Papa diz que Big Bang e Teoria da Evolução não contradizem a lei cristã

Papa Francisco fez declarações sobre a ciência durante inauguração de busto em homenagem ao Papa Emérito Bento XVI (Foto: Osservatore Romano/Reuters)
Papa Francisco fez declarações sobre a ciência durante inauguração de busto em homenagem ao Papa Emérito Bento XVI (Foto: Osservatore Romano/Reuters)

O G1 afirma que o Papa Francisco disse nesta segunda-feira (27), durante discurso na Pontifícia Academia de Ciências, que a Teoria da Evolução e o Big Bang são reais e criticou a interpretação das pessoas que leem o Gênesis, livro da Bíblia, achando que Deus “tenha agido como um mago, com uma varinha mágica capaz de criar todas as coisas”. De acordo com o site, o Papa afirma que a criação do mundo “não é obra do caos, mas deriva de um princípio supremo que cria por amor”.

“O Big Bang não contradiz a intervenção criadora, mas a exige”,

disse o pontífice na inauguração de um busto de bronze em homenagem ao Papa Emérito Bento XVI.

Ele acrescentou dizendo que a “evolução da natureza não é incompatível com a noção de criação, pois exige a criação de seres que evoluem”.

O Papa criticou que quando as pessoas leem o livro do Gênesis, sobre como foi a origem do mundo, pensam que Deus tenha agido como um mago. “Mas não é assim”, explica.

Segundo Francisco, o homem foi criado com uma característica especial – a liberdade – e recebe a incumbência de proteger a criação, mas quando a liberdade se torna autonomia, destrói a criação e homem assume o lugar do criador.

“Ao cientista, portanto, sobretudo ao cientista cristão, corresponde a atitude de interrogar-se sobre o futuro da humanidade e da Terra; de construir um mundo humano para todas as pessoas e não para um grupo ou uma classe de privilegiados”, concluiu o pontífice.

Já site da Rádio Vaticano, um dos canais oficiais de Roma, nada consta sobre essas declarações. Vamos esperar um posicionamento do Vaticano sobre essas declarações que mexem com o modo de catequizar.

RÁDIO VATICANO | O Papa Francisco foi na manhã desta segunda-feira à Casina Pio IV, no Vaticano, por ocasião da Plenária da Pontifícia Academia das Ciências e para a inauguração de um busto em homenagem a Bento XVI. Este busto, disse o Papa Francisco, recorda a todos a pessoa e o rosto do amado Papa Ratzinger, evoca também o seu espírito: o espírito dos seus ensinamentos, dos seus exemplos, das suas obras, da sua devoção à Igreja, da sua atual vida “monástica”. E este espírito, continuou o Papa, longe de se desintegrar com o andar do tempo, aparecerá cada vez maior e mais poderoso de geração em geração, pois Bento XVI é um grande Papa: grande pela força e a penetração da sua inteligência, pela sua significativa contribuição à teologia, pelo seu amor à Igreja e aos seres humanos, pela sua virtude e religiosidade. E o Papa recordou ainda que o amor de Bento XVI pela verdade não se limita apenas à teologia e filosofia, mas se abre às ciências, e este amor pelas ciências transborda na sua solicitude pelos cientistas, sem distinção de raça, nacionalidade, civilização, e religião; solicitude pela Academia, desde que São João Paulo II o nomeou como membro.

Certamente – sublinhou o Papa – do Papa Bento XVI nunca se poderá dizer que o estudo e a ciência fizeram murchar a sua pessoa e o seu amor para com Deus e o próximo mas, pelo contrário, a ciência, a sabedoria e a oração dilataram o seu coração e o seu espírito. Devemos por isso agradecer a Deus pelo dom que ele deu à Igreja e ao mundo, com a existência e o pontificado do Papa Bento XVI, e agradecer também a todos aqueles que generosamente tornaram possível a obra o evento, de modo particular o autor do busto, o escultor Fernando Delia, a família Tua, e todos os Acadêmicos.

Em seguida, o Papa dirigiu-se aos acadêmicos dizendo de ser feliz de exprimir a sua profunda estima e caloroso encorajamento para que levem para frente o progresso científico e a melhoria das condições de vida das pessoas, especialmente dos mais pobres. E, mesmo sem querer abordar a complexa questão da evolução do conceito da natureza, o Papa sublinhou que Deus e Cristo caminham connosco e estão presentes também na natureza, como afirmara o apóstolo Paulo no Areópago.

O cientista, portanto, e especialmente o cientista cristão, deve interrogar-se sobre o futuro da humanidade e da Terra, e deve ser livre e responsável, para concorrer na sua preparação e para preservá-lo, eliminando os riscos quer do ambiente natural quer daquele humano. E ao mesmo tempo, disse ainda o Papa Francisco, o cientista deve ser movido pela confiança de que a natureza esconde nos seus mecanismos evolutivos, o potencial que a inteligência e a liberdade deve descobrir e aplicar para chegar ao desenvolvimento que está no desígnio do Criador.
E o Papa terminou a sua mensagem dizendo: “encorajo-vos a continuar os vossos trabalhos e a realizar as felizes iniciativas teóricas e práticas para o benefício dos seres humanos que vos honram. E agora entrego com alegria o colar, que o Mons. Sanchez Sorondo dará aos novos membros. Obrigado” (BS)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s