#IntolerânciaReligiosa Mulher é queimada viva por “evangélicos” na Nicarágua

Difícil proferir comentário sem externalizar o sentimento de asco. Nojo. Em tempos de falsos profetas e um rebanho solto essas coisas insistem em acontecer. Vamos orar para que Deus  e pedir perdão por estes que insistem em ler o seu evangelho e não o de Cristo.

_94892445_c8e5af34-b67a-4c6c-b0c0-0d05031ad4d4
Cinco pessoas foram detidas sob suspeita de terem participado do episódio que culminou com morte de Vilma Trujillo – Foto BBC/Policia da Nicarágua

Veja  a matéria:

BBC | Uma “revelação divina” fez com que uma nicaraguense de 25 anos fosse amarrada e queimada viva numa fogueira para ser “curada” em uma suposta tentativa de exorcismo.

Vilma Trujillo, que sofreu queimaduras em 80% de seu corpo, não resistiu e morreu na terça-feira, depois de uma semana de agonia.

A morte da jovem comoveu a Nicarágua. De acordo com a Polícia Nacional do país, a mulher foi levada para “uma oração de cura”, no dia 15 de fevereiro, a um templo da igreja evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, no noroeste do país.

Vilma Trujillo teve os pés e mãos amarrados e ficou sob a supervisão do pastor da igreja, identificado por autoridades locais como Juan Gregorio Rocha – homem que a Assembleia de Deus nega reconhecer como pastor.

Seis dias depois, em 21 de fevereiro, depois da meia-noite, Trujillo foi queimada na fogueira.

Segundo a Polícia Nacional, a diaconisa da igreja, Esneyda del Socorro Orozco, havia ordenado que “por revelação divina, deveria ser feita uma fogueira no pátio do templo para curar a vítima por meio do fogo”.

Vilma Trujillo teria, então, sido lançada ao fogo com pés e mãos amarrados. A jovem sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus em 80% do corpo e, apesar de ter sido levada a um hospital em Manágua, a capital, acabou falecendo. Leia mais Aqui

Mais uma vez “evangélicos” (#SQN) quebram imagens religiosas

vandalismo_padroeiraO CATEQUISTA | Nesta quarta-feira (16/07), mais um caso de vandalismo contra imagens de santos entristeceu o povo católico: dois jovens evangélicos invadiram a Igreja Matriz de Sacramento-MG e quebraram oito esculturas, entre elas, a imagem de Nossa Senhora do Patrocínio do Santíssimo Sacramento, tombada pelo Patrimônio Histórico Municipal (foto acima). A maioria das imagens destruídas tinha mais de 100 anos. Cadeiras e vitrais também foram destruídos. Fonte: CBN.

Um dos criminosos está preso, outro está foragido. Esse caso vem se somar aos recentes episódios da cidade de Carrapateiras-PB e na cidade de Montes Claros-MG (veja aqui), onde evangélicos também promoveram a destruição de imagens católicas.

Esses acontecimentos estão tendo pouco destaque na grande mídia. Talvez a desculpa seja a de não promover a rixa entre católicos e protestantes. Acreditamos que a maioria dos protestantes reprova tais ataques contra o patrimônio religioso alheio, mas é evidente que está crescendo a intolerância de uma parcela considerável dos evangélicos contra a fé católica. Os fatos estão aí! Tapar o sol com a peneira só vai favorecer a repetição desse tipo de crime.

Ou lideranças as evangélicas conscientizam seus fiéis para que respeitem os objetos de culto alheios, ou terão um número cada vez maior de seus membros fanáticos atrás das grades. Estamos em um país de maioria católica, lembrem-se disso, irmãos! Está também mais do que na hora das autoridades católicas mais eminentes do nosso país se manifestem publicamente contra esses atos, que já estão virando modinha.

– See more at: http://ocatequista.com.br/archives/13481#sthash.6VuEdRe4.dpuf

Atentado de extremistas muçulmanos contra um templo católico no Paquistão deixa 78 mortos

Interior da Igreja de Todos os Santos. Foto: Twitter/@xe_m
Interior da Igreja de Todos os Santos. Foto: Twitter/@xe_m

(ACI/EWTN Noticias).- Neste domingo, 22 de setembro, dois extremistas muçulmanos suicidas realizaram atentados consecutivos à Igreja Católica de Todos os Santos, em Peshawar, ao norte do Paquistão, causando a morte de 78 pessoas e pelo menos 130 feridos.

De acordo com as autoridades, este foi o ataque mais grave realizado contra a minoria católica no Paquistão.

Uma facção talibã assumiu o atentado, e ameaçou continuar atacando as minorias religiosas do país até que os Estados Unidos pare com os ataques de drones nas zonas remotas do país.

De acordo com o chefe de Polícia Mohammad Ali Babakhel, “o ataque aconteceu no final da missa”, quando os dois terroristas abriram fogo contra os guardas de segurança que vigiavam a igreja, matando um e ferindo o outro.

Depois de brigar com alguns fiéis, um dos terroristas explodiu a primeira bomba, ao ver-se rodeado pela polícia. Ao pouco tempo, no interior da igreja, aconteceu a segunda explosão.

