Arquivo da tag: beatos

Os donos da Igreja

Isso daria um Globo Repórter. “Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?” E etc. Parece engraçado, mas de fato eles existem e as repostas para essa pergunta são bem claras. Simples até.

Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?”
Quem são? Onde vivem? Como se reproduzem? Como combatê-los?”

Quem são?

Toda comunidade possui suas pastorais, que possuem seus membros, coordenadores, líderes e donos. Os donos são fáceis de identificar. São aquelas pessoas que sempre regem a comunidade, mesmo sem terem cargos para isso ou ordem do sacerdote. Enfiam e tudo quanto é discussão e só aceitam a opinião deles própriosdoroteia. Se contestados e combatidos, saem da comunidade e/ou passam a sabotá-la.

É triste esse perfil. Contudo, é o mais sincero retrato de um “dono da comunidade”. Ele não contribui para o crescimento da igreja.

Onde vivem?

Geralmente não perdem uma eleição, pulando de pastoral em pastoral para não ficar sem cargo, ou simplesmente se perpetuam na coordenação de sua pastoral. Pasmem, certa vez um desses “donos da comunidade”, onde participo, chegou a emplacar um laranja para lhe substituir burlando a regra do pároco sobre eleições. Obvio que não deu certo e hoje ele nem a missa vai.

Eles vivem do nosso lado. Ajudam quando estão à frente, mas do modo deles.

Como se reproduzem?

Eles se multiplicam não muito rápido, afinal comem uns aos outros na busca do poder, mas sempre que possível deixam um “legado” negativo. Como disse antes, escolhem companheiros que tenham o mesmo perfil e que podem contribuir para manter seu poder e ele mesmo no ciclo.

Lembro, ao escrever isso, uma frase de uma amiga: “nada como ficar no banco”.

Como combatê-los?”

Eis a parte mais complicada. Não é fácil. É preciso apoio do sacerdote e dos fiéis. Nem sempre os dois estão a favor das mudanças, devido a ilusão de que tudo caminha bem. Mas o primeiro passo é simples: ORAÇÃO.

Orar nos ajuda a conectar com Deus e a ouvi-lo nítido como a luz do Sol. A oração tem outro benefício além desse, ela une a comunidade em torno da fé, esperança do reino novo e partilha da Palavra sob a luz da Eucaristia. Orar afasta os espíritos maus, que criam esse perfil nas comunidades, como a ganância por poder.

O segundo passo é SER PROFETA. Nunca deixar de ser profeta. Antes de tudo, vale lembrar que ser profeta é levar a Palavra de Deus e denunciar os erros vividos. Lembre-se de Oséias, João Batista, Daniel, Ezequiel, Rute e tantos outros exemplos que Deus nos deixou. Profetizar incomoda. Leva a mudança e desperta os justos para o caminho do Senhor.

O terceiro passo é vivenciar a sua fé na comunidade. Não adianta orar e ser profeta se sua fé não é vivenciada na comunidade. DAR TESTEMUNHO é de suma importância. Diante da insistência desse seres é preciso ter perseverança no testemunho e sempre participar das atividades da comunidade. Fortalecer os laços.

E você, como combate os “donos da igreja”? Comente.

O grande perigo em tudo isso é virar um. Por isso coloquei a oração em primeiro lugar. Lembro que uma amiga, em assembléia comunitária, me disse: “nós discutimos, mas nos amamos”. Esse é o espírito. Amar sem medida.

Por Marquione Ban

Em setembro Papa anunciará data da canonização dos Beatos João Paulo II e João XXIII

30 de setembro: Papa anunciará data da canonização de João XXIII e JPIIA data da canonização dos beatos João XXIII e João Paulo II será conhecida no próximo dia 30 de setembro, durante Consistório que será presidido pelo Papa Francisco. A informação foi dada pelo Prefeito da Congregação da Causa dos Santos, Cardeal Angelo Amato, nesta terça-feira, 20, em Rimini, na Itália, na apresentação de uma mostra sobre São João Batista Piamarta.

Cardeal Amato lembrou que, no voo de volta do Brasil, o Papa já havia anunciado que a canonização dos dois beatos não deveria ser agora no fim deste ano, mas em 2014. E a data precisa, segundo ele, será anunciada durante esse Consistório no próximo mês, uma reunião de cardeais que falará propriamente sobre essas duas canonizações. “Neste momento (no Consistório) o Santo Padre dirá a data oficial, que só ele sabe”, disse o Cardeal.

O prefeito da Congregação da Causa dos Santos aproveitou para dizer algumas palavras sobre os dois beatos, futuros santos. “João XXIII foi o grande profeta e criador do Concílio; João Paulo II é aquele que o colocou em prática e o desenvolveu, em todos os seus componentes e em todas as suas virtualidades. São realmente dois pilares não somente de cultura cristã, mas também de santidade cristã”.

Fonte Rádio Vaticano

Ano da Fé: Bento XVI canoniza 7 beatos no dia mundial das missões

ACI.- Neste domingo, 21 de outubro, Bento XVI presidiu uma celebração eucarística durante a qual foram canonizados sete beatos: Jacques Berthie, Pedro Calungsod, Giovanni Battista Piamarta, Maria del Carmelo Salles y Barangueras, Marianne Cope, Kateri Tekakwitha, Anna Schäffer.

