Papa critica “obsessão” da igreja por aborto, casamento gay e contracepção

papa-apeloFolha de São Paulo | O papa Francisco afirmou que a Igreja Católica se tornou “obcecada” com a pregação contra o aborto, o casamento gay e a contracepção, e que ele escolheu deliberadamente não falar sobre esses assuntos por entender que ela deve ser uma “casa para todos”, e não uma “pequena capela” focada na doutrina, na ortodoxia e em uma agenda limitada de ensinamentos morais.

As declarações foram dadas em uma entrevista concedida ao jornal jesuíta “La Civiltà Cattolica” no mês de agosto, durante três encontros. O conteúdo da conversa foi divulgado nesta quinta-feira por 16 jornais jesuítas de diferentes países.

“Não podemos insistir apenas em assuntos relacionados ao aborto, ao casamento gay e ao uso de métodos contraceptivos. Isso não é possível”, disse o papa ao também jesuíta Antonio Spadaro, editor-chefe do “La Civiltà Cattolica”.

O pontífice admitiu ainda que sofre críticas por evitar tratar desses temas.

“Eu não falei muito sobre essas coisas, e fui repreendido por isso. Mas, quando falamos sobre essas questões, temos que falar sobre elas em um contexto. O ensinamento da igreja quanto a isso é claro, e eu sou um filho da igreja, mas não é necessário falar sobre esses assuntos o tempo inteiro”, acrescentou.

O papa disse ainda que “os ensinamentos dogmáticos e morais da igreja não são todos equivalentes” e que o ministério pastoral não deve ser “obcecado” com a transmissão de “doutrinas desarticuladas que se tenta impor de forma insistente”.

“Precisamos encontrar um novo equilíbrio, senão até mesmo o edifício moral da igreja corre o risco de cair como um castelo de cartas, perdendo o frescor e a fragrância do Evangelho”, disse. “A proposta do Evangelho tem que ser simples, profunda, radiante. É dessa proposta que as consequências morais então fluem”.

O papa Francisco afirmou ainda que a igreja deve ajudar a curar “todo o tipo de doença ou ferida”. Ele contou que, quando ainda estava em Buenos Aires, costumava receber cartas de homossexuais que estavam “feridos socialmente” e que diziam sentir que a igreja sempre os condenava.

“Mas a igreja não quer isso. Durante meu voo de volta do Rio de Janeiro [após a Jornada Mundial da Juventude, em julho deste ano], eu disse que, se um homossexual tem boa vontade e está em busca de Deus, eu não estou em posição de julgá-lo. A religião tem o direito de expressar sua opinião a serviço das pessoas, mas, na criação, Deus nos fez livres: não é possível interferir espiritualmente na vida de uma pessoa”.

////////////////////////

As palavras do Papa são tão semelhantes a tantas outras falas já ditas na igreja. O fato desta vez, é que ele faz um alerta a perseguição que se dá as pessoas. Me recordo da polêmica gerada com suas palavras no avião de volta à Itália depois da JMJ. A mídia, e o fará de novo, afirmou que estava liberado o casamento homossexual na igreja – isto os mais sensacionalistas. Outros, disseram que se aproximava a igreja de uma possível mudança quanto a isso. Agora vemos o mesmo acontecer. A obseção em condenar os casamentos gay, o aborto, os métodos contraceptivos é notória na igreja, assim como o contrário, em forçar a igreja a mudar de acordo com preceitos do mundo. Vejo nas falas do Papa uma esperança a paz. Não vejo na fala dele uma mudança de regras e dogmas já existentes.

“Eu não falei muito sobre essas coisas, e fui repreendido por isso. Mas, quando falamos sobre essas questões, temos que falar sobre elas em um contexto. O ensinamento da igreja quanto a isso é claro, e eu sou um filho da igreja, mas não é necessário falar sobre esses assuntos o tempo inteiro”

Vejo que quando o Papa fala que é “filho da igreja”, independente de sua opinião ele a obedece. Falar o tempo todo não há necessidade e essa fala do Papa Francisco remete aos dois lados da história. Ninguém precisa de atacar. No entanto, a verdade dos dogmas e doutrina da igreja sempre estarão lá. Acolher, como disse o papa várias vezes durante esses seis meses de papado, é o que nos ajuda a caminhar afinal a igreja não é uma “pequena capela” e sim uma “casa para todos”.

