“Onde houver ódio que eu leve o amor.” Hoje é dia de São Francisco de Assis

Paz e Bem!

São Francisco de Assis, rogai por nós!

Hoje celebramos este santo que deixou como legado a paz, o cuidado com a criação e principalmente a missão evangélica de Cristo.

Nestes tempos em que não cuidamos da criação em sua totalidade é preciso pedir a intercessão a São Francisco. Paz e fé. Abaixo o belíssimo canto do Irmão Sol.

São Francisco de Assis, rogai por nós!

Cântico do Irmão Sol

Altíssimo, onipoente, bom Senhor,

Teus são o louvor, a glória, a honra

E toda a benção.

Só a ti, Altíssimo, são devidos;

E homem algum é digno

De te mencionar.

Louvado sejas, meu Senhor,

Com todas as tuas criaturas,

Especialmente o Senhor Irmão Sol,

Que clareia o dia

E com sua luz nos alumia.

E ele é belo e radiante

Com grande esplendor:

De ti, Altíssimo é a imagem.

Louvado sejas, meu Senhor,

Pela irmã Lua e as Estrelas,

Que no céu formaste claras

E preciosas e belas.

Louvado sejas, meu Senhor,

Pelo irmão Vento,

Pelo ar, ou nublado

Ou sereno, e todo o tempo

Pela qual às tuas criaturas dás sustento.

Louvado sejas, meu Senhor,

Pela irmã Água,

Que é mui útil e humilde

E preciosa e casta.

Louvado sejas, meu Senhor,

Pelo irmão Fogo

Pelo qual iluminas a noite

E ele é belo e jucundo

E vigoroso e forte.

Louvado sejas, meu Senhor,

Por nossa irmã a mãe Terra

Que nos sustenta e governa,

E produz frutos diversos

E coloridas flores e ervas.

Louvado sejas, meu Senhor,

Pelos que perdoam por teu amor,

E suportam enfermidades e tribulações.

Bem aventurados os que sustentam a paz,

Que por ti, Altíssimo, serão coroados.

Louvado sejas, meu Senhor,

Por nossa irmã a Morte corporal,

Da qual homem algum pode escapar.

Ai dos que morrerem em pecado mortal!

Felizes os que ela achar

Conformes á tua santíssima vontade,

Porque a morte segunda não lhes fará mal!

Louvai e bendizei a meu Senhor,

E dai-lhe graças,

E servi-o com grande humildade.

A oração é o antídoto para as guerras que “começam em casa”, diz o Papa

FranciscoBalcon_LOsservatoreRomano_060415
O Papa Francisco do balcão do Palácio Apostólico / Foto: L’Osservatore Romano

(ACI).- O Papa Francisco visitou, na tarde de domingo, 19 de fevereiro, a Paróquia de Santa Maria Josefa em Castelverde, próxima a Roma. Atendeu a confissão de alguns fiéis e celebrou uma Missa na qual falou a respeito da importância de rezar pelos inimigos, porque a oração é o antídoto para as guerras que “começam em casa”.

“Se todos os homens e mulheres do mundo aprendessem isso não existiriam guerras. A guerra começa na amargura, no rancor, no desejo de vingança. E isso destrói famílias, amizades, bairros, destrói muito”.

“As leituras de hoje contêm uma mensagem única: Sejam santos, porque o nosso Deus é Santo, sejam perfeitos como o Pai do céu é perfeito”. A linguagem “você vai me pagar, não é a linguagem de um cristão”, acrescentou.

Em seguida, Francisco disse que devemos “rezar por aquele que me fez mal, para que mude de vida, para que o Senhor o perdoe”.

“Esta é a magnanimidade de Deus, do Deus magnânimo que perdoa tudo, que é misericordioso”, disse.

“Você também é misericordioso com quem lhe fez o mal?”, perguntou.

O Santo Padre sublinhou que rezar pelos inimigos “é algo simples. Talvez o rancor permaneça em nós, mas nós estamos fazendo um esforço para caminhar na estrada do Deus misericordioso”.

Durante esta visita, o Pontífice se reuniu com as crianças da catequese, em seguida, saudou alguns doentes, idosos, casais e membros da Cáritas paroquial.

São Francisco de Assis, rogai por nós!

​Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna

ORIENTE MÉDIO: 12 horas de oração pela Paz

JovenRezando_DanielIbanez_ACIPrensa(ACI/EWTN Noticias).- Numerosos grupos de jovens na Itália e em vários outros países se unirão aos jovens de Jerusalém que nesta quinta-feira, 17 de julho, dedicarão doze horas de oração contínua pela paz na Terra Santa.

A agência vaticana Fides assinala que em Roma se reunirão na Basílica de Santa Anastásia al Palatino, para realizar 12 horas de oração contínua pedindo ao Senhor o dom da paz na Terra Santa.

A vigília de oração começará às 18h com uma celebração eucarística presidida pelo reitor da Basílica, Padre Alberto Pacini, e continuará até 6h da sexta-feira, 18 de julho, com a Adoração Eucarística.

Esta vigília de oração será feita como resposta ao forte chamado do Papa Francisco que no dia 13 de julho pediu para continuar “rezando com insistência pela paz na Terra Santa, à luz dos trágicos acontecimentos dos últimos dias”.

Para promover esta iniciativa, indica Fides, os jovens convidaram as comunidades, grupos, movimentos e outras realidades a juntar-se a este momento de silêncio, de adoração e intercessão.

Papa pede insistentes orações pela paz no Oriente Médio

000_par7908212-1(ACI).- Rezar nunca é em vão: disse o Papa Francisco após a oração mariana do Angelus, este domingo, ocasião em que fez mais um apelo pelo fim do conflito no Oriente Médio, pedindo que todos continuem rezando com insistência pela paz na Terra Santa.

Referindo-se ao encontro de 8 de junho passado com o Patriarca Bartolomeu, o Presidente Peres e o Presidente Mahmoud Abbas, “alguém poderia pensar que este encontro se realizou em vão”, disse o Papa.

Ao invés não, porque a oração nos ajuda a não nos deixar vencer pelo mal nem nos resignar ao fato de que a violência e o ódio predominem sobre o diálogo e a reconciliação.

O Pontífice exortou israelenses, palestinos e todos os que têm responsabilidades políticas em nível local e internacional a não pouparem oração e esforços para que cesse toda hostilidade e se obtenha a paz desejada pelo bem de todos.