Segundo informações recolhidas pela Europa Press, o atentado tem uma grande carga simbólica para os moradores da cidade porque a Igreja de Todos os Santos é um lugar que representa a harmonia inter-religiosa.

Depois das explosões, dezenas de pessoas saíram às ruas para protestar contra a Polícia por sua incapacidade para impedir os atentados.

Tanto o primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, como o presidente Mamnoon Hussein, condenaram energicamente o atentado; outras autoridades provinciais também se pronunciaram à condenação do ataque.

Traficantes “evangélicos” proíbem candomblé e até roupa branca em favelas

Adepta de culto afro em sua nova casa: crença desrespeitada -Foto: Urbano Erbiste / Agência O Globo

Adepta de culto afro em sua nova casa: crença desrespeitada -URBANO ERBISTE / AGÊNCIA O GLOBO

O GLOBO | RIO – A roupa branca no varal era o único indício da religião da filha de santo, que, até 2010, morava no Morro do Amor, no Lins de Vasconcelos. Iniciada no candomblé em 2005, ela logo soube que deveria esconder sua fé: os traficantes da favela, frequentadores de igrejas evangélicas, não toleravam a “macumba”. Terreiros, roupas brancas e adereços que denunciassem a crença já haviam sido proibidos, há pelo menos cinco anos, em todo o morro. Por isso, ela saía da comunidade rumo a seu terreiro, na Zona Oeste, sempre com roupas comuns. O vestido branco ia na bolsa. Um dia, por descuido, deixou a “roupa de santo” no varal. Na semana seguinte, saiu do morro, expulsa pelos bandidos, para não mais voltar.

— Não dava mais para suportar as ameaças. Lá, ser do candomblé é proibido. Não existem mais terreiros, e quem pratica a religião faz isso de modo clandestino — conta a filha de santo, que se mudou para a Zona Oeste.

Já há registros na Associação de Proteção dos Amigos e Adeptos do Culto Afro-Brasileiro e Espírita de pelo menos 40 pais e mães de santo expulsos de favelas da Zona Norte pelo tráfico. Em alguns locais, como no Lins e na Serrinha, em Madureira, além do fechamento dos terreiros, também foi proibido o uso de colares afros e roupas brancas. De acordo com quatro pais de santo que passaram pela situação e foram ouvidos pelo jornal “Extra”, o motivo das expulsões é o mesmo: a conversão dos chefes do tráfico a denominações evangélicas.

E a intolerância religiosa não é exclusividade de uma só facção criminosa. Distante 13 quilômetros do Lins e ocupado por um grupo rival, o Parque Colúmbia, na Pavuna, tem realidade parecida: a expulsão dos terreiros, acompanhada de perto pelo crescimento de igrejas evangélicas. Desinformada sobre as “regras locais”, uma mãe de santo tentou fundar ali seu terreiro. Logo recebeu a visita do presidente da associação de moradores, que a alertou: atabaques e despachos eram proibidos ali.

— Tive que sair fugida. Tentei permanecer, só com consultas. Mas eles não gostaram — afirma.

Conselho: UPP é solução

A situação já é do conhecimento de pelo menos um órgão do governo: o Conselho Estadual de Direitos do Negro (Cedine). O presidente do órgão, Roberto dos Santos, diz que já foram encaminhadas denúncias ao Cedine:

— Mas a intolerância armada só pode ser vencida com a chegada do Estado a esses locais, com as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu, chefe do tráfico no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, ostenta no antebraço direito uma tatuagem com o nome de Jesus Cristo. Pela casa, Bíblias por todos os lados. Mas em seus domínios reina o preconceito: enquanto os muros da favela recebiam dizeres bíblicos, os dez terreiros que funcionavam no local deixaram de existir.

Guarabu passou a frequentar a Assembleia de Deus Ministério Monte Sinai em 2006 e se converteu. A partir daí, quem andasse de branco pela favela era “convidado a sair”. A situação se repete na Serrinha, ocupada pela mesma facção criminosa.

Segundo a lei 7.716/89, o crime de intolerância religiosa não prescreve e é punido com pena de um a três anos de detenção.

INTOLERÂNCIA: Lobby gay organiza “fogueira sacrílega” pelo cancelamento do Ciclo Rosa na Pontifícia Universidade Javeriana

(ACI/EWTN Noticias).- Sob o lema “a única Igreja que ilumina é a que arde”, o lobby gay na Colômbia organizou uma “fogueira sacrílega” para queimar imagens religiosas, terços, crucifixos, entre outros, nesta sexta-feira 16 de agosto, no marco de uma manifestação na frente da Pontifícia Universidade Javeriana pelo cancelamento do Ciclo Rosa Acadêmico, que promovia o estilo de vida homossexual.

O Ciclo Rosa foi organizado durante 12 anos pelo Instituto de Estudos Sociais e Culturais PENSAR da Pontifícia Universidade Javeriana, e ia acontecer a fins de agosto no campus do centro de estudos católico.

O evento se cancelou depois da pressão de milhares de leigos e a intervenção do Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia (CEC) e Arcebispo de Bogotá, Cardeal Rubén Salazar, e do Núncio Apostólico no país, Dom Ettore Balestrero.