Anúncios

CNBB lamenta aprovação da PLC 3/2013

cnbblogoA Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou no final da tarde desta sexta-feira, 2 de agosto, uma nota oficial sobre a sanção da lei 12.845/2013. No texto, os bispos lamentam que o Artigo 2º e os incisos IV e VII do Artigo 3º da referida lei não tenham sido vetados pela Presidente da República, conforme pedido de várias entidades.

De acordo com a CNBB, a “nova lei foi aprovada pelo Congresso com rápida tramitação, sem o adequado e necessário debate parlamentar e público, como o exige a natureza grave e complexa da matéria”.

A seguir, a íntegra da nota:

Brasília, 02 de agosto de 2013
P – N – Nº 0453/13

NOTA DA CNBB SOBRE A SANÇÃO DA LEI 12.845/2013

Ao reconhecer a importância e a necessidade da lei que garante o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual (Lei 12.845/2013), sancionada pela Presidente da República, nesta quinta-feira, 1º de agosto de 2013, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB lamenta profundamente que o Artigo 2º e os incisos IV e VII do Artigo 3º da referida lei não tenham sido vetados pela Presidente da República, conforme pedido de várias entidades.

A nova lei foi aprovada pelo Congresso com rápida tramitação, sem o adequado e necessário debate parlamentar e público, como o exige a natureza grave e complexa da matéria. Gerou-se, desta forma, imprecisão terminológica e conceitual em diversos dispositivos do texto, com riscos de má interpretação e implementação, conforme evidenciado por importantes juristas e médicos do Brasil.

A opção da Presidente pelo envio de um projeto de lei ao Congresso Nacional, para reparar as imprecisões técnicas constantes na nova lei, dá razão ao pedido das entidades.

O Congresso Nacional tem, portanto, a responsabilidade de reparar os equívocos da Lei 12.845/2013 que, dependendo do modo como venha a ser interpretada, entre outras coisas, pode interferir no direito constitucional de objeção de consciência, inclusive no respeito incondicional à vida humana individual já existente e em desenvolvimento no útero materno, facilitando a prática do aborto.

Cardeal Raymundo Damasceno Assis                    Dom José Belisário da Silva
              Arcebispo de Aparecida (SP)                                 Arcebispo de São Luís (MA)
                  Presidente da CNBB                                         Vice Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília (DF)
Secretário Geral da CNBB

Google Street View inclui Basílica de Nossa Aparecida em suas visualições

O Google anunciou nesta quinta-feira (13) que adicionou mais de mil novos destinos ao Street View, serviço que permite a visualização diversos locais do planeta por meio de fotos. Agora, é possível visitar a basílica de Nossa Senhora Aparecida, assim como a catedral gótica de Seville, na Espanha e outros endereços pelo mundo afora.

13164431

Governo chinês responde ao Papa Francisco: “a China protege a liberdade religiosa”

Fiéis chineses
Fiéis chineses

A China “protege a liberdade religiosa” e a Igreja Católica do país “desfruta de um desenvolvimento saudável”, assinalou nesta quinta-feira, 23 de maio, o Governo comunista em resposta à que disse o Papa Francisco na Audiência da última quarta-feira, para que os fiéis do gigante asiático possam viver “de maneira coerente sua fé”.

 “A China sempre foi sincera no seu desejo em melhorar as relações com o Vaticano e fez esforços positivos neste sentido”, assinalou numa coletiva de imprensa o Porta-voz do Ministério dos Assuntos Exteriores chinês, Hong Lei.

Hong assegurou que o Governo chinês “apoia o papel desempenhado por figuras religiosas e por fiéis na promoção do desenvolvimento econômico e social”, porém insistiu que “a tradição na Igreja Católica do país asiático é gerir seus assuntos de forma independente”.

O Vaticano é o único Estado europeu que reconhece Taiwan como País. Uma das condições para o restabelecimento de relações é a ruptura de relações diplomáticas com Taipei. “Esperamos que o Vaticano crie condições favoráveis para a melhoria nas relações diplomáticas”, conclui o Porta-voz.

Na Audiência Geral desta quarta-feira, 22 de maio, o Papa Francisco lançou um apelo em favor dos católicos chineses “para que possam anunciar com humildade e alegria a Cristo e servir a seu país e a seus compatriotas de maneira coerente com a fé que professam”. “Convido a todos os católicos do mundo – disse o Santo Padre – a unirem-se em oração com os irmãos e irmãs que estão na China”.

