Nunca acobertei casos de pedofilia, diz Bento XVI em uma longa carta escrita a um ateu militante

ppbxvi240913(ACI/EWTN Noticias).- O matemático italiano e ateu militante, Piergiorgio Odifreddi, recebeu no último dia 3 de setembro uma carta muito especial. Um envelope selado, com 11 páginas com data de 30 de agosto e assinada por Bento XVI.

No texto, o Bispo Emérito de Roma responde ao livro de Odifreddi “Caro papa, ti scrivo” (Querido Papa, escrevo-te, Mondadori, 2011). Um livro que, como o autor recorda, desde a capa se define como uma “luciferina introdução ao ateísmo”.

No artigo no qual Odifreddi comenta as suas impressões ao receber esta carta afirma: “Não foi uma coincidência ter dirigido a minha carta aberta a Ratzinger. Depois de ter lido o seu “Introdução ao Cristianismo”, entendi que a fé e a doutrina de Bento XVI, a diferença de outros, eram o suficientemente coerentes e sólidas para poder confrontar perfeitamente e sustentar ataques frontais”.

Agressividade e descuido na argumentação

No fragmento da carta que foi publicado no jornal La Repubblica, pode-se ler como Bento XVI reconhece que desfrutou e aproveitou a leitura de algumas partes da carta, mas outras partes se surpreendeu por “uma certa agressividade e descuido na argumentação”.

No início da carta, o Bispo Emérito de Roma assinala que “você me dá a entender que a teologia seria ‘fantaciência’”. E frente a este argumento apresenta quatro pontos.

Ficção científica na religião… e a matemática

Em primeiro lugar assinala que “é correto afirmar que “ciência” no sentido mais estrito da palavra é somente a matemática, enquanto eu aprendi contigo que seria necessário distinguir ainda entre aritmética e geometria. Em todas as matérias específicas a científica tem a sua própria forma, segundo a particularidade do seu objeto. O essencial é que aplique um método verificável, exclua o arbítrio e garanta a racionalidade nas respectivas modalidades”.

Em segundo lugar, Bento XVI sustenta que “você deveria pelos menos reconhecer que, no âmbito histórico e no do pensamento filosófico, a teologia produziu resultados duradouros”.

Como terceiro aspecto afirma que “uma função importante da teologia é a de manter a religião unida à razão e a razão à religião. Ambas as funções são de essencial importância para a humanidade”.

Recordando a Habermas

Neste ponto recorda que no seu diálogo com Habermas “mostrei que existem patologias da religião e -não menos perigosas- patologias da razão. Ambas necessitam uma da outra, e tê-las continuamente conectadas é uma tarefa importante da teologia”.

No último ponto, muito mais longo que os anteriores, Bento expressa que “a “fantaciência” existe, por outro lado, no âmbito de muitas ciências e faz referências às teorias que Odifreddi expõe sobre o início e o fim do mundo em Heisenberg, Schrödinger, etc., que -continua Bento XVI-, “eu o designaria como ‘fantaciência’ no bom sentido: são visões e antecipações, para alcançar um verdadeiro conhecimento, mas são, de fato, somente imaginações com as que procuram aproximar-nos da realidade”.

Pouco nível: a pederastia

Depois de desenvolver com mais detalhe estas ideias, Bento XVI se detém no capítulo sobre o sacerdote e a moral católica e nos distintos capítulos sobre Jesus. “No que se refere ao que você diz do abuso moral de menores por parte de sacerdotes, posso -como você sabe- mostrar somente uma profunda consternação. Nunca tentei acobertar estas coisas. O fato de o poder do mal penetrar até este ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, devemos suportar, e por outro, nos obriga a fazer todo o possível para que estes casos não se repitam”.

“Não é tampouco motivo de tranquilidade saber que, segundo as investigações dos sociólogos, a porcentagem dos sacerdotes culpados destes crimes não é mais alta que em outras categorias profissionais semelhantes. Em qualquer caso, não se deveria apresentar este desvio ostentosamente como se fosse uma sujeira específica do catolicismo. Não é lícito calar o mal na Igreja, mas também não se deve fazer esquecer o grande rasto luminoso de bondade e pureza que a fé cristã deixou ao longo dos séculos”.

Por isso, Bento XVI recorda nomes como São Bento de Nursia e sua irmã Escolástica, Francisco e Clara de Assis ou Teresa de Ávila e João da Cruz.

O “Jesus histórico”, o do Hengel e Schwemer

Com respeito ao que o matemático diz sobre a figura histórica de Jesus, Bento recomenda ao autor os quatro volumes da obra que Martin Hengel publicou em conjunto com Maria Schwemer, “um exemplo excelente de precisão histórica e de amplíssima informação histórica”, assinala Ratzinger.

Assim mesmo, recorda, como já esclareceu no primeiro volume de seu livro sobre Jesus de Nazaré, que “a exegese histórica-crítica é necessária para uma fé que não propõe mitos com imagens históricas, mas reclama uma verdadeira historicidade e por isso deve apresentar a realidade histórica de suas afirmações também de forma científica”.

Em vez de Deus, uma natureza sem definir

Continua Bento XVI afirmando que “se você, entretanto, quer substituir Deus pela “Natureza”, fica a pergunta, quem ou o que é esta natureza. Em nenhuma parte você a define e aparece, portanto, como uma divindade irracional que não explica nada”.

E acrescenta: “Queria, portanto, sobretudo destacar que na Sua religião da matemática três temas fundamentais da existência humana ficam sem serem considerados: a liberdade, o amor e o mal. Qualquer coisa que a neurobiologia diga sobre a liberdade, no drama real da nossa história está presente como realidade determinante e deve ser levada em consideração”.

Na última parte publicada da carta de Bento, assinala que a “minha crítica sobre o seu livro é por um lado dura, mas a franqueza faz parte do diálogo; só assim o conhecimento pode crescer”.

Veja parte da carta que foi traduzida por Moisés Sbardelotto.

Ilustríssimo Senhor Professor Odifreddi, (…) gostaria de lhe agradecer por ter tentado até o último detalhe se confrontar com o meu livro e, assim, com a minha fé; é exatamente isso, em grande parte, que eu havia intencionado com o meu discurso à Cúria Romana por ocasião do Natal de 2009. Devo agradecer também pelo modo leal como tratou o meu texto, buscando sinceramente prestar-lhe justiça.

O meu julgamento acerca do seu livro, no seu conjunto, porém, é em si mesmo bastante contrastante. Eu li algumas partes dele com prazer e proveito. Em outras partes, ao invés, me admirei com uma certa agressividade e com a imprudência da argumentação. (…)

Várias vezes, o senhor me aponta que a teologia seria ficção científica. A esse respeito, eu me admiro que o senhor, no entanto, considere o meu livro digno de uma discussão tão detalhada. Permita-me propor quatro pontos a respeito de tal questão:

1. É correto afirmar que “ciência”, no sentido mais estrito da palavra, só a matemática o é, enquanto eu aprendi com o senhor que, mesmo aqui, seria preciso distinguir ainda entre a aritmética e a geometria. Em todas as matérias específicas, a cientificidade, a cada vez, tem a sua própria forma, segundo a particularidade do seu objeto. O essencial é que ela aplique um método verificável, exclua a arbitrariedade e garanta a racionalidade nas respectivas modalidades diferentes.

2. O senhor deveria ao menos reconhecer que, no âmbito histórico e no do pensamento filosófico, a teologia produziu resultados duradouros.

3. Uma função importante da teologia é a de manter a religião ligada à razão, e a razão, à religião. Ambas as funções são de essencial importância para a humanidade. No meu diálogo com Habermas, mostrei que existem patologias da religião e – não menos perigosas – patologias da razão. Ambas precisam uma da outra, e mantê-las continuamente conectadas é uma importante tarefa da teologia. Continuar lendo “Nunca acobertei casos de pedofilia, diz Bento XVI em uma longa carta escrita a um ateu militante”

Anúncios

O Papa: A Igreja é Mãe e fala a seus filhos no “dialeto” da verdadeira ortodoxia para lutar contra o mal

 pppapa130913cna(ACI/EWTN Noticias).- Na homilia da Missa que presidiu na manhã de ontem na capela da Casa Santa Marta, o Papa Francisco assinalou que a Igreja é uma Mãe, viúva e corajosa, que defende os seus filhos e que lhes fala com o “dialeto” da verdadeira ortodoxia, do Catecismo para que eles possam lutar contra o mal e para ela levar aos seus à vida eterna com o Esposo que é Jesus.

