Há 50 anos, o mundo “perdia” o Papa Bom

Cidade do Vaticano (RV) – No dia 3 de junho de 50 anos atrás, em 1963, morreu João XXIII, o “Papa Bom”.

Angelo Giuseppe Roncalli nasceu em Sotto il Monte, na Província de Bergamo, norte da Itália, em 25 de novembro de 1881. Foi eleito o 261° Papa em 28 de outubro de 1958, sucedendo Pio XII.

Desde o início, João XXIII revelou um estilo que refletia a sua personalidade humana e sacerdotal amadurecida através de inúmeras experiências: foi professor, capelão militar e teve uma longa carreira diplomática.

Preocupou-se com o aspecto pastoral do seu ministério, ressaltando sua natureza episcopal enquanto Bispo de Roma. Multiplicou o contato com os fiéis por meio de visitas a paróquias, hospitais e cárceres. Sua maior contribuição, todavia, foi a convocação do Concílio Vaticano II – cujo anúncio foi feito na Basílica de S. Paulo em 25 de abril de 1959. Tratou-se de uma decisão pessoal de João XXIII, depois de colóquios com seus colaboradores e com o Secretário de Estado, Cardeal Tardini. A finalidade deste evento, detalhada no discurso de abertura em 11 de outubro de 1962, era original: não se tratava de definir novas verdades, mas de repropor a doutrina tradicional de maneira mais apta à sensibilidade moderna.

Na perspectiva de uma atualização de toda a vida da Igreja, João XXIII convidava a privilegiar a misericórdia e o diálogo com o mundo, numa consciência renovada de que a missão eclesial abraça todos os homens. Nesta abertura universal, não podiam ficar de fora as várias confissões cristãs, convidadas também elas a participarem do Concílio para dar início a um caminho de aproximação. No decorrer da primeira fase, pôde-se constatar que João XXIII queria um Concílio realmente deliberativo, do qual respeitou as decisões depois que todos tiveram modo de se expressar e de se confrontar.

O “Papa Bom” assumiu a Igreja no auge da “guerra fria” entre as democracias ocidentais e os países do bloco comunista – situação que rechaçava de maneira amável, mas enérgica.

Na primavera de 1963, lhe foi conferido o Prêmio “Balzan”, que testemunhava seu empenho em favor da paz com a publicação das Encíclicas Mater et Magistra (1961) e Pacem in terris(1963).

Nelas, estão indicados as tarefas e os deveres da Igreja Católica no mundo contemporâneo, e os itinerários e as metas de natureza política que devem levar o mundo da “coexistência” sempre mais precária entre os Estados à “convivência” entre regimes contrapostos e etnias diferentes.

João XXIII não somente pregava que tudo isso deve ser feito, mas que pode ser feito. Sua grande popularidade deriva de sua capacidade singular de comunicar esperança a todos, de indicar o caminho de uma paz que não é somente ausência de conflitos armados, mas orientada sobretudo ao ser humano.

Morreu na noite de 3 de junho de 1963 e foi beatificado por João Paulo II em 3 de setembro de 2000.

Para marcar esta data, a Diocese de Bergamo organizou uma peregrinação ao Vaticano, que se concluirá esta tarde com a celebração da Santa Missa na Basílica de S. Pedro. No final da celebração, o Papa Francisco irá até a Basílica e pronunciará um breve discurso.
(BF)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s