Papa pede insistentes orações pela paz no Oriente Médio

000_par7908212-1(ACI).- Rezar nunca é em vão: disse o Papa Francisco após a oração mariana do Angelus, este domingo, ocasião em que fez mais um apelo pelo fim do conflito no Oriente Médio, pedindo que todos continuem rezando com insistência pela paz na Terra Santa.

Referindo-se ao encontro de 8 de junho passado com o Patriarca Bartolomeu, o Presidente Peres e o Presidente Mahmoud Abbas, “alguém poderia pensar que este encontro se realizou em vão”, disse o Papa.

Ao invés não, porque a oração nos ajuda a não nos deixar vencer pelo mal nem nos resignar ao fato de que a violência e o ódio predominem sobre o diálogo e a reconciliação.

O Pontífice exortou israelenses, palestinos e todos os que têm responsabilidades políticas em nível local e internacional a não pouparem oração e esforços para que cesse toda hostilidade e se obtenha a paz desejada pelo bem de todos.

E convidou os fiéis e peregrinos na Praça a um momento de oração silenciosa, depois do qual pronunciou as seguintes palavras:

Agora, Senhor, ajuda-nos Tu! Doa-nos Tu a paz, ensina-nos Tu a paz, guia-nos Tu rumo à paz. Abre os nossos olhos e doa-nos a coragem de dizer: “nunca mais a guerra!”; “com a guerra, tudo está perdido!”. Infunde em nós a coragem de realizar gestos concretos para construir a paz… Torna-nos disponíveis a ouvir o clamor dos nossos cidadãos que nos pedem para transformar as nossas armas em instrumentos de paz, os nossos medos em confiança e as nossas tensões em perdão.

About these ads

Papa pede desculpas a vítimas de abuso e critica cumplicidade da Igreja

1459923_669126163127066_1775571749_nGLOBO.COM | O Papa Francisco denunciou nesta segunda-feira (7) a “cumplicidade inexplicável” da Igreja Católica com os padres pedófilos que cometeram abusos sexuais e pediu desculpas às vítimas em um encontro com algumas delas no Vaticano.

Em suas palavras mais fortes sobre o assunto, Francisco disse às vítimas que os abusos foram “camuflados com cumplicidade” e implorou por perdão.

“Há muito tempo sinto no coração uma profunda dor, um sofrimento tanto tempo oculto, tanto tempo dissimulado com uma cumplicidade que não tem explicação”, disse o pontífice em uma comovedora homília na qual pediu várias vezes perdão.

Francisco também disse que sente o peso da dor e dos suicídios das vítimas de abusos. “Alguns sofreram inclusive a terrível tragédia do suicídio de um ser querido. As mortes destes filhos tão amados por Deus pesam no coração e na minha consciência e de toda a Igreja”, afirmou.

Ele ainda pediu perdão pelos “pecados de omissão” cometidos pelos líderes da Igreja que “não responderam adequadamente” às denúncias de abusos.

Francisco recebeu pela primeira vez no Vaticano seis vítimas de padres pedófilos.

O pontífice recebeu dois britânicos, dois alemães e dois irlandeses que sofreram abusos sexuais de religiosos.

O encontro aconteceu na residência privada de Francisco no Vaticano, a Casa Santa Marta, onde ele mora desde sua eleição como pontífice em março de 2013.

A reunião foi anunciada pelo próprio Francisco no dia 26 de maio, durante o voo que o transportou para Roma após uma viagem ao Oriente Médio.

As vítimas assistiram à missa que o bispo de Roma preside na capela de sua residência e depois aconteceu o encontro privado.

Os nomes das pessoas presentes não serão divulgados, segundo o Vaticano.

Francisco se comprometeu desde o início a lutar contra a pedofilia e criou uma comissão para a proteção da infância, que tem entre seus integrantes uma vítima, a irlandesa Mary Collins.

Apesar dos gestos, as associações de vítimas consideram que a Igreja não está fazendo todo o possível para impedir que padres abusem sexualmente de menores de idade em todo o mundo.

Um grupo de ativistas mexicanos enviou na quinta-feira uma carta ao Papa Francisco na qual pede “decisões estruturais” para acabar com os “padres abusadores”.

As vítimas pedem que as boas intenções manifestadas pelo papa virem normas específicas, explicou José Barba, ex-membro dos Legionários de Cristo, de 75 anos.

Barba foi vítima de Marcial Maciel, o falecido fundador da poderosa congregação, protagonista do maior escândalo de pedofilia da instituição, que recebeu durante décadas a proteção de João Paulo II.

Jesus chama aqueles que têm o coração vazio e sem Deus, diz o Papa

000_par7908212-1(ACI/EWTN Noticias).- Nas palavras pronunciadas antes da oração do Ângelus, o Papa Francisco assegurou hoje que Jesus convida todos a ir para Ele, especialmente aqueles que sofrem mais e aqueles que têm o “coração vazio e sem Deus”.

O Santo Padre também assinalou que uma vez que recebemos o alívio e consolo de Cristo, “somos chamados, por nossa vez, a tornarmo-nos restauração e conforto para os irmãos, com atitude mansa e humilde, imitando o Mestre”.

A seguir a tradução na íntegra das palavras do Papa Francisco pronunciadas antes da oração do Ângelus, por cortesia da Rádio Vaticano:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia:

No Evangelho deste domingo encontramos o convite de Jesus que diz: “Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo e eu vos darei descanso” (Mt 11,28). Quando Jesus diz isto, tem diante dos olhos as pessoas que encontra todos os dias pelos caminhos da Galileia: pessoas simples, pobres, doentes, pecadores, marginalizados… Estas pessoas sempre foram atrás d’Ele para ouvir a sua palavra – uma palavra que dava esperança!