O reitor da Pontifícia Universidade Javeriana, Padre Joaquín Emilio Sánchez García, o diretor do Instituto PENSAR, Padre Alberto Múnera, e o docente da Javeriana e promotor do aborto na Colômbia, Padre Carlos Novoa -os três sacerdotes jesuítas-, defenderam o evento e criticaram o seu cancelamento.

O Padre Sánchez García, que inclusive manipulou uma frase do Papa Francisco para justificar o Ciclo Rosa, assegurou que ao organizar este evento a Pontifícia Universidade Javeriana “de maneira nenhuma fez algo inconveniente para a fé cristã”.

Em um evento difundido inicialmente na rede social Facebook, e logo eliminado desta, o lobby gay escreveu “que fique claro: A única Igreja que ilumina é a que arde! Qualquer tipo de fundamentalismo é perigoso e prejudicial para a liberdade de pensamento, para a autonomia e a capacidade crítica que deve ter uma sociedade que está disposta a questionar os dogmas, instituições e imaginários de todo tipo, que perpetuam ideais de exclusão e marginalização”.

Os “ideólogos do gênero”, disseram os organizadores deste evento anticatólico, “são aqueles que se inclinam à naturalização do ódio e a justificação das opressões e lxs (sic) que nos dedicamos a trabalhar por uma sociedade livre de binarismos, patriarcado e heterosexismo”.

O lobby gay se manifestou indignado por “saber que persiste a censura e a perseguição ao conhecimento laico, como nas piores épocas do obscurantismo medieval”.

“Justamente por isso, como proposta coletiva, para iluminar esses espaços que tendem a suprimir uma história de mais de dez anos de perseverança e esforço acadêmico plural, convocamos a uma grande fogueira herege, em que seremos agora as bruxas, as mariconas, escatofílicas (sic), mulheres estéreis, putas, desbocadas… as que vamos jogar ao fogo todo símbolo religioso que foi e continua sendo causa de opressões, violências, injustiças, criminalizações, culpas, segregação, temores e assassinatos”.

A “fogueira herege” realizar-se-á, indicaram, “durante a onda rosa convocada para sexta-feira 16 de agosto, em frente da Universidade Javeriana, ao meio dia”.

O lobby gay culminou o convite a seu evento pedindo que “não fique sem levar seu terço, crucifixo, santinho, etc.”.

Liberdade religiosa será tema de Congresso em Roma

“A liberdade religiosa hoje”. Este é o tema do congresso patrocinado pelo Pontifício Conselho para a Cultura que será realizado em Roma no dia 19 de abril. Oradores de todo o mundo falarão sobre a situação em seus países e darão testemunhos também através da Internet.

O evento será organizado com a tecnologia TED, que reúne pessoas do mundo inteiro com o objetivo de “espalhar idéias”. O site http://www.ted.com, traduzido em 90 línguas, é um dos mais visitados da rede, com mais de 1 milhão e meio de contatos por dia.

A abertura do congresso será feita pelo Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, Cardeal Gianfranco Ravasi. As principais questões a serem debatidas giram em torno da liberdade religiosa hoje, o sentido disso na atualidade, a contribuição da religião no desenvolvimento humano, a abertura da transcendência à razão e o que dá significado à vida.

Tolerância e relativismo

Dom Redovino Rizzardo
Bispo de Dourados (MS)

Ao longo do mês de setembro, um filme produzido nos Estados Unidos, ridicularizando a figura de Maomé, fundador do Islã, ocupou as manchetes dos meios de comunicação social de todo o mundo, pelas graves conseqüências que provocou. Foram inúmeros os países em que os protestos dos muçulmanos causaram dezenas de mortes, entre elas, do embaixador norte-americano na Líbia.

Poucos dias antes, o Festival de Cinema de Veneza havia premiado o filme “Paraíso: Fé”, que zomba a religião católica ao mostrar uma mulher masturbando-se com um crucifixo. Mas, diferentemente do que aconteceu com a produção norte-americana, foram raras as pessoas que tomaram a defesa da Igreja. Para uma delas, o motivo é simples: “Uma das características da “cultura” atual é atacar os católicos e, em seguida, defender-se apoiando-se na liberdade de expressão“. De igual teor foi a reação do diretor de uma revista francesa ao se defender das críticas que recebeu, por ter acirrado mais ainda os ânimos, publicando charges contra Maomé, poucos dias depois do aparecimento do filme norte-americano: “As religiões não podem ser questionadas? Ou só é possível fazê-lo contra a Igreja Católica?“.

Dois pesos e duas medidas: denegrir o Cristianismo é direito, arte e cultura, e ai de quem se atreve a divergir! Pelo contrário, ofender o Islã é preconceito e intolerância, como afirmou a própria Dilma Roussef no discurso que proferiu nas Nações Unidas, no dia 25 de setembro: «Como presidente de um país no qual vivem milhares de brasileiros de confissão islâmica, registro neste plenário nosso veemente repúdio à escalada de preconceito islamofóbico em países ocidentais».

