Links e mais links para seu final de semana prologado

Bento XVI dá a dica: o que precisa um homem para ter o coração puro? 

Pode isso Arnaldo? Quatro pais disputam a guarda de uma criança. 

Saiu o hino da JMJ 2016. Ouça aqui.

Documento para download. O caminho para perfeição de Santa Tereza de Jesus. 

Papa Francisco: morder a língua antes de falar dos outros

Papa Francisco: não deixar celebrar casamento com missa é

Anúncios

Um ensinamento que Jesus nos deixou e nós ignoramos

Você tem vários caminhos. Eles podem te levar ao mesmo destino, mas a escolha é sua.
Você tem vários caminhos. Eles podem te levar ao mesmo destino, mas a escolha é sua.

Esta semana comecei a refletir sobre muitas coisas. Umas delas envolvia essa história de estado laico e também comportamentos sociais contemporâneos. Muito se fala. Muito se opina. E muitos tem a verdade encrustada em suas pronuncias. Ao menos pensam que tem. Mas o que isso tem há ver com os ensinamentos de Jesus? Tudo, meu caro padawan.

Comecemos pelo ensinamento que ignoramos: o livre arbítrio.

– Mas esse ensinamento é conhecido de todos. Deus nos deu. Como pode ter sido ensinado por Jesus?

– Explico.

O livre arbítrio nos foi dado por Deus desde nossa concepção. Se assim não fosse, não haveria fruto proibido no Jardim do Éden. Mas essa é outra história, um tanto quanto complicada. O que quero dizer é que temos nossas escolhas. Optamos por entrar ou não para o Reino de Deus, para a permanência do Pai, embora Ele queira todos consigo. Mas, ainda sim, podemos escolher.

Jesus nos ensinou muito sobre o livre arbítrio, pois ele mesmo pode escolher em obedecer ao Pai ou não. Em sua oração ele pediu que fosse afastado dele o cálice. Depois, em plena convicção e comunhão com o Pai disse: “Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres”. (Mt 26, 39). A vontade de Deus é que importa para Cristo. Ele nos ensina a obediência, o amor.

easter_front1

– Mas nós podemos fazer o outro obedecer a força?

Essa é a questão. O livre arbítrio dado por Deus a nós nos impede de impormos qualquer coisa, pensamento ou atitude sobre o outro. A escolha é dele. Ele aceita ou não. Jesus nos ensinou o respeito a isso. Ele optou pela morte de cruz para nos salvar. Salvar até mesmo seu algozes.

A Bíblia não é uma arma.
A Bíblia não é uma arma.

Mais adiante, no mesmo evangelho, ele pede que evangelizemos todas as criaturas. Todos os homens. O que vejo hoje é que modificamos o conceito de evangelizar para “forçar a conversão”. Isso não deve acontecer. Por isso enfrentamos esse combate monstruoso aos valores cristãos. Lógico que há ação do encardido também no meio disso. Contudo, nossa confusão nos leva ao caos evangelístico. A crença de que se o estado não for laico ou os comportamentos modernos existirem o mundo acaba. Lembre-se, que é você, com tudo que ouviu e aprendeu de Jesus que escolhe seu caminho.

Continuar lendo “Um ensinamento que Jesus nos deixou e nós ignoramos”

Bispo vai fazer oração de exorcismo diante da aprovação do “matrimônio” gay nos EUA

Dom Thomas Paprocki (foto Facebook diocese de Springfield)
Dom Thomas Paprocki (foto Facebook diocese de Springfield)

(ACI/EWTN Noticias).- Sacerdotes, religiosos e leigos participarão nesta quarta-feira 20 de novembro na oração de súplica e exorcismo presidida pelo Bispo de Springfield, Illinois (Estados Unidos), Dom Thomas Paprocki, como ato de reparação pela aprovação do “matrimônio” gay que o Governador desse estado, Patt Quinn, assinará nesse mesmo dia.

