Arquivo da tag: Quaresma

papa envia mensagem sobre a cf 2021

Em mensagem sobre a Campanha da Fraternidade Papa alerta que como católicos temos de dar o exemplo. Veja:

A polêmica da cf 2021 e o diálogo pastoral

Há uma semana a Campanha da Fraternidade 2021 tem gerado uma polêmica muito grande entre nós católicos. O cisma que vive a nação parece ter atingindo a Igreja no Brasil. Só parece? Ele já existe há mais tempo que podemos imaginar.

Procurei ler e ouvir os vários lados sobre essa polêmica. E chego apenas a uma conclusão:

A Igreja no Brasil precisa olhar para dentro de si e conversar entre si. O diálogo pastoral é suprimido pelos estatutos e certezas de cada movimento, pastoral e serviço.

Recordo da primeira campanha ecumênica. Em uma formação dada em minha Diocese, as pastorais não se entendiam. RCC de uma lado, PJ, Pastoral da Saúde, CEBs de outro. Vicentinos sem saber onde iam e abrindo seu estatuto. E assim por diante. E no fim, o que ocorreu foi passar o estudo como obrigação quaresmal. Como vivência do Cristo na sociedade nada foi adiante. E a assim tem sido desde então. Não só nas campanhas ecumênicas, mas em todas.

Se falamos dos idosos, os esquecemos logo em seguida. Falar sobre índios é desnecessário, muitos bradam, pois vivem na cidade. Outros sobre o meio ambiente. Sobre acessibilidades nem temos rampas em nossos altares. Sobre a juventude, deixamos o insonso Setor Juventude substituir a pastoral e no fim no há mais movimento.

A incoerência para nós católicos começa aí. Nos preocupamos demais em defender nossos mundinhos, nossas pastorais, serviços e movimentos. Esquecemos que o mundo precisa de nós como lâmpada.

A CF 2021 faz alertas grandiosos sobre a inclusão, violência e questões sociais que precisamos sim debater. Isso não significa que vamos mudar a Tradição da Igreja. Precisamos viver mais como Cristo. Precisamos lembrar do samaritano, da samaritana, Nicodemos, Zaqueu e tantos outros.

Falar sobre as fobias sociais contemporâneas e iluminar soluções é o nosso papel. Nos trancamos nos templos e sonhamos com o paraíso sem sequer tentar construir ele aqui. Lâmpada não estamos sendo.

Parabenizo a CNBB pelo esforço em contribuir com o ecumenismo, mas saliento que precisa se curar também. Unificar a Igreja e seus movimentos. Há muito não dialogamos internamente como se deve.

Para quem quiser ler mais sobre o tema sugiro os artigos:

Então irmãos, não é tempo de briga, mas de unificação.

Marquione Ban

Os 5 remédios para curar as feridas nesta Quaresma

Todos os dias recebo de uma grande amigo o minissermão, do Padre Joãozinho, scj. Ele compõe uma mensagem de áudio rápida, de uma minuto sobre a ótica da Liturgia Diária. O de hoje é especial! Marca o início da Quaresma e nos apresenta cinco dicas para seguir bem esse período de penitência e oração. Veja abaixo os cinco remédios para curar as feridas nesta quaresma.

maxresdefault-2

  1. Oração A oração poderá curar sua relação com Deus; reze mais. Dialogar com Deus é possível por meio da oração. E é somente com ela, que contactamos o Pai e nos tornamos íntimos. Ore sempre. Ore com fé;
  2. Jejum – Ele pode reorientar a sua relação com as coisas. Em tempos que priorizamos as coisas e não Deus, o jejum nos coloca no lugar devido. Nos abre os olhos para uma realidade que não enxergamos cotidianamente. Mas, lembre-se, jejum deve nos transformar. Não podemos fazer jejum de algo que não nos modifica. Se ele não nos modifica, ficamos apenas sem nos alimentar. Sem saciar a carne. O jejum para alma. É transformador;
  3. Caridade – Ela nos aproxima imediatamente do outro. O outro em toda a nossa história é o próximo. “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, diz Jesus. Amar é cerne da caridade. Brota do coração. Exerça sua fé, oração por meio do amor ao próximo. Seja caridoso, mas leve-a contido para fora do tempo da quaresma. Agora é tempo propício para começar, mas ela deve perenizar em suas ações. Reoriente a sua relação com as pessoas;
  4. Silêncio – Ouvir é fundamental. Jesus pregava a palavra a todos, mas todos que iam até Ele eram ouvidos. O Silêncio nos ajuda a ouvir. Ouvir a Deus, ao outro e si mesmo. Foi no silêncio do deserto que Jesus contemplou sua missão. É preciso silenciar. É preciso ouvir. Falar menos;
  5. Simplicidade – “Menos é mais”. Já ouviram falar isso? Com a simplicidade nos livramos dos excessos. São eles que nos condicionam ao pecado. Que nos alimentam em nosso individualismo. Os humildes serão exaltados. Ser simples, agir com simplicidade é necessário para nos restringirmos a Deus e não ao mundo;

Pois bem, os cinco remédios estão aí. Vamos nos curar?

Procure sua paróquia, saiba das confissões e horários das celebrações. Participe desta quaresma. Medique-se.

Por Marquione Ban

Frei Roberto, de 91 anos, caminha 6 km em penitencia

(ACI).- O último domingo, 28, terceiro domingo da Quaresma, Arquidioceses do Nordeste do Brasil reuniram uma multidão em Caminhadas Penitenciais. Tanto em Fortaleza (CE) como em Salvador (BA), gestos concretos de algumas pessoas se destacaram no meio dos milhares de participantes, como um sacerdote de 95 anos que caminhou os 6 quilômetros na capital cearense.

O Frade Capuchinho Frei Roberto se tornou uma das figuras mais marcantes desta edição da Caminhada Penitencial em Fortaleza. Com 95 anos de idade, possui 71 anos de sacerdócio. Ele percorreu os 6 quilômetros da caminhada junto aos cerca de 30 mil fiéis, atendendo confissões.