A troca de declarações entre China e Vaticano é a primeira desde que Papa Francisco e o Presidente chinês Xi Jinping, assumiram suas funções em meados de março. Na China existem entre 8 e 12 milhões de católicos, divididos entre os pertencentes à Igreja Patriótica (‘oficial’) – controlada pelo governo – e a clandestina, em comunhão com Roma e perseguida pelo regime comunista chinês em algumas ocasiões.

Nos últimos anos houve progressos nas relações – quando foram nomeados Bispos com a aprovação do Vaticano -, mas também de tensões, quando a Igreja Patriótica nomeou bispos sem o conhecimento da Santa Sé.

O governo chinês e a Santa Sé romperam relações diplomáticas em 1951, depois que o Papa Pio XII excomungou dois Bispos designados pelo governo chinês, que por sua vez expulsou o Núncio Apostólico, que estabeleceu-se em Taiwan.

Vaticano não está preparando nenhum documento sobre Comunhão e divorciados

(ACI/EWTN Noticias).- O Pontifício Conselho para a Família no Vaticano emitiu nesta quinta-feira um comunicado onde declara que “não tem nenhum fundamento a notícia, difundida por alguns meios de comunicação de que está sendo preparado um documento sobre a comunhão dos divorciados que voltaram a casar”.

Desta maneira a Santa Sé respondeu às especulações lançadas pelo jornal italiano La Repubblica de que o Papa Francisco tinha encarregado ao Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Dom Vincenzo Paglia, abordar o tema da comunhão para os divorciados, “redigir um documento e encontrar uma solução. O caminho parece ser aquele da valoração caso por caso”.

Entretanto, tal como expressou nesta quinta-feira a Santa Sé, esta notícia “não tem nenhum fundamento”.

Papa Francisco visita Basílica de Santa Maria Maggiore em Roma

O Papa Francisco, eleito nesta quarta-feira (13) o novo pontífice da Igreja Católica, visitou na manhã desta quinta-feira (14), em sua primeira saída oficial do Vaticano, a Igreja de Santa Maria Maggiore, no Centro de Roma.

O argentino Jorge Mario Bergoglio havia avisado, durante seu primeiro discurso aos fiéis na Praça de São Pedro, que iria à igreja nesta quinta-feira.

O Papa Francisco reza para Santa Maria na Igreja de Santa Maria Maggiore, nesta quinta-feira (14), em Roma (Foto: Reuters/Osservatore Romano)O Papa Francisco reza para Santa Maria na Igreja de Santa Maria Maggiore, nesta quinta-feira (14), em Roma (Foto: Reuters/Osservatore Romano)
Papa Francisco na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. (Foto: Alessandro Bianchi / Reuters)Papa Francisco na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. (Foto: Alessandro Bianchi / Reuters)

Em reunião com clero, Bento XVI pede ‘verdadeira renovação’ da Igreja

papaG1 – O Papa Bento XVI pediu nesta quinta-feira (14) uma “verdadeira renovação” da Igreja Católica, durante encontro com sacerdotes da Diocese de Roma.

A reunião já prevista, mas ela teve seu significado ampliado, já que será a última vez que se reúne com eles antes de renunciar ao pontificado, o que deve ocorrer em 28 de fevereiro.

“Temos que trabalhar para que se realize verdadeiramente o Concílio Vaticano II e se renove a Igreja”, disse.

Os bispos auxiliares da diocese e as centenas de sacerdotes receberam o papa alemão com aplausos, vivas e outras demonstrações de carinho.

O papa entrou apoiado em um bastão, enquanto os aplausos se mesclavam com o canto ‘Tu sei Petrus’ (Tu és Pedro).

Bento XVI respondeu com um largo sorriso e dando várias vezes obrigado pelas mostras de carinho.

Bem humorado, ele contou piadas e falou sobre episódios de seu passado.

papa_1‘Divisões’ da Igreja

Na véspera, durante a Missa de Quarta-Feira de Cinzas, o Papa afirmou que a Igreja “está desfigurada” pela “divisões em seu corpo eclesiástico”.

“A qualidade e a verdade da relação com Deus é o que certifica a autenticidade de todos os sinais religiosos”, disse o pontífice no sermão.

Depois, ele denunciou a “hipocrisia religiosa, o comportamento dos que querem aparentar, as atitudes que buscam os aplausos e a aprovação”.

‘Pelo bem da Igreja’

Mais cedo, na primeira fala em público desde que anunciou sua renúncia, ele disse que tomou a decisão de abandonar o pontificado “em plena liberdade, pelo bem da Igreja”.

Bento XVI disse que “orou arduamente e examinou sua consciência” antes de tomar a decisão.