As palavras de Jesus sempre dão esperança! – e também para tocar mesmo que somente a orla de sua veste. Jesus mesmo buscava essas multidões enfraquecidas como ovelhas sem pastor (cfr Mt 9,35-36): assim diz Ele, e as buscava para anunciar-lhes o Reino de Deus e para curar muitos no corpo e no espírito. Chama todos a si: “Vinde a mim”, e lhes promete alívio e restabelecimento.

Este convite de Jesus se estende até os nossos dias, para alcançar tantos irmãos e irmãs oprimidos por condições de vida precárias, por situações existenciais difíceis e, por vezes, desprovidas de válidos pontos de referência.

Nos países mais pobres, mas também nas periferias dos países mais ricos, encontram-se muitas pessoas cansadas e enfraquecidas sob o peso insuportável do abandono e da indiferença. A indiferença: quanto mal a indiferença humana faz aos necessitados! E pior, a dos cristãos.

Encontram-se às margens da sociedade tantos homens e mulheres provados pela indigência, mas também pela insatisfação da vida e pela frustração. Muitos são obrigados a emigrar de sua pátria, colocando em risco a própria vida.

Muitos mais carregam todos os dias o peso de um sistema econômico que explora o homem, impõe-lhe um “jugo” insuportável, que os poucos privilegiados não querem carregar. Jesus repete a cada um destes filhos do Pai que está nos céus: “Vinde a mim, vós todos”. Mas também o diz àqueles que têm tudo, mas seu coração é vazio. Está vazio. Coração vazio e sem Deus. Também a eles, Jesus dirige este convite: “Vinde a mim”. O convite de Jesus é para todos. Mas de modo especial para aqueles que sofrem mais.

Jesus promete reconfortar a todos, mas também nos faz um convite, que é como um mandamento: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29).

No que consiste o “jugo” do Senhor? Consiste em carregar o peso dos outros com amor fraterno. Uma vez recebido o restabelecimento e o conforto de Cristo, somos chamados, por nossa vez, a tornarmo-nos restauração e conforto para os irmãos, com atitude mansa e humilde, imitando o Mestre.

A mansidão e a humildade do coração ajudam-nos não somente a assumirmos o peso dos outros, mas também a não sermos peso sobre eles com nossos pontos de vista pessoais, nossos julgamentos ou nossas críticas ou nossa indiferença.

Invoquemos à Santíssima Virgem Maria, que acolhe todos os aflitos e desamparados, para que, através de uma fé iluminada, testemunhada com a vida, os cristãos possam ser alívio aos que precisam de ajuda, carinho e esperança.

“Na Eucaristia se comunica o amor do Senhor por nós”, disse o papa Francisco

papacorpuschristi“Na Eucaristia se comunica o amor do Senhor por nós: um amor tão grande que nos nutre com Si mesmo; um amor gratuito…”, disse o papa Francisco na homilia durante missa da Solenidade de Corpus Christi celebrada na Basílica de São João Latrão, em Roma, na quinta-feira, 19.

Uma multidão de fiéis participou da celebração e ouviu as palavras do papa que meditou o significado da solenidade do Corpo e Sangue de Cristo. Francisco disse que “além da fome material o homem leva consigo outra fome, uma fome que não pode ser saciada com comida comum. É a fome de vida, fome de amor, fome de eternidade”.

O papa comentou que “viver a experiência da fé significa deixar-se alimentar pelo Senhor e construir a própria existência não sobre bens materiais, mas sobre a realidade que não perece: os dons de Deus, sua Palavra e seu Corpo”.

Confira a íntegra da homilia:

Continuar lendo

Papa se preocupa com situação do Iraque

Papa Francisco hoje pela manhã na Praça São Pedro/Foto AFP

Papa Francisco hoje pela manhã na Praça São Pedro/Foto AFP

O papa Francisco declarou neste domingo (15) que acompanha com “muita preocupação os acontecimentos dos últimos dias no Iraque” ao discursar aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro do Vaticano.

“Acompanho com muita preocupação os acontecimentos dos últimos dias no Iraque. Eu convido a todos que se unam a minha oração pela querida nação iraquiana, sobretudo pelas vítimas”, disse Francisco.

O pontífice insistiu em recordar os muitos cristãos que foram obrigados a deixar as próprias casas.

“Desejo para toda a população a segurança e a paz, um futuro de reconciliação e de justiça, onde todos os iraquianos, independente da crença religiosa, possam construir juntos a sua pátria”, acrescentou Francisco.

O papa também anunciou que viajará a Albânia no dia 21 de setembro.

“Hoje quero anunciar que, aceitando o convite dos bispos e das autoridades civis albanesas, tenho a intenção de viajar a Tirana no domingo 21 de setembro”, disse Francisco.

“Com esta breve viagem, desejo confirmar na fé à Igreja na Albânia e testemunhar meu alento e amor a um país que sofre há muito tempo, como consequência das ideologias do passado”, acrescentou.

Papa explicou porque rezou diante do muro que separa Israel e Palestina

Um gesto inesperado que entrou para a história. Assim muitos descreveram a parada e oração do Papa Francisco diante o muro que divide Israel e Palestina.  No última segunda, a ACI Digital publicou uma matéria sobre o acontecimento. Nela o próprio Papa explica o que aconteceu. Veja:

_________________________________

Papa reza diante do muro que divide Israel e Palestina.

Papa reza diante do muro que divide Israel e Palestina.

(ACI/EWTN Noticias).- “De repente vi o muro e me veio a ideia. Por que não paro para rezar aqui?”. Foi assim que o Papa Francisco explicou o seu gesto inesperado do domingo passado, quando parou para rezar diante do muro que separa Israel e a Palestina.

No dia seguinte de retornar da Terra Santa, o Papa Francisco almoçou com os bispos da presidência do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), na Casa Santa Marta.