E convidou os fiéis e peregrinos na Praça a um momento de oração silenciosa, depois do qual pronunciou as seguintes palavras:

Agora, Senhor, ajuda-nos Tu! Doa-nos Tu a paz, ensina-nos Tu a paz, guia-nos Tu rumo à paz. Abre os nossos olhos e doa-nos a coragem de dizer: “nunca mais a guerra!”; “com a guerra, tudo está perdido!”. Infunde em nós a coragem de realizar gestos concretos para construir a paz… Torna-nos disponíveis a ouvir o clamor dos nossos cidadãos que nos pedem para transformar as nossas armas em instrumentos de paz, os nossos medos em confiança e as nossas tensões em perdão.

#PauseforPeace: una-se à campanha para que na final da Copa se faça uma “Pausa pela Paz”

Aqui o blogueiro que vos escreve. Vamos participar. #Pauseforpeace
Aqui o blogueiro que vos escreve. Vamos participar. #Pauseforpeace

(ACI).- Este domingo será a final da Copa do Mundo de Futebol Brasil 2014 e se espera que a partida entre a Argentina e Alemanha quebre recordes de sintonia em todo mundo. Ao mesmo tempo milhares de pessoas seguirão o evento sofrendo os estragos da guerra no Oriente Médio e outras partes do mundo e para chamar a atenção sobre este drama, o Vaticano lançou a campanha #PauseforPeace / #PausaporlaPaz  pedindo um momento de silêncio antes do encontro.

Em poucas horas, o tema se tornou viral nas redes sociais e é necessário somar esforços. Uma das ideias é compartilhar fotos com a etiqueta #PauseforPeace. Para ajudar na campanha animamos os brasileiros a tirarem fotos exibindo o logotipo da iniciativa e compartilhá-la no Facebook,  Twitter ou sua rede social favorita com o hashtag #PAUSEforPeace.

“Os esportes nasceram ao redor de festividades religiosas. Os eventos esportivos eram momentos de paz quando as guerras cessavam, um momento para a trégua olímpica”, explicou Mons. Melchor Sánchez de Toca y Alameda, Subsecretário do Pontifício Conselho para a Cultura e encarregado da seção de cultura e esporte. “Por que não para a Copa do Mundo (de futebol)? Por que não uma pausa, um momento de silêncio, uma trégua pela paz?”.

Falando de lugares onde a violência tem afugentado a paz, até o momento a ofensiva Israelense na Faixa Gaza –iniciada há quatro dias-, ocasionou cerca de 100 mortos e perto de 700 feridos, incluindo mulheres e crianças.

Várias pessoas aderiram a campanha.
Várias pessoas aderiram a campanha.

As autoridades de Israel assinalaram que a operação procura frear o lançamento de mísseis por parte do Hamas, grupo radical islâmico, contra território israelense, os quais em sua grande maioria são interceptados pelo sistema antimíssil isralense. Além disso, acusaram o grupo islâmico de ocultar-se em zonas civis e não deixar que as pessoas abandonem o lugar a pesar do anúncio dos bombardeios.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou na quinta-feira um endurecimento da operação militar na Gaza e inclusive a preparação de uma ofensiva terrestre, o qual traria mais vítimas.

O desencadeante da crise atual foi o sequestro e assassinato de três jovens judeus, seguidos da morte de um jovem palestino, supostamente em vingança pela morte dos rapazes hebreus.

O Egito está tentando um cessar fogo. Mas, assinalam fontes da imprensa, que os esforços estão fracassando pela “teimosia” das partes que querem por um lado a subida ao poder da irmandade muçulmana e outras que reivindicam um governo mais igualitários.

Por que não uma pausa pela paz? Compartilhe sua foto! O símbolo da campanha pode ser baixado AQUI.   Ou clique na imagem abaixo.

Símbolo da campanha.
Símbolo da campanha.

Presidentes de Israel e Palestina se unem em histórico abraço de paz junto ao Papa Francisco no Vaticano

Um abraço histórico entre os presidentes de Israel e da Palestina
Um abraço histórico entre os presidentes de Israel e da Palestina

(ACI/Europa Press).- Os presidentes de Israel, Shimon Peres, e da Autoridade a Palestina, Mahmud Abbas, tiveram neste domingo este domingo um encontro sem precedentes no Vaticano e junto ao Papa Francisco e o Patriarca Ecumênicao de Constantinopla Bartolomeu I para rezar pela paz.

O Papa recebeu os mandatários diante do edifício em que vive, a casa de acolhida Santa Marta. Abbas e Peres chegaram juntos em uma van.

O encontro, ocasionado por um convite de Francisco, despertou expectativas sobre um novo impulso ao processo de paz para o conflito palestino-israelense. No entanto, fontes oficiais do Vaticano ressaltaram enfaticamente que não se deve qualificar o encontro como uma espécie de “pausa na política” entre os dois países como afirmaram fontes da agência Reuters de notícias.

“Ninguém é tão presunçoso para acreditar que a paz nascerá esta segunda-feira”, assinalou um dos sacerdotes encarregados dos lugares de culto cristãos em Terra Santa, o padre Pierbattista Pizzaballa, que participou ativamente na organização do encontro.

“A intenção desta iniciativa é reabrir o caminho que leva um tempo fechado e reavivar o desejo, a possibilidade de que as pessoas possam sonhar”, acrescentou.

Primeira reunião em mais de um ano

Momento final do encontro foi marcado com o plantio de uma oliveira
Momento final do encontro foi marcado com o plantio de uma oliveira

Esta foi a primeira reunião pública entre Peres e Abbas em mais de um ano e o primeiro na presença de um Papa junto do Patriarca de Constantinopla Bartolomeu I, máximo responsável pela Igreja Ortodoxa.

Os quatro se reuniram em um lugar “neutro” dos jardins do Vaticano, onde  não há nenhum símbolo religioso, conforme frisou o próprio Vaticano. Ali caminharam os três, com o Papa entre o Peres e Abbas, por um caminho até o lugar onde estavam preparadas as cadeiras. Ali esperavam vários músicos de câmara.

“Reunimo-nos aqui israelenses, palestinos, judeus, cristãos e muçulmanos, assim que cada um de nós pode expressar seu desejo de paz para Terra Santa e para todos os que ali vivem”, começou a responsável pela cerimônia ao princípio do serviço religioso.

Os presidentes israelense e palestino querem expressar “o desejo de seus respectivos povos de invocar a Deus as ânsias comuns de paz”, acrescentou. Imediatamente depois, representantes das três religiões começaram as orações pela paz em italiano, hebreu, árabe e inglês.

A oração, realizada pelo papa com um convite global a que todos os crentes também o acompanhassem, compôs a primeira ocasião em que orações judias, cristãs e muçulmanas foram ouvidas no Vaticano.