Mas, até que ponto é lícito ferir a cultura e a religião de quem pensa diferente? Violência gera violência: à prepotência da imprensa, que se julga dona da verdade e acima de qualquer questionamento, há muçulmanos que se sentem no direito e no dever de responder com a força das armas! Em pronunciamento feito no dia 12 de setembro, o porta-voz do Vaticano, Pe. Federico Lombardi, lembrou que o caminho a ser percorrido é diferente: “O respeito pelas crenças, pelos textos, pelos personagens e pelos símbolos das diferentes religiões é uma condição essencial para a coexistência pacífica dos povos“.

Numa sociedade que se pensa cada vez mais tolerante, o que mais parece faltar é tolerância, sobretudo em matéria de ética, moral e religião. Foi o que disse o papa Bento XVI na entrevista que concedeu ao jornalista alemão Peter Seewald, em 2010: «O que se está difundindo hoje é um novo tipo de intolerância. Existem maneiras de pensar bastante difusas que devem ser impostas a todos. É o que acontece, por exemplo, quando se afirma que, em nome da tolerância, não devem existir crucifixos nos edifícios públicos. No fundo, estamos eliminando a tolerância, porque, na realidade, isto significa que a religião e a fé cristã já não podem se expressar de modo visível.

A mesma coisa acontece quando, em nome da não discriminação, se quer obrigar a Igreja Católica a mudar a própria posição em relação à homossexualidade ou à ordenação sacerdotal das mulheres. Na prática, isso significa que não lhe é permitido viver a própria identidade, substituindo-a por uma religião abstrata como critério tirânico último, ao qual todos se devem dobrar. E isso seria liberdade, pelo simples fato de que nos livraria de tudo o que era praticado anteriormente.

A verdadeira ameaça diante de qual nos encontramos hoje é a de que a tolerância seja abolida em nome da própria tolerância. Há o perigo de que a razão ocidental afirme ter finalmente descoberto o que é justo e apresente uma pretensão de totalidade que é inimiga da liberdade. Creio ser necessário denunciar fortemente esta ameaça. Ninguém é obrigado a ser cristão. Mas também ninguém deve ser constrangido a viver segundo a ‘nova religião’, como se fosse a única e verdadeira, vinculante para toda a humanidade“.

Para o papa, a “nova religião” que está penetrando em todos os segmentos da sociedade é «a ditadura do relativismo, para quem nada é definitivo, e tem como único critério o próprio eu e suas vontades». Contudo, num mundo que assume como religião o relativismo, o que determina o pensamento e as atitudes das pessoas só poderá ser um novo paganismo…

Confira a classificação de países por perseguição aos cristãos

Todos os anos o site Portas Abertas faz um lista com os países que mais perseguem cristãos no mundo. A de 2012 já está pronta.

Este ano os cinco países onde é mais difícil viver como cristão são:
1. Coreia do Norte
2. Afeganistão
3. Arábia Saudita
4. Somália
5. Irã

Veja o vídeo:

Confira o mapa:

Quando a religião é uma desgraça…

Dom Redovino Rizzardo
Bispo de Dourados (MS)

Após os atentados que, no dia do Natal de 2011, mataram dezenas de católicos na Nigéria – atentados que foram repetidos nos primeiros dias de janeiro de 2012, com outras tantas vítimas –, dentre os muitos leitores que se manifestaram em portais da internet, gravei a opinião de dois deles. O primeiro, que se assina simplesmente “Ateu”, escreveu: «Quando alguém adota uma religião – qualquer uma: cristianismo, judaísmo, islamismo, budismo, hinduísmo, espiritismo – a primeira coisa que morre nele é a humanidade. Depois, a tolerância, a compaixão e o senso de justiça. E tenho dito!».

O segundo, cujo nome – não sei se fictício – é Tonho, parece querer justificar os desmandos atuais de algumas religiões trazendo à memória as culpas da Igreja Católica na Idade Média: «Já não houve fundamentalismo católico? A Santa Inquisição? Os acusados de heresia não eram queimados vivos em praça pública?».

Mais do que com Tonho, preciso concordar com o ateu: a religião é uma desgraça para todos quando, ao invés de um encontro com um Deus que é sempre e somente amor, ela se transforma numa ideologia a serviço dos interesses humanos. Não será por isso que aumenta constantemente o número dos ateus? Se a religião não é capaz de transformar as pessoas em cidadãos que atuam por um mundo justo e fraterno, para nada serve.

Sobre os massacres ocorridos na Nigéria, a Organização das Nações Unidas assim se manifestou: «A ONU condena nos termos mais fortes esses ataques e expressa suas condolências ao povo da Nigéria, assim como às famílias que perderam entes queridos. O Secretário-Geral apela mais uma vez para se pôr fim a todos os atos de violência sectária no país, e reitera sua firme convicção em que nenhum objetivo pode ser justificado com o recurso da violência».

“Nenhum objetivo”, muito menos a religião, cuja tarefa principal deveria ser a promoção da paz e da concórdia. É o que declarou também o porta-voz do Vaticano, Pe. Federico Lombardi: «O atentado contra as igrejas na Nigéria, precisamente no dia de Natal, manifesta infelizmente mais uma vez um ódio cego e absurdo, que não tem nenhum respeito pela vida humana».