O fato faz a gente refletir. Em minha comunidade sempre que há a Via Sacra ou uma procissão, as pessoas alertam quanto ao tamanho do trajeto. “É longo”, dizem uns. Outros falam “e os idosos”. E no dia o que vemos são os jovens quase mortos por andar 10 metros e os idosos, fortes na fé e considerados fracos fisicamente, firmes na caminhada.

A informação veio da página Família Cristã que brilhantemente usou a hastag #Asconfiguraçõesdemitoforamatualizadas.

Uma oração para essa quaresma

santoantoni-696x466.jpgUma pequena oração para afastar as tentações deixada por Santo Antônio segundo a tradição popular. De acordo com a história, Santo Antônio deu essa oração a uma pobre mulher que procurava ajuda contra as tentações do demônio.

Sisto V, Papa franciscano, mandou esculpir a oração – chamada também de “lema de Santo Antônio” – na base do obelisco que mandou erigir na Praça de S. Pedro, em Roma.

Eis o original, em latim:

Ecce Crucem Domini! +
Fugite partes adversae! +
Vicit Leo de tribu Juda, +
Radix David! Alleluia!

Eis a tradução:

Eis a cruz do Senhor! +
Fugi forças inimigas! +
Venceu o Leão de Judá, +
A raiz de David! Aleluia !

Cinco coisas que deve saber sobre a Quaresma

(ACI).- A Quaresma é um tempo litúrgico em que por 40 dias a Igreja chama os fiéis à penitência e à conversão, para preparar-se verdadeiramente para viver os mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo na Semana Santa.

timthumb

Estes são cinco pontos que deve saber sobre a Quaresma:

1 – Oração, mortificação e caridade: as três práticas quaresmais

A oração é uma condição indispensável para o encontro com Deus. Na oração, o cristão entra no diálogo íntimo com o Senhor, deixa que a graça entre em seu coração e, como Maria, abre-se para a oração do Espírito cooperando com ela em sua resposta livre e generosa (ver Lc 1,38).

A mortificação se realiza cotidianamente e sem a necessidade de fazer grandes sacrifícios. Com ela, são oferecidos a Cristo aqueles momentos que geram desânimo no transcorrer do dia e se aceita com humildade, gozo e alegria, todas as diversidades que chegam.

Da mesma forma, saber renunciar a certas coisas legítimas ajuda a viver o desapego e desprendimento. Dentro dessa prática quaresmal, estão o jejum e a abstinência que serão explicados mais adiante.

A caridade é necessária como refere São Leão Magno: “Se desejamos chegar à Páscoa santificados em nosso ser, devemos pôr um interesse especialíssimo na aquisição desta virtude, que contém em si as demais e cobre multidão de pecados”.

Sobre esta prática, São João Paulo II explica que este chamado a dar “está enraizado no mais profundo do coração humano: toda pessoa sente o desejo de colocar-se em contato com os outros e se realiza plenamente quando se dá livremente aos demais”.

2 – O jejum e abstinência

O jejum consiste em fazer uma refeição forte por dia, enquanto a abstinência consiste em não comer carne. Com ambos os sacrifícios reconhecemos a necessidade de fazer obras para reparar o dano causado por nossos pecados e para o bem da Igreja.

Além disso, de forma voluntária, deixam-se de lado necessidades terrenas e se redescobre a necessidade da vida do céu. “Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4,4).

O jejum não proíbe de tomar um pouco de alimento na parte da manhã e à noite. É obrigatório dos 18 aos 59 anos.

Por outro lado, a abstinência, embora se proíba o consumo de carne, não é o caso de ovos, leite e qualquer condimento feito a partir de gorduras animais. São dia de abstinência todas as sextas-feiras do ano e é obrigatório a partir de 14 anos de idade.

3 – Quaresma começa com a Quarta-feira de Cinzas e termina na Quinta-feira Santa

Na Quarta-feira de Cinzas começam os 40 dias de preparação para a Páscoa. Após a Missa, o sacerdote abençoa e impõe as cinzas feitas de ramos de oliveira abençoadas no Domingo de Ramos do ano anterior. Estas são impostas fazendo o sinal da cruz na testa e dizendo as palavras bíblicas: “Lembra-te que és pó e ao pó retornarás” ou “Arrependei-vos e crede no Evangelho”. Desta forma, a cinza é um sinal de humildade e recorda ao cristão sua origem e seu fim.

A Quaresma termina na Quinta-feira Santa. Nesse dia, a Igreja comemora a Última Ceia do Senhor, quando Jesus de Nazaré compartilhou a refeição pela última vez com seus apóstolos antes de ser crucificado na Sexta-feira Santa.

4 – A duração da Quaresma está baseada no símbolo do número 40 na Bíblia

Os 40 dias da Quaresma representam o mesmo número de dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, os quarenta dias do dilúvio, os quarenta dias da marcha do povo judeu pelo deserto, os quarenta dias de Moisés e Elias na montanha e os 400 anos que durou a estada dos judeus no Egito.

Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material, seguido de zeros significa o tempo de nossa vida na terra, seguido de provas e dificuldades.

5 – Na Quaresma, a cor litúrgica é o roxo

A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência. É um tempo de reflexão, penitência, conversão espiritual; tempo para preparar o mistério pascal.

Paróquias de Ipatinga-MG aderem ao “24 Horas Para o Senhor”

Segunda edição do evento atinge todo o mundo.
Segunda edição do evento atinge todo o mundo.

As paróquias de Ipatinga-MG aderiram ao projeto “24 Horas para o Senhor”. O momento de louvor, adoração e reconciliação será nos dias 13 e 14 de março, das 18h de um dia até as 18h do outro. As 24 Horas vão ser na Igreja Matriz de Cristo Rei, Centro da cidade.

A programação conta com adoração, missa, oração do terço e principalmente confissões. Os padres de todas as paróquias irão se revezar para atender aos fiéis.

Informações nas Secretarias Paroquiais de sua paróquia ou com lideranças de sua comunidade.

