Hoje é dia da Imaculada Conceição

Hoje celebramos a Solenidade da Imaculada Conceição. E temos um carinho muito grande com Maria neste dia. Foi neste dia que retornamos as atividades do blog e seguimos aqui evangelizando. Sei que as vezes falhamos, mas é parte do caminhar cair e levantar. Desejamos a todos neste dia que Maria, imaculada, abençoe a cada leitor e sua família.

Queremos, além de relembrar a história da Imaculada Conceição, nossa mãe Maria, estabelecer que ela é nossa padroeira. O blog Anunciador se consagra a Imaculada Conceição.

Obrigado Mãe por tantas bençãos alcançadas!

Conheça a história da Imaculada Conceição

Esta verdade, reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos padres e doutores da Igreja oriental, ao exaltarem a grandeza de Maria, Mãe de Deus, usavam expressões como: cheia de graça, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

Já a Igreja ocidental, que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Em 1304, o Papa Bento XI reuniu na Universidade de Paris uma assembleia dos doutores mais eminentes em Teologia, para terminar as questões de escola sobre a Imaculada Conceição da Virgem.

Foi o franciscano João Duns Escoto quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois a Santíssima Virgem era destinada a ser mãe do seu Filho. Isso é possível para a Onipotência de Deus, portanto, o Senhor, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, no seio de sua mãe Sant’Ana, foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina Labouré pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”. 

A confirmação do Dogma

No dia 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus do Papa Pio IX, a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma: “Maria isenta do pecado original”.

A própria Virgem Maria, na sua aparição em Lourdes, em 1858, confirmou a definição dogmática e a fé do povo dizendo para Santa Bernadette e para todos nós:

“Eu Sou a Imaculada Conceição”.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós! 

Por Marquione Ban | Texto retirado do site Canção Nova

Oremos

Pelo Papa
Pelos Bispos
Pelos Padres
Por toda a Igreja Católica Apostólica Romana
Pelo aumento e santificação do clero

Em desagravo aos pecados contra o Santíssimo Coração de Jesus e o Imaculado coração de Maria
Pela Paz no mundo
Pela conversão dos pecadores
Pelas almas do purgatório
Pela família
Pelo sacramento do Matrimônio
Pelas missões
Pelos doentes
Pelos agonizantes
Pelo Brasil
Por todos os nossos governantes
Pelo povo brasileiro

Senhor, tende piedade de nós
Cristo, tende piedade de nós
Senhor, tende piedade de nós

Eu consagro minha vida a Virgem Maria
Eu consagro minha família a Virgem Maria
Eu consagro minha casa a Virgem Maria
Eu consagro meus amigos a Virgem Maria
Eu consagro meus inimigos a Virgem Maria
Eu consagro o Brasil a Virgem Maria
Eu consagro o mundo a Virgem Maria
Eu consagro minhas dificuldades a Virgem Maria
Eu consagro minhas conquistas a Virgem Maria.

Amém!

Você sabe o que é Pentecostes?

Era para os judeus uma festa de grande alegria, pois era a festa das colheitas. Ação de graças pela colheita do trigo. Vinha gente de toda a parte: judeus saudosos que voltavam a Jerusalém, trazendo também pagãos amigos e prosélitos. Eram oferecidas as primícias das colheitas no templo. Era também chamada festa das sete semanas por ser celebrada sete semanas depois da festa da páscoa, no qüinquagésimo dia. Daí o nome Pentecostes, que significa “qüinquagésimo dia”.

No primeiro pentecostes, depois da morte de Jesus, cinqüenta dias depois da páscoa, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade cristã de Jerusalém na forma de línguas de fogo; todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas (At 2,1-4). As primícias da colheita aconteceram naquele dia, pois foram muitos os que se converteram e foram recolhidos para o Reino.

Quem é o Espírito Santo? 

O prometido por Jesus: “…ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a realização da promessa do Pai a qual, disse Ele, ouvistes da minha boca: João batizou com água; vós, porém, sereis batizados com o Espírito Santo dentro de poucos dias” (At 1,4-5).

Espírito que procede do Pai e do Filho: “quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade que vem do Pai, ele dará testemunho de mim e vós também dareis testemunho…” (Jo 15 26-27). O Espírito Santo é Deus com o Pai e com o Filho. Sua presença traz consigo o Filho e o Pai. Por Ele somos filhos no Filho e estamos em comunhão com o Pai.

Eles continuam tentando…”Virgem Maria seria apenas Maria”, afirmam cientistas

32dae6a0-d190-11e4-9139-87df9d3930e0_nascimentojesusUm pesquisa divulgada no site Yahoo mostra o estudo de alguns cientistas sobre a tradução da palavra “virgem”. De acordo com as cientistas a palavra foi mal traduzida do Hebraico para o Grego. O certo seria “um moça em idade para casar”. Então, segundo elas, a crença de que Jesus teria nascido de uma virgem é errônea.

Veja a matéria:

Yahoo | A história milenar sobre o nascimento de Jesus Cristo pode não ter acontecido da maneira como foi passada adiante. A principal mudança, explicam especialistas, é que um erro de tradução teria levado ao equívoco sobre Maria, que não seria virgem.

A polêmica está em torno de um termo citado no texto original, em hebraico (Isaías, capítulo 7:14). A palavra em questão, usada para fazer referência a Maria, é “Almah”, o que ao pé da letra significa “jovem que chegou à idade de se casar”. Na mudança para o grego, porém, o termo teria sido traduzido como “virgem”, perdendo seu sentido original.

“Cristãos de todo o mundo afirmam que Jesus nasceu de uma virgem, mas a palavra usada no texto em hebraico, Almah, significa basicamente uma jovem que está na idade apropriada para se casar”, explica Francesca Stavrakopoulou, PhD e professora de religiões antigas da Universidade de Exeter.

A explicação de Francesca é corroborada por outros especialistas, como a professora de religião da Universidade de Princeton, Elaine Pangels. “Foi uma espécie de lampejo e disseram que foi um milagre”, afirma ela.

Me fiz uma pergunta, naquela época era como hoje? Jovens em idade para casar já havia fornicado antes com vários parceiros?

Cristãos, não entre em dúvidas sobre isso. Além das escrituras, a Igreja se sustenta nos fatos relatados dos apóstolos e primeiros cristãos que sempre acreditaram na virgindade de Nossa Senhora antes e depois do nascimento de Jesus.