Mas não é apenas na Nigéria que a religião é instrumentalizada pela maldade humana. No Iraque, nenhuma missa foi celebrada na noite do Natal, para não pôr em risco a segurança dos fiéis, aterrorizados por inúmeros ataques perpetrados contra eles. (No dia 31 de outubro de 2011, foram mortos 57 cristãos).

Outro fato doloroso aconteceu no Tadjiquistão, no dia seguinte ao Natal. Um jovem de 24 anos foi morto a facadas por um grupo de muçulmanos enfurecidos quando ele visitava familiares e amigos na madrugada de segunda-feira, vestido como Ded Moroz – o Papai Noel da tradição russa. De acordo com as fontes policiais, o assassino gritou na hora do crime: “Infiel!”.

Totalmente diferente deve ser o relacionamento entre as religiões que desejam subsistir. A indiferença, a desconfiança e o ressentimento que as mantêm distantes uma da outra, precisam ser substituídos pela estima, pelo diálogo e pelo encontro. É esta também a convicção do teólogo espanhol, Pe. Andrés Torres Queiruga: «O diálogo não é um capricho, mas constitui uma condição intrínseca da verdade, porque não é possível aproximar-se sozinhos, fechados no egoísmo dos próprios limites, da riqueza infinita da oferta divina. Unicamente juntos, dando e recebendo, num contínuo intercâmbio de descobertas e experiências, de crítica e enriquecimento mútuos, é que se vai construindo na história a resposta à revelação salvífica. Cada religião reflete a verdade à sua maneira e a partir de uma situação particular. Todavia, à medida que elas sobem e se aperfeiçoam, se aproximam entre si, segundo a famosa frase de Teilhard de Chardin: “Tudo o que sobe, converge”.

Talvez, por isso, convenha ir substituindo – ou pelo menos completando – a palavra “diálogo” pela palavra “encontro”. O diálogo pode implicar a conotação de uma verdade que já se possui plenamente e que vai ser “negociada” com o outro, que também já tem a sua. O encontro, pelo contrário, sugere muito mais um sair de si, unindo-se ao outro, para ir em busca daquilo que está diante de todos».

Da intolerância à acolhida

Dom Redovino Rizzardo, cs

Bispo de Dourados – MS

No dia 10 de outubro, a imprensa informou que Juan Pablo Pino, jogador do Al Nasr, na Arábia Saudita, foi preso por exibir uma tatuagem de cunho religioso. O incidente ocorreu quando o atleta passeava com a esposa num shopping de Riad, capital do país. Com uma camiseta sem mangas e a imagem de Jesus à mostra, acabou revoltando as pessoas que estavam no local. A confusão chamou a atenção da polícia, e o rapaz foi preso.

No dia 11, em Roma, o cardeal Leonardo Sandri demonstrou seu pesar pelo massacre de um grupo de 26 cristãos ortodoxos ocorrido no domingo anterior, no Egito: «Estes irmãos ortodoxos, depois de sofrerem o incêndio de sua igreja, quiseram expressar, como quaisquer outros cidadãos, seu desejo de liberdade religiosa e de respeito a seus direitos. Infelizmente, nesta manifestação, encontraram o cálice amargo do sacrifício e da morte. Para todos, é um fato desolador, triste e angustiante. Solidarizamo-nos com a Igreja ortodoxa e com os familiares das vítimas de uma violência sem sentido».

No dia 14, os bispos da Igreja Católica do Canadá se posicionaram sobre a condenação à morte do pastor evangélico Youssef Nadarkhani, preso no Irã por ter deixado o Islã e abraçado o Cristianismo. Em carta às autoridades políticas e judiciárias daquele país, Dom Brendan O’Brien convidou-as a respeitar a liberdade religiosa: «Pedimos que o pastor Nadarkhani, assim como todas as demais pessoas que vivem uma situação similar em seu país, sejam tratadas de acordo com o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos”».

Por fim, no dia 28, em Perth, na Austrália, durante uma reunião dos 16 países que integram a Comunidade Britânica, foram revistas algumas das leis que regem a sucessão real no Reino Unido há 300 anos. Quem explicou a razão das mudanças foi o primeiro-ministro David Cameron: «A ideia de que o filho mais novo deva ser rei no lugar da irmã mais velha pelo simples fato de ser homem, ou de que um futuro monarca possa casar com uma pessoa de qualquer religião, menos a católica, é uma forma de pensar que está em desacordo com os países modernos que nos tornamos». Na verdade, os católicos continuam proibidos de assumir o trono inglês, pela interferência entre o governo civil e a Igreja Anglicana existente no país.

No Brasil, à primeira vista, parece que tudo seja diferente e tranquilo. De acordo com uma pesquisa realizada em 23 países pela Empresa Ipsos, ele é o terceiro país do mundo em que mais se acredita em Deus. Sobre 18.829 entrevistados, 51% creem numa entidade divina. Os que não acreditam são 18%, e os que não têm certeza, 17%.