Inciativa Papal

As 24 Horas para o Senhor é uma iniciativa do Papa Francisco, que realizou a primeira edição no ano passado. Na ocasião, Francisco presidiu a Liturgia Penitencial e missa de abertura, além de ter confessado alguns fiéis.

Este ano não será diferente. Papa Francisco presidirá novamente a Liturgia Penitencial e também confessará os fiéis.

Na sua cidade

Vamos divulgar essa iniciativa para todos. Na sua cidade ou diocese deve acontecer esse evento também. Poste nos comentários o local e horários para que mais pessoas possam se reencontrar com Deus. Lembrem-se, todo cristão deve se confessar ao menos uma vez com o Sacerdote.

Papa: o verdadeiro jejum vem do coração

Cidade do Vaticano (RV) – Os cristãos, especialmente na Quaresma, são chamados a viver coerentemente o amor a Deus e o amor ao próximo. Este é um dos trechos da homilia que Francisco pronuncio una Missa celebrada na manhã desta sexta-feira na Casa Santa Marta.

O Papa se inspirou na primeira Leitura extraída do Livro de Isaías, em que o povo se lamenta a Deus por não ouvir seus jejuns. Para o Pontífice, é preciso distinguir entre “o formal e o real”. Ou seja, de que adianta jejuar, não comer carne, e depois brigar ou explorar os funcionários? Eis o motivo pelo qual Jesus condenou os fariseus, porque faziam “tantas observações exteriores, mas sem a verdade do coração”.

O amor a Deus e ao homem estão unidos

O jejum que Jesus quer, ao invés, é o que desfaz as cadeias injustas, liberta oprimidos, veste quem está nu, faz justiça. “Este é o verdadeiro jejum – reiterou o Papa – o jejum que não é somente exterior, uma lei externa, mas deve vir do coração”:

“E nas tábuas da lei há o preceito em relação a Deus, em relação ao próximo e os dois estão juntos. Eu não posso dizer: “Mas, não, eu cumpro os primeiros três mandamentos… e os outros mais ou menos”. Não, se não cumpre estes, não pode cumprir aqueles, e se cumpre este, deve cumprir aquele. Estão unidos: o amor a Deus e o amor ao próximo são uma unidade e se quiser fazer penitência, real e não formal, deve fazê-la diante de Deus e também com o seu irmão, com o próximo”.

Usar Deus para cobrir a injustiça

Pode-se ter tanta fé, prosseguiu, mas – como diz o Apóstolo Tiago – se “não realiza obras, é morta, para que serve?”. Assim, se alguém vai à Missa todos os domingos e comunga, pode-se perguntar: “E como é a sua relação com seus funcionários? Os paga de maneira irregular? Dá a eles um salário justo? Paga também as taxas para a aposentaria? Para a assistência de saúde?”.

“Quantos homens e mulheres têm fé mas dividem as tábuas da lei: ‘Sim, eu faço isso… mas você dá esmolas? Sim, sim, sempre mando um cheque para a Igreja. Ah, então tá… Mas na tua Igreja, na tua casa, com quem depende de você (filhos, avós, funcionários), você é generoso, é justo? Não se pode fazer ofertas à Igrejas e pelas costas, ser injusto com seus funcionários. Este é um pecado gravíssimo: usar Deus para cobrir a injustiça”.

“E isto – retomou o Papa – é aquilo que o profeta Isaias, em nome do Senhor, nos explica”: “Não é um bom cristão quem não faz justiça com as pessoas que dependem dele”. E não é um bom cristão aquele que não se despoja de algo necessário para dar ao próximo, que precisa”.

O caminho da Quaresma é “este, é duplo: a Deus e ao próximo. É real, não simplesmente formal. Não é somente deixar de comer carne sexta-feira, fazer alguma coisinha e depois, deixar aumentar o egoísmo, a exploração do próximo, a ignorância dos pobres”.

Continuar lendo Papa: o verdadeiro jejum vem do coração

Porque os católicos não comem carne na quaresma e principalmente na Sexta-feira da paixão?

Esse vídeo por nos ajudar um pouco.

E essas são minhas considerações diante meus anos de catequese e vida na igreja.

Essa pergunta tem sido feita a mim por várias pessoas, principalmente pelos amigos protestantes que tenho. No entanto, confesso que não tenho conhecimento teológico e doutrinal suficiente para passar, mas tenho minha fé. Que me leva a viver essa tradição e orientação da igreja de forma sadia.

Uma tradição da igreja e de seus fiéis que não deve incomodar aqueles que não a praticam.
Uma tradição da igreja e de seus fiéis que não deve incomodar aqueles que não a praticam.

Isso mesmo, orientação da Igreja. Muitos pensam que é apenas uma tradição, mas não é só isso. Em meus anos de catequese e também de vida ativa na igreja, aprendi que a igreja sempre orientou os fiéis ao jejum de carne neste período para que intensificássemos a penitência.

O peixe nesta história, não é mera coincidência, mas também é uma orientação eclesial. De fato, não sei falar o motivo exato, mas posso elencar alguns para essa prática:

  1. Porque a igreja orienta seus fiéis a que se abstenham de carne vermelha, já que Jesus derramou seu sangue por nós na sexta-feira antes da Páscoa;
  2. Porque Jesus distribuiu peixes à multidão. (Mc 6.41);
  3. Porque o peixe é o símbolo dos cristãos e porque Jesus lhes disse que todos nós fossemos “pescadores de homens”. (Mt 4.19);
  4. Porque ao fazer o sacrifício de não comer carne vermelha, tão comum em nossa rotina, os fiéis unem-se ao sacrifício de Cristo na Cruz;
  5. Porque para mim e para muitos a carne vermelha é a preferida e abster-se dela me leva a um pequeno sacrifício, incomparável ao sacrifício de Cristo na Cruz, mas que me ajuda a pensar nos sofrimentos que ele teve;
  6. Porque aprendi assim e repeito a minha fé, doutrina e igreja;
  7. Porque antes, na páscoa dos judeus, era sacrificado um cordeiro, que era preparado com ervas amargas e comido em família no dia. Para nós católicos, o cordeiro pascal é Cristo, que redime o mundo do pecado, e devido a isso não sacrificamos mais animais de carne vermelha no dia do sacrifico final do Cordeiro de Deus, Jesus. 