A Catedral da Imaculada Conceição em Illinois será cenário destas oraçõesque, conforme indica os Apêndices da Edição Latina de 2004 do Ritual de Exorcismos, podem ser utilizadas se um Bispo diocesano o “considera conveniente” em “circunstâncias especiais da Igreja”.

Estas circunstâncias especiais se dão, assinala o comunicado, porque “a presença do diabo e outros demônios se manifesta não só quando tenta ou atormenta as pessoas, mas também pela intervenção de sua ação nas coisas e lugares, de alguma forma, assim como pelas diversas formas de oposição e perseguição contra a Igreja”.

Dom Paprocki cuja diocese está conformada por 130 paróquias em 28 condados, assinalou através de um comunicado emitido na quinta-feira 14 de novembro que “o contexto para esta oração pode entender-se recordando as palavras do Papa Francisco quando teve que enfrentar uma situação parecida, como Arcebispo de Buenos Aires, (Argentina) em 2010”.

Nessa oportunidade o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio exortou a que “não sejamos ingênuos: não se trata de uma simples luta política; é a pretensão destrutiva ao plano de Deus. Não se trata de um mero projeto legislativo (este é só o instrumento) mas sim de uma armação do Pai da Mentira que pretende confundir e enganar os filhos de Deus”.

O Prelado norte-americano explicou que as palavras do Cardeal Bergoglio fazem referência ao Evangelho de São João 8, 44, onde Jesus se refere ao demônio como “mentiroso e pai da mentira”. Do mesmo modo, o Papa Francisco diz que “o matrimônio do mesmo sexo vem do demônio e como tal deve ser condenado”.

Dom Paprocki, enfatizou que “devemos orar para livrar-nos deste demônio que entrou no nosso estado e na nossa Igreja”, e indicou que “todos os políticos têm agora a obrigação moral de trabalhar para repelir esta legislação perversa e questionável”.

O Bispo de Springfield também ressaltou que o Santo Padre fala do amor recordando “a expressão profunda da misericórdia de Deus que sussurrou Jesus enquanto expirava na Cruz para nos salvar dos nossos pecados: ‘Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem’ (Lc 23, 34)”.

A respeito disso, a Conferência Episcopal de Illinois -a qual também pertence o Bispo de Peoria, Dom Daniel Jenky, que em abril de 2012 disse que a Igreja Católica sobreviveu ao nazismo e sobreviverá a Obama- emitiu no último dia 5 de novembro um comunicado expressando estar “profundamente decepcionada de que os membros da Assembleia Geral tenham eleito redefinir o que está fora de sua autoridade: uma instituição natural como o matrimônio”.

Ressaltou também a sua preocupação “pelas ameaças, totalmente reais, contra a liberdade religiosa que estão em jogo com a aprovação deste projeto de lei”.

Comissão de Direitos Humanos da Câmara aprova projeto que permite templo vetar gay

FOLHA DE SÃO PAULO | Sob o comando do deputado Marco Feliciano (PSC-SP), a Comissão de Direitos Humanos da Câmara aprovou nesta quarta-feira (16) projeto de lei que livra os templos religiosos, padres e pastores de serem enquadrados na lei de discriminação se vetarem a presença e participação de pessoas “em desacordo com suas crenças”.

Na prática, a proposta quer evitar que os religiosos sejam criminalizados caso se recusem a realizar casamentos homossexuais, batizados ou outras cerimônias de filhos de casais gays ou mesmo aceitar a presença dessas pessoas em templos religiosos.

Autor do projeto, o deputado Washington Reis (PMDB-RJ) propõe alterar uma lei de 1989 que define como crime praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Essa norma estabelece prisão de um a três anos para tais situações.

Segundo parlamentares, essa lei é utilizada atualmente por homossexuais que se sentem discriminados. A criação de uma lei específica contra a discriminação de gays sofre resistência no Congresso.

“Deve-se a devida atenção ao fato da prática homossexual ser descrita em muitas doutrinas religiosas como uma conduta em desacordo com suas crenças. Em razão disso, deve-se assistir a tais organizações religiosas o direito de liberdade de manifestação”, afirmou Reis.

