Sobre o Sábado Santo

Hoje, fazemos a experiência do vazio. O Senhor cumpriu sua missão nos redimindo, através de sua paixão e cruz, através de sua entrega até a morte. Na noite passada contemplamos o sepultamento de seu corpo.

Agora, nesta manhã de sábado, a saudade está presente, mas uma saudade cheia de paz e de esperança. 

Como Maria, com o coração em luto, a Igreja aguarda esperançosa, que a promessa do Cristo se cumpra, que ele surja, que ele ressuscite.

A ausência não é experiência do vazio, mas aprofunda a presença desejada.

Podemos recordar e refletir sobre os sábados santos de nossa vida, nossas experiências de vazio após sofrimentos e perdas.  

 Como vivenciamos esses mistérios  quando irromperam em nossa existência? Permitimos que luz da fé na certeza da vitória da Vida, iluminasse nossa mente e aquecesse nosso coração? Preenchemos esse vazio abrindo as portas de nosso coração a Jesus, Palavra de Vida, de Eternidade? Ou nos fragilizamos mais ainda, permitindo que a escuridão da morte nos envolvesse?

Jesus é Vida! Nossa Senhora, a verdadeira discípula, na manhã de sábado permaneceu, apesar da dor, do luto, esperançosa. Ela acreditou nas palavras de seu Filho e não permitiu que o sofrimento pela perda dissesse a última palavra, mas que a palavra definitiva seria a promessa de seu Filho, a própria Palavra, que disse que iria ressuscitar que ele era o Caminho, a Verdade, a Vida!

Hoje à noite iremos celebrar a Vitória da Vida, a ressurreição de Jesus, o encontro do Filho ressuscitado com a Mãe que deixará de ser a Senhora das Dores, para ser a Senhora da Glória.

Contudo, para nós que perdemos entes queridos, esse encontro ainda não aconteceu e sabemos que nesta vida, não acontecerá. Como viver, então, a Páscoa da Ressurreição?

Nossa vida deverá ser um permanente Sábado Santo, não com vazio, mas pleno de fé, de esperança na certeza da vitória da Vida e que também teremos o reencontro que Maria teve, e será para sempre! Quanto mais nos deixarmos envolver pela Palavra de Vida, que é Jesus, mais nos aproximaremos da tarde da ressurreição; de modo mais intenso essa palavra irá nos iluminar e aquecer.

Que nossas perdas não nos tirem a alegria de viver, que nos é dada com a presença de Jesus, a Vida plena, Eterna».

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos)

Anúncios

Por que Paulo diz que “é como um aborto”?

250px-James,_the_Just1Em tempos de zika, dengue e chikungunya, onde os abortistas bradam contra a vida, e usam da zika para justificar o aborto em si, São Paulo se coloca como um milagre da vida. Isso mesmo!

São Paulo, na 1ª carta aos Coríntios, 15, 8 diz:

” (…) por último, apareceu também a mim, que sou como um aborto.”

No início, isso assusta. Como assim, São Paulo se coloca como um aborto? É preciso entender melhor o que é o aborto e principalmente naquela época.

Hoje, mesmo com condições médicas avançadas um aborto é complicado. Não me venham falar que é por causa de clínicas clandestinas. Pelo contrário, somente mulheres que passaram por isso sabem como é a dor e as complicações físicas e psicológicas. Imaginem como não era naquela época. Com a medicina longe, mas longe mesmo do que é hoje.

Muitos estudiosos e historiadores afirmam que o aborto naquela época, bem como hoje, levavam a mãe e a criança a morte. Nesta fala de São Paulo, ele se coloca nesta situação.

Para entender tudo isso é preciso ler entre linhas 

No livro “Exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola”, ele lança a seguinte afirmação sobre São Paulo:

Sua conversão e vocação ao apostolado, que ele sempre considerou como um verdadeiro nascimento, foi imprevista e imprevisível como um nascimento prematuro (Um aborto). (pag 230)

No entanto, temos de ir mais fundo ainda. Paulo, se coloca como um feto que está nascendo em época errada, mas que somente por seu nascimento é que haverá a esperança de vida. Sei que é contraditório, mas é perfeitamente entendível quando olhamos para trás e vemos a vida de Saulo, Paulo antes da conversão.

Como ele era:

  1. Soldado do Império Romano;
  2. Perseguidor de cristãos;
  3. Cruel;
  4. Assassino;
  5. Sem fé;

São alguns adjetivos que caberiam perfeitamente na vida de Paulo antes do caminho de Damasco, quando se encontra com seu médico obstetra, Jesus Cristo.

É importante observermos para que entendamos o que aconteceu. Paulo se diz aborto por causa de tudo isso. Ele estava morrendo e matando sua mãe, a Igreja. Essa metáfora de Paulo não é perceptível a todos. Por isso temos que ler entre linhas.

Quando uma criança está para ser abortada e uma mãe a perder o seu filho e podendo perder sua vida, o médico dos médicos vai ao encontro dos dois. O veneno que causava o aborto era o império, que persistiu na perseguição por muito tempo, mas sucumbiu ao milagre da vida dado por Cristo.

A Igreja sofria nas mãos de Paulo, até então Saulo. A mãe morria. Saulo, o filho, estava morrendo também por não saber a verdade: que Cristo era o “Caminho a Verdade e a Vida”. Dois em risco.

Por isso tudo, Paulo se apresenta a Coríntios como “um aborto”, para que aquela comunidade entenda o poder de Deus sobre a vida. Ele pode dar vida e vida em abundância. E mesmo diante da morte, ele tem o poder de salva-la.

A expressão usada por Paulo nos leva a entender que ele dava testemunho por ser a prova viva do milagre de Deus sobre a vida. Que o que antes matava, hoje levava a Palavra de esperança. O que era morte se fez milagre. Por meio de Paulo, a mãe Igreja, peregrinou e cresceu por espaços ainda não visitados pelos apóstolos. Se expandiu e abraçou novos filhos. Novas vidas.

Por que sou contra o aborto

Rapidamente vou falar sobre isso. Primeiramente porque não nos foi dado o direito de tirar a vida. Segundamente Depois, porque temos vários métodos preventivos. Embora o melhor seja a castidade. Terceiramente Sei que há casos extremos, como o estupro e repeito a lei. Mas reduzir esses casos fazendo a lei ser cumprida. Quartamente O inimigo é o mosquito e não a criança, no caso de Zika e tantas outras patologias.  Por fim, Deus nos deu vida e não morte. A maioria das pessoas que defendem o aborto mal sabem a dor que é fazer isso.

por Marquione Ban.

 

Papa Francisco: “pena de morte é inadmissível”

(ACI).- O Papa Francisco recebeu esta manhã em audiência privada uma delegação da Comissão Internacional contra a pena de morte. No encontro o Santo Padre entregou uma carta a Federico Mayor, Presidente da instituição, na qual ressaltou que “hoje em dia a pena de morte é inadmissível”.

pena-de-morte

No texto o Santo Padre afirma que “hoje em dia a pena de morte é inadmissível, por mais grave que tenha sido o delito do condenado. É uma ofensa à inviolabilidade da vida e à dignidade da pessoa humana que contradiz o intuito de Deus sobre o homem e a sociedade e sua justiça misericordiosa, e impede de cumprir com qualquer finalidade justa das penas. Não faz justiça às vítimas, e sim fomenta a vingança”.