Todas as “Nossas Senhoras” são a mesma Mãe de Deus: viva a Nossa Senhora de Lourdes

Hoje vamos viver mais um dia na presença de Maria, mãe de Jesus e nossa. O título dado a Nossa Senhora que vamos conhecer um pouco mais hoje, é Nossa de Lourdes. Esse nome foi dado, a Maria, devido sua aparição na região de Lourdes, na França. Confira a história.

História
As aparições de Nossa Senhora de Lourdes começaram no dia 11 de fevereiro de 1858, quando Bernadette Soubirous, camponesa com 14 anos, foi questionada por sua mãe, pois afirmava ter visto uma “dama” na gruta de Massabielle, cerca de uma milha da cidade, enquanto ela estava recolhendo lenha com a irmã e um amigo. A “dama” também apareceu em outras ocasiões para Bernadette até os dezessete anos.

Bernadette Soubirous foi canonizada como santa, por suas visões da Virgem Maria. A primeira aparição da “Senhora”, relatada por Bernadette foi em 11 de fevereiro. O Papa Pio IX autorizou o bispo local para permitir a veneração da Virgem Maria em Lourdes, em 1862.

Em 11 de Fevereiro de 1858, Bernadette Soubirous foi com a irmã Toinette e Jeanne Abadie para recolher um pouco de lenha, a fim de vendê-la e poder comprar pão. Quando ela tirou os sapatos e as meias para atravessar a água, junto à das gruta de Massabielle, ela ouviu o som de duas rajadas de vento, mas as árvores e arbustos não se mexaram. Bernadette viu uma luz na gruta e uma menina, tão pequena como ela, vestida de branco, com uma faixa-azul presa em sua cintura com um rosário em suas mãos em oração e rosas de ouro amarelo, uma em cada pé. Bernadette tentou manter isso em segredo, mas Toinette disse a mãe. Por essa razão ela e sua irmã receberam castigo corporal pela sua história. Três dias depois, Bernadete voltou à gruta com as outras duas meninas. Ela trouxe água benta para utilizar na aparição, a fim testá-la e saber se não “era maligna”, porém a visão apenas inclinou a cabeça com gratidão, quando a água foi dada a ela.

Continuar lendo “Todas as “Nossas Senhoras” são a mesma Mãe de Deus: viva a Nossa Senhora de Lourdes”

Hoje é dia de Nossa Senhora do Carmo. Viva a Mãe de Deus e nossa!!!

Ao olharmos para a história da Igreja encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”.

Cantemos

Carmelo (em hebraico, “carmo” significa vinha; e “elo” significa senhor; portanto, “Vinha do Senhor”): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, donde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi pré-figurada pelo primeiro numa pequena nuvem (cf. I Rs 18,20-45). Estes profetas foram “participantes” da Obra Carmelita, que só vingou devido à intervenção de Maria, pois a parte dos monges do Carmelo que sobreviveram (século XII) da perseguição dos muçulmanos, chegaram fugidos na Europa e elegeram São Simão Stock como seu superior geral; este, por sua vez, estava no dia 16 de julho intercedendo com o Terço, quando Nossa Senhora apareceu com um escapulário na mão e disse-lhe: “Recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo o que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno”.

Vários Papas promoveram o uso do escapulário e Pio XII chegou a escrever: “Devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo – e ainda – escapulário não é ‘carta-branca’ para pecar; é uma ‘lembrança’ para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte”. Neste dia de Nossa Senhora do Carmo, não há como não falar da história dos Carmelitas e do escapulário, pois onde estão os filhos aí está a amorosa Mãe.

Oração a Nossa Senhora do Carmo

Oh! Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe também dos pecadores, e especial Protetora dos que vestem teu sagrado Escapulário; Pelo que sua divina Majestade vos engrandece, escolhendo-vos para verdadeira Mãe sua, vos suplico me alcances de teu querido Filho o perdão de meus pecados, a emenda de minha vida, a salvação de minha alma, o remédio de minhas necessidades, a esperança de minhas aflições e a graça especial que peço nesta novena, se convém para sua maior honra e glória, e bem de minha alma: Que eu, Senhora, para consegui-lo me valho de vossa intercessão poderosa, e quisera ter o Espírito de todos os anjos, Santos e justos a fim de poder adorar vos dignamente;

E unindo minhas vozes com seus afetos, vos saúdo uma e mil vezes, dizendo:

Bendita sois sempre Virgem Maria.

Rezar três Ave-Marias

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Hoje é dia da Anunciação do Senhor

Anunciação do SenhorNeste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço.

Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: “A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade.”

Com alegria contemplamos o mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém, desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:

“No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas , Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’” (cf. Lc 1,26-38).

Sendo assim, hoje é o dia de proclamarmos: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14a). E fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, devido à plenitude dos tempos. É o momento histórico, em que o SIM do Filho ao Pai precedeu o da Mãe: “Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade” (Hb 10,7). Mas não suprimiu o necessário SIM humano da Virgem Santíssima.

Cumprindo desta maneira a profecia de Isaías: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7,14). Por isso rezemos com toda a Igreja:

“Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.

Anjo anunciou a maria

Vaticano adverte que Medjugorje não pode ser assumida como verdadeira aparição

Foto: A carta enviada às diocese dos Estados Unidos

(ACI/EWTN Noticias).- O Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Dom Gerhard Müller, advertiu que as supostas aparições da Virgem Maria aos videntes de Medjugorje não podem ser assumidas como verdadeiras.

Ante a proximidade de uma série de eventos nos Estados Unidos com a participação Ivan Dragicevic, suposto vidente do Medjugorje, Dom Müller recalcou aos Bispos deste país que a posição da Igreja é que “não é possível estabelecer que houve aparições ou revelações sobrenaturais”.

Através de uma carta enviada ao Secretário Geral da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos, Dom Ronny Jenkins, o Núncio Apostólico nesse país, o Arcebispo Carlo Maria Viganò, a pedido de Dom Müller, indicou que “um dos assim chamados videntes do Medjugorje, o Sr. Ivan Dragicevic, estará presente em eventos em paróquias ao redor do país” nas que, conforme avisado, “o Sr. Dragicevic estará recebendo ‘aparições’”.