A posição foi reforçada pelo relatório do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). “O alcance da lei, antes voltado mais à questão racial, tem sido ampliado, tendendo a estender proteção também à prática homossexual. Assim, [a proposta] esclarece melhor o alcance da referida norma ao diferenciar discriminação de liberdade de crença”, disse ele.

“As organizações religiosas têm reconhecido direito de definir regras próprias de funcionamento e inclusive elencar condutas morais e sociais que devem ser seguidas por seus membros”, completou Bolsonaro.

O texto, que foi aprovado pela comissão formada majoritariamente por evangélicos, segue para votação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.

Para quem não entendeu o Papa sobre os homossexuais: a orientação homossexual não é pecado, mas os atos, sim.

Em recente entrevista, ainda dentro do avião rumo a Itália, o Papa Francisco fez uma declaração que muitos, muitos mesmos, vão distorce-la. Ele afirmou ao G1 que: “se uma pessoa é gay e procura Deus e a boa vontade divina, quem sou eu para julgá-la?”, disse. No entanto a leitura em recortes pode levar a entender tudo errado. Leia o trecho da entrevista e observe as frases marcadas em negrito.

Conversando com jornalistas a bordo do avião que o levou do Rio a Roma após a Jornada Mundial da Juventude, Francisco também afirmou que, segundo o Catecismo da Igreja Católica, a orientação homossexual não é pecado, mas os atos, sim.

“Se uma pessoa é gay e procura Deus e a boa vontade divina, quem sou eu para julgá-la?”, disse.

“O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem”, disse. “Ele diz que eles não devem ser marginalizados por causa disso, mas que devem ser integrados à sociedade.”

“O problema não é ter essa orientação. Devemos ser irmãos. O problema é fazer lobby por essa orientação, ou lobbies de pessoas invejosas, lobbies políticos, lobbies macônicos, tantos lobbies. Esse é o pior problema”, disse.

O Papa confirma as orientações do Catecismo da Igreja e nos mostra como devemos agir diante de irmãos que possuem essa orientação sexual. Acolher é a palavra chave. Deixá-lo manter no pecado não é nossa função.

Olha o que o catecismo da Igreja diz:

Quais os principais pecados contra a castidade?   ( 2351 – 2359 ; 2396)

São pecados gravemente contrários à castidade, cada um segundo a natureza do objecto: o adultério, a masturbação, a fornicação, a pornografia, a prostituição, o estupro, os atos homossexuais. Estes pecados são expressão do vício da luxúria. Cometidos contra os menores, são atentados ainda mais graves contra a sua integridade física e moral.

Oremeos muito. Manifestantes da marcha das vadias destroem imagens e crucifixos durante a JMJ

Apenas algumas palavras sobre isso. A primeira é que devemos orar muito. A segunda:

CP – Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940

Art. 208 – Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso:

Pena – detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Parágrafo único – Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

Cartaz com bebê na Itália: Não quero ser o brinquedo adotável de um casal gay

(ACI/EWTN Noticias).- Um cartaz com o rosto de um bebê acompanhado de mensagens como “não quero ser o brinquedo adotável de um casal gay” chamou a atenção de muitos em Bergamo, Itália, por conter mensagens contrárias à adoção homossexual.

O cartaz apresentado pela Associação Italiana de Ciência e Vida para o Futuro do Homem, no marco das atividades que se realizam na Itália comemorando a 35ª Jornada Nacional pela Vida em 3 de fevereiro, continha frases que para alguns causou polêmica.

No cartaz se lia “Eu não sou um direito. Quero um pai homem e uma mãe mulherppumana060213. Não quero ser o brinquedo adotável de um casal gay. Não quero ser o produto de uma fecundação artificial e nascer de hormônios supérfluos, tenho o direito de nascer de uma relação natural de amor entre um homem e uma mulher”.

O presidente da Associação em Bergamo, o doutor Giambattista Guizzetti, em diálogo telefônico com o grupo ACI em 6 de fevereiro, advertiu que o cartaz não é parte de uma campanha “contra os homossexuais, o que fazemos é uma promoção do que significa adotar uma criança em uma família”.