Depois da cerimônia os participantes plantaram uma oliveira, “símbolo duradouro do mútuo desejo de paz entre os povos israelense e palestino”, informou também o Vaticano.

Presidente palestino aceita ir ao Vaticano encontrar colega israelense

O presidente palestino, Mahmud Abbas, irá no dia 6 de junho ao Vaticano, atendendo ao convite do Papa Francisco feito neste domingo (25) a ele e ao chefe de Estado israelense, Shimon Peres, anunciou à France Presse o negociador palestino, Saeb Erakat.

“O presidente Abbas aceitou o convite do Papa”, declarou Erakat, indicando a data da visita.

Francisco fez o convite após uma missa em Belém, na Cisjordânia, durante sua visita de três dias à Terra Santa.

Questionado sobre o convite, um porta-voz de Peres disse em Jerusalém que o presidente israelense “sempre aceita qualquer tipo de iniciativa para promover a paz”. Mas ele não disse se o convite foi formalmente aceito.

Peres, Prêmio Nobel da Paz por seu papel nos acordos de Oslo em 1993, revelou ter feito em 2011 negociações secretas com Abbas, antes de interrompê-las com a chegada ao poder do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu.

Atentado em Bruxelas

Ao chegar em Tel Aviv, em Israel, o Papa externou sua “profunda dor” pelo atentado contra o Museu Judaico de Bruxelas, que causou a morte de três pessoas, entre elas dois israelenses.

Em seu discurso de chegada, o pontífice argentino condenou também “o antissemitismo, a discriminação e a intolerância”.

Confira os horários das missas de Finados em Ipatinga-MG

Missa realizada ano passado no cemitério Senhora da Paz
Missa realizada ano passado no cemitério Senhora da Paz

O Dia dos Fiéis Defuntos, Finados, é dia santo para todos os católicos. Como dia santo, deve ser guardado, como fazemos com o domingo. Em Ipatinga-MG, no próximo dia 02, os fiéis terão duas missas no cemitério Senhora da Paz, Bairro Veneza II. A primeira, será às 8h da manhã presidida pelo Padre Francisco Guerra, pároco da Paróquia de Cristo Rei e vigário diocesano. Já às 16h, Dom Odilom Guimarães Moreira, bispo emérito da diocese de Itabira/Cel. Fabriciano é quem vai presidir a Santa Missa.

No cemitério do Bairro Bom Jardim, localizado na Rua Joaquim Gonçalves Rosa, às 9h, conforme comentário de Meirevone Ferreira, também vai haver missa.

Na paróquia Sagrada Família, haverá missa as 19h30, na comunidade Imaculada Conceição, Caçula. Padre Aloísio Viera é o presidirá a liturgia neste dia.

Poste nos comentários os horários das missas de finados em sua cidade ou comunidade.

Mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz: Bem aventurados os obreiros da paz

Papa Bento XVITodos os anos, o Papa divulga uma mensagem para que os fiéis possam meditar a respeito do Dia Mundial da Paz, celebrado em 1° de janeiro. Com o título “Bem aventurados os obreiros da paz”, Bento XVI tornou pública a mensagem para 2013 no dia 8 de dezembro de 2012. Confira a seguir a íntegra do texto.

Bem aventurados os obreiros da paz

1. Cada ano novo traz consigo a expectativa de um mundo melhor. Nesta perspectiva, peço a Deus, Pai da humanidade, que nos conceda a concórdia e a paz a fim de que possam tornar-se realidade, para todos, as aspirações duma vida feliz e próspera.

À distância de 50 anos do início do Concílio Vaticano II, que permitiu dar mais força à missão da Igreja no mundo, anima constatar como os cristãos, Povo de Deus em comunhão com Ele e caminhando entre os homens, se comprometem na história compartilhando alegrias e esperanças, tristezas e angústias,[1] anunciando a salvação de Cristo e promovendo a paz para todos.

Na realidade o nosso tempo, caracterizado pela globalização, com seus aspectos positivos e negativos, e também por sangrentos conflitos ainda em curso e por ameaças de guerra, requer um renovado e concorde empenho na busca do bem comum, do desenvolvimento de todo o homem e do homem todo.

Causam apreensão os focos de tensão e conflito causados por crescentes desigualdades entre ricos e pobres, pelo predomínio duma mentalidade egoísta e individualista que se exprime inclusivamente por um capitalismo financeiro desregrado. Além de variadas formas de terrorismo e criminalidade internacional, põem em perigo a paz aqueles fundamentalismos e fanatismos que distorcem a verdadeira natureza da religião, chamada a favorecer a comunhão e a reconciliação entre os homens.

E no entanto as inúmeras obras de paz, de que é rico o mundo, testemunham a vocação natural da humanidade à paz. Em cada pessoa, o desejo de paz é uma aspiração essencial e coincide, de certo modo, com o anelo por uma vida humana plena, feliz e bem sucedida. Por outras palavras, o desejo de paz corresponde a um princípio moral fundamental, ou seja, ao dever-direito de um desenvolvimento integral, social, comunitário, e isto faz parte dos desígnios que Deus tem para o homem. Na verdade, o homem é feito para a paz, que é dom de Deus.

Tudo isso me sugeriu buscar inspiração, para esta Mensagem, às palavras de Jesus Cristo: «Bem-aventurados os obreiros da paz, porque serão chamados filhos de Deus» (Mt 5, 9).

A bem-aventurança evangélica

2. As bem-aventuranças proclamadas por Jesus (cf. Mt 5, 3-12; Lc 6, 20-23) são promessas. Com efeito, na tradição bíblica, a bem-aventurança é um género literário que traz sempre consigo uma boa nova, ou seja um evangelho, que culmina numa promessa. Assim, as bem-aventuranças não são meras recomendações morais, cuja observância prevê no tempo devido – um tempo localizado geralmente na outra vida – uma recompensa, ou seja, uma situação de felicidade futura; mas consistem sobretudo no cumprimento duma promessa feita a quantos se deixam guiar pelas exigências da verdade, da justiça e do amor. Frequentemente, aos olhos do mundo, aqueles que confiam em Deus e nas suas promessas aparecem como ingénuos ou fora da realidade; ao passo que Jesus lhes declara que já nesta vida – e não só na outra – se darão conta de serem filhos de Deus e que, desde o início e para sempre, Deus está totalmente solidário com eles. Compreenderão que não se encontram sozinhos, porque Deus está do lado daqueles que se comprometem com a verdade, a justiça e o amor. Jesus, revelação do amor do Pai, não hesita em oferecer-Se a Si mesmo em sacrifício. Quando se acolhe Jesus Cristo, Homem-Deus, vive-se a jubilosa experiência de um dom imenso: a participação na própria vida de Deus, isto é, a vida da graça, penhor duma vida plenamente feliz. De modo particular, Jesus Cristo dá-nos a paz verdadeira, que nasce do encontro confiante do homem com Deus.