”Para um Estado de direito, a pena de morte representa um fracasso, porque o obriga a matar em nome da justiça. Nunca se alcançará a justiça dando morte a um ser humano”, acrescenta.

O Papa afirma deste modo que “com a aplicação da pena capital, nega-se ao condenado a possibilidade da reparação ou emenda do dano causado; a possibilidade da confissão, pela qual o homem expressa sua conversão interior; e da contrição, pórtico do arrependimento e da expiação, para chegar ao encontro com o amor misericordioso e sanador de Deus”.

Continuar lendo “Papa Francisco: “pena de morte é inadmissível””

Quem cometeu suicídio está condenado?

O suicídio não é querido por Deus, porque Ele é o Senhor da vida

Primeiro e antes de tudo, precisamos ter claro que o nosso Deus é o Deus da vida – “escolha, pois, a vida e viverás” (Dt 30). Não é à toa que Ele é chamado é de Criador, pois criou todas as coisas. E como é bom ler a narrativa da criação e ouvir que o Senhor contemplou a Sua obra e viu que tudo era bom! (cf. Gn 1,25). Por fim, ao criar o ser humano, o homem viu que era muito bom (Gn 1,31). Ou seja, a pessoa humana, o homem criado por Deus é muito bom, a criação do homem foi algo bom que o Senhor fez, por isso possui valor, dignidade e nobreza, porque foi querido e criado por Ele.

Sendo assim, todo atentado contra a vida humana é um mal, um pecado grave. Isso nos ensina o Catecismo, porque viola algo sagrado: a vida do homem. E esta é um dom, um valor, uma graça que veio do Alto, por isso ninguém tem o direito de tirá-la de alguém nem de si mesmo. Atentar contra a vida do outro ou contra a própria vida fere profundamente a caridade, o amor ao próximo e o amor a si mesmo, que deve ser cultivado como nos ensinou Jesus Cristo (Mt 22,39).

formacao_940x350-destaque17

“Cada um é responsável por sua vida diante de Deus, que lha deu e que dela é sempre o único e soberano Senhor” (Catecismo da Igreja Católica n. 2280). Assim, cada um deve guardar, preservar a sua própria vida. Já no livro da criação, o Senhor confiou ao homem o cuidado sobre as coisas criadas, entre elas o próprio homem está incluído.

O suicídio não é querido por Deus, porque Ele é o Senhor da vida, é o Criador de todas as coisas, que quis e quer o bem de tudo e de todos. Ele não se aguentou de tanto amor, por isso nos fez, e somos frutos do amor d’Ele. Assim, não devemos matar o amor do Pai em nós.

“O suicídio contradiz a inclinação natural do ser humano a conservar e perpetuar a própria vida. […] Ofende igualmente o amor do próximo, porque quebra injustamente os laços de solidariedade com a sociedade familiar, nacional e humana, em relação às quais temos obrigações a cumprir.” (CIC 2281)

Está evidente que nosso instinto é de sobrevivência, de buscar viver. Aquele que se suicida imagina que solucionará seus problemas, porém criará outros. Se aquele que tinha a própria vida soubesse quanto mal faz para os seus familiares, quanto tempo leva para amenizar o sentimento de culpa de um pai, de uma mãe, um irmão ou parente, não cometeriam tal ato. Os conselheiros espirituais que o digam!

Apesar da gravidade de tal pecado, a Igreja não condena os suicidas. Eles são vistos com misericórdia. “Distúrbios psíquicos graves, angústia ou medo da provação, do sofrimento ou da tortura podem diminuir a responsabilidade do suicida. […] Não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida” (CIC 2282-2283).

Texto públicado no site  Canção Nova

Autor deste artigo – Padre Marcio

Padre Márcio do Prado, natural de São José dos Campos (SP), é sacerdote na Comunidade Canção Nova. Ordenado em 20 de dezembro de 2009, cujo lema sacerdotal é “Fazei-o vós a eles” (Mt 7,12), padre Márcio cursou Filosofia no Instituto Canção Nova, em Cachoeira Paulista; e Teologia no Instituto Mater Dei, em Palmas (TO). Twitter: @padremarciocn

Paul Walker: seu último filme, Hours, traz mensagem sobre o valor da vida

Cartaz do Filme Hours
Cartaz do filme Horas com Paul Walker

(ACI/EWTN Noticias).- Na semana passada o astro de Velozes e Furiosos, Paul Walker, faleceu em um acidente trágico de carro nos EUA. Ele tinha 40 anos. O carro em que estava colidiu contra um poste e uma árvore e então pegou fogo. Paul estava gravando o 7º filme da série Velozes e Furiosos. Agora milhões de fãs esperam Hours, uma produção diferente dos tradicionais filmes de ação mas que promete deixar sem fôlego os espectadores, e que mostra um intenso amor pela vida humana

Muito conhecido por essa franquia, Paul fez diversos outros filmes. Seu último filme foi Hours (Horas). Esse filme traz uma profunda mensagem de vida. Nele não automóveis velozes, garotas super bonitas. O filme narra a história de um pai que faz o possível e impossível para salvar sua filha recém-nascida em meio a destruição do furacão Katrina, que devastou o sul do EUA a anos atrás. A estréia do filme nos EUA será no dia 13/12.

Hours – Horas

O filme foi rodado em março deste ano na cidade de Nova Orleans, que foi devastada pelo Furacão Katrina. Walker compartilha a tela com a atriz Génesis Rodríguez, e teve estreia adiantada devido ao falecimento de Walker, protagonista do filme.

“Paul estava orgulhoso deste projeto. Há duas semanas fizemos uma coletiva imprensa e me lembro que ele estava emocionado”, disse Peter Safran, produtor executivo de Hours ao site de notícias The Hollywood Reporter.

O Filme

Hours está ambientado em 2005, no meio do furacão Katrina, um dos maiores desastres naturais da história dos EUA. Walker interpreta Nolan, um homem que deve enfrentar em um mesmo dia a morte de sua esposa e o nascimento de sua filha.

Nolan (Walker) deve lutar para manter com vida a sua filha recém-nascida que se encontra em uma unidade neonatal com respiração artificial, em um hospital evacuado pelo furacão e onde não há energia elétrica. Os médicos disseram que o bebê necessita do respirador por 48 horas para sobreviver ao nascimento prematuro.

Trailer

Crítica

A crítica cotou o suspense como bom.  Entretanto, o mais poderoso do filme é sua forte mensagem a favor do matrimônio, da família e da vida humana nos “diálogos” que o protagonista mantém com sua filhinha.

Hours é um dos três filmes que Paul Walker protagoniza e que serão exibidos de maneira póstuma.