A Associação é reconhecida por seu árduo trabalho em proteger a figura do ser humano em todas as etapas de sua vida, protege seus direitos naturais que são princípios não negociáveis do homem em todo aspecto.

“Queremos formar a consciência de que a criança tem o direito a estar em um lugar onde exista um casal formado por um pai e uma mãe” afirmou e assinalou que o cartaz foi feito só para a jornada com o objetivo de alentar “a mensagem que a criança nasce dentro de uma família formada por um pai e uma mãe”.

Guizzetti comentou que “as pessoas que viram e leram este cartaz, são pessoas que reagiram positivamente, que estão a favor da vida e contra este tipo de adoções”.

O doutor disse que embora na Itália não esteja legalizado nem o “matrimônio” homossexual nem as adoções pelos casais do mesmo sexo, existem projetos impulsionados por alguns grupos que buscam a sua legalização, portanto é importante “divulgar e conscientizar sobre os direitos naturais do ser humano”.

A Jornada Nacional pela Vida é uma atividade promovida pelos Bispos da Itália que se celebra todos os anos. Centenas de voluntários, movimentos e associações da Itália se unem para promover em sua diocese a defesa da vida e lutar contra o aborto.

Este ano os Bispos em sua mensagem pela jornada chamada “Gera a vida, vence a crise” assinalaram que sustentar a vida implica uma série de ações de solidariedade, e que a comunidade deve ser protagonista de uma ação que alente a todas as pessoas e famílias a não terem medo pela chegada de uma criança.

Um mar de gente em Paris para dizer não ao “casamento gay”

Blog Fratres in Unum.com – Um domingo histórico para o ocidente, cujas raízes cristãs são cada vez mais renegadas pelos filhos da Igreja e cruelmente atacadas pelo laicismo maçônico.

Reeditando as manifestações da metade de novembro passado, então minimizadas pelo governo socialista de François Hollande, cidadãos de bem se reuniram na capital francesa para dizer um rotundo não ao projeto intitulado “Mariage pour tous” [“Casamento para todos”], que pretende instituir o “casamento” entre duplas homossexuais, sancionando a elas a faculdade de adotar crianças.

Paris, 13 de janeiro de 2013: um mar de gente diz não ao casamento gay.

“Manif pour tous” [“Manifestação para todos”, um trocadilho com o nome do projeto de lei], a maior das mobilizações, partiu de três pontos da cidade sob a liderança da humorista Frigide Barjot. Declarando-se apolítica e independente, congregou pessoas das mais variadas correntes e afiliações, com o apoio da hierarquia da Igreja francesa — o Cardeal Arcebispo de Paris, Dom André Vingt Trois, manifestou seu apoio às lideranças, enquanto o Cardeal Primaz, Philippe Barbarin, caminhou com o povo.

Os manifestantes exigiam do governo Hollande a realização de um referendo sobre o tema, antes de sua discussão no congresso. O apoio ao casamento gay na França caiu cerca de 10 pontos percentuais desde que opositores começaram a se mobilizar, chegando aos 55%. E, de acordo com pesquisas, menos da metade dos entrevistados aprovavam a adoção de crianças por homossexuais.

A declaração final do “Manif pour tous” solicitou ao presidente francês que recebesse os líderes do movimento nesta segunda-feira, lançando um questionamento ao mandatário do país da igualdade: “O « mariage pour tous » é a inserção em nosso direito de uma discriminação fundamental entre os seres humanos: aqueles que nascerão de um pai e de uma mãe, aqueles que serão legalmente “nascidos” de dois pais e aqueles que serão legalmente “nascidos” de duas mães. Será o senhor, Presidente da República, quem abolirá a igualdade de nascimento entre as crianças?”

Exclusivamente católico.

Instituto Civitas: mulher reza o terço antes do início da manifestação. No chão, o cartaz: "A família é sagrada!".

Instituto Civitas: mulher reza o terço antes da manifestação. No chão, o cartaz: “A família é sagrada!”.