Crer em Deus, porém, não significa que os brasileiros acolham pacificamente a doutrina pregada pelas denominações religiosas. Assim, por exemplo, somente 32% deles acreditam numa vida após a morte, enquanto 12% optam pela reencarnação.

Entre os pesquisados, um total de 18% afirmam que não acreditam em nenhum ser supremo. No topo da lista dos descrentes está a França; a Suécia vem em segundo lugar e a Bélgica em terceiro. No Brasil, de acordo com estudo publicado a 23 de agosto de 2011 pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas, de 2003 a 2009, o grupo dos “sem religião” (ateus e agnósticos) passou de 5,1% para 6,7.

Em 2012, a Igreja Católica celebrará o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II. Se as religiões quiserem voltar a ocupar o lugar que lhes cabe na sociedade, não podem esquecer as palavras pronunciadas pelo Papa João XXIII no dia 11 de outubro de 1962, na abertura dos trabalhos conciliares: «A Igreja sempre se opôs aos erros, condenando-os, às vezes, com a máxima severidade. Em nossos dias, porém, ela prefere recorrer mais ao remédio da misericórdia do que ao da severidade. Ela julga satisfazer melhor às necessidades atuais mostrando a validade da fé do que condenando os erros. Ela quer ser benigna, paciente e cheia de misericórdia para com todos».

Catedral em debate: Painel Intolerância Religiosa

A Catedral Anglicana da Ressurreição em Brasília (DF) recebeu, no dia 27 de julho, o Painel sobre Intolerância Religiosa. O encontro teve como anfitrião o bispo primaz da Igreja Anglicana (IEAB), Dom Maurício Andrade e outros religiosos empenhados na promoção de uma cultura de paz. Na oportunidade, foi realizado um debate sobre intolerância religiosa. O encontro teve a promoção da Rede Ecumênica da Juventude – REJU e Catedral Anglicana da Ressurreição.

O evento foi um verdadeiro marco na integração de religiosos de diferentes denominações e culturas, reunindo lideranças anglicanas, bahá’ís, católicas, evangélicas, islâmicas, matrizes africanas, ameríndias e wiccans. O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), o Centro de Referência de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos para a Diversidade Religiosa (CRDHDR) e a Iniciativa das Religiões Unidas (URI Brasília) estiveram representados pelo reverendo Luiz Alberto Barbosa e Elianildo Nascimento, respectivamente.

Também marcaram presença Tatiana Ribeiro, coordenadora da Juventude Anglicana; Marga Stroher, da Secretaria de Direitos Humanos; Pe. Elias Wolf, representando a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); pai Alexandre de Oxalá, pelo Centro de Tradições Afro Brasileiras; Mãe J´lia, do candomblé; Pr. Osvaldo Reis, da igreja presbiteriana; Dom Maurício Andrade, bispo primaz da IEAB; Mavesper Cy Ceridwen, representando a Associação Brasileira de Wicca (Abrawicca) e Youssuh Salah El Din, como representante da religião islâmica.

Um novo encontro entre líderes religiosos será no dia 4 de agosto, no CONIC.

Fonte e foto: CONIC

Cristãos foram presos e proibidos de celebrar Páscoa na China

Ao menos 20 cristãos foram detidos pela polícia chinesa deste domingo de Páscoa, 24. Segundo agências internacionais, a operação visava impedir que membros de uma igreja cristã realizassem as tradicionais festividades de Páscoa em Pequim, capital do país.

Este grupo faz parte da Shouwang, uma das maiores “igrejas subterrâneas”, uma resistência cristã que não aceita a intervenção do Partido Comunista em sua crença e, como consequência, são consideradas ilegais.

A operação no distrito de Zhongguancun começou às 8h de domingo, quando os cristãos foram detidos e levados para uma delegacia, disseram testemunhas.

A liberdade religiosa, garantida pela Constituição chinesa, não é respeitada. A justiça do país só permite o credo em igrejas registradas oficialmente. As igrejas oficiais do país têm cerca de 20 milhões de fiéis.

Atualmente, a Igreja Católica constatou um situação de desordem na China, tendo em vista a grave situação de ordenações sem autorização pontifícia, mas reconhecidas pelo governo chinês.

Em comunicado, o Vaticano enfatizou que cada bispo envolvido deveria “dirigir-se a Santa Sé e encontrar um modo de esclarecer a própria posição aos sacerdotes e fiéis, professando novamente a fidelidade ao Sumo Pontífice, para ajudar a superar a ofensa interior por ele cometida e para reparar o escândalo externo que causou”.

A Santa Sé destacou também o desejo de um “diálogo sincero e respeitoso com as autoridades civis”.

Segundo agências, o governo chinês estaria combatendo possíveis ameaças ao regime comunista, tentando evitar protestos como aqueles que atingiram recentemente alguns países árabes. Nos últimos meses, foram presos muitos ativistas pró-direitos humanos, advogados, blogueiros e artistas.

Fonte Canção Nova

Um antigo Dicionário latim-malaio é a prova decisiva para permitir aos cristãos usar a palavra “Alá”

Um antigo dicionário latim-malaio, publicado pela Congregação de Propaganda Fide em 1631, representa para a Igreja Católica na Malásia a autorização para usar a palavra Alá nos ritos eclesiais e publicações da igreja.