O Santo Padre refletiu sobre o encontro entre Jesus e a mulher viúva de Naim no Evangelho de ontem. O Senhor, disse o Papa, teve uma grande compaixão por esta mãe que agora perdeu o seu filho. Com esta passagem “penso também que esta viúva é um ícone da Igreja, porque também a Igreja, num certo sentido, é viúva. O seu Esposo foi embora e Ela caminha na história, esperando encontrá-lo, encontrar-se com Ele. E Ela será a esposa definitiva. Mas, enquanto isso, Ela – a Igreja – está sozinha! O Senhor não é visível. Há uma certa dimensão de viuvez”.

Isso, disse o Pontífice, “me faz pensar na viuvez da Igreja. Esta Igreja corajosa, que defende os filhos, como a viúva que foi ao juiz corrupto para defendê-los, e acabou vencendo. A nossa mãe Igreja é corajosa! Tem a coragem de uma mulher que sabe que seus filhos são seus, e deve defendê-los e levá-los ao encontro com o seu Esposo”.

O Papa se deteve sobre algumas figuras de viúvas na Bíblia, em particular sobre a corajosa viúva dos Macabeus com sete filhos que são martirizados por não renegar a Deus. A Bíblia, destacou o Santo Padre, diz que esta mulher falava com os filhos “no dialeto local, na primeira língua”.

Francisco disse que a Igreja “nos fala em dialeto, na linguagem da verdadeira ortodoxia que todos nós entendemos, a língua do catecismo” que “justamente nos dá a força para seguirmos adiante na luta contra o mal”.

“Tenho vontade de pedir ao Senhor a graça de nos confiar sempre a esta ‘mãe’ que nos defende, nos ensina, nos faz crescer e nos fala no dialeto”, acrescentou o Papa.

O Papa explicou que a Igreja “quando é fiel sabe chorar. Quando a Igreja não chora, tem algo de errado. Chora pelos seus filhos e reza! Uma Igreja que segue adiante e faz crescer os seus filhos, dá a eles a força e os acompanha até a última despedida que os deixará nas mãos do seu Esposo e que, no final, também Ela encontrará. Esta é a nossa mãe Igreja!”.

“Eu a vejo nesta viúva, que chora. E o que o Senhor diz à Igreja? ‘Não chore. Estou contigo, eu te acompanho, eu te espero lá nas núpcias, as últimas núpcias, aquela do cordeiro. Espere, este teu filho que estava morto, agora vive!’”.

E isto, prosseguiu, “é o diálogo do Senhor com a Igreja”. Ela “defende os filhos, mas quando vê que os filhos estão mortos, chora e o Senhor lhe diz: ‘Estou contigo e o seu filho está comigo’”.

Assim como disse ao jovem em Naim para que se levantasse do seu leito de morte, muitas vezes Jesus pede que nos levantemos “quando morremos pelo pecado e vamos pedir perdão”. E o que faz então Jesus “quando nos perdoa, quando nos devolve a vida?”: restitui-nos à Mãe Igreja.

“A nossa reconciliação com o Senhor não termina no diálogo ‘Eu, você e o sacerdote que me dá o perdão’, mas termina quando Ele nos restitui à nossa mãe. Ali termina a reconciliação, porque não há caminho de vida, não há perdão nem reconciliação fora da mãe Igreja. E assim, vendo esta viúva, me vêm todas estas coisas um pouco desordenadas… Mas vejo nesta viúva a imagem da viuvez da Igreja que está a caminho para encontrar o seu Esposo”.

Enquanto isso, nos bastidores do Vaticano…. Papa se distância das afirmações de Müller sobre a Teologia da Libertação

(ACI/EWTN Noticias).- Em umas breves palavras na manhã de ontem durante o encontro com os sacerdotes da diocese de Roma (Itália), cidade da que é Bispo, o Papa Francisco confirmou pessoalmente que não apoia a teologia da libertação na versão que representa o sacerdote peruano Gustavo Gutiérrez, e que é respaldada pelo atual Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Dom Gerhard Müller.

O vaticanista Sandro Magister, no seu blog em italiano Settimo Céu, explica que o Santo Padre se distanciou de Dom Müller em uma breve, mas contundente observação feita durante o momento de perguntas e respostas.

“O encontro era a portas fechadas”, relata Magister e descreve como “sério e agudo”, o comentário do Papa Francisco sobre a teologia da libertação, que passou despercebido à imprensa, incluindo meios do Vaticano.

“Na formulação de uma das cinco perguntas expostas ao Papa e ao falar da centralidade dos pobres na pastoral, um sacerdote fez referência, em positivo, à teologia da libertação e à posição compreensiva ante esta teologia, do Arcebispo Gerhard Müller”, relata Magister.

Mas, “ao escutar o nome do Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o Papa Francisco nem esperou terminar a pergunta e disse: ‘isto quem pensa é Müller, isto é o que ele pensa’”, narra o Vaticanista italiano.

A afirmação do Santo Padre ganha mais importância logo depois de ter recebido, na quinta-feira passada, em audiência o sacerdote peruano Gustavo Gutiérrez, considerado um dos pais da teologia da libertação, um encontro realizado a pedido do Arcebispo Müller.

Sobre o Padre Gutiérrez, no sábado, 14 de setembro o Arcebispo de Lima e Primado do Peru, Cardeal Juan Luis Cipriani Thorne, assinalou que ainda tem colocações que deve retificar.

Promover a família beneficiará a todos, afirma o Papa

pppapa130913cna(ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco enviou uma mensagem aos participantes da 47ª Semana Social dos católicos italianos iniciada nesta quinta-feira na cidade de Turim (Itália) e os chamou a “evidenciar o laço que une o bem comum à promoção da família fundada nomatrimônio”. A mensagem foi dirigida ao Presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), Cardeal Angelo Bagnasco, e nele Francisco recorda que a família é uma escola privilegiada de generosidade que educa a superar o individualismo que existe na sociedade.

A família, indicou o Papa, é mais que um tema, é vida, “é caminho de gerações que se transmitem a fé junto com o amor”, “é fadiga, paciência, e também projeto, esperança e futuro”. E tudo isto se converte em levedura cada dia na massa de toda a sociedade para o seu maior bem comum. Além disso, o futuro da mesma sociedade está enraizado nos jovens e nos anciões, que são a memória viva.

Por isso, advertiu que “um povo que não se ocupa dos anciões, das crianças e dos jovens não tem futuro”.

Sobre a Igreja, indicou que esta oferece “uma concepção da família que é a do livro do Gênesis, da unidade na diferença entre homem e mulher” e como tal “merece ser sustentada eficazmente”.

Dia da Família IINesse sentido, advertiu que as consequências das eleições culturais e políticas que se referem à família afetam os diversos âmbitos da vida de um país: desde o problema demográfico às demais questões referentes ao trabalho até a mesma “visão antropológica que está na base de nossa civilização”.

Conforme informou a Rádio Vaticano, o Santo Padre reconheceu “os sofrimentos de tantas famílias” devido à falta de trabalho ou aos conflitos internos ou os fracassos da experiência conjugal e manifestou a todos a sua proximidade, de uma vez que recordou o testemunho simples de tantas famílias “que vivem a experiência do matrimônio e do ser progenitores com alegria” e sem medo de encarar também os momentos da cruz que vivida em união com a do Senhor, não impede o caminho do amor, mas ao contrário, pode fazê-lo mais forte.

Em sua mensagem, também recordou ao Beato José Toniolo, um leigo católico que apesar das dificuldades soube percorrer caminhos profícuos “para trabalhar na busca e na construção do bem comum”, destacando que seu exemplo “constitui um estímulo sempre válido para os católicos leigos de hoje para que procurem vias eficazes para a mesma finalidade”.