“Nós lhe perguntamos concretamente pelo gesto que teve lá de rezar no muro de separação entre a Palestina e Israel, e disse que lhe saiu espontâneo. ‘De repente vi o muro, e me veio a ideia. Por que não paro para rezar aqui?’. E ficou rezando”, explicou Dom Carlos Aguiar Retes, Presidente do CELAM, em declarações ao Grupo ACI em 27 de maio em Roma.

“Eu acho que há paralelismos com outros muros e tantos que têm que cair para que a nossa humanidade seja verdadeiramente global, e não apenas no aspecto econômico ou por interesses econômicos”, indicou o Arcebispo.

“O Papa veio muito contente, muito tranquilo, foi muito intenso, muito emotivo, e me parece que cumpriu os perfeitamente objetivos de comemorar os 50 anos do reencontro de Paulo VI com o Patriarca Atenágoras, e de ser um peregrino para rezar, para rezar pela paz”, acrescentou.

O Vice-presidente do CELAM, Cardeal Rubén Salazar López, que também compartilhou o almoço com o Santo Padre, explicou ao Grupo ACI, que “apesar de ter chegado no dia anterior já muito tarde da sua viagem pelo Oriente Médio, o Papa estava muito bem, muito tranquilo, muito alegre pela sua viagem”.

O Cardeal Salazar, que também é Arcebispo de Bogotá, Colômbia, acrescentou que o Papa Francisco “sempre é muito próximo, muito amável e conversamos um pouco de todas as coisas importantes que temos na cabeça. Tudo o que neste momento preocupa a Igreja”.

A presidência do CELAM esteve em Roma de 19 a 29 de maio para informar como todos os anos, sobre o serviço que se realiza com os episcopados da América Latina, assim como compartilhar orientações e preocupações relativas ao caminho da Igreja nessa região.

Tuites do Papa

Tolerância zero: o abuso de um menor “é como uma missa negra”, denuncia

(ACI).- No voo de volta de Israel a Roma, o Papa Francisco condenou mais uma vez o abuso sexual de menores cometido por sacerdotes, comparou este crime com uma “missa negra”, esclareceu que não há privilégios para os bispos que cometam este crime e anunciou que no início de junho se reunirá com um grupo de vítimas no Vaticano.

Ao ser perguntado por um jornalista sobre o que fará se encontrar um bispo que não cumpre com as normas das Igrejas locais nesta delicada matéria, o Papa Francisco esclareceu que “não há privilégios” para os pastores que cometam estes crimes.

FranciscoHomilia_AutorLaurenCater_CNA“Na Argentina, chamamos os privilegiados de ‘filhos de papai’. Pois bem, sobre este tema não haverá filhos de papai. Neste momento, há três bispos sob investigação e um deles, já condenado, tem a pena em estudo. Não há privilégios neste tema dos menores”, explicou.

Explicou que “é um problema muito grave. Um sacerdote que comete um abuso, trai o corpo do Senhor. O padre deve levar o menino ou a menina à santidade. E o menor confia nele. E ao invés de levá-lo à santidade, abusa. É gravíssimo.”.

“É como fazer uma missa negra! Ao invés de levá-lo à santidade, o leva a um problema que terá por toda a vida”, enfatizou.

O Papa anunciou que nos primeiros dias de junho “haverá uma missa com algumas pessoas abusadas, na Santa Marta, e depois haverá uma reunião com eles. São pessoas da Alemanha, duas da Inglaterra ou Irlanda… Serão uns oito, com o Cardeal (Francis) O’Malley, da comissão. Sobre isto se deve prosseguir com tolerância zero!”.

No avião Papa elenca melhores momentos de sua viagem à Terra Santa

Cidade do Vaticano (RV) – No avião que o trouxe de volta ao Vaticano, o Papa Francisco conversou – durante quase uma hora – com os jornalistas que o acompanharam na Terra Santa. Os temas tratados foram muitos: dos momentos mais marcantes da viagem ao celibato dos sacerdotes, passando por escândalos financeiros e a hipótese de uma renúncia a exemplo de Bento XVI. Confira alguns pontos:


Os gestos na Terra Santa e o encontro Peres e Abu Mazen


“Os gestos mais autênticos são os que não se pensam, mas os que acontecem. Algumas coisas, por exemplo, o convite aos dois presidentes à oração, isto estava sendo pensado, mas havia muitos problemas logísticos, muitos, porque é preciso levar em consideração o território onde se realiza, e não é fácil. Isso já se programava, uma reunião, mas no fim saiu o que espero que seja bom. Será um encontro de oração, não para fazer mediação.”


Relação com os ortodoxos


“Com Bartolomeu falamos de unidade, que se faz em caminho, jamais poderemos fazer a unidade num congresso de Teologia. Ele confirmou-me que Atenágoras realmente disse a Paulo VI: ‘vamos colocar todos os teólogos numa ilha e nós prosseguiremos juntos’. Devemos nos ajudar, por exemplo, com as igrejas, inclusive em Roma, onde muitos ortodoxos usam igrejas católicas. Falamos do concílio pan-ortodoxo, para que se faça algo sobre a data da Páscoa. É um pouco ridículo: ‘Quando ressuscita o seu Cristo? O meu na semana que vem. O meu, ao invés, ressuscitou na semana passada’. Com Bartolomeu falamos como irmãos, nos queremos bem, contamos as dificuldades do nosso governo. Falamos bastante da ecologia, de fazermos juntos um trabalho conjunto sobre este problema.”