“A prova decisiva na questão do uso do termo Alá para os cristãos”, disse Pe. Andrew Lawrence, sacerdote de Kuala Lumpur e diretor do Herald Weekly, o semanário da Diocese Católica de Kuala Lumpur em uma entrevista à Agência Fides. Tudo isso devido a igreja anos atrás se encontrava no centro da batalha legal sobre o uso da palavra “Alá” para se referir a Deus na adoração, liturgia e publicações cristãs.

Símbolo do Ecumenismo

O semanário e a Igreja malaia iniciaram uma disputa legal no Tribunal Superior, após o veredicto do governo da Malásia ter proibido aos cristãos da Malásia de usar a palavra “Alá” para o seu Deus. Alá, dizia-se no decreto, deve continuar a ser prerrogativa dos fiéis muçulmanos para evitar confusão. Por outro lado, os cristãos, argumentavam que o uso foi comum durante séculos e nunca tinha gerado conflitos.

A Alta Corte decidiu em favor da Igreja e a sentença causou, em janeiro de 2010, uma onda de violência contra as igrejas cristãs em todo o país, a obra de radicais islâmicos.

O governo da Malásia, no entanto, interpôs recurso e a sentença foi suspensa. No momento, portanto, “não podemos usar a palavra Alá. Estamos esperando pacientemente, mas parece que o novo processo vai levar tempo”, observa Pe. Andrew.

Nesta situação, o padre vê como “uma dádiva de Deus”, a nova publicação da “Dictionarium Malaio-Latim e Latim-Malaio”, que teve lugar após 11 anos de rigorosa pesquisa histórica e edição, graças ao impulso e interesse do Bispo de Trento, Dom Luigi Bressan, que foi Delegado Apostólico na Malásia de 1993 a 1999. A preciosa cópia original do precioso Dicionário está agora na biblioteca da Pontifícia Universidade Urbaniana.

Na edição nova, moderna, Dom Bressan escreveu um prefácio para o dicionário, que é “um texto histórico e prova irrefutável de que séculos atrás os missionários trabalharam para o intercâmbio cultural e linguístico e que a comunidade cristã na Malásia, utilizava em 1600, a palavra “Alá”, disse o Pe. Andrew. “Apresentaremos mais esta prova ao tribunal, dizendo que é uma experiência de herança para as comunidades cristãs da Malásia”, acrescentou.

O governo e alguns grupos muçulmanos – conta o sacerdote – gostariam de colocar a questão no plano teológico, mas “para nós permanece apenas uma questão de linguística e queremos permanecer nesta área”. Neste momento, disse o Pe. Andrew, “continuamos em nossa pacífica campanha acompanhando este processo com a oração, para que nos seja restituído o direito de rezar e se dirigir a Deus com o nome que sempre usamos, que utilizaram nossos pais, e que nunca tinha criado nenhum problema”.

 

Fonte Catolica Net

Descubra o lugar e papel das religiões no mundo contemporâneo

A série Sagrado é exibida pela rede Globo e pela canal Futura de televisão. O objetivo é debater assuntos cotidianos na ótica da religião. A série também mostra que por mais que as religiões possuam doutrinas diferentes elas buscam um caminho igual: o bem-viver do ser humano. 

Abaixo estão os vídeos da série inaugural. O tema aborado é “O Lugar e papel das religiões no mundo contemporâneo“. Veja e opine:

A visão do Espiritismo

A visão do Catolicismo

A visão do Budismo

A visão das Religiões Afro

(IN) Tolerância religiosa

Cristo, a igreja e a tolerância

 

Na linguagem oral o verbo tolerar significa suportar algo ou alguém. Neste caso, a palavra tolerar expressa a dificuldade das religiões aceitarem umas as outras ou até mesmo o direito de discordar.

 

No principal livro cristão, a Bíblia, os evangelhos contam que Jesus Cristo teve esta dificuldade com seus discípulos. Jesus a caminho de Jerusalém quis passar pela Galiléia. Os habitantes daquela região não o quiseram receber pelo fato de ser judeu. Ao saber disso, dois discípulos quiseram que Jesus os castigasse fazendo descer sobre eles o fogo Divino. Jesus os repreendeu dizendo: “Vocês não sabem de que espírito sois” (Lc 9, 55). Jesus também disse a um discípulo que queria proibir alguém de expulsar demônios, porque não pertencia ao grupo deles: “Não o proíbam. Quem não está contra nós, está do nosso lado” (Lc 9, 49- 50). Ele quis ensinar seus discípulos a descobrir Deus no diferente, como é o caso do oficial romano Paulo – que é um dos apóstolos – na mulher estrangeira e nos samaritanos.
 

Certamente, vale para toda pessoa, em qualquer tradição ou corrente religiosa, a palavra que, há alguns anos, os bispos católicos da Ásia escreveram: “Deus é amor e se dá de mil maneiras à humanidade. Não nos pede permissão para se revelar às diversas comunidades e grupos humanos. Reconhecer estas múltiplas formas de como seu amor se revela é um modo importante de honrá-lo e corresponder ao seu amor”.
 