Essa é minha fé.

Sabe, muitos ficam falando que é balela fazer isso. Que é uma tradição besta, afinal não está na Bíblia. Contudo, eu não consigo diferenciar esse “costume” de outros modernos que muitos tem por aí. Respeito a tradição de muitos, e só gostaria que repeitassem a minha. Ao contrário de buscar justificativas para muitas coisas que minha igreja orienta, eu as vivo.

A tradição da minha igreja nasceu com Cristo e isso me basta. Muitas coisas podem não estar escritas nas sagradas escrituras, mas estão na memória de um povo que vive os mandamentos de Cristo desde sua passagem aqui na Terra. Não são invencionices alheias ou da cabeça de um líder eloquente por aí. Contudo, são costumes firmados na fé dos patriarcas eclesiais.

Se falei alguma bobagem meus caros leitores, me corrijam. E se, porventura, alguém de vós conhece outros motivos e informações completem nos comentários. Seriam interessante aprendermos juntos.

Por Marquione Ban

O SIGNIFICADO DA “QUARESMA” PARA BENTO XVI

conversaoTão próximos do início da Quaresma, recordemos o que o Papa Emérito fala sobre esse tempo de oração, jejum e penitência.

O Papa Bento XVI, na audiência geral das quartas-feiras, fez uma análise espiritual sobre o significado quaresmal na Sagrada Escritura e na vida da Igreja.

Nos primeiros séculos de vida da Igreja, o tempo da Quaresma era o tempo em que os catecúmenos começavam seu caminho de aproximação do “Deus vivo e de uma iniciação à fé” de uma forma gradativa, “por meio de uma mudança interior daqueles que queriam entrar na Igreja por meio do batismo.

Ao longo do tempo, esse período de conversão superou os catecúmenos e passou a ser um caminho de todo cristão, pois Cristo não morreu só por alguns, mas por todos. A Quaresma se transformou, assim, num tempo de metanóia de todo batizado.

A Igreja chamou esse período, diz o Papa, com o nome de “Quaresma”, referindo-se explicitamente à Sagrada Escritura, na qual esse número significa “o tempo da espera, da purificação, do retorno ao Senhor, da consciência de que Deus é fiel às promessas”.Esse tempo indica, portanto, “uma paciente perseverança, uma longa prova, um período suficiente para ver as obras de Deus, um tempo no qual decidir a assumir as próprias responsabilidades sem deixá-las para depois”.

Bento XVI repassou alguns dos grandes momentos do Antigo Testamento, desde Noé, Moisés, os Profetas, entre outros, destacando que o significado de quarenta dias passa por duas vertentes: o tempo do primeiro amor e o tempo da tentação, o tempo da aproximação de Deus e o tempo do retorno ao paganismo.

Diante de Cristo, nas tentações no deserto, apresentaram-se esses dois caminhos: “um messianismo de poder, de sucesso, ou um messianismo de amor, de dom de si.”

Hoje, o fiel, com a experiência do deserto pode ter também a experiência desses dois caminhos. Por um lado, um caminho “confirme a própria fé, que nutra a própria esperança, que anime a caridade”; mas, por outro lado há o secularismo e a cultura materialista, que “fecha a pessoa no horizonte mundano do existir, tirando toda referência ao transcendente”.

Finalmente, o Papa nos convida a viver estes quarenta dias com nova coragem, para aceitarmos com paciência e com fé toda situação “de dificuldade, de aflição e de prova, na consciência de que das trevas o Senhor fará surgir o novo dia”.

Por Thácio Siqueira

Fonte  (ZENIT.org).

Quaresma: “Convertei-vos e crede no Evangelho. Lembra-te que és pó e ao pó retornarás”

“Convertei-vos e crede no Evangelho. Lembra-te que és pó e ao pó retornarás” São duas reflexões que nos são propostas quando o ministro sagrado, num gesto sacramental, impõe cinzas sobre nossas cabeças que se curvam penitentes.

Não vamos receber as cinzas como num ritual sem sentido. Conscientes do pecado do mundo, do nosso pecado também, que quer destruir o plano divino, caminhamos ao encontro da misericórdia de Deus que, pela Encarnação de seu Filho vem restaurar a Humanidade e a todo o Universo.

cinzas3

A pregação do profeta Joel que, neste primeiro dia da Quaresma, ecoa em toda a Igreja, nos convoca a conversão, a rasgar nosso coração na sua profundeza, ao arrependimento e a nos abrirmos à bondade divina, acreditando no Evangelho.

A penitência que fazemos, o jejum,a oração e a esmola não são obras externas. Nascidas no interior da nossa consciência, apresentamo-las ao Pai, sem trombetearmos pelas ruas e praças, mas na humildade do publicano que, do fundo do templo, batia no peito dizendo “Meu Deus, tem piedade mim que sou pecador” (Lc. 18,13).

E sendo uma penitência eclesial, ela não é exclusivamente pessoal; é a penitência de todos os que, batizados, cremos na redenção que, pela sua paixão e morte, o Filho de Deus traz a humanidade na confirmação de sua ressurreição.

A nossa falta de fidelidade ao Evangelho, ao reconhecimento do único Deus verdadeiro, à fraternidade entre os irmãos deve conduzir-nos à uma conversão sincera, aos valores que reconhecemos pela fé. “Completou-se o tempo e o Reino de Deus está perto. Convertei-vos e crede no Evangelho.” (Mc 1, 15)

Sintonizados com os nossos Pastores, procuramos descobrir onde estamos mais falhos na fé e na missão. No Brasil, neste ano, vamos meditar na solidariedade e segurança. A falta de fé e solidariedade conduziu-nos a uma angústia do medo. Fechamos nossas casas e nossas propriedades. Fechamo-nos a nós mesmos. Não reconhecemos o próximo. Queremos uma segurança pessoal, como se a técnica e os homens pudessem nô-la dar.