Com o objetivo de “evitar escândalo e confusão”, Dom Viganò recordou aos Bispos que “os clérigos e os fiéis não estão permitidos a participar de reuniões, conferências ou celebrações públicas durante as quais a credibilidade de tais ‘aparições’ seja finalmente afirmada”.

“O Arcebispo Müller pede que os Bispos sejam informados sobre este tema o antes  possível”, escreveu o Núncio. ACI Digital confirmou hoje que a carta do Núncio Apostólico foi recebida nas dioceses dos Estados Unidos.

Na Carta, Dom Viganò assinalou aos Bispos americanos: “como vocês sabem bem, a Congregação para a Doutrina da Fé está no processo de investigar certos aspectos doutrinais e disciplinares do fenômeno de Medjugorje. Por esta razão, a Congregação afirmou que, a respeito da credibilidade da ‘aparição’ em questão, todos devem aceitar a declaração, com data 10 de abril de 1991, dos Bispos da Ex-república da Iugoslávia, que afirma: ‘sobre a bases da investigação realizada, não é possível estabelecer que houve aparições ou revelações sobrenaturais’”.

A história destas aparições, não reconhecidas oficialmente pela Igreja Católica, começou em 1981 no povoado de Medjugorje, na atual Bosnia Herzegovina (parte da antiga Iugoslávia), onde seis meninos disseram ter visto a Virgem Maria. O então sacerdote Tomislav Vlasic, hoje retirado do estado clerical, apresentou-se como o diretor espiritual dos “videntes” e assinalou que a Virgem os visitou 40 mil vezes nos últimos 28 anos.

Embora as aparições não contam com o reconhecimento oficial da Igreja Católica, milhares de fiéis peregrinam anualmente ao lugar, onde inclusive foi construído um templo.

Em março de 2010 a Igreja criou uma comissão internacional de investigação sobre  Medjugorje, sujeita à Congregação para a Doutrina da Fé, composta por cardeais, bispos, peritos e experts, que trabalha de maneira reservada no caso.

Santa Maria Madalena, rogai por nós!

Santa Maria MadalenaNatural de Mágdala, na Galileia, Maria Madalena foi contemporânea de Jesus Cristo, tendo vivido no Século I. O testemunho de Maria Madalena é encontrado nos quatro Evangelhos:

“Os doze estavam com ele, e também mulheres que tinham sido curadas de espíritos maus e de doenças. Maria, dita de Mágdala, da qual haviam saído sete demônios…” (Lc 8,1-2).

Após ter sido curada por Jesus, Maria Madalena coloca-se a serviço do Reino de Deus, fazendo um caminho de discipulado, de seguimento a Nosso Senhor no amor e no serviço. E este amor maduro de Maria Madalena levou-a até ao momento mais difícil da vida e da missão de Nosso Senhor, permanecendo ao lado d’Ele:

“Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe e a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena” (Jo 19,25).

Maria Madalena foi a primeira testemunha da Ressurreição de Jesus:

“Então, Jesus falou: ‘Maria!’ Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: ‘Rabûni!’ (que quer dizer: Mestre)” (Jo 20,16).

A partir deste encontro com o Ressuscitado, Maria Madalena, discípula fiel, viveu uma vida de testemunho e de luta pela santidade.

Existe também uma tradição de que Maria Madalena, juntamente com a Virgem Maria e o Apóstolo João, foi evangelizar em Éfeso, onde depois veio a falecer nesta cidade.

O culto à Santa Maria Madalena no Ocidente propagou-se a partir do Século XII.

Santa Maria Madalena, rogai por nós!

Hoje 24 de maio a Igreja celebra a festa de Nossa Senhora Auxiliadora

(ACI).| Historicamente, a difusão do título de Maria “Auxílio dos Cristãos”, começou ao redor de 1558, quando esta invocação era mencionada nas ladainhas que se recitavam no santuário de Loreto (Itália). Estas foram aprovadas pelo Papa Clemente VIII em 1601.

Entretanto, são três datas as que marcam a divulgação universal da devoção à Santíssima Virgem sob o título de Auxiliadora dos Cristãos, sendo a primeira desta em 7 de outubro de 1571, dia da batalha de Lepanto.

Nessa ocasião, a frota cristã venceu os turcos com o Auxílio de Maria. Depois da vitória, propagou-se a invocação de “Maria Auxílio dos Cristãos”, de boca dos soldados sobreviventes de Lepanto, difundindo-se por toda a Europa.

A segunda data importante é 12 de setembro de 1683 quando o rei da Polônia, Juan Sobieski, apesar de contar com um exército inferior em forças, mas encomendando-se à ajuda de Maria Auxiliadora, venceu o exército russo.

Finalmente em 24 de maio de 1814, o Papa Pio VII, libertado da prisão napoleônica pela intervenção da Virgem Maria, entrou triunfante em Roma. Alguns meses mais tarde, instituiu a festa de “Maria Auxiliadora”.

Religiosas latino-americanas e mártires italianos: primeiros santos do pontificado do Papa Francisco

Cidade do Vaticano (RV) – Um grupo de mártires italianos e duas religiosas latino-americanas, fundadoras de institutos de vida consagrada, serão os primeiros santos do pontificado do Papa Francisco que os canonizará no dia 12 de maio próximo.

Dentre os futuros santos se encontra a colombiana Laura de Santa Catarina de Sena (1874-1949), a primeira católica do país a ser canonizada.

Madre Laura Montoya destacou-se enquanto fundadora da Congregação das Irmãs Missionárias da Beata Virgem Maria Imaculada e de Santa Catarina de Sena.

Atualmente a congregação está presente em 21 países da África, Europa (Espanha e Itália) e, sobretudo, América Latina.

Francisco, primeiro Papa do continente americano na história da Igreja Católica, presidirá a missa de canonização na Praça São Pedro, às 09h30 locais.

Os processos foram concluídos no consistório de 11 de fevereiro deste ano, dia em que Bento XVI apresentou a sua renúncia ao pontificado.

Além da colombiana Laura Montoya serão canonizados o italiano Antonio Primaldo e cerca de 800 companheiros leigos, assassinados por ódio à fé em 13 de agosto de 1.480, na cidade de Otranto, durante uma invasão levada a cabo por tropas turcas.

A outra nova santa é a mexicana Maria Guadalupe (1878-1963), que participou na criação da Congregação das Servas de Santa Margarida Maria e dos Pobres.