Finalmente, expressou seu desejo de que esta Semana Social contribua “de modo eficaz evidenciar o laço que une o bem comum à promoção da família fundada no matrimônio, acima de preconceitos e ideologias”.

As Semanas Sociais na Itália começaram em 1907. Um de seus principais promotores foi o Beato José Toniolo. Esta é a primeira Semana Social que se celebra depois de sua beatificação realizada em 28 de abril de 2012.

Amamos o que conhecemos: Desconhecimento da Doutrina Social da Igreja afeta o desempenho dos leigos, adverte perito

Pe. Fernando Fuentes. Foto: Conferência Episcopal Espanhola

 (ACI/EWTN Noticias).- O Pe. Fernando Fuentes, diretor do Secretariado da Comissão Episcopal da Pastoral Social da Conferência Episcopal Espanhola (CEE), assinalou que a Doutrina Social da Igreja é um “âmbito nuclear para a vida da Igreja”, entretanto, advertiu que seu desconhecimento está afetando o desempenho dos leigos na vida pública de seus países.

Em declarações à agência SIC, o sacerdote se referiu ao Mestrado em Doutrina Social da Igreja organizado pela Comissão Episcopal da Pastoral Social em colaboração com a Fundação Paulo VI e a Universidade Pontifícia de Salamanca; uma iniciativa online que, segundo Fuentes, pretende aprofundar no conhecimento deste aspecto social da Igreja que às vezes é pouco conhecido por falta de formação dos católicos.

Este mestrado já vem sendo realizado há 20 anos em alguns países da América Latina, como o México, Argentina e Panamá, mas é a primeira edição que acontece na Espanha. Mediante um campus virtual da Universidade Pontifícia de Salamanca, Campus de Madri, 14 professores de diferentes universidades se responsabilizam pelas disciplinas curso.

E é que conforme assegurou o diretor do Secretariado da Comissão Episcopal da Pastoral Social, “a Doutrina Social da Igreja é uma das grandes desconhecidas pelos católicos”. Explicou que se trata de “falta de formação no âmbito doutrinal no clero e também entre os leigos, o qual está incidindo na debilidade da presença do laicato na vida pública e em uma presença na ação social que nem sempre tem uma fundamentação nesta referência doutrinal”.

Segundo o Pe. Fuentes, a Doutrina Social da Igreja se trata de um “âmbito nuclear para a vida da Igreja” e assegurou que “quando se apresenta àqueles que fazem o curso, eles se surpreendem pela novidade do pensamento social da Igreja”.

O sacerdote explicou que para discernir as questões sociais desde a experiência cristã e com colocações morais são necessários recursos que normalmente são pouco conhecidos e que se explicam neste mestrado, e que os 200 alunos que o cursaram em seus 20 anos de história aprendem e depois aplicam como professores de doutrina social da Igreja, técnicos do Caritas e de Mãos Unidas, responsáveis por pastoral operária e de associações e movimentos eclesiais, políticos, sindicalistas.

A situação atual de crise social e econômica expõe desafios muito específicos para os cristãos, por isso o Pe. Fuentes recordou que Bento XVI já o advertia em sua encíclica Deus Caritas Est, onde destacou “que a Igreja tem o dever de oferecer, mediante a purificação da razão e a formação ética, sua contribuição específica, para que as exigências da justiça sejam compreensíveis e politicamente realizáveis”. Explicou que se trata de “uma tarefa que requer bons itinerários educativos e testemunho de solidariedade, como já está sendo feito em muitas comunidades cristãs”.

Nesse aspecto o compromisso dos cristãos com a vida pública já se falou na encíclica de João XXIII Pacem in terris, que completa 50 anos de sua publicação e que o Pe. Fuentes assegura que é “como ‘a constituição’ para os governantes e para o compromisso na vida pública. Influenciou decisivamente nos anos 70 e 80; foi a carta magna dos direitos humanos e supôs toda uma interpelação à Igreja e à sociedade na consecução de uma convivência pacífica”.

A encíclica Pacem in terris é um dos pontos mais importantes para a Comissão Episcopal da Pastoral Social e para a Fundação Paulo VI. Em 2003 celebraram um Simpósio sobre o documento e seus desafios; e agora a questão política tem grandes desafios na atualidade, especialmente o possível conflito na Síria ante o qual o Papa Francisco realizou um dia de oração pela paz no mundo.

Conforme afirmou o Pe. Fuentes, Cáritas, Mãos Unidas e as obras das congregações religiosas são algumas das respostas das necessidades sociais, coordenadas da Comissão Episcopal da Pastoral Social já que “para a Igreja, a caridade pertence a sua natureza e a sua essência, não é uma espécie de assistência social. Por isso o testemunho da caridade se transforma também em ‘caridade política’, chega a todos os rincões da vida e atende às pessoas de modo integral”.

Jovem homossexual francês inventou telefonema do Papa Francisco

 

 (ACI/EWTN Noticias).- O subdiretor do Escritório de Imprensa da Santa Sé, Padre Ciro Benedittini, esclareceu nesta manhã que “não houve absolutamente um telefonema por parte do Papa a um jovem homossexual francês. É mais, não houve nenhuma ligação para a França”, em alusão a uma informação dada por importantes jornais da região.

O Pe. Benedittini explicou que o Papa Francisco desconhece a língua francesa e assim desmentiu as afirmações atribuídas a Christophe Trutino, um jovem de 25 anos de Toulouse que se declara homossexual e católico praticante.

Trutino contatou o jornal ‘Depeche du Midi’ para narrar a sua história e jornais como Le Figaro, um dos mais importantes da França, recolheram a notícia.

Trutino assegurava ter recebido o telefonema do Papa Francisco e narrou que ele lhe falou que a “sua homossexualidade não é grave”, como resposta a uma carta que teria escrito ao Papa.

O jovem disse que recebeu a ligação atribuída ao Papa em 29 de agosto às 2 p.m.. O jovem contou que o Papa lhe disse: “Olá, sou o Papa Francisco. Recebi a carta que me mandaste. É necessário ser corajosos, continuar acreditando, orando, e sendo bons”.

Ao final da ligação, o Papa lhe teria pedido orar por Ele, como costuma fazer, e lhe teria assegurado rezar por ele.

Na suposta carta, o jovem explicaria ao Papa que o debate na França em torno ao matrimônio homossexual o tinha impactado e o tinha levado a duvidar de sua própria fé.

O Papa chama os jovens a “fazer barulho” e ir contracorrente

(ACI/EWTN Noticias).- Ao completar um mês da Missa final da Jornada Mundial da Juventude celebrada no Rio de Janeiro (Brasil), o Papa Francisco desafiou os jovens a fazerem barulho e irem contra a corrente, com os valores da beleza, bondade e verdade para alcançar grandes ideais.

Assim o indicou ontem, ao receber na Basílica de São Pedro um grupo de 500 peregrinos da diocese de Piacenza-Bobbio, ao norte da Itália, que chegou a Roma com motivo do Ano da Fé.

“Por favor, andem contracorrente. Sejam corajosos, destemidos: andem contracorrente. Quando lhes disserem ‘Não homem, toma isto, toma um pouco de álcool, um pouco de droga, digam não! Caminhem contra esta civilização que está nos fazendo tanto mal. Entenderam? Ir contra a maré significa fazer barulho. Vão em frente, mas sempre com os valores da beleza, bondade e verdade”.

“Desafiem seus maiores ideais, os ideais de fazer um mundo de bondade, beleza e verdade. Vocês podem fazê-lo. Têm o poder de fazer isso. Se não o fizerem é por causa da preguiça: Coragem, avante! Façam barulho, hein? Onde há jovens deve haver barulho. Depois as coisas se equilibram, mas a ilusão de um jovem é fazer barulho sempre”, exortou o Santo Padre.