O pontífice alemão, de 85 anos, reiterou que está consciente da gravidade da decisão, mas também que está consciente da diminuição de suas forças espirituais e físicas.

Ele disse ter certeza que a Igreja iria sustentá-lo com orações e que Cristo continuará sendo seu guia.

Na audiência, o Pontífice recebeu no Vaticano mais de 3.500 fiéis e peregrinos para a sua catequese e fez a saudação em várias línguas, entre as quais o português, falando sobre o período da QuaresmaEle agradeceu à presença de fiéis, citando literalmente as cidades de Curitiba e Porto Alegre.

Na terça-feira, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que o Papa Bento XVI está usando um marcapasso cardíaco “há algum tempo”, mas que seu estado de saúde é bom e que ele estava “lúcido e sereno” quando tomou a histórica decisão de encerrar precocemente seu pontificado.

Redes Sociais são o tema da mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações 2013

Foi divulgada nesta quinta-feira a mensagem do Papa Bento XVI para o 47º Dia Mundial das Comunicações, que será celebrado no dia 12 de maio. Todos os anos, a mensagem é divulgada no dia 24 de janeiro, Dia de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas. O tema central deste ano são as redes sociais. Confira a seguir a íntegra do documento.

Redes sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização

Amados irmãos e irmãs,

Encontrando-se próximo o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2013, desejo oferecer-vos algumas reflexões sobre uma realidade cada vez mais importante que diz respeito à maneira como as pessoas comunicam actualmente entre si; concretamente quero deter-me a considerar o desenvolvimento das redes sociais digitais que estão a contribuir para a aparição duma nova ágora, duma praça pública e aberta onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ainda ganhar vida novas relações e formas de comunidade.

Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover eficazmente a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contactos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão. Se as redes sociais são chamadas a concretizar este grande potencial, as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por serem autênticas, porque nestes espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica-se a si mesma.

O desenvolvimento das redes sociais requer dedicação: as pessoas envolvem-se nelas para construir relações e encontrar amizade, buscar respostas para as suas questões, divertir-se, mas também para ser estimuladas intelectualmente e partilhar competências e conhecimentos. Assim as redes sociais tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade enquanto unem as pessoas na base destas necessidades fundamentais. Por isso, as redes sociais são alimentadas por aspirações radicadas no coração do homem.

A cultura das redes sociais e as mudanças nas formas e estilos da comunicação colocam sérios desafios àqueles que querem falar de verdades e valores. Muitas vezes, como acontece também com outros meios de comunicação social, o significado e a eficácia das diferentes formas de expressão parecem determinados mais pela sua popularidade do que pela sua importância intrínseca e validade. E frequentemente a popularidade está mais ligada com a celebridade ou com estratégias de persuasão do que com a lógica da argumentação. Às vezes, a voz discreta da razão pode ser abafada pelo rumor de excessivas informações, e não consegue atrair a atenção que, ao contrário, é dada a quantos se expressam de forma mais persuasiva. Por conseguinte os meios de comunicação social precisam do compromisso de todos aqueles que estão cientes do valor do diálogo, do debate fundamentado, da argumentação lógica; precisam de pessoas que procurem cultivar formas de discurso e expressão que façam apelo às aspirações mais nobres de quem está envolvido no processo de comunicação. Tal diálogo e debate podem florescer e crescer mesmo quando se conversa e toma a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas. «Constatada a diversidade cultural, é preciso fazer com que as pessoas não só aceitem a existência da cultura do outro, mas aspirem também a receber um enriquecimento da mesma e a dar-lhe aquilo que se possui de bem, de verdade e de beleza» (Discurso no Encontro com o mundo da cultura, Belém, Lisboa, 12 de Maio de 2010).

O desafio, que as redes sociais têm de enfrentar, é o de serem verdadeiramente abrangentes: então beneficiarão da plena participação dos fiéis que desejam partilhar a Mensagem de Jesus e os valores da dignidade humana que a sua doutrina promove. Na realidade, os fiéis dão-se conta cada vez mais de que, se a Boa Nova não for dada a conhecer também no ambiente digital, poderá ficar fora do alcance da experiência de muitos que consideram importante este espaço existencial. O ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade quotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. As redes sociais são o fruto da interacção humana, mas, por sua vez, dão formas novas às dinâmicas da comunicação que cria relações: por isso uma solícita compreensão por este ambiente é o pré-requisito para uma presença significativa dentro do mesmo.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afectiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus. Aliás sabemos que a tradição cristã sempre foi rica de sinais e símbolos: penso, por exemplo, na cruz, nos ícones, nas imagens da Virgem Maria, no presépio, nos vitrais e nos quadros das igrejas. Uma parte consistente do património artístico da humanidade foi realizado por artistas e músicos que procuraram exprimir as verdades da fé.