Papa pede a todos os brasileiros que defendam a vida desde a concepção

De modo particular, diante da cultura do descartável, que relativiza o valor da vida humana, os pais são chamados a transmitir aos seus filhos a consciência de que esta deva sempre ser defendida, já desde o ventre materno, reconhecendo ali um dom de Deus e garantia do futuro da humanidade,

(ACI/EWTN Noticias).- A vida humana deve ser defendida “sempre”, desde o ventre materno, reconhecendo nela um dom de Deus e uma “garantia do futuro da humanidade”, afirmou o Papa Francisco em uma mensagem para a Semana Nacional da Família, que começou ontem no Brasil.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o Papa inicia sua mensagem afirmando que ainda conserva “vivas no coração as alegrias que me foram proporcionadas” durante a viagem ao Brasil pela Jornada Mundial da Juventude celebrada faz uns dias no Rio de Janeiro.

O Papa animou os pais na “nobre e exigente missão que possuem de ser os primeiros colaboradores de Deus na orientação fundamental da existência e a segurança de um bom futuro. Para isso, ‘é importante que os pais cultivem as práticas comuns de fé na família, que acompanhem o amadurecimento de fé dos filhos’”?”.

Os pais, prosseguiu o Papa, foram chamados “a transmitir, tanto por palavras como, sobretudo pelas obras, as verdades fundamentais sobre a vida e o amor humano, que recebem uma nova luz da Revelação de Deus”.

“De modo particular, diante da cultura do descartável, que relativiza o valor da vida humana, os pais são chamados a transmitir aos seus filhos a consciência de que esta deva sempre ser defendida, já desde o ventre materno, reconhecendo ali um dom de Deus e garantia do futuro da humanidade, mas também na atenção aos mais velhos, especialmente aos avós, que são a memória viva de um povo e transmissores da sabedoria da vida”.

Para concluir, invocando a intercessão de Nossa Senhora Aparecida, o Papa pediu que as famílias possam chegar a ser “os mais convincentes arautos da beleza do amor sustentado e alimentado pela fé”.

A Semana Nacional da Família é uma iniciativa da Conferência Episcopal do Brasil, e este ano gira em torno do tema “A transmissão e a educação da fé cristã na família”. Os bispos brasileiros, retomando o documento de Aparecida, recordaram em uma nota que a família “é um dos tesouros mais importantes da América Latina e é um patrimônio de toda a humanidade”.

A vida nos mostra sempre a sua força: recém-nascido encontrado vivo em tubulação de esgoto

Criança sobrevive a descarga e é encontrada em tubulação de esgoto
Criança sobrevive a descarga e é encontrada em tubulação de esgoto

Na China, a criança acima, foi acidentalmente jogada esgoto abaixo. A queda de um recém-nascido em uma tubulação de esgoto na China foi acidental e a mãe não será indiciada, informaram as autoridades locais nesta quarta-feira, antes de destacar que a criança está com boa saúde.

A mãe, solteira de 22 anos e cujo nome não foi divulgado, admitiu à polícia dois dias depois do resgate que tinha dado à luz o bebê em segredo em um banheiro do condomínio em que vivia. O pai da criança, segundo explicou, não queria assumir a criança e ela não se submeteu a um aborto – bastante comum como método anticoncepcional na China – porque não tinha dinheiro para pagar pelo procedimento. A moça então manteve a gestação em segredo, vestindo roupas largas e apertando a barriga.

Segundo sua versão, a jovem deu à luz de maneira surpreendente quando estava em um vaso de estilo turco no sábado. A criança escorregou e caiu na tubulação. Após tentar tirá-lo, sem sucesso, e com medo de que descobrissem que ela era a mãe, avisou ao dono da casa sobre o bebê e esse, por sua vez, chamou os serviços de emergência.

A polícia de Jinhua, na província oriental de Zhejiang, confirmou que o recém-nascido caiu na tubulação e ficou preso. “Nossas investigações mostram que foi um acidente”, disse à AFP uma fonte policial, que pediu anonimato e confirmou que mãe não será acusada.

O bebê de 2,3 kg – identificado apenas como 59, o número de sua incubadora no hospital – permaneceu preso de duas a três horas na tubulação e sofreu alguns cortes no rosto, pernas e braços. Após encontrarem a criança, os serviços de resgate demoraram mais de uma hora para cortar o trecho da tubulação de 10 cm de diâmetro, utilizando serras e alicates para retirar o recém-nascido.

O bebê foi levado para um hospital e colocada em uma incubadora. O diretor do hospital, Wu Xinhong, disse que a criança está bem e pronta para receber alta. “O estado dele é bom, mas os familiares ainda não vieram buscá-lo”, disse à AFP.

A mãe do recém-nascido, que renunciou à guarda da criança, está em condição grave por complicações durante o parto. As autoridades ainda procuram o pai do bebê.

O fato gerou milhares de comentários nas principais redes sociais do país, entre elas, a Weibo – o Twitter chinês – onde os cidadãos manifestaram seu assombro pelo ocorrido e se multiplicaram as ofertas de ajuda ao bebê.

Com informações das agências EFE e AFP

 

Brasil Sem Aborto lança Campanha Nacional “Municípios em Defesa da Vida”

“A vida depende do seu voto!”, com este lema o movimento nacional da cidadania pela vida (Brasil sem aborto) lançou recentemente um comunicado aos partidos políticos visando a divulgação dos nomes de candidatos pró-vida para que os eleitores conheçam os candidatos que abertamente defenderão a vida se forem eleitos, assinando um termo de compromisso com a defesa da vida.

A carta redigida em Brasília no dia 11 de Julho se dirige “aos Presidentes dos Diretórios Municipais dos Partidos Políticos Brasileiros”.

“O Movimento Nacional da Cidadania pela Vida – Brasil Sem Aborto comunica a todos os Presidentes dos Diretórios Municipal, Estadual e Nacional de todos os partidos políticos brasileiros que foi lançada a 2ª Edição da Campanha Nacional “Municípios em Defesa da Vida”, tendo como slogan “A VIDA depende do seu VOTO””, afirma a missiva.

Segundo explica o texto do movimento pró-vida brasileira “essa campanha visa conscientizar os eleitores brasileiros da importância de levarem em consideração, dentre os critérios que devem nortear a escolha de seus candidatos, um de fundamental importância: a promoção e defesa da vida – desde a concepção, uma vez que o direito à vida é o primeiro e o mais fundamental de todos os direitos humanos”.

“Eleger prefeitos (as) e vereadores (as) comprometidos com esta causa constitui uma das prioridades do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida – Brasil Sem Aborto, pois os futuros prefeitos (as) e vereadores (as) poderão contribuir muito para a implementação de políticas públicas de apoio à maternidade, assegurando às gestantes brasileiras direitos como pré-natal, acompanhamento ginecológico e obstétrico, principalmente às mulheres pobres de nosso país que querem ter seus filhos de maneira segura e digna”, afirma também a carta do movimento Brasil Sem Aborto.