Junto aos os milhares peregrinos na Praça São Pedro, especialmente aqueles que vieram com as delegações oficiais das terras de proveniência e de trabalho dos beatos canonizados, o Papa pediu para que o testemunho dos novos Santos, “possa falar hoje a toda a Igreja, e a sua intercessão possa reforçá-la e sustentá-la na sua missão de anunciar o Evangelho no mundo inteiro”

Segundo informou a Rádio Vaticano neste  domingo, dia em que se celebra o Dia Mundial das Missões, Bento XVI recordou as palavras de Jesus relatadas pelo evangelista Marcos: “O Filho do homem veio para servir e dar a sua vidacomo resgate para muitos”. “A Igreja escuta estas palavras com uma intensidade particular e reaviva a consciência para o serviço ao homem e ao Evangelho”, afirmou.

Tendo em conta ainda o Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização e no início do Ano da Fé, Bento XVI definiu “providenciais” essas canonizações, pois elas nos reavivam a consciência de viver totalmente em um perene estado de serviço ao homem e ao Evangelho.

“O Filho do homem veio para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”. Para o Papa, essas palavras de Jesus no Evangelho deste Domingo constituíram o programa de vida dos sete novos santos.

Bento XVI afirmou ainda que os sete beatos hoje canonizados tiveram sua vida constituída por estas palavras. “Com coragem heróica eles consumiram a sua existência na consagração total a Deus e no serviço generoso aos irmãos. São filhos e filhas da Igreja, que escolheram a vereda do serviço seguindo o Senhor”.

Bento XVI prosseguiu fazendo um breve relato sobre a vida de cada um desses novos Santos. O primeiro deles foi Jacques Berthie, nascido na França em 1838 que, durante seu ministério paroquial, teve o desejo ardente de salvar almas. O santo chegou afirmar que preferia morrer antes que renunciar à sua fé.

Sobre Pedro Calungsod, nascido nas Filipinas, o Papa afirmou que “O seu desejo de ganhar almas para Cristo se sobrepunha a tudo, e isso o levou a aceitar decididamente o martírio. Morreu no dia 2 de abril de 1672. Algumas testemunhas contaram que Pedro poderia ter fugido para um lugar seguro, mas escolheu permanecer ao lado do Padre Diego. O sacerdote, antes de ser morto, pôde dar a absolvição a Pedro. Que o exemplo e o testemunho corajoso de Pedro Calungsod inspire o dileto povo das Filipinas a anunciar corajosamente o Reino e ganhar almas para Deus!”

Giovanni Battista Piamarta, sacerdote da Diocese de Brescia, foi um grande apóstolo da caridade e da juventude. “Percebia a necessidade de uma presença cultural e social do catolicismo no mundo moderno, por isso se dedicou ao progresso cristão, moral e profissional das novas gerações, com a sua esplêndida humanidade e bondade”, afirmou o Pontífice.

Sobre Santa Maria del Carmelo Salles y Barangueras, religiosa nascida em Vic, Espanha, em 1848 o Papa disse que “vendo a sua esperança preenchida, após muitas dificuldades, ao contemplar o progresso da Congregação das Religiosas Concepcionistas Missionárias do Ensino, pôde cantar junto com a Mãe de Deus: “Seu amor de geração em geração, chega a todos que o respeitam”. A sua obra educativa, confiada à Virgem Imaculada, continua a dar frutos abundantes entre os jovens e através da entrega generosa das suas filhas que, como ela, se confiam ao Deus que pode tudo”.

Sobre Santa Marianne Cope o Santo Padre recordou que ela abraçou voluntariamente o chamado para cuidar dos leprosos no Havaí, o que era recusado por muitos. “Em uma época em que pouco se podia fazer por aqueles que sofriam dessa terrível doença, Marianne Cope demonstrou um imenso amor, coragem e entusiasmo”, disse.

Kateri Tekakwitha, conhecida como a “flor dos Mohawk”, foi batizada aos 20 anos de idade, para escapar da perseguição, se refugiou na Missão São Francisco Xavier, perto de Montreal. Ali ela trabalhou, fiel às tradições culturais do seu povo, embora renunciando as convicções religiosas deste, até a sua morte com 24 anos. Levando uma vida simples, Kateri permaneceu fiel ao seu amor por Jesus, à oração e à Missa diária. O seu maior desejo era saber e fazer aquilo que agradava a Deus..

Sobre a nova Santa Anna Schäffer, Bento XVI disse que ela quis entrar em uma congregação missionária. “Fortalecida pela comunhão diária, tornou-se uma intercessora incansável através da oração e um espelho do amor de Deus para as numerosas pessoas que procuravam conselho”.

“Queridos irmãos e irmãs! Estes novos Santos, diferentes pela sua origem, língua, nação e condição social, estão unidos com todo o Povo de Deus no mistério de Salvação de Cristo, o Redentor. Junto a eles, também nós aqui reunidos com os Padres sinodais, provenientes de todas as partes do mundo, proclamamos, com as palavras do salmo, que o Senhor é “o nosso auxílio e proteção”, e pedimos: “sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos”. Que o testemunho dos novos Santos, a sua vida oferecida generosamente por amor a Cristo, possa falar hoje a toda a Igreja, e a sua intercessão possa reforçá-la e sustentá-la na sua missão de anunciar o Evangelho no mundo inteiro”, concluiu o Papa.