A canonização é a confirmação, por parte da Igreja, de que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser dado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade. (MJ/Agência Ecclesia)

Hoje é dia da Anunciação do Senhor

Anunciação do SenhorNeste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço.

Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: “A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade.”

Com alegria contemplamos o mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém, desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:

“No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas , Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’” (cf. Lc 1,26-38).

Sendo assim, hoje é o dia de proclamarmos: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14a). E fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, devido à plenitude dos tempos. É o momento histórico, em que o SIM do Filho ao Pai precedeu o da Mãe: “Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade” (Hb 10,7). Mas não suprimiu o necessário SIM humano da Virgem Santíssima.

Cumprindo desta maneira a profecia de Isaías: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7,14). Por isso rezemos com toda a Igreja:

“Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.

Anjo anunciou a maria

Bento XVI: “Que o natal não seja só uma festa exterior”

natal01Durante o ângelus deste domingo, 9 de dezembro, papa Bento XVI centrou-se nas virtudes de São João Batista. O Santo Padre apareceu ao meio dia na janela do seu escritório no Palácio Apostólico e cumprimentou os peregrinos e os fieis reunidos na Praça de São Pedro.

O texto foi publicado pela agência ZENIT:

Queridos irmãos e irmãs!

No tempo do Advento a liturgia enfatiza, de modo  particular, duas figuras que preparam a vinda do Messias: a Virgem Maria e João Batista. Hoje São Lucas nos apresenta este último, e o faz com características diferentes dos outros Evangelistas. “Todos os quatro Evangelhos colocam no início do ministério de Jesus a figura de João Batista e apresentam-no como o seu precursor. São Lucas colocou antes a conexão entre as duas figuras e as suas respectivas missões […] Já na concepção e no nascimento, Jesus e João colocaram-se em relação entre si” (A infância de Jesus, 23).

Essa configuração ajuda a entender que João, enquanto filho de Zacarias e Isabel, ambos de famílias sacerdotais, não é apenas o último dos profetas, mas representa também todo o sacerdócio da Antiga Aliança e por isso prepara os homens ao culto espiritual da Nova Aliança, inaugurado por Jesus (cf. ibid. 27-28). Lucas também afasta qualquer leitura mítica que às vezes é feita dos Evangelhos e coloca historicamente a vida do Batista: “No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador […] enquanto eram sumos sacerdotes Anás e Caifás” (Lc 3, 1-2). Dentro deste quadro histórico reside o verdadeiro grande evento, o nascimento de Cristo, que seus contemporâneos não vão perceber. Para Deus os grandes homens da história formam o pano de fundo para os pequenos!

Na natal eu comemoro o nascimento de Jesus

João Batista se define como a “voz que clama no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” (Lc 3, 4). A voz proclama a palavra, mas, neste caso, a Palavra de Deus precede, enquanto que é ela mesma que desce sobre João, Filho de Zacarias, no deserto (cf. Lc 3, 2). Ele, então, desempenha um grande papel, mas sempre em relação a Cristo. Santo Agostinho comenta: “João é a voz. Do Senhor ao contrário se diz: “No princípio era o Verbo” (João 1, 1).

João é a voz que passa, Cristo é o Verbo eterno, que existia no princípio. Se tiras a voz da palavra, o que é que resta? Um som fraco. A voz sem palavra atinge o ouvido, mas não edifica o coração” (Sermão 293, 3).

Nosso objetivo é dar hoje ouvido à essa voz para conceder espaço e acolhida no coração à Jesus, Palavra que nos salva. Neste Tempo de Advento, preparemo-nos para ver, com os olhos da fé, na humilde Gruta de Belém, a salvação de Deus (cf. Lc 3, 6). Na sociedade dos consumos, em que se busca a alegria nas coisas, o Batista nos ensina a viver de uma forma essencial, para que o Natal seja vivido não só como uma festa exterior, mas como a festa do Filho de Deus que veio para trazer aos homens a paz, a vida e a alegria verdadeira.

À materna intercessão de Maria, Virgem do Advento, confiamos o nosso caminho de encontro com o Senhor que vem, para estarmos prontos para acolher, no coração e em toda a vida, o Emanuel, o Deus-conosco.

Suposta imagem da Virgem Maria em janela atrai multidão na Malásia

G1 – Católicos estão venerando uma imagem parecida com a da Virgem Maria e que apareceu em uma janela de um hospital de Subang Jaya, subúrbio de Kuala Lumpur, capital da Malásia.

A concentração de fiéis no local está provocando congestionamentos. A imagem também virou viral nas redes sociais.

Autoridades da Igreja Católica local e do hospital não comentaram o caso.

Suposta imagem da Virgem Maria que teria aparecido em janela de hospital na periferia de Kuala Lumpur, capital da Malásia (Foto: Reuters)

 

Fiéis concentram-se em frente a suposta imagem da Virgem Maria neste domingo (11) em subúrbio de Kuala Lumpur (Foto: Reuters)

 

O Rosário da Virgem Maria

Dom Canísio Klaus
Bispo de Santa Cruz do Sul (RS)

No final de outubro, muitas comunidades invocam a bênção para as capelinhas de Nossa Senhora e fazem o envio das zeladoras para que promovam a sua visita a todas as famílias católicas. Junto a isso, é reforçado o convite para a oração do Terço, uma vez que outubro, além de ser o mês das Missões, é também o mês do Rosário. Uma das mais eficazes formas de ser missionário e manter viva a chama da fé no coração das pessoas é, certamente, a visita da capelinha de Nossa Senhora associada à oração do Terço.

A oração do Santo Rosário, que é um conjunto de quatro Terços, tem sua origem no século IX da era cristã. Surgiu ao lado dos mosteiros como forma de oração do povo simples, que não tinha condições de participar da oração dos 150 salmos que eram rezados pelos monges. São Domingos de Gusmão lhe deu a forma usual em 1206, propondo a sua oração “pela conversão dos pecadores”. Dividiu o Rosário de 150 Ave-Marias em três terços, com 50 Ave-Marias cada um. Em 1500 associou-se a cada dezena de Ave-Marias um episódio da vida de Jesus ou de Maria. Foi assim que surgiu o Rosário com os mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos. Em 2002, João Paulo II lhe acrescentou os Mistérios Luminosos, propondo o acréscimo de mais 50 Ave-Marias. Com isso, o Rosário passou a ser composto por quatro Terços de 50 Ave-Marias cada um.

