristãs do mundo'', disse Asia Bibi

A Igreja no Paquistão celebra nesta quarta-feira da Semana Santa, 20, o Dia de Oração por Asia Bibi e por todas as vítimas da lei sobre a blasfêmia.

A iniciativa foi lançada pela Fundação Masihi a todas as Igrejas cristãs espalhadas pelo mundo. A instituição “pede aos homens e mulheres de boa vontade para que se unam em oração e acendam uma vela, implorando a Deus a salvação e a libertação de Asia Bibi e de todos aqueles que sofrem as consequências das falsas acusações de blasfêmia”, ressaltou o diretor da Fundação Masihi, Haroon Masih.

O Bispo de Multan, Dom Andrew Francis, Presidente da Comissão para o Diálogo Inter-religioso na Conferência Episcopal do Paquistão, aderiu à iniciativa e frisou que “a oração é um instrumento importante para os fiéis paquistaneses que confiam na obra de Deus”.

As Pontifícias Obras Missionárias no Paquistão aderiram ao evento, afirmando que tal iniciativa ajudará a sensibilizar as comunidades locais. Também aderiram à iniciativa de oração, vários mosteiros femininos da Espanha e Itália. As monjas rezarão por Asia Bibi e para que o Senhor Ressuscitado abra os corações de todos a fim de que seja edificado o seu Reino de paz e justiça.

O presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, Cardeal Jean Louis Tauran, presidirá a Celebração Eucarística nesta quarta-feira, na capela do Parlamento Italiano. A Missa é promovida pela Associação Parlamentares Amigos do Paquistão e pela Associação de Paquistaneses Cristãos na Itália, a fim de lembrar o ministro para as minorias religiosas, Shahbaz Bhatti, assassinado recentemente no Paquistão, que defendeu Asia Bibi, pagando o preço com sua própria vida.

A Fundação Masihi faz um apelo a todas as comunidades, paróquias, associações, escolas, congregações religiosas e todas as Igrejas cristãs espalhadas pelo mundo para que se unam a iniciativa.

Igreja deve dialogar na caridade com outras religiões, diz Papa

“Empenhem-se em fazer o bem para os cristãos e não cristãos”, ressaltou o Papa Bento XVI aos bispos das Filipinas, na manhã desta quinta-feira, 3.

Sobre o diálogo inter-religioso, o Bispo de Roma afirmou que ao mesmo tempo que a Igreja proclama a certeza que Cristo é o caminho, a verdade e a vida, ela respeita tudo aquilo que é bom nas outras religiões.

O Santo Padre recordou, em seu discurso, a declaraçãoNostra Aetate, feita no Concílio do Vaticano de 1965, que trata da relação da igreja católica com as religiões não cristãs. Com a declaração Nostra Aetate, a Igreja é chamada a dialogar com prudência e caridade com os fiéis de outras religiões toda vez que isso é possível. Fazendo assim, afirma Bento XVI, a Igreja trabalha pela compreensão recíproca e pelo progresso do bem da humanidade.

Desta forma, o Pontífice encorajou os bispos filipinos a continuarem promovendo o caminho para a paz autêntica e duradoura, tendo em vista a convivência com cada pessoa que, independente do seu credo, foi criada à imagem de Deus.

Formação religiosa e moral

Em seu discurso, Bento XVI salientou também a importância da formação dos sacerdotes e dos leigos e ainda destacou o empenho da Igreja na busca pelo bem comum e na luta em defesa da família . “A profunda piedade pessoal no vosso povo necessita de ser alimentada e sustentada” por uma compreensão apropriada “dos ensinamentos da Igreja em matéria de fé e de moral”, disse o Papa.

Assim, ele convidou os sacerdotes a voltarem uma atenção especial para a família, sobretudo aos pais como primeiros educadores da fé dos próprios filhos. “Este trabalho já é evidente no vosso apoio às famílias diante das influências que querem limitar ou destruir seus direitos e sua integridade”, salientou o Santo Padre.

Bento XVI destacou ainda que a formação dos sacerdotes é um dos deveres mais importantes dos bispos. O Pontífice recordou que, em muitas dioceses filipinas, os sacerdotes são acompanhados na fase de passagem do seminário para as paróquias, e chamou a atenção para que os padres mais anciãos possam ajudá-los no caminho para a vida sacerdotal madura.

“De acordo com suas promessas solenes de ordenação, recordem aos vossos sacerdotes o seu empenho para com o celibato, com a obediência e com maior atenção ao serviço pastoral”, salientou o Papa.

Segundo o Pontífice, vivendo suas promessas estes homens “tornam-se realmente pais espirituais com a maturidade pessoal e psicológica que crescerá para refletir a paternidade de Deus”.

Fonte Canção Nova

Imagem da Internet

 

Assembleia de 2013 do CMI já tem tema definido

Após período de discussão iniciado no primeiro dia do encontro, o Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) escolheu hoje, último dia de sua reunião ordinária, o tema para a 10ª Assembleia Geral do organismo ecumênico, que terá lugar em Busan, Coréia do Sul, em outubro de 2013. O tema será “Deus da vida, guia-nos à justiça e à paz”.

Um “tema” não é apenas um mero slogan para uma assembleia, pois oferece um foco para reflexão teológica, devocionais e meditações ao longo do evento, assim como para o planejamento das atividades programáticas antes, durante e depois do evento.

O tema da 9ª Assembleia, que aconteceu em Porto Alegre, Brasil, em 2006, foi “Deus, em tua graça, transforma o mundo”. O tema para a 10ª Assembleia também é formulado em forma de oração. A proposta para o tema de 2013, adotado por consenso,  veio acompanhada pela referência ao texto bíblico de Isaías 42.1-4, que fala do servo do Senhor que não quebra uma cana rachada nem apaga um pavio que queima (v. 3) e que não será esmagado “até que a justiça seja estabelecida na terra” (v. 4).

Fonte Conic

Imagem Internet