A autenticidade dos fiéis, nas redes sociais, é posta em evidência pela partilha da fonte profunda da sua esperança e da sua alegria: a fé em Deus, rico de misericórdia e amor, revelado em Jesus Cristo. Tal partilha consiste não apenas na expressão de fé explícita, mas também no testemunho, isto é, no modo como se comunicam «escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele» (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011). Um modo particularmente significativo de dar testemunho é a vontade de se doar a si mesmo aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana. A aparição nas redes sociais do diálogo acerca da fé e do acreditar confirma a importância e a relevância da religião no debate público e social.

Para aqueles que acolheram de coração aberto o dom da fé, a resposta mais radical às questões do homem sobre o amor, a verdade e o sentido da vida – questões estas que não estão de modo algum ausentes das redes sociais – encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. É natural que a pessoa que possui a fé deseje, com respeito e tacto, partilhá-la com aqueles que encontra no ambiente digital. Entretanto, se a nossa partilha do Evangelho é capaz de dar bons frutos, fá-lo em última análise pela força que a própria Palavra de Deus tem de tocar os corações, e não tanto por qualquer esforço nosso. A confiança no poder da acção de Deus deve ser sempre superior a toda e qualquer segurança que possamos colocar na utilização dos recursos humanos. Mesmo no ambiente digital, onde é fácil que se ergam vozes de tons demasiado acesos e conflituosos e onde, por vezes, há o risco de que o sensacionalismo prevaleça, somos chamados a um cuidadoso discernimento. A propósito, recordemo-nos de que Elias reconheceu a voz de Deus não no vento impetuoso e forte, nem no tremor de terra ou no fogo, mas no «murmúrio de uma brisa suave» (1 Rs 19, 11-12). Devemos confiar no facto de que os anseios fundamentais que a pessoa humana tem de amar e ser amada, de encontrar um significado e verdade que o próprio Deus colocou no coração do ser humano, permanecem também nos homens e mulheres do nosso tempo abertos, sempre e em todo o caso, para aquilo que o Beato Cardeal Newman chamava a «luz gentil» da fé.

As redes sociais, para além de instrumento de evangelização, podem ser um factor de desenvolvimento humano. Por exemplo, em alguns contextos geográficos e culturais onde os cristãos se sentem isolados, as redes sociais podem reforçar o sentido da sua unidade efectiva com a comunidade universal dos fiéis. As redes facilitam a partilha dos recursos espirituais e litúrgicos, tornando as pessoas capazes de rezar com um revigorado sentido de proximidade àqueles que professam a sua fé. O envolvimento autêntico e interactivo com as questões e as dúvidas daqueles que estão longe da fé, deve-nos fazer sentir a necessidade de alimentar, através da oração e da reflexão, a nossa fé na presença de Deus e também a nossa caridade operante: «Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine» (1 Cor 13, 1).

No ambiente digital, existem redes sociais que oferecem ao homem actual oportunidades de oração, meditação ou partilha da Palavra de Deus. Mas estas redes podem também abrir as portas a outras dimensões da fé. Na realidade, muitas pessoas estão a descobrir – graças precisamente a um contacto inicial feito on line – a importância do encontro directo, de experiências de comunidade ou mesmo de peregrinação, que são elementos sempre importantes no caminho da fé. Procurando tornar o Evangelho presente no ambiente digital, podemos convidar as pessoas a viverem encontros de oração ou celebrações litúrgicas em lugares concretos como igrejas ou capelas. Não deveria haver falta de coerência ou unidade entre a expressão da nossa fé e o nosso testemunho do Evangelho na realidade onde somos chamados a viver, seja ela física ou digital. Sempre e de qualquer modo que nos encontremos com os outros, somos chamados a dar a conhecer o amor de Deus até aos confins da terra.

Enquanto de coração vos abençoo a todos, peço ao Espírito de Deus que sempre vos acompanhe e ilumine para poderdes ser verdadeiramente arautos e testemunhas do Evangelho. «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15).

Vaticano, 24 de Janeiro – Festa de São Francisco de Sales – do ano 2013.