Na Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, escrita por ocasião do lançamento do Ano do Rosário em 2002, o papa João Paulo II disse que “o Rosário é oração amada por numerosos santos e estimulada pelo magistério. Na sua simplicidade e profundidade, permanece uma oração de grande significado e destinado a produzir frutos de santidade”. Mais adiante, a partir da convicção de que a “família que reza unida permanece unida”, propõe “o relançamento do Rosário nas famílias cristãs como ajuda eficaz para conter os efeitos devastadores da crise de nossa época”. Por isso pede “a todos aqueles que se dedicam à pastoral das famílias para sugerirem com convicção a recitação do Rosário”.

Na Diocese de Santa Cruz do Sul temos a alegria de contar com muitas capelinhas de Nossa Senhora e vários grupos que se reúnem para a oração do Terço. Pessoalmente sou testemunha de que nos lugares onde esta prática é mais usual, as comunidades são mais sólidas e as famílias se conservam mais unidas. Por isso, estamos distribuindo por toda a Diocese um pequeno manual, destinado, principalmente, para as crianças, que traz orientações sobre a oração do Rosário. Queremos que todas as pessoas aprendam esta oração e a rezem seguidamente na família, nos grupos de oração e de forma individual.

Que Nossa Senhora do Rosário siga a nos guiar nos passos de seu filho Jesus de Nazaré e nos firme na fé no Deus Pai, Filho e Espírito Santo! Amém.

Paraguaios se amontoam para pegar dinheiro jogado de igreja na festa da Natividade de Nossa Senhora

Matéria publica no G1

Dezenas de paraguaios se amontoaram nesta sexta-feira (7) na frente de uma igreja na cidade de Guarambaré, ao sul de Assunção, para pegar dinheiro jogado a partir do campanário em uma tradicional celebração da Natividade da Virgem Maria.

Aos gritos, empurrões e no meio de uma grande euforia os presentes à festa se lançaram à caça de moedas e notas, em sua maioria de baixo valor, que foram jogados por pessoas que desta maneira agradeceram à Virgem Maria as promessas e os favores cumpridos.

O acontecimento se repete a cada dia 7 de setembro e marca o início dos festejos da Natividade da Virgem Maria, padroeira de Guarambaré, a 37 quilômetros ao sul da capital.

Domingo Medina, um agricultor de cem anos, voltou a comparecer este ano ajudado por seus familiares para jogar dinheiro em troca do pedido à Virgem por saúde para poder continuar participando desta festividade.

Apesar de atualmente o número de pessoas que sobem até o alto do templo para jogar dinheiro ter se reduzido, devido ao perigo que representa a aglomeração de gente e os empurrões que acontecem, os fiéis voltaram a comparecer maciçamente, inclusive de diversas localidades.

Mas a maior quantidade de devotos se concentra no dia 8 de setembro para a missa principal e a procissão da imagem de Nossa Senhora pelas ruas do município.

Como em toda festividade dos povos paraguaios, paralelamente ao acontecimento católico, as cidades, como neste caso Guarambaré, se encheu de feiras, exposições de artesanato e parques de diversões, e também são realizados festivais de dança e música.

Além disso, se realiza a escolha da rainha de beleza da cidade, exibições equestres e banquetes, nos quais são abundantes carne assada, mandioca e a popular sopa paraguaia (torta salgada de farinha de milho).

Pentecostes é festa da união e da compreensão, define Bento XVI

O Papa Bento XVI celebrou, na Basílica Vaticana, na manhã deste domingo, 27, a Santa Missa na solenidade de Pentecostes, “festa da união, da compreensão e da comunhão humana”.

Em sua homilia, o Santo Padre destacou que atualmente, mesmo com o desenvolvimento dos meios de comunicação e com “encurtamento” das distâncias geográficas, a compreensão e a comunhão entre as pessoas parecem ser sempre superficiais e difíceis. Então ele questiona: “Nesta situação, podemos encontrar realmente e viver aquela unidade que precisamos?”.

O Papa recorda da antiga história da construção da Torre de Babel (cfr Gen 11,1-9), onde os homens acreditavam não precisar mais de Deus e queriam sozinhos construir um caminho que os levasse ao céu para abrir as portas e colocarem-se no lugar de Deus.

“Também no nosso mundo, com o progresso das ciências e das técnologias encontramos o poder de dominar as forças da natureza, de manipular os elementos, de fabricar seres vivos, chegando quase ao próprio ser humano, rezar a Deus parece algo ultrapassado, inútil, porque nós mesmos podemos construir e realizar tudo aquilo que queremos. Mas não notamos que estamos revivendo a mesma experiência de Babel”, salienta o Pontífice.

O Santo Padre aponta a resposta para este conflito está na Sagrada Escritura, no episódio de Pentecostes. Naquela manhã, 50 dias depois da Páscoa, um vento forte soprou sobre Jerusalém e a chama do Espírito Santo desceu sobre os discípulos reunidos, pousou sobre cada um e acendeu neles aquele fogo divino, um fogo de amor capaz de transformar. Em Pentecostes, onde existia divisão e estranhamento, nasceu unidade e compreensão.

“E assim, torna mais claro porque Babel é Babel e Pentecostes é Pentecostes. Onde os homens querem fazer-se Deus, somente colocam-se uns contra os outros. Onde, em vez, colocam-se na verdade do Senhor, abrem-se para a ação do Espírito que os sustenta e os une. Queridos amigos, devemos ser segundo o Espírito de unidade e verdade, e para isso devemos rezar para que o Espírito nos ilumine e nos guie para vencer o fascínio de seguir nossa verdade, e para acolher a verdade de Cristo transmitida na Igreja”, enfatizou.

Como em Pentecostes, concluiu Bento XVI, a Igreja hoje se recolhe com a Virgem Maria para rezar: “Veni Sancte Spiritus! – Vem, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor!”

Acesse
.: NA ÍNTEGRA: Homilia de Bento XVI na Solenidade de Pentecostes – 27/05/2012

Todas as “Nossas Senhoras” são a mesma Mãe de Deus: Nossa Senhora do Carmo

Todas as “Nossas Senhoras” são a mesma Mãe de Deus. Hoje vamos ver a história da aparição de Maria aos carmelitas e assim recebendo o título de Nossa Senhora do Carmo.