Jesus deixou dois mandamentos. O primeiro é: “amar o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito;” (MT 23,37), e o segundo é: “amarás o teu próximo, como a ti mesmo” (MT 23,39). Para a irmã Márcia Maria presidente do CONIC-MG (Conselho Nacional das Igrejas Cristãs) “ser ecumênico não significa que todos devem ser católicos ou pertencerem a Assembléia de Deus, mas sim aceitar as diferenças e colocar em pratica as igualdades ensinados por Cristo”, afirma.  Ela disse ainda que a “igreja nasceu católica, universal” e que só depois se constituiu Católica Apostólica Romana. “No inicio a igreja era de todos, judeus, gregos e outros”, completa a Irmã.

Legislação sobre tolerância religiosa

A Constituição brasileira preve no artigo 5º que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias ,e a aceitação dos diferentes tipos de religião existente no mundo e na sociedade.” Também é considerado crime atraves do codigo penal, em seu artigo 208 “escarnecer1 de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar2 publicamente ato ou objeto de culto religioso.”

O Dia Nacional de combate à intolerância religiosa foi criado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República no dia 27 de dezembro de 2007, por meio da lei n. 11.635. O decreto é muito conciso: “Fica instituído o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a ser comemorado anualmente em todo o território nacional no dia 21 de janeiro.” O artigo 2 diz que “a data fica incluída no Calendário Cívico da União para efeitos de comemoração oficial.” Traz as assinaturas do presidente da República e do ministro da Cultura.


 

A fé, a religião e a tolerancia organizada em entidades e eventos.

 

Hoje no Conselho Mundial da Igrejas – CMI – existem 349 igrejas cadastradas. Esse numero é muito maior no mundo. Em defesa da tolerancia as igrejas procuram se encontar no CMI, não para debater as diferenças, mas para desenvolverem o lado comunm existente entre elas.

 

No Brasil existe um conselho similar a CMI, o  CONIC – Conselho Nacional da Igrejas Cristãs do Brasil. Ele é composto pela Igreja Católica Apostolica Romana, Igreja Cristã Reformada, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil,  Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia e Igreja Presbiteriana Unida. Juntas elas desenvolvem a  cada 5 anos a Campanha da Fraternidade Ecumenica. O Conselho já realizou três campanhas ecumenicas, em 2000 foi a primeira e era Fraternidade e os Excluidos; em 2005 a segunda e o tema foi Fraternidade e Paz e a em 2010 a terceira campanha ecumenica com o tema: Economia e vida. Diferente do CMI o CONIC não aceita ainda igrejas e religiões de confissões diversas a Cristã.

 

No Brasil existe também as Comunidades Eclesiais de Base, que  promovem seu evento, a nivel de Brasil, a cada 5 anos. O encontro de CEB’s é marcado pelo pluralismo religioso. O evento conta com a pesença em massa de catolicos embora haja grande participação de indigenas e sua tradições, menbros do Candomble e outras tradiçoes africanas. Semelhante a CEB’s o Movimento Nacional de Fé e Política também é ecumênico.

Saiba mais:

Agencia Baptist Press

O que ecumenismo?

Conselho Mundial das Igrejas

Intolerância Religiosa

Segundo o site Portas Abertas os cinco países que possuem maior intolerância religiosa são Coréia do Norte, Arábia Saudita, Irã, Afeganistão e Somália. Ao todo o portal enumera 50 nações que não cumprem o artigo dezoito da Declaração dos Direitos Humanos. “Todo homem tem direito a liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião e/ou crença (…)” afirma a Declaração.

O cerceamento religioso ainda existe e leva a sociedade a um debate ainda maior. Até que ponto o ocidente interfere no oriente (?). Dos cinqüenta países listados pelo portal somente Cuba não freqüenta a geografia oriental.

De acordo com o jornal O Lutador apesar de Cuba ter abandonado sua política ateísta na década de 90, em 2005 criou uma lei que supostamente legalizava as igrejas domesticas. Através desta lei foi possível controlar algumas religiões. Para Michael Cromatie, representante da agencia Baptist Press, “os quase 50 anos de Fidel Castro no poder foram marcados por um tempestuoso e, às vezes, brutal relacionamento com comunidades religiosas”, diz em entrevista ao O Lutador.

Para Luiz António, professor de cultura religiosa do UNILESTE-MG, a intolerância religiosa e algo contraditório aos ensinamentos de cada religião, pois na sua maioria ensinam a paz.  “A questão não é a religião em si, mas o uso político da religião. Cuba foi ateísta devido a Igreja ter sido contra a revolução” afirma o professor.

Em um evento realizado no ano de 2008 para discutir a intolerância religiosa, o professor Raufal-Jaber, da Universidade de Petra, em Amã, disse “injusto o colonialismo, injusta a divisão da humanidade em classes, injusta também a discriminação entre etnias, religiões e sexos”. E continua, “devemos voltar nosso esforço para remover a injustiça do coração do homem”. Raufal-Jaber é islâmico.

 

                                                                                                                    Marquione Ban.