Abusos contra menores

“Neste momento, há três bispos sob investigação e um deles, já condenado, tem a pena em estudo. Não há privilégios neste tema dos menores. Na Argentina, chamamos os privilegiados de ‘filhos de papai’. Pois bem, sobre este tema não haverá filhos de papai. É um problema muito grave. Um sacerdote que comete um abuso, trai o corpo do Senhor. O padre deve levar o menino ou a menina à santidade. E o menor confia nele. E ao invés de levá-lo à santidade, abusa. É gravíssimo. É como fazer uma missa negra! Ao invés de levá-lo à santidade, o leva a uma problema que terá por toda a vida. Na próxima semana, no dia 6 ou 7 de julho haverá uma missa com algumas pessoas abusadas, na Santa Marta, e depois haverá uma reunião, eu com eles. Sobre isto se deve prosseguir com tolerância zero.”


Celibato dos padres

“Há padres católicos casados, nos ritos orientais. O celibato não é um dogma de fé, é uma regra de vida, que eu aprecio muito e creio que seja um dom para a Igreja. Não sendo um dogma de fé, há sempre uma porta aberta.”


Eventual renúncia

“Eu farei o que o Senhor me dirá de fazer. Rezar, buscar a vontade de Deus. Bento XVI não tinha mais forças e, honestamente, é um homem de fé, humilde como é, tomou esta decisão. Setenta anos atrás os bispos eméritos não existiam. O que acontecerá com os Papas eméritos? Devemos olhar para Bento XVI como uma instituição, abriu uma porta, a dos Papas eméritos. A porta está aberta, se haverá outros ou não, somente Deus sabe. Eu creio que um Bispo de Roma, ao sentir que lhe faltam forças, deva fazer as mesmas perguntas que o Papa Bento fez.”


Outros temas

Francisco falou ainda da alegada investigação sobre um desvio de 15 milhões de euros dos fundos do Instituto para as Obras de Religião, em que estaria envolvido o antigo Secretário de Estado do Vaticano.

“A questão desses 15 milhões está ainda em estudo, não é claro o que aconteceu”, adiantou.

O Papa disse que quer “honestidade e transparência” na administração financeira do Vaticano e que a nova Secretaria para a Economia, dirigida pelo Cardeal Pell, vai “levar por diante as reformas que foram sugeridas” por várias comissões para evitar “escândalos e problemas”. Nesse sentido, recordou que cerca de 1,6 mil contas foram fechadas no IOR nos últimos tempos.

Francisco confirmou que, além da viagem à Coreia do Sul em agosto, voltará à Ásia em janeiro de 2015, para visitar o Sri Lanka e as regiões afetadas pelo tufão nas Filipinas. O Papa mostrou-se preocupado com a falta de liberdade religiosa neste continente, falando num número de “mártires” cristãos que supera os dos primeiros tempos da Igreja.

O Papa não quis comentar os resultados das eleições europeias, mas lembrou as críticas que deixou na exortação apostólica Evangelii Gaudium a um sistema econômico “desumano”, que “mata”.

Já sobre a beatificação de Pio XII, pontífice durante a II Guerra Mundial, Francisco disse ter sido informado de que ainda não há o milagre reconhecido para que a causa avance.


Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/05/27/no_avi%C3%A3o,_papa_ressalta_momentos_marcantes_da_viagem_%C3%A0_terra_santa/bra-802659
do site da Rádio Vaticano 

Presidente palestino aceita ir ao Vaticano encontrar colega israelense

O presidente palestino, Mahmud Abbas, irá no dia 6 de junho ao Vaticano, atendendo ao convite do Papa Francisco feito neste domingo (25) a ele e ao chefe de Estado israelense, Shimon Peres, anunciou à France Presse o negociador palestino, Saeb Erakat.

“O presidente Abbas aceitou o convite do Papa”, declarou Erakat, indicando a data da visita.

Francisco fez o convite após uma missa em Belém, na Cisjordânia, durante sua visita de três dias à Terra Santa.

Questionado sobre o convite, um porta-voz de Peres disse em Jerusalém que o presidente israelense “sempre aceita qualquer tipo de iniciativa para promover a paz”. Mas ele não disse se o convite foi formalmente aceito.

Peres, Prêmio Nobel da Paz por seu papel nos acordos de Oslo em 1993, revelou ter feito em 2011 negociações secretas com Abbas, antes de interrompê-las com a chegada ao poder do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu.

Atentado em Bruxelas

Ao chegar em Tel Aviv, em Israel, o Papa externou sua “profunda dor” pelo atentado contra o Museu Judaico de Bruxelas, que causou a morte de três pessoas, entre elas dois israelenses.

Em seu discurso de chegada, o pontífice argentino condenou também “o antissemitismo, a discriminação e a intolerância”.

Papa diz que impasse Israel-Palestina é ‘inaceitável’

109842ESTADÃO | Papa Francisco desembarcou neste domingo, 25, em Belém, berço do cristianismo, num gesto simbólico em prol das aspirações palestinas para criação de um estado próprio. Ele considerou “inaceitável” o atual impasse nas conversas de paz e parou brevemente para orações na barreira israelense que cerca a cidade bíblica da Cisjordânia.

Palestinos festejaram a presença do Papa em seu segundo dia de peregrinação pelo Oriente Médio. Grandes bandeiras palestinas e do Vaticano decoraram a Praça da Manjedoura durante a passagem de Francisco.

Ao final de uma missa ao ar livre na praça, o Papa convidou o presidente palestino Mahmoud Abbas e o presidente de Israel Shimon Peres para orarem com ele pela paz. “Eu ofereço minha casa no Vaticano como um lugar de encontro para oração”, disse. Outros papas sempre visitavam a Cisjordânia depois de passarem por Tel Aviv, em Israel. Francisco, porém, desembarcou num heliponto em Belém saindo da Jordânia, a bordo de um helicóptero jordaniano, e foi imediatamente recebido numa cerimônia oficial com Abbas. Ao lado do presidente palestino, Francisco declarou que “chegou a hora de colocar um fim a essa situação que se torna cada vez mais inaceitável”.