Cáritas promove campanha em prol das vítimas das chuvas no Rio de Janeiro

caritasbrasileiraA Cáritas da arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ), em sua Campanha de Emergência, está recebendo doações para os desabrigados, vítimas das chuvas na Baixada Fluminense. Em menos de 24h, o temporal já causou muitos transtornos à população.

As fortes chuvas começaram por volta das 2h da madrugada da quinta-feira, 3 de janeiro, em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, provocando uma morte. A chuva trouxe muita destruição e deixou centenas de pessoas desabrigadas. Rios e córregos da região subiram rapidamente, moradores deixaram as casas praticamente só com a roupa do corpo. A força da correnteza arrastou casas inteiras, deixou carros empilhados e destruiu quatro pontes.

O arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, lamentou a tragédia e enfatizou a campanha para ajudar as vítimas das chuvas. “Todo ano, nesse mês de janeiro, nós vemos que as chuvas se intensificam e nós sabemos dessa realidade urbana aqui em nossa região do Rio de Janeiro, que sofre com relação às chuvas, ao deslizamento, a inundações… famílias perdem seus bens, perdem suas casas, algumas pessoas perdem também a vida. A arquidiocese do Rio de está fazendo sua arrecadação tanto de dinheiro, como de alimentos, água e algumas coisas necessárias para as pessoas, para enviarmos através das Cáritas também dessas cidades e Dioceses, para as pessoas que mais necessitam. É um jeito de nós encontrarmos Cristo na pessoa do outro”, afirmou.

Para aderir à campanha, as doações de roupas, calçados e alimentos podem ser feitas na sede Cáritas (Rua dos Arcos, 54, Catedral, subsolo). A ajuda também pode ser feita através de depósito: Banco Bradesco: conta corrente 48500-4, agência 0814 –1, em nome de Cáritas Emergência. Banco do Brasil: conta corrente 3000-4, agência 3114-3, em nome de Cáritas.

Eutanásia velada II: CNBB aceita a norma do Conselho Federal de Medicina

Dom_Raymundo_Damasceno_Assis_agosto_2012Penso que isso vai de encontro a vida. Não? A CNBB acredita que não. Infelizmente a entidade que representa a Igreja em nosso país pensa assim. Leia a entrevista com dom Raymundo Damasceno Assis, presidente da CNBB.

/////////////////////////////

Na entrevista coletiva, concedida pela presidência da CNBB, na tarde da quinta-feira, 30 de agosto, o cardeal dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida e presidente da entidade, respondeu a uma pergunta que colocava a resolução 1995/2012 do Conselho Federal de Medicina no âmbito da prática da eutanásia. Obviamente, o cardeal confirmou a posição da Igreja sobre o assunto.

Um portal de notícias chegou a divulgar que a CNBB teria feito “Nota” para tratar do assunto. Isso não ocorreu. A “Nota” apresentada, na verdade, diz respeito à “Defesa dos direitos dos povos indígenas”. Nesta sexta-feira, o presidente da CNBB, atendendo a diversos pedidos, esclareceu:

A resolução não é uma nova lei e não autoriza a eutanásia

“Primeiramente, trata-se de uma resolução. Portanto, é uma norma para disciplinar certos procedimentos médicos em relação a um paciente terminal. Ou seja, não se trata de autorização para eutanásia. Essa prática (eutanásia), no Brasil, não é permitida por lei. O código de ética médica é muito claro em relação a isso, quando diz que é vedado ao médico abreviar a vida, ainda que a pedido do paciente ou de seu representante legal. E, do ponto de vista moral e ético, também, é claro, não podemos defender a eutanásia, porque a vida é um dom precioso. É o primeiro dom  que nós recebemos. É a base e o fundamento de todos os direitos da pessoa humana. Temos que respeitá-la, desde seu começo até o seu término natural”.

A pessoa não é obrigada e nem impedida de recorrer a recursos extraordinários

“Agora, esta resolução trata apenas das normas para um médico poder agir de maneira legal e ética em relação a um tratamento de um paciente em fase terminal. Isto é, sem nenhuma perspectiva de recuperação, de melhoria, do ponto de vista do médico. Então, a pessoa não está obrigada e nem impedida de recorrer a recursos extraordinários, para se manter em vida. Não está obrigada a estes recursos extraordinários, essa complexidade tecnológica de que hoje a medicina está equipada, para manter um doente vivo, sem nenhuma perspectiva de cura, de recuperação. O médico deve atender o paciente da melhor maneira possível, utilizando todos os meios naturais, normais, para o seu tratamento. A título de exemplo: não se pode tirar do paciente o alimento, a ingestão de líquido, a que ele tem direito. Porque, aí sim, é matar a pessoa. Então, todos os recursos normais, naturais, conhecidos como cuidados paliativos, o médico deve utilizar para tratar do doente”.