A nota recorda que “os políticos que exercem mandatos no âmbito municipal futuramente poderão ser deputados federais, senadores, secretários estaduais e ministros da administração federal, levando para estas instâncias o seu compromisso de promoção e defesa da vida – desde a concepção. Eles também constituem base política fundamental dos membros do Congresso Nacional e da Administração Federal, formando elos importantes para a luta contra a descriminalização/legalização do aborto no Brasil”.

“Deste modo, o Movimento Brasil Sem Aborto, através de seus Comitês Estaduais e/ou Municipais, ou por meio de grupos pró-vida organizados no âmbito municipal, está fazendo o trabalho de identificação de possíveis candidatos e candidatas aos dois cargos em disputa nestas eleições que desejem assinar Termo de Compromisso com firma reconhecida em cartório, conforme texto anexo. Uma vez assinado o referido termo de compromisso, o nome do candidato (a) a prefeito (a) ou vereador (a) constará do site do movimento www.brasilsemaborto.com.br possibilitando aos eleitores o acesso aos candidatos pela vida nestas eleições”, informam os pró-vidas brasileiros.

“Solicitamos aos presidentes dos diretórios partidários, em âmbito municipal, que façam chegar a todos os candidatos e candidatas de seu partido ou coligação este comunicado, a fim de que todos possam dele ter conhecimento. Os que desejarem aderir a esta Campanha “Municípios em defesa da Vida” – “A VIDA depende do seu VOTO” devem assinar o Termo de Compromisso, obter o reconhecimento de firma em cartório, enviar digitalizado através do email: cidadaniapelavida@gmail.

A carta leva a assinatura da Dra. Lenise Garcia, Presidente Nacional do Brasil sem Aborto, de Jaime Ferreira Lopes, Vice-Presidente Nacional Executivo e de Damares Alves, Secretária Geral do Movimento.

Elba Ramalho denuncia: governo da presidente Dilma se contradiz ao promover o aborto

Achei linda a entrevista e vale a pena ver tudo.

Em entrevista exclusiva, disponível agora na íntegra no canal da ACI Digital no YouTube, a cantora católica e pró-vida Elba Ramalho denuncia a promoção do aborto no governo da Presidente Dilma Rousseff e se diz entristecida pelo fato de que a mandatária, quando candidata, havia prometido não legalizar o aborto, mas agora está sendo “conivente” com a promoção dessa prática antivida, permitindo medidas como a edição da norma técnica do Ministério da Saúde que viria a instruir as mulheres a realizar o aborto impunemente, garantindo ainda recursos públicos para esse fim.

Elba Ramalho denunciou no seu diálogo com ACI Digital no último 24 de julho, na cidade do Rio de Janeiro, que o governo Dilma se contradisse ao permitir o avanço do lobby abortista e ofereceu seu testemunho na luta contra esse mal da sociedade de hoje lançando um apelo para que as jovens brasileiras sejam conscientes do valor da vida e que não matem os seus filhos no ventre no caso de uma gravidez.

A cantora afirmou que esteve com a presidente em uma ocasião na qual a então candidata pelo Partido dos Trabalhadores assegurou que não legalizaria o aborto no Brasil. Admitindo sua decepção, a artista manda um recado a Dilma Rousseff:

“Querida presidente, eu fui a uma reunião sua, quando a senhora disse que não legalizaria o aborto no Brasil. E muito me entristece hoje, como artista e cidadã brasileira, ver o seu governo caminhar por vias contrárias e enganadoras, tentando convencer a nossa sociedade, amparando grupos feministas patrocinados por empresas internacionais, multinacionais que querem produzir a morte exigindo mais abortos no Brasil como controle de natalidade”.

A cantora disse ainda: “me entristece que a senhora seja conivente com isso”. “Isto é mais um jogo para chegar a uma legalização, vamos dizer assim, um pouco “camuflada” do aborto, ou seja, legalizar a morte”, disse Elba mais adiante na conversa com o grupo ACI.

“Então, a gente está aqui hoje assumindo uma posição mais forte e mais direta porque a gente enfrenta realmente uma estrutura pesada, abortiva, uma estrutura que quer ver o sangue de crianças inocentes derramado no mundo”, disse a cantora brasileira.

“Se o jovem se conscientiza hoje que abortar é tão fácil quanto tomar um copo d’água, e ele não assume a responsabilidade dos seus atos, a nossa sociedade se extingue em muito pouco tempo. (…) É preciso que o jovem entenda que o aborto é a morte de uma criança que está no ventre de sua mãe, e ele acontece quando sua mãe consente que a sua criança seja assassinada”, assinalou.

“O povo brasileiro não é conivente com a morte! (…) Garotas do Brasil, meninas do Brasil, jovens do Brasil, acordem! É Pecado, é crime: Não Matarás!”.

“Se você não crê em Deus, creia que você mais adiante, que você na sua terceira idade e na sua velhice isso vai lhe pesar tanto sobre os ombros, sobre a sua consciência, você vai chorar lágrimas de sangue, você vai se arrepender…”, disse Elba Ramalho, que admitiu na mesma entrevista ter feito um aborto e após ter recebido o perdão de Deus e voltado para a Igreja Católica, hoje se dedica a defender a vida.

Falando sobre a pressão e as ameaças de alguns grupos feministas que ela vem recebendo, a cantora afirmou à nossa agência: “eu não tenho medo, eu não me sinto afrontada”.

Elba disse que na verdade, essas afrontas causam-lhe tristeza, porque muitas vezes provêm de grupos integrados por pessoas “frias”, e em alguns casos, constituídos de “juízas, médicos, médicas, professoras, filósofas, mulheres que são uma minoria, uma minoria que grita muito, faz muito barulho. Mas elas também são financiadas por empresas internacionais, nós sabemos disto, e eu estou dizendo aqui baseada em fatos concretos”.

“Elas recebem apoio, “money””, enfatizou a cantora, “para elas gritarem e ameaçarem: Elba Ramalho fique longe do meu útero, se ela for cantar em tal lugar a gente vai apedrejar… Os cães ladram, mas caravana continuará cantando e defendendo a vida.” “Isso não me afeta em nada”, asseverou.

“Eu fico feliz por vocês (da ACI Digital) estarem aqui me dando a oportunidade de falar. Estamos juntos, esta é uma luta toda, de todos nós e obrigado…Eu faço isso com muita humildade com muita gratidão a Deus, que pelas mãos daVirgem Maria me colocou diante desta obra e o assumo com muita responsabilidade, muita consciência e muita alegria no meu coração”, concluiu Elba Ramalho.

Elba também gravou uma especial mensagem em defesa da vida para os leitores da ACI Digital e todos os defensores da vida no Brasil que pode ser vista em: http://www.youtube.com/watch?v=BfSFijYA91Y

Para parabenizar a cantora brasileira pelo seu trabalho pró-vida não deixe de demonstrar seu apoio através dos comentários no nosso canal no YouTube.

