Brasil tem novos santos. Confira:

Vaticano, 15 Out. 17 / 07:36 am (ACI).- O Papa Francisco canonizou neste domingo, 15 de outubro, na Praça de São Pedro do Vaticano, os protomártires do Brasil André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e 27 companheiros, junto a outros 5 beatos.

Após escutar o Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos , Cardeal Angelo Amato, para que os 35 beatos fossem inscritos no livro dos santos, procedeu-se a leitura de suas biografias e a recitação da ladainha dos santos.

Em seguida, diante de uma Praça de São Pedro repleta de milhares de peregrinos e enfeitada com estandartes dos novos santos, o Pontífice leu a seguinte fórmula de canonização:

Santos Católicos
Estes serão os primeiros mártires nascidos no Brasil a serem canonizados.

“Em honra da Santíssima Trindade, para exaltação da fé católica e incremento da vida cristã, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e a nossa, depois de termos longamente refletido, implorado várias vezes o auxílio divino e ouvido o parecer de muitos Irmãos nossos no Episcopado, declaramos e definimos como Santos os Beatos: André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e seus 27 companheiros, Cristóvão, Antônio e João, Faustino Miguez, Angelo D’Acri, e inscrevemo-los no Catálogo dos Santos, estabelecendo que, em toda a Igreja, sejam devotamente honrados entre os Santos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

Convidados ao banquete do Reino 

Posteriormente, durante a sua homilia, o Papa Francisco comparou a relação da Igreja com Deus com a dos esposos. “Nosso relacionamento com Ele não se pode limitar ao dos devotados súbditos com o rei, ao dos servos fiéis com o patrão ou ao dos alunos diligentes com o mestre, mas é, antes de tudo, o relacionamento da noiva amada com o noivo”.

“O Senhor deseja-nos, procura-nos e convida-nos, e não se contenta com o nosso bom cumprimento dos deveres e a observância das suas leis, mas quer uma verdadeira e própria comunhão de vida conosco, uma relação feita de diálogo, confiança e perdão”, afirmou.

O Papa destacou que a vida cristã é “uma história de amor com Deus”. Nela, “quem toma gratuitamente a iniciativa é o Senhor e nenhum de nós pode gloriar-se de ter a exclusividade do convite: ninguém é privilegiado relativamente aos outros, mas cada um é privilegiado diante de Deus”.

É desse “amor gratuito, terno e privilegiado” que “nasce e renasce incessantemente a vida cristã”. O Santo Padre convidou a conservar esse amor, por que “se se perde de vista o amor, a vida cristã torna-se estéril, torna-se um corpo sem alma, uma moral impossível, um conjunto de princípios e leis a respeitar sem um porquê”.

Uma das consequências de perder a consciência do amor de Deus é a rotina, o cair em “uma vida cristã rotineira, onde nos contentamos com a ‘normalidade’, sem zelo nem entusiasmo e com a memória curta”.

A partir do Evangelho do dia, no qual se conta a parábola do esposo que convida para seu casamento os seus amigos e familiares, mas muitos recusaram o convite, o Pontífice adverte sobre o perigo de dar as costas ao amor, de rechaçar o convite do esposo, o convite de Jesus Cristo.

Os convidados que recusaram o fizeram porque estavam ocupados com suas terras, seus negócios. Francisco destacou a palavra “seu”. “É a chave para entender o motivo da recusa”.

“De fato, os convidados não pensavam que as núpcias fossem tristes ou chatas, mas simplesmente ‘não se importaram’: viviam distraídos com os seus interesses, preferiam ter qualquer coisa em vez de se comprometer, como o amor exige”.

É uma atitude egoísta a que leva se afastar do amor, “não por malvadez, mas porque se prefere o seu: as seguranças, a autoafirmação, as comodidades… Então reclinamo-nos nas poltronas dos lucros, dos prazeres, de qualquer passatempo que nos faça estar um pouco alegres”.

“Mas deste modo envelhece-se depressa e mal, porque se envelhece dentro: quando o coração não se dilata, fecha-se. E quando tudo fica dependente do próprio eu – daquilo com que concordo, daquilo que me serve, daquilo que pretendo –, tornamo-nos rígidos e maus”.

Diante dessa recusa, frente a essa humilhação daqueles que foram distinguidos com o convite, o esposo segue convidando, mas desta vez, todos aqueles que estavam nos caminhos. “Às injustiças sofridas, Deus responde com um amor maior”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s