A CNBB não é contrária

“Da forma que a resolução está colocada, a CNBB não é contra, enquanto se trata do uso de recursos extraordinários, complexos, que podem trazer mais sofrimento para o paciente, para a família; podem acarretar custos onerosos para a família do paciente, sem nenhuma esperança ou garantia de recuperação. Então, devem ser utilizados todos os recursos normais e naturais próprios para o tratamento de qualquer paciente”.

É preciso fiscalizar a aplicação da resolução

“A fiscalização deve ser feita para garantir os recursos básicos para os pacientes em casos terminais. Evidentemente, cabe ao hospital, ao conselho de medicina cumprir esta fiscalização. O código de ética médica é muito claro sobre isso: o médico está proibido abreviar a vida do paciente, seja por desejo do paciente ou de seu representante legal. Então, a vida nós temos que respeitar. É um dom de Deus. Temos que acolhê-la, defendê-la e promovê-la”.

Milagres acontecem

“Para nós que somos discípulos missionários de Jesus, há sempre a firme esperança de uma intervenção extraordinária de Deus, contrariando toda lógica das enfermidades ou dos procedimentos terapêuticos. Precisamos estar sempre abertos à possibilidade da cura, mesmo quando tudo parece não ter mesmo jeito. Essa é uma atitude de fé que não pode, de nenhum modo, ser negada ou sufocada”.

CRISE DE ALIMENTOS ASSOLA A ÁFRICA OCIDENTAL

Dezoito milhões de pessoas em risco

Mais de 18 milhões de pessoas da região do Sahel, na África Ocidental, não têm alimentos suficientes, de acordo com a nova e alarmante denúncia da Caritas Internacional.

Uma colheita fraca no ano passado e os altos preços dos alimentos provocaram uma profunda crise que atinge Níger, Mali, Mauritânia, Chade, Senegal, partes da Nigéria e a Gâmbia.

A Caritas advertiu já no começo do ano que uma ação urgente era necessária para salvar vidas e garantir o desenvolvimento futuro. O momento agora se torna crítico: acabaram as reservas de alimentos e as populações locais estão há meses sem ter o que comer.

Através de um vídeo, a equipe da Caritas na região informa em especial sobre a situação no Níger, um dos países mais castigados pela falta de comida.

ROMA, quinta-feira, 5 de julho de 2012 (ZENIT.org)

Rádio utiliza Facebook para homenagear Nossa Senhora

FMDomBoscoDepois que entrou na rede social Facebook, a FM Dom Bosco, rádio dirigida pelos Salesianos em Fortaleza (CE), atinge milhares de pessoas em todo o mundo – 20 países já fazem a interação na página da emissora na rede. O número de assinantes já passa de 5.700 pessoas, fruto do estudo de pesquisas do Departamento de Marketing da mesma e do trabalho dedicado do Departamento Jornalístico e de cada locutor.

No dia de Nossa Senhora Auxiliadora, 24 de maio, dentro do programa “Clube de Amigos” foi lançado um banner para compartilhamento. A peça continha a inscrição “Se você acredita que Maria é teu auxílio em todos os momentos, compartilhe” e ao lado a imagem de Nossa Senhora Auxiliadora com a frase de Dom Bosco “Maria foi verdadeiramente constituída por Deus auxílio dos Cristãos”. Até esta quinta-feira, 31 de maio, o quadro teve mais de 10.837 compartilhamentos diretos e estimados 75.000 compartilhamentos indiretos atingindo 1.706.400 pessoas diretamente segundo dados fornecidos pela fanpage do Facebook.

Este recorde, além de representar a homenagem da rádio a Nossa Senhora Auxiliadora, também revela o resultado positivo alcançado pelo núcleo de comunicação da emissora que busca sempre aliar inovação, tecnologia e evangelização.

Neste mês, a emissora comemorou 11 anos de atividades. Segundo o vice diretor, padre Anderson Alvelino, educar e evangelizar pelas ondas do rádio é a missão do veículo de comunicação salesiano, diante de um mundo onde tudo muda e somente Deus permanece. “Hoje, na era digital, percebemos que é evidente a mudança nas tecnologias que evoluem e influenciam muito a nossa cultura. Nesse sentindo a FM Dom Bosco como emissora educativa, por natureza, busca comunicar valores que dão sentindo e plenitude à vida, através da produção e veiculação de programas e também pelas redes sociais”, afirmou o padre.