Esquecemo-nos do que nos pode garantir a tranqüilidade e a paz: a caridade, o amor. Enquanto continuarmos a considerar o homem como lobo do próprio homem, e passarmos ao largo da miséria como se nada tivéssemos a ver com ela, enquanto espoliarmos o próximo no liberalismo da política econômica e da política social, em vão procuraremos segurança.

cinzas

A paz só nos advém da Justiça. Não da justiça farisaica, que foi condenada por Jesus: “Se a vossa justiça não for superior à dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos céus.” (Mt. 5,20).  A verdadeira Justiça é a santidade, que supera o “dente por dente e o olho por olho”, no amor, buscando com todas as forças a perfeição, como o Mestre conclui sua pregação: “Sede, portanto, perfeitos, como vosso Pai Celeste.” (Mt. 5, 39-48)

A reflexão sobre o tema da Campanha da Fraternidade deste ano, leva-nos a sair de nós mesmos, do nosso medo, da atribuição de culpa a outrem. Procuremos contribuir na construção do Reino, na solidariedade com nossos irmãos.

A nossa penitência não pode ser exterior, como pregava São Leão, Papa, no sermão 4 da Quaresma: “Não só na abstinência de alimento consiste nosso jejum: para frutuosamente subtrairmos o alimento ao corpo temos de arrancar a iniqüidade do nosso espírito.” 

Bento XVI na sua mensagem quaresmal, ressaltando as práticas penitenciais, sobretudo do jejum, insiste no mesmo tema: “A Quaresma seja portanto valorizada em cada família e em cada comunidade cristã para afastar tudo o que distrai o espírito e para intensificar o que alimenta a alma, abrindo-a ao amor de Deus e do próximo.”

A purificação da nossa vida de fé, refletindo numa caridade sem limites nos levará a pratica da justiça, a sermos perfeitos como o Pai, a quem, seguros e libertos, podemos confiar nossos dias: “Aquele que habita à sombra do Altíssimo, descansará na proteção do Deus do Céu”. (Sl.91 (90).

Dom Eurico dos Santos Veloso
Administrador Apostólico de Juiz de Fora(MG)

Fonte: Catequisar

Lançado CD com o Hino da CF 2013

cartaz_CF_2013Já está disponível nas livrarias católicas do Brasil o CD com o Hino da Campanha da Fraternidade de 2013 e os cantos para a quaresma do ano C. Desde 2006, por decisão dos bispos do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP), o CD traz o hino da Campanha da Fraternidade e o repertório quaresmal correspondente a cada ano.

A Campanha da Fraternidade 2013, que tem por tema “Fraternidade e Juventude”, e lema “Eis-me aqui, envia-me!” (Cf, Is 6,8) , teve seu hino escolhido a partir de concurso aberto para todos que desejassem participar. A canção foi composta para servir durante encontros, debates, seminários, palestras e estudos sobre a temática em questão. O CD contém outras faixas inéditas para as celebrações da quaresma do ano C, além de músicas para o trabalho de evangelização com a juventude.

O assessor de Música Litúrgica da Conferência Nacional dos Bipos do Brasil (CNBB), padre José Carlos Sala afirma que, de acordo com suas potencialidades, “as equipes de canto e música escolherão o melhor meio para apropriar-se desse rico repertório quaresmal que aparece no CD e no Hinário Litúrgico da CNBB e ajudar os fiéis na assimilação dos cantos próprios deste tempo”.

“Que o hino da Campanha da Fraternidade e os cantos próprios para o trabalho de evangelização com os jovens ajudem no processo de reflexão da realidade da juventude no Brasil e sejam sinal de alegria e comunhão eclesial”, disse o assessor.

O lava-pés

A quaresma é tempo de fazer “caminho” com Jesus, para chegar à Ressurreição. Fazer caminho significa conversão e seguimento. A quaresma sempre nos propõe a olhar os gestos de Jesus e para uma verdadeira conversão.

O que significa converter-se num mundo que nos propõe todas as facilidades para viver globalmente o individualismo?

Jesus ao percorrer o caminho da cruz não pensa nele, nas suas dores, mas nas dores de tantos crucificados como Ele, que buscam a Ressurreição. A cruz é sinal de conversão, mudança, transformação para a conquista de mais vida.

Páscoa é passar de uma vida centrada sobre nos mesmos, sobre o nosso egoísmo, para uma vida solidária com os muitos irmãos marginalizados em nossa sociedade. Portanto, o anúncio cristão não pára na cruz. No meio de nós está presente Jesus, o Ressuscitado, o Deus vivo. Antes de tomar o caminho da cruz, Jesus nos apresenta uma proposta de vida, que é um programa de conversão: o lava-pés. O lava-pés traduz toda a vida de Jesus: o amor. “Ele, que tinha amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13, 1) ou seja até as últimas conseqüências do gesto de amar, isto é, até a cruz: “Tudo está realizado” (Jo 19,30).

Vamos acompanhar os gestos praticados por Jesus no lava-pés (Jo 13, 4-11). Este aconteceu numa refeição. Estar ao redor de uma mesa é sentar-se e partilhar as alegrias, as angústias, as emoções…, também algo para comer.

– Jesus levantou-se da mesa. Ele nos diz que é preciso sair do nosso egoísmo, mobilizar-se, ir ao encontro dos outros.

– Tirou o manto. Jesus se esvazia de si mesmo e coloca-se na condição de servo. Ele nos ensina sobre a necessidade de despojar-se de tudo o que divide, dos fechamentos, das barreiras, dos medos, das inseguranças, que nos bloqueiam na prática do bem.

– Pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Jesus põe o avental para servir. “Aquele que era de condição divina, humilhou-se a si mesmo” (Fl 2, 6-8). Ele nos propõe o uso do avental do servir na disponibilidade, e na generosidade, e ainda do comprometer-se com os mais necessitados e colocar-se em último lugar.