O Papa Francisco também lhes animou a converter-se em construtores do futuro: “Quando um? jovem me diz: ‘Vivemos tempos ruins Padre, e não se pode fazer nada! Como não se pode fazer nada? pode-se fazer muito! Quando um? jovem me diz: ‘Vivemos tempos ruins Padre, e não se pode fazer nada!’ Eu o mando ao psiquiatra, eh? Porque, é verdade, não se compreende um jovem, um rapaz, uma moça que não queiram fazer coisas grandes, apostar por ideais grandes, grandes para o futuro, não?”.

“Seu Bispo disse que eu fiz um grande gesto, ao vir aqui. Mas… fiz isso por egoísmo, sabem por que? Porque eu gosto de estar com vocês! E isso é egoísmo!”.

O Pontífice explicou que gosta de estar com os jovens porque “têm em seus corações a promessa de esperança. Vocês são portadores de esperança e vivem no presente, mas olhando para o futuro. Vocês são os protagonistas e artesãos do futuro”.

Também lhes animou “a serem artesãos do futuro”, e lhes recordou que em seu interior está o tesouro de desejar grandes coisas.

Em primeiro lugar, disse, o desejo da beleza: a música, o teatro, a pintura. “Em segundo lugar o ser profetas de bondade, amar a bondade e ser bons. E em terceiro, ter sede de verdade: procurar a verdade, a maior –Deus-, algo que não se possa possuir, mas encontrar”.

Por último, o Papa deu a sua bênção apostólica, e convidou a rezar à Virgem, que é a Mãe da beleza, a Mãe da bondade e a Mãe da Verdade, “para pedir-lhe a graça da coragem: porque a Virgem era corajosa. Tinha coragem, esta mulher!”, concluiu.

INTOLERÂNCIA: Lobby gay organiza “fogueira sacrílega” pelo cancelamento do Ciclo Rosa na Pontifícia Universidade Javeriana

(ACI/EWTN Noticias).- Sob o lema “a única Igreja que ilumina é a que arde”, o lobby gay na Colômbia organizou uma “fogueira sacrílega” para queimar imagens religiosas, terços, crucifixos, entre outros, nesta sexta-feira 16 de agosto, no marco de uma manifestação na frente da Pontifícia Universidade Javeriana pelo cancelamento do Ciclo Rosa Acadêmico, que promovia o estilo de vida homossexual.

O Ciclo Rosa foi organizado durante 12 anos pelo Instituto de Estudos Sociais e Culturais PENSAR da Pontifícia Universidade Javeriana, e ia acontecer a fins de agosto no campus do centro de estudos católico.

O evento se cancelou depois da pressão de milhares de leigos e a intervenção do Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia (CEC) e Arcebispo de Bogotá, Cardeal Rubén Salazar, e do Núncio Apostólico no país, Dom Ettore Balestrero.

O reitor da Pontifícia Universidade Javeriana, Padre Joaquín Emilio Sánchez García, o diretor do Instituto PENSAR, Padre Alberto Múnera, e o docente da Javeriana e promotor do aborto na Colômbia, Padre Carlos Novoa -os três sacerdotes jesuítas-, defenderam o evento e criticaram o seu cancelamento.

O Padre Sánchez García, que inclusive manipulou uma frase do Papa Francisco para justificar o Ciclo Rosa, assegurou que ao organizar este evento a Pontifícia Universidade Javeriana “de maneira nenhuma fez algo inconveniente para a fé cristã”.

Em um evento difundido inicialmente na rede social Facebook, e logo eliminado desta, o lobby gay escreveu “que fique claro: A única Igreja que ilumina é a que arde! Qualquer tipo de fundamentalismo é perigoso e prejudicial para a liberdade de pensamento, para a autonomia e a capacidade crítica que deve ter uma sociedade que está disposta a questionar os dogmas, instituições e imaginários de todo tipo, que perpetuam ideais de exclusão e marginalização”.

Os “ideólogos do gênero”, disseram os organizadores deste evento anticatólico, “são aqueles que se inclinam à naturalização do ódio e a justificação das opressões e lxs (sic) que nos dedicamos a trabalhar por uma sociedade livre de binarismos, patriarcado e heterosexismo”.

O lobby gay se manifestou indignado por “saber que persiste a censura e a perseguição ao conhecimento laico, como nas piores épocas do obscurantismo medieval”.

“Justamente por isso, como proposta coletiva, para iluminar esses espaços que tendem a suprimir uma história de mais de dez anos de perseverança e esforço acadêmico plural, convocamos a uma grande fogueira herege, em que seremos agora as bruxas, as mariconas, escatofílicas (sic), mulheres estéreis, putas, desbocadas… as que vamos jogar ao fogo todo símbolo religioso que foi e continua sendo causa de opressões, violências, injustiças, criminalizações, culpas, segregação, temores e assassinatos”.

A “fogueira herege” realizar-se-á, indicaram, “durante a onda rosa convocada para sexta-feira 16 de agosto, em frente da Universidade Javeriana, ao meio dia”.

O lobby gay culminou o convite a seu evento pedindo que “não fique sem levar seu terço, crucifixo, santinho, etc.”.

Papa pede a todos os brasileiros que defendam a vida desde a concepção

De modo particular, diante da cultura do descartável, que relativiza o valor da vida humana, os pais são chamados a transmitir aos seus filhos a consciência de que esta deva sempre ser defendida, já desde o ventre materno, reconhecendo ali um dom de Deus e garantia do futuro da humanidade,

(ACI/EWTN Noticias).- A vida humana deve ser defendida “sempre”, desde o ventre materno, reconhecendo nela um dom de Deus e uma “garantia do futuro da humanidade”, afirmou o Papa Francisco em uma mensagem para a Semana Nacional da Família, que começou ontem no Brasil.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o Papa inicia sua mensagem afirmando que ainda conserva “vivas no coração as alegrias que me foram proporcionadas” durante a viagem ao Brasil pela Jornada Mundial da Juventude celebrada faz uns dias no Rio de Janeiro.

O Papa animou os pais na “nobre e exigente missão que possuem de ser os primeiros colaboradores de Deus na orientação fundamental da existência e a segurança de um bom futuro. Para isso, ‘é importante que os pais cultivem as práticas comuns de fé na família, que acompanhem o amadurecimento de fé dos filhos’”?”.

Os pais, prosseguiu o Papa, foram chamados “a transmitir, tanto por palavras como, sobretudo pelas obras, as verdades fundamentais sobre a vida e o amor humano, que recebem uma nova luz da Revelação de Deus”.

“De modo particular, diante da cultura do descartável, que relativiza o valor da vida humana, os pais são chamados a transmitir aos seus filhos a consciência de que esta deva sempre ser defendida, já desde o ventre materno, reconhecendo ali um dom de Deus e garantia do futuro da humanidade, mas também na atenção aos mais velhos, especialmente aos avós, que são a memória viva de um povo e transmissores da sabedoria da vida”.

Para concluir, invocando a intercessão de Nossa Senhora Aparecida, o Papa pediu que as famílias possam chegar a ser “os mais convincentes arautos da beleza do amor sustentado e alimentado pela fé”.

A Semana Nacional da Família é uma iniciativa da Conferência Episcopal do Brasil, e este ano gira em torno do tema “A transmissão e a educação da fé cristã na família”. Os bispos brasileiros, retomando o documento de Aparecida, recordaram em uma nota que a família “é um dos tesouros mais importantes da América Latina e é um patrimônio de toda a humanidade”.

JMJ no Guinness Book

JMJ Rio2013 fará o maior flash mob já realizado no mundo

(ACI/EWTN Noticias).- Peregrinos de todo o mundo e também as pessoas que participarão da Missa de Envio no último dia da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, dia 28, já podem começar a ensaiar para, o que se espera ser, o maior flash mob já realizado no mundo. Tudo isso para receber o Papa Francisco no domingo, em Guaratiba, a expectativa é que dois milhões de pessoas participem dos Atos Centrais.

A música escolhida é “FRANCISCO”, composta em homenagem ao Papa e que também faz parte da programação do Show do Futuro. A coreografia é da bailarina carioca Gláucia Geraldo, em parceria com o famoso coreógrafo Fly, o vídeo já está disponível na internet para que as pessoas ensaiem em casa ou em suas paróquias, com seus grupos.