A bem-aventurança de Jesus diz que a paz é, simultaneamente, dom messiânico e obra humana. Na verdade, a paz pressupõe um humanismo aberto à transcendência; é fruto do dom recíproco, de um mútuo enriquecimento, graças ao dom que provém de Deus e nos permite viver com os outros e para os outros. A ética da paz é uma ética de comunhão e partilha. Por isso, é indispensável que as várias culturas de hoje superem antropologias e éticas fundadas sobre motivos teorico-práticos meramente subjectivistas e pragmáticos, em virtude dos quais as relações da convivência se inspiram em critérios de poder ou de lucro, os meios tornam-se fins, e vice-versa, a cultura e a educação concentram-se apenas nos instrumentos, na técnica e na eficiência. Condição preliminar para a paz é o desmantelamento da ditadura do relativismo e da apologia duma moral totalmente autónoma, que impede o reconhecimento de quão imprescindível seja a lei moral natural inscrita por Deus na consciência de cada homem. A paz é construção em termos racionais e morais da convivência, fundando-a sobre um alicerce cuja medida não é criada pelo homem, mas por Deus. Como lembra o Salmo 29, « o Senhor dá força ao seu povo; o Senhor abençoará o seu povo com a paz » (v. 11).

A paz: dom de Deus e obra do homem

3. A paz envolve o ser humano na sua integridade e supõe o empenhamento da pessoa inteira: é paz com Deus, vivendo conforme à sua vontade; é paz interior consigo mesmo, e paz exterior com o próximo e com toda a criação. Como escreveu o Beato João XXIII na Encíclica Pacem in terris – cujo cinquentenário terá lugar dentro de poucos meses –, a paz implica principalmente a construção duma convivência humana baseada na verdade, na liberdade, no amor e na justiça.[2] A negação daquilo que constitui a verdadeira natureza do ser humano, nas suas dimensões essenciais, na sua capacidade intrínseca de conhecer a verdade e o bem e, em última análise, o próprio Deus, põe em perigo a construção da paz. Sem a verdade sobre o homem, inscrita pelo Criador no seu coração, a liberdade e o amor depreciam-se, a justiça perde a base para o seu exercício.

Para nos tornarmos autênticos obreiros da paz, são fundamentais a atenção à dimensão transcendente e o diálogo constante com Deus, Pai misericordioso, pelo qual se implora a redenção que nos foi conquistada pelo seu Filho Unigénito. Assim o homem pode vencer aquele germe de obscurecimento e negação da paz que é o pecado em todas as suas formas: egoísmo e violência, avidez e desejo de poder e domínio, intolerância, ódio e estruturas injustas.

A realização da paz depende sobretudo do reconhecimento de que somos, em Deus, uma úni­ca família humana. Esta, como ensina a Encíclica Pacem in terris, está estruturada mediante relações interpessoais e instituições sustentadas e anima­das por um «nós» comunitário, que implica uma ordem moral, interna e externa, na qual se reconheçam sinceramente, com verdade e justiça, os próprios direitos e os próprios deveres para com os demais. A paz é uma ordem de tal modo vivificada e integrada pelo amor, que se sentem como próprias as necessidades e exigências alheias, que se fazem os outros comparticipantes dos próprios bens e que se estende sempre mais no mundo a comunhão dos valores espirituais. É uma ordem realizada na liberdade, isto é, segundo o modo que corresponde à dignidade de pessoas que, por sua própria natureza racional, assumem a responsabilidade do próprio agir.[3]

A paz não é um sonho, nem uma utopia; a paz é possível. Os nossos olhos devem ver em profundidade, sob a superfície das aparências e dos fenómenos, para vislumbrar uma realidade positiva que existe nos corações, pois cada homem é criado à imagem de Deus e chamado a crescer contribuindo para a edificação dum mundo novo. Na realidade, através da encarnação do Filho e da redenção por Ele operada, o próprio Deus entrou na história e fez surgir uma nova criação e uma nova aliança entre Deus e o homem (cf. Jr 31, 31-34), oferecendo-nos a possibilidade de ter « um coração novo e um espírito novo » (cf. Ez 36, 26).

Por isso mesmo, a Igreja está convencida de que urge um novo anúncio de Jesus Cristo, primeiro e principal factor do desenvolvimento integral dos povos e também da paz. Na realidade, Jesus é a nossa paz, a nossa justiça, a nossa reconciliação (cf. Ef 2, 14; 2 Cor 5, 18). O obreiro da paz, segundo a bem-aventurança de Jesus, é aquele que procura o bem do outro, o bem pleno da alma e do corpo, no tempo presente e na eternidade.

A partir deste ensinamento, pode-se deduzir que cada pessoa e cada comunidade – religiosa, civil, educativa e cultural – é chamada a trabalhar pela paz. Esta consiste, principalmente, na realização do bem comum das várias sociedades, primárias e intermédias, nacionais, internacionais e a mundial. Por isso mesmo, pode-se supor que os caminhos para a implementação do bem comum sejam também os caminhos que temos de seguir para se obter a paz.

Obreiros da paz são aqueles que amam, defendem e promovem a vida na sua integridade

4. Caminho para a consecução do bem comum e da paz é, antes de mais nada, o respeito pela vida humana, considerada na multiplicidade dos seus aspectos, a começar da concepção, passando pelo seu desenvolvimento até ao fim natural. Assim, os verdadeiros obreiros da paz são aqueles que amam, defendem e promovem a vida humana em todas as suas dimensões: pessoal, comunitária e transcendente. A vida em plenitude é o ápice da paz. Quem deseja a paz não pode tolerar atentados e crimes contra a vida.

Aqueles que não apreciam suficientemente o valor da vida humana, chegando a defender, por exemplo, a liberalização do aborto, talvez não se dêem conta de que assim estão a propor a prossecução duma paz ilusória. A fuga das responsabilidades, que deprecia a pessoa humana, e mais ainda o assassinato de um ser humano indefeso e inocente nunca poderão gerar felicidade nem a paz. Na verdade, como se pode pensar em realizar a paz, o desenvolvimento integral dos povos ou a própria salvaguarda do ambiente, sem estar tutelado o direito à vida dos mais frágeis, a começar pelos nascituros? Qualquer lesão à vida, de modo especial na sua origem, provoca inevitavelmente danos irreparáveis ao desenvolvimento, à paz, ao ambiente. Tão-pouco é justo codificar ardilosamente falsos direitos ou opções que, baseados numa visão redutiva e relativista do ser humano e com o hábil recurso a expressões ambíguas tendentes a favorecer um suposto direito ao aborto e à eutanásia, ameaçam o direito fundamental à vida.