109840O Papa disse que os dois lados precisam fazer sacrifícios para a criação de dois Estados, com fronteiras internacionalmente reconhecidas, baseadas na segurança mútua e em direitos para todos. “A hora chegou para que todos encontrem a coragem para serem generosos e criativos no serviço de um bem comum”, disse, pedindo que os dois lados evitem ações que contrariem a paz.

Em sua fala, Abbas expressou preocupação com o fracasso das recentes conversas de paz apoiadas pelos Estados Unidos e lamentou as condições difíceis dos palestinos. “Sua visita está cheia de significado simbólico como um defensor dos pobres e dos marginalizados”, declarou. “Agradecemos qualquer iniciativa de sua parte para fazer da paz uma realidade”, acrescentou.

Oficiais palestinos saudaram a decisão de Francisco de chegar primeiro em Belém em vez de em Tel Aviv e de se referir a um “estado palestino”. No programa oficial, o Vaticano se referiu a Abbas como o presidente do “estado da Palestina” e a seu escritório em Belém como “palácio presidencial”.

Fonte: Associated Press.

Papa: “quem somos nós para fechar as portas” ao Espírito Santo?

Rádio Vaticano  | Cidade do Vaticano (RV) – “Quem somos nós para fechar as portas” ao Espírito Santo? Esta foi a pergunta que o Papa Francisco fez várias vezes na homilia da missa matutina, presidida na Casa Santa Marta.

O Papa falou sobre a conversão dos primeiros pagãos ao cristianismo, segundo a experiência que Simão Pedro vive no trecho dos Atos dos Apóstolos proposto pela liturgia. 

Pedro é testemunha ocular da descida do Espírito Santo sobre esta comunidade, mas antes hesita em ter contato com aquilo que sempre considerou “impuro”. Ele sofre duras críticas dos cristãos de Jerusalém, escandalizados pelo fato que seu chefe tivesse se sentado à mesa com pessoas “não circuncisas” e as tivesse até mesmo batizadas. Um momento de crise interna, que o Papa Francisco recorda com um pouco de ironia:

Francisco durante a missa matinal na Casa Santa Marta.

Francisco durante a missa matinal na Casa Santa Marta.

“É uma coisa que não se podia pensar. Se amanhã viesse uma expedição de marcianos, por exemplo, e alguns deles viessem a ter conosco… marcianos, não? Verdes, com aquele nariz longo e as orelhas grandes, como nos desenhos das crianças… E um deles dissesse: ‘Mas eu quero o Batismo!’. O que aconteceria?”

Pedro compreende o erro quando uma visão o ilumina sobre uma verdade fundamental: aquilo que foi purificado por Deus não pode ser chamado “profano” por ninguém. E ao narrar esses fatos à multidão que o critica, o Apóstolo – recordou o Papa – tranquiliza todos com esta afirmação: “Portanto, se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós, que cremos no Senhor Jesus Cristo, quem seria eu para poder impedir a Deus de agir?”.

“Quando o Senhor nos faz ver o caminho, quem somos nós para dizer: ‘Não Senhor, não é prudente! Não, façamos de outro modo… E Pedro naquela primeira diocese – a primeira diocese foi Antioquia – toma esta decisão: ‘Quem sou eu para impedir?’. Uma bela palavra para os bispos, para os sacerdotes e também para os cristãos. Mas quem somos nós para fechar as portas? Na Igreja antiga, até hoje, há o ministério do ostiário. E o que ele fazia? Abria a porta, recebia as pessoas e as deixava entrar. Mas jamais foi o ministério de quem fecha as portas, jamais!”.

Ainda hoje, repetiu o Papa Francisco, Deus deixou a guia da Igreja “nas mãos do Espírito Santo”. “É ele quem, como diz Cristo, nos ensinará tudo e fará com que recordemos aquilo que Jesus nos ensinou:

“O Espirito Santo é a presença viva de Deus na Igreja. É quem leva avante a Igreja, quem a faz caminhar. Sempre mais, além dos limites, mais avante. Com os seus dons, o Espírito Santo guia a Igreja. Não se pode entender a Igreja de Jesus sem este Paraclito, que o Senhor nos envia para isso. E faz essas escolhas impensáveis, mas impensáveis! Para usar uma palavra de S. João XXIII: é justamente o Espírito Santo que atualiza a Igreja: realmente, a atualiza e a faz prosseguir. E nós cristãos devemos pedir ao Senhor a graça da docilidade ao Espírito Santo. A docilidade a este Espirito, que nos fala no coração, nos fala nas circunstâncias da vida, nos fala na vida eclesial, nas comunidades cristãs, nos fala sempre”.

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/05/12/papa:_n%C3%A3o_fechar_as_portas_ao_esp%C3%ADrito_santo/bra-798523
do site da Rádio Vaticano 

Papa Francisco: Não fabriquemos obstáculos burocráticos às pessoas que precisam de Deus

FranciscoHomilia_AutorLaurenCater_CNA(ACI/EWTN Noticias).- Durante a missa matutina na Casa Santa Marta, o Papa Francisco exortou aqueles que estão encarregados de administrar os sacramentos a não criar obstáculos burocráticos para dispensar a graça e aproximar as pessoas a Deus, e colocou como exemplo o apóstolo Felipe, que certamente tinha muito que fazer, mas foi dócil ao chamado do Senhor para ir evangelizar o ministro da rainha da Etiópia.

O Santo Padre se referiu à passagem dos Atos dos Apóstolos que destaca as três qualidades cristalinas de um cristão, que são a docilidade ao Espírito, o diálogo e a confiança na graça. Explicou que a primeira se destaca no momento em que o Espírito manda Filipe interromper suas atividades e ir até a carruagem na qual viajavam, de Jerusalém para Gaza, a rainha dos etíopes e o ministro.