As atividades em Guaratiba começam no sábado, 27 com a Vigília por volta das 19h30 e a entrada será liberada às 6h da manhã, todos farão uma peregrinação de 13 km até o Campus Fidei. O Papa Francisco chegará de helicóptero, mas para ficar mais perto dos jovens percorrerá o trajeto até o palco de papamóvel, ficando cerca de 50 a 100 metros dos fiéis.

O Santo Padre reencontrará os jovens no domingo às 9:30h e antes da apresentação oficial haverá quatro ensaios no sábado e um no domingo de manhã, com os coreógrafos no palco.

Aprenda a coreografia assistindo ao vídeo

ONU reconhece que o aborto não é direito humano

(ACI/EWTN Noticias).- Ao emitir uma histórica resolução sobre mulher, paz e segurança, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) rechaçou a pretensão de que as vítimas de estupros em tempos de guerra tenham um suposto direito ao aborto.

 Em sua resolução 2106, adotada em 24 de junho de 2013, o importante organismo da ONU rechaçou qualquer medida que pretenda legitimar o aborto e a pílula do dia seguinte nos países membros.

O Secretário Geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, realizou um relatório a inícios de 2013, assegurando que o aborto e a pílula do dia seguinte são um “componente integral” de qualquer resposta à violência sexual em situações de conflito.

Entretanto, o Conselho de Segurança da ONU simplesmente “tomou nota da análise e recomendações contidas” em seu relatório, rechaçando diplomaticamente suas sugestões.

A resolução aprovada pelo Conselho de Segurança está centrada na prevenção e atenção da violência sexual em situações de conflito, o qual alcança a mulheres e crianças em acampamentos de refugiados.

Algumas delegações promotoras do aborto ante a ONU protestaram pelo rechaço ao aborto como direito humano.

A delegada da França, Najat Vallaud-Belkacem, questionou: “Por que continuam discutindo os direitos sexuais e reprodutivos das vítimas da violência sexual?”, enquanto que Karin Enstrom, em representação dos países nórdicos demandou como “crucial” a disponibilidade do aborto e da pílula do dia seguinte em situações de conflito.

O Conselho de Segurança da ONU rechaçou também incluir supostos direitos específicos para as pessoas homossexuais.

O Papa: Por que João é santo e sem pecado? Porque nunca tomou uma verdade como própria

(ACI/EWTN Noticias).- Hoje, dia em que aIgreja celebra o nascimento de São João Batista, o papa Francisco iniciou sua homilia na missa celebrada na Casa Santa Marta, felicitando a todas aquelas pessoas que se chamam João.

A figura de João Batista, disse o Papa, nem sempre é fácil de entender. “Quando pensamos em sua vida, ele é um profeta”, um “grande homem que logo termina como um homem pobre”. Portanto, quem é João? Ele mesmo, acrescentou, explica-o: “Eu sou uma voz, uma voz no deserto”, mas “é uma voz sem Palavra, porque a Palavra não é Ele, é Outro”.

Aqui está, pois, o que é o mistério de João: “Nunca se apodera da Palavra”, João “é o que significa, o que assinala”. O “sentido da vida de João é indicar outro”. Francisco disse que lhe chama muito a atenção que a “Igreja escolha para a festa de João”, um período em que os dias são os mais longos do ano, “que têm mais luz”.

E realmente João “era o homem da luz, levava a luz, mas não era sua própria luz, era uma luz refletida”. João é “como uma lua”, e quando Jesus começou a pregar, a luz de João “começou a declinar”. “Voz, não Palavra –afirmou-, luz, mas não própria”:

“João parece ser nada. Essa é a vocação de João, anular-se. E quando contemplamos a vida deste homem, tão grande, tão poderoso – todos acreditavam que ele era o Messias -, quando contemplamos essa vida, como se anula até a escuridão de uma prisão, contemplamos um grande mistério. Nós não sabemos como foram os últimos dias de João. Não sabemos. Sabemos apenas que ele foi morto, a sua cabeça colocada em uma bandeja, como grande presente para uma dançarina e uma adúltera. Eu acho que mais do que isso ele não podia se rebaixar, anular-se. Esse foi o fim de João”.

Na prisão, continuou o Santo Padre, João teve dúvidas, teve uma angústia e chamou seus discípulos para que fossem até Jesus para perguntar-lhe: “É Você, ou devemos esperar outro?”. Esta foi “justamente a escuridão, a dor de sua vida”. Nem sequer disto “salvou-se João”, continuou o Papa: “a figura de João me faz pensar muito na Igreja”:

“A Igreja existe para anunciar, para ser a voz da Palavra, de seu esposo, que é a Palavra. E a Igreja existe para anunciar esta Palavra até o martírio. Martírio precisamente nas mãos dos soberbos, dos mais soberbos da Terra. João poderia tornar-se importante, poderia dizer algo a respeito de si mesmo. ‘Mas eu conto’ somente isso: indicava, sentia-se voz, não Palavra. É o segredo de João. Por que João é santo e sem pecado? Porque nunca tomou uma verdade como própria. Não queria ser um ideólogo. Era o homem que negou a si mesmo para que a Palavra crescesse. E nós, como Igreja, podemos pedir hoje a graça de não nos tornarmos uma Igreja ideologizada…”.

A Igreja, acrescentou, deve ouvir a Palavra de Jesus e fazer-se sua voz, proclamá-la com coragem. “Esta é uma Igreja sem ideologias, sem vida própria: a Igreja que é o mysterium lunae, que tem a luz de seu Esposo e deve diminuir, para que Ele cresça”.

“Este é o modelo que João nos oferece hoje, para nós e para a Igreja. Uma Igreja que esteja sempre a serviço da Palavra. Uma Igreja que nunca tome nada para si mesma. Hoje na oração pedimos a graça da alegria, pedimos ao Senhor para animar esta Igreja no serviço à Palavra, de ser a voz desta Palavra, pregar esta Palavra”.

“Peçamos a graça de imitar a João, sem ideias próprias, sem um Evangelho tomado como propriedade, apenas Igreja-voz que assinala a Palavra, e isto até o martírio”.

Gestos dizem mais que palavras: Menino doa todo o dinheiro de sua Primeira Comunhão para alimentar os pobres

Alex Trindad

(ACI/EWTN Noticias).- Alex Trindad tem somente oito anos e se converteu nesta semana em noticia ao doar todo o dinheiro que recebeu dos seus familiares e amigos pela sua Primeira Comunhão a um refeitório que atende pessoas pobres. Alex explicou que o fez em resposta ao pedido do Papa Francisco de ajudar os mais necessitados.

Alex, que está no terceiro ano do ensino fundamental da escola Lehigh County, doou os 465 dólares que recebeu pela sua Primeira Comunhão ao Ecumenical Kitchen em Allentown, estado da Pennsylvania.

A mãe de Alex, que escreve em um blog chamado Filling my Prayer Closet, explicou que seu filho “ama o Papa Francisco” e “achou que tinha que dar todo seu dinheiro da Comunhão ao Ecumenical Kitchen local”.

“Se nós não alimentarmos (aos pobres e aos famintos, então quem o fará, mãe?”, disse o menino a sua mãe.

Perguntado sobre seu ato de generosidade, Alex Trindad disse ao canal de TV local WFMZ que “o Papa Francisco disse que temos que alimentar os pobres. Me sinto bem porque agora todos podem comer”.

A ideia de doar o dinheiro, conta a mãe que voltou para a Igreja Católica no ano 2012, surgiu de uma conversação de Alex com seu pai, que se declara ateu.

A diferença de outras crianças que podem usar o dinheiro na comida da celebração ou coloca-lo na poupança para a universidade, relata a mãe, “nosso filho teve uma ideia diferente que lhe foi sugerida pelo meu marido que é ateu”.

A doação de Alex permitiu alimentar por um dia e meio as 350 pessoas que tiveram a oportunidade de conhecer o menino e a quem aplaudiram alegremente por sua obra de caridade.