História

Os primeiros carmelitas, em fins do século XII depois de Cristo (mais de dois mil anos depois da vida do profeta Elias) decidiram formar uma comunidade no Monte Carmelo. O Monte Carmelo é conhecidíssimo pela sua beleza, o nome significa “jardim”. Os primeiros monges eram cavaleiros cruzados, que cansados da violência e injustiça daquelas guerras para conquistar a Terra Santa das mãos dos mouros, ali se refugiaram, sedentos de uma vida mais autenticamente evangélica. Atraídos ao Monte Carmelo, pela fama e tradição do profeta Elias, ali fundaram uma capela e em torno dela construíram seus quartos ou “celas”. Isto foi por volta de 1155, dedicaram-se a uma vida de penitência e reparação pelos abusos dos cruzados; exercitavam-se na prática da oração e união com Deus e a trabalhos manuais. Escolheram Elias como Pai Espiritual e exemplo de vida monástica de oração e testemunho Profético em meio a um mundo dominado pelas injustiças.

Dedicaram a capelinha à Virgem Maria e sob sua proteção dedicaram-se à imitação de suas virtudes, procurando levar uma vida fixa em Deus. Chamaram a Maria “Senhora” do lugar, segundo os costumes feudais, e renderam a Ela serviço de dedicada doação dos primeiros carmelitas: Homens simples, irmãos, sem muita instrução. Os peregrinos e cruzados que os visitaram, começaram a chamá-los IRMÃOS DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO. Receberam este titulo por causa da capela dedicada a Maria; figura central na vida daqueles monges, que levavam uma vida contemplativa, a serviço do Senhor, a exemplo de Elias.

Mais ou menos no ano de 1209, os irmãos decidiram formalizar a sua vida, pedindo uma Regra de vida ao bispo Alberto, patriarca de Jerusalém, homem piedoso e conhecido pela sua sabedoria e prudência. Alberto levando em consideração as tradições deste pequeno grupo de monges escreveu-lhes uma Regra muito simples, que os Carmelitas observam até hoje. Com o tempo, quando já na Europa, viajaram a Roma para apresentar ao papa o pedido de aprovação da nova Ordem. No ano de 1226, o Papa Honório I1I concedeu a aprovação oficial da Igreja à ORDEM DOS IRMÃOS DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO. É este o titulo com que a ordem se apresenta até os dias de hoje. Com esta aprovação os irmãos viveram a sua vida de oração e trabalho, com o ideal de se unir continuamente ao Senhor, a dia todo e em cada obra, a exemplo de Elias, seu Pai Espiritual, e de sua Mãe e protetora, a Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe do Carmelo.

A sua tranqüilidade foi interrompida por ocasião da segunda investida dos mouros, por volta do ano de 1235. Os mouros retornaram a Terra Santa movendo feroz perseguição contra os cristãos. Os carmelitas dividiram-se em dais grupos: um, que Permaneceu no Monte Carmelo; os monges foram massacrados e o mosteiro incendiado; o segundo grupo refugiou-se na Sicília, Creta, Itália e finalmente na Inglaterra, no ano de 1238.

A APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA (AYLESFORD – INGLATERRA)

Na Inglaterra, os irmãos fundaram um mosteiro em Aylesford, onde procuraram imitar a vida deserta do Monte Carmelo. È um lugar de beleza natural, próprio para a prática da oração e a vida de reflexão e meditação. Aqui começa uma nova época da vida dos irmãos dá Virgem Maria.

Na Inglaterra, eles não foram aceitos pelos demais religiosos e eclesiásticos. Vindos de um deserto da Palestina, com suas tradições e hábitos distintos, os outros os menosprezavam dizendo que a Europa já possuía muitas ordens religiosas e não precisava de mais uma. Era uma situação desesperadora para os frades, corriam outra vez o risco de se extinguir como ordem religiosa: primeiro foram os mouros, agora os religiosos. Mas a que os carmelitas queriam era tão somente viver em paz e continuar a sua vida de oração e trabalho. Lutaram de novo pela sua sobrevivência.

Imitando o exemplo dos primeiros Irmãos, o Prior Geral dos Carmelitas, São Simão Stock, recorreu à oração. S. Simão era um homem considerado por todos os Irmãos como um homem de intensa oração, de entrega total, devoção e amor á Mãe do Carmelo, a Virgem Maria. Diz a tradição: na noite do dia 16 de julho de 1251, Simão, mergulhado na oração, dirigiu-se a Virgem Maria e pediu-lhe o “privilégio feudal” a proteção da “Senhora” sobre seus vassalos em tempos de perseguição e dificuldades. Pediu-lhe que ajudasse a seus irmãos, porque estes sempre se mantinham fiéis a seu serviço e agora necessitavam de sua ajuda. Neste momento, segundo a tradição, rezou esta famosa oração que até hoje os Carmelitas cantam solenemente nas festas:

“Flor do Carmelo, vide florida. Esplendor do Céu. Virgem Mãe incomparável. Doce Mãe, mas sempre Virgem, Sede propicia aos carmelitas, Ó Estrela do Mar”.

Durante esta oração, apareceu-lhe a própria Virgem Maria, rodeada de anjos. Entregou-lhe a Escapulário que tinha em suas mãos e disse-lhe:

“Recebe, meu filho muita amado, este Escapulário de tua Ordem, sinal de meu amor, privilégio para ti e para todos os carmelitas: quem com ele morrer, não se perderá. Eis aqui um sinal da minha aliança, salvação nos perigos, aliança de paz e de amor eterno”.

Depois disto, Simão chamou todos os frades e explicou o que havia acontecido. Acrescentaram o Escapulário ao hábito e começaram a cantar esta maravilhosa aventura da Virgem Maria para ajudar os carmelitas. De toda a Inglaterra, o povo dirigia-se aos carmelitas, pedindo o Escapulário, para poder compartilhar deste favor, de Maria e gozar de sua proteção. Terminou a perseguição, dai por diante ninguém mais se atrevia a molestar a tranqüilidade da Ordem favorecida pela própria Virgem Maria. Forçosamente tinham que aceitar os Irmãos dela.