A Palavra de Deus na Vida e Missão da Igreja: tema da 50ª Assembleia Geral da CNBB

APARECIDA, 17 Abr. 12 / 10:16 am (ACI)

A partir desta quarta-feira, 18, até a quinta-feira, 26 de abril, os bispos brasileiros se reunirão no recém construído Centro de Eventos Padre Vitor Coelho, no Santuário Nacional, em Aparecida, para a 50ª Assembleia Geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que este ano refletirá sobre a Palavra de Deus na Vida e na Missão da Igreja.

Segundo informou o Portal A12 do Santuário Nacional de Aparecida, cerca de 350 bispos devem participar do encontro desse ano.

Por sua parte, o Cardeal Arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, Dom Raymundo Damasceno Assis, afirmou que o tema trata da renovação do convite para retomar as meditações da assembléia de 2010.

“O aprofundamento desse tema nos conduzirá naturalmente a uma volta as grandes orientações recebidas no Sínodo dos Bispos de 2008 e da exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini – A Palavra de Deus – que nos foi dirigida pelo Papa Bento XVI em 30 de dezembro de 2010. No documento, o Santo Padre nos lembra que nos vemos colocados diante do mistério de Deus, que comunica a Si Mesmo por meio do dom da Sua Palavra. Esta Palavra que permanece eternamente”, explicou.

Dom Damasceno explicou que a reflexão do tema central resultará em um documento final, oficial da CNBB, com o propósito de ajudar as comunidades a conhecer melhor a Palavra de Deus.
“É preciso fazer da Palavra de Deus a rocha sobre a qual deve se fundamentar todo o nosso trabalho pastoral e evangelizador”, afirmou o Arcebispo

A assembléia se desenvolverá em duas sessões solenes. A primeira para comemorar o Jubileu de Ouro (50 anos) das assembleias da CNBB e os 60 anos da criação da Conferência dos Bispos do Brasil. A data de criação da CNBB é 14 de outubro, mas a celebração será antecipada.

A segunda sessão solene vai relembrar os 50 anos do início do Concílio Vaticano II, cuja inauguração deu-se em 11 de outubro de 1962. “As celebrações oficiais serão realizadas em Roma, no mês de outubro, com a realização do Sínodo dos Bispos”, explicou o presidente da CNBB nas declarações reunidas pelo portal A12.

Durante a assembléia serão eleitos quarto representantes e dois suplentes brasileiros para o Sínodo dos Bispos, que terá como tema ‘A nova Evangelização para a transmissão da Fé Cristã’.

Dom Damasceno também informou que durante a assembleia deverão ser feitos pronunciamentos sobre as Eleições Municipais e outros assuntos de interesse da Igreja no Brasil.

Durante os dias da Assembleia Geral da CNBB os bispos e sacerdotes participantes terão Missa diária no Santuário Nacional às 7h30h, aberta também aos fiéis leigos que queiram acompanhá-los na celebração.

Papa comemora aniversário ao lado de irmão

Numa pequena capela, dois anciãos sentados, lado a lado, recolhidos em oração. Esta é a imagem publicada pelo jornal vaticano L’Osservatore Romano, nesse domingo, 15, para documentar os irmãos Ratzinger, fotografados de costas no sábado, 14, enquanto rezam as laudes depois de celebrar a Missa da manhã.

Na simplicidade da oração cotidiana, o L’Osservatore Romano se une a seus leitores e aos homens e mulheres de todas as convicções religiosas que desejam ao Papa um Feliz Aniversário. “Quem crê nunca está sozinho”, costuma repetir Bento XVI, que sente o carinho de tantas pessoas, próximas e distantes, além da amizade dos santos, frisou o jornal da Santa Sé.

O L’Osservatore recorda que o Papa “retornou de Castel Gandolfo, onde se encontrava desde a tarde do Domingo de Páscoa, para acolher o irmão, monsenhor Georg Ratzinger, que passará com ele os próximos dias, marcados por recorrências especiais: o 85º aniversário, segunda-feira, o sétimo ano da eleição a sucessor do Apóstolo Pedro, quinta-feira, 19, e do solene início de Pontificado, terça, 24”.

O artigo se encerra com felicitações em latim: “ad multos annos, beatissime pater, ad multos et felicissimos annos!”.