O Papa conquista os meios de comunicação muçulmanos no Twitter

(ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco conquistou os meios de comunicação e a opinião pública muçulmanos através do Twitter. A notícia provém do simpósio celebrado em Amman, Jordânia, nos dias 10 e 11 de junho pelo Centro de Estudos e Comunicação Católicos, em colaboração com o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais.

“A presença do Papa nos meios é importante, também os muçulmanos querem saber dele, e muitos meios de comunicação se interessam por ele como é o caso do Al Jazeera, Al Arabiya, Abouma.org, Al Harra ou Jordanian Times –alguns dos meios de comunicação mais importantes da imprensa árabe”, explicou o sacerdote Ramsine Hage Moussa, oficial de língua árabe do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais (PCCS).

“Os muçulmanos estão muito interessados. Atualmente o mundo árabe está vivenciando uma revolução, um tempo de mudanças, e os cristãos têm um papel fundamental, e isto é algo que está muito presente”, acrescentou.

O Papa Francisco conta com mais de 64 500 seguidores no seu perfil do Twitter em língua árabe @Pontifex. Muitos deles, explica o Pe. Ramsine, professam a religião muçulmana e seguem o Papa porque “querem saber o que ele diz”, além disso “sua incursão no Twitter em língua árabe teve um impacto absoluto entre a opinião pública”.

O simpósio comemorou o primeiro ano de abertura do centro, e nele participaram mais de 200 jornalistas de diferentes países do Oriente –a maioria deles de religião muçulmana-, assim como religiosos cristãos, muçulmanos, e intelectuais, entre os que figuravam o Patriarca de Jerusalém dos Latinos, Fouad Twal, o Presidente do PCCS, Dom Claudio Maria Celli , o Ministro jordano de Meios e Comunicação, Mohammad Momani, e o Padre Rifat Bader, diretor do Catholic Center fors Studies and Media.

“Os cristãos árabes foram e continuam sendo pioneiros intelectuais em defender a dignidade do ser humano através de suas vidas…”, expressou o Pe. Bader.

O centro teve um grande êxito no relatório das atividades e das iniciativas da Igreja na Jordânia e ao longo de todo o Oriente Médio, e se converteu em um ponto de conexão para o intercâmbio de informação das Igrejas, paróquias, e dos centros pastorais dos diferentes ritos católicos e a rica tradição que faz parte do mosaico formoso e cultural que caracteriza a região.

Por sua parte, Dom Celli falou com os presentes da evangelização e de como usar os meios de comunicação para transmitir a mensagem de Deus e o cristianismo.

“Animo-lhes continuar neste trabalho e estar atentos às novas formas de comunicação, interação e à linguagem dos meios de comunicação”, disse.

O encontro terminou com um chamado à libertação dos dois bispos cristãos sequestrados na Síria.

Papa afirma que terminará a Encíclica iniciada por Bento XVI

(ACI/EWTN Noticias).- O Papa recebeu nesta manhã em audiência aos membros do 13º Conselho Ordinário da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos e lhes anunciou que terminará a Encíclica sobre a fé que Bento XVI tinha começado a escrever.

Esta é a primeira vez que o Santo Padre confirma publicamente que concluirá esta encíclica sobre a fé.

Faz uns dias o Bispo de Molfetta-Ruvo-Giovinazzo-Terlizzi (Itália), Dom Luigi Martella, assinalou que o Papa Francisco está preparando esta encíclica e outra mais sobre os pobres que poderia titular-se “Beati pauperes”.

Em seu discurso de hoje, o Papa refletiu com a Secretaria do Sínodo sobre a nova Evangelização para a transmissão da fé. “Entre estes dois elementos -disse o Pontífice- há uma estreita conexão: a transmissão da fé cristã é o objetivo da nova evangelização e de toda a obra evangelizadora da Igreja, que existe, justamente, para isso”.

“A frase ‘nova evangelização’ ressalta, ademais, a certeza cada vez mais clara de que, também nos países de antiga tradição cristã, é necessário um anúncio renovado do Evangelho que volte a levar a um encontro com Cristo que transforme realmente a vida e não seja superficial e rotineiro. E isto repercute na ação pastoral”.

O Santo Padre citou logo as palavras de Paulo VI em seu discurso ao Colégio Cardenalício em 1973: “as condições da sociedade nos obrigam a revisar os métodos, a tentar com todos os meios estudar como levar ao homem de nossos dias a mensagem cristã, pois somente com ela pode encontrar a resposta a suas interrogantes e a força para seu compromisso de solidariedade humana”.

“Quero alentar a toda a comunidade eclesial -acrescentou o Papa Francisco- a que não tenha medo de ‘sair’ dela mesma para anunciar, confiando sobretudo na presença misericordiosa de Deus que nos guia. Efetivamente, as técnicas são importantes mas nem sequer a mais perfeita delas poderia substituir à ação discreta mas eficaz do ator principal da evangelização: o Espírito Santo”.

Francisco ressaltou que “é necessário deixar-se conduzir por Ele, embora nos leve por caminhos novos; é necessário deixar-se transformar por Ele para que nosso anúncio seja sempre o da palavra acompanhada pela simplicidade de vida, do espírito de oração, da caridade para todos, especialmente os pequenos e os pobres; da humildade e do desapego de si mesmo, da santidade de vida.”.

O Sínodo dos Bispos “foi um dos frutos do Concílio Vaticano II” e “graças a Deus, nestes cinquenta anos se sentiram os benefícios desta instituição que, de forma permanente, está a serviço da missão e da comunhão da Igreja, como expressão da colegialidade”.

“Abertos à graça do Espírito Santo, que é a alma da Igreja, confiamos em que o Sínodo melhorará ainda mais para favorecer o diálogo e a colaboração entre os bispos e entre eles com o Bispo de Roma”, concluiu o Santo Padre.

O Papa também respondeu algumas perguntas dos presentes. Ali anunciou que terminará a encíclica iniciada por Bento XVI e se referiu à importância de temas como a família, a dignidade humana e a tecnologia em vistas aos 50 anos (em 2015) do documento Gaudium et Spes do Concílio Vaticano II.

O Santo Padre criticou que muita gente considere atualmente o matrimônio como algo “provisório” e se referiu ao tema da ecologia, em particular a ecologia humana. O Pontífice falou também do laicismo e agradeceu a todos os presentes os esforços por responder a este e outros desafios.

É dever cristão envolver-se com a política embora seja “muito suja”, assegura o Papa

(ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco explicou nesta manhã que é um dever, uma obrigação do cristão, envolver-se com a política embora seja “muito suja”, porque estando nesse âmbito se pode trabalhar pelo bem comum.

Assim o explicou o Santo Padre ao responder uma das perguntas feitas por um dos jovens que recebeu na Sala Paulo VI, no encontro de alunos e ex-alunos dos colégios jesuítas da Itália e Albânia com o Pontífice.

No encontro, Francisco decidiu não ler o discurso que tinha preparado para a ocasião e dialogar espontaneamente com os assistentes o que gerou um clima de maior alegria e festa.

Sobre o tema da participação dos leigos na esfera pública, o Papa explicou que “envolver-se na política é uma obrigação para um cristão. Nós não podemos fazer como Pilatos e lavar as mãos, não podemos”.

“Devemos participar na vida política porque a política é uma das formas mais altas da caridade, porque busca o bem comum. E os leigos cristãos devem trabalhar na política”, assegurou o Santo Padre ante os milhares de crianças e jovens presentes.

“Alguém me dirá: ‘mas não é fácil’. Tampouco é fácil chegar a ser sacerdote. Não são coisas fáceis porque a vida não é fácil. A política é muito suja, mas eu me pergunto: Por que é suja? Por que os cristãos não estão revestidos do espírito evangélico”.

O Santo Padre assinalou também que “é fácil dizer ‘a culpa é dele’… mas e eu, o que faço? É um dever! Trabalhar pelo bem comum é dever de um cristão! E muitas vezes para trabalhar o caminho a seguir é a política”.