Também a estrutura natural do matrimónio, como união entre um homem e uma mulher, deve ser reconhecida e promovida contra as tentativas de a tornar, juridicamente, equivalente a formas radicalmente diversas de união que, na realidade, a prejudicam e contribuem para a sua desestabilização, obscurecendo o seu carácter peculiar e a sua insubstituível função social.

Estes princípios não são verdades de fé, nem uma mera derivação do direito à liberdade religiosa; mas estão inscritos na própria natureza humana – sendo reconhecíveis pela razão – e consequentemente comuns a toda a humanidade. Por conseguinte, a acção da Igreja para os promover não tem carácter confessional, mas dirige-se a todas as pessoas, independentemente da sua filiação religiosa. Tal acção é ainda mais necessária quando estes princípios são negados ou mal entendidos, porque isso constitui uma ofensa contra a verdade da pessoa humana, uma ferida grave infligida à justiça e à paz.

Por isso, uma importante colaboração para a paz é dada também pelos ordenamentos jurídicos e a administração da justiça quando reconhecem o direito ao uso do princípio da objecção de consciência face a leis e medidas governamentais que atentem contra a dignidade humana, como o aborto e a eutanásia.

Entre os direitos humanos basilares mesmo para a vida pacífica dos povos, conta-se o direito dos indivíduos e comunidades à liberdade religiosa. Neste momento histórico, torna-se cada vez mais importante que este direito seja promovido não só negativamente, como liberdade de– por exemplo, de obrigações e coacções quanto à liberdade de escolher a própria religião –, mas também positivamente, nas suas várias articulações, como liberdade para: por exemplo, para testemunhar a própria religião, anunciar e comunicar a sua doutrina; para realizar actividades educativas, de beneficência e de assistência que permitem aplicar os preceitos religiosos; para existir e actuar como organismos sociais, estruturados de acordo com os princípios doutrinais e as finalidades institucionais que lhe são próprias. Infelizmente vão-se multiplicando, mesmo em países de antiga tradição cristã, os episódios de intolerância religiosa, especialmente contra o cristianismo e aqueles que se limitam a usar os sinais identificadores da própria religião.

O obreiro da paz deve ter presente também que as ideologias do liberalismo radical e da tecnocracia insinuam, numa percentagem cada vez maior da opinião pública, a convicção de que o crescimento económico se deve conseguir mesmo à custa da erosão da função social do Estado e das redes de solidariedade da sociedade civil, bem como dos direitos e deveres sociais. Ora, há que considerar que estes direitos e deveres são fundamentais para a plena realização de outros, a começar pelos direitos civis e políticos.

E, entre os direitos e deveres sociais actualmente mais ameaçados, conta-se o direito ao trabalho. Isto é devido ao facto, que se verifica cada vez mais, de o trabalho e o justo reconhecimento do estatuto jurídico dos trabalhadores não serem adequadamente valorizados, porque o crescimento económico dependeria sobretudo da liberdade total dos mercados. Assim o trabalho é considerado uma variável dependente dos mecanismos económicos e financeiros. A propósito disto, volto a afirmar que não só a dignidade do homem mas também razões económicas, sociais e políticas exigem que se continue « a perseguir como prioritário o objectivo do acesso ao trabalho para todos, ou da sua manutenção ».[4] Para se realizar este ambicioso objectivo, é condição preliminar uma renovada apreciação do trabalho, fundada em princípios éticos e valores espirituais, que revigore a sua concepção como bem fundamental para a pessoa, a família, a sociedade. A um tal bem corresponde um dever e um direito, que exigem novas e ousadas políticas de trabalho para todos.

Construir o bem da paz através de um novo modelo de desenvolvimento e de economia

5. De vários lados se reconhece que, hoje, é necessário um novo modelo de desenvolvimento e também uma nova visão da economia. Quer um desenvolvimento integral, solidário e sustentável, quer o bem comum exigem uma justa escala de bens-valores, que é possível estruturar tendo Deus como referência suprema. Não basta ter à nossa disposição muitos meios e muitas oportunidades de escolha, mesmo apreciáveis; é que tanto os inúmeros bens em função do desenvolvimento como as oportunidades de escolha devem ser empregues de acordo com a perspectiva duma vida boa, duma conduta recta, que reconheça o primado da dimensão espiritual e o apelo à realização do bem comum. Caso contrário, perdem a sua justa valência, acabando por erguer novos ídolos.

Para sair da crise financeira e económica actual, que provoca um aumento das desigualdades, são necessárias pessoas, grupos, instituições que promovam a vida, favorecendo a criatividade humana para fazer da própria crise uma ocasião de discernimento e de um novo modelo económico. O modelo que prevaleceu nas últimas décadas apostava na busca da maximização do lucro e do consumo, numa óptica individualista e egoísta que pretendia avaliar as pessoas apenas pela sua capacidade de dar resposta às exigências da competitividade. Olhando de outra perspectiva, porém, o sucesso verdadeiro e duradouro pode ser obtido com a dádiva de si mesmo, dos seus dotes intelectuais, da própria capacidade de iniciativa, já que o desenvolvimento económico suportável, isto é, autenticamente humano tem necessidade do princípio da gratuidade como expressão de fraternidade e da lógica do dom. [5] Concretamente na actividade económica, o obreiro da paz aparece como aquele que cria relações de lealdade e reciprocidade com os colaboradores e os colegas, com os clientes e os usuários. Ele exerce a actividade económica para o bem comum, vive o seu compromisso como algo que ultrapassa o interesse próprio, beneficiando as gerações presentes e futuras. Deste modo sente-se a trabalhar não só para si mesmo, mas também para dar aos outros um futuro e um trabalho dignos.

No âmbito económico, são necessárias – especialmente por parte dos Estados – políticas de desenvolvimento industrial e agrícola que tenham a peito o progresso social e a universalização de um Estado de direito e democrático. Fundamental e imprescindível é também a estruturação ética dos mercados monetário, financeiro e comercial; devem ser estabilizados e melhor coordenados e controlados, de modo que não causem dano aos mais pobres. A solicitude dos diversos obreiros da paz deve ainda concentrar-se – com mais determinação do que tem sido feito até agora – na consideração da crise alimentar, muito mais grave do que a financeira. O tema da segurança das provisões alimentares voltou a ser central na agenda política internacional, por causa de crises relacionadas, para além do mais, com as bruscas oscilações do preço das matérias-primas agrícolas, com comportamentos irresponsáveis por parte de certos agentes económicos e com um controle insuficiente por parte dos Governos e da comunidade internacional. Para enfrentar semelhante crise, os obreiros da paz são chamados a trabalhar juntos em espírito de solidariedade, desde o nível local até ao internacional, com o objectivo de colocar os agricultores, especialmente nas pequenas realidades rurais, em condições de poderem realizar a sua actividade de modo digno e sustentável dos pontos de vista social, ambiental e económico.