Fonte ACI Digital

A vida humana é Vocação…

Dom Nelson Westrupp
Bispo Diocesano de Santo André (SP)

O problema vocacional continua a ser um “caso sério”. Sério porque as vocações são um sinal indicador da vitalidade e da espiritualidade de uma comunidade cristã. Uma comunidade eclesial que não suscitasse vocações para a continuidade de sua missão seria uma comunidade estéril. Não obstante, o que mais nos preocupa, não é a escassez de vocações em si, mas a mentalidade e o modo de conceber e viver a própria existência. A interpretação cristã da vida, como resposta ao chamado de Deus e o encontro pessoal com Ele, choca-se com uma cultura que enfatiza a primazia da decisão e da escolha subjetiva, individual, eliminando-se, assim, a iniciativa de Deus e o diálogo com Ele. Segundo este modo de conceber a existência, a perspectiva de um “chamado divino” torna-se completamente  estranho ao horizonte da existência.

Portanto, antes ainda de falarmos de “vocações”, é preciso encontrar caminhos para uma evangelização da vida e do seu sentido, pois um dos maiores desafios da evangelização hoje consiste em restituir à vida a sua intocável sacralidade de dom. Dom maior que deve ser acolhido, respeitado, amado, conduzido e orientado segundo o Autor da vida.

Além de evangelizar a vida, somos convocados a evangelizar a liberdade e, com ela, a própria pessoa, que projeta a vida sobre esta mesma liberdade. Aliás, a liberdade é o lugar misterioso onde Deus mais intensa e eficazmente está presente em nós e, ao mesmo tempo, onde reside nossa irrepetível  originalidade.

Acolher e seguir o próprio chamado quer dizer, então, tornar-se autenticamente livre. Assim, a pastoral vocacional é uma escola de promoção da liberdade humana. Frequentemos esta escola.

Convém, portanto, não perder de vista que é Deus quem põe no coração humano as questões mais cruciais a respeito do sentido da vida, e não o ser humano. Não é o ser humano que chama Deus, mas é Deus quem toma a iniciativa de chamar o ser humano, em primeiro lugar, à vida e, depois, a uma vocação específica. Ao chamar alguém, Deus se oferece Ele mesmo como resposta a quem busca sua realização pessoal.

Nesta perspectiva, cada vida humana é vocação, e não mero acaso ou destino cego, mas vocação, isto é, “Deus nos chamou com uma vocação santa, não por causa de nossas obras, mas por causa do seu plano salvífico e da sua graça, que nos foi dada em Cristo Jesus antes de todos os tempos” (2 Tm 1,9-10).

Assim, a vida não é solitária aventura, mas diálogo, dom que se torna tarefa, dever, missão… Criado à imagem e semelhança de Deus, o ser humano é chamado a dialogar com seu Criador, a conhecê-Lo, a encontrá-Lo, a amá-Lo, para partilhar da Sua vida na eternidade. Pois “a razão mais alta da dignidade humana consiste na sua vocação à comunhão com Deus” (GS, 19).

A Pastoral Vocacional é um bom caminho para quem deseja buscar uma resposta objetiva ao sentido de sua vida. Ajuda os membros da comunidade eclesial a crescerem na maturidade da fé, tornando-os capazes de descobrir e discernir a própria vocação e missão a serviço da comunidade. Assim sendo, é necessário que a Igreja estimule os batizados e crismados a tomarem consciência da sua própria e ativa responsabilidade na vida eclesial… A verdadeira pastoral vocacional envolve as paróquias, as escolas, as famílias, suscitando uma reflexão mais atenta sobre os valores essenciais da vida, cuja síntese decisiva está na resposta que cada um é convidado a dar ao chamamento de Deus (cf. NMI, 56).

Onde há um trabalho organizado de animação vocacional ou de Pastoral Vocacional, não faltarão vocações. Fazer animação vocacional é ajudar os vocacionados/as a perceber que Deus é Amor: “quem permanece no amor, permanece em Deus e Deus permanece nele” (1 Jo 4, 16). E a alegria será completa…

Kit aborto: como assim?

Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues
Arcebispo de Sorocaba (SP)

É lamentável que os cuidadores da saúde pública, ao invés de se empenharem em promover a vida, se ocupem em formular políticas que acabam por estimular a prática do aborto.

O leitor, com certeza, se lembra do Kit Gay, proposta de um grupo do Ministério da Educação para combater a homofobia. A cultura gay criou a palavra homo-afetividade e seus derivados, para substituir a palavra homossexualidade e seus derivados, cujo peso semântico estaria impregnado de milênios de preconceito contra os homossexuais. Só que o conteúdo do Kit Gay, ao invés de educar para aceitação do diferente e de propor caminhos de uma solução ética para as questões levantadas pela problemática, transforma a exceção em ideal e não faz suficiente distinção entre homossexualidade e homossexualismo: aquela uma condição, na maioria dos casos, independente da vontade da pessoa e este, uma prática eticamente reprovável, que jamais poderá ser inscrita no horizonte daquilo que a história humana sempre entendeu por casamento. Infelizmente vivemos um momento “cultural” onde as palavras não traduzem mais a realidade objetiva das coisas, mas os desejos arbitrários de indivíduos ou de grupos de indivíduos. É dentro desse quadro “cultural” que, por pressão de grupos organizados, certas práticas acabam por receber respaldo legal.

É o que o Ministério da Saúde de nosso país pretende fazer através de uma coisa que se poderia chamar de Kit Aborto a ser distribuído nos hospitais públicos para as mulheres que querem abortar. O Estadão noticiou: “O Ministério da Saúde e um grupo de especialistas se reúnem para discutir um programa para aconselhamento de mulheres que decidiram abortar. A comissão vai sugerir a formulação de uma cartilha, com orientações para que o procedimento seja feito com segurança. A intenção é fecharmos o material de orientação em, no máximo, um mês”, afirmou o coordenador do grupo de estudos sobre o aborto da sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Thomaz Gollop. O formato final do programa será definido pelo Ministério. A cartilha conteria, por exemplo, informações para a mulher escolher o lugar do procedimento.

O uso de comprimidos à base de misoprostol, droga altamente abortiva, seria facilitado pela rede pública. “O projeto do Ministério da Saúde consiste na seguinte estratégia: a mulher grávida vai a uma unidade de saúde pública mais perto de sua casa e pega o Kit Aborto e vai para casa fazer o aborto ilegal de forma segura. Tudo isso financiado com o dinheiro público”. A justificativa são os milhões de abortos com milhares de mortes de mulheres(?!!!) que acontecem no Brasil em clínicas clandestinas. Sobre isso ponderou alguém: “Como foi feita essa pesquisa? Qual o método foi utilizado? Qual a amostragem? Chega de jogar na cara da população números sem sentido e sem explicação… Parece que essa história de “um milhão de abortos” não passa de mágica, de maquiagem, de ficção matemática.”