– Colocou água na bacia. Jesus usa instrumentos da cultura do povo: água e bacia. Repete um gesto que era feito pelos escravos ou pelas mulheres. Ele quer nos dizer que para anunciar sua proposta é preciso entender, conhecer, assumir o que o povo vive, sofre, sonha…

– E começou a lavar os pés dos discípulos. Para lavar os pés Jesus se inclina, olha, percebe e acolhe a reação de cada discípulo. Com o lavar os pés, Jesus nos compromete a acolher os outros com alegria, sem discriminações, a escutar com paciência, a partilhar os nossos dons…

– Enxugando com a toalha que tinha na cintura. Jesus enxuga os pés calejados, rudes e descalços de seus discípulos. São muitos os gestos que Jesus nos convida a praticar para amenizar os calos das dores de tantos irmãos: visita a doentes e idosos, organizar-se para atender crianças de rua, uma palavra de ânimo a aidéticos, valorização de nossos irmãos indígenas…

Diante da prática de Jesus podemos nos perguntar:
Quais os gestos concretos que nós como cristãos/ãs e catequistas, vamos assumir? Será que esta Páscoa pode ser igual a outras tantas?

Queremos ser a Igreja do avental, que se coloca a serviço na defesa dos que mais sofrem, dos que não têm defesa. Vamos com coragem vestir o avental do servir na alegria e testemunhar todos os gestos praticados por Jesus. Só assim poderemos realizar sempre a festa da Ressurreição. Feliz Páscoa!

Ir. Marlene Bertoldi
http://www.portalcatolico.org.br

O braço do crucifixo

Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá (AP)

Numa antiga catedral, pendurado a uma grande altura, está um enorme crucifixo de prata que possui duas particularidades. A primeira é a coroa de espinhos sobre a cabeça da estátua de Jesus: toda feita em ouro maciço e ornamentada de pedras preciosas. O seu valor é incalculável. A segunda particularidade é que o braço direito da imagem de Jesus está afastado da cruz e pende no vazio. Uma história explica o que aconteceu.

Numa noite de muitos anos atrás, um ladrão corajoso e com jeito de acrobata planejou roubar a esplêndida coroa de ouro e pedras preciosas. Amarrou uma corda numa das janelas ao redor da abóbada central, acima do crucifixo, e desceu por ela até a cruz. No entanto a coroa estava solidamente fixada na cabeça da estatua e o ladrão tinha só uma faca para tirá-la. Enfiou a faca de baixo da coroa e começou a mexer com todas as suas forças. Pelejou por muito tempo suando e bufando. A lâmina da faca quebrou, e a corda também se desprendeu da janela porque não aguentou tanta agitação. O ladrão ia se espatifar no chão da catedral, mas, de repente, o braço do crucifixo o agarrou e o segurou. Sorte grande a do ladrão! Na manhã seguinte, os zeladores da igreja o encontraram lá em cima, são e salvo. O braço do crucifixo, ainda, o estava segurando. A história não revela mais detalhes, portanto não dá para conferir, mas acolhemos com simplicidade a mensagem.

Estamos chegando perto da Páscoa e, por isso, somos convidados a olhar com mais atenção a Jesus crucificado. No evangelho deste domingo, ele nos fala do grão de trigo que, para produzir frutos, deve morrer. De outra forma, continuaria sendo apenas um grão de trigo. É uma comparação clara para nos convencer a fazer da nossa vida um dom. Jesus garante que quem quiser segurar a própria vida, no final, irá perdê-la, mas quem a tiver doado com generosidade a conservará para a vida eterna. Mais uma vez somos chamados a tomar uma decisão sobre o nosso jeito de viver. Ser cristão é crer no Filho que o Pai enviou e viver seguindo o seu exemplo. O amor de Jesus foi até a cruz, portanto ele pode pedir uma resposta generosa de nossa parte porque, por primeiro, ele nos amou até o último suspiro de sua vida terrena.

Aprendemos também, no evangelho, que um grupo de gregos pede ao apóstolo Filipe para poder “ver” Jesus. Talvez seja também a nossa legítima e, às vezes, angustiante curiosidade. No entanto a resposta que ele nos dá ajuda a entender que apenas vê-lo  ainda não significa acolhê-lo e, menos ainda, amá-lo e segui-lo no caminho da cruz. Em outras palavras, parece-me, que Jesus nos convide a passar de um conhecimento visual ou intelectual a um seguimento real e amoroso, tornando-nos “servidores” dele, aprendendo com ele a servir e não a dominar; a doar a nossa vida para o bem dos irmãos, em lugar de, quem sabe, aproveitar-nos deles, ou até tirar-lhes a vida ou o necessário para viver. O nosso verdadeiro encontro com Jesus passa pela cruz; somente quem consegue sair do seu egoísmo e compadecer-se pelos sofrimentos dos irmãos começa a perceber o quanto grande foi o amor gratuito dele. De outra maneira, o que pensamos ser o nosso conhecimento sobre o Senhor não passará de discussões e debates feitos de palavras. Jesus não nos salvou com teorias ou projetos mirabolantes, ele assumiu a nossa condição humana até a morte e nos mostrou o único caminho para uma verdadeira mudança.

Quantos planos de reformas, bonitos e bem estudados em si, não saem do papel simplesmente porque ninguém quer renunciar a nada, porque todos querem – ou queremos – ficar agarrados aos nossos privilégios, disfarçados, às vezes, de direitos? Hoje parece impensável, vergonhoso e sinal de derrota, perder alguma coisa. Perder algo, fique claro, para que outros possam ganhar em dignidade, saúde, felicidade e vida plena. Assistimos a uma disputa desenfreada para conseguir mais. Qualquer coisa serve: dinheiro, prestígio, poder. Como se tudo fosse sem fim e sem limites. Jesus fala de “perder” não um pouco do nosso salário, um jogo, ou uma disputa eleitoral, mas de perder, doando-a, a nossa própria vida. É quando a doamos que encontraremos novamente, bem guardada, como um tesouro imperecível no céu.