Um quarto cortejo foi formado pelo Instituto Civitas, que preferiu organizar uma mobilização especificamente católica partindo de outro ponto da cidade, distanciando-se, assim, do que o superior distrital da Fraternidade São Pio X, Pe. Regis de Cacqueray, qualificou de “ateísmo de fato em nome do consenso e da busca pelo número“ da manifestação liderada por Barjot.

“Esta neutralidade que coloca Nosso Senhor Jesus Cristo de lado sempre foi condenada pelos Papas”, afirmou o superior, acrescentando ser necessário dizer abertamente: “a pederastia é um pecado grave, uma transgressão à lei natural, condenada nos termos mais severos pelo livro do Levítico, assim como por São Paulo. Consequentemente, a celebração da união de duas pessoas do mesmo sexo pelo casamento constitui um verdadeiro contra-senso e uma abjeção”, que tornaria a sociedade um “verdadeiro inferno”.

Governo não voltará atrás, apesar de manifestação ‘consistente’.

Todos os grupos se encontraram, no meio da tarde, na esplanada do  Champ-de-Mars, uma das maiores áreas verdes de Paris localizada nos arredores da Torre Eiffel.

A Ministra da Justiça francesa, Christiane Taubira, idealizadora do projeto, veta o referendo.

A Ministra da Justiça francesa, Christiane Taubira, idealizadora do projeto, veta o referendo.

De acordo com Le Monde, “independente da amplitude da manifestação, o presidente François Hollande teria deixado claro que o projeto irá ‘a seu termo’. O texto que introduz esta reforma foi apresentado em 7 de novembro ao conselho dos ministros. Ele deve ser submetido à Assembléia Nacional no fim de janeiro. ‘A manifestação, se acreditarmos nas imagens e nas cifras que devem ser confirmadas, é consistente e exprime uma sensibilidade que deve ser respeitada, mas não modifica a vontade do governo de lançar um debate no Parlamento para permitir a votação da lei’, declarou [em nota] o Palácio de Elysée antes da divulgação do número de participantes”. 

Debate a ser lançado apenas na Assembléia, onde a vitória é mais provável. Para a ministra da justiça, Christiane Taubira, toda idéia de consulta à população está descartada e seria “inconstitucional”. A meta do governo é aprovar o projeto até junho deste ano.

Um mar — tranquilo — de gente.

Um ambiente ordeiro e familiar, de jovens a idosos, residentes na capital francesa ou provenientes do interior — foram cinco trens de alta velocidade, 900 ônibus e inúmeros comboios de carros. Segundo as autoridades policiais, 340 mil pessoas, das quais 8 mil no cortejo organizado pelo Instituto Civitas, estiveram presentes na manifestação.

A organização, todavia, que inicialmente declarou haver 500 mil pessoas, refez as contas no início da noite e confirmou a presença de 1 milhão de pessoas. De sua parte, o Instituto Civitas contabilizou em suas fileiras cerca de 50 mil pessoas. O Padre Phillippe Laguerie, do Instituto do Bom Pastor, fala em 1 milhão e meio de pessoas ao todo. Alguns policiais afirmaram ao sacerdote: “Mesmo no Ano Novo, nos Champs Elysée, nunca vimos isso”. Ao padre, a conclusão é evidente: “Taubira, fora. Ela e seu projeto do diabo”.

Inquestionavelmente, a maior manifestação ocorrida na França nos últimos 30 anos, como definiu o Le Figaro. Em dezembro, os partidários do casamento gay também marcharam pelas ruas de Paris: 60 mil pessoas, segundo a polícia, e 150 mil, segundo os organizadores.

Lição aos católicos.

O evento de hoje é uma clara lição à hierarquia católica de como suas palavras podem mobilizar as pessoas. Se o empenho de nossos pastores em participar de comissões, organizar planos pastorais e outras burocracias eclesiásticas, fosse canalizado à defesa dos valores morais e da Fé, as coisas seriam muito, muito diferentes.