A ecologia humana é urgente porque a pessoa está em perigo, diz o Papa

(ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco assinalou nesta manhã que é urgente nestes tempos a ecologia humana porque a pessoa humana está em perigo, em meio de uma profunda crise a causa do esquecimento da ética.

Em sua reflexão desta manhã ante milhares de fiéis na Praça de São Pedro e fazendo referência ao Dia Mundial do Meio ambiente que se celebra hoje, o Santo Padre disse que “quando falamos de ambiente, da criação, o meu pensamento vai às primeiras páginas da Bíblia, ao Livro do Gênesis, onde se afirma que Deus colocou o homem e a mulher na terra para que a cultivassem e a protegessem. E me surgem as questões: O que quer dizer cultivar e cuidar da terra? Nós estamos realmente cultivando e cuidando da criação? Ou será que estamos explorando-a e negligenciando-a?”.

“Cultivar e cuidar da criação é uma indicação de Deus dada não somente no início da história, mas a cada um de nós; é parte do seu projeto; quer dizer fazer o mundo crescer com responsabilidade, transformá-lo para que seja um jardim, um lugar habitável para todos”.

O Papa recordou as muitas vezes que Bento XVI disse que “esta tarefa confiada a nós por Deus Criador requer captar o ritmo e a lógica da criação. Nós, em vez disso, somos muitas vezes guiados pela soberba do dominar, do possuir, do manipular, do explorar; não a “protegemos”, não a respeitamos, não a consideramos como um dom gratuito com o qual ter cuidado”.

“Estamos perdendo a atitude de admiração, de contemplação, de escuta da criação; e assim não conseguimos mais ler aquilo que Bento XVI chama de “o ritmo da história de amor de Deus com o homem”. Porque isto acontece? Porque pensamos e vivemos de modo horizontal, estamos nos afastando de Deus, não lemos os seus sinais”.

O Papa explicou logo que “cultivar e cuidar, não se refere somente a relação entre nós e o ambiente, entre o homem e a criação, diz respeito também às relações humanas. Os Papas falaram de ecologia humana, estritamente ligada à ecologia ambiental. Nós estamos vivendo um momento de crises; vemos isso no ambiente, mas, sobretudo, no homem. A pessoa humana está em perigo: isto é certo, a pessoa humana hoje está em perigo, eis a urgência da ecologia humana! E o perigo é grave porque a causa do problema não é superficial, mas profunda: não é somente uma questão de economia, mas de ética e de antropologia…dominam as dinâmicas de uma economia e de uma finança carentes de ética”.

O Papa disse deste modo que “o que manda hoje não é o homem, é o dinheiro: o dinheiro e a riqueza são os que mandam. E Deus nosso Pai deu a tarefa de cuidar da terra não ao dinheiro, mas a nós: aos homens e mulheres, nós temos esta tarefa! Em vez disso, homens e mulheres sacrificam-se aos ídolos do lucro e do consumo: é a ‘cultura do descartável’”.

“Se em uma noite de inverno, aqui próximo na rua Ottaviano, por exemplo, morre uma pessoa, isto não é notícia. Se em tantas partes do mundo hácrianças que não têm o que comer, isto não é notícia, parece normal. Não pode ser assim! No entanto essas coisas entram na normalidade: que algumas pessoas sem teto morram de frio pelas ruas não é notícia. Ao contrário, a queda de dez pontos na bolsa de valores de uma cidade constitui uma tragédia. Um que morre não é uma notícia, mas se caem dez pontos na bolsa é uma tragédia! Assim as pessoas são descartadas, como se fossem resíduos”.

“A vida humana, a pessoa não são mais consideradas como valor primário a respeitar e cuidar (…). Esta cultura do descartável nos tornou insensíveis também com relação ao lixo e ao desperdício de alimento (…). O consumismo nos induziu a acostumar-nos ao supérfluo e ao desperdício cotidiano de comida, ao qual às vezes não somos mais capazes de dar o justo valor, que vai muito além de meros parâmetros econômicos. Recordemos bem, porém, que a comida que se joga fora é como se estivesse sendo roubada da mesa de quem é pobre, de quem tem fome!”.

O Papa finalmente convidou todos a “refletir sobre o problema da perda e do desperdício de alimentos. Comprometamo-nos todos seriamente a respeitar e cuidar da criação, de estar atento a cada pessoa, de combater a cultura do lixo e do descartável, para promover uma cultura da solidariedade e do encontro”.

Discurso de uma menina doente ao Papa Francisco comoveu o mundo

Papa toma chuva enquanto cumprimenta os fiéis

(ACI/EWTN Noticias).- As palavras da Michelle, uma menina doente de câncer que se encontrou com o Papa Francisco comoveram todo o mundo: “Papa Francisco, reza pelos nossos pais para que possam ter sempre um sorriso como o teu”, disse a menor.

O Papa Francisco recebeu Michelle junto com um grupo de 22 crianças doentes no Domus Santa Marta no dia 31 de maio pela tarde. O grupo estava conformado pelos pacientes de oncologia pediátrica do hospital policlínico de Roma Agostino Gemelli que tinha acabado de regressar a Itália depois de uma peregrinação a Lourdes. Conforme o L’Osservatore Romano do dia 2 de junho, durante o encontro o Papa teve um momento junto com eles e cedeu a palavra a jovem Michelle, que prometeu ao Papa rezar por ele.

“Estou muito feliz de estar aqui na tua casa com meus amigos do Gemelli, os médicos, os voluntários, e com os sacerdotes da Unitalsi que nos acompanharam a Lourdes, disse a menina. É bom poder te ver de verdade, e não como sempre na televisão! Em Lourdes rezamos por ti, desenhamos a gruta da Virgem, como um presente para você. Prometemos que rezaremos ainda por ti e queremos pedir-te que rezes por todas as crianças doentes do hospital Gemelli e do mundo”.

O Papa agradeceu estas palavras com um forte abraço e, comovido, disse: “Jesus agora está aqui conosco. Tenham certeza. E bem, está conosco porque nos ama sempre. Jesus caminha conosco na vida e quando temos problemas sempre está ao nosso lado”.

As crianças chegaram acompanhadas pelo Pe. Gianni Toni, o sacerdote italiano da União Nacional Italiana de Transporte de Doentes a Lourdes e Santuários Internacionais (UNITALSI), e assinalou que o encontro do Papa com as crianças foi como “uma brincadeira que terminou da melhor forma”.

“Quando estávamos em frente da gruta de Massabielle, para aliviar com um pouco de alegria o cansaço, improvisamos um jogo: desenhar a gruta de Lourdes para mostrar depois ao Papa que não a conhece. Mas claro, quando dizíamos isto às crianças nunca ninguém pensou que eles iriam realmente estar na presença do Papa”, explica o Pe. Toni.

O íntimo encontro aconteceu graças ao desenho do Giovanni, um menino de oito anos da Sardenha (Itália), que ficou cego por causa de um tumor no cérebro. O desenho foi feito no quadro braile com base na descrição da gruta que lhe fizeram os enfermeiros, e os comoveu de tal maneira que decidiram enviar-lhe ao Papa junto com uma carta explicativa.

Ao relatar o encontro entre o jovem cego e o Papa Francisco, o sacerdote assinalou que Giovanni levava doces como presentes para o Papa. “Mas você é guloso?”, perguntou-lhe. O Papa respondeu “sim, muitíssimo. Eu gosto de bolos e de chocolate. A ti também? Sim, mas não te causam dor no fígado?”.

Giovanni mostrou-lhe então um grande saco vermelho e lhe disse: “Felizmente que és guloso porque eu trouxe-te os doces típicos da Sardenha!”. “Uhm! Obrigado, mas então podemos comê-los com as outras crianças?”, respondeu o Papa.

O Pe. Toni explicou que a conversação foi como a de “um avô com seus netinhos”.

As crianças também estiveram acompanhadas pelos seus pais, e todos rodearam em semicírculo ao Papa e rezaram junto a ele.

O encontro durou mais ou menos uma hora e o Santo Padre disse às crianças: “O que faz Jesus quando encontra uma criança que chora? O que faz? Para? Jesus para. Por que? Porque as crianças são aqueles que Jesus mais ama!”.

