Respondendo ao apelo do papa Francisco para toda Igreja, a Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano, promove nos dias 04 e 05 de março, as “24 horas para o Senhor”.

No Vale Aço (Ipatinga, Timóteo e Cel. Fabriciano-MG), a iniciativa ocorrerá em dois locais. A co-catedral e igreja Matriz de São Sebastião, no Centro de Fabriciano-MG e também o Santuário do Senhor do Bonfim, no bairro Cidade Nobre, em Ipatinga-MG receberão a programação de adoração e penitencia. As atividades começam ás 15 horas da sexta-feira no Santuário Senhor do Bonfim e ás 19h na Igreja de São Sebastião.  Durante o dia e noite haverá adoração e louvor a Deus Pai.

É valido lembrar que em ambas as igrejas existem a Porta Santa.

Programação

Em Coronel Fabriciano, na sexta-feira (04), Missa de Abertura na Matriz, às sete horas da noite, seguida de confissões, recitação do Terço da Divina Misericórdia, e oração da Hora Santa Vocacional. A partir da meia-noite, as Confissões ocorrem durante toda a madrugada. No sábado (05), a partir das seis e meia da manhã, recitação do Terço Mariano, Missa, às sete horas; sequência das Confissões até o meio dia. A uma da tarde, oração do Ofício da Imaculada Conceição; das duas às seis da tarde, as Confissões serão retomadas; às três horas, recitação do Terço Mariano; e às sete horas da noite, Missa de Encerramento das 24 horas para o Senhor, na Co-catedral de São Sebastião.

No Santuário do Senhor do Bonfim, em Ipatinga, na sexta-feira (04), Missa de Abertura, às três horas da tarde, seguida de adoração ao Santíssimo e Confissões individuais até o sábado (05), quando a será celebrada a Missa de Encerramento também às três da tarde. As portas do Santuário serão mantidas abertas durante todo o tempo de realização das 24 horas para o Senhor.

Por que 24 horas?

“Deus rico de misericórdia” é o tema da jornada de oração e confissão “24 Horas para o Senhor”, organizada pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização e convocada pelo Papa Francisco em sua mensagem para a Quaresma 2016.

“Na Bula de proclamação do Jubileu, fiz o convite para que «a Quaresma deste Ano Jubilar seja vivida mais intensamente como tempo forte para celebrar e experimentar a misericórdia de Deus» (Misericordiӕ Vultus, 17). Com o apelo à escuta da Palavra de Deus e à iniciativa «24 horas para o Senhor», quis sublinhar a primazia da escuta orante da Palavra, especialmente a palavra profética. Com efeito, a misericórdia de Deus é um anúncio ao mundo; mas cada cristão é chamado a fazer pessoalmente experiência de tal anúncio. Por isso, no tempo da Quaresma, enviarei os Missionários da Misericórdia a fim de serem, para todos, um sinal concreto da proximidade e do perdão de Deus”.

Trata-se de uma jornada penitencial, na qual as igrejas que a ela aderirem devem manter as suas portas abertas, motivar e facilitar o acesso dos fiéis à confissão. A iniciativa do Conselho Pontifício é de motivar as pessoas a partilhar a fé e viverem melhor os sacramentos, principalmente neste tempo penitencial, que é tão forte para a Igreja e seus fiéis. É “acreditar na oração”, como afirma o Papa Francisco.

Não subestimemos a força da oração de muitos! A iniciativa 24 horas para o Senhor, que espero se celebre em toda a Igreja – mesmo a nível diocesano – nos dias 04 e 05 de Março, pretende dar expressão a esta necessidade da oração.”

E na sua paróquia e diocese, onde serão as atividades?

Com informações da Pascom Diocesana (Peterson Machado) e do Santuário de Nossa Senhora de Fátima.

Anúncios

Papa Francisco acolherá e pede para que casas religiosas acolham os refugiados

Rádio Vaticano | Cidade do Vaticano (RV) – Após recitar a oração do Angelus, o Papa Francisco voltou seu pensamento ao drama dos refugiados que fogem das guerras e da fome “e estão a caminho de uma esperança de vida”, lançando um veemente apelo às paróquias, comunidades religiosas, mosteiros e santuários para que os acolham.

Milhares de refugiados das guerras e da fome chegam diariamente à Europa. Duas paróquias do Vaticanos acolherão famílias de refugiados - AP
Milhares de refugiados das guerras e da fome chegam diariamente à Europa. Duas paróquias do Vaticanos acolherão famílias de refugiados – AP

Francisco inicialmente lembrou que “a misericórdia de Deus é reconhecida pelas obras”, como bem testemunhou “a  vida da Beata Madre Teresa de Calcutá”, cujo aniversário de morte foi celebrado no sábado (06). O Evangelho – disse o Santo Padre – nos chama a sermos próximos dos “mais pequenos” e dos abandonados, a quem se deve dar “uma esperança concreta”. “Não basta somente dizer “Coragem, paciência!” – advertiu -, mas “a esperança é combativa, com a tenacidade de quem vai em direção à uma meta segura. Então, lançou um forte apelo:

“Portanto, na proximidade do Jubileu da Misericórdia, dirijo um apelo às paróquias, às comunidades religiosas, aos mosteiros e aos Santuários de toda a Europa para expressarem a concretude do Evangelho e acolher uma família de refugiados. Um gesto concreto em preparação ao Ano Santo. Cada paróquia, cada comunidade religiosa, cada mosteiro, cada santuário na Europa hospede uma família, começando pela minha diocese de Roma”.

O Papa dirigiu-se então aos “irmãos Bispos da Europa, verdadeiros pastores”, para que acolham e apoiem em suas dioceses seu apelo, recordando que “a Misericórdia é o segundo nome do amor”.

As duas paróquias do Vaticano acolherão duas famílias de refugiados, anunciou o Pontífice. (JE)