Atentas á nova realidade ambiental, os Irmãos de Maria começaram a adaptar-se a cultura européia. Mantiveram sempre as suas tradições de oração e união com Deus, e aceitaram pela primeira vez apostolados ativos. Assumiram paróquias e pregaram o evangelho por toda a parte. Mudaram a capa listada por uma capa inteiramente branca, símbolo do Batismo e da alegria da Ressurreição. E ainda hoje, nas festas, os carmelitas conservam esta capa branca. A fama da ordem cresceu em toda a Europa, cresceu o número de vocações carmelitas e despertou-se o espírito de zelo pela vida religiosa.

Adaptaram o Escapulário grande à uma forma mais pequena para o povo, e muitos começaram a usá-lo, como, sinal de amor a Virgem Maria e símbolo de vida cristã fixa em Deus.

O ESCAPULÁRIO, UM SINAL MARIANO

O escapulário é um sinal aprovado pela igreja e aceito pela Ordem do Carmo como manifestação extrema de amor a Maria, de confiança filial nela e do compromisso de imitar a sua vida. A palavra “escapulário” indica uma vestimenta que os monges usavam sobre o hábito religioso durante o trabalho manual. Com o tempo assumiu um significado simbólico: o de carregar a cruz de cada dia, como os discípulos e seguidores de Jesus. Em algumas Ordens religiosas, como no Carmo, o Escapulário tornou-se um sinal da sua identidade e vida. O escapulário simbolizou o vínculo especial dos carmelitas com Maria a Mãe do Senhor, que exprime a confiança na sua materna proteção e o desejo de imitar a sua vida de doação a Cristo e aos outros. Transformou-se assim num sinal mariano.

O VALOR E O SIGNIFICADO DO ESCAPULÁRIO.

O escapulário funda as suas raízes na tradição da Ordem, que o interpretou como sinal da proteção materna de Maria. Contém em si mesmo, a partir desta experiência plurissecular, um significado espiritual aprovado pela igreja: representa o compromisso de seguir Jesus como Maria, o modelo perfeito de todos os discípulos de Cristo. Este compromisso tem a sua origem no batismo que nos transforma em filhos de Deus.

Por ele a Virgem Maria nos ensina a:

·    viver abertos a Deus e à sua vontade, manifestada nos acontecimentos da vida;

·    escutar a palavra de Deus na Bíblia e na vida, a crer nela e a pôr em prática as suas exigências;

·   orar em todo momento descobrindo Deus presente em todas as circunstâncias;

·   viver próximos aos nossos Irmãos na necessidade e a solidarizar-se com eles.

·   introduz na fraternidade do Carmelo, comunidade de religiosos (as), presentes na igreja há mais de oito séculos, e compromete a viver o ideal desta família religiosa: a amizade íntima com Deus através da oração.

·  põe-nos diante do exemplo das santas e dos santos com os quais estabeleceu uma relação familiar de Irmãos e irmãs.

·   Exprime a fé no encontro com Deus na vida eterna pela intercessão de Maria e sua proteção.

NORMAS PRÁTICAS:

·    O escapulário é imposto só uma vez por um sacerdote ou uma pessoa autorizada.

·    Pode ser substituído por uma medalha que represente de uma parte a imagem do Sagrado Coração de Jesus e da outra, a Virgem Maria.

·  O escapulário compromete com uma vida autêntica de cristãos que se conformam às exigências evangélicas, recebem os sacramentos, professa uma especial devoção à Santíssima Virgem, expressa ao menos com a recitação diária de três Ave Maria.

O ESCAPULÁRIO DO CARMO NÃO É:

·   Um sinal de proteção mágica, um amuleto;

·   Uma garantia automática de salvação;

·   Uma dispensa de viver as exigências da vida cristã.

·    É UM SINAL:

·   Aprovado pela igreja há sete séculos;

·  Que representa o compromisso de seguir Jesus como Maria:

·   abertos a Deus e à sua vontade;

·   guiados pela fé, pela esperança e pelo amor;

·   próximos dos necessitados;

·   orando em todos os momentos e descobrindo Deus presente em todas as circunstâncias;

·   que introduz na família do Carmelo;

·   que alimenta a esperança do encontro com Deus na vida eterna pela proteção de Maria e sua intercessão.

Jornada internacional celebra 95 anos das aparições de Fátima

Neste ano, a Igreja comemora os 95 anos da primeira aparição da Virgem Maria aos três pastorinhos em Fátima, Portugal, ocorrida no dia 13 de maio de 1917. Como é tradição todos os anos, no próximo domingo, data da celebração, será realizada a Jornada Internacional do Peregrino..

O evento, promovida pela Obra Romana Peregrinações, já está na sua oitava edição e acontecerá na Basílica de São João de Latrão, em Roma. Desde o seu início, a Jornada terá características marianas com o acolhimento da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima. Esse é um momento privilegiado para se compartilhar tanto a oração, quanto a experiência da peregrinação.

A Jornada desenvolve-se com um concerto-meditação com a recitação do Santo Rosário, parte de um projeto de evangelização através da arte em suas diversas manifestações, como música, poesia, fotografia, entre outras. No final do dia, uma Missa presidida pelo Cardeal Vallini, Vigário do Papa para a diocese de Roma e Presidente da Obra Romana Peregrinações, concluindo a oitava edição da Jornada Nacional do Peregrino.

Todas as “Nossas Senhoras” são a mesma Mãe de Deus: viva a Nossa Senhora de Lourdes

Hoje vamos viver mais um dia na presença de Maria, mãe de Jesus e nossa. O título dado a Nossa Senhora que vamos conhecer um pouco mais hoje, é Nossa de Lourdes. Esse nome foi dado, a Maria, devido sua aparição na região de Lourdes, na França. Confira a história.

História
As aparições de Nossa Senhora de Lourdes começaram no dia 11 de fevereiro de 1858, quando Bernadette Soubirous, camponesa com 14 anos, foi questionada por sua mãe, pois afirmava ter visto uma “dama” na gruta de Massabielle, cerca de uma milha da cidade, enquanto ela estava recolhendo lenha com a irmã e um amigo. A “dama” também apareceu em outras ocasiões para Bernadette até os dezessete anos.

Bernadette Soubirous foi canonizada como santa, por suas visões da Virgem Maria. A primeira aparição da “Senhora”, relatada por Bernadette foi em 11 de fevereiro. O Papa Pio IX autorizou o bispo local para permitir a veneração da Virgem Maria em Lourdes, em 1862.