“Assim é Jesus. E hoje Jesus está perto de todos nós, de todos vocês que vieram aqui. Sério! Jesus está aqui, conosco!”, exclamou.

Para terminar o Papa recordou às crianças que “Jesus sempre está conosco. Quando estamos felizes e contentes Jesus está conosco. Quando estamos tristes, Jesus está sempre conosco porque Jesus nos ama. Não esqueçam nunca disso”.

Bispo retira sacerdote que não quis abandonar maçonaria na França

Sacerdote Pascal Vesin

(ACI/EWTN Noticias).- O Bispo de Annecy (França), Dom Yves Boivineau, retirou do seu cargo como pároco da Paróquia Montjoie Arly-Sainte-Anne ao sacerdote Pascal Vesin, ao recusar renunciar à loja maçônica a que também pertence desde 2001.

A Igreja sempre condenou a maçonaria. Já no século XVIII os Papas o fizeram com muito mais força, e no XIX persistiram nisso. No Código de Direito Canônico de 1917 se excomungava aos católicos que dessem seu nome à maçonaria.

No Código de Direito Canônico de 1983 a menção explícita da maçonaria e a conseguinte excomunhão desapareceram, confundindo a alguns. Entretanto, o então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Joseph Ratzinger, hoje Bispo emérito de Roma Bento XVI, esclareceu em uma publicação que os princípios da maçonaria continuam sendo incompatíveis com a doutrina da Igreja, e que os fiéis que pertençam a associações maçônicas não podem acessar à Sagrada Comunhão.

Conforme explicou a Diocese de Annecy em um comunicado publicado em 26 de maio, “em razão da sua ativa participação em uma loja maçônica”, o Pe. Vesin “foi afastado do seu cargo pelo Bispo Yves Boivineau, Bispo de Annecy, a pedido de Roma”.

A diocese francesa sublinhou que “apesar da incompatibilidade dos princípios, em termos de fé e seus requerimentos morais, o sacerdote em questão, pároco na diocese de Annecy, é um membro da Grande Loja Maçônica do Oriente da França desde 2001”.

O Bispo foi informado do caso por uma carta anônima em 2010, recorda o comunicado, entretanto, ao interrogar o sacerdote, este inicialmente o negou.

No ano seguinte, o Bispo solicitou ao Pe. Vesin “abandonar a Maçonaria para continuar seu ministério sacerdotal”, entretanto, “a pessoa, optando pela ‘absoluta liberdade de consciência’, como se diz, assinalou que sua intenção é viver na membresia dual”.

Com o consentimento do Vaticano, Dom Boivineau iniciou um diálogo com o sacerdote para resolver o assunto, e “desde o início, o Padre Vesin foi claramente informado da sanção”.

“Ainda assim, ele decidiu não renunciar à Maçonaria”, assinalou a diocese francesa.

“Em março passado, interveio a decisão da Congregação para a Doutrina da Fé”, mas “o Padre Vesin reiterou seu desejo de permanecer dentro da maçonaria”.

Ante sua persistência nesta decisão, “o Bispo lhe notificou as consequências de sua eleição”.

Apesar desta última decisão, advertiu a diocese francesa, “nada está fechado, pois de acordo à vontade do Bispo sua sanção, chamada ‘medicina’, pode ser retirada” e fica de poder “do Padre Pascal Vesin manifestar claramente sua decisão de retornar à Igreja”.

“A misericórdia vai com a verdade”, concluiu o comunicado.

Tráfico de pessoas é uma vergonha para a sociedade civilizada, diz o Papa

(ACI/EWTN Noticias).- “O tráfico de pessoas é uma atividade ignóbil, uma vergonha para nossas sociedades que se dizem civilizadas! Aproveitadores e clientes, em todos os âmbitos, deveriam fazer um sério exame de consciência consigo mesmos e diante de Deus”, disse o Papa Francisco nesta manhã.

Assim o indicou o Santo Padre em seu discurso aos participantes na Assembleia Plenária do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Emigrantes e Itinerantes reunidos em Roma para discutir o tema “A solicitude pastoral daIgreja no contexto das migrações forçadas”.

A Assembleia coincide com a publicação do documento “Acolher Cristo nos refugiados e nas pessoas deslocadas à força” que chama a atenção sobre os milhões de refugiados, deslocados e apátridas, e aborda também o flagelo do tráfico de pessoas.

O Papa disse que “a Igreja renova hoje sua firme chamada para que sejam sempre protegidas a dignidade e a centralidade de cada pessoa, no respeito dos direitos fundamentais… uns direitos que por si mesmos precisam ser ampliados ali onde não se reconhecem milhões de homens e mulheres em todos os continentes”.

“Em um mundo onde se fala muito de direitos, quantas vezes na realidade a dignidade humana é pisoteada. Em um mundo onde se fala tanto de direitos parece que o único que os tem é o dinheiro… Vivemos em um mundo, em uma cultura onde impera o fetichismo do dinheiro”.

Neste contexto o Papa recordou que o dicastério responsável pela pastoral dos Emigrantes e Itinerantes se preocupa muito pelas “situações nas que a famíliadas nações está chamada a intervir em um espírito de solidariedade fraterna, com programas de proteção, frequentemente com o telão de fundo de acontecimentos dramáticos que tocam, quase todos os dias, a vida de muitas pessoas. Expresso o meu apreço e a minha gratidão, e vos animo continuar no caminho de serviço aos irmãos pobres e marginalizados”.

A atenção da Igreja, que é “mãe” se manifesta “com especial ternura e proximidade a quem se vê obrigado a fugir do seu país e vive entre a erradicação e a integração. Esta tensão destrói as pessoas. A compaixão – ‘sofrer com’ – se expressa, sobretudo, no esforço em conhecer as razões que obrigam a deixar forçadamente um país, e em dar voz aos que não podem fazer ouvir seu grito de dor e de opressão”.

“Neste sentido realizam uma tarefa importante, também na hora de sensibilizar as comunidades cristãs para tantos irmãos marcados por feridas que marcam a sua existência: a violência, o abuso de poder, a distância da família, os traumas, a fuga de casa, a incerteza sobre o futuro nos campos de refugiados são elementos que desumanizam e deveriam incentivar os cristãos e toda a comunidade a realizar ações concretas”.

O Santo Padre disse que ante este panorama é necessário ver “a luz da esperança. Uma esperança que se expressa nas expectativas pelo futuro, no desejo de fazer amizades, de participar da sociedade que os acolhe, de aprender a língua, de ter acesso a um trabalho e de dar a chance de estudar aos menores. Admiro a coragem de quem espera gradualmente recomeçar uma vida normal, à espera que satisfações e amor voltem a alegrar sua existência. Todos nós podemos, e devemos, nutrir esta esperança!”

O Papa animou os governantes e legisladores e toda a comunidade internacional para que façam frente à realidade das pessoas desarraigadas pela força “com iniciativas eficazes e novos enfoques para proteger sua dignidade, melhorar sua qualidade de vida e enfrentar os desafios que surgem de formas modernas de perseguição, opressão e escravidão. Trata-se, insisto, de seres humanos, que apelam à solidariedade e ao apoio, que necessitam ações urgentes, mas também e sobretudo compreensão e bondade. Sua condição não pode nos deixar indiferentes”.

“E nós, como Igreja recordemos que ao curar as feridas dos refugiados, deslocados e das vítimas do tráfico, colocamos na prática o mandamento do amor que Jesus nos deixou, quando se identificou com o estrangeiro, com quem sofre e com todas as vítimas inocentes da violência e da exploração”.

“E aqui também eu gostaria de chamar a atenção que todo pastor e comunidade cristã devem ter para o caminho de fé dos refugiados cristãos e erradicados de suas realidades, assim como para os emigrantes cristãos. Requerem uma atenção pastoral especial, que respeite suas tradições e os acompanhe numa harmônica integração nas novas realidades eclesiais em que se encontram. Não esqueçam a carne de Cristo, que está na carne dos refugiados; sua carne é a de Cristo”, concluiu.