A proposta do Ministério da Saúde pretende que o Kit Aborto “seja um componente da política de planejamento reprodutivo”. O que é uma evidente aberração lógica. “De um lado, a política de planejamento reprodutivo pressupõe a reprodução, isto é, uma mulher vai ficar grávida, ter um filho, etc. Com isso, é descartada a morte do feto por meio da realização do aborto. Do outro lado, é preciso ver que esse argumento é uma frase bonita, uma espécie de poesia, para disfarçar a verdadeira intenção, que é a legalização indireta do aborto e, ainda por cima, com financiamento público.” É lamentável que os cuidadores da saúde pública, ao invés de se empenharem em promover a vida, se ocupem em formular políticas que acabam por estimular a prática do aborto.

Compete aos cristãos e a todas as pessoas que conservam o senso sagrado da inviolabilidade da vida humana (a vida do feto é vida humana), a missão de lutarem por todos os meios para que o aborto seja banido da face da terra. Essa missão nós a realizamos de três maneiras: a) pela mobilização contra projetos de lei e contra medidas governamentais pró-aborto; b) pela formação das consciências das crianças e dos jovens no sentido da defesa da vida sempre e em todas as etapas de seu desenvolvimento; c) pela presença e apoio a mulheres grávidas com dificuldades de levar adiante a gravidez. A Igreja procura também ir ao encontro das mulheres, que se submeteram em momentos de desespero ao aborto, com o chamado Projeto Raquel. “O Projeto Raquel é o ministério de cura pós-aborto da Igreja Católica nos Estados Unidos (e agora em diversos países) e está em atividade sob alguma forma na maioria das dioceses com o nome Projeto Raquel ou outro similar.”

Em Sorocaba ainda não o temos implantado. Mas eis o depoimento de alguém que recebeu o apoio desse serviço da Igreja: “O Projeto Raquel me deu a capacidade de me afastar de uma vida de desespero e culpa e começar uma nova vida de esperança e perdão. Uma experiência única… Eu nunca mais serei a mesma.”

ANENCÉFALOS: Vida, dom e compromisso

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte

A grave questão da descriminalização de aborto de anencéfalos não pode deixar a sociedade brasileira, suas instâncias e cidadãos em paz. O caminho interpretativo adotado não pode ser entendido como uma verdade sobre a vida, que precisa ser incondicionalmente respeitada. O poder de decidir não é, em si, a verdade na sua inteireza. Aquela importante cena do Evangelho de São João, narrando a paixão e morte de Jesus Cristo, quando o Senhor da vida contracena com Pilatos, que o condenou à crucificação ouvindo o clamor do povo, mostra isso.

Nesse mesmo Evangelho conhecemos a revelação que Jesus faz de sua identidade quando diz ser o caminho, a verdade e a vida. Sua missão o revela não como simples intérprete de sentimentos, tentando conciliar situações, identificando-as como respeito a um direito de decidir, mesmo que este “respeito” signifique ferir a integridade e a liberdade de um indefeso, um inocente. Se a análise é necessária como caminho em busca da verdade, é indispensável também ajuizar os critérios e princípios de interpretação adotados, para que não se comprometa o dom da vida.

Oportunamente, assinala o Bem-Aventurado João Paulo II, na sua Carta Encíclica Fé e Razão, de 14 de setembro de 1998: “No âmbito da investigação científica, foi-se impondo uma mentalidade positivista, que não apenas se afastou de toda a referência à visão cristã do mundo, mas sobretudo, deixou cair qualquer alusão à visão metafísica e moral. Por causa disso, certos cientistas, privados de qualquer referimento ético, correm o risco de não manterem, ao centro de seu interesse, a pessoa e a globalidade de sua vida”. A crise atual do racionalismo compromete, incontestavelmente, muitos critérios interpretativos que são adotados em decisões de grande impacto, com tendências a relativizar, particularmente, a importância dada a quem não tem voz para se defender.

Os critérios usados para elaborar pareceres decisórios, como nesta questão grave do aborto de anencéfalos, parecem ceder a lógicas bafejadas por relativismos que não consideram os sentimentos de todos os envolvidos.  É preciso continuar ecoando nas consciências que as deficiências não diminuem a dignidade da vida humana em gestação. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em posicionamento para reafirmar o compromisso com a moral cristã católica, em nota, sublinha que os princípios da inviolabilidade do direito à vida, da dignidade da pessoa humana e da promoção do bem de todos, sem qualquer forma de discriminação, conforme determina a Constituição Federal, referem-se também aos fetos anencefálicos.

Ora, não respeitar a vida é porta aberta para desrespeitar os outros direitos. A descriminalização de aborto de fetos anencefálicos será, sem dúvida, entrada para desqualificação da pessoa humana, podendo justificar práticas contra doentes e indefesos. Nossa posição precisa ser permanentemente reafirmada, não admitindo relativizações.  A vida tem que ser acolhida como dom e compromisso, mesmo quando seu percurso natural for presumivelmente breve. Portanto, em qualquer circunstância, provocar a morte é crime.

Como é possível admitir que uma legislação possa tornar lícito o que é intrinsecamente ilícito? Não matarás é um importante mandamento da Lei de Deus. Exige fidelidade daqueles que creem. A Igreja Católica não pode fazer concessões quanto ao entendimento dos mandamentos de seu Mestre e Senhor, Jesus Cristo, que veio ‘para que todos tenham vida e vida em abundância’. O esplendor da verdade que brilha em todas as obras do Criador, cintila especialmente no homem criado à imagem e semelhança de Deus.

Este princípio é inegociável e exige incondicional obediência de todos, especialmente dos que professam a sua fé em Cristo, o Salvador. É indispensável continuar a reflexão e a luta pela vida. Os critérios interpretativos usados para justificar votos que permitem a descriminalização de abortos de fetos anencefálicos precisam ser confrontados com os ensinamentos da Igreja Católica, propiciando o conhecimento e a argumentação de verdades fundamentais que não podem ser deformadas ou até negadas. Há um patrimônio moral que não pode ser desconhecido ou suplantado por certas concepções antropológicas e éticas, que desconectam a liberdade humana de sua relação essencial com a verdade. A comunidade cristã está convocada a continuar esta importante luta a favor da vida.

CONTRA O ABORTO: Vigília de Oração pela vida em frente ao STF

Para representar os 82% dos brasileiros contrários ao aborto no país, segundo dados da pesquisa divulgada pelo Vox Populi em 2010, católicos de Brasília promoverão uma Vigília de Oração em Defesa da Vida Nascente diante do Supremo Tribunal Federal (STF).  A iniciativa está marcada para o dia 10 de abril, véspera da votação sobre a descriminalização do aborto de fetos diagnosticados com anencefalia.

A vigília quer sensibilizar cada um dos onze ministros do STF que têm em mãos a arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF n. 54) cujo objeto é a possibilidade do aborto de bebês anencéfalos.

Organizada pelos movimentos Legislação e Vida, de São Paulo, e Pró-Vida e Família, de Brasília, a vigília terá início às 18h, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Além de orações, a ocasião contará com apresentações artísticas gratuitas do cantor Nael di Freitas e da cantora Elba Ramalho que, além de cantarem seus sucessos, conduzirão momentos de oração com o terço dos nascituros, que apresenta em cada conta representações de bebês no ventre de suas mães.

