Vaticano lança e-book para comemorar primeiro ano de pontificado do Papa Francisco

Um ano do papa Francisco

(ACI/EWTN Noticias).- O site do Escritório de Imprensa da Santa Sé surpreendeu os usuários com o lançamento do livro digital “Queremos tornar-nos santos? Sim ou não?”, no qual recolhe impactantes fotos e frases do Papa Francisco durante seu primeiro ano de Pontificado.

“Felicidades Santo Padre!”, com esta frase inscrita na parte inferior do livro, o Vaticano faz uma homenagem ao Pontífice argentino, eleito como o Pontífice número 266 da Igreja Católica em 13 de março de 2013.

O e-book gratuito foi elaborado em colaboração com o Serviço Fotográfico Vaticano e o Serviço de Internet Vaticano, e conta com 70 páginas, 33 fotografias e 33 frases do Pontífice.

As frases estão acompanhadas por um hiperlink que dirige os internautas aos diferentes discursos do Papa nos quais estas frases foram pronunciadas.

O Vaticano informou que o Papa Francisco não participará de nenhuma celebração especial pelo aniversário e passará o dia em Ariccia, onde se encontra em retiro espiritual junto à Cúria Romana até na sexta-feira 14 de março.

O livro está disponível AQUI (CLIQUE AQUI)

Anúncios

Um ano de pontificado do Papa Francisco

1468793_510238669084185_73865650_n

(ACI/EWTN Noticias).- Hoje, 13 de março, comemoramos o primeiro aniversário da eleição do Papa Francisco. Nestes doze intensos meses, o Papa vindo do fim do mundo e que pede que rezem por ele, começou um novo método de trabalho, que com passo lento, mas firme, atraiu uma renovada atenção para os temas eclesiais, também de parte de quem não está perto da Igreja.

Uma das pessoas mais próximas ao Pontífice, no trabalho cotidiano, é o diretor do Escritório de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi SJ, que em uma entrevista à Rádio Vaticano refletiu sobre este ano de “grande impulso para uma Igreja em caminho”.

“A principal coisa deste primeiro ano é sem dúvida a grande atenção, a grande atração das pessoas – digo das pessoas para não dizer só católicos praticantes, mas todas as pessoas deste mundo – a grande atenção a este Papa, à sua mensagem. É algo que eu penso e espero esteja enraizado muito profundamente nos corações das pessoas, que se sentiram tocadas por uma palavra de amor, de atenção, de misericórdia, de proximidade, e que através de um homem, o Papa”, expressou.

“Gostaria de recordar- adicionou – um certo número de episódios, que foram para mim particularmente tocantes este ano. Claro que a primeira aparição no balcão da Basílica de São Pedro, com tudo o que recordamos e o que representou, é inesquecível. Depois, eu recordo o lava-pés dos jovens na prisão, Quinta-feira Santa”.

“Lembro-me da viagem a Lampedusa, com a sua grande intensidade de proximidade às pessoas mais esquecidas e abandonadas e àqueles que morreram na viagem da esperança e dor, em busca de um futuro melhor”.

“Recordo-me da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, o grande encontro da juventude do mundo, em particular da América Latina, com o Papa em seu continente. Lembro-me de Assis”.

“Lembro-me do documento programático – por assim dizer – a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, no qual temos realmente o coração do Papa articulado de uma forma muito clara, muito ampla, como programa de seu Pontificado. E então o Consistório de fevereiro. Estas etapas nos dizem o quanto foi intenso este ano e quantos aspectos foram tocados, quantos encontros ocorreram”.

– O Papa quer uma igreja que saia, fala de reformas estruturais necessárias. Como está mudando a Igreja?

– “A Igreja me parece verdadeiramente um povo em caminho. Esta é a maior característica: uma sensação de grande dinamismo. O Papa deu um grande impulso e caminha com uma Igreja que busca a vontade de Deus, que busca a sua missão no mundo de hoje, para o bem de todos, caminhando realmente em direção das periferias, em direção dos confins do mundo. O Papa falou muitas vezes dos pastores que estão à frente, dentro, atrás do rebanho, para ajudá-los a caminhar, a encontrar a sua estrada”.

“Parece-me que ele seja realmente assim e convida também toda a Igreja a caminhar. Há uma forte sensação de dinamismo, que se sente em particular no itinerário sinodal, este longo caminho de dois anos, em que a Igreja reflete sobre um ponto central da experiência humana e cristã, que é precisamente a família”.

– O Papa Francisco olha para muito longe e sacode muito aqueles que estão perto…

-“Certamente, porque Deus olha para todos. Portanto, ele conseguiu fazer entender que o interesse de Deus, o seu olhar, é para todas as suas criaturas, para todas as pessoas do mundo e ninguém é esquecido. Este é um ponto extremamente importante e não foi o Papa Francisco que inventou obviamente. Ele conseguiu, porém, dar um sentido muito forte e muitas pessoas entenderam isso.

Manifestações de atenção, portanto, que vêm de sedes, de órgãos da imprensa não habituais, significando que a sua mensagem chegou. E, naturalmente, todos nós temos que estar em caminho, também as pessoas que, talvez, se sentiam mais tranquilas ou mais estáveis, estabilizadas em suas condições, sentem-se envolvidos nesta grande missão. Também isso tem certamente um aspecto positivo”.

-Que imagens significativas recorda do primeiro ano de Pontificado?

– “Penso, sobretudo, nas audiências gerais das quartas-feiras: o Papa que passa no meio das pessoas, o Papa que cumprimenta, sorri, encontra e, em particular, que para com os doentes. Parece-me muito significativa esta opção especifica dele, a de cumprimentar em primeiro lugar aos doentes, depois de terminar a sua catequese, descendo do átrio e indo ao encontro deles. Os que sofrem e os mais débeis têm uma prioridade no coração do Papa e da Igreja, porque têm uma prioridade no Evangelho”.

-O que significa ser o porta-voz do Papa Francisco?

-“Parece-me muito belo o fato de que o protagonista é o Papa mesmo, quer dizer, que fala e desperta o interesse das pessoas com as suas palavras, que impacta com as suas formulações. É ele mesmo, portanto não necessita uma mediação particular. Esta me parece uma experiência muito positiva. É aquilo que eu sempre desejei: que o Papa chegue diretamente sem distâncias, sem obstáculos ao coração das pessoas com as suas palavras”.

“O porta-voz, chamemo-lo assim, o diretor da Sala de Imprensa, dá as informações que, porém, são mais informações de contorno, de caráter organizativo, de decisões que são tomadas e são também importantes, mas aquela que é a palavra do Papa para o povo, para o mundo, para a Igreja chega diretamente a eles. Isto me parece muito belo e fundamental”.