Líder pró-família espanhol Ignacio Arsuaga afirma: “Não chamarei de matrimônio aquilo que não é”

Ignacio Arsuaga

(ACI/EWTN Noticias).- O presidente do grupo pró-vida HazteOír, Ignacio Arsuaga, assegurou que apesar da recente sentença do Tribunal Constitucional (TC) da Espanha que permite o mal chamado “matrimônio” gay, “não chamarei de matrimônio aquilo que não é”.

Em uma carta dirigida aos mais de 300,000 membros do grupo espanhol defensor da família, Arsuaga assinalou que “o Tribunal Constitucional diz que a união de dois homens ou duas mulheres é um matrimônio. Eu sei que não é assim”.

“O matrimônio e as uniões homossexuais são realidades distintas e, portanto, não podem ser regulamentadas da mesma forma”, assegurou.

Arsuaga advertiu em sua missiva que “se o matrimônio se desnaturalizar, se qualquer outra realidade for um matrimônio, então, a família, que é o refúgio mais seguro da liberdade e do amor, corre um sério perigo”.

“Se as crianças perderem o direito a ter um pai e uma mãe, então, nossos legisladores os estão usando como cobaias em um irresponsável experimento de engenharia social”, denunciou.

O presidente do HazteOír advertiu que o TC também aprovou que casais do mesmo sexo possam adotar crianças, por isso estes “já não têm direito a um pai e uma mãe”.

“Nego-me a aceitar que sejam feitas experiências com as crianças”, disse.

Por sua parte, Álvaro Zululeta, em representação do HazteOír e do Congresso Mundial de Famílias (WCF), apresentou-se na sede das Nações Unidas em Genebra (Suíça), na sala em que se realizam as reuniões plenárias do Conselho de Direitos Humanos, e denunciou ao Tribunal Constitucional espanhol por recortar os direitos e liberdades individuais, ao legalizar o “matrimônio” gay.

Zululeta assinalou que o respeito devido aos direitos das pessoas com atração ao mesmo sexo (AMS) não deve levar a restringir ou violentar a liberdade de quem não compartilha esta redefinição da instituição matrimonial, afastada da realidade.

A equiparação do matrimônio a outras uniões é um atentado direto contra a família, sublinhou.

Zululeta indicou que a resolução do TC viola o direito à objeção de consciência, ao impor sanções, incluídas expulsões e multas, a quem não acate a imposição da ideologia gay.

O TC também violenta a liberdade educativa, pois os menores serão doutrinados desde pequenos na nova “ortodoxia homossexual”, tirando dos pais o direito de ser os primeiros educadores de seus filhos, denunciou.

A liberdade de expressão e religiosa também se encontram ameaçadas penalmente, assinalou, pois quem não aceite as uniões homossexuais como equivalentes ao matrimônio natural será acusado de discriminação, e poderá ser denunciado, como ocorreu com o Bispo de Alcalá de Henares, Dom Juan Antonio Reig Plà.

Zululeta remarcou que a sentença do TC a favor dos “matrimônios” homossexuais agravará a crise social que a Espanha sofre atualmente, ao minar a natureza da instituição fundamental da família.

Os recortes de liberdades, assinalou, só favorecem aos interesses de um grupo de pressão minoritário, que com tais imposições demonstra sua intolerância.

Ignacio Arsuaga sublinhou que equiparar o matrimônio às uniões homossexuais seria dizer que “a contribuição do matrimônio e da família ao bem-estar e à prosperidade da sociedade terão o mesmo valor que a de outras realidades que não contribuem o mesmo”.

“É injusto que as leis reconheçam e regulem da mesma forma realidades que são diferentes”.

Por isso, Arsuaga anunciou o lançamento da campanha “Eu não o chamarei matrimônio”, que tem como objetivo enviar petições ao presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, pedindo-lhe “que recupere o matrimônio no Código Civil”.

“As palavras importam. Respeitar a natureza das coisas e seu significado é transcendental, quando falamos de leis”, indicou.