“Contamos com o apoio do arcebispo de Brasília, Dom Sérgio da Rocha e nossa inspiração é o exemplo do próprio Papa Bento XVI que, em 2010, começou a fazer vigílias no período do advento por toda vida nascente e pediu que toda Igreja também fizesse!”, conta o padre Pedro Stepien, da diocese de Luziânia (GO), membro do Movimento Pró-Vida e Família e responsável por uma casa de apoio a gestantes em sua diocese.

De acordo com padre Stepien, a ADPF-54 é uma estrategia sofisticada para legalizar o aborto no Brasil. “Depois serão as crianças com má formação, até chegar ao ponto que o aborto seja um ‘direito humano’, um verdadeiro absurdo. Pela liberdade de expressão e pela liberdade religiosa vamos nos manifestar, não podemos ficar omissos”, afirmou.

Leia mais
.: CNBB reafirma posição da Igreja sobre aborto

Semana Nacional da Vida se encerra hoje

semanaNacionalVida_270x260Hoje se encerra a Semana Nacional da Vida. Durante esses sete dias foi oferecido um tema em sintonia com a Campanha da Fraternidade deste ano: “vida, ecologia humana e meio ambiente”. A Comissão Episcopal para a Vida e a Família e a equipe da Pastoral Familiar da CNBB prepararam um subsídio distribuído nas comunidades em todo o Brasil fornecendo um memorial das semanas anteriores, além de sugerir encontros de reflexão sobre o tema e uma celebração que pode ser usada na preparação para o dia do nascituro, o domingo 8 de outubro.

Entre as afirmações que servem de orientação para a Semana, está uma expressão retirada da Exortação Apostólica Familiaris Consortio, do Beato João Paulo II, na qual se verifica que Família e Vida são os dois grandes pilares da Igreja “A Igreja é chamada a manifestar novamente a todos, com uma firme e mais clara convicção, a vontade de promover, com todos os meios, e de defender contra todas as insídias a vida humana, em qualquer condição e estado de desenvolvimento em que se encontre”.

Padre Rafael Fornasier, assessor nacional da Comissão, considera que o tema da Semana, de algum modo, prepara os cristãos para o iminente debate que deverá surgir no país com a retomada da discussão e votação que serão realizadas no Supremo Tribunal Federal sobre o aborto de crianças anencéfalas. “Há uma expectativa a respeito da análise do STF que vai fazer e que pode ser uma abertura para a legalização do aborto no Brasil”, adverte Padre Rafael. Segundo ele, poderá voltar o costumeiro embate entre a o conflito de direitos. “Não se nega o direito da mulher, mas que não seja em detrimento do direito da vida nascente”, lembra.  O assessor da CNBB frisa que por mais que seja uma vida curta – como ocorre com as crianças anenecéfalas – é sempre uma vida humana e a Igreja sempre defendeu sua inviolabilidade desde a concepção até o seu termo natural.

A Semana Nacional da Vida também responde aos apelos das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadoras da Igreja no Brasil aprovadas pela Assembléia anual da CNBB em maio deste ano quando destaca em sua quinta urgência, a promoção da vida. “Não falamos mais apenas em defesa, mas em promoção da vida”, esclarece Padre Rafael.

Aborto e Direito à Vida

Só a sociedade que condena o aborto valoriza verdadeiramente o Direito à Vida. A frase parece um mero jargão, mas possui significado profundo. Em um primeiro momento parece querer dizer o que salta aos olhos de qualquer leitor, que, sendo o embrião uma pessoa humana viva, a autorização de sua morte sem nenhuma conseqüência para o agente que a perpetra evidencia que a sociedade em questão não valoriza a vida.

Há, porém, um outro significado bem maior. Qualquer civilização ou cultura humana minimamente organizada atribui sanção ao homicídio e isso seria uma evidência de que tais sociedades valorizam a vida humana. Na realidade, entretanto, não é exatamente isso o que acontece.

O mínimo que um ser humano ainda que incipientemente são entende e crê é que deve proteger sua vida. Em uma situação de perigo defende-se, luta, busca prosseguir vivo. A sociedade e sua ordem jurídica avalizam esse direito de proteção consagrando as excludentes de ilicitude da legítima defesa e do estado de necessidade.

Mais do que isso, desde que a civilização humana organizou o Estado, o cidadão exige que a proteção de sua vida seja garantida por ele. Daí vem as exigências referentes à segurança pública, tão reivindicadas pelo homem do nosso tempo, ainda que o Estado tenha tanta dificuldade em garanti-la. Daí vem também a sanção imposta ao homicídio. Faz parte da garantia à defesa da minha vida que eu exija que o Estado puna aquele que contra ela atentar. O tipo penal do homicídio está no Código Penal para defender minha vida. Opera isso garantindo que quem contra ela atentar seja penalizado.

No caso do homicídio, portanto, a sanção imposta ao homicídio não decorre somente nem principalmente da valoração que a sociedade ou o Estado dão à vida em si, mas é fruto da exigência do cidadão de que o Estado o defenda. É também defesa à vida em geral, mas é, antes, a defesa da minha vida, que eu, cidadão consciente e ativo, exigi ser defendida. Não decorre tanto da valorização da vida em si, mas da capacidade dos cidadãos adultos de exigir e fazer exigir a defesa de seus direitos, a começar pela vida. Se não houver a sanção eu mudo os parlamentares pelo voto, eu me manifesto, organizo passeatas e, mesmo, derrubo o governo para colocar outro que defenda o que eu quero.

A lógica é a mesma para a garantia de inúmeros direitos. Direito à integridade física, à liberdade sexual (1), a uma administração pública transparente, direitos do consumidor, do trabalhador, direito à propriedade, à herança… De certa forma, a ordem jurídica protege a todos esses direitos, mas não porque a sociedade em si os valoriza, mas porque os impõe como defesa dos cidadãos que formam à sociedade. Ainda os direitos do idoso são assegurados pensando-se nos pais dos cidadãos, por quem tanto prezam, e para os cidadãos mesmo, quando chegarem à idade avançada. Os direitos da infância e da juventude, para a defesa dos filhos do cidadão e, de maneira mais ampla, de toda a sociedade. Mesmo os regramentos referentes ao meio-ambiente existem para a defesa, em última instância, da sociedade e do homem.

Quando se defende o direito à vida do embrião, independentemente do desejo de sua mãe, ou de qualquer outra pessoa, é diferente. Está se defendendo o direito à vida dele pelo direito à vida em si e não pela sua capacidade de o exigir. Com efeito, o embrião não vota, não se manifesta publicamente, sequer fala. Quando a legislação defende apenas o embrião cuja mãe o quer defender, novamente está apenas atendendo às postulações de um adulto que tem força e capacidade de exigir. Quando ela defende a vida do embrião independentemente do que desejem a gestante ou qualquer outra pessoa, defende a vida como valor em si, não pela sua capacidade de exigência, ou manifestação, não pelo quanto pode incomodar, não pelo seu voto nem pelo seu grito. Sua vida é defendida porque esse ordenamento jurídico entende que toda a vida é importante, independentemente da força de quem a porta.