Educação para uma cultura da paz: o papel da família e das instituições

6. Desejo veementemente reafirmar que os diversos obreiros da paz são chamados a cultivar a paixão pelo bem comum da família e pela justiça social, bem como o empenho por uma válida educação social.

Ninguém pode ignorar ou subestimar o papel decisivo da família, célula básica da sociedade, dos pontos de vista demográfico, ético, pedagógico, económico e político. Ela possui uma vocação natural para promover a vida: acompanha as pessoas no seu crescimento e estimula-as a enriquecerem-se entre si através do cuidado recíproco. De modo especial, a família cristã guarda em si o primordial projecto da educação das pessoas segundo a medida do amor divino. A família é um dos sujeitos sociais indispensáveis para a realização duma cultura da paz. É preciso tutelar o direito dos pais e o seu papel primário na educação dos filhos, nomeadamente nos âmbitos moral e religioso. Na família, nascem e crescem os obreiros da paz, os futuros promotores duma cultura da vida e do amor. [6]

Nesta tarefa imensa de educar para a paz, estão envolvidas de modo particular as comunidades dos crentes. A Igreja toma parte nesta grande responsabilidade através da nova evangelização, que tem como pontos de apoio a conversão à verdade e ao amor de Cristo e, consequentemente, o renascimento espiritual e moral das pessoas e das sociedades. O encontro com Jesus Cristo plasma os obreiros da paz, comprometendo-os na comunhão e na superação da injustiça.

Uma missão especial em prol da paz é desempenhada pelas instituições culturais, escolásticas e universitárias. Delas se requer uma notável contribuição não só para a formação de novas gerações de líderes, mas também para a renovação das instituições públicas, nacionais e internacionais. Podem também contribuir para uma reflexão científica que radique as actividades económicas e financeiras numa sólida base antropológica e ética. O mundo actual, particularmente o mundo da política, necessita do apoio dum novo pensamento, duma nova síntese cultural, para superar tecnicismos e harmonizar as várias tendências políticas em ordem ao bem comum. Este, visto como conjunto de relações interpessoais e instituições positivas ao serviço do crescimento integral dos indivíduos e dos grupos, está na base de toda a verdadeira educação para a paz.

Uma pedagogia do obreiro da paz

7. Concluindo, há necessidade de propor e promover uma pedagogia da paz. Esta requer uma vida interior rica, referências morais claras e válidas, atitudes e estilos de vida adequados. Com efeito, as obras de paz concorrem para realizar o bem co­mum e criam o interesse pela paz, educando para ela. Pensamentos, palavras e gestos de paz criam uma mentalidade e uma cultura da paz, uma atmos­fera de respeito, honestidade e cordialidade. Por isso, é necessário ensinar os homens a amarem-se e educarem-se para a paz, a viverem mais de benevolência que de mera tolerância. Incentivo fundamental será « dizer não à vingança, reconhecer os próprios erros, aceitar as desculpas sem as buscar e, finalmente, perdoar »,[7] de modo que os erros e as ofensas possam ser verdadeiramente reconhecidos a fim de caminhar juntos para a reconciliação. Isto requer a difusão duma pedagogia do perdão. Na realidade, o mal vence-se com o bem, e a justiça deve ser procurada imitando a Deus Pai que ama todos os seus filhos (cf. Mt 5, 21-48). É um trabalho lento, porque supõe uma evolução espiritual, uma educação para os valores mais altos, uma visão nova da história humana. É preciso renunciar à paz falsa, que prometem os ídolos deste mundo, e aos perigos que a acompanham; refiro-me à paz que torna as consciências cada vez mais insensíveis, que leva a fechar-se em si mesmo, a uma existência atrofiada vivida na indiferença. Ao contrário, a pedagogia da paz implica serviço, compaixão, solidariedade, coragem e perseverança.

Jesus encarna o conjunto destas atitudes na sua vida até ao dom total de Si mesmo, até «perder a vida» (cf. Mt 10, 39; Lc 17, 33; Jo 12, 25). E promete aos seus discípulos que chegarão, mais cedo ou mais tarde, a fazer a descoberta extraordinária de que falamos no início: no mundo, está presente Deus, o Deus de Jesus Cristo, plenamente solidário com os homens. Neste contexto, apraz-me lembrar a oração com que se pede a Deus para fazer de nós instrumentos da sua paz, a fim de levar o seu amor onde há ódio, o seu perdão onde há ofensa, a verdadeira fé onde há dúvida. Por nossa vez pedimos a Deus, juntamente com o Beato João XXIII, que ilumine os responsáveis dos povos para que, junto com a solicitude pelo justo bem-estar dos próprios concidadãos, garantam e defendam o dom precioso da paz; inflame a vontade de todos para superarem as barreiras que dividem, reforçarem os vínculos da caridade mútua, compreenderem os outros e perdoarem aos que lhes tiverem feito injúrias, de tal modo que, em virtude da sua acção, todos os povos da terra se tornem irmãos e floresça neles e reine para sempre a tão suspirada paz.[8]

Com esta invocação, faço votos de que todos possam ser autênticos obreiros e construtores da paz, para que a cidade do homem cresça em concórdia fraterna, na prosperidade e na paz.

Vaticano, 8 de Dezembro de 2012.

 

BENEDICTUS PP XVI

[1] Cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. sobre a Igreja no mundo contemporâneo Gaudium et spes, 1.4

[2] Cf. Carta enc. Pacem in terris (11 de Abril de 1963): AAS 55 (1963), 265-266.7

[3] Cf. ibidemo. c., 266.9

[4] Bento XVI, Carta enc. Caritas in veritate (29 de Junho de 2009), 32: AAS 101 (2009), 666-667.13

[5] Cf. ibid., 34.36: o. c., 668-670.671-672.15

[6] Cf. João Paulo II, Mensagem para o Dia Mundial da paz de 1994 (8 de Dezembro de 1993): AAS 86 (1994), 156-162.17

[7] Bento XVI, Discurso por ocasião do Encontro com os membros do Governo, das instituições da República, com o Corpo Diplomático, os líderes religiosos e representantes do mundo da cultura (Baabda-Líbano, 15 de Setembro de 2012): L’Osservatore Romano (ed. port. de 23/IX/ 2012), 7.18

[8] Cf. Carta enc. Pacem in terris (11 de Abril de 1963): AAS 55 (1963), 304.19

Donde vem a paz?