Somos todos, um pouco, como aquele ladrão da catedral. Queremos a coroa de ouro exclusivamente para nós. Jesus quer nos segurar nos seus braços para nos salvar do abismo da ganância. Esta conduz ao esquecimento – que depois é a morte – do nosso próximo. Seguindo Jesus no caminho da vida oferecida seremos abençoados por Deus e pelos pobres. Salvando a vida deles, salvaremos também a nossa para sempre.

PARÓQUIA SAGRADA FAMÍLIA PREPARA TRÊS SEMANAS DE FESTA

Semana das Dores, Semana Santa e festa de aniversário movimentam a paróquia

Os fieis da Paróquia Sagrada Família vão viver a tradição católica com maior fervor durante o final deste mês de março e inicio de abril. A paróquia realiza três semanas de festas e ações litúrgicas. A programação começa neste domingo, com a tradicional Semana das Dores, depois começam os trabalhos da Semana Santa e termina o período de festas com as comemorações do quarto aniversário da paróquia.

A Semana das Dores será celebrada em todas as comunidades da paróquia entre os dias 25 e 31 de março. As celebrações acontecem sempre as 19h30. As Paróquia Sagrada Família abrange os bairros Jardim Panorama (Comunidades Menino Jesus e Sagrado Coração de Jesus), Caçula (Comunidade Imaculada Conceição), Caravelas (Comunidade São Pedro) e Parque Caravelas (Comunidade Nossa Senhora das Graças). No sábado, dia 31, haverá em todas as comunidades a festa de Nossa Senhora das Dores com procissão.

SEMANA SANTA

Já a Semana Santa contará com uma programação especial. Destaca-se as confissões comunitárias para os trabalhadores, desempregados, pensionistas e aposentados  na comunidade Nossa Senhora das Graças. Confissão para casais na comunidade Menino Jesus e para os jovens na comunidade Imaculada Conceição.

Ainda durante a Semana Santa os fieis vão viver com grande intensidade o tríduo pascal, a quinta-feira santa, sexta-feira da paixão e sábado de aleluia que cuminam com a grande festa da ressurreição em todas as comunidades.

ANIVERÁRIO DA PARÓQUIA

Em 13 de março de 2008 a Paróquia Sagrada Família foi instituída em Ipatinga. Para comemorar a data a paróquia vai fazer uma grande festa. O tríduo em celebração a instituição da paróquia começa no dia 10 de abril e termina no dia 12. No dia 13 será a grande festa.

Para comemorar os quatros anos de paróquia, a Pastoral Litúrgica junto com Padre Aloísio Vieira, pároco,  convidaram para celebrar a festa alguns padres da região. Padres Alex, Paróquia São Geraldo – Ipatinga,  celebra no dia 10/04. Já o Padre Odilon – Paróquia do Ipaba preside a missa no dia 11/04. No dia 12/04 é a vez de Dom Odilon Guimarães, bispo de Itabira/Cel. Fabriciano. No dia do aniversário a celebração fica por conta do Padre Aloísio Vieira.  As celebrações acontecem sempre as 19h30.

Após a missa haverá partilha e apresentação de Tiba da TV Canção Nova.

PROGRAMAÇÃO

Confira a programação das três semanas que conta com celebrações, confissões comunitárias, missas, procissões e celebrações, shows. A programação também pode ser acessada no site http://www.psfipatinga.com.br .

25 a 30/03 – Semana das Dores

19h30 – em todas as comunidades

31/03 – Sábado

“Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas e Maria Madalena”. (Jo.19,25)

19h30 Celebração e procissão das dores de Nossa Senhora na comunidade Nossa Senhora das Graças
19h30 Celebração e procissão das dores de Nossa Senhora na comunidade Menino Jesus
19h30 Celebração e procissão das dores de Nossa Senhora na comunidade Sagrado Coração de Jesus
19h30 Missa e procissão das dores de Nossa Senhora na comunidade Imaculada Conceição – Pe. Aloísio
19h30 Celebração e procissão das dores de Nossa Senhora na comunidade São Pedro

SEMANA SANTA

01/04 – Domingo de Ramos

“Pegaram ramos de palmeira e saíram ao encontro de Jesus”. (Jo.12,13)

07h Bênção dos Ramos, procissão e Missa na comunidade São Pedro – Pe. Aloísio
10h Bênção dos Ramos, procissão e Missa na comunidade Imaculada Conceição – Pe. Aloísio
18h Bênção dos Ramos, procissão e Missa na comunidade Sagrado Coração de Jesus para Menino Jesus e Sag. Coração de Jesus – Pe. Aloísio
18h Procissão de Ramos e celebração na comunidade São Pedro
19h30 Procissão de Ramos e celebração na comunidade Nossa Senhora das Graças

02/04 – Segunda feira

“Dito isto, Pilatos saiu de novo ao encontro dos judeus e lhes disse: ‘Não encontro nele nenhum crime’.” (Jo. 18,38b)

19h Confissão comunitária do trabalhador, desempregado, pensionista e aposentado na comunidade Nossa Senhora das Graças – Pe. Aloísio

03/04 – Terça feira

“Eu, Javé, chamei vocês para a justiça, tomei-os pela mão, e lhes dei forma, e os coloquei como aliança de um povo e luz para as nações”. (Is.42,6)

19h Confissão comunitária para casais na comunidade Menino Jesus – Pe. Aloísio

04/04 – Quarta feira

“Jesus disse: Minha alma está triste até à morte, fiquem aqui e vigiem comigo”. (Mt.26,38)

19h30 Via Sacra na comunidade Imaculada Conceição
19h30 Via Sacra na comunidade Nossa Senhora das Graças

19h30 Via Sacra na Comunidade Menino Jesus

05/04 – Quinta feira

“Jesus disse: Desejei comer com vocês esta ceia pascal, antes de sofrer”. (Lc.22,15)