“Ele, Filipe, obedece. É dócil ao chamado do Senhor. certamente deixou de lado muitas coisas que tinha que fazer, porque naquela época, os apóstolos eram muito atarefados na evangelização. Ele deixa tudo e vai. Isto nos mostra que sem docilidade à voz de Deus, ninguém pode evangelizar, ninguém pode anunciar Jesus Cristo. No máximo, pode anunciar a si mesmo. É Deus quem chama, é Deus quem põe Felipe no caminho. E Felipe vai. É dócil”, afirmou o Papa.



Francisco explicou que esta oportunidade de Felipe de ir ao encontro do ministro etíope para anunciar-lhe a Cristo se dá através de um diálogo, e não de um ensinamento que vem do alto, imposto. É um diálogo que o Apóstolo tem o escrúpulo de começar respeitando a sensibilidade espiritual de seu interlocutor, que está lendo, mas sem entender, um texto do Profeta Isaías:

“Não se pode evangelizar sem diálogo, porque se começa justamente de onde é preciso evangelizar. Como é importante o diálogo. ‘Padre, perde tanto tempo com as estórias de todos!’. Deus perdeu mais tempo na criação do mundo, e o fez bem! Perder tempo com a outra pessoa é importante porque é ela que Deus quer que se evangelize, que lhe seja dada a notícia de Jesus”, expressou o Papa.

Indicou que as palavras de Felipe despertam no ministro o desejo de ser batizado e no primeiro riacho que encontram no caminho, assim acontece. Felipe administra o Batismo ao etíope, pondo-o “nas mãos de Deus, de sua graça”. Francisco destacou que o ministro, a sua vez, será capaz de gerar a fé e “talvez isso nos ajude a entender melhor que quem faz a evangelização é Deus”.

“Pensemos nestes três momentos da evangelização: a docilidade para evangelizar, fazendo o que Deus manda; o diálogo com as pessoas, partindo de onde elas estão; e o terceiro: entregar-se à graça, pois ela é mais importante do que toda a burocracia. ‘O que impede que?: às vezes, na Igreja, somos uma fábrica que produz impedimentos para as pessoas chegarem à graça. Que o Senhor nos faça entender isso”, concluiu o Santo Padre.

Bento XVI participará da canonização de João Paulo II e João XXIII

Papa emérito irá a cerimônia de canonização

Papa emérito irá a cerimônia de canonização

Globo | O papa emérito Bento XVI participará da cerimônia de canonização de seus antecessores João Paulo II e João XXIII no próximo domingo (27) na Praça de São Pedro do Vaticano.

Assim confirmou nesta quarta-feira (23) o presidente da Obra Romana de Peregrinação (ORP), Liberio Andreatta, que destacou que a Praça de São Pedro contará com a presença de “dois papas vivos e dois papas santos”.

“Roma viverá um evento histórico: Dois papas vivos e dois papas santos. Imagino que emoção sentirão Bento XVI e Francisco”, disse Andreatta, que dirige esta instituição do Vicariato de Roma que organiza peregrinações aos principais lugares de culto e também está se ocupando da cerimônia do próximo domingo.

O porta-voz do escritório de imprensa do Vaticano, Federico Lombardi, explicou nesta terça que embora Bento XVI tenha sido convidado para a canonização, sua presença não era garantida até no domingo de manhã já que tudo dependeria do que o papa emérito decidisse.

No entanto, Andreatta confirmou sua presença durante uma entrevista coletiva organizada pelo Vaticano para apresentar os detalhes logísticos deste grande evento da Igreja Católica.

Joseph Ratzinger vive após sua renúncia, em 28 de fevereiro de 2013, em um tranquilo mosteiro nos jardins vaticanos, e durante o último ano apareceu em várias ocasiões junto com Francisco.

O Papa alenta a meditar na Semana Santa sobre quem somos diante de Jesus que sofre

Papa celebra o Domingo de Ramos

Papa celebra o Domingo de Ramos

Em sua homilia da missa de Domingo de Ramos, o Papa Francisco exortou os fiéis a meditar sobre a paixão de Jesus durante a Semana Santa, perguntando-nos “quem sou eu, diante de Jesus que sofre?”.

Na Missa de hoje, com a qual se inicia a Semana Santa, o Papa Francisco usou um báculo pastoral de madeira, trabalhado de um tronco de oliveira, doado por um grupo de detentos da Casa de Detenção de Sanremo.

Conforme informa a Rádio Vaticana, o Papa indicou que “esta semana começa com a procissão festiva com os ramos de oliveira: todo o povo acolhe Jesus. As crianças, os jovens cantam, louvam Jesus. Mas esta semana segue adiante no mistério da morte de Jesus e da sua ressurreição”.

“Ouvimos a Paixão do Senhor. Fará bem a nós nos fazermos somente uma pergunta: quem sou eu? Quem sou eu diante do meu Senhor? Quem sou eu diante de Jesus que entra em festa em Jerusalém? Sou capaz de exprimir a minha alegria, de louvá-Lo? Ou tomo distância? Quem sou eu, diante de Jesus que sofre? Escutamos tantos nomes, tantos nomes”.

Francisco assinalou que “O grupo de líderes, alguns sacerdotes, alguns fariseus, alguns mestres da lei, que tinham decidido matá-Lo. Esperavam a oportunidade para prendê-Lo. Eu sou como um deles? Escutamos também um outro nome: Judas. 30 moedas. Sou como Judas? Ouvimos também outros nomes: os discípulos que não entendiam nada, que adormeciam enquanto o Senhor sofria”.

“A minha vida está adormecida? Ou sou como os discípulos, que não entendiam o que era trair Jesus? Como aquele outro discípulo que queria resolver tudo com a espada: sou como eles?”.