Aí temos um critério, inclusive, para avaliarmos a maturidade de uma dada sociedade. Se não exige do Estado que defenda sempre a vida, toda a vida humana, é porque ainda não descobriu inteiramente o valor intrínseco da vida. Pode e deve ter chegado a um ponto mínimo de maturidade em que a vida do adulto, do cidadão forte e de quem ele queira proteger segundo seus interesses, sejam defendidas. Isso, porém, não é valorização da vida, é busca de paz social, de comodidade. Não é humanismo (nem “feminismo” nem “masculismo”), é individualismo. Um primeiro passo, talvez sim, mas certamente não ainda a maturidade humana plena.

E quando se permite matar seres humanos embrionários por questões de conveniência, ainda que sob um discurso de “bem-estar social” e, lamentável, “direito à vida digna”, como se pobreza ou mesmo indigência pudessem retirar a dignidade da vida (ou seja, quem pensa assim coloca a dignidade não na vida em si, mas nas condições econômicas, sociais e culturais que eventualmente possua), ou como se fosse preferível morrer a viver sem certo patamar social ou coisa semelhante, aí se tem algo escancaradamente pior do que o individualismo, tem-se o egoísmo puro e simples, e em grau elevadíssimo. A vida vale menos do que conveniência.

A sociedade que condena o aborto valoriza a vida por acreditar em seu valor intrínseco, natural. Hoje vivemos em um ordenamento jurídico que minimamente ainda defende assim o direito à vida. Não podemos permitir que se involua, que se retroceda ao tempo em que só vale o meu direito, o meu interesse, a minha vontade, o direito meramente individual. Mantenhamo-nos valorizando o humano, todo o ser humano, a vida, toda a vida humana.

Defender o aborto é retroceder ao tempo em que apenas os fortes possuíam direito. Condená-lo é defender a vida, dos fortes e dos fracos, daqueles que sabem se defender e daqueles que não o sabem, dos que tem força para exigir e dos que não a tem.

__________
(1) No Título VI da Parte Especial do Código Penal brasileiro, estão elencados os Crimes contra a Liberdade Sexual, a saber, estupro, atentado violento ao pudor, posse sexual mediante fraude e atentado ao pudor mediante fraude

Manoel Luiz Prates Guimarães,
Fundador da Comunidade Paz & Mel
Promotor de Justiça

Arquidiocese de BH realiza III Simpósio Pró-Vida

pro-vidabelohorizonte

Uma rica programação, formada por mesas redondas, com participação de especialistas, professores e intelectuais, está prevista para o 3º Simpósio Pró-Vida, promovido pela arquidiocese de Belo Horizonte (MG), que será realizado nos dias 9 e 10, na paróquia Nossa Senhora Rainha.

O Simpósio é organizado pelo Conselho Arquidiocesano Pró-Vida, formado por cristãos engajados em trabalhos que objetivam a preservação da vida, em todas as suas dimensões. O tema do encontro para este ano é Vivendo o Meio Ambiente. O evento é aberto a todos que quiserem participar e o valor da inscrição é R$ 10,00.

O telefone para outras informações é (31) 3469-2569.

Sim a vida: CNBB pede esforço para conquistar um Brasil sem aborto

“Juntos, unidos num só coração, esforcemo-nos pela conquista de um Brasil sem aborto, sob a proteção de Maria que deu seu Sim à vida”. Este foi o pedido da CNBB, em uma moção de apoio à Frente Parlamentar Mista contra o Aborto, divulgada nesta quinta-feira, 12, no penúltimo dia dos trabalhos da 49ª Assembleia Geral da CNBB.

Na nota, os bispos afirmam que todo o trabalho desenvolvido por esta Frente Parlamentar – composta por políticos brasileiros de vários credos e partidos – “é digno da nossa admiração e incentivo”.

Diante da grande luta em defesa da vida, a CNBB manifesta seu apoio integral “ao Projeto do Estatuto do Nascituro e a proposta de emenda à Constituição Federal (PEC), que implica a introdução no artigo 5º da seguinte frase: a inviolabilidade da vida desde a fecundação”.

“Reconhecemos o valor e os objetivos dos diversos projetos do governo a favor da vida no período da gestação e da primeira infância, desde que a criança seja respeitada a partir da fecundação, e esperamos que seus resultados sejam tão expressivos quanto aos que são obtidos pelo trabalho desenvolvido, há anos, pela Pastoral da Criança no Brasil e no exterior”, conclui a nota.

“Sempre há uma razão para viver”: um comovedor vídeo da Conferência Episcopal Espanhola (CEE)

A Conferência Episcopal Espanhola (CEE) apresentou ontem a Campanha pela Vida 2011 que tem como lema “Sempre há uma razão para viver” e para a qual lançaram um comovedor vídeo com quatro histórias paralelas que giram em torno da narração do gol de Andrés Iniesta com o qual a Espanha obteve o campeonato mundial de Futebol na África do Sul 2010.

O vídeo, que promove a celebração da Jornada pela Vida no próximo 25 de março, festividade da Encarnação do Senhor, dura dois minutos e meio. A história eixo do vídeo mostra um ancião doente que se encontra em um hospital junto do seu filho vendo a final do mundial da África do Sul 2010, concretamente a parte do gol com o que a Espanha superou a Holanda por 1 a 0, que emociona e alegra a ambos.

As outras três histórias mostram uma criança doente que recebe um presente de sua família e dos amigos; uma jovem em cadeira de rodas que dá uma rosa a outro jovem também em cadeira de rodas e com paralisia cerebral; enquanto que a terceira mostra uma avó que lê uma história para seus netos, um deles com Síndrome de Down.

A realização técnica do vídeo esteve aos cuidados da produtora “Dos cincuenta y nueve Films” e contou com a participação de atores voluntários que não são profissionais.

Os bispos também lançaram um website: http://www.siemprehayunarazonparavivir.com com o qual promoverão esta campanha pela vida onde pode-se ver o vídeo e uma série de materiais alusivos para promover direito fundamental das pessoas.

Para promover esta campanha também distribuíram nas dioceses espanholas exemplares dos materiais habituais: 15 000 pôsteres e 50 000 de cada um dos seguintes documentos: um folheto informativo, um subsídio litúrgico e a nota dos bispos.

A nota dos bispos da Subcomissão Episcopal de Família e Vida da CEE assinala que “a vida de cada ser humano é sagrada, é um bem e cuidar da vida um dever. Entretanto, existe na atualidade uma escuridão que leva a não apreciar a grandeza e beleza de cada vida humana amada eternamente por Deus”.

Veja o comovedor vídeo dos bispos espanhóis:

Fonte Diário Católico/Madri, (ACI/EWTN Noticias)

Imagem Internet