09h Missa do Crisma em Coronel Fabriciano – Catedral de São Sebastião
19h30 Missa do Lava-pés e da Instituição da Eucaristia e Sacerdócio na comunidade São Pedro, procissão e adoração do Santíssimo – Pe. Aloísio

06/04 – Sexta feira

“Jesus respondeu: Você daria a vida por mim?” (Jo.13,38a)

08h Teatro da  Paixão de Cristo e Caminha da Misericórdia (trevo do Jardim Panorama)
15h Ação Litúrgica, adoração da Cruz e Eucaristia na comunidade Imaculada Conceição
15h Ação Litúrgica, adoração da Cruz e Eucaristia na comunidade Sagrada Coração de Jesus
15h Ação Litúrgica, adoração da Cruz e Eucaristia na comunidade Menino Jesus
15h Ação Litúrgica, adoração da Cruz e Eucaristia na comunidade Nossa Senhora das Graças
15h Ação Litúrgica, adoração da Cruz e Eucaristia na comunidade São Pedro

07/04 – Sábado

“No primeiro dia da semana, bem de madrugada, as mulheres foram ao túmulo de Jesus, levando perfumes que haviam preparado”.(Lc.24,1)

09h Confissão comunitária dos enfermos na comunidade N. Sra. Graças – Pe. Aloísio
16h Confissão Comunitária para jovens na comunidade I. Conceição – Pe. Aloísio
18h Bênção do fogo e Círios na comunidade São Pedro, procissão das Luzes para a Igreja, missa e procissão do Santíssimo – Pe. Aloísio

08/04 – Domingo

“E nós somos testemunhas de tudo o que Jesus fez na terra dos judeus e em Jerusalém”. (At.10,39)

07h Celebração de Páscoa na comunidade São Pedro
08h30 Missa de Páscoa na comunidade Menino Jesus – Pe. Aloísio
10h Missa de Páscoa na comunidade Imaculada Conceição – Pe. Aloísio
18h Missa de Páscoa na comunidade São Pedro, procissão da vitória Nossa Senhora, Bênção do Santíssimo – Pe. Aloísio

ANIVERSÁRIO DA PARÓQUIA

10/04 – Terça-feira

19h30 – 1º dia do Tríduo em comemoração ao aniversário da Paróquia Sagrada Família – Pe. Alex

11/04 – Quarta-feira

19h30 – 2º dia do Tríduo em comemoração ao aniversário da Paróquia Sagrada Família – Pe. Odilon

12/04 – Quinta-feira

19h30 – 3º dia do Tríduo em comemoração ao aniversário da Paróquia Sagrada Família – Dom Odilon

13/04 – Sexta-feira

19h30 – Festa de aniversário da Paróquia Sagrada Família – Pe. Aloísio Vieira

QUARESMA: O Anunciador vai celebrar a Semana das Dores de Nossa Senhora

A Semana das Dores de Maria é uma tradição católica muito antiga. Como bom cristão proponho a todos que façamos essa reflexão a partir de domingo, 25, até no sábado, 31 de março. O Anunciador vai postar diariamente sobre cada dor de Nossa Senhora.

Aguardem. A partir de domingo, dia 25/03, afinal Quaresma é para ser vivida verdadeiramente e não esquecida em nosso baú.

O sentido do jejum e da oração

Antes de ser um fenômeno cristão, a oração é um fenômeno antropológico, isto é, todos os homens, de uma forma ou de outra, rezam, sentem a necessidade de se relacionar com Deus, de buscar o transcendente. O diálogo com Deus ocupa, certamente, o primeiro lugar para quem se decide dar-se a uma vida interior intensa. Deus se doa a quem, totalmente e sem reserva, a Ele se doa.

A vida interior é uma vida de oração. Cada um deve encontrar tempo para estar com o Senhor em íntima comunhão e diálogo de amizade. Sem a vivência dos valores espirituais e evangélicos, não é possível ter conhecimento experiencial de Deus.

Qualquer pessoa que queira desenvolver a sua vida espiritual deve todos os dias encontrar o tempo suficiente para dedicar-se a determinados atos de oração.

Os estudiosos afirmam que nunca foi encontrado um povo sem religião, sem celebrações e sem divindade. Isso nos mostra como, em cada um, está presente a necessidade de, em determinados momentos, recorrer ao Senhor.

Na Bíblia, não encontramos nenhuma definição de oração, mas situações descritivas de homens e de mulheres que rezam. No entanto, ao longo dos séculos, muitos santos, teólogos, místicos procuraram dar uma definição deste misterioso e vivo diálogo com Deus. Santa Teresinha nos oferece uma explicação: “Para mim, a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado para o céu, um grito de reconhecimento e amor, no meio da provação ou no meio da alegria”.

Nunca devemos nos esquecer de que a oração, mais do que esforço pessoal ou iniciativa humana, é um dom gratuito de Deus. E, sendo Deus amor, inicia o diálogo, procura-nos. Como bem disse São João da Cruz, “Se é verdade que o homem procura a Deus, ainda mais é verdade que Deus procura o homem.”

A Quaresma é um tempo especial em que a Igreja nos convida à prática do jejum e da oração, a fim de que nós possamos nos preparar integralmente para reviver a vitória sobre a morte que Cristo veio trazer para toda a humanidade.

Pela oração, tornamo-nos mais próximos de Deus, conversamos com Ele, pedimos, agradecemos, mas também aprendemos a escutar. Escutamos Deus através do nosso exame de consciência, através de nossas orações e através da análise dos acontecimentos.

A prática do jejum nos torna donos de nós mesmos, pelo domínio da força de vontade. Quando jejuamos, vencemos a vontade de comer, muitas vezes por gula, e nosso organismo agradece e se desintoxica.

Pensadores, estudiosos, médicos sugerem que o jejum “lava” o organismo. Jesus jejuou porque o jejum o tornou mais forte e mais próximo do Pai.

Oração e jejum são, pois, ferramentas indispensáveis, de uma maneira intensa, na Quaresma, mas necessárias também durante toda a nossa vida.

Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.