O Papa questionou os fiéis se “Sou como Judas, que finge amar e beija o Mestre para entregá-Lo, pra traí-lo? Eu sou traidor? Sou como aqueles líderes que com pressa fazem o tribunal e procuram falsas testemunhas: sou como eles?”.

“E quando faço estas coisas, se as faço, acredito que com isto salvo o povo? Eu sou como Pilatos? Quando vejo que a situação está difícil, lavo as minhas mãos e não sei assumir a minha responsabilidade e deixo condenar – ou condeno eu – as pessoas? Sou como aquela multidão que não sabia bem se estava em uma reunião religiosa, em um julgamento ou em um circo, e escolhe Barrabás?”.

O Santo Padre assinalou que “para eles é o mesmo: era mais divertido, para humilhar Jesus. Sou como os soldados que atingem o Senhor, cospem Nele, insultam-No, se divertem com a humilhação do Senhor? Eu sou como o Cirineu, que voltava do trabalho, cansado, mas teve a boa vontade de ajudar o Senhor a carregar a cruz? Eu sou como aqueles que passavam diante da Cruz e zombavam de Jesus: ‘Era tão corajoso! Desça da cruz, e nós vamos acreditar Nele’. Zomba-se de Jesus…”.

“Sou como aquelas mulheres corajosas, e como a Mãe de Jesus, que estavam ali, sofrendo em silêncio? Sou como José, o discípulo escondido, que leva o corpo de Jesus com amor, para levá-lo à sepultura? Sou como as duas Marias, que permanecem diante do Sepulcro chorando, rezando?”.

“Eu sou como aqueles líderes que no dia seguinte foram a Pilatos para dizer: ‘Olha, ele dizia que iria ressuscitar. Que não seja mais um engano!’, e bloqueiam a vida, bloqueando o sepulcro para defender a doutrina, para que a vida não venha para fora? Onde está o meu coração? Com qual destas pessoas eu me pareço?”.

“Que esta pergunta nos acompanhe durante toda a semana”, concluiu.

Papa presenteia fiéis com o “Evangelho de bolso” e pede para lermos sempre a Palavra de Jesus

(ACI/EWTN Noticias).- Ontem, depois da oração do Ângelus, o Papa Francisco presenteou os milhares de fiéis presentes na Praça de São Pedro com um “Evangelho de bolso” e exortou a ler sempre a Palavra de Jesus, cada vez mais disponível de forma portátil, graças às novas tecnologias como os celulares e os tablets.

“E agora eu gostaria de fazer um simples gesto para vocês. Nos últimos domingos sugeri a todos vocês que levassem sempre convosco um pequeno Evangelho, para poder lê-lo com frequência durante o dia. Então me lembrei da antiga tradição da Igreja, durante a Quaresma, de entregar o Evangelho aos catecúmenos, os que se preparam para o batismo. E assim hoje quero oferecer a vós que estais na Praça – mas como um sinal para todos – um Evangelho de bolso”.

Papa Francisco rezando o Angelus deste domingo e em primeiro plano os livros dos Evangelhos distribuídos ao povo.

Papa Francisco rezando o Angelus deste domingo e em primeiro plano os livros dos Evangelhos distribuídos ao povo.

Francisco assinalou que este Evangelho “será distribuído a vocês gratuitamente. Levem-no convosco e leiam-no todos os dias: é o próprio Jesus que vos fala ali! É a palavra de Jesus: esta é a Palavra do Jesus!”.

“Como Ele (Jesus) eu vos digo: de graça recebestes, de graça dai, dai a mensagem do Evangelho!”.

O Papa disse que “mas talvez alguns de vocês não acreditem que isto seja de graça. ‘Mas quanto custa? Quanto devo pagar, padre?’. Façamos uma coisa: em troca deste presente, façam um ato de caridade, um gesto de amor gratuito, uma oração pelos inimigos, uma reconciliação, qualquer coisa”.

“Hoje se pode ler o Evangelho com muitas ferramentas tecnológicas. Pode-se trazer consigo toda a Bíblia num telefone celular, num tablet. O importante é ler a Palavra de Deus, com todos os meios, e acolhê-la com o coração aberto. E então a boa semente dá fruto!”.

El Papa Pop: popularidade de Francisco nos EUA está em alta

Grafite do papa em Roma

Grafite do papa em Roma

(ACI/EWTN Noticias).- Uma pesquisa recente da conhecida empresa Gallup revelou que o Papa Francisco tem a sua popularidade quase tão alta como a que o Beato João Paulo II tinha nos Estados Unidos ao final de seu pontificado.

A pesquisa, realizada em 1023 americanos maiores de 18 anos, entre os dias 6 e 9 de fevereiro, revelou que a opinião favorável em relação ao Papa Francisco sobe a 76 por cento ante 9 por cento desfavorável. 16 por cento dos pesquisados indicou que não tinha uma opinião formada.

Por sua parte, o Beato João Paulo II, que será canonizado junto com João XXIII pelo Papa Francisco em 27 de abril deste ano, em fevereiro de 2005, poucos meses antes de sua morte, alcançou uma popularidade de 78 por cento.

Em abril de 2013, a pouco tempo de sua eleição, 58 por cento dos pesquisados por Gallup mostrava uma opinião favorável a Francisco, 10 por cento tinha uma visão desfavorável e 31 por cento não tinha uma opinião.

A pesquisa do Gallup revela também que a popularidade do Papa Francisco é alta tanto entre católicos, quanto entre protestantes e inclusive entre aqueles que se consideram “sem identidade religiosa”.

Dos católicos pesquisados, 89 por cento tinha uma opinião favorável sobre Francisco ante 3 por cento que tinha uma “desfavorável”. No caso dos protestantes, a popularidade de Papa alcançou 78 por cento, com apenas 7 por cento de desaprovação.