Dom  Pedro Carlos Cipolini
Bispo de Amparo (SP)

Glória a Deus nas alturas e paz na terra às pessoas de boa vontade! Foi este o anúncio de Natal que ouvimos do Evangelho de Lucas (cap.1,14). Este anúncio natalino preanuncia outro anúncio, feito por Jesus quando declara que são bem aventurados os que constroem a paz, porque serão chamados filhos de Deus (Mt 5,9). No primeiro dia do ano é celebrado o dia da paz ou da “confraternização universal”.

Dedicar um dia para comemorar a paz e a confraternização, é dedicar um dia para comemorar o sonho de Deus. Sonho que coincide com o sonho e os anseios mais íntimos do coração humano. Todos desejamos a paz e por ela suspiramos ardentemente. Até mesmo os que fazem a guerra. Estes imaginam que a melhor maneira de conseguir a paz é se prevenir através da guerra: guerra preventiva como a chama a administração Busch.

A paz que os anjos anunciaram, a paz no conceito cristão não designa simples ausência de conflito ou o fim de um estado de guerra. Para o cristianismo a paz faz memória da criação, da harmonia primeira descrita na Bíblia. No Paraíso havia a glória da convivência pacífica entre a Criação, as Criaturas e o Criador. Paz é a inocência original, onde o homem vive em harmonia consigo mesmo, com Deus, com os outros e com a natureza. Para o cristianismo a paz não é um estado passageiro entre duas guerras.

Mas se todos querem a paz, por que temos guerra? Não nos esqueçamos que toda violência, e estamos envoltos nela, é uma forma de guerra. O novo século que estamos vivendo deveria ser mais pacífico que o século passado, pois com a globalização, a guerra seria um suicídio, dado a eficiência das armas. Porém, os motivos para a guerra não faltam. Estamos sempre em guerra.
De onde nos pode vir a paz? Esta é a pergunta que todos se fazem. Jesus certa vez chorou sobre Jerusalém e disse:  “Se reconhecesses aquele que pode te conduzir à paz. Mas agora está oculto a teus olhos!”(Lc 19,42). É Jesus que pode nos conduzir à paz. Ele é a nossa paz, como escreve o apóstolo Paulo aos Efésios (2,14). Porém  muitos ainda não o vêem, não ouvem sua voz.

A liturgia da Igreja Católica celebra junto com o dia da paz universal, Maria Mãe de Deus. Contemplamos a figura desta mulher que tem nos braços o menino que nos traz a paz. Somos agradecidos a ela porque aceitou de Deus a missão de dar a luz a este filho. Agradecemos porque acolheu a vida, embora o nascimento de Jesus foi envolto em dificuldades para Maria e José. E concluímos que a paz somente pode brotar do amor. Um amor que exige de nós a renúncia ao egoísmo.

A mensagem central de Jesus é o Reino de Deus, Deus sendo Pai de todos e todos vivendo como irmãos: fraternidade universal! Viver no amor é uma decisão pessoal e um compromisso que cada um deve assumir. A pessoa que decidiu fazer de sua vida um ato de amor, não busca primariamente o prazer ou o aplauso. Seu desejo básico é se tornar um ser humano que ama e, portanto, um ser humano realizado, potencializado para transmitir a paz.

Que a paz esteja conosco neste ano que se inicia e que nós saibamos ser construtores de paz!

ECUMENISMO: Muçulmanos e católicos realizam encontro internacional sobre Maria, mãe de Jesus

MARIA, EXEMPLO PARA TODOS NÓS
Encontro Internacional Cristão-Muçulmano

A Coordenação da Pastoral da Criança Internacional, em conjunto com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, representantes da Liga da Juventude Islâmica Beneficente do Brasil, da União Nacional das Entidades Islâmicas e da Comunidade Islâmica de Foz do Iguaçu, promove o evento MARIA, EXEMPLO PARA TODOS NÓS – Encontro Internacional Cristão-Muçulmano no sábado, dia 24 de março, na área da Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR).

Maria, mãe de Jesus, é personagem reverenciada por cristãos e muçulmanos. Maria é bem-aventurada por ter sido escolhida por Deus para levar o Salvador em seu seio. “Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus” (Lc 1,31). O respeito e veneração que professam os católicos à Santíssima Virgem têm, portanto, bases bíblicas sólidas. Maria é modelo de amor e doação, que se põe a caminho para servir a prima Isabel. É a mãe terna que ampara e protege seus filhos.

O Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos, menciona a Virgem Maria (Maryam) em 34 locais em 12 capítulos. Tem uma surata (capítulo) intitulado “Surata Maryam” (19), com o relato da anunciação, gravidez e nascimento de seu filho Jesus. No Líbano, a celebração cristã-muçulmana que homenageia Maria acontece desde 2010, com feriado oficial no qual se comemora a Anunciação do Anjo Gabriel a Maria (dia 25 de março).

Homenagear Maria, mãe de Jesus, é uma oportunidade para as famílias conhecerem com mais profundidade temas inspiradores dos exemplos de Maria. É, também, oportunidade para a convivência fraterna e de incentivo para a paz entre os povos e fiéis das duas maiores religiões mundiais.

Além das comunidades cristã e muçulmana do Brasil, Paraguai e Argentina esperadas para o evento em Foz do Iguaçu, estão confirmadas as presenças de autoridades do executivo e legislativo paranaense e representantes de diversas religiões de países como Índia, Líbano, Japão e países da Europa e das Américas.

Fonte: https://www.pastoraldacrianca.org.br

Religiões se unem por uma cultura de paz em São Paulo

No dia 27 de outubro de 1986, o então papa João Paulo II se reunia, na cidade de Assis, Itália, com líderes de diferentes tradições religiosas para uma jornada de oração pela paz. Esse gesto será novamente realizado, agora pelo papa Bento XVI, em Assis e, no mesmo dia, em todo o mundo serão feitas celebrações pela paz. Em São Paulo, o tradicional Convento São Francisco, no Largo São Francisco, será o local que vai receber as lideranças religiosas para um ato Interreligioso, às 14 horas. Durante todo o dia 27, haverá uma tenda em frente ao Convento para explicar às pessoas o significado deste encontro.