Em 11 de Fevereiro de 1858, Bernadette Soubirous foi com a irmã Toinette e Jeanne Abadie para recolher um pouco de lenha, a fim de vendê-la e poder comprar pão. Quando ela tirou os sapatos e as meias para atravessar a água, junto à das gruta de Massabielle, ela ouviu o som de duas rajadas de vento, mas as árvores e arbustos não se mexaram. Bernadette viu uma luz na gruta e uma menina, tão pequena como ela, vestida de branco, com uma faixa-azul presa em sua cintura com um rosário em suas mãos em oração e rosas de ouro amarelo, uma em cada pé. Bernadette tentou manter isso em segredo, mas Toinette disse a mãe. Por essa razão ela e sua irmã receberam castigo corporal pela sua história. Três dias depois, Bernadete voltou à gruta com as outras duas meninas. Ela trouxe água benta para utilizar na aparição, a fim testá-la e saber se não “era maligna”, porém a visão apenas inclinou a cabeça com gratidão, quando a água foi dada a ela.

Em 18 de fevereiro, ela foi informada pela senhora para retornar à gruta, durante um período de duas semanas. A senhora teria dito: “Eu prometo fazer você feliz não neste mundo, mas no próximo”. Após a notícia se espalhar, as autoridades policiais e municipais começaram a ter interesse. Bernadette foi proibida pelos pais e o comissário de polícia Jacomet para ir lá novamente, mas ela foi assim mesmo. No dia 24 de Fevereiro, a aparição pediu oração e penitência pela conversão dos pecadores. No dia seguinte, a aparição convidou Bernadette a cavar o chão e beber a água da nascente que encontrou lá. Como a notícia se espalhou, essa água, foi administrada em pacientes de todos os tipos, e muitas curas milagrosas foram noticiadas. Sete dessas curas foram confirmados como desprovidas de qualquer explicação médica pelo professor Verges, em 1860. A primeira pessoa com um milagre certificado era uma mulher, cuja mão direita tinha sido deformada em conseqüência de um acidente. O governo vedou a Gruta e emitiu sanções mais duras para alguém que tentasse chegar perto da área fora dos limites. No processo, as aparições de Lourdes tornaram-se uma questão nacional na França, resultando na intervenção do imperador Napoleão III, com uma ordem para reabrir a gruta em 4 de Outubro de 1858. A Igreja decidiu ficar completamente longe da polêmica.

Bernadette, conhecendo as localidades bem, conseguiu visitar a gruta à noite, mesmo quando vedada pelo governo. Lá, em 25 de março, a aparição lhe disse: “Eu sou a Imaculada Conceição” (“que soy era Immaculada concepciou”).
No domingo de Páscoa, 7 de abril, o médico examinou Bernadette e observou que suas mãos seguravam uma vela acesa e mesmo assim não possuiam qualquer queimaduras.[6] Em 16 de Julho, Bernadette foi pela última vez à Gruta e relatou que “Eu nunca a tinha visto tão bonita antes”.[6] A Igreja, diante de perguntas de nível nacional, decidiu instituir uma comissão de inquérito, em 17 de Novembro de 1858. Em 18 de Janeiro de 1860, o bispo local declarou que: “A Virgem Maria apareceram de fato a Bernadette Soubirous”.[6] Estes eventos estabeleceram o culto mariano de Lourdes, que, juntamente com Fátima, é um dos santuários marianos mais freqüentados no mundo, ao qual viajam anualmente entre 4 e 6 milhões de peregrinos.

A veracidade das aparições de Lourdes não são um artigo de fé para os católicos. Não obstante todos os últimos Papas visitaram este local. Bento XV, Pio XI e João XXIII foram quando ainda eram bispos, Pio XII, como delegado papal. Ele também declarou uma peregrinação a Lourdes em uma encíclica na comemoração sobre o 100º aniversário das aparições, completados em 1958.João Paulo II visitou Lourdes três vezes e o Papa Bento XVI concluiu uma visita lá em 15 de setembro de 2008 para comemorar o 150º aniversário das aparições em 1858.

Posição da Igreja Católica

Em 18 de janeiro de 1862, Dom Laurence, bispo de Tarbes, deu a declaração solene: “Inspirados pela Comissão composta por sábios, doutores e experientes sacerdotes que questionaram a criança, estudaram os fatos, examinaram tudo e pesaram todas as provas. Chamamos também a ciência, e estamos convencidos de que as aparições são sobrenaturais e divinas, e que por conseqüência, o que Bernadette viu foi a Santíssima Virgem Maria. Nossas convicções são baseadas no depoimento de Bernadette, mas, sobretudo, sobre as coisas que têm acontecido, coisas que não podem ser outra coisa senão uma intervenção divina.”

A Igreja Católica celebra uma missa em honra de Nossa Senhora de Lourdes (memória facultativa), em muitos países, em 11 de fevereiro de cada ano – o aniversário da primeira aparição. Havia uma longa tradição de interpretar o Cântico dos Cânticos (4,7) – “Tu és toda formosa, meu amor, não há mancha em ti”, como uma alegoria à Imaculada Conceição e às aparições de Lourdes, isso até a reforma litúrgica na sequência do Concílio Vaticano II.

O Santuário

O Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, é uma área com várias igrejas e outras instituições construída em torno da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de Lourdes, França. Este terreno é propriedade administrada pela Igreja, e tem várias funções, incluindo atividades devocionais, escritórios e alojamentos para peregrinos doentes e seus ajudantes. O Santuário inclui a Gruta, torneiras próximas que dispensam a água de Lourdes, e os escritórios do departamento médico de Lourdes, bem como várias igrejas e basílicas. Compreende uma área de 51 hectares, e inclui 22 lugares distintos de culto. Há seis línguas oficiais faladas no Santuário: Francês, Inglês, Italiano, Espanhol, Holandês e Alemão.

Na cultura popular

Em 1943, a história se tornou a base do filme A Canção de Bernadette. Jennifer Jones interpretou Bernadete, enquanto Linda Darnell retratou a Virgem Maria. O filme ganhou vários prêmios da Academia, incluindo um Oscar de Melhor Atriz por Jones. Na primeira cerimónia dos Globos de Ouroem 1944, Jones recebeu o prêmio de melhor atriz e o filme ganhou o Melhor Filme.