Esta carta, explicou o presidente do HazteOír, é também um pedido a Rajoy para que seja consequente com o recurso de inconstitucionalidade apresentado pelo Partido Popular em 2005 contra o “matrimônio” gay, que foi recentemente desprezado pelo TC.

A falsa denúncia de homofobia no “Fantástico” demonstra por que a tal lei anti-homofobia não pode ser aprovada. Ou: O tiro no pé da militância gay

Veja essa matéria do blog Reinaldo Azevedo falando sobre a lei da homofobia e sobre a denuncia feita pelo Fantástico na noite de domingo, 22/04. Muito interessante as colocações dele.

É valido lembar que qualquer tipo de exclusão deve ser banida de nossa sociedade e de nosso caráter, mas também é justo que qualquer ser defenda seu ponto de vista, sua opinião. Ser contra o comportamento homossexual é uma coisa e discriminar o homoafetivo é contra os princípios de Deus. A opinião de Reinaldo Azevedo sobre a lei que tramita em Brasília, referente a homofobia, é muito boa e principalmente sobre o jornalismo praticado pelo Fantástico, que já bateu o martelo: o professor foi mandado embora por discriminação.

Confiram na integra a matéria:

A falsa denúncia de homofobia no “Fantástico” demonstra por que a tal lei anti-homofobia não pode ser aprovada. Ou: O tiro no pé da militância gay

O “Fantástico” levou ontem ao ar uma reportagem preconceituosa. Sim, é o “preconceito a favor”. A questão é saber se o “preconceito a favor de uma causa” provoca ou não danos a terceiros. A dúvida é meramente retórica porque a resposta é óbvia. O vídeo com a reportagem está aqui. Eu a reproduzo abaixo (em vermelho). Leiam com atenção. Volto em seguida.

Dois domingos atrás, o Fantástico foi a Santos conhecer um curso que se destina a formar drag queens. Durante a gravação, um aluno se destacou e, quando voltou ao trabalho, o aprendiz de drag teve uma surpresa. E não foi nada agradável. Foi Ailton aparecer no Fantástico na semana passada. “Sou psicólogo, administrador, professor da área de logística e quase drag.”, disse ele na reportagem. No dia seguinte, tudo mudou. “Um dos meus chefes simplesmente chegou para mim e disse que não era condizente com ele, que aquilo não era bom para empresa, não era bom para a imagem”, conta o professor.

A reportagem era sobre um curso de drag queen, e Ailton era um dos alunos. Ele andou de salto alto, dançou, cantou. Ele era professor de logística em uma escola, no centro de São Vicente, litoral de São Paulo. Ficou dois anos e meio no emprego. Na segunda-feira depois da reportagem, recebeu o aviso do chefe, antes mesmo de chegar ao trabalho. “Ele falou abertamente: ‘você está demitido’”, diz conta. A carta de demissão diz que Ailton foi despedido “sem justa causa”, mas ele acha que o motivo está claro. “Sofri um ato homofóbico”, desabafa.

Por isso, o professor registrou um boletim de ocorrência por “injúria”. Contou à polícia que o patrão disse que ele era uma “mancha para sua empresa”. Ailton ficou apenas com o segundo emprego, em uma entidade que oferece cursos profissionalizantes de graça. O professor é homossexual assumido e alega que o agora ex-chefe sabia disso. “Eu não imaginava que fosse gerar essa polêmica toda”, se emociona Ailton.

Procuramos o dono da empresa. Ele conversou com nossa equipe, mas não quis gravar entrevista. Em uma nota, o advogado da escola contesta a versão de Ailton. Afirma que a empresa está “indignada com as inverdades mencionadas e que tomará medidas judiciais para proteger sua honra”. O ex-patrão de Ailton negou qualquer tipo de preconceito, disse que já vinha pensando em demitir o ex-funcionário, porque o rendimento dele estava caindo e que Ailton também estava faltando. Ele achou melhor fazer o desligamento, depois que Ailton não apareceu na escola durante dois dias, porque estava participando do curso de drag queen.