Aqueles que indicaram não ter uma identidade religiosa expressaram uma aprovação do Santo Padre em 73 por cento.

Selfie do Papa durante a JMJ no Rio

Selfie do Papa durante a JMJ no Rio

“Cerca de um ano depois de sua eleição como Papa, os americanos são essencialmente tão positivos sobre Francisco como foram com João Paulo II pouco antes de sua morte”, destacou Gallup.

Os tuites do Papa

Papa Francisco: “Escutem Jesus lendo o Evangelho todos os dias”

papa(ACI/EWTN Noticias).- Ao presidir ontem a oração do Ângelus ante a multidão de fiéis congregada na Praça de São Pedro, o Papa Francisco alentou a escutar Jesus todos os dias no Evangelho.

“É uma coisa boa; é uma coisa boa ter um pequeno Evangelho, pequeno, e levá-lo conosco, no bolso, na bolsa, e ler um pequeno trecho em qualquer momento do dia. Em qualquer momento do dia, eu pego do bolso o Evangelho e leio alguma coisinha, um pequeno trecho. Ali é Jesus que nos fala, no Evangelho!”.

A seguir, a íntegra das palavras do Papa pronunciadas antes da oração do Ângelus:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje o Evangelho nos apresenta o evento da Transfiguração. É a segunda etapa do caminho quaresmal: a primeira, as tentações no deserto, domingo passado; a segunda: a Transfiguração. Jesus “tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha” (Mt 17, 1).

A montanha na Bíblia representa o lugar da proximidade com Deus e do encontro íntimo com Ele; o lugar da oração, onde estar na presença do Senhor. Lá no alto da montanha, Jesus se mostra aos três discípulos transfigurado, luminoso, belíssimo; e depois aparecem Moisés e Elias, que conversam com Ele.

A sua face é tão brilhante e as suas vestes tão brancas que Pedro permanece deslumbrado, tanto que queria permanecer ali, quase parar aquele momento. De repente, ressoa do alto a voz do Pai que proclama Jesus como seu Filho amado, dizendo: “Escutai-o” (v. 5).

Esta palavra é importante! O nosso Pai que disse a estes apóstolos, e diz também a nós: “Escutai Jesus, porque é o meu Filho amado”. Tenhamos, esta semana, esta palavra na cabeça e no coração: “Escutai Jesus!”. E isto não o diz o Papa, diz Deus Pai, a todos: a mim, a vocês, a todos, todos!

É como uma ajuda para seguir adiante no caminho da Quaresma. “Escutai Jesus!”. Não esquecer.

É muito importante este convite do Pai. Nós, discípulos de Jesus, somos chamados a ser pessoas que escutam a sua voz e levam a sério suas palavras. Para escutar Jesus, é preciso ser próximo a Ele, segui-Lo, como faziam as multidões do Evangelho que o seguiam pelos caminhos da Palestina.

Jesus não tinha uma cátedra, ou um púlpito fixo, mas era um mestre itinerante, que propunha os seus ensinamentos, que eram os ensinamentos que o Pai lhe havia dado, ao longo dos caminhos, percorrendo trajetos nem sempre previsíveis e às vezes pouco fácil. Seguir Jesus para escutá-Lo.

Mas também escutamos Jesus na sua Palavra escrita, no Evangelho. Faço uma pergunta a vocês: vocês leem, todos os dias, um trecho do Evangelho? Sim, não…sim, não…Meio a meio… Alguns sim e alguns não. Mas é importante! Vocês leem o Evangelho?

É uma coisa boa; é uma coisa boa ter um pequeno Evangelho, pequeno, e levá-lo conosco, no bolso, na bolsa, e ler um pequeno trecho em qualquer momento do dia. Em qualquer momento do dia, eu pego do bolso o Evangelho e leio alguma coisinha, um pequeno trecho. Ali é Jesus que nos fala, no Evangelho!

Pensem nisto. Não é difícil, nem necessário que sejam os quatro: um dos Evangelhos, pequenino, conosco. Sempre o Evangelho conosco, porque é a Palavra de Jesus para poder escutá-Lo.

Deste episódio da Transfiguração, gostaria de colher dois elementos significativos, que sintetizo em duas palavras: subida e descida. Nós temos necessidade de ir além, de subir a montanha em um espaço de silêncio, para encontrar nós mesmos e perceber melhor a voz do Senhor.

Isto fazemos na oração. Mas não podemos permanecer ali! O encontro com Deus na oração nos impele novamente a “descer da montanha” e retornar para baixo, à planície, onde encontramos tantos irmãos sob o peso do cansaço, das doenças, injustiças, ignorâncias, pobreza material e espiritual.

A estes nossos irmãos que estão em dificuldade, somos chamados a levar os frutos da experiência que fizemos com Deus, partilhando com eles a graça recebida. E isto é curioso. Quando nós ouvimos a Palavra de Jesus, escutamos a Palavra de Jesus e a temos no coração, aquela Palavra cresce. E vocês sabem como cresce? Dando-a ao outro!

A Palavra de Cristo em nós cresce quando nós a proclamamos, quando nós a damos aos outros! E este é o caminho cristão. É uma missão para toda a Igreja, para todos os batizados, para todos nós: escutar Jesus e oferecê-Lo aos outros. Não esquecer: esta semana, escutem Jesus!

E pensem nesta questão do Evangelho: vocês o farão? Farão isto? Depois, no próximo domingo, vocês me dirão se fizeram isto: ter um pequeno Evangelho no bolso ou na bolsa para ler um pequeno trecho no dia.

E agora dirijamo-nos à nossa Mãe Maria, e confiemo-nos à sua orientação para poder seguir com fé e generosidade este itinerário da Quaresma, aprendendo um pouco mais de “subir” com a oração e escutar Jesus e “descer” com a caridade fraterna, anunciando Jesus.