O evento ficou conhecido, especialmente dentro da Ordem Franciscana, como o Espírito de Assis. “Num gesto simbólico de comunhão universal em prol da paz, desejamos reunir representantes de diferentes tradições religiosas da cidade de São Paulo para realizarmos juntos uma vigília silenciosa e um pronunciamento em favor da paz. Também queremos ser ‘Peregrinos da Verdade e Peregrinos da Paz’, lema que acompanhará o encontro dos representantes das várias tradições religiosas naquele mesmo dia na cidade de Assis, na Itália”, explicou o frei Fidêncio Vanboemmel, ministro provincial da Província Franciscana da Imaculada Conceição, com sede em São Paulo.

Neste encontro, no Largo São Francisco, já confirmaram presença representantes do Cristianismo (igreja Católica, Luterana, Presbiteriana e Anglicana), do Candonblé, da Umbanda, do Judaísmo, do Budismo, do Islamismo e do Espiritismo. Cada religião/confissão terá um pronunciamento  em favor da paz.

“Ao longo do dia desejamos fazer da igreja São Francisco um espaço de vigília silenciosa pela paz, onde homens e mulheres de boa vontade possam se sentir acolhidos. Na praça, entre a Igreja e a Faculdade de Direito, vamos armar uma tenda branca onde desejamos distribuir folhetos com reflexões para uma cultura da Paz”, acrescentou o ministro provincial Frei Fidêncio.

Dalai Lama e Desmond Tutu realizam palestra pela paz hoje no Google ++

Hoje no Google ++ – a nova rede social da Google – às 15h30, acontece Hangout – serviços de vídeos da G+ – o líder espiritual do Tibete, Dalai Lama, e o arcebispo de Desmound Tutu realizaram uma conferência ao vivo pela paz. O projeto faz parte de uma serie de palestras pela paz que o líder budista irá promover.

A conferência será retransmitida da cidade de Cape, África do Sul. Para participar é necessário ser usuário da rede social. Todos que tem gmail já possuem perfil na rede.

Convocatória Ecumênica Internacional pela Paz

A capital da Jamaica, Kingston, foi palco, entre os dias 17 e 25 de maio, da Convocatória Ecumênica Internacional pala Paz (CEIP). Este grande evento ecumênico, organizado pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), contou com a presença de leigos e religiosos de todo o mundo. O 1° vice-presidente do CONIC, Dom Francisco de Assis da Silva, esteve presente.

A CEIP encerra a “Década para Superação da Violência” (DOV), programa idealizado pelo CMI, em 1998, durante sua Assembleia de Harare, e que começou em 2001. O evento reuniu cerca de 1.000 participantes de todo o mundo, vindos das igrejas-membro e parceiros do CMI, redes da sociedade civil e do movimento ecumênico que trabalham na área de paz e justiça.

Os quatro focos temáticos da CEIP foram “paz na comunidade”, “paz com a Terra”, “paz no mercado” e “paz entre os povos”. Estes temas foram trabalhados por meio de vários componentes da Convocatória – a vida espiritual, estudos bíblicos, plenárias, oficinas e seminários. Vale lembrar que o principal objetivo da Convocatória é contribuir com os esforços para criação uma cultura de paz justa e facilitar novas redes que incidirão sobre a paz nas comunidades e no mundo.

A lista de palestrantes da CEIP incluiu a Rev. Kässmann, o secretário-geral do CMI, Rev. Dr. Olav Fykse Tveit, Rev. Dr. Paul Gardner da Jamaica, Ernestina Lopez Bac da Guatemala, o Metropolita Dr. Hilarion de Volokolamsk da Igreja Ortodoxa Russa, o Cânon Paulo Oestreicher, da Nova Zelândia e uma dúzia de outros nomes das igrejas e comunidades religiosas de todo o mundo.

Na avaliação de Dom Francisco de Assis da Silva, o evento proporcionou reflexões profundas acerca do papel das religiões na promoção do ecumenismo e da paz mundial. “O CONIC, enquanto parceiro do CMI, está amplamente engajado na promoção de uma cultura de paz. Neste sentido, o empenho das igrejas-membro do Conselho é de vital importância para que continuemos nesse rumo”, disse.

Papa escolhe o tema da Jornada Mundial da Paz de 2012


O papa Bento XVI anunciou hoje, 19, o tema para a celebração da próxima Jornada Mundial da Paz, a ser realizada em primeiro de janeiro de 2012. A Jornada, que estará na sua edição de número 45, será guiada pela temática “Educar os Jovens à Justiça e à Paz”.

Escutar e valorizar as novas gerações na realização do bem comum e na afirmação de uma ordem social justa e pacífica, na qual possam ser expressos e realizados plenamente os direitos e as liberdades fundamentais do ser humano. Promover essa ideia é um dos objetivos do evento, levando em consideração que é um dever das atuais gerações dar condições às futuras para que construam um “mundo novo”, baseado nesses valores.

Segundo comunicado da Santa Sé para essa Jornada, os responsáveis públicos são chamados a operar de modo que instituições, leis e ambientes sociais sejam permeados por uma humanidade capaz de oferecer às novas gerações oportunidade de realização pessoal e profissional. E que assim seja possível construir a civilidade do amor fraterno, coerente com as mais profundas exigências de verdade, liberdade, amor e justiça para todos os seres.

O tema escolhido por Bento XVI insere-se no contexto da “pedagogia da paz”, delineada por João Paulo II: em 1985, com “a paz e os jovens caminham juntos”; em 1979, com “para chegar à paz, educar à paz”; e, em 2004, “um empenho sempre atual: educar para a paz”.

Fonte CNBB 

França proíbe véu islâmico integral – burca ou niqab

Entrou em vigor na França, país com maior comunidade islâmica da Europa, a lei que proíbe o uso do véu, burca ou niqab. Estas vestimentas são típicas da cultura Islã que prega que a mulher não pode se expor públicamente.

O uso pode ser punido com uma multa de 150 euros (US$ 216) ou um curso de instrução cívica. De acordo com dados oficiais, 2.000 mulheres muçulmanas usam o véu islâmico integral na França.

A França é o primeiro país europeu a adotar uma lei que proíbe o véu integral, mas outros Estados analisam medidas similares.

Opinião

Não vivo a realidade francesa e muito menos a islamica, mas prezo a liberdade religiosa acima de tudo. É valido lembrar que o Islã não prega a violência. assim como o cristianismo o islamismo prega a paz e a convivência pacifica. Para mim atitudes como a da França podem levar o mundo a uma divisão formal entre cristãos e islâmicos colocando por fim as posibilidades de dialogo existentes entre essas duas religiões.

Decidir proibir o véu na França abre uma grande possibilidade de decisões no mundo islâmico de proibições aos cristãos que lá vivem. Sei que isso já acontece em muitos lugares, mas pagar mal com mal não é lição de Cristo. Dar a outra face sim.

 

Por Marquione Ban

com informações do G1