Repórter: Você faltava?
Ailton: O único dia que eu faltei, foi exatamente no Sábado de Aleluia. Na quinta-feira, eu havia deixado uma atividade.

Para a presidente da Comissão Nacional de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil, demitir por causa de duas faltas é exagero. “Não houve nenhuma advertência e simplesmente a demissão? Dois dias de falta não ensejam a demissão desta forma como foi feito. Acho que isso fica evidenciado, que foi uma demissão causada por homofobia.”, afirma Maria Berenice Dias.  Chateados, os colegas do curso de drag queen mandaram recados para o ex-patrão de Ailton.

“Agora você deveria conversar com o Ailton e trazer ele de volta. Faz isso que eu to te pedindo. Chama ele de volta que eu acho que vai ser melhor pra todo mundo.”
“Eu aproveitaria o marketing que o Ailton teve, colocaria ele montado de drag na frente da loja. Eu garanto que ia ter muito mais público. Pensa nisso. Contrata ele agora como drag!”, sugere Zé Carlos Gomes, coordenador do curso .

Segundo a representante da OAB, Ailton pode pedir indenização por danos morais. Mas ele não se decidiu. “Eu não sei te dizer até que ponto a indenização é interessante. Eu só sei de uma coisa: preconceito não pode existir.”

Voltei
Se a tal lei tivesse sido aprovada, a chance de o ex-patrão de Ailton ir para a cadeia seria enorme. Dispensa “por homofobia” rende pena de 2 a 5 anos de reclusão. Caso o empregador seja acusado de não contratar alguém pela mesma a razão, a coisa é ainda pior: pena de três a cinco anos. No caso em questão, a lei nem existe, mas a sentença já está dada: pela reportagem do Fantástico — não há como negar — e pela representante da OAB, todos convertidos em juízes.

Aílton não tem dúvida de que foi vítima de homofobia, claro!, embora, vejam que fantástico (!), ele seja homossexual assumido e seu patrão soubesse disso. Assim, devemos entender que seu patrão “homofóbico” contratou um homossexual assumido. Entenderam???

Muito bem! Aílton diz que faltou ao emprego num dia e deixou de “cumprir uma atividade em outro”… Mas, se ele é gay e aparece na televisão se comportando como uma drag queen, é claro que só isso pode ter decidido a sua demissão. Temos, então, que um gay não poderá mais ser dispensado por incompetência, negligência, sei lá o quê. Será sempre homofobia. Fosse ele hétero e tivesse aparecido na TV como aluno de um curso para machões, aí não haveria como alegar preconceito.

Reitero: a lei nem foi aprovada, e já há gente sendo demonizada na televisão. Ademais, pergunto: uma escola — estou falando de “escola”, não de uma empresa da área de entretenimento — tem o direito de não querer uma drag queem como professora caso considere que isso a prejudica na disputa pelo mercado? Uma pré-escola pode decidir não contratar a Tia Swellen Wonderful — que, na verdade, é o Tio João Evangelista de Souza —porque isso deixaria as crianças um pouco confusas? Segundo a lei que querme aprovar, não! Cadeia!

Essa é a mesma lei que poderia mandar para a cadeia um padre ou pastor que coibisse a expressão da “homoafetividade” dentro de uma igreja. Atenção! Se um líder religioso desse um pito num casal hétero que estivesse trocando um beijo de língua dentro do templo, a lei o protegeria. Afinal, nos seus domínios, cabe-lhe impor o padrão moral de sua crença. Caso fizesse o mesmo com parceiros gays, poderia ficar cinco anos trancafiado. E olhem que nem seria preciso dizer palavras duras: caso os parceiros gays se sentissem psicologicamente constrangidos — uma coisa, assim, subjetiva… —, já haveria motivos para a acusação de homofobia. O texto trata até do “constrangimento filosófico”, seja lá o que isso signifique.

O que quer essa gente? Que os empregadores comecem a ficar com receio de contratar gays, já que podem estar se expondo a uma futura acusação de homofobia?

